Com gol de Pitbull, Santa vence o Sport na Ilha e leva grande vantagem ao Arruda

Copa do Nordeste 2017, semifinal: Sport 1x2 Santa Cruz. Foto: Peu Ricardo/DP

Foi um Santa Cruz muito diferente em campo, o Santa que a torcida tanto pediu a Vinícius Eutrópio. Pediu não, exigiu. A enorme cobrança sobre o técnico visava uma equipe mais disposta a jogar futebol, justificando a sua tradição. O desempenho em Salgueiro, há uma semana, foi muito além do tolerável. Durante a semana, muita conversa e a certeza de que era, sim, preciso mudar. Não bastava tentar conter o Sport na Ilha, recebendo seu maior público no ano, 23.574. Para seguir na briga pelo bi da Copa do Nordeste, os corais precisariam confrontar de fato o adversário, como vem fazendo muito bem desde 2011.

Jogando com três meias e sem abdicar do jogo, mantendo a prudência necessária, o tricolor arrancou um resultado que o deixa pertinho da final. Venceu por 2 x 1. No Arruda, na próxima quarta, tem o empate e pode avançar até mesmo caso perca por 1 x 0. Aos leoninos, portanto, a obrigação de marcar dois gols. Não será fácil, tanto que ainda não conseguiu em três clássicos nesta temporada (1 x 1, 1 x 1 e 1 x 2). Na Ilha, o Sport sentiu a ausência de Rogério, suspenso. Sem o atacante, foram pouquíssimas jogadas de profundidade – coisa que Ney Franco só tentou aos 16 do segundo tempo, com a entrada de Lenis no lugar de Juninho, sem sucesso. Além disso, encontrou um adversário mais solto, com mais qualidade no passe. Após levar perigo duas vezes, em chutes de fora da área, a cobra coral acelerou. Assim, abriu o placar, aos 32 minutos. Thomás fez boa jogada pela esquerda e cruzou para um dos meias, Léo Costa, que escorou de peixinho.

Copa do Nordeste 2017, semifinal: Sport 1x2 Santa Cruz. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Jogando em seu ritmo, procurando espaço sem tanto pressa, o Sport só havia tido uma grande chance até ali, com Juninho. Mais pela linha de impedimento mal feita pelo adversário. Cara a cara com Jacsson, o jovem atacante perdeu. O goleiro foi escalado após o veto em Júlio César, com irritação no olho. Como no hexagonal estadual, quando o Santa atuou com os reservas, teve boa atuação. Só foi vencido em uma penalidade, marcada cinco minutos após o gol coral. Diego Souza carregou a bola no lado direito da área e foi derrubado por Tiago Costa. O camisa 87, que havia desperdiçado contra o Botafogo, converteu desta vez converteu. Chegou a dez gols no ano.

Se o primeiro tempo foi mais franco, no segundo o Santa conseguiu travar bem o meio-campo leonino, com Elicarlos e David ligados. Ronaldo e Fabrício encontraram dificuldades na saída de bola, enquanto Rithely errou muitos passes – inclusive a intensidade dos passes. Se Ney Franco mexeu no time para buscar a vitória, tentando aproveitar do maior volume, Eutrópio também ousou. Tirou Pereira e colocou André Luís, para tentar reter a bola à frente, forçando a jogada de linha de fundo. E o atacante, que entrara há dois minutos, fez fila, encontrando Halef Pitbull. Que hora para acabar o jejum! Eram oito partidas. O centroavante se desvencilhou logo da marcação de Matheus Ferraz e fuzilou as redes de Magrão, dando a vantagem definitiva no jogo de ida. A partir dali, um Sport sem imaginação, insistindo na bola aérea, já com os zagueiros no ataque. Por baixo, também errou, até na pequena área. Ao Santa, a já tradicional festa na geral do placar.

Copa do Nordeste 2017, semifinal: Sport x Santa Cruz. Foto: Santa Cruz/instagram (@santacruzfc)

Sport perde de virada do Botafogo, com um jogador a mais e pênalti desperdiçado

Copa do Brasil 2017, oitavas de final: Botafogo 2x1 Sport. Foto: Vitor Silva/SS Press/Botafogo

O Sport teve tudo para construir uma boa vantagem no Engenhão. Vencia o Botafogo por 1 x 0, num golaço de Samuel Xavier, jogava com um a mais e tinha a posse de bola. Estava sob controle. Entretanto, o time rubro-negro acabou confundindo isso com ‘facilidade’. Justamente no primeiro jogo contra um adversário de Série A nesta temporada, já em sua 28ª apresentação. Sem criatividade à frente, numa rotação abaixo do adversário – que também vem numa maratona -, o leão acabou tendo que digerir um duro revés, 2 x 1.

