Um jogador de R$ 300 mil ou três de R$ 100 mil? Debatendo a formação do elenco

Guilherme Beltrão, vice-presidente de futebol do Sport em 2018. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Ao assumir a vice-presidência de futebol do Sport, em 22 de fevereiro de 2018, Guilherme Beltrão trouxe uma análise necessária ao departamento do clube – algo que inexplicavelmente a direção anterior (destituída) ignorou, mesmo com o elenco se esvaindo tecnicamente. Porém, a abordagem do post vai para a opinião do dirigente sobre a (re) montagem financeira do elenco.

No twitter, fiz alguns comentários sobre o assunto, que amplio aqui no blog.

Sobre a visão de Guilherme Beltrão, de que é melhor três jogadores de R$ 100 mil do que um de R$ 300 mil, eu discordo. O que vale é o rendimento do jogador, ponto. Um clube do porte do Sport, com orçamento anual acima de R$ 100 milhões, não pode fechar a porta para oportunidades. Um patamar salarial mais elevado pode ser suplantado por campanha paralelas – como foi a da camisa 87, a mais vendida do clube desde 2014. Além da entrega de resultados, naturalmente. Sobre esse comparativo salário/rendimento, o de Wesley foi caríssimo. O meia, que hoje estaria bem acima do teto estipulado, teve um salário revertido em absolutamente nada no campo. Já Diego Souza, cujo vencimento era estimado em R$ 350 mil, marcou 21 gols em 2018, sendo o vice-artilheiro do time no Brasileirão e convocado à Seleção. No elenco atual de 2018, Pedro Castro pode ser considerado caro. Trata-se de um volante de rotação mínima e com histórico técnico bem questionável. Já o lateral-esquerdo Sander, um dos poucos achados da direção anterior, contribui no elenco – embora ainda seja uma peça substituível.

“O Sport vai ter um teto salarial. Não podemos gastar em dois jogadores o que poderíamos gastar em seis. O Sport tem de voltar às suas origens na questão do futebol coletivo”

Ainda que Beltrão não tenha citado nominalmente, falou de Diego Souza e André. Sem eles, o Sport dificilmente teria escapado do rebaixamento em 2017 – no caso de DS, há duas edições já. Portanto, caro foi o colombiano Lenis, com o leão bancando R$ 3,1 milhões numa aposta. Proporcionalmente, foi o Sport comprando Vinícius Júnior como o Real Madrid – que pagou R$ 164 milhões ao Flamengo. Só que o clube espanhol pode fazer isso. O Sport não podia. E a conta chegou, com o rubro-negro endividado dois anos depois. Mais: e se os tais três jogadores de R$ 100 mil não resolverem? Mesmo com esse preço, é algo recorrente na Série A, simplesmente porque não há embasamento para essa tese – nem mesmo a Chape, também há cinco anos na elite, mesmo com receita inferior. É de fato uma ideologia de gasto. Aí, ok. Também discordo, mas, neste ponto, entendo. Já a questão da coletividade é algo imperativo, sobretudo num time desconectado há tempos – e não é o status do atleta que mudará isso. Por fim, a recuperação do investimento. A venda de Diego Souza deixou R$ 10 milhões no clube e a de André deve deixar mais. Os outros deixaram quanto? Zero. Desconsiderar isso não existe.

Concorda? Discorda? Debate aberto, além de quantidade x qualidade…

Sport leva 3 gols em 10 minutos e cai nos pênaltis diante do Ferroviário-CE. Vexame

Copa do Brasil 2018, 2ª fase: Sport (3) 3 x 3 (4) Ferroviário-CE. Foto: Peu Ricardo/DP

A eliminação foi um dos maiores vexames já vistos na Ilha do Retiro, com impacto profundo sobre o planejamento do Sport visando a temporada 2018. Ao ceder três gols entre os minutos 30 e 40 do segundo tempo, resultando num empate à parte do que se viu em quase toda a partida, o rubro-negro acabou eliminado da Copa do Brasil na disputa de pênaltis. Magrão até fez a sua parte, como quase sempre faz. O camisa 1 defendeu uma cobrança, mas o goleiro Bruno Colaço foi além, espalmando os chutes de Rogério e Marlone. Assegurou o Ferroviário na terceira fase, somando R$ 2,5 milhões em cotas, montante jamais alcançado pelo clube cearense num único torneio.

