Podcast – A análise da classificação do Sport na Sula, mesmo perdendo da Ponte

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Fábio Leoni/Ponte Press

Após fazer 3 x 1 na Ilha do Retiro, jogando um bom futebol, o Sport voltou a mostrar apatia como visitante, perdendo em Campinas por 1 x 0. Nos 180 minutos, o leão se classificou diante da Ponte, chegando às quartas de final da Sul-Americana. Apesar da vaga, não escapou das críticas, com o sistema defensivo desorganizado e o ataque sem criatividade, sem apetite. O 45 minutos analisou o jogo, os desempenhos individuais e o coletivo, e já projetou o próximo confronto na copa internacional, contra o Junior de Barranquilla.

20/09 – Ponte Preta 1 x 0 Sport (44 min)

Sport x Junior da Colômbia nas quartas da Sul-Americana, valendo R$ 1,7 milhão

Sport x Junior de Barranquilla nas quartas de final da Sula 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP (sobre imagem da Conmebol)

O Sport se classificou para as quartas de final da Sula e ficou no chaveamento do Junior de Barranquilla, valendo R$ 1,7 milhão em caso de passagem à semi. Será a primeira vez que o time pernambucano irá atuar de forma oficial na Colômbia. Assim, somando todas as copas da internacionais, será o 7º país estrangeiro, restante apenas Bolívia e Venezuela entre os filiados da Conmebol. Ao todo, o Sport já disputou 16 jogos contra os hermanos. Somando a Libertadores, o desempenho é até bom, com 8 vitórias, 2 empates e 6 derrotas. No recorte da Sula, porém, são 2 vitórias em 8 jogos.

Prováveis datas: 25/10 (Recife) e 01/11 (Barranquilla)

Vindo da Libertadores, o Junior estreou na Sula na 2ª fase. Segue invicto após dois confrontos (Deportivo Cali-COL e Cerro Porteño-PAR), com uma vitória e três empates. Em seu reduto, está invicto há dez jogos, sete sem sofrer gols – dureza para quem vem jogando mal como visitante, como é o caso do leão.

Com 7 títulos nacionais, o último deles em 2011, o Junior é o sexto maior campeão do país. Fora da Colômbia, ainda briga por um maior êxito, tendo 13 participações na Libertadores (semifinal em 1994) e 4 na Sul-Americana, onde tem como melhor desempenho justamente a classificação às quartas.

O clube é sediado em Barranquilla, que tem 1,8 milhão de habitantes, sendo a 4ª maior metrópole do país, atrás de Bogotá, Medellín e Cali. O estádio é Metropolitana Roberto Meléndez, com capacidade para 46 mil torcedores. Inaugurado em 1986, o palco foi remodelado em 2011, com cadeiras em todos os setores, todos cobertos. Nesta edição da Sula, o clube proporcionou um dos maiores públicos, com 29 mil pessoas no duelo contra o Deportivo Cali.

Sport como mandante contra times do exterior nas copas internacionais:
2 – Peru (Alianza, 5 x 0, 1988; Universitario, 0 x 0, 1988)
2 – Argentina (Huracán, 1 x 1, 2015; Arsenal, 2 x 0, 2017)
1 – Equador (LDU, 2 x 0, 2009)
1 – Chile (Colo Colo, 2 x 1, 2009)
1 – Paraguai (Libertad, 1 x 2, 2013)
1 – Uruguai (Danubio, 3 x 0, 2017)
1 – Colômbia (Junior, a disputar, 2017)
0 – Bolívia
0 – Venezuela

Geral (Liberta + Sula)
8 jogos; 5 vitórias, 2 empates e 1 derrota; 16 GP e 4 GC; +12 SG

Sport como visitante contra times do exterior nas copas internacionais:
2 – Peru (Universitario, 0 x 1, 1988; Alianza, 1 x 0; 1988)
2 – Argentina (Huracán, 0 x 3, 2015; Arsenal, 1 x 2*, 2017)
1 – Chile (Colo Colo, 2 x 1, 2009)
1 – Equador (LDU, 3 x 2, 2009)
1 – Paraguai (Libertad, 0 x 2, 2013)
1 – Uruguai (Danubio, 0 x 3*, 2017)
1 – Colômbia (Junior, a disputar, 2017)
0 – Bolívia
0 – Venezuela
* Obteve a classificação no mata-mata apesar da derrota

