Classificação da Série B 2017 – 4ª rodada

A classificação da 4ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesportes

Os clubes pernambucanos vivem situações antagônicas no Brasileiro. Apesar de ainda estamos no início da competição, com quatro rodadas disputados, as situações não podem ser tratadas como pontos fora da curva. Em Pelotas, na terça, o Náutico perdeu do Brasil, no terceiro revés consecutivo. No complemento da rodada, com o empate do Criciúma, o timbu acabou ficando com a lanterna. Também no sábado, no Arruda, o Santa venceu o ABC e subiu do 6º para o 2º lugar. A vice-liderança apesar das críticas ao trabalho de Eutrópio, com vitórias no limite. Entretanto, enquanto o alvirrubro perdeu peças importantes para esta Série B, como o meia Marco Antônio, o tricolor se reforçou, com Ricardo Bueno puxando a vila.

Obs. O Papão é o único que não sofreu gols e o Timbu o único que não marcou.

Resultados da 4ª rodada
Paraná 2 x 0 Goiás
Figueirense 0 x 2 Boa
Brasil 2 x 0 Náutico
América 0 x 2 Paysandu
Oeste 2 x 0 CRB
Ceará 1 x 0 Londrina
Santa Cruz 2 x 1 ABC
Vila Nova 3 x 1 Guarani
Luverdense 0 x 0 Criciúma
Internacional 1 x 1 Juventude 

Balanço da 4ª rodada
6V dos mandantes (13 GP), 2E e 2V dos visitantes (7 GP)

Agenda da 5ª rodada
06/06 (19h15) – ABC x Paysandu (Frasqueirão)
06/06 (19h15) – Guarani x Boa (Brinco de Ouro)
06/06 (19h15) – Juventude x Criciúma (Alfredo Jaconi)
06/06 (20h30) – Náutico x Oeste (Arena Pernambuco)
06/06 (20h30) – Figueirense x Internacional (Orlando Scarpelli)
06/06 (20h30) – Goiás x Santa Cruz (Serra Dourada)
06/06 (20h30) – Londrina x Paraná (Estádio do Café)
06/06 (21h30) – América x Ceará (Independência)
06/06 (21h30) – Luverdense x Vila Nova (Arena Pantanal)
06/06 (21h30) – CRB x Brasil (Rei Pelé)

Com reforços à disposição, Santa Cruz vence o ABC no Arruda e volta ao G4

Série B 2017, 4ª rodada: Santa x Cruz x ABC. Foto: Roberto Ramos/DP

O Santa Cruz venceu pela 3ª vez em 4 rodadas. Todas por 2 x 1, todas no limite, sempre com muita entrega da equipe, sobretudo na marcação. Se não agrada à parte da torcida, que segue pegando no pé do técnico Vinícius Eutrópio, o desempenho é respaldado pela classificação, com o clube de volta ao G4. Diante do ABC, a tarde de maior imposição nesta Série B.

Com as adversidades no sábado, como o tempo chuvoso e a decisão da Champions League, apenas 4.834 torcedores foram ao Arruda. Entre os tricolores, a expectativa pelos reforços, que podem dar nova cara ao criticado setor ofensivo. Com mais opções, Eutrópio fez algumas mudanças no time titular. A principal foi a titularidade de Ricardo Bueno. Gino na direita, com Nininho no banco, surpreendeu. No jogo, o primeiro tempo foi amarrado, com o “velho” Santa. O ABC teve mais posse de bola, enquanto os corais seguiam esperando uma chance. Até lá, viram o time de Geninho chegar com perigo, parando em Júlio César. Com o ataque isolado, Roberto resolveu arriscar aos 36. De pé direito, o lateral-esquerdo bateu de fora da área. Porém, a vantagem só durou três minutos, com Pardal marcando de cabeça. O 1 x 1 era um retrato mais fiel, já considerando o pênalti desperdiçado por Anderson Salles, nos descontos. Ele acertou o travessão, numa infração fora da área.

Na retomada, o tricolor destravou a partida logo aos três minutos. André Luís pegou um rebote de Bueno, que acertara o travessão. O atacante dominou, limpou e marcou. Pouco depois, sairia para a estreia de Bruno Paulo, que dialogou melhor com o centroavante. Com o visitante preso na marcação, o Santa conseguiu controlar e atacar. E até ampliou, com Ricardo Bueno, mas o lance foi anulado. Impedimento inexistente. Não fez falta, desta vez…

Série B 2017, 4ª rodada: Santa x Cruz x ABC. Foto: Andrei Torres/ABC FC

Real Madrid, dodecacampeão da Europa

Liga dos Campeões da Uefa, final: Juventus x Real Madrid. Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

O Real Madrid é o clube mais vencedor da história do futebol. Sem discussão.

