Távola redonda e tricolor

Távola redondaO presidente do Santa Cruz, Fernando Bezerra Coelho, vem sabendo costurar com maestria todas as arestas que vêm aparecendo no Arruda.

No dia 14 deste mês, o Diario publicou uma reportagem na qual lideranças corais demonstravam descontentamento com a gestão de FBC (leia AQUI).

A queixa era que quando o mandatário deixa o Recife – como secretário econômico do estado, presidente de Suape ou “ambos” -, o Tricolor ficava parado.

Ao voltar de sua última viagem ao exterior, Bezerra negou isso, alegando que havia delegado funções aos seus dirigentes (Antônio Júnior, vice de Comunicação, por exemplo, estava negociando com a Champs).

Mas para apagar logo o mal estar causado pelo episódio, Bezerra se encontrou com os líderes tricolores em um almoço na quarta-feira, no shopping Paço Alfândega. Um encontro sem cabeceira, como nos bons tempos da Távola Redonda (no século XII, na Inglaterra).

A paz, então, continua reinando no Santa, que vem se reestruturando. E assim deverá ficar até 11 de janeiro de 2009, na estréia do Pernambucano, contra o Sete de Setembro, em Garanhuns. A partir desta data, o problema já passa a ser com a torcida, que voltará a cobrar o time (além de apoiar, é claro).

E nesse caso, apenas uma mesa não será suficiente.

Todo mundo já apanhou do Íbis

Formação do Íbis na década de 1980

Em 2008, o Íbis alcançou os 70 anos de vida, de muitas, muitas derrotas. Entre 1980 e 1984, com três anos e onze meses no período, o time ficou sem vencer um joguinho sequer. Formações históricas com Mauro Shampoo deram fama. Ao todo, o Pássaro Preto disputou 678 jogos na primeira divisão do Campeonato Pernambucano, com 504 derrotas. Entretanto, em algum momento da já duradoura história, também venceu. Inclusive fez frente ao Trio de Ferro.

Escudos do Íbis

Entre 1947, na sua primeira participação, e 2000, na última, o time sofreu muitas goleadas. O Santa Cruz chegou a vencer por 13 x 0. Não uma, mas duas vezes, em 1978 e 1981. Já Náutico e Sport ganharam por até 11 x 0. Mas o Pior time do mundo também teve os seus dias de glória, quase num universo paralelo. Abaixo, as oito vitórias do setentão Íbis diante dos grandes.

28/08/1947 – Íbis 5 x 4 Sport (Aflitos)
29/01/1948 – Íbis 1 x 0 Náutico (Aflitos)
01/08/1948 – Íbis 5 x 3 Náutico (Aflitos)
30/11/1952 – Íbis 2 x 0 Sport (Ilha do Retiro)
16/06/1961 – Íbis 1 x 0 Náutico (Aflitos)
18/07/1965 – Íbis 1 x 0 Santa Cruz (Aflitos)
10/05/1970 – Íbis 1 x 0 Sport (Arruda)
25/03/2000 – Íbis 1 x 0 Náutico (Aflitos)

Voltando às derrotas, eis um “belo” registro, com Santa 10 x 1 Íbis, em 1991. Na reportagem, Stênio José, então na Globo e posteriormente colunista do Diario de Pernambuco. Reparem na entrevista do torcedor antes do jogo.

“O Íbis já ‘deu’ em todos os times que disputam o Campeonato Pernambucano de futebol. Torcedor nenhum tem direito de falar do Íbis”.

Lema do clube: Íbis Sport Club, para apaixonados por futebolFaz sentido…

824 km de desperdício

Semi-leito...Sport e Náutico irão percorrer, de forma desnecessária, 824 quilômetros no Estadual de 2009.

Nas 2ª e 3ª rodadas do próximo Pernambucano, o Leão e o Timbu enfrentarão Salgueiro e Serrano.

Mas ao contrário do segundo turno deste ano, quando os confrontos foram “casados”, com dois jogos seguidos no Sertão e depois mais dois no Recife, na próxima temporada a fórmula será bem mais desgastante (e mais cara).

No dia 14 de janeiro, o Sport enfrentará o Carcará na noite de uma quarta-feira. A 100 quilômetros dali, o Náutico jogará contra o Serrano, em Serra Talhada.

Três dias depois, o Alvirrubro volta a campo, contra o Salgueiro, num sábado à tarde, já nos Aflitos. No dia seguinte, o Sport recebe o Serrano, na Ilha do Retiro.

Desgaste para os 4 times…

1.856 km, a soma das viagens de ida e volta para Salgueiro e Serra Talhada, alternadamente.

1.032 km, a soma das viagens para Salgueiro e Serra Talhada na mesma “turnê”.