Geral (Lberta + Sula)
8 jogos; 3 vitórias e 5 derrotas; 7 GP e 14 GC; – 7 SG

Magrão faz milagre nos descontos e Sport confirma vaga inédita nas quartas da Sula

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Em Campinas, o Sport repetiu o mesmo roteiro das duas fases anteriores. Vitória com boa atuação na Ilha do Retiro e desorganização no jogo de volta, com derrota. Felizmente, para a torcida rubro-negra, o sufoco acabou encerrado também do mesmo jeito, com a classificação. Desta vez, inédita. Ao perder da Ponte Preta por 1 x 0, o leão chegou às quartas de final da Copa Sul-Americana. Em sua quinta participação, o clube coloca o Nordeste pela primeira vez entre os oito melhores do torneio.

Desde já: a vaga não apaga a má fase. A defesa foi vazada em nove das últimas dez apresentações. Não é acaso, pois o time se mostra desorganizado e Luxemburgo não vem conseguindo o encaixe necessário. Em alguns momentos no Moisés Lucarelli, a falta de consciência tática do time fazia com que três jogadores saíssem de suas posições para fechar no mesmo adversário, deixando rombos desnecessários. É verdade que o gol sofrido foi uma infelicidade – não pelo passe errado de Lenis, que gerou a falta na intermediária. Na cobrança de Cajá, a bola bateu na barreira e sobrou limpa para Lucca marcar. Com apenas 16 minutos de bola rolando, a vantagem do Sport, que chegou a ser de três gols no Recife, já estava no limite.

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Fábio Leoni/Ponte Press

O time acusou o golpe e só tranquilizou, um pouco, após a bobeira de Nino Paraíba, expulso após a segunda falta violenta, aos 34. Somando os descontos, o Sport jogou no 10 x 11 durante 62 minutos! Porém, não conseguiu administrar melhor a sua vantagem, sem criação alguma, mesmo numa atmosfera favorável, com apenas 3.890 espectadores.

Só nos minutos finais, com a Macaca no tudo ou nada, é que os contragolpes apareceram. Desperdiçados, pois a más fase também se estende ao ataque (após brigar com a bola, André acertou um lance aos 42). Ao menos um em campo mantinha a regularidade, Magrão. Havia feito uma ótima defesa no primeiro tempo e no último lance do jogo, aos 47, espalmou um chute à queima roupa de Gamalho. A defesa que manteve o Sport na Sula, com Junior Barranquilla na rota. Nas quartas, fazer só o dever de casa será pouco. O time colombiano está invicto há dez jogos em seu estádio. E a volta será lá…

O leão já acumula 1,375 milhão de dólares em cotas, ou R$ 4,26 milhões.

Cotas do Sport na Copa Sul-Americana
1ª fase – US$ 250 mil (vs Danubio-URU)
2ª fase – US$ 300 mil (vs Arsenal-ARG)
Oitavas – US$ 375 mil (vs Ponte Preta-BRA)
Quartas – US$ 450 mil (vs Junior-COL)
Semifinal – US$ 550 mil?

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Sport vence Ponte Preta e abre vantagem visando inédita vaga nas quartas da Sula

Copa Sul-Americana 2017, oitavas: Sport 3 x 1 Ponte Preta. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

A duradoura má fase no Brasileirão, há seis rodadas sem vitória, trouxe uma desconfiança enorme para a meta paralela do Sport neste segundo semestre, a Copa Sul-Americana. Após eliminar um time do Uruguai e outro da Argentina, os leoninos teriam um duelo nacional nas oitavas de final. E em dois jogos pela Série A, sequer conseguiram balançar as redes da Ponte. Ajustes na escalação (4 mudanças) e na organização (volta dos pontas) e imposição, um combo necessário para reverter o cenário. O que aconteceu.

O Sport venceu por 3 x 1, um placar até econômico para a disparidade vista na Ilha. O mandante foi superior o jogo inteiro, com posse de bola, criação de jogadas e finalizações certas (11 x 2). No lado esquerdo, Luxa voltou à composição Mena/Sander, deixando o chileno à frente, região onde rendeu mais – e também foi o responsável pela bola parada, de melhor aproveitamento que os demais companheiros. Na direta, Raul Prata ganhou a preferência do técnico, ocupando o lugar do inconstante Samuel Xavier. Não teve uma grande atuação, mas a regularidade na recomposição já foi suficiente para melhorar o setor – no fim, seria premiado com uma assistência.