Em tese, o resultado da ida das oitavas da Copa do Brasil deixa o time vivo para a volta na Ilha, só em 31 de maio, mas a forma como aconteceu deixa o sinal amarelo ligado. Jogando de forma inteligente, não tinha como sofrer um contragolpe com três botafoguenses diante de dois leoninos, os zagueiros. Essa exposição cabia ao próprio Bota, que mesmo em desvantagem não se lançou ao ataque, talvez consciente do problema causado na expulsão de Bruno Silva, aos 42 minutos. Imagine, então, esse lance acontecendo não uma, mas duas vezes na segunda etapa. Em ambos, em erros do Sport. No primeiro, um recuo errado de Lenis para Rithely, que foi desarmado facilmente. No segundo, a bola perdida na entrada da área carioca (isso mesmo). Segundos depois, em ambos, Guilherme avançou pela esquerda, apenas acompanhado por Matheus Ferraz, sem direito a bote. Com tanto espaço, o atacante mandou para as redes de Magrão.

Um gol sofrido aos 11 e outro aos 37. No meio disso, um pênalti desperdiçado por Diego Souza (grande defesa de Gatito Fernández, já com histórico na Liberta) e uma bola na trave de Matheus Ferraz. E incontáveis passes curtos sem objetividade, diferente do que se esperava para o time titular, numericamente em vantagem no campo durante 55 dos 97 minutos. Ainda é digno de registro, claro, o trabalho de Ney Franco, que não alterou a postura da equipe no segundo tempo, além das trocas, as duas primeiras após os amarelos sofridos (Fabrício/André e Ronaldo/Rodrigo). Poderia ser coincidência, mas no Clássico dos Clássicos ocorreu o mesmo. E a contrapartida com as mudanças, domingo e quarta, foi um time pior.

Copa do Brasil 2017, oitavas de final: Botafogo 2x1 Sport. Foto: Vitor Silva/SS Press/Botafogo

Salgueiro x Sport, a 13ª final da história do Pernambucano. E a 1ª no interior…

Pernambucano 2017, final: Salgueiro x Sport Arte: Cassio Zirpoli/DP

Uma final inédita no Campeonato Pernambucano. A disputa entre Salgueiro e Sport, em 2017, será a 13ª final diferente em 103 edições da principal competição do futebol local, realizada de foma ininterrupta desde 1915.

Quem será o campeão pernambucano de 2017?

View Results

Loading ... Loading ...

Na primeira semifinal, o Carcará eliminou o Santa. No dia seguinte, na arena, o Leão despachou o Náutico. Será o terceiro ano consecutivo com um mata-mata entre os clubes. Nos últimos dois anos, pela semifinal. Na primeira, os sertanejos passaram. Na segunda, o rubro-negro avançou nos pênaltis. O Salgueiro se faz presente na decisão pela segunda vez em três anos, mostrando a ascensão do clube, que nunca deixou o interior tão próximo da conquista. Se há dois anos foi vice no Arruda, desta vez o jogo de volta será em seu reduto, no Cornélio de Barros, pronto para receber até 12 mil torcedores. Quanto ao Sport, vai à final pela sexta vez na década. Contudo, só uma taça até aqui. Por sinal, será a primeira final de Diego Souza pelo leão.

Agenda da final Interior x Capital*
05/05 – Sport x Salgueiro (Ilha do Retiro)
09/05 – Salgueiro x Sport (Cornélio de Barros)
* Datas e horários a confirmar

O interior esteve presente em 58 das 103 edições. Começou com uma breve passagem do Central, em 1937, mas depois, a partir de 1961, sempre marcou presença. E até hoje, dois títulos foram comemorados fora do Recife, mas em situações de clara vantagem aos visitantes. Em 1997, o Sport já havia vencido o primeiro turno e a primeira fase do segundo turno. Basta ganhar a decisão da última fase para antecipar o bi. Dito e feito, fazendo 2 x 0 no Porto, no Antônio Inácio. Em 2005, o Santa foi campeão de ponta a ponta. Ganhou o segundo turno e, consequentemente, o título, na penúltima rodada, vencendo o Petrolina por 2 x 1, no Paulo Coelho. Agora é diferente, com o jogo de volta da decisão. Com a taça à disposição dos dois times em campo…

Ordem cronológica das finais do Estadual*
1º) Flamengo x Torre (1915)
2º) Sport x Santa Cruz (1916)
3º) Santa Cruz x América (1921)
4º) Santa Cruz x Íris (1932)
5º) Santa Cruz x Varzeano (1933)
6º) Náutico x Santa Cruz (1934)
7º) Santa Cruz x Tramways (1935)
8º) Náutico x América (1944)
9º) Sport x América (1948)
10º) Sport x Náutico (1951)
11º) Sport x Porto (1998)
12º) Santa Cruz x Salgueiro (2015)
13º) Salgueiro x Sport (2017)

* Considerando final em ida e volta, melhor de três, extra e supercampeonato.

Sport empata com o Náutico na arena e vai à final pelo 41º título pernambucano

Pernambucano 2017, semifinal: Náutico 1x1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

A vantagem do empate bastou ao Sport. Num clássico equilibrado e nervoso, o leão ficou no 1 x 1 com o Náutico e se classificou à final do Campeonato Pernambucano de 2017. Na arena, o rubro-negro manteve a escrita. Foi o 5º mata-mata contra o timbu desde a implantação do formato com semifinal e final, em 2010, sempre obtendo sucesso. Agora, pega o Salgueiro numa decisão inédita, onde manterá o perfil deste confronto, com força máxima

No jogo de volta, só um desfalque. O mesmo, Ronaldo Alves. Mas ao contrário da ida, com amplo domínio leonino, quando o placar de finalizações foi 19 x 6, desta vez foi 7 x 9. Em vez de um timbu tentando se organizar na defesa, basicamente, o que se viu foi um time postado à frente. Marcou bem a saída de bola e atacou em velocidade, sobretudo com Erick. Liso, o atacante de 19 anos foi o melhor na primeira etapa. Aos 8, fez fila e mandou de longe, acertando a trave de Magrão. Rápido, ainda foi derrubado próximo à área, em dois lances de perigo. A bola parada, de fato, era um ponto forte com Marco Antônio – que marcara na Ilha. E assim saiu o gol do mandante, aos 31 minutos. O camisa 10 cobrou escanteio e Giovanni escorou de cabeça. O gol igualava o confronto, levantando de vez a torcida timbu na arena.

Pernambucano 2017, semifinal: Náutico 1x1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Porém, a festa mudou de lugar dois minutos depois, com as arquibancadas do setor norte vibrando com o gol de Matheus Ferraz. O contestado zagueiro, o 4º na fila de Ney Franco, acabou ganhando nova chance após os vetos a Ronaldo Alves e Henríquez. Em cobrança de falta de Fabrício, subiu mais que dois marcadores. Dali até o intervalo, o domínio passou a ser rubro-negro, trocando passes e saindo com calma, orientado por Diego Souza.

No intervalo só houve uma mudança, com Lenis no lugar de André, em jejum há oito partidas. O objetivo era aumentar o escape do time, a partir da velocidade do colombiano. Já Milton Cruz só foi mexer com 17 minutos, acionando Maylson (pedido pela torcida) no lugar de Dudu, numa tentativa de dar força ao meio-campo, com os três volantes leoninos presentes – curiosamente, Rithely foi o de menor intensidade (CK?). Acabou sendo um tempo com menos oportunidades, sendo a melhor com Rogério, lançado pro Raul Prata (que acabara de entrar). Ficou cara a cara com Tiago Cardoso, mas chutou em cima do goleiro. No fim, com Náutico insistindo na bola aérea, Matheus Ferraz apareceu novamente. À parte dos erros em seu histórico, ele tem, sem dúvida, essa jogada como ponto forte. Ofensiva e defensivamente.