No entanto, provavelmente não irá adiantar reclamar, pois o secretário geral da FPF, João Caixero, já mandou o seu recado.

“A tabela não será mexida. Será essa mesmo que foi apresentada. A única coisa que poderá mudar é o horário de um jogo por rodada, que será transmitido pela Rede Globlo. E nós ainda temos 10 dias para divulgar essa modificação”.

Distâncias entre o Recife e…

…Serra Talhada: 412 km :-|
…Salgueiro: 516 km :-(

Estadual/2009 (1º turno)

14/01 – Salgueiro x Sport
14/01 – Serrano x Náutico
17/01 – Náutico x Salgueiro
18/01 – Sport x Serrano

Time de botão

Time de botão coralFaltam exatamente 2 meses para a estréia do Santa Cruz no Estadual de 2009, no Gigante do Agreste, contra o Sete de Setembro.

Hoje, o Tricolor conta com apenas 13 jogadores, quase todos eles promovidos recentemente das categorias de base. Pouquíssimos deverão ser aproveitados pelo técnico Márcio Bittencourt.

A exceção é Rosembrick, que fará 30 anos na próxima temporada. Meia habilidoso, mas freqüentador assíduo do departamento médico.

Agora, pelo menos 20 reforços (das Séries A e B do Brasileiro) deverão desembarcar no Arruda, com contratos de pelo menos 1 ano.

E aí, tricolores… Sugestões para as contratações? Alguma posição precisa ter um investimento mais forte? O planejamento está no tempo certo ou já está atrasado? Opine!

Vale lembrar que o presidente coral, Fernando Bezerra Coelho, afirmou que a folha do futebol deverá ser de R$ 500 mil (a do Grêmio, vice-líder da Série A, é de R$ 850 mil). Tomara que tudo isso saia tudo do papel, pois até agora o Santa Cruz tem apenas um time de botão.

Cronograma coral

3 de novembro de 2008 – O técnico Márcio Bittencourt foi apresentado oficialmente. Ele terá o apoio do diretor de futebol (remunerado) Luiz Antônio Capella.

15 de novembro de 2008 – Primeiros reforços poderão ser anunciados.

3 janeiro de 2009 – Prazo final para contratações (meta estipulada por Bittencourt).

11 de janeiro de 2009 – Estréia no Pernambucano (Sete de Setembro x Santa Cruz).

5 de julho de 2009 – Abertura da Série D do Brasileiro.

669 dias de espera

Tricolores "tiram onda" do fim da série invicta do rivalEm 11 de abril de 2007, Santa Cruz e Sport fizeram o último clássico daquele Pernambucano. O Rubro-negro já havia conquistado o bicampeonato de forma antecipada. Em 17 jogos, o Leão havia vencido 16 jogos e empatado um, justamente contra o Tricolor, no primeiro turno, na Ilha do Retiro.

Naquela noite, no Arruda, o único objetivo do campeão estadual era manter a invencibilidade da conquista. O time coral, em crise, havia sido massacrado pela Cabense na última rodada por 5 x 2. O clube estava em 6º lugar na classificação geral.

Mas não é que o Santinha carimbou a faixa leonina? Vitória por 1 x 0, gol do ex-rubro-negro Marco Antônio. O veneno da Cobra-Coral (acima, a festa da torcida tricolor) marcou também o último Clássico das Multidões.

Santa CruzSportDesde então, os dois times foram sendo separados por todas as divisões do Campeonato Brasileiro.

Mesmo com o Tricolor despencando no Nacional (com todas as decepções possíveis), a confiança voltou com a eleição do presidente Fernando Bezerra Coelho.

Apesar de nenhum jogador ter sido contratado pelo Santa até agora, dirigentes rubro-negros soltaram farpas contra a gestão coral (por causa do investimento de R$ 4 milhões na reforma do Arruda).

Mas FCB rebateu: “Eles deveriam ficar preocupados é quando a gente formar o nosso time”.

A tréplica dos leoninos veio na última semana, durante o Conselho Arbitral, quando a fórmula preferida pelo Sport foi aprovada, ao invés do regulamento apresentado pelo mandatário do Santa.

A verdade é que os velhos rivais voltarão a se enfrentar no dia 8 de fevereiro de 2009. Acabando com um hiato de 669 dias sem o jogão. Chega de bastidores… A diversão será mesmo no campo.

Será um domingo daqueles no Arruda, já de gramado novo. Às 16h.

O clima ainda vai esquentar muito até lá.

Clássico das Multidões – 374 jogos (só pelo Estadual)
159 vitórias do Sport (528 gols)
106 empates
109 vitórias do Santa (437 gols)

Clássicos agendados

A Federação Pernambucana de Futebol divulgou a tabela do 1º turno do Estadual de 2009 na noite desta segunda-feira. Veja todos os jogos da primeira fase do campeonato clicando AQUI.