Ao Sport, que chegou a abrir 3 x 0 mesmo sem forçar, o empate em 3 x 3 acaba sendo o epicentro de uma condução pra lá de questionável no futebol. A própria escalação já era um indício, com o relacionado André sentindo dores antes da partida – à vera, ficou de fora mais uma vez envolto numa sondagem do Grêmio. Sem o seu principal jogador, Nelsinho optou por Leandro Pereira, que há uma semana havia feito dois gols na estreia leonina na copa. Desta vez, o centroavante saiu machucado ainda na primeira etapa, dando lugar a Rogério, recuperado de lesão. E o atacante participou do primeiro gol, numa jogada concluída por Anselmo. Apesar do futebol blasé, o leão chegou a ensaiar uma goleada ao acelerar duas boas jogadas na segunda etapa, uma pela esquerda (gol de Fabrício) e outra pela direita (gol de Marlone).

Copa do Brasil 2018, 2ª fase: Sport (3) 3 x 3 (4) Ferroviário-CE. Foto: Peu Ricardo/DP

Quem assistiu ao jogo, notou um time tecnicamente superior com condições de esticar o placar, mas falhando na cara do gol. Seguiu até a falta de atenção em sequência, com o mandante entrando em parafuso e sofrendo três gols em finalizações na pequena área. No desempate, a consumação da reviravolta, que obriga o Sport assimilar um novo cenário até a Série A. Financeiramente, acusou o golpe – o clube estimava R$ 10,8 milhões na competição, chegando nas quartas, mas sai com apenas R$ 2,2 mi. Tecnicamente, mostra um nível aquém do Brasileirão – no qual já brigou para não cair nos últimos dois anos. Para completar, o distanciamento da torcida em relação ao comando do clube, num turbilhão político que costuma cobrar uma conta alta. A conferir.

Sport na Copa do Brasil (1989-2018)
24 participações
62 confrontos
39 classificações (62,9%)
23 eliminações (37,0%)

Sport x Ferroviário (todos os mandos)
12 jogos
5 vitórias rubro-negras (41,6%)
4 empates (33,3%)
3 vitórias cearenses (25,0%)

Copa do Brasil 2018, 2ª fase: Sport (3) 3 x 3 (4) Ferroviário-CE. Foto: Peu Ricardo/DP

Com gol de falta de Marlone, o Sport se salva em Caruaru e empata com Central

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport escapou da derrota no Lacerdão, jogando mal a maior parte do tempo e ainda com um a menos após a expulsão de Henríquez, aos 13/2T. O leão só igualou o marcador (1 x 1) numa cobrança de falta de Marlone, na reta final. Justamente o meia poupado na escalação inicial. Isso porque Nelsinho havia apostado num meio-campo com Anselmo, Rithely (estreia no ano), Thallyson e Neto Moura. Três volantes, na visão do treinador, com Neto mais adiantado, como o apoiador. No ataque, Gabriel e André, justamente o nome que vinha se queixando de dores no joelho – se o treinador poupou outros nomes, achei arriscada essa decisão. Pois essa combinação não durou meia hora.

Com a baixa produtividade, o técnico acionou o centroavante Leandro Pereira, de volta após seis meses – lesão no joelho. Com isso, sacou Thallyson. A esta altura, o Central já vencia com um gol de cabeça de Leandro Costa, aos 9/1T. O atacante, que deu trabalho a Náutico e Santa, concluiu a jogada iniciada pelo arisco meia Júnior Lemos, que seria substituído pouco depois após sofrer um rodízio de faltas. Sem o seu camisa 10, a patativa recuou, mas nem assim passou sufoco, pois o visitante só buscou a bola aérea, sem sucesso.

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Marlone só entrou no intervalo, no lugar de Neto, um dos poucos com lucidez. Com isso, o time chegou à 3ª proposta de jogo na tarde (4-4-2, com ‘quatro’ volantes; 4-4-2, com 2 centroavantes; 4-3-1-2, com um meia mais livre). Embora tenha tido mais intensidade, o leão limitou-se aos cruzamentos e lançamentos (mais de 20). Era isso ou esperar a qualidade individual, como foi na batida de Marlone, no empate aos 31/2T – considerando também a colaboração do goleiro. Após tomar o gol, o alvinegro aumentou o ritmo e criou algumas chances, mas teve que se contentar com o placar, garantindo um turno sem derrotas para o trio de ferro. O favorito Sport se contentou também.

Histórico de Central x Sport (todos os mandos)
266 jogos
176 vitórias rubro-negras (66,1%)
62 empates (23,3%)
28 vitórias alvinegras (10,5%) 

Última vitória do Central: 1 x 0, em 01/05/2015 (desde então, 7 partidas)

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Com dois gols de André, um modificado Sport vence o lanterna Pesqueira na Ilha

Pernambucano 2018, 4ª rodada: Sport x Pesqueira. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Após o atropelo na arena, Nelsinho Baptista resolveu mexer no time do Sport. Mudou a zaga (Ronaldo Alves por Henríquez), o meio (Pedro Castro por Thallyson) e o ataque (Rogério, machucado, por Neto Moura). Embora a mudança na defesa deva ser mais ampla para o restante da temporada, ao menos no meio-campo já optou por um nome distinto, à parte de Pedro Castro, que já chegou ao Recife como uma contratação questionável.

Não que o Pesqueira fosse oferecer perigo – afinal, era (é) o lanterna -, mas o leão precisava dar uma resposta, justificando o papel de protagonista no embalo da maior disparidade financeira já vista no torneio local. Na marcação, segue sem ser combativo, numa dispersão duradoura. Já à frente, houve, sim, uma maior efetividade. Além de André, o nome da vazia noite na Ilha, vale destacar Neto Moura. Com um histórico de críticas no blog – justamente pela falta de combatividade, que o levou a ser emprestado em 2017 -, o jogador apareceu bem, revezando a posição com Marlone (meia/ponta-esquerda).

Pernambucano 2018, 4ª rodada: Sport x Pesqueira. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Neto foi mais ágil que de costume e conseguiu uma bela assistência para o camisa 90, que marcou o seu primeiro gol no ano, aos 7/1T. Na etapa complementar, aos 11, André fez outro. Avançou na intermediária, driblou um defensor e bateu colocado, de fora da área, 2 x 0. Pelo Sport, o atacante chegou a 43 gols em 105 partidas (média 0,40). Contra o Náutico foi desfalque devido às dores no joelho. Precisava mesmo ficar de molho, sobretudo se a resposta técnica seguir nesse nível, elevando um time ainda aquém.

Os confrontos oficiais pelo Estadual
06/03/2013 – Sport 1 x 1 Pesqueira (9.423 pessoas)
29/01/2018 – Sport 2 x 0 Pesqueira (3.724 pessoas)

Pernambucano 2018, 4ª rodada: Sport x Pesqueira. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sem empolgar, Sport vence o Afogados com gols dos jogadores acionados no 2T

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Sport x Afogados. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport conquistou a sua primeira vitória no Estadual de 2018, mas ainda num ritmo bem abaixo, jogando para o gasto. Diante de apenas 3.389 torcedores na Ilha, o time venceu o Afogados por 2 x 0, após as mudanças efetuadas por Nelsinho Baptista, no intervalo. No primeiro tempo, lento e desinteressante, o leão chegou com perigo apenas duas vezes, em tramas pelo lado direito. Na primeira, André chutou, com o defensor tirando de cabeça, em cima da linha. Na segunda, uma bola no travessão de Rogério. E só, com vaias no intervalo, expondo a impaciência do público sobre uma equipe sem imposição, num campeonato no qual, pelo investimento, deveria conseguir desde a estreia

Ao menos a insatisfação se estendeu ao treinador , que fez duas trocas no intervalo. Tirou André (dores no joelho – fará exame) e Lenis (opção), entrando Gabriel (estreante) e Thomás (opção recorrente no 2T). E logo na retomada os acionados participaram do primeiro gol oficial do leão no ano, após 145 minutos de bola rolando. Na ponta direita, Gabriel acertou o passe vertical para Rogério, que cruzou rasteiro para Thomás, na pequena área.

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Sport x Afogados. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Mesmo em desvantagem, o time sertanejo, atuando pela primeira vez em sua história no Recife, pouco fez, com Magrão como mero espectador na barra. Já o Sport desperdiçou algumas boas chances, sobretudo com Rogério, o ‘falso 9′ na etapa complementar, conseguindo ampliar somente aos 38. Avançando pelo meio, Marlone encontrou Gabriel livre de marcação. O atacante contratado junto ao Flamengo puxou pra perna esquerda e marcou. De positivo, portanto, a reação do banco. Que mexa com o restante do time…

O jogos oficiais do rubro-negro em 2018 (1V, 1E e 0D)
17/01 – Flamengo 0 x 0 Sport (PE)
20/01 – Sport 2 x 0 Afogados (PE)

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Sport x Afogados. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Em Arcoverde, o Sport faz estreia ruim no Estadual e fica no 0 x 0 com o Flamengo

Pernambucano 2018, 1ª rodada: Flamengo de Arcoverde x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sem a Copa do Nordeste no calendário, por decisão própria, o Sport tem o foco todo voltado para o Campeonato Pernambucano neste início de temporada. Com um investimento muito acima dos dez adversários, com a folha de pagamento correspondendo a 74% de toda a competição, o rubro-negro entra, sim, como franco favorito. Como contrapartida, devido à distância técnica, a pressão sobre qualquer resultado. E na estreia do Estadual de 2018 largou com um empate em 0 x 0 com o Flamengo de Arcoverde.

Um resultado justo, numa partida na qual o mandante teve muita entrega, não permitindo qualquer criação dos leoninos, com poucas chances na noite sertaneja. Na prática, duas cobranças de escanteio bem fechadas de Marlone e alguns arremates de fora da área. Isso no primeiro tempo, pois na volta do intervalo o futebol do Sport caiu. No decorrer, Nelsinho fez as três mudanças, promovendo as entradas do atacante Lenis (Índio), do lateral Felipe Rodrigues (Fabrício) e do meia Thomás (Marlone). Não surtiu efeito, com André isolado, sem receber um passe decente, e com Rogério bem marcado.

Pernambucano 2018, 1ª rodada: Flamengo de Arcoverde x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Quando ao Fla, um cenário excelente, num confronto que não acontecia há 19 anos. Por sinal, a partida no estádio Áureo Bradley mobilizou o município, com todos os 3 mil ingressos vendidos, proporcionando uma renda de R$ 173,5 mil – com tíquete médio de R$ 57 (!). A resposta do público, apesar do ingresso salgado, mostra o quanto fazia falta jogos deste porte no interior. Com a grana, a fera garante no mínimo duas folhas (R$ 60 mil/mês). Ou seja, uma torcida rubro-negra saiu comemorando nesta rodada de abertura.

Os confrontos na história
12/01/1997 – Flamengo 2 x 1 Sport (Arcoverde) – Amistoso
02/05/1997 – Flamengo 0 x 0 Sport (Arcoverde) – Estadual
03/04/1997 – Sport 2 x 2 Flamengo (Ilha do Retiro) – Estadual
01/03/1998 – Flamengo 0 x 3 Sport (Arcoverde) – Estadual
14/03/1999 – Flamengo 1 x 3 Sport (Arcoverde) – Estadual
17/01/2018 – Flamengo 0 x 0 Sport (Arcoverde) – Estadual

Retrospecto: 2 vitórias do Sport, 3 empates e 1 vitória do Fla

Pernambucano 2018, 1ª rodada: Flamengo de Arcoverde x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Raio x dos 24 mil jogadores profissionais em atividade nos 722 clubes do Brasil

