Com o 41º título em PE, o Sport entra no Top Ten dos maiores campeões estaduais

Pernambucano 2017, final: Salgueiro 0 x 1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Com a vitória no Sertão, o Sport reconquistou o título pernambucano após três anos. Com o troféu dourado nas mãos de Diego Souza, o leão ampliou a hegemonia no ranking do futebol local, agora com 41 conquistas. Como consequência, entrou também na lista dos dez maiores campeões estaduais, empatando com o Fortaleza na 10ª colocação. Ao todo, onze clubes já ganharam mais de 40 campeonatos estaduais, sendo o ABC de Natal o único na casa dos 50 – nesta temporada, ganhou mas uma vez, chegando a 54 (!).

Os 10 maiores campeões estaduais (e o último título):
1º) ABC-RN – 54 títulos (2017)
2º) Paysandu-PA – 47 títulos (2017) 
3º) Bahia-BA – 46 títulos (2015) 
4º) Rio Branco-AC – 45 títulos (2015)
4º) Internacional-RS – 45 títulos (2016)
6º) Remo-PA – 44 títulos (2015) 
6º) Atlético-MG – 44 títulos (2017)
6º) Ceará-CE – 44 títulos (2017)

9º) Nacional-AM – 43 títulos (2015)
10º) Fortaleza-CE – 41 títulos (2016)
10º) Sport-PE – 41 títulos (2017)

No cenário local, com o ranking no alto e a lista abaixo, a vitória do Sport sobre o Salgueiro manteve o interior sem conquistas, com o troféu de 2017 saindo numa final polêmica. Dos 27 estados, apenas Pernambuco e Rio de Janeiro jamais consagraram campeões fora da capital. Em 103 edições do Campeonato Pernambucano, realizado de forma ininterrupta desde 1915, foram apenas sete campeões, com o Trio de Ferro doutrinando desde 1945 – um ano antes o Mequinha erguera a taça pela sexta e última vez.

O ranking de títulos pernambucanos de futebol, de 1915 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Considerando o recorte da “era profissional”, iniciada em 1937, a disputa é mais equilibrada entre os grandes, com Tramways e América como campeões à parte. Ao todo, 81 edições – ranking abaixo, em mera curiosidade. O profissionalismo começou, efetivamente, em 1937, quando a Federação Pernambucana de Desportos (FPD), atual FPF, registrou o primeiro contrato profissional. O pioneiro foi o Central, trouxe o zagueiro Zago, do Galo.

O ranking de títulos pernambucanos de futebol na era profissional, de 1915 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Com erro do árbitro de vídeo, Sport vence o Salgueiro e conquista o Pernambucano

Pernambucano 2017, final: Salgueiro 0 x 1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Em uma final que demorou 52 dias para acontecer, o Sport utilizou a força máxima no Cornélio de Barros, onde deu uma pausa na Série A para enfrentar o Salgueiro em busca do 41º título pernambucano. Inicialmente relegado, no fim tornou-se o objetivo, alcançado com suor e polêmica. A taça, mantendo a escrita da capital, foi a primeira de Diego Souza no leão e a 9ª do goleiro Magrão, agora recordista ao lado do saudoso Leonardo.

Com a bola rolando no Sertão, o primeiro tempo foi mais estudado, sem grandes oportunidades. Com 53% de posse, boa parte no campo defensivo, o Salgueiro optou por explorar as laterais, buscando a jogada a aérea com o grandalhão Willian Lira. Pouco antes do intervalo, aos 43, escorando uma falta, ele assustou. Já o Sport tentou sair tocando, com André fazendo bem o pivô. Com Diego Souza bem marcado, o time teve que rodar bastante a bola para encontrar espaço. Acabou finalizando apenas duas vezes, com Everton Felipe e André – dessas, o goleiro Mondragon só trabalhou em uma. Pela postura das equipes, esperava-se mais na etapa complementar, uma vez que o placar em branco estendia a disputa às penalidades. Ficou na expectativa.

Pernambucano 2017, final: Salgueiro 0 x 1 Sport. Foto: Yuri de Lira/DP

Na retomada, os dois times diminuíram o ritmo, satisfeitos com suas respectivas atuações. Luxemburgo, ‘estreando’ no Estadual, só tentou algo diferente aos 21 minutos, com Leandro Pereira no lugar de Lenis. A característica do time mudaria automaticamente, com mais lançamentos e força física. Antes disso, o lance mais polêmico do campeonato. O Salgueiro chegou a balançar as redes, com Álvaro, mas o assistente alegou que a bola já havia saída na cobrança de escanteio. Portanto, o árbitro Wilton Sampaio acionou o árbitro de vídeo, que desta vez utilizou as mesmas imagens da transmissão da Globo Nordeste -  e a decisão do AV já havia sido questionável na Ilha. Em uma câmera colocada bem na linha da barra, a bola não saiu – na visão do blog. Porém, a decisão original foi mantida. Ou seja, mais um lance polêmico na história das finais locais. Desta vez, até com recurso tecnológico!

Após o lance, o jogo ficou nervoso, amarrado. Até o golaço marcado por Everton Felipe, aos 36 minutos. Numa ligação direta de Magrão, DS desviou e André ajeitou de peito para o camisa 97, que arrumou na meia-lua e bateu no ângulo. Em vantagem, o Sport apertou a marcação, segurando o 1 x 0 definitivo para o título estadual. Uma conquista perdida no meio do calendário, cuja festa deve durar pouco. Até a próxima rodada do Brasileirão, a 11ª.

A campanha: 14 jogos; 6 vitórias, 7 empates e 1 derrota; 20 GP e 12 GC.

Pernambucano 2017, final: Salgueiro 0 x 1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

As prováveis formações de Salgueiro e Sport na decisão do Pernambucano 2017

As prováveis formações de Salgueiro e Sport para a decisão do Pernambucano 2017, em 28/06. Arte: Cassio Zirpoli/DP (via .footballuser.com)

Os dois jogos da final do Campeonato Pernambucano de 2017 tiveram um inacreditável hiato de 52 dias. Com a competição se perdendo no meio do calendário, Sport e Salgueiro disputaram 14 e 7 jogos oficiais em outros torneios desde então, respectivamente. Logo, as mudanças em seriam ‘naturais’. Contudo, o número vai além da conta, podendo variar de 5 a 6, em cada time. Ou seja, dos 22 titulares, poderemos ver até 12 jogadores que estavam no banco (ou no DM) na Ilha do Retiro, no empate em 1 x 1.

No Cornélio de Barros, o capítulo final de uma competição desorganizada…

Salgueiro
O técnico Evandro Guimarães deve escalar um time bem diferente em relação àquele que empatou no Recife. O principal desfalque é o meia Valdeir, candidato a melhor jogador da competição, que acertou com o futebol português – ele chegou a estender o contrato, visando a final remarcada para 18/06, mas com o novo reagendamento, para 28/06, não houve mais tempo. Das seis mudanças no time sertanejo, três são no sistema defensivo, nas duas laterais e na zaga. No ataque, optou por uma dupla mais rápida. 

Formação (4-4-2): Mondragon; Diego (Tamandaré), Ranieri, Maurício e Paulo Vitor; Rodolfo Potiguar, Toty, Jaildo e Dadá (Gustavo); Álvaro e Jean Carlos.  

6 mudanças em relação ao jogo de ida: Diego/Tamandaré (a conferir), Maurício/Luís Eduardo, Paulo Vitor/Daniel, Jaildo/Moreilândia, Dadá/Valdeir e Jean Carlos/Willian Lira 

Sport
No rubro-negro, até o técnico é diferente, com Vanderlei Luxemburgo ‘estreando’ na finalíssima. A formação tática também mudou, do 4-2-3-1 para o tradicional 4-4-2, com a maior diferença no reposicionamento de Everton Felipe, mais meia que ponta. Entre as mudanças, duas bem favoráveis, pois Ronaldo Alves e Diego Souza estavam machucados no primeiro jogo, enquanto Mena fica de fora, por causa da seleção chilena. No ataque, Lenis foi opção tática mesmo, no lugar de Rogério, já liberado pelo DM. 

Formação (4-4-2): Magrão; Samuel Xavier, Ronaldo Alves, Henríquez (Durval) e Raul Prata; Rithely, Rodrigo, Everton Felipe e Diego Souza; Lenis e André 

6 mudanças em relação ao jogo de ida: Ronaldo Alves/Matheus Ferraz, Henríquez/Durval (a conferir), Raul Prata/Mena, Rodrigo/Ronaldo, Diego Souza/Fabrício e Lenis/Rogério