Alcançou o dodecacampeonato da Liga dos Campeões da Uefa.

1956 – Real Madrid 4 x 3 Stade Reims (campeão)
1957 – Real Madrid 2 x 0 Fiorentina (bi)
1958 – Real Madrid 3 x 2 Milan (tri)
1959 – Real Madrid 2 x 0 Stade Reims (tetra)
1960 – Real Madrid 7 x 3 Eintracht Frankfurt (penta)
1966 – Real Madrid 2 x 1 Partizan (hexa)
1998 – Real Madrid 1 x 0 Juventus (hepta)
2000 – Real Madrid 3 x 0 Valencia (octo)
2002 – Real Madrid 2 x 1 Bayer Leverkusen (enea)
2014 – Real Madrid 4 x 1 Atlético de Madrid (deca)
2016 – Real Madrid (5) 1 x 1 (3) Atlético de Madrid (hendeca)
2017 – Real Madrid 4 x 1 Juventus (dodeca)

Em quatro anos, três orelhudas para o time merengue. A relação do Real com a Champions é umbilical, desde o domínio absoluto na primeira era, com um pentacampeonato, à soma de novas taças com os galácticos. Neste segundo momento, Zidane é um nome recorrente, com o antológico gol do título em Glasgow, há quinze anos, e o bi como técnico, com apenas um ano e meio de trabalho. Por sinal, na fase “League”, iniciada em 1993, esta é a primeira vez que um clube retém a taça. É a cara do Madrid alcançar tal feito. Com tantas finais no currículo, sendo esta a 15ª, já tornou-se normal o repeteco de decisões envolvendo o clube. A Juventus, que buscava a tríplice coroa, já perdera em 1998. E amargou mais um vice, com o veterano Buffon, em temporada espetacular, ainda sem o gostinho do maior troféu interclubes.

Liga dos Campeões da Uefa, final: Juventus x Real Madrid. Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

Em Cardiff, a Velha Senhora começou o jogo muito melhor, apertando o Real, exigindo boas defesas do goleiro Navas. Mas um ataque com Cristiano Ronaldo precisa de uma chance para guardar. Na primeira bola, o português tabelou e bateu no cantinho. É o maior goleador da história do torneio, além dos 100 gols. Sem se abater, ao menos ali, a Juve chegaria ao empate com Mandzukic. De costas, fez um belo gol. Placar justo numa final corrida.

No segundo tempo, com o maior controle do jogo, chegando a 61% de posse, o Real Madrid deslanchou. Marcou três vezes, com o brasileiro Casemiro, de fora da área, Cristiano Ronaldo, concluindo cruzamento na pequena área, e Asensio, no último minuto, 4 x 1. Até então, a Juventus havia concedido apenas três gols no torneio. Na final, quatro. Festa do tamanho do feito de CR7, artilheiro da Liga dos Campeões pelo 5º ano seguido. Imparável

Desde já, começa a saga pelo 13º título. Ou tridecacampeonato

Liga dos Campeões da Uefa, final: Juventus x Real Madrid. Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

Sem piso sintético, Náutico compra nova grama dos Aflitos. Bermuda Celebration

Grama "Bermuda Celebration"

Em julho de 2016, o Náutico divulgou o primeiro plano sobre a reforma dos Aflitos. Em relação ao gramado, eram três propostas. Uma delas sobre o piso sintético, que ganhou força no clube, mas acabou sendo deixada de lado após a mudança no regulamento do Campeonato Brasileiro, vetando a grama artificial a partir de 2018. Voltando ao formato tradicional, uma empresa especializada apresentou dois projetos ao clube, “um sem reparos ou substituição da drenagem e outro com nova drenagem e irrigação automática”. Este segundo modelo, completo, é a bola da vez no estádio.

Começou com a aquisição do gramado. A comissão paritária, responsável pela reforma, confirmou a compra de 9 mil metros quadrados de grama. O tipo escolhido foi a Bermuda Celebration, a mesma da Arena Pernambuco – curiosamente, a versão “Tifway 419″ foi cultivada no CT Wilson Campos, em 2013, sendo cortada e levada até São Lourenço. O gasto com o campo foi de R$ 69,3 mil. O investimento total, considerando a drenagem, ainda será divulgado – a implantação do piso sintético ficaria na casa de R$ 1 milhão.