Copa Sul-Americana 2017, oitavas: Sport 3 x 1 Ponte Preta. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Mas foi no meio-campo onde ocorreu a transformação para uma atuação consistente. Patrick foi o motorzinho do time, tendo, enfim, um companheiro de ótimo rendimento técnico. Em baixa e cobrado, Rithely conseguiu fazer o time andar, na antecipação e recuperação de bolas e na distribuição, sobretudo nos passes verticalizados. Com o time jogando acima da média, seria natural que outras peças também melhorassem, como Diego Souza. O meia, que na Sula joga com a 10, voltou a carregar a bola a partir do círculo central, como em seus melhores momentos no clube, na visão do blog.

Num jogo em que o placar eletrônico chegou a registrar 3 x 0, com gols de Ronaldo Alves, Rithely e André, o tento campineiro, através de Felipe Saraiva, aos 37/2T, acabou sendo um “castigo”. A enorme vantagem virou uma boa vantagem, devido ao gol qualificado, mas com a vaga ainda ao alcance de uma classificação inédita para o futebol nordestino…

Os jogos do Sport como mandante na Copa Sul-Americana
20/08/2013 – Sport 2 x 0 Náutico – 16.125 pessoas (Ilha, 2ª fase)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (PAR) – 17.575 (Arena PE, oitavas)
28/08/2014 – Sport 0 x 1 Vitória – 6.025 (Ilha, 2ª fase)
27/08/2015 – Sport 4 x 1 Bahia – 8.201 (Ilha, 2ª fase)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (ARG) – 7.726 (Ilha, oitavas)
31/08/2016 – Sport 0 x 1 Santa Cruz – 6.570 (Arena PE, 2ª fase)
06/04/2017 – Sport 3 x 0 Danubio (URU) – 13.582 (Ilha, 1ª fase)
06/07/2017 – Sport 2 x 0 Arsenal (ARG) – 7.694 (Ilha, 2ª fase)
13/09/2017 – Sport 3 x 1 Ponte Preta – 6.254 (Ilha, oitavas)

9 jogos; 5 vitórias, 1 empate e 3 derrotas; 16 GP e 7 GP; 59% de apto.

Copa Sul-Americana 2017, oitavas: Sport 3 x 1 Ponte Preta. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Sport perde do Avaí na Ilha e chega a seis jogos em vencer. E a meta vai mudando…

Série A 2017, 23ª rodada: Sport 0 x 1 Avaí. Foto: Roberto Ramos/DP

O Sport entrou em parafuso no Brasileirão. Numa queda de rendimento acentuada, o time chegou a seis jogos sem vitória, quatro jogos sem marcar gol e três derrotas seguidas. De um primeiro turno na zona na Libertadores a uma aproximação perigosa da zona de rebaixamento, com adversários mais organizados, embora tecnicamente inferiores. Como foi o caso do Avaí, consciente de sua limitação, mas eficiente diante de um time bem ansioso.

Por sinal, se o time catarinense finalmente saiu do Z4, deve-se à melhor largada no returno e, a longo prazo, à baita colaboração dos pernambucanos, que perderam lá e lô por 1 x 0. Na Ilha, com quase dez mil espectadores, o visitante começou como se esperava, atrás da linha da bola, com duas linhas de quatro. Atacaria pouco, explorando a bola aérea, um calo da atual dupla de zaga do Sport, Ronaldo Alves e Henríquez. E assim saiu o gol de Júnior Dutra, embora a jogada tenha começado numa saída errada de André, que carregou demais a bola. Gerou o contragolpe para o lance decisivo.