Se neste ano o que mais gerou insatisfação foi a ausência de clássicos, o mês de fevereiro vai fazer a torcida pernambucana matar a saudade logo.

01/02Náutico x Santa Cruz (7ª rodada)

08/02 – Santa Cruz x Sport (9ª rodada)

15/02Sport x Náutico (11ª rodada)

Obs. Ao contrário dos anos anteriores, o 1º turno não se chamará Taça Tabocas e Guararapes, mas sim “Taça Revolução Constitucionalista de 1817″. Simples, não?!

É remota, mas existe

Já que o presidente da FPF, Carlos Alberto Oliveira, chegou a cogitar a possibilidade de realizar alguns jogos do Campeonato Pernambucano de 2009 na Paraíba – por causa da falta de campos locais, já que o Arruda e a Ilha do Retiro estarão sendo reformados até o início da competição -, aqui vão alguns dados sobre o Almeidão, caso aconteça a possível (porém, improvável) mudança para João Pessoa.

A mudança seria principalmente em jogos do Sport, pois o Santa Cruz mandará algumas partidas no Ademir Cunha, em Paulista. A capital paraibana, separada do Recife por 120 quilômetros através da BR-101, conta com um bom estádio. Admito que gostaria que o Sport jogasse pelo menos um jogo do Estadual lá. Seria curioso.

Estádio Almeidão, em João PessoaAlmeidão
Nome: José Américo de Almeida Filho
Capacidade: 40.000 espectadores
Recorde de público: 44.267 pessoas (Botafogo 2 x 0 Campinense, na final do Estadual de 98)
Data de Inauguração: 09/03/1975
Primeiro jogo: Botafogo-PB 0×2 Botafogo-RJ
Primeiro gol: Tiquinho
Dimensões do campo: 110 x 75m
Localização: bairro do Cristo Redentor, em João Pessoa/PB

Jogos mais “recentes” do Leão no Almeidão:

12/10/1997 – Sport 1 x 2 Juventude (Série A)
25/10/1997 – Sport 2 x 1 Bragantino (Série A)
12/07/2000 – Sport 1 x 2 América/MG (Copa dos Campeões)
22/07/2000 – Sport 3 x 1 São Paulo (Copa dos Campeões)
27/06/2001 – Sport 0 x 5 São Paulo (Copa dos Campeões)
14/04/2002 – Sport 3 x 0 Botafogo/PB (Nordestão)

Obs. Os jogos pelo Brasileirão de 1997 só aconteceram lá porque o Rubro-negro foi penalizado pelo STJD com a perda de 2 mandos de campo devido a alguns objetos jogados no campo da Ilha.

Falta pouco

Arquibancadas tubulares do Gileno de CarliCom mais de 40 anos de história, o estádio Gileno de Carli, no Cabo de Santo Agostinho, voltará a receber jogos da 1ª divisão do Campeonato Pernambucano em 2009.

O estádio onde a Cabense mandará as suas partidas foi vistoriado por uma comitiva da Federação Pernambucana de Futebol (FPF) no último sábado. Curiosa foi a declaração do secretário geral da entidade, João Caixero, sobre a atual situação do Gileno de Carli.

“Já demos o aval positivo. Só faltam alguns detalhes, como aumentar a arquibancada e trocar o gramado”.

SÓ…!? 8-O

Gramado do Gileno de CarliA ação para ampliar a capacidade será idêntica àquela de 2007, quando foram colocadas arquibancadas tubulares em uma lateral do campo e atrás de um dos gols. O Gileno de Carli tem capacidade para apenas 2.500 torcedores, metade do mínimo exigido pela FPF. Com a reforma, porém, o número chegará a 5.500 pessoas sentadas.

A prefeitura local também está finalizando um projeto para ampliar o estádio de vez (com arquibancadas de concreto mesmo), e logo para 10.000 lugares.

Uma medida correta, pois a população do Cabo vem aumentando bastante (já passa de 168 mil moradores), até mesmo porque o município é um dos principais pólos de investimentos do estado. Caso seja aprovado, o projeto só deverá ser colocado em prática em 2010.

Fotos: arquivo do site da Prefeitura do Cabo

Bittencourt: “Estou chegando”

Márcio Bittencourt, o novo técnico do Santa CruzO novo técnico do Santa Cruz, Márcio Bittencourt, chegou no Recife por volta das 19h30 de domingo. Após desembarcar no Aeroporto Internacional dos Guararapes, ele seguiu direto para uma emissora de TV.

Nesta segunda, Bittencourt (que assinou contrato por 2 anos) será apresentado oficialmente à imprensa, em um almoço no restaurante Boi Preto, no Pina.

