Salgueiro x Sport, a 13ª final da história do Pernambucano. E a 1ª no interior…

Pernambucano 2017, final: Salgueiro x Sport Arte: Cassio Zirpoli/DP

Uma final inédita no Campeonato Pernambucano. A disputa entre Salgueiro e Sport, em 2017, será a 13ª final diferente em 103 edições da principal competição do futebol local, realizada de foma ininterrupta desde 1915.

Quem será o campeão pernambucano de 2017?

View Results

Loading ... Loading ...

Na primeira semifinal, o Carcará eliminou o Santa. No dia seguinte, na arena, o Leão despachou o Náutico. Será o terceiro ano consecutivo com um mata-mata entre os clubes. Nos últimos dois anos, pela semifinal. Na primeira, os sertanejos passaram. Na segunda, o rubro-negro avançou nos pênaltis. O Salgueiro se faz presente na decisão pela segunda vez em três anos, mostrando a ascensão do clube, que nunca deixou o interior tão próximo da conquista. Se há dois anos foi vice no Arruda, desta vez o jogo de volta será em seu reduto, no Cornélio de Barros, pronto para receber até 12 mil torcedores. Quanto ao Sport, vai à final pela sexta vez na década. Contudo, só uma taça até aqui. Por sinal, será a primeira final de Diego Souza pelo leão.

Agenda da final Interior x Capital*
05/05 – Sport x Salgueiro (Ilha do Retiro)
09/05 – Salgueiro x Sport (Cornélio de Barros)
* Datas e horários a confirmar

O interior esteve presente em 58 das 103 edições. Começou com uma breve passagem do Central, em 1937, mas depois, a partir de 1961, sempre marcou presença. E até hoje, dois títulos foram comemorados fora do Recife, mas em situações de clara vantagem aos visitantes. Em 1997, o Sport já havia vencido o primeiro turno e a primeira fase do segundo turno. Basta ganhar a decisão da última fase para antecipar o bi. Dito e feito, fazendo 2 x 0 no Porto, no Antônio Inácio. Em 2005, o Santa foi campeão de ponta a ponta. Ganhou o segundo turno e, consequentemente, o título, na penúltima rodada, vencendo o Petrolina por 2 x 1, no Paulo Coelho. Agora é diferente, com o jogo de volta da decisão. Com a taça à disposição dos dois times em campo…

Ordem cronológica das finais do Estadual*
1º) Flamengo x Torre (1915)
2º) Sport x Santa Cruz (1916)
3º) Santa Cruz x América (1921)
4º) Santa Cruz x Íris (1932)
5º) Santa Cruz x Varzeano (1933)
6º) Náutico x Santa Cruz (1934)
7º) Santa Cruz x Tramways (1935)
8º) Náutico x América (1944)
9º) Sport x América (1948)
10º) Sport x Náutico (1951)
11º) Sport x Porto (1998)
12º) Santa Cruz x Salgueiro (2015)
13º) Salgueiro x Sport (2017)

* Considerando final em ida e volta, melhor de três, extra e supercampeonato.

Análise da semifinal pernambucana de 2017 – Salgueiro com a decisão em casa

Pernambucano 2017, 5ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Salgueiro. Foto: Rafael Martins/DP

Foi a melhor campanha da história do Salgueiro no hexagonal do título, com 76% de aproveitamento. Assegurou a liderança com duas rodadas de antecedência. Hoje, já tem uma boa ótima pontuação até projetando uma decisão do campeonato em casa – cujo mando será definido na soma do hexagonal e da semi. Leva o peso do futebol do interior, até hoje sem o título pernambucano. Mas leva com responsabilidade, sendo o único com elenco regular e com campo apto para receber o Trio de Ferro. Seu treinador, Evandro Guimarães, está lá há quase um ano.

Há duas edições, ficou bem pertinho da taça, numa decisão com apenas um gol – Anderson Aquino, do Santa. Em 2017, chega mais consolidado, com nomes já conhecidos do futebol pernambucano, como Rodolfo Potiguar, Moreilândia e Tamandaré. Este conjunto é a força do clube sertanejo, que mantém a figura de azarão mesmo com a campanha realizada, ao menos na visão do blog. No hexagonal, não perdeu no Recife, com duas vitórias (Náutico e Santa) e um empate (Sport). Tal desempenho como visitante será essencial para turbinar o seu mando, com um sol daqueles.

Desempenho na semifinal (2010/2016): 4 participações e 1 classificação
Vs Santa Cruz na semifinal: 1 confronto (2012) e 1 eliminação

O esquema tático sertanejo explora as laterais, sobretudo a direita. Fora de casa, jogada bem fechado, com Potiguar avançando menos que de costume

Formação básica do time titular do Salgueiro no Estadual de 2017. Crédito: this11.com com arte de Cassio Zirpo/DP

Destaque
Valdeir. O meia-atacante terminou o hexagonal como vice-artilheiro, com 4 gols. E mostrou bom futebol contra o Trio de Ferro, nos jogos que realmente importam na fase. Aos 25 anos, pode se útil até num centro maior.

Aposta
Willian Lira. O centroavante de 1,85m soma seis gols no Estadual, sendo quatro na 1ª fase e dois no hexagonal. Tem presença de área, sendo bastante procurado por Tamandaré, com forte jogada na linha de fundo.

Ponto fraco
Reposição. Dos quatro semifinalistas, é o time com menos opções de mudança, técnica e tática. A equipe é entrosada, mas em caso de lesão ou suspensão, pode apresentar uma fragilidade além da tolerável.

Campanha no hexagonal (10 jogos)
23 pontos (líder)
7 vitórias (1º que mais venceu)
2 empates (4º que mais empatou)
1 derrota (quem menos perdeu)
17 gols marcados (2º melhor ataque)
6 gols sofridos (melhor defesa)

Melhor apresentação: Santa Cruz 1 x 2 Salgueiro, em 2 de março, no Arruda.

Salgueiro vence o Náutico mais uma vez e vai ao mata-mata pelo 4º ano consecutivo

Pernambucano 2017, 7ª rodada: Salgueiro 2 x 0 Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico/instagram (@nauticope)

Repetindo o placar da Arena Pernambuco, o Salgueiro fez 2 x 0 no Náutico atuando no Sertão. Com a liderança mantida no hexagonal estadual, o clube antecipou a classificação à semifinal. Pelo 4º ano seguido! Em sete rodadas, tem 76% de aproveitamento. Considerando também a fase preliminar, com treze apresentações ao todo, o índice sobe para 82%. Regularidade em alta.

E olhe que nem teve o sol “a favor”. Na noite de sábado, com as mariposas disputando a luz enfraquecida do Cornélio de Barros, o time seguiu com o seu estilo, abusando das jogadas pelos lados e fechando o meio-campo ao ficar em vantagem, saindo apenas nos contra-ataques. Os adversários sabem disso há tempos. Porém, a encaixada equipe sertaneja vem conseguindo se impor. Após perder do Santa, domingo passado, em sua única derrota até aqui, enfrentou um animado Náutico, com triunfos seguidos nos clássicos. No primeiro tempo, um jogo disputado, lá em cá. Em cinco minutos, ótimas chances pra cada lado, com Willian Lira (Salgueiro) e Erick (Náutico).

Apesar da movimentação, o gol só saiu aos 42, com Willian Lira concluindo o cruzamento de Toty – 6º gol dele no geral. Embora Milton Cruz tenha reconhecido os erros na marcação, os alvirrubros voltaram do intervalo sem mudanças. Tentaram empurrar o mandante para o seu campo, mas a melhor chance foi na bola parada, com Alison acertando o travessão. Reativo, o Salgueiro teve dois lances semelhantes, com o atacante recebendo livre na ponta esquerda e tocando por cima de Tiago Cardoso. No primeiro, com Valdeir, Páscoa salvou. No segundo, com Levi, gol, para a festa do interior.

Salgueiro no mata-mata do Estadual
2014 – 3º lugar
2015 – Vice-campeão
2016 – 4º lugar
2016 – A disputar

Pernambucano 2017, 7ª rodada: Salgueiro 2 x 0 Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico/instagram (@nauticope)

Santa Cruz marca com Pitbull logo no início e segura a vitória em Salgueiro

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Salgueiro 0x1 Santa Cruz. Crédito: Vandinho Dias/SG10 Comunicações

A derrota no Arruda, a primeira na temporada, obrigou Vinícius Eutrópio a mudar o planejamento do Santa Cruz, escalando as principais peças no Sertão. Afinal, um novo tropeço poderia tirar o bicampeão pernambucano do G4 nesta rodada. Pegando a BR-232, com 512 quilômetros pela frente, os corais chegaram com gás no Cornélio de Barros, jogando um futebol bem mais convincente que aquele visto na quinta-feira. Ao menos em termos de obediência tática.

Ignorando o calor de 34 graus, o visitante se impôs diante do líder no primeiro tempo, criando as melhores oportunidades e deixando o Carcará sem ação (finalizando apenas uma vez na primeira meia hora). Os corais chegaram com Léo Costa (de volta, fez falta), Barbio e Half Pitbull, que marcou um belo gol logo aos 10 minutos. Estava distante da área quando recebeu a bola. Girou e bateu forte, contando com um leve desvio rumo ao ângulo de Mondragon. Foi 5º gol do xodó da torcida coral, sendo 3 no regional e 2 no estadual.

Com o 0 x 1, os tricolores se retraíram (daí a “obediência tática” no início), ocupando espaço e travando o jogo do Carcará. Futebol nada vistoso, mas eficiente para o resultado que era necessário. Ao tirar a invencibilidade do Salgueiro e contar com a derrota do Belo Jardim (que acabou goleado pelo Central), o Santa volta a ter plena folga no G4, cinco pontos à frente. Ou seja, o técnico pode repensar numa formação alternativa, priorizando a Copa do Nordeste. Com o atual faro de gols, difícil vai ser convencer Pitbull a folgar…

Pernambucano 2017, 6ª rodada: Salgueiro 0x1 Santa Cruz. Crédito: Vandinho Dias/SG10 Comunicações