Série A 2017, 23ª rodada: Sport 0 x 1 Avaí. Foto: Aníbal Monteiro/cortesia

O Sport abusaria do mesmo jogo aéreo, com 57 cruzamentos! Segundo o Footstats, 44 tentativas saíram erradas. Nas poucas certas, perdeu duas chaves incríveis, aumentando o jejum do sistema ofensivo, outrora bem positivo. Houve luta (desta vez), mas a falta de variação de jogadas irritou a torcida, cuja paciência seria ínfima. O desempenho em campo acabou afastando o apoio, numa panela de pressão até o fim, sobretudo em Diego Souza. Esta falta de organização também se estende a Luxemburgo, que durante a semana, apesar da bronca em Porto Alegre, manteve o time.

Durante o jogo Luxa também não foi eficaz na leitura, mantendo Wesley e acionando Bruno Xavier, que estreou numa fogueira. E assim o revés colocou em xeque o objetivo do Sport. Apesar de o técnico dizer que irá buscar “coisas boas”, a disputa, agora, parece ser a de quase sempre: a permanência.

O jejum de vitórias do rubro-negro na Série A
02/08 – Sport 2 x 2 Fluminense
05/08 – Corinthians 3 x 1 Sport
13/08 – Sport 0 x 0 Ponte Preta
20/08 – Cruzeiro 2 x 0 Sport
02/09 – Grêmio 5 x 0 Sport
10/09 – Sport 0 x 1 Avaí

Série A 2017, 23ª rodada: Sport 0 x 1 Avaí. Foto: Roberto Ramos/DP

Apagado, o Sport perde do Cruzeiro no Mineirão e sai do G6 após seis rodadas

Série A 2017, 21ª rodada: Cruzeiro x Sport. Foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press

O Sport chegou a quatro partidas sem vitória no Brasileirão, num período de visível queda técnica. O time pernambucano vem jogando mal e ao queimar a sua gordura sistematicamente, a saída do G6, o grupo de classificação à Libertadores, tornou-se natural. Após seis jogos, aconteceu. Num confronto direto no Mineirão, o leão até começou bem, na marcação e na criação, articulando as principais chances – teve duas, em cabeçadas de André, assustando o goleiro Fábio. Porém, ter posse, criar e definir mal não adianta muito. Ainda mais contra um rival técnico que colocou a sua força máxima.

Ao contrário do que se imaginava, Mano Menezes não poupou o Cruzeiro visando a volta da semifinal da Copa do Brasil. O treinador fez certo, pois não podia abrir mão de um jogo tão importante na tabela. O time celeste demorou a se encontrar em campo, mas, para isso, também contou uma falha geral da defesa leonina, que bateu cabeça aos 33 minutos. E se o Sport vinha perdendo chances, Sassá vem aproveitando bem. Em 14 finalizações na Série A, marcou 6 gols. O último saiu numa saída errada de Mena, que falhou também na recomposição. Não evitou o cruzamento, com Ronaldo Alves mal posicionado outra vez na bola aérea. Livre na pequena área, o ex-atacante do Náutico cabeceou para o chão, tirando Magrão do lance.

Série A 2017, 21ª rodada: Cruzeiro x Sport. Foto: Sport/twitter (@sportrecife)

Em desvantagem, o visitante desmoronou. Erros passes curtos, quase sem ímpeto para se expor, num traço de falta de confiança. O Cruzeiro cresceu e mandou duas bolas na trave, uma no finzinho do primeiro tempo e outra já no segundo, com o meia Thiago Neves acertando o travessão.

Luxemburgo resolver mexer aos 20, de forma dupla. Saíram Everton Felipe (acertou um cruzamento e priu) e Mena (não rendeu ofensivamente), entrando Rogério (arisco, arriscou dribles e verticalizou) e Anselmo (liberando Patrick pra esquerda). Ocorre que o cérebro do time, Diego Souza, esteve mal. Ditou o ritmo da equipe, no mau sentido. Lento, o Sport não conseguia atacar sem que o mandante já estivesse todo compactado, fechando os espaços. No finzinho, o leão ainda sofreu outro gol. Raniel, ex-Santa, aproveitou um bate-rebate e fechou o placar, 2 x 0. Após duas atuações com uma semana de descanso, o Sport agora terá duas semanas de descanso até o próximo jogo, o Grêmio, em Porto Alegre. Resta ver como Luxa vai aproveitar esse tempo...