Falando em drenagem, a obra começa com o rebaixamento do campo, com a utilização de um trator. Antes da grama, será colocada uma camada superficial de terra vegetal, uma camada intermediária com areia e uma terceira camada, mais profunda, com brita. Na sequência aos cortes da drenagem, será implantado o sistema de irrigação embutido. Promessa até outubro…

9.000 m², o total de grama adquirido pelo clube

7.140 m², o tamanho do campo de jogo (105m x 68m)

Situação atual do estádio dos Aflitos. Foto: Diego Pascoal/twitter

Ingressos de R$ 30 a R$ 60 para a decisão do Estadual 2017, no Cornélio de Barros

Venda online de ingressos para a final do Pernambucano 2017. Crédito: Salgueiro/site oficial (www.salgueiroac.com)

Embora esteja perdida no meio do Campeonato Brasileiro, com sete rodadas na Série A e cinco rodadas na Série C até 18 de junho, a decisão do Pernambucano de 2017 tende a encher o Cornélio de Barros. Afinal, é a primeira finalíssima realizada no interior, com o título aberto após o 1 x 1 na Ilha do Retiro. A direção do Salgueiro iniciou a venda online dos ingressos para a decisão estadual, a partir de R$ 33 (já considerando a taxa). Segundo o registro da FPF, o estádio sertanejo tem capacidade para 12.070 pessoas. Curiosamente, o recorde de público por lá foi estabelecido na outra final disputada. No caso, no jogo de ida de 2015, no empate sem gols entre Carcará e Santa, com 10.126 espectadores. Chega a tanto desta vez?

Valores dos ingressos para a final do Campeonato Pernambucano de 2017. Crédito: Bilhete Certo/reprodução (bilhetecerto.com.br)

Segundo o texto da versão vigante do Regulamento Geral de Competições da FPF, o clube visitante tem direito a até 30% da carga, com a ressalva de solicitação e pagamento prévios. Até o momento, a carga à disposição segue com o percentual clássico de 10%. Abaixo, a simulação de divisão de torcidas.

Mandante 90% / Visitante 10%
Salgueiro – 10.863
Sport – 1.207

Mandante 70% / Vitiante 30%
Salgueiro – 8.449
Sport – 3.621

Outra marca ao alcance da partida é a bilheteria, embora a quebra seja mais difícil. Em 2015, o Salgueiro recebeu o Flamengo num confronto histórico pela Copa do Brasil (0 x 2). Na ocasião, os 7.553 torcedores proporcionaram uma renda de R$ 570.200, a maior do interior local, com tíquete médio de R$ 75,49! Na final estadual de 2015, por exemplo, esse índice foi de R$ 15,09.

Padrões de Sport, Santa Cruz, Náutico e Salgueiro cadastrados pela CBF em 2017

O Cadastro Nacional de Uniformes de Times (CNUT), produzido pela CBF, apresenta neste ano 151 padrões oficiais dos 60 clubes envolvidos nas Séries A, B e C do Campeonato Brasileiro de 2017. Esta é a 6ª versão do relatório, com todos os detalhes das camisas, calções e meiões das agremiações.

Nesta temporada, 31 times cadastraram três modelos no arquivo da entidade – os layouts foram checados pela diretoria de competições da confederação. Entre esses clubes, os quatro pernambucanos: Sport na elite, Santa e Náutico na segundona e Salgueiro na terceirona. Apesar do cadastro, os clubes estão autorizados, claro, a utilizar possíveis novos padrões – como já é o caso do tricolor, com o lançamento da linha produzida pela marca Cobra Coral. Por sinal, a CBF adianta que a lista tende a ser atualizada no decorrer do ano.

Como nos últimos levantamentos, os modelos contam com os patrocinadores estampados (ao menos, o master). Confira o documento completo aqui.

Sport/Adidas (versões anteriores: 2016 e 2015)

Padrões do Sport no cadastro da CBF para a temporada 2017

Santa Cruz/Penalty (versões anteriores: 2016 e 2015)

Padrões do Santa Cruz no cadastro da CBF para a temporada 2017

Náutico/Topper (versões anteriores: 2016 e 2015)

Padrões do Náutico no cadastro da CBF para a temporada 2017

Salgueiro/Rota do Mar (versões anteriores: 2016 e 2015)

Padrões do Salgueiro no cadastro da CBF para a temporada 2017