Jogador do ano em 2017: Erick (Náutico), Anderson Salles (Santa) e André (Sport)

Erick (Náutico), Anderson Salles (Santa) e André (Sport) em ação em 2017. Fotos: Ricardo Fernandes/DP (Erick e Salles) e Peu Ricardo/DP (André)

Erick, Salles e André, os eleitos do blog em cada clube em 2017. Concorda?

Há 50 anos o Chelsea elege o seu melhor jogador no ano, independentemente do desempenho do time, com direito ao troféu “Player of the Year”. Uma premiação à parte de federações e confederações, que regulam competições mundo afora. Trata-se de um reconhecimento interno do clube, institucional. Na temporada 2017 o meia Eden Hazard foi o escolhido – o belga já havia sido nomeado em 2014 e 2015. Outros clubes ingleses adotam a ideia, como Manchester United e Liverpool, desde 1998 e 2002, respectivamente.

As escolhas costumam ser feitas com o engajamento da torcida, baseadas na opinião de sócios e da comissão técnica. As festas para os anúncios, com transmissões exclusivas, contam com outros prêmios, como a revelação do ano, o gol mais bonito e os novos integrantes para o “hall da fama” particular. 

No futebol pernambucano não há nada do tipo, mas ao menos vale estudar a ideia, que poderia encorpar as ações de marketing. A partir da premiação em vigor nas potências da Premier League, o blog escolheu os principais nomes alvirrubros, tricolores e rubro-negros na década vigente. Uma artilharia, um acesso, uma atuação inesquecível numa decisão, um ano regular ou mesmo o fato de ter sido a exceção num mau momento do clube. Tem de tudo. Obviamente, as três listas estão abertas a críticas e dicas de novos nomes…

Náutico
2011 – Kieza (atacante), goleador da Série B (21 gols), com acesso à elite 
2012 – Kieza (atacante), 13 gols na Série A, levando o time à Sul-Americana
2013 – Maikon Leite (atacante), único destaque em ano horrível (8 gols na A)
2014 – Vinícius (meia), titular o ano inteiro, decisivo para o vice no PE
2015 – João Ananias (volante), pilar defensivo na boa campanha na Série B
2016 – Rony (atacante), 11 gols na Série B e destaque no 5º lugar na B
2017 – Erick (atacante), estreando como profissional, fez 9 gols em 39 jogos

Santa Cruz
2011 – Tiago Cardoso (goleiro), craque do Estadual e decisivo no acesso à C
2012 – Dênis Marques (atacante), artilheiro do PE (15 gols) e da Série C (11)
2013 – Tiago Cardoso (goleiro), destaque no tri do PE e no acesso à Série B
2014 – Léo Gamalho (atacante), 32 gols marcados na temporada
2015 – João Paulo (meia), destaque no título estadual e no acesso à Série A
2016 – Keno (atacante), com velocidade, ganhou o NE e fez 10 gols na A
2017 – Anderson Salles (zagueiro), artilheiro do time (10 gols) num ano ruim

Sport
2011 – Marcelinho Paraíba (meia), o nome da campanha do acesso à elite
2012 – Hugo (meia), apesar do descenso, até recuperou o time (8 gols na A)
2013 – Marcos Aurélio (meia), 32 gols e destaque no acesso à Série A
2014 – Neto Baiano (atacante), destaque nos títulos do Nordestão e do PE
2015 – Diego Souza (meia), 9 gols e 10 assistências no 6º lugar na Série A
2016 – Diego Souza (meia), marcou 14 gols, sendo o artilheiro da Série A
2017 – André (atacante), 16 gols na Série A, o novo recorde do clube

Os bastidores da vitória que garantiu a permanência do Sport no Brasileirão

Na última rodada da Série A de 2017, o Sport venceu o Corinthians por 1 x 0, contando ainda com as derrotas de Vitória e Coritiba para encerrar em 15º lugar. Dois pontos e duas posições acima do Z4, que assombrou o leão, chegando a ter 97% de chance de queda. Daí, a comemoração na Ilha pelo outrora modesto objetivo. A TV Sport registrou toda a jornada no domingo, com cenas nos vestiários, imagens da torcida e a vibração pelo resultado. O vídeo de bastidores, produzido pelo clube, tem 11 minutos. Assista.