Cruzeiro x Sport em BH, pelo Brasileiro (15 jogos)
12 vitórias da Raposa
1 empate
2 vitórias do Leão

Série A 2017, 21ª rodada: Cruzeiro x Sport. Foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press

Em atuação frustrante, Sport empata com a Ponte e aumenta pressão na sequência

Série A 2017, 20ª rodada: Sport 0 x 0 Ponte Preta. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Historicamente, o returno do Brasileirão é mais complicado. Pelo fim das janelas de transferência, pelo maior encaixe das equipes, pelo afunilamento de torneios paralelos e, também, pela reação da turma de baixo, querendo evitar o descenso. Não por acaso, o Sport já havia terminado quatro vezes entre os dez primeiros colocados do primeiro turno, mas só em uma edição, 2015, se manteve neste patamar até o fim. Nesta temporada, a segunda metade da tabela leonina conta com nove jogos em casa e dez fora. Logo, é bastante clara a necessidade de fazer o dever como mandante, sobretudo em jogos-chaves. Como era este contra a Ponte Preta, desfalcada de algumas peças importantes, com o atacante Emerson Sheik e o meia Renato Cajá.

Embora o 0 x 0 numa Ilha com 13 mil pessoas tenha levado o leão ao 5º lugar, beneficiado pela derrota do Fla, em Minas, a situação a médio prazo ficou complicada. Afinal, o time vai para dois jogos longe do Recife, contra Cruzeiro e Grêmio, num momento em que a disputa pelo G6 tornou-se agrupada, com muitos candidatos. E o Sport vai pressionado por não ter encontrado, em momento algum, uma forma de quebrar as linhas defensivas do adversário.

Série A 2017, 20ª rodada: Sport 0 x 0 Ponte Preta. Foto: Aníbal Monteiro/divulgação (@profanibal)

O Sport teve 66% de posse de bola, segundo o Footstats, num controle de jogo extremamente falso, quase sem assustar o goleiro Aranha – ao contrário de Magrão, se virando bem nos contragolpes. À vera, foram três chances, todas na etapa complementar, num chute cruzado de André após uma jogada fortuita, uma cobrança de falta de Diego Souza na trave (estático na partida, DS foi muito mal) e uma cabeçada de André nos descontos, sem goleiro.

Foi o saldo de um time que cruzou 52 bolas na área. Repetindo: 52! Só acertou 4. E olhe que ainda foram 27 tentativas em lançamentos. De forma surpreendente, o leão jogou desta forma ineficaz desde o primeiro instante. Ou seja, com poucas bolas no chão, pouca criatividade, pouca verticalização e pouca atitude. O empate foi frustrante não pelo desempenho na partida, pois não mereceu mesmo vencer, mas sim pela dura tabela pela frente, que exigia bastante da equipe neste domingo. Não houve resposta efetiva.

Sport x Ponte no Recife, pelo Brasileiro (6 jogos)
4 vitórias do Leão
2 empates

Série A 2017, 20ª rodada: Sport 0 x 0 Ponte Preta. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Corinthians vence o Sport em Itaquera e termina invicto o 1º turno do Brasileirão

Série A 2017, 19ª rodada: Corinthians 3 x 0 Sport. Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Pela primeira vez na era dos pontos corridos, um time terminou invicto o primeiro turno do Brasileirão. Com 19 jogos, igualou o próprio recorde de invencibilidade neste recorte. Méritos para o Corinthians, de uma organização impressionante e cirúrgico com a bola nos pés, que em sua arena, tomada por 41.522 torcedores, fez mais uma vítima nesta arrancada para o hepta. O time paulista venceu o Sport por 3 x 1, chegando a 47 pontos, também a maior marca já atingida desde que a competição passou a ter vinte clubes, em 2006.

Luxemburgo sabia que não podia errar contra o Corinthians, onde já foi campeão. E o empate estava longe de ser mau negócio. Tanto que o time pernambucano começou totalmente atrás da linha da bola (abaixo). Tentaria acalmar a pressão inicial do mandante, para depois se articular melhor à frente. A ideia precisou ser antecipada, pois aos 8 minutos, num erro coletivo de posicionamento, após um cruzamento de Fágner, a bola sobrou para o outro lateral do líder, Arana, que bateu no cantinho de Magrão. A partir dali, o Corinthians fez que sabe muito bem e que todos os outros participantes do campeonato tiveram que aturar, com a posse de bola sem produtividade, pois defensivamente o time paulista deixa pouco espaço e erra bem abaixo da média. Tanto que dos 18 jogos anteriores havia terminado 13 sem ser vazado.

Série A 2017, 19ª rodada: Corinthians 3 x 0 Sport. Crédito: Premiere/reprodução

Mesmo com Diego Souza puxando as jogadas, o Sport teve dificuldades, até mesmo pela falta de mobilidade da equipe, com Everton Felipe e Osvaldo pouco participativos nas pontas. E olhe que o Timão terminou o primeiro tempo sem cometer uma falta sequer! Na volta do intervalo, qualquer lampejo de reação foi logo frustrado. Com apenas 19 segundos, o Corinthians já havia roubado a bola em seu campo, trocado três passes e finalizado através de Rodriguinho, no ângulo de Magrão. Golaço. Com o resultado quase consumado – e não era fora da curva – , Luxa passou a mexer no time, reforçando o meio-campo. Sacou os dois pontas, corretamente.

Mesmo com a posse próxima de 60%, o leão não conseguia se aproximar à vera da meta de Cássio. Pior, numa cobrança de escanteio, outro gol, com Pedro Henrique. Na reta final, com Juninho até melhorando o time à frente, André ainda ficou frente a frente com Cássio em duas oportunidades, parando as duas no goleiro corintiano. Havia luta, apesar da derrota consumada. No fim, o volante Thalysson, que entrara há pouco, bateu da intermediária e marcou um golaço, evitando a “goleada” na Arena Corinthians. E foi só.

Corinthians x Sport em São Paulo, pelo Brasileiro (14 jogos)
7 vitórias do Timão
4 empates
3 vitórias do Leão

Série A 2017, 19ª rodada: Corinthians 3 x 0 Sport. Foto: Alan Morici/Estadão conteúdo

Em noite de solidariedade, Sport larga mal, mas consegue empate com o Flu

Série A 2017, 18ª rodada: Sport 2 x 2 Fluminense. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Antes de a bola rolar, a noite foi marcada pela solidariedade da torcida rubro-negra sobre o drama vivido pelo técnico Abel Braga, que perdeu um filho no último sábado. Uma cena emocionante e que levou o comandante do Flu às lágrimas. Em campo, o seu time, completamente focado, justificou a vinda do profissional ao Recife, mesmo de luto. Aproveitando uma sucessão de erros defensivos do Sport, com (mais) uma inversão interceptada de Rithely, um escanteio sem sentido cedido por Durval e um posicionamento errado de Ronaldo Alves, o tricolor abriu dois gols de vantagem em apenas 13 minutos.

Numa Ilha do Retiro com quase 17 mil torcedores, o buraco já estava grande mesmo com pouca disputa. O time pernambucano nem havia começado mal, acelerando o jogo, mas se expôs e falhou muito. Esperava-se, então, uma reorganização, até pelo bom desempenho ofensivo no Brasileirão até aqui – e para isso contou com Lenis, muito bem, até cansar. No Fluminense, o contragolpe seria a maior arma, praticamente abdicando da posse de bola. O Sport chegou a ter 70% de posse, mas terminou com 64%, ainda elevado.

Série A 2017, 18ª rodada: Sport 2 x 2 Fluminense. Imagem: Sportv/reprodução

Assim como aconteceu contra o Palmeiras, também como mandante e também com o 0 x 2 no placar, o Sport abusou das bolas aéreas. Insistiu até o último lance, literalmente. Ao todo, o scout do Footstats aponta 57 x 11 em cruzamentos. Contudo, o time de Luxemburgo acertou apenas 19, um deles no primeiro gol, de André, incendiando a partida ainda na primeira etapa. Até o intervalo, o goleiro do time carioca, Júlio César, apareceria bem.

O time voltou do intervalo com o mesmo ímpeto e enfim chegou ao empate, aos 3 minutos. Patrick carregou a bola, saiu da marcação e encheu o pé, belo gol. Havia tempo de sobra para a virada e depois o cenário ficou mais propício, na expulsão de Orejuela. Só não havia mais gás. A conta da pressão no primeiro tempo chegou, com o time pregado, com uns sete nomes atuando mal, como Diego Souza, Everton, Rithely, os zagueiros etc. Pra completar, as peças acionadas, Oswaldo e Thomás, não ajudaram. A tal ponto de o excesso de cruzamentos, turbinado pela recomposição mal feita, ter deixado o jogo perigoso, com o Flu arrancando no fim e Magrão aparecendo. Embora tenha atuado melhor, o leão também falhou, com o 2 x 2 de bom tamanho.