Pernambucano 2017, semifinal: Náutico 1x1 Sport. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Juninho marca duas vezes no finzinho e Sport vence o Náutico de virada na Ilha

Pernambucano 2017, semifinal: Sport 3 x 2 Náutico. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O quadro se repetiu, com o prata da casa Juninho sendo acionado no lugar de André no segundo tempo. Com a milionária contratação passando em banco – desperdiçou três chances incríveis, mas foi útil no esquema – o atacante de 18 anos foi chamado por Ney Franco. Contra o Campinense, marcou o único e importante gol leonino no primeiro jogo do confronto, contra o Joinville, recebeu ótimo passe de Rithely e finalizou quase sem espaço, e agora contra o Náutico foi ainda mais avassalador. O Sport perdia o clássico até os 45 minutos do segundo tempo, no jogo de ida da semifinal do Estadual.

Em plena Ilha, a torcida alvirrubra celebrava o silêncio do público mandante. Apesar do 2 x 1, os leoninos haviam dominado, finalizando bastante contra a meta de Tiago Cardoso – com ótima atuação até então, mostrando o porquê de sua contratação. Após disputar algumas jogadas longe da área, uma vez que também atua como meia, Juninho acabou sendo orientado a ficar na área. No primeiro lance, iniciado por Everton Felipe (que também entrou no decorrer), a jogada prosseguiu com Rogério, num cruzamento na medida. De cabeça, com força, o empate. Na pressão do estádio, numa festa já invertida, o rubro-negro manteve o rival alvirrubro em seu campo, trocando passes nos descontos, buscando espaço para a última tentativa.

Pernambucano 2017, semifinal: Sport 3 x 2 Náutico. Foto: Rafael Martins/DP

Após o escanteio conquistado por Lenis, Everton Felipe cobrou baixo, como de costume, mas Juninho se antecipou a João Ananias, girou e finalizou. Em menos de dois minutos, da derrota à vitória, 3 x 2. Juninho chegou a 5 gols em 14 jogos como profissional. Começo promissor, pressionando André, com os mesmos 5 gols nesta volta. Sobre o resultado, o leão, que ganhou o primeiro clássico no ano, tem o empate a seu favor, num momento em que vem ganhando casca em mata-matas. Entretanto, terá que corrigir os problemas defensivos. De posicionamento, de rebotes e até mesmo de escalação – caso Ronaldo Alves siga fora. Em quatro jogos seguidos na Ilha (Campinense, Danubio, Joinville e Náutico), só não tomou gol em um.

Quanto ao alvirrubro, fica a lamentação após jogar com muita disposição defensiva. A zaga cortou cruzamentos, dividiu jogadas, rasgou, os volantes ocuparam os espaços no meio e os atacantes tentaram prender a bola. Foi a tática de Milton Cruz. Teve poucas chances, mas construía uma vitória justa. Sem contar o gol anulado de Everton Páscoa, quando estava 1 x 1. Embora torcedores e parte da imprensa considerem que a partida teria chegado aos 3 x 1, pois o gol de Anselmo saiu dois minutos depois, não me parece correta a leitura de que o lance seguiria da mesma forma caso o primeiro o gol tivesse sido valido. De toda forma, a queixa é justa, pois foi o lance capital da partida, mal assinalado. E o jogo na Arena promete…

Pernambucano 2017, semifinal: Sport 3 x 2 Náutico. Foto: Rafael Martins/DP

Sport não joga bem, mas vence Joinville e consegue vantagem na Copa do Brasil

Copa do Brasil 2017, 4ª fase: Sport 2 x 1 Joinville. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Este mês de abril proporcionou um cenário inédito no Sport, com a disputa de mata-matas em quatro competições oficiais distintas, nos âmbitos estadual, regional, nacional e internacional. Uma sequência de quarta/domingo com jogos de maior pressão e cobrança. Ao utilizar equipes alternativas em seis jogos no hexagonal, o objetivo do Sport era, justamente, chegar neste momento com o time principal mais encaixado e descansado. Foi assim com Campinense e Danubio, em boas atuações pelo Nordestão e Sula. Embora também tenha vencido o Joinville, a rotação do time foi bem abaixo.

O leão encarou mais um time recuado, jogando por um bola – que existiu, numa saída errada de Magrão. Estudando o adversário além da conta, o Sport trocava passes sem conseguir verticalizar jogadas. Everton Felipe jogou mal e André, isolado, pouco participou. Ney Franco trocou os dois no segundo tempo, no mesmo instante, quando o jogo já estava 1 x 1. Entraram Lenis e Juninho. O colombiano foi arisco, avançando em todas as jogadas de linha de fundo. Como desperdiçou três chances, ouviu reclamações, apesar de ter mostrado futebol. Já o prata da casa mostrou serviço novamente ao substituir o centroavante titular. Segue prendendo a bola, mas também tem qualidade, como no gol da vitória, aos 38. Num belo passe de Rithely (que já havia feito um golaço sob um toró), o atacante dominou rápido e finalizou ainda melhor.

Para um time que não mostrou organização na Ilha, a vitória por 2 x 1 acabou sendo satisfatória. Terá o empate dentro de uma semana, na Arena Joinville, onde deverá encontrar uma atmosfera maior que a ida, com menos de 5 mil torcedores – com chuva e tevê, é verdade. Acabou simulando um peso menor a um confronto (acessível) que vale R$ 1,05 milhão de cota e a vaga nas oitavas da Copa do Brasil, onde o rubro-negro não chega desde 2010.

Copa do Brasil 2017, 4ª fase: Sport 2 x 1 Joinville. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Análise da semifinal pernambucana de 2017 – Sport enfim com força máxima

Pernambucano 2017, 1ª rodada: Sport 3 x 0 Central. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Em dez jogos disputados no hexagonal, o Sport usou formações alternativas em seis. Em um desses, no empate com o Salgueiro na Ilha, utilizou apenas juniores. Por isso, o rendimento do Sport no Estadual pode ser bem enganoso. Tecnicamente, o time está à frente dos adversários – o que nos últimos anos não resultou em taças, diga-se. Somente no setor ofensivo, o investimento é de quase R$ 15 milhões. E chega à semifinal em seu melhor momento na temporada, após boas vitórias sobre Campinense e Danubio, em mata-matas, num grau de pressão diferenciado. Ou seja, as apresentações em outros torneios fomentam a análise sobre o leão, agora treinado por Ney Franco.

Curiosamente, a saída de Daniel Paulista aconteceu no próprio Campeonato Pernambucano, após o empate com os reservas do Santa, em casa. Até ali, por mais que o time alcançasse as metas no ano, o futebol não vinha evoluindo. Portanto, aliar qualidade técnica à competitividade é a principal tarefa do novo comandante, até por encarar um clássico já na semifinal – em quatro jogos deste porte disputados até aqui, nenhuma vitória. Com apenas um título pernambucano nesta década, em 2014, o Sport passa a “priorizar” a competição a partir de sua fase decisiva. A falta de foco não será desculpa.

Desempenho na semifinal (2010/2016): 7 participações e 6 classificações
Vs Náutico na semifinal: 2 confrontos (2011 e 2012) e 2 classificações

O esquema tático leonino sofreu ajustes com a chegada de Ney Franco. A maior foi no meio, com a entrada de Fabrício e o recuo de Everton Felipe

Formação básica do time titular do Sport no Estadual de 2017. Crédito: this11.com com arte de Cassio Zirpo/DP

Destaque
Diego Souza. Embora tenha jogado poucas vezes no Estadual, devido ao planejamento do time, o meia se destacou nas outras frentes, Nordestão e Copa do Brasil. Tanto na criação quanto na conclusão, é a maior arma.

Aposta
André. Foi o maior investimento leonino no ano, R$ 5,2 milhões, mas ainda não deslanchou. Por outro lado, o atacante começou a ser mais utilizado sob o comando de Ney Franco. A evolução da equipe pode refletir no centroavante.

Ponto fraco
Marcação. Com seguidos testes nas laterais e na composição dos volantes, o Sport ainda não passa segurança no setor, hoje ocupado por uma revelação de 18 anos – justamente porque o contratado, Rodrigo, ainda não rendeu.

Campanha no hexagonal (10 jogos)
17 pontos (3º lugar)
4 vitórias (3º que mais venceu)
5 empates (1º que mais empatou)
1 derrota (quem menos perdeu)
14 gols marcados (4º melhor ataque)
8 gols sofridos (2ª melhor defesa)

Melhor apresentação: Sport 3 x 0 Central, em 28 de janeiro, na Ilha do Retiro.

Cruzamento de bicicleta e gol de voleio de Diego Souza no Top 10 da ESPN dos EUA

O cruzamento de bicicleta, resultando no gol de cabeça de Rithely, e o golaço de voleio, na sequência de duas bicicletas dos companheiros de ataque, renderam a Diego Souza uma dupla presença nos lances esportivos do dia no programa SportsCenter, da ESPN norte-americana. Superou modalidades populares no país, como basquete, basebol e hóquei sobre o gelo. Assista o top ten, com duas jogadas de Sport 3 x 0 Danubio, pela Sul-Americana.

A noite em que o malabarismo de DS deixou a NBA, MLB e NHL para trás…

Em noite de golaços, Sport goleia o Danubio e encaminha a vaga na Sula

Sul-Americana 2017, 1ª fase: Sport 3 x 0 Danubio. Foto: Paulo Paiva/DP

Com três bonitos gols, de Rithely, Diego Souza e Fabrício, o Sport fez a sua melhor estreia em cinco participações na Sul-Americana. Finalmente criando uma atmosfera copeira no torneio, com 13 mil torcedores bem dispostos ao incentivo, o time rubro-negro foi, aos poucos, encontrando espaço para golear o Danubio por 3 x 0. Embora tenha pressionado mais nos primeiros minutos, o adversário uruguaio não conseguiu impor a marcação adiantada o jogo inteiro. Foi forçado ao erro, com o mandante estabelecendo uma ótima vantagem para o duelo em Montevidéu.

O jogo de volta será apenas em 11 de maio. Até lá fica a expectativa sobre a evolução do trabalho de Ney Franco. Na escalação, na formação tática (Everton variando de volante a ponta) e no papel da bola parada. Hoje, mesmo com apenas três apresentações sob seu comando, já é visível a melhora. No meio, o jovem Fabrício se manteve em duas pedreiras – quartas do Nordestão e estreia na Sula. Com bom passe e senso de posicionamento, o volante virou uma grande sombra para Ronaldo, ainda machucado. Ainda mostrou personalidade ao assumir a bola parada no segundo tempo, com direito a uma cobrança de falta no ângulo direito de Cristóforo – domingo, quando cobrou um dos pênaltis, já indicara esse recurso favorável.

Sul-Americana 2017, 1ª fase: Sport 3 x 0 Danubio. Foto: Paulo Paiva/DP

Àquela altura, com 68 minutos de bola rolando, o jogo já estava controlado pelo Sport, com dois gols de vantagem. Graças a Diego Souza, comandando o time. O camisa 10 (número excepcional no torneio) ampliou a sua lista de golaços no clube. Havia marcado de bicicleta contra o Campinense. Desta vez, numa marcação dobrada na área, quase sem espaço, levantou a bola e pedalou para encontrar Rithely, que completou de cabeça – o volante insistiu bastante em passes verticais, mas foi coração puro na recomposição. Depois, num lance curiosíssimo, um festival de malabarismo. André tentou de bike. No rebote, Rogério arriscou da mesma forma e a zaga salvou. E a sobra foi para DS, que mudou um ‘pouco’ o estilo, mandando de voleio.

Em transmissão ao vivo para todo o país pelo Sportv, o meia deu mais lastro a Tite, que o convocou para os últimos três jogos da Seleção. Quanto ao león, o resultado pavimentou uma inédita classificação diante de um clube do exterior – já foi a primeira vitória diante de um gringo nesta copa. Até hoje, enfrentara Libertad, do Paraguai, e Huracán, da Argentina. Pela diferença de futebol na Ilha, o Danubio terá que suar muito para avançar à 2ª fase e fisgar a cota de R$ 945 mil. Deverá encarar um time mais encorpado…

Sul-Americana 2017, 1ª fase: Sport 3 x 0 Danubio. Foto: Paulo Paiva/DP

Com clássicos no Recife e em Salvador, semifinal do Nordestão 2017 reúne 9,8 milhões de torcedores e 10 títulos

Semifinais da Copa do Nordeste de 2017: Sport x Santa Cruz e Bahia x Vitória. Fotos: Williams Aguiar/Sport, Rodrigo Baltar/Santa Cruz, Felipe Oliveira/Bahia e Vitória/twitter (@ECVitoria)

Os clássicos mais populares dos principais centros futebolísticos da região compõem a semifinal da Copa do Nordeste de 2017. De um lado, o Clássico das Multidões. Do outro, o Ba-Vi. Já está assegurada a decisão Pernambuco x Bahia, que não ocorre há 16 anos. Com Sport, Santa Cruz, Bahia e Vitória envolvidos, a reta final traz uma carga pesada de tradição. São dez títulos entre os 13 torneios oficiais desde 1994. Nas arquibancadas, os confrontos têm a atenção direta de 9.891.907 torcedores. Gente demais, numa projeção a partir da último levantamento nacional, do Paraná Pesquisa. São 4,12 milhões de aficionados no clássico recifense e 5,77 milhões no clássico soteropolitano.

Torcida nacional
11º) Bahia – 2,0% (4.121.628)

14º) Sport – 1,3% (2.679.058)
16º) Vitória – 0,8% (1.648.651)
19º) Santa Cruz – 0,7% (1.442.570)

Títulos do Nordestão
4 – Vitória (7 finais)
3 – Sport (4 finais)
2 – Bahia (5 finais)
1 – Santa (1 final) 

Enquanto o Santa tenta manter a orelhuda dourada no Arruda, os outros três, presentes na Série A desta temporada, querem matar logo a saudade da taça, de 3 anos no Sport, 7 no Vitória e 15 no Bahia. Caso o Leão da Ilha avance, repetirá a final. Seja contra o Bahia (foi vice em 2001), seja contra o Vitória (foi campeão em 2000). Em caso de classificação da cobra coral, a decisão seria inédita – até hoje, o clube só fez semifinais contra os dois rivais baianos.

Em relação à premiação, cada clube já acumulou R$ 1,6 milhão em cotas, somando a fase de grupos, as quartas de final e a semi. Agora, a premiação oferece mais R$ 550 mil ao vice e R$ 1,25 milhão para o grande campeão, além da pré-classificação às oitavas da Copa do Brasil de 2018.

Qual será a final da Copa do Nordeste de 2017?

  • Sport x Bahia (35%, 1.514 Votes)
  • Sport x Vitória (31%, 1.325 Votes)
  • Santa Cruz x Bahia (22%, 944 Votes)
  • Santa Cruz x Vitória (12%, 526 Votes)

Total Voters: 4.308

Loading ... Loading ...

Sport x Santa Cruz
Mais uma semifinal das multidões. Em 2014, disputaram uma vaga na mesma condição, com a volta no Mundão. Nesta edição, o Sport investiu bastante, com direito à aquisição de André por R$ 5,2 milhões. O “time principal” atuou poucas vezes, hora com a lesão de Rithely, hora com a convocação de Diego Souza. Agora, de comando novo, chega completo. No Santa, com uma campanha até melhor, a crítica vai para o excesso de precaução de Eutrópio, com seguidas atuações quase sem atacar – com a bola parada de Anderson Salles decidindo. Defende-se bem, mas não se impõe à frente, com Pitbull disputando jogadas praticamente sozinho. Ataque contra defesa?

Datas: 26/04 (Ilha do Retiro, 19h45) e 30/04 (Arruda, 16h)
Santa Cruz: 19 pontos, 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota; 11 GP e 2 GC
Sport: 16 pontos, 5 vitórias, 1 empate e 2 derrotas; 16 GP e 9 GC
Em mata-matas no torneio: Sport 1 x 0 Santa (semi de 2014)

Bahia x Vitória
Sem dúvida alguma, um dos Ba-Vis mais importantes dos últimos tempos. Após as três finais regionais, sendo a última em 2002, com triunfo tricolor, poucos duelos tiveram tanto destaque. Exceção feita à inauguração da Fonte Nova, com goleada leonina por 5 x 1. Nesta chave, ambos chegam com força. Venceram lá e lô nas quartas. No Baêa, a boa fase de Régis, artilheiro do time no ano (7 gols), ajuda a dividir as atenções com o Brocador e outras peças, como o polivalente Juninho. No rival, Argel mantém a estrutura tática de um time pegador, rápido. No ataque, Kieza e David se destacam, com a equipe precisando de mais intensidade em Cleiton e Gabriel Xavier.

Datas: 27/04 (Barradão, 20h30) e 30/04 (Fonte Nova, 16h)
Bahia: 20 pontos, 6 vitórias e 2 empates; 18 GP e 2 GC
Vitória: 19 pontos, 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota; 14 GPC e 9 GC
Em mata-matas no torneio: Vitória 2 x 1 Bahia (finais em 1997, 1999 e 2002)

Pitaco do blog sobre a decisão: Sport x Vitória…

A análise do podcast 45 minutos sobre as semifinais nordestinas