Sufoco em 2016 e 2017… A conferir como será a última rodada em 2018.

Podcast – A análise da vitória do Sport sobre o Timão e o balanço da Série A

Série A 2017, 38ª rodada: Sport 1 x 0 Corinthians. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport venceu o campeão brasileiro, com uma formação quase reserva, foi beneficiado pelos resultados paralelos e se manteve na primeira divisão. Para chegar ao 5º ano na elite nacional, o rubro-negro precisou vencer as últimas três partidas, contando na sequência com Diego Souza e André, que, juntos, marcaram 27 gols nesta Série A. Destaque, desta vez, para o camisa 90, com 16 tentos, o recorde do clube. Em dois podcasts, o 45 minutos avaliou a última apresentação do leão e também fez o balanço do campeonato, que termina com a garantia de quatro nordestinos na próxima temporada. Ouça!

03/12 – Sport 1 x 0 Corinthians (47 min)

Balanço do Brasileirão 2017 (144 min)

No sufoco, Sport vence o Corinthians e se garante na Série A pela 5ª edição seguida

Série A 2017, 38ª rodada: Sport 1 x 0 Corinthians. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport chegou mais uma vez pressionado à ultima rodada da Série A. E o cenário em 2017 foi ainda pior que o de 2016. Em vez um rival rebaixado, o campeão brasileiro. Em vez de uma vitória simples, a necessidade de triunfo somada ao tropeço de um concorrente. Dando tudo certo, com o time revertendo uma situação na qual chegou a ter apenas 3% de chance, segundo os matemáticos, o leão se manteve na elite. Pouco para quem virou o turno em 6º lugar, numa zona de classificação à Libertadores que se estenderia à 8ª posição. Contudo, uma enorme derrocada quase resultou em descenso, só brecada pelas três vitórias nas últimas três rodadas, com o Sport assegurando a 5ª participação seguida. É o recorde na região na era dos pontos corridos.

O cenário foi facilitado, em parte, devido ao nível técnico apresentado pelo Corinthians. O técnico Fábio Carille trouxe apenas três titulares, o goleiro Cássio, o zagueiro Balbuena e o volante Gabriel. Nem mesmo Jô, almejando a artilharia, veio ao Recife. apesar disso, ao fim do domingo o centroavante terminaria na ponta, junto ao Ceifador, com 18 gols. Mesmo esfacelado, time paulista mostrou muita organização, mas sem a mesma eficiência do titular, naturalmente. Com jogadores mais experientes, e em máxima rotação, o Sport se aproveitou, num jogo mais complicado do que se desenhava.

Série A 2017, 38ª rodada: Sport 1 x 0 Corinthians. Foto: FPF/instagram

No primeiro tempo, os leoninos abusaram do jogo aéreo (de praxe) e desperdiçaram duas boa chances, indo para o intervalo pressionados – embora um dos resultados paralelos já fosse suficiente. Diante de quase 30 mil torcedores, o Sport chegou à vitória aos 11 minutos da segunda etapa. Diego Souza recebeu na área, atraindo a marcação de Cássio, e tocou voltando para Mena, que cruzou alto para André. O camisa 90 foi ao terceiro andar para cabecear para as redes, 1 x 0. Foi o 16º gol do atacante na competição, recorde do clube, fazendo explodir a Ilha como nos bons tempos. Sem querer se expor a partir dali, o mandante se contentou com a vantagem magra, trabalhando o placar com muita ocupação de espaço e marcação segura – Anselmo fez grande partida. Com as derrotas de Vitória e Coxa, nos descontos, a partida terminou em festa, num claro sinônimo de alívio…

A sequência leonina na Série A (colocação + campanha + premiação)
2014 – 11º lugar (14v, 10e e 14d) e R$ 600.000
2015 – 6º lugar (15v, 14e e 9d) e R$ 1.400.000
2016 – 14º lugar (13v, 8e e 17d) e R$ 900.000
2017 – 15º lugar (12v, 9e e 17d) e R$ 850.320
2018 – a disputar

Série A 2017, 38ª rodada: Sport 1 x 0 Corinthians. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Podcast – A análise da derrota do Sport para o Coritiba, em jogo de 7 gols na Ilha

Série A 2017, 31ª rodada: Sport 3 x 4 Coritiba. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O Sport perdeu para o Coritiba, na Ilha, e se complicou demais no Brasileirão. Os problemas crônicos na montagem do time já se refletem na tabela, com o time fora da zona de rebaixamento por causa de 1 gol de saldo. Em uma gravação exclusiva, o 45 minutos comentou o jogo nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais, além da briga contra a queda. Estou neste debate com os jornalistas Fred Figueiroa e Lucas Fitipaldi. Ouça!

29/10 – Sport 3 x 4 Coritiba (46 min)

Diego Souza faz 2 gols, perde 2 pênaltis e Sport é derrotado de virada pelo Coritiba

Série A 2017, 31ª rodada: Sport 3 x 4 Coritiba. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Aos rubro-negros, o roteiro foi bem cruel. A partida na Ilha do Retiro envolveu dois times na luta contra o descenso e expôs o que há de pior nas duas equipes, sem organização defensiva para uma pesada Série A. Ao mesmo tempo, foi emocionante do começo ao fim, com o os paranaenses arrancando uma vitória incrível, 3 x 4. Na (re) estreia de Daniel Paulista, o time voltou aos pontas abertos, com dois volantes e Diego Souza na criação. Anselmo acabou sendo sacrificado, mesmo tendo apresentações melhores que Rithely.

Com a formação, o time teve uma estatura mediana, que não deu conta do jogo aéreo do Coritiba. Sobretudo porque a dupla de zaga vem mal nesta característica. Com dez minutos de jogo, entre cobrança de escaneio e faltas na ponta da área, o visitante já havia aberto o placar e obrigado Magrão a fazer duas grandes defesas. O empate poderia ter saído numa cobrança de pênalti, mas Diego Souza parou em Wilson. Ao menos o camisa 87 se redimiu e empatou de cabeça, num raro escanteio bem sucedido. Num intervalo de três minutos, Henrique e André marcaram, com o 2 x 2 na primeira etapa. No Sport, era visível o desarranjo defensivo, que vem de longe – além das poucas peças no setor, pois Igor e Néris basicamente não contam. O posicionamento é sempre confuso. Até ali, contava com a limitação do adversário.

Série A 2017, 31ª rodada: Sport 3 x 4 Coritiba. Foto: Cassio Zirpoli/DP

Bastou deixar o chutão de lado, mesmo que por pouco tempo, para o Sport conseguir chegar bem no ataque. Virou o jogo, com Diego Souza cabeceando de novo, e teve a chance para fazer 4 x 2 e matar a partida. Novo pênalti. Outra vez desperdiçado por DS87, que falhou até no rebote, com o goleiro alviverde salvando. O castigo foi imediato, com Magrão – com boas intervenções até então – dando rebote numa falta de muito longe. Sem cobertura, o rebote foi fatal. No fim, quando o ‘novo’ treinador já havia feito todas as mudanças, inclusive acionando Thomás, mais uma vez perdido, o Coxa virou. Cercado por quatro jogadores, Yan arrumou espaço para guardar. Ampliou o calvário leonino no returno, onde é o time de pior campanha. Além de não conseguir vencer em casa, há oito jogos, soma apenas 1 vitória em 14 rodadas. Segue fora do Z4, mas vem jogando bola de rebaixado…

O jejum de vitórias do leão como mandante na Série A (8 jogos; 5E e 3D)
23/07 (16ª) – Sport 0 x 2 Palmeiras (Arena Pernambuco)
02/08 (18ª) – Sport 2 x 2 Fluminense (Ilha do Retiro)
13/08 (20ª) – Sport 0 x 0 Ponte Preta (Ilha do Retiro)
10/09 (23ª) – Sport 0 x 1 Avaí (Ilha do Retiro)
25/09 (25ª) – Sport 1 x 1 Vasco (Ilha do Retiro)
15/10 (28ª) – Sport 1 x 1 Atlético-MG (Ilha do Retiro)
19/10 (29ª) – Sport 1 x 1 Santos (Ilha do Retiro)
29/10 (31ª) – Sport 3 x 4 Coritiba (Ilha do Retiro)

Série A 2017, 31ª rodada: Sport 3 x 4 Coritiba. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Podcast – A análise da derrota do Sport para o Junior Barranquilla, na Ilha

Sul-Americana 2017, quartas de final: Sport 0 x 2 Junior Barranquilla. Foto: Conmebol/site oficial

O Sport foi derrotado no jogo de ida das quartas da Sula, num resultado bem difícil de ser revertido fora de casa. Sobretudo pela diferença na preparação das equipes, com o time colombiano mostrando técnica e organização. Em uma gravação exclusiva, o 45 minutos comentou o jogo na Ilha do Retiro (o que faltou no trabalho de Luxemburgo?), se estendendo às análises individuais (Mena, André ou Samuel Xavier, quem foi o pior em campo?). Estou neste debate com os jornalistas Fred Figueiroa e Lucas Fitipaldi. Ouça!

26/10 – Sport 0 x 2 Junior Barranquilla (52 min)

Com falhas individuais, Sport perde do Atlético-PR e Z4 se aproxima de novo

Série A 2017, 30ª rodada: Atlético-PR 2 x 1 Sport. Foto: Atlético-PR/twitter (@atleticopr)

O Sport parecia encaminhar o terceiro empate seguido, pelo mesmo placar, quando Rithely cometeu um pênalti infantil aos 40 minutos do segundo tempo. Gedoz, que havia sofrido a falta, cobrou muito bem, batendo no cantinho de Magrão, que ainda foi na bola. Apesar da falha individual na reta final, o revés por 2 x 1 acabou sendo econômico devido às intervenções do goleiro leonino, muito seguro na partida, com três grandes defesas. Quanto ao restante do time, uma atuação confusa, inexplicavelmente passiva em alguns momentos. O empate, embora batalhado, não traduzia a partida em Curitiba.

Luxa montara o time com Anselmo e Rithley na cabeça de área e Patrick acionado mais à frente, na ponta, auxiliado por Mena – aproveitando a improvisação de Zé Ivaldo, que foi muito mal no rival. Na visão do blog, a montagem esteve próxima da ideal – Ronaldo Alves não pôde jogar. Porém, teoria é uma coisa, prática é outra. No campo sintético, o furacão largou melhor, com o Sport equilibrando aos 15 minutos. Sendo justo, o visitante até criou a primeira chance, mas depois bateu cabeça no meio-campo, abusando dos erros. Anselmo desarmava e errava o passe. Rithely nem isso.

Série A 2017, 30ª rodada: Atlético-PR 2 x 1 Sport. Foto: Sport/twitter (@sportrecife)

Embora a partida não estivesse sendo um primor de técnica, os dois times procuravam o ataque, com o mandante mais organizado. No leão, André parecia preso à função de pivô. Faz bem a função, mas também tem faro de gol. Sem chutar, perde a sua principal característica, assim como o time.

Na etapa complementar, o futebol do Sport caiu, numa passividade incrível. Além de não ter marcado bem, errou quase tudo que tentou, tomando seguidos contragolpes. Num deles, o golaço Lucho González, aos 15, num chute de longe. Mesmo sem mudar a postura, chegou ao empate oito minutos depois. Rogério, que acabara de substituir Anselmo, recebeu um tranco de Zé Ivaldo. Pênalti. Diego Souza deslocou Weverton e chegou a 8 gols na competição. E se Luxemburgo ‘acertou’ na escalação, falhou na leitura, ao não enxergar a peça negativa no meio, além da demora para tirar Osvaldo, sem poder de fogo. No finzinho, tentando administrar o resultado, o Sport falhou de novo. Tendo apenas 1 vitória nas últimas 13 rodadas, a pressão é altíssima…

Atlético-PR x Sport em Curitiba pelo Brasileirão (14 jogos)
8 vitórias do Furacão
5 empates
1 vitória do Leão (2014)

Série A 2017, 30ª rodada: Atlético-PR 2 x 1 Sport. Foto: Atlético-PR/instagram (@atleticoparanaense)

Podcast – Análise da 18ª derrota do Sport em 19 jogos contra o São Paulo em SP

Série A 2017, 26ª rodada: São Paulo 1 x 0 Sport. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

O Sport manteve o péssimo desempenho como visitante diante do São Paulo. Jamais venceu lá, tendo alcançado no máximo um empate, em 2016. Desta vez, o jogo foi até parelho, devido à péssima apresentação do tricolor paulista. Só que o leão não aproveitou. O 45 minutos analisou a derrota, que ampliou o jejum rubro-negro na Série A para 9 jogos, opinando sobre o desempenho coletivo, as escolhas de Luxa e os rendimentos individuais. Ouça!

São Paulo x Sport em SP, pelo Brasileiro (19 jogos)
18 vitórias do Tricolor
1 empate

01/10 – São Paulo 1 x 0 Sport (29 min)

Em jogo ruim, Sport perde do São Paulo e chega a 9 jogos de jejum. Na porta do Z4

Série A 2017, 26ª rodada: São Paulo 1 x 0 Sport. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Era um confronto de dois times desesperados na briga contra o rebaixamento. O São Paulo, que jamais caiu, não consegue se encontrar em campo, engatando jogos ruins, mesmo com a chegada de Hernanes, que voltou bem ao futebol brasileiro. Já o Sport é um time que se perdeu na competição, com um crescente jejum de vitórias e erros de Luxemburgo, cuja grife não esconde escolhas tão controversas no time. No Morumbi, com 43 mil torcedores, mantendo a ótima média de assistência do tricolor paulista, a partida foi bem fraca. Diria até que o mandante foi bem pior. Marcou mal e atacou mal.

No segundo tempo, talvez consciente da má apresentação, deu a bola ao Sport, que chegou a 70% de posse na reta final. Acertou na escolha, pois deu a bola a uma equipe que não consegue produzir nada de forma efetiva. O jogo do Sport é extremamente lento, passando por Wesley, cuja titularidade é injustificável. Na recomposição, deixou buracos. Na armação, viu os companheiros perdendo a paciência, com Rithely subindo e André voltando. Só assim a bola parecia seguir à frente, até a meta de Sidão.

Série A 2017, 26ª rodada: São Paulo 1 x 0 Sport. Foto: Fred Figueiroa/DP

É verdade que o Sport até começou bem, pressionando a saída de bola do São Paulo. E ainda acertou o travessão, com Anselmo batendo de fora da área. Essa imposição não durou muito. Primeiro pela questão física. Segundo porque psicologicamente o time se perde ao tomar um golpe, como foi o gol do domingo, com a zaga batendo cabeça. Aos 35/1T, num cruzamento sem tanto perigo, Henríquez cortou mal de cabeça, acertando Ronaldo Alves. A bola sobrou limpa para Marcos Guilherme marcar, 1 x 0.

Durante o jogo, Luxa fez três mudanças. Sander por Osvaldo, tentativa válida. Anselmo por Thallyson, incompreensível, uma vez que o volante era o melhor do time. Rogério por Thomás, a aposta perdida. Da torcida, pois a última troca manteve Wesley em campo. Desde a sua estreia, já foram cinco partidas. Enquanto esteve em campo, o leão não marcou um gol sequer – contra o Vasco, já havia sido substituído. No abafa, indo até os 50, o visitante ainda teve duas chances, em cabeçadas de Thomás e Henríquez, com o goleiro Sidão defendendo. Mais uma derrota na conta, a sexta no jejum de nove jogos. Dois meses sem vencer? A proximidade do Z4 não é acaso.

O jejum de vitórias do rubro-negro na Série A

02/08 – Sport 2 x 2 Fluminense (Ilha do Retiro)
05/08 – Sport 1 x 3 Corinthians (Arena Corinthians, SP)
13/08 – Sport 0 x 0 Ponte Preta (Ilha do Retiro)
20/08 – Sport 0 x 2 Cruzeiro (Mineirão, MG)
02/09 – Sport 0 x 5 Grêmio (Arena do Grêmio, RS)
10/09 – Sport 0 x 1 Avaí (Ilha do Retiro)
17/09 – Sport 0 x 2 Flamengo (Luso Brasileiro, RJ)
25/09 – Sport 1 x 1 Vasco (Ilha do Retiro)
01/10 – Sport 0 x 1 São Paulo (Morumbi, SP)

9 jogos; 3 empates e 6 derrotas, 4 GP e 17 GC; -13 SG

Série A 2017, 26ª rodada: São Paulo 1 x 0 Sport. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net