Sport x Fluminense no Recife, pelo Brasileiro (17 jogos)
7 vitórias do Leão
7 empates
3 vitórias do Tricolor

Série A 2017, 18ª rodada: Sport 2 x 2 Fluminense. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sport volta a vencer o Bahia na Fonte Nova após 28 anos e se mantém no G6

Série A 2017, 17ª rodada: Bahia 1 x 3 Sport. Foto: Marcelo Malaquias/Framephoto/Estadão conteúdo

O Sport arrancou uma importante vitória na Fonte Nova, onde não vencia desde 1989! Mesmo desfalcado de Rithely, Diego Souza e André, todos suspensos, o leão conseguiu ser um time organizado taticamente, quase perfeito defensivamente e calibrado nos contragolpes, puxando em velocidade até os descontos do jogo, quando o colombiano Reinaldo Lenis enfim marcou o seu gol neste Brasileirão, definindo o 3 x 1 pra cima do Bahia.

Com a torcida tricolor marcando presença, com mais de 18 mil pessoas, o time do pressionado Jorginho começou com a proposta clara, buscando o centroavante Rodrigão. Referência na área. o grandalhão é técnico e abre espaço. Ocorre que as peças acionadas por Luxemburgo – que não costuma montar o rubro-negro para empates fora de casa, sendo 8 ou 8 – entraram em alta rotação. No meio-campo, Everton Felipe chamou a responsabilidade, ditando o ritmo do time. Um ritmo forte, deixando claro. Pressionando a saída do Baêa, os pernambucanos conseguiram armar vários contragolpes. O primeiro gol resume a partida: Mendoza arriscou um toque calcanhar, Rodrigo roubou a bola e acionou o colombiano Lenis. Avançando em velocidade, onde quase sempre leva vantagem, desta ele vez acertou a assistência, com Everton Felipe balançando as redes. Àquela altura, o Sport era melhor e a as reclamações da torcida da casa confirmavam – foco no lateral Régis Souza.

Série A 2017, 17ª rodada: Bahia 1 x 3 Sport. Foto: Bahia/twitter (@ECBahia)

Ainda no primeiro tempo, com Lenis e Juninho, o Sport teve chances para ampliar. Desperdiçou, mas ao menos não parecia dar sinais de queda, apesar de erros técnicos dos atacantes. Na proteção, Patrick e Rodrigo não deixaram o meia Régis jogar. Desatento em alguns lances, Rodrigo foi ajudado pela ótima partida de Patrick, que mesmo amarelado continuou marcando bem.

Na etapa complementar, o Bahia voltou com o volante Juninho, forte na bola parada, no lugar do criticado Régis Souza. Voltou também mais compacto, dominando o Sport por 15 minutos. Quando saiu o empate, com Rodrigão cabeceando após uma sucessão de erros, como Mena errando na marcação e Ronaldo Alves tentando cortar uma bola aérea com os pés, o scout de finalizações já era de 13 x 6 a favor do mandante. Felizmente, para os rubro-negros, o time não sentiu o gol. Manteve a pressão alta e com volume de contragolpes. Mesmo perdendo vários (cabia goleada), conseguiu converter. Primeiro, já numa sequência de escanteio, Lenis passou por dois e bateu cruzado, com Ronaldo Alves se redimindo. Com a vantagem restabelecida aos 20, a palavra de ordem passou a ser ‘paciência’. Foi assim até os descontos, com o rival nordestino já baqueado, sem acompanhar os lances, como no terceiro gol, com Everton devolvendo o gol a Lenis. Isso mesmo, 1 gol e 2 assistências de Lenis em Salvador. Era mesmo dia de cair tabu…

Bahia x Sport em Salvador, pelo Brasileiro (13 jogos)
6 vitórias do Esquadrão
5 empates
2 vitórias do Leão (1989 e 2017)

Série A 2017, 17ª rodada: Bahia 1 x 3 Sport. Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia