Ranking dos pênaltis e das expulsões (6)

Pernambucano 2016, 6ª rodada: Belo Jardim 1x4 Central. Crédito: TV Asa Branca/Rede Globo (reprodução)

A 6ª rodada do campeonato estadual foi “branda”. Nada de expulsões e apenas um pênalti assinalado. Lá no estádio Antônio Inácio, logo aos 7 minutos de bola rolando. Apesar de o jogo ter sido em Caruaru, o mando era do Belo Jardim (coisas da FPF). A penalidade foi a favor do “visitante”, com o lateral-esquerdo do Central, Altemar, abrindo o placar. Ele ainda faria mais um gol no 4 x 1, assumindo a artilharia do Pernambucano, ao lado do alvirrubro Erick.

Vamos à atualização das duas listas levantadas pelo blog após 18 jogos.

Pênaltis a favor (9)
3 pênaltis – Sport (desperdiçou 2)
2 pênaltis – Náutico, Belo Jardim e Central
Sem penalidade – Santa Cruz e Salgueiro

Pênaltis cometidos (9)
3 pênaltis – Central e Belo Jardim (defendeu 1)
1 pênalti – Santa Cruz, Náutico (defendeu 1) e Sport

Sem penalidade – Salgueiro

Cartões vermelhos (6)
1º) Sport – 2 adversários expulsos; nenhum vermelho
2º) Náutico – 2 adversários expulso; 1 vermelho
3º) Salgueiro – 1 adversário expulso; 1 vermelho
4º) Santa Cruz – 1 adversário expulso, 2 vermelhos
5º) Central e Belo Jardim – nenhum adversário expulso; 1 vermelho  

Confira os rankings anteriores, de 2009 a 2016, clicando aqui.

Resumo da 6ª rodada do Pernambucano

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Náutico 2x1 Sport, Salgueiro 0x1 Santa Cruz e Belo Jardim 1x4 Central. Imagens: Paulo Paiva/DP (Arena), Vandinho Dias/SG10 Comunicações (Salgueiro) e TV Asa Branca/reprodução (Caruaru)

Antes da pausa de duas semanas no Pernambucano, tivemos uma rodada bem movimentada. Foram nove gols e duas quebras de invencibilidade, do líder do Salgueiro, após onze jogos nas duas fases da competição, e do Sport, também com onze partidas, mas somando todas as apresentações oficiais em 2017. Melhor para Santa, de novo com tranquilidade no G4, e Náutico, ganhando um Clássico dos Clássicos após quase três anos, ou sete jogos. Ah, falando em clássico, mais um com público baixo, com apenas 6.419 torcedores – dos quatro clássicos já disputados no Estadual, apenas um passou de 10 mil.

Nos dezoito jogos realizados nesta fase do #PE2017 saíram 40 gols, com média de 2,22. Em relação à artilharia, que a federação oficialmente considera somente os dados do hexagonal e do mata-mata, o atacante Erick, do Náutico, e o lateral-esquerdo Altemar, do Central, assumiram a liderança, com 3 gols cada .

Hoje, as semifinais seriam Salgueiro x Santa Cruz e Náutico x Sport.

Náutico 2 x 1 Sport – Dominado no 1º tempo, o Alvirrubro mudou a postura, forçando os contragolpes. Executou bem, venceu e subiu para a vice-liderança.

Salgueiro 0 x 1 Santa Cruz – O Tricolor foi pressionado, mas conseguiu segurar a vantagem e devolver a derrota em casa, derrubando o último invicto.

Belo Jardim 1 x 4 Central – Pode-se dizer que a Patativa surpreendeu, mesmo em Caruaru, pois não havia somado pontos. O Calango se distanciou do G4.

Destaque: Milton Cruz. O treinador ganhou o seu 1º jogo no Náutico. Mais do que substituições, soube ler o jogo, atuando no erro do exposto adversário.

Carcaça: Daniel Paulista. O Sport até dominou no 1º tempo, mas a troca de Rithely (machucado) por André foi um risco assumido bem além do razoável.

Próxima rodada
18/03 (16h00) – Santa Cruz x Central, Arruda (Premiere)
18/03 (18h30) – Salgueiro x Náutico, Cornélio de Barros (Premiere)
19/03 (16h00) – Belo Jardim x Sport, Arruda (Globo NE)

Classificação do hexagonal do título do Pernambucano 2017 após 6 rodadas. Crédito: Superesportes

Santa Cruz marca com Pitbull logo no início e segura a vitória em Salgueiro

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Salgueiro 0x1 Santa Cruz. Crédito: Vandinho Dias/SG10 Comunicações

A derrota no Arruda, a primeira na temporada, obrigou Vinícius Eutrópio a mudar o planejamento do Santa Cruz, escalando as principais peças no Sertão. Afinal, um novo tropeço poderia tirar o bicampeão pernambucano do G4 nesta rodada. Pegando a BR-232, com 512 quilômetros pela frente, os corais chegaram com gás no Cornélio de Barros, jogando um futebol bem mais convincente que aquele visto na quinta-feira. Ao menos em termos de obediência tática.

Ignorando o calor de 34 graus, o visitante se impôs diante do líder no primeiro tempo, criando as melhores oportunidades e deixando o Carcará sem ação (finalizando apenas uma vez na primeira meia hora). Os corais chegaram com Léo Costa (de volta, fez falta), Barbio e Half Pitbull, que marcou um belo gol logo aos 10 minutos. Estava distante da área quando recebeu a bola. Girou e bateu forte, contando com um leve desvio rumo ao ângulo de Mondragon. Foi 5º gol do xodó da torcida coral, sendo 3 no regional e 2 no estadual.

Com o 0 x 1, os tricolores se retraíram (daí a “obediência tática” no início), ocupando espaço e travando o jogo do Carcará. Futebol nada vistoso, mas eficiente para o resultado que era necessário. Ao tirar a invencibilidade do Salgueiro e contar com a derrota do Belo Jardim (que acabou goleado pelo Central), o Santa volta a ter plena folga no G4, cinco pontos à frente. Ou seja, o técnico pode repensar numa formação alternativa, priorizando a Copa do Nordeste. Com o atual faro de gols, difícil vai ser convencer Pitbull a folgar…

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Salgueiro 0x1 Santa Cruz. Crédito: Vandinho Dias/SG10 Comunicações

Náutico tira a invencibilidade do Sport com futebol mais organizado na Arena

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Náutico 2x1 Sport. Foto: Paulo Paiva/DP

Na Ilha, a fraca apresentação diante dos reservas do Sport causou desconforto nos alvirrubros quanto ao jogo de domingo, também pelo hexagonal estadual, quando o centenário rival teria força máxima – incluindo o meia Diego Souza, convocado para as Eliminatórias da Copa. Em campo, embora o visitante tenha controlado o primeiro tempo, as mudanças e orientações dos técnicos foram decisivas para o confronto, a favor do Náutico, com Milton Cruz utilizando os espaços deixados por Daniel Paulista. A vitória timbu, por 2 x 1, derrubou a invencibilidade leonina de onze partidas oficiais na temporada.

No primeiro tempo, o leão teve mais intensidade ofensiva, sobretudo pela direita, há tempos o escape. Após a convocação, DS87 acabou jogando próximo ao estilo que Tite espera na Seleção, fazendo o pivô. Assim, quase não avançou carregando a bola, como em seus melhores momentos. Mas não foi o “9″, com Leandro Pereira cumprindo a função. Porém, o centroavante de fato desperdiçou duas ótimas chances (em cruzamentos), mandando a primeira na trave e furando na segunda. O suficiente para Tiago Cardoso chamar a atenção da defesa, com dificuldades para sair jogando, principalmente João Ananias.

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Náutico 2x1 Sport. Foto: Paulo Paiva/DP

Ao menos o também volante Rodrigo Souza apresentou um futebol melhor que seus últimos (e indefensáveis) jogos. Bronca era chegar à meta de Magrão, com a maioria das jogadas passando por Erick, bem marcado – embora Mansur tenha sido amarelado com 24 segundos (!). No reinício, o Náutico já assustou com Alison. Essa fome seria determinante, enquanto o Sport manteria a sua cadenciada (displicente?) forma de jogar. De fato, o Náutico acelerou. Roubava a bola e atacava. Na primeira, Dudu iniciou a jogada e tocou para Erick, que serviu Marco Antônio. De fora da área, o meia marcou um belo gol.

Em desvantagem, Daniel Paulista acionou André. Saiu Rithely, machucado. Isso mesmo, um ataque povoado (apesar de Diego ter sido recuado) e um rombo no meio, que não seria consertado. Com o presente, Milton orientou a sua equipe para os espaços que o visitante deixaria (e deixaria mesmo). Dez minutos depois, o Alvirrubro ampliou, com Erick, de cabeça – a promessa já havia feito no clássico anterior. Mesmo no sufoco, o Sport diminuiu aos 24, com Ronaldo Alves. Só não mudou a desorganização e as bolas alçadas. Já o Náutico valorizou a posse, a vantagem. E saboreou um triunfo nas mãos do treinador.

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Náutico 2x1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife