Santa Cruz goleia o Goiás e quebra jejum de quase dois meses. Fôlego contra o Z4

Série B 2017, 24ª rodada: Santa Cruz 3 x 0 Goiás. Foto: Roberto Ramos/DP

Em dois meses, o Santa Cruz entrou em colapso, com a irregularidade em campo resultando na zona de rebaixamento, com direito a seis derrotas seguidas. O jejum era ainda maior, de oito partidas. No período, a mudança de técnico, algum tempo para treinar e a necessidade de voltar a “disputar” a Série B. O empate sem gols com o lanterna pode ter estancado a série de derrotas, mas havia deixado um gosto amargo pelo péssimo futebol mostrado, admitido pelo próprio comandante, Marcelo Martelotte.

Em uma semana cheia, era preciso assimilar isso visando o Goiás, o segundo clube de maior receita segundona, mas que, de forma injustificável, encontra-se na mesma corrida contra o descenso. Um novo tropeço deixaria o tricolor num buraco profundo. E a vitória, claro, traria um alívio potencializado pela tabela, pois o outro concorrente de peso, o Figueira, pega o Inter como visitante. Matemática à parte, era preciso jogar bola. Ou seja, alinhando organização e um jogo mais rápido em relação àquele visto em Natal. Neste caso, não se trata de um sinônimo de pressa, mas de objetividade.

Série B 2017, 24ª rodada: Santa Cruz 3 x 0 Goiás. Foto: Roberto Ramos/DP

Como visto no primeiro gol no Arruda, bem cedinho, com 2min50s. Tiago Costa lançou do meio-campo, André Luís matou no peito, olhou para a área e cruzou rápido, na medida para João Paulo. De surpresa, o meia de 1,67m cabeceou livre, certeiro. Era a mesma vantagem obtida nas três partidas anteriores no Recife, contra Paysandu, Criciúma e CRB. Com Nininho e Tiago Costa mais atentos na recomposição e com João Ananias e Derley num ritmo melhor de marcação (a dupla não vinha bem), o sistema defensivo melhorou, embora o alviverde tenha criado algumas chances, mas sem ‘a’ chance.

Para não correr risco, cabia ao Santa matar logo o confronto. Demorou, mas conseguiu. Aos 39 e 42 minutos, Bruno Paulo – acionado no decorrer – apareceu bem demais. Finalizou colocado no primeiro lance e fez boa jogada individual no segundo, 3 x 0. Foi a primeira vitória de Martelotte nesta sua terceira passagem. Agora, terá mais uma semana cheia para colocar a casa em dia. O mesmo tempo para a direção também fazer a sua parte…

Santa Cruz sob o comando de Martelotte
09/09 – Santa Cruz 0 x 0 ABC (Arena das Dunas, Natal)
15/09 – Santa Cruz 3 x 0 Goiás (Arruda)

Série B 2017, 24ª rodada: Santa Cruz 3 x 0 Goiás. Foto: Roberto Ramos/DP

Santa Cruz empata com o lanterna ABC, chega a 8 jogos sem vitória e segue no Z4

Série B 2017, 23ª rodada: ABC 0 x 0 Santa Cruz. Foto: Andrei Torres/ABC FC

“Martelotte teve duas semanas de trabalho e destacou que, para este primeiro jogo, as mudanças não seriam drásticas. E assim foi feito.”

Nos pré-jogo, o perfil oficial do Santa focou o trabalho feito para o confronto contra o lanterna, em Natal. Era uma excelente oportunidade para deixar a zona de rebaixamento, numa briga cada vez mais preocupante. Na semana, a derrota do Goiás e o empate do Figueira possibilitaram ao Santa a saída do Z4. Bastava uma vitória simples sobre o ABC, com quatro derrotas seguidas. Entretanto, o tricolor vinha numa sequência pior, de seis jogos, e mudar essa postura não seria tão simples. Pois não é sinônimo de troca de comando.

Em sua reestreia, o técnico Martelotte armou um 4-4-2, com Grafite e André Luís na frente. No meio, João Paulo com mais responsabilidade criativa, mas com a ajuda de Primão. Apesar do maior volume de jogo, o que se viu foi uma partida fraca, com excesso de passes errados e pouca criatividade.

Série B 2017, 23ª rodada: ABC 0 x 0 Santa Cruz. Foto: Andrei Torres/ABC FC

No lado potiguar, “a” chance saiu de um vacilo coral, com Júlio César evitando o gol no comecinho. No lado pernambucano, Grafite mostrou presença de área, atraindo a marcação – tanto que o zagueiro Fortunato seria expulso aos 33/2T numa falta nele -, mas sem conseguir encaixar uma boa trama.

Na primeira etapa foram três chances para o Santa, duas desperdiçadas pela má pontaria. Após o intervalo, com o mandante desesperado na Arena das Dunas – está a 8 pontos do 16º -, o tricolor tentou explorar os contragolpes, de forma insatisfatória. Na reta final, com um a mais, Martelotte ainda tirou um volante para colocar o atacante Augusto, que fez levar o amarelo. Um empate em 0 x 0 digno de vaias, das duas torcidas. Há oito rodadas sem vencer, o Santa terá um confronto direto a seguir, contra o Goiás. Pressão no Arruda.

O jejum de vitórias do tricolor na Série B
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/07 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz
01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu
05/08 – Juventude 2 x 1 Santa Cruz
08/08 – Santa Cruz 1 x 2 Criciúma
19/08 – Guarani 2 x 0 Santa Cruz
26/08 – Santa Cruz 1 x 2 CRB
09/09 – ABC 0 x 0 Santa Cruz

Série B 2017, 23ª rodada: ABC 0 x 0 Santa Cruz. Foto: Andrei Torres/ABC FC

Santa perde de virada do CRB, chega a seis derrotas seguidas e segue no Z4

Série B 2017, 22ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 CRB. Crédito: Premiere/reprodução

O Santa voltou a decepcionar, numa curva descendente cada vez mais perigosa. O time somou a sexta derrota seguida, igualando a pior série do Náutico, quando no Z4. É o q que parece ocorrer com o tricolor, cujo rendimento em campo é bastante irregular. No Arruda, perdeu a terceira seguida com o mesmo script. Diante de Paysandu, Criciúma e CRB fez 1 x 0 e sofreu o 1 x 2. Desta vez, o entrou em campo beneficiado pela derrota do Goiás, fazendo com que uma simples vitória sobre o rival alagoano o tirasse do Z4. O fato de também ter sido o primeiro jogo de Grafite no Mundão, em sua quarta passagem, também contribuiu para o público. Acima da média coral na competição, mas ainda longe do ideal: 8.110 espectadores.

O técnico Givanildo Oliveira apostou no meia João Paulo, centralizando o Grafa, com Bruno Paulo e André Luís nas pontas. Manteve Ricardo Bueno no banco, cuja utilização foi posta em dúvida desde o retorno do camisa 23. E, de fato, a estrutura tática já era a mesma com Bueno. Contudo, o coletivo segue ruim, mesmo com os testes. É um time deserto no meio-campo, cujo setor foi travado pela boa participação do volante Rodrigo Souza, ex-Náutico. Mais organizado, o CRB só não aproveitou as chances na primeira etapa pelas duas furadas do atacante Edson Ratinho, uma pra finalizar e outra pra cruzar.

Série B 2017, 22ª rodada: Santa Cruz x CRB. Foto: Roberto Ramos/DP

Mesmo mal, o Santa abriu o placar, a partir de um erro do CRB, com Nininho esperto. Dominou a bola e cruzou para Grafite que, em posição adiantada, balançou as redes. O ídolo coral chegou a 48 gols em 110 partidas, somando todas as passagens. Ainda faria outro, também adiantado, mas desta vez anulado pela arbitragem. No segundo tempo, a chuva apertou demais. A condição do gramado estava melhor, mas ficou bem pesado e com algumas poças. Curiosamente, quem se adaptou logo foi o visitante. Ou seja, passes mais altos e arremates de longe, como no golaço de Tony, aos 14.

O tricolor acusou o golpe, exalando nervosismo. Giva mudou nove minutos depois, de forma dupla. Saíram os dois pontas e entraram Bueno e Léo Lima. Ou seja, mais um meia para dar qualidade ao último passes e dois atacantes de área. Embora o zagueiro alagoano Adalberto tenha falhado bisonhamente duas vezes na entrada da área, os corais não aproveitaram. No finzinho, todas as boas chances passaram a ser do CRB, como uma falta no travessão de Neto Baiano. Aos 43, o ex-atacante do Sport iniciaria a jogada decisiva, cruzando para Marion, que, na linha de fundo, devolveu de cabeça para Chico, que completou para o gol vazio, 1 x 2. Assim, aumentou para sete o jejum de vitórias do Santa e aumentou a incerteza sobre a capacidade de reação…

O jejum de vitórias do tricolor na Série B
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/07 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz

01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu
05/08 – Juventude 2 x 1 Santa Cruz
08/08 – Santa Cruz 1 x 2 Criciúma
19/08 – Guarani 2 x 0 Santa Cruz
26/08 – Santa Cruz 1 x 2 CRB

Série B 2017, 22ª rodada: Santa Cruz x CRB. Foto: Roberto Ramos/DP

Santa perde do Guarani em Campinas, chega a 5 derrotas seguidas e entra no Z4

Série B 2017, 21ª rodada: Guarani 2 x 0 Santa Cruz. Crédito: Premiere/reprodução

Na reestreia de Grafite, em sua quarta passagem no clube, o Santa Cruz jogou de forma extremamente burocrática, sem o volume de jogo esperado para um time em busca de recuperação. Mesmo com a bola nos pés, tendo 56% de posse, o tricolor aceitou a marcação adversária. Bem antes disso, já havia sido abatido, tomando dois gols em oito minutos.

Em dois cruzamentos, Willian Rocha (6) e Ewerton Páscoa (8) marcaram de cabeça os gols da vitória do Guarani, por 2 x 0, numa baita colaboração da zaga coral, com os zagueiros (e artilheiros) bugrinos subindo com a marcação frouxa. Grafite era peça fundamental nos dois lances. E se o camisa 23 não foi muito eficiente (atacando ou defendendo), é apenas um detalhe em uma equipe em desconstrução. Pressionado pelos resultados, o técnico Givanildo Oliveira promoveu seis mudanças em relação à rodada passada, no revés diante do Criciúma. Até porque teve onze dias de intervalo.

Série B 2017, 21ª rodada: Guarani 2 x 0 Santa Cruz. Crédito: Premiere/reprodução

Do outro lado, o time paulista vivia situação parecida, com quatro derrotas seguidas e oito trocas – a diferença era a posição mais confortável na tabela. Nessa salada de mudanças, o time do Santa demorou a responder. Só conseguiu jogar bola no segundo tempo, até os 30 minutos, enquanto Léo Lima esteve em campo. O meia acabou substituído por Julio Sheik, numa tentativa de forçar a bola aérea, agora a favor. Mais esquematizado, o Guarani conseguiu travar a partida, impondo ao Santa Cruz a 5ª derrota seguida. No fim da tarde ainda veio outra notícia ruim, a reação do Luverdense em Maceió, buscando o empate. Com isso, mandou o tricolor para a zona de rebaixamento pela primeira vez em 21 rodadas…

Os 10 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/0
7 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz

01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu
05/08 – Juventude 2 x 1 Santa Cruz
08/08 – Santa Cruz 1 x 2 Criciúma
19/08 – Guarani 2 x 0 Santa Cruz

* 30% de aproveitamento (2V-3E-5D)

Série B 2017, 21ª rodada: Guarani 2 x 0 Santa Cruz. Crédito: Premiere/reprodução

No Arruda, o Santa Cruz toma virada do Criciúma e chega a 4 derrotas seguidas

Série B 2017, 20ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Criciúma. Foto: Peu Ricardo/DP

Imerso numa crise financeira, com seguidos atrasos salariais, o Santa não vai conseguindo obter resultados contrários em campo. De volta ao Arruda, após mandar cinco jogos na arena, o tricolor perdeu do Criciúma na abertura do returno. Chegou a quatro derrotas seguidas e vê o Z4 como um perigo real.

Tentando sacudir a equipe, Givanildo Oliveira fez seis mudanças em relação ao jogo anterior, em Caxias. À parte dos retornos do goleiro Júlio César e do zagueiro Bruno Silva, após a suspensão, o técnico mexeu à frente, puxando o atacante Ricardo Bueno para o meio e deixando Halef Pitbull centralizado. Era uma tentativa para melhorar a articulação, após seguidas apresentações sem muita inspiração. Não adiantou, com o time criando pouco e atacando mal. Desconfiada, a torcida coral deu o recado “em casa”. Mesmo com o hiato de 52 dias, apenas 4.308 torcedores compareceram ao Mundão. Borderô abaixo até da média (ruim) registrada em São Lourenço da Mata, de 6.374.

Série B 2017, 20ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Criciúma. Foto: Rafael Brasileiro/DP

No gramado, poupado no período, os catarinenses assustaram já aos 4 minutos, trocando dois passes e ficando cara a cara com JC. Seria uma síntese dos erros defensivos do tricolor, marcando à distância. É verdade que, num bom contragolpe, André Luís ainda abriu o placar – tropeçando na placa de publicidade na comemoração. Contudo, àquela altura o jogo já era equilibrado, com o visitante marcando forte um meio-campo pouco eficaz.

O empate saiu com 1min37s do segundo tempo, justificando o futebol visto. Jaime farrapou (novidade?) e a bola sobrou para o atacante Silvinho, que marcou o seu 6º gol na Série B. Depois, Bueno ainda perderia boa chance para desempatar, com o jogo truncado e o Criciúma retraído, deixando a bola com o Santa. Esperava o erro, claro. Já na reta final, aos 30, vacilo duplo, com Erick Flores (cruzamento) e Alex Maranhão (chute de prima) livres. Na hora da finalização, eram cinco corais na área, nenhum deles marcando o rival. Com o 1 x 2, o tigre devolveu a virada da estreia. Quanto ao Santa, do aniversariante Giva, 69 anos, a campanha tende a ser contra o rebaixamento

Os 9 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/0
7 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz

01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu
05/08 – Juventude 2 x 1 Santa Cruz
08/08 – Santa Cruz 1 x 2 Criciúma

* 33% de aproveitamento (2V-3E-4D)

Série B 2017, 20ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Criciúma. Foto: Peu Ricardo/DP

Santa leva virada do Paysandu jogando mal e com expulsão de goleiro na Arena

Série B 2017, 18ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Paysandu. Foto: Paulo Paiva/DP

Com um futebol apático e sem poder de reação, o Santa perdeu a segunda seguida na Série B, sendo a primeira na Arena Pernambuco. Viu o Papão virar para 2 x 1, distanciando-se do G4 e, consequentemente, aproximando-se do Z4, num cenário perigoso para um time, hoje, desorganizado. Na véspera, o grupo havia sido abalado com a notícia da morte da esposa de Léo Lima, que não atuou, naturalmente. Assim, a armação do time ficou com Thiago Primão, que na goleada sofrida para o Paraná jogara mais recuado.

O meia pouco fez atuando mais à frente, até mesmo porque viu um ataque de pouquíssima mobilidade. Enfiado na área, o centroavante Ricardo Bueno sai deste contexto, mas os pontas Bruno Paulo e André Luís não colaboraram na ligação meio/ataque. No primeiro tempo, mesmo sem atuar bem, o tricolor ainda saiu na frente numa penalidade convertida por Bueno – no lance, o zagueiro Peri cortou a cabeçada do centroavante com o braço.

Série B 2017, 18ª rodada: Santa Cruz x Paysandu. Foto: Paulo Paiva/DP

O jogo lembrava um pouco o duelo contra o Boa Esporte, que, mesmo após tomar o gol, continuou com uma proposta organizada, assustando o mandante. O gol do Paysandu logo no reinício da partida, aos 2 minutos da etapa complementar, justificou a sensação. O empate saiu numa bela cobrança de falta do lateral Ayrton, que já havia cobrado outra com perigo.

A chave virou de vez na expulsão de Júlio César, quatro minutos depois, matando um contragolpe paraense. Para a entrada do goleiro reserva, Jacsson, Bruno Paulo foi sacrificado na linha. Pouco depois, André também saiu, na última tentativa de Giva, que acionou Augusto. Era a aposta para dar velocidade a um time estático, aceitando o jogo adversário. Aposta perdida, com outro contragolpe definindo o resultado, aos 41. O ex-alvirrubro Bérgson iniciou a jogada, tocou na esquerda e avançou para concluir na área, impondo ao Santa uma campanha com mais derrotas que vitórias, 6 x 7…

Os 7 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/07 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz
01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu

* 42% de aproveitamento (2V-3E-2D)

Série B 2017, 18ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Paysandu. Foto: Paulo Paiva/DP

Inerte defensivamente, o Santa Cruz é goleado pelo Paraná Clube em Curitiba

Série B 2017, 17ª rodada: Paraná 4 x 0 Santa Cruz. Foto: Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo

O rendimento defensivo do Santa Cruz foi calamitoso em Curitiba, tendo como consequência o distanciamento do G4. Apesar das mudanças promovidas pelo técnico Givanildo Oliveira, sobretudo na composição ofensiva, o time pernambucano foi facilmente envolvido pelo Paraná, cuja troca de passes no primeiro gol foi facilitada pela inércia da marcação (com os olhos).

Mesmo com João Paulo avançando pela esquerda, Léo Lima na criação de jogadas e Thiago Primão ajudando na marcação e no apoio, o time coral foi inoperante no Durival Britto, tomado por 11.638 torcedores, que criaram uma atmosfera importante na Série B. Além de não conseguir prender a bola por mais tempo no campo ofensivo, o visitante seguia marcando mal. Segundo o Footstats, o tricolor teve mais posse (56% x 44%) e trocou muito mais passes (420 x 300). Porém, a tradução dos números não significa competitividade. Objetivo, o Paraná precisava de pouco para chegar à meta adversária e finalizar. Somando todas as tentativas, 14 x 7. Considerando apenas os arremates corretos, 7 x 2. Um massacre, que acabou refletido no placar.

Série B 2017, 17ª rodada: Paraná 4 x 0 Santa Cruz. Foto: Paraná/twitter (@ParanaClube)

O gol de Minho aos 27 minutos, num chutaço de fora da área, praticamente sentenciou o resultado na tarde. Se no intervalo conjecturou-se uma reação, esqueça. Com 9 minutos o placar definitivo já havia sido estabelecido, 4 x 0. Aos 4, com o zagueiro Maidana, de 1,95m, totalmente desmarcado numa cruzamento (chegou a ser infantil o lance). Depois, aos 9, num pênalti de Bruno Silva. Entre os dois gols, a expulsão do limitado zagueiro Jaime.

No decorrer da partida, Giva efetuou as três substituições, todas para tentar recompor a defesa, com Primão/Wellington Cézar, André Luís/Anderson Salles e Ricardo Bueno/João Ananias. Sem alarde, o treinador coral sabia que o jogo, adverso, poderia ter sido bem mais elástico. Embora em recuperação, sob comando de Lisca, o Paraná não demonstrava uma disparidade assim. Em campo, faltou muito ao Santa Cruz. Externamente, falta também.

Os 6 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/07 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz
* 50% de aproveitamento (2V-3E-1D)

Série B 2017, 17ª rodada: Paraná 4 x 0 Santa Cruz. Foto: Geraldo Bubniak/AGB/Estadão Conteúdo

Em atuação fraquíssima, Santa Cruz cede o empate ao Boa Esporte na Arena

Série B 2017, 16ª rodada: Santa Cruz x Boa Esporte. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O Santa Cruz jogou muito mal contra o Boa Esporte. Até chegou a abrir o placar, levando a vantagem até a metade do segundo tempo, mas o tricolor não merecia melhor sorte na Arena Pernambuco, com o 1 x 1 travando a reação. O time quase não assustou o goleiro Fabrício, ao contrário de Júlio César, que agradeceu aos céus após a terceira bola em sua trave.

Abrindo a 16ª rodada, o time pernambucano tinha a possibilidade de dormir no G4, pressionando os adversários no complemento. Em tese, o adversário era interessante, mesmo vindo de um resultado positivo. E ficou mesmo nisso, “em tese”. Na prática, o time mineiro foi superior, antes e depois de tomar o gol – que saiu num raro momento de lucidez da equipe coral. Aos 26 do primeiro tempo, proporcionou um lance incrível. Num cruzamento da direita, Diones (livre) cabeceou na trave. Na sequência, Jaime afastou mal e Eduardinho pegou a sobra na meia lua. Sem marcação, soltou uma bomba, no travessão. O bombardeio tirou a torcida coral do sério, com o volante Wellington Cézar (que nem foi o protagonista da bobagem) sendo o alvo.

O gol do Santa, pouco antes do intervalo, foi à parte do que vinha jogando. Tiago Costa cruzou, Bueno ajeitou e João Paulo marcou de cabeça. Aos poucos, o meia vai se firmando na equipe, embora, numa nota geral, também tenha sido irregular desta vez. Para que o gol desse tranquilidade na etapa complementar, o time precisaria melhorar também. Não aconteceu, com um futebol lento e insistente na bola aérea – já com Pitbull em campo. Quem apareceu foi Reis, atacante rival. Numa cobrança de falta, bola no travessão. Na segunda tentativa, tirou tinta da trave. Na terceira, num escanteio, colocou na cabeça de Thaciano, que empatou aos 25. A partir dali, não houve uma finalização efetiva do Santa, com vaias pelo tropeço e pelo desempenho…

Os 5 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
* 60% de aproveitamento (2V-3E-0D)

Série B 2017, 16ª rodada: Santa Cruz x Boa Esporte. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Em jogo batalhado, o Santa vence o Vila Nova e fica a 2 pontos do G4 da Série B

Série B 2017, 15ª rodada: Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova. Foto: Rodrigo Baltar/Santa Cruz

No primeiro tempo, a reação dos 6.731 torcedores presentes sintetizou o futebol do Santa Cruz, que não conseguiu tramar jogadas, restringindo as tentativas a dois arremates de longe. Um deles, de Tiago Costa, foi bem defendido pelo goleiro do Vila Nova, Luís Carlos. Faltava imposição ao time, que empatara dois jogos como “visitante”, diante do vice-lanterna e do lanterna. Só um resultado positivo na arena deixaria sequência produtiva (vitória em casa e empate fora) sob o comando do técnico Givanildo Oliveira.

A vitória saiu, por 1 x 0, com o resultado bem comemorado. No apito final, os mesmos torcedores reconheceram a entrega do time, que marcou melhor e finalmente conseguiu penetrar na área do adversário goiano, que passara oito rodadas no G4 até o tropeço em casa na rodada anterior. O gol da noite saiu aos 9 minutos da etapa final. Bruno Paulo (de volta após o DM) abriu na esquerda para o meia João Paulo, que tocou entre as pernas do zagueiro Alemão (aquele), com André Luís dominando e batendo rapidamente. Bola no ângulo. Em vantagem, o time coral obrigou o Vila a se mexer. Com desfalques e mais interessado em travar o jogo até então, o alvirrubro até levou perigo – mais pelo nervosismo da zaga pernambucana e dos volantes, Derley e Wellington Cézar, apesar da alta rotação da dupla. Acabou virando um jogo franco, com Halef Pitbull (titular) desperdiçando duas chances cara a cara, após assistências precisas de JP. Nas duas, força excessiva. Do outro lado, Júlio César garantiu, com a colaboração de um ataque batendo cabeça.

Com isso, o Santa chegou a 8 pontos em 12 disputados com Giva, com 66% de aproveitamento. Ficou a dois pontinhos do G4. Antes, dos 33 pontos disputados, somou 14, com 42%. Tendência de ascensão? Na sexta-feira, o 4º dos cinco jogos programados na Arena Pernambuco, contra o Boa…

Os 4 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova

Série B 2017, 15ª rodada: Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Podcast – A análise do 7º clássico entre Náutico e Santa em 2017. O primeiro 0 x 0

Série B 2017, 14ª rodada: Náutico 0 x 0 Santa Cruz. Foto: Peu Ricardo/DP

O 45 minutos analisou o Clássico das Emoções na Arena Pernambuco, num empate insatisfatório para os dois rivais visando a Série B A igualdade manteve o timbu muito distante do objetivo de sair do Z4, com a diferença aumentando. No tricolor, o hiato ao G4 até diminuiu, mas o futebol opaco deixou a torcida reticente. Ao menos, os dois próximos jogos são na mesma arena, agora na condição de mandante. Estou nesta gravação, num debate sobre as questões técnica e tática, além de análises individuais. Ouça!

15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz (51 min)