Frases do comandante tricolor já em solo pernambucano:

Santa S.A.

“A maioria dos clubes está virando empresa. A paixão ficou para trás. A paixão é só para o torcedor. Um clube precisa ter uma gestão profissional ao extremo, pois é muito difícil fazer futebol”.

Futebol coral

“Dá para formar um bom time com R$ 500 mil (folha estipulada por FBC). Mas precisa ser planejado direitinho, porque no dia a dia também se gasta muito. Vamos iniciar um grande trabalho sem esquecer das categorias de base. O nosso país é muito rico em jogadores de futebol, e um grande trabalho no profissional não pode esquecer a base”.

Pernambucano

“Nós vamos montar um time para disputar o título. O Santa Cruz sempre tem que pensar em chegar, porque tem tradição, e é o que nós viemos fazer”.

Carreira
“Nesse ano, fui vice-campeao do interior (dirigindo o Noroeste, no Paulistão). Passei 3 anos como assistente técnico, mas assumi o Corinthians em 2005 (na Série A), e também me considero campeão, pois 83% dos pontos fui que fiz (na reta final, foi substituído por Antônio Lopes). Estou há 3 anos como treinador, e onde estou indo, estou ‘chegando’”.

Tabocas, Guararapes e Confederação do Equador

Náutico reverte a vantagem e coral, faz 3 x 0 no Arruda e ganha o Pernambucano de 2004A forma como o regulamento do Pernambucano foi modificado foi bastante controversa. Apesar de horrível, a fórmula deste ano deveria ser adotada em 2009 também, seguindo as normas do Estatuto do Torcedor. Essa mudança antecipada me parece apenas a primeira das muitas brechas que os dirigentes encontrarão na cartilha que regula o futebol nacional. Após a ressalva, vamos ao post de fato.

Já que o formato com turno e returno foi aprovado, vou listar aqui algumas curiosidades deste modelo, que foi implantado pela FPF entre 2004 e 2007 (com 10 clubes, ao invés dos 12 no próximo ano). Em 4 temporadas, Sport, Santa Cruz e Náutico foram campeões (com o Leão vencendo 2 vezes). Os clubes do interior bateram na trave, chegando em 2º lugar em 4 oportunidades. Números que mostram um certo equilíbrio.

Santa Cruz vence o Petrolina por 2 x 1, no Sertão, e conquista o Estadual de 2005Taça Tabocas e Guararapes (1º turno)
2004 – Santa Cruz (7v, 1e, 1d; 22 pontos)
Vice: Náutico (5v, 2e, 2d; 17 pontos)
2005 – Santa Cruz (6v, 2e, 1d; 20 pontos)
Vice: Serrano (4v, 5e, 0d; 17 pontos)
2006 – Santa Cruz  (6v, 1e, 2d; 19 pontos)
Vice: Ypiranga (5v, 3e, 1d; 18 pontos)
2007 – Sport (8v, 1e, 0d; 25 pontos)
Vice: Porto (5v, 1e, 3d; 16 pontos)

Sport, campeão pernambucano de 2006Taça Confederação do Equador (2º turno)
2004 – Náutico (7v, 1e, 1e; 22 pontos)
Vice: Santa Cruz (5v, 1e, 2d; 16 pontos)
2005 – Santa Cruz (9v, 0e, 0d; 27 pontos)
Vice: Náutico (6v, 2e, 1d; 20 pontos)
2006 – Sport (6v, 3e, 0d; 21 pontos)
Vice: Santa Cruz (5v, 3e, 1d; 18 pontos)
2007 – Sport (8v, 0e, 1d; 24 pontos)
Vice: Central (5v, 2e, 2d; 17 pontos)

  • Títulos dos turnos: Santa Cruz (4), Sport (3) e Náutico (1)
  • Vices: Santa (2), Náutico (2), Serrano (1), Ypiranga (1), Porto (1) e Central (1)
  • Melhor campanha vencedora: Santa (2º turno de 2005), com 27 pontos (100%)
  • Pior campanha vencedora: Santa (1º turno de 2006), com 19 pontos (70,37%)
  • Melhor vice: Náutico (2º turno de 2005), com 20 pontos (74,07%)
  • Pior vice: Porto (1º turno de 2007) e Santa (2º turno de 2004), com 16 pontos (59,25%)

Fotos: Arquivo/DP (ordem abaixo)
1) Santa 0 x 3 Náutico (final do Estadual de 2004, Timbu campeão), em 18 de abril.
2) Petrolina 1 x 2 Santa (Tricolor campeão de 2005, antecipadamente), 31 de março.
3) Sport (5) 0 x 1 (4) Santa Cruz (Leão campeão de 2006 nos pênaltis), em 9 de abril.