Registros e transferências de jogadores, segundo a CBF

Pelo terceiro ano consecutivo, a CBF detalha os jogadores profissionais em atividade no país, através da diretoria de registro e transferências. Em relação à última temporada foram 3.098 contratos a mais, num aumento de 14%. Em 2017, portanto, 24.841 jogadores de futebol firmaram algum tipo de acordo, incluindo 134 gringos, com a grande maioria entrando em campo somente nos quatro primeiros meses, durante os campeonatos estaduais. Embora a entidade não tenha atualizado o dado de contratos ativos durante todo o ano, o número de 2016 deixa isso claro, com apenas 8.938 atletas chegando até janeiro – na ocasião, isso representou 41% do total de profissionais.

Ao todo, foram quase 17 mil transferências nacionais, entre empréstimos, vendas de diretos econômicos e jogadores livres. Inicialmente, o balanço tinha três pilares (registro, transferências e salários), mas nos últimos dois relatórios a confederação não divulgou a divisão de salários dos atletas. No quadro pioneiro, 82% recebiam até R$ 1 mil e 95% no máximo R$ 5 mil. A dura realidade comum. Salário acima de R$ 100 mil? No Brasil, apenas 114.

O balanço dos atletas registrados no Brasil, segundo a CBF. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Segundo o novo balanço, de janeiro a dezembro vigoraram contratos envolvendo 722 clubes profissionais – no viés pernambucano, 22 times disputaram competições oficiais na temporada, a partir das Séries A1 e A2. Além disso, o relatório da confederação também inclui os clubes amadores e formadores, adicionando 397. A seguir, a evolução de clubes filiados.

O balanço dos atletas registrados no Brasil, segundo a CBF. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Entre as transferências nacionais, apenas 40 via compensação financeira, totalizando R$ 81 mi – Raniel, por exemplo, foi do Santa para o Cruzeiro por R$ 2 milhões. Já no âmbito internacional foram 657 saídas, com 130 ocorrendo via empréstimos ou cessão dos direitos econômicos, movimentando quase R$ 1 bilhão (!), com média de R$ 7,0 mi – Erick foi negociado pelo Náutico junto ao Braga por R$ 2,8 mi. No sentido inverso foram 527 nomes, dos quais 40 com valores. E o investimento foi de R$ 227 milhões, com média de R$ 5,6 mi – André veio do Sporting para o Sport ao custo de R$ 5,2 mi.

O balanço dos atletas registrados no Brasil, segundo a CBF. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Na volta de Nelsinho, Sport vence Atlético Tucumán e fatura o tetra na Taça Ariano

Taça Ariano Suassuna 2018: Sport 2 x 0 Atlético Tucumán. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Após quase dez anos, Nelsinho Baptista voltou a comandar o Sport. O retorno foi com o pé direito, vencendo o Atlético Tucumán pela Taça Ariano Suassuna. Apesar da festa pelo tetra na disputa amistosa promovida pelo clube, esta 4ª versão registrou o menor público, cerca de 5 mil torcedores – no geral, média de 11.038. Na visão do blog, reflexo do agendamento tardio, além do cartaz modesto do adversário argentino, que ao menos na bola aparentava ser o mais difícil – mesmo classificado à Libertadores, o ‘decano’ pouco fez na Ilha.

À parte evento, apresentando o elenco do Sport, sem tantas caras novas, o rubro-negro teve uma atuação segura. Naturalmente com o freio de mão puxado, devido à questão física. Tecnicamente, tentou assimilar a saída de Diego Souza, com o meio formado por Anselmo (muito bem), Pedro Castro (discreto) e Marlone (voluntarioso) sendo superior ao dos hermanos. Na vitória por 2 x 0, gols de Sander e Thomás, o leão teve um perfil distinto em relação à Ariano 2017, quando mudou o time inteiro no segundo tempo. Desta vez, a equipe foi mantida por 60 minutos, com apenas quatro mudanças. Sinal claro do estilo do treinador, que prioriza o conjunto. Neste caso, o amistoso serviu de teste visando a estreia no Estadual, contra o Flamengo de Arcoverde. E começou com a primeira vitória na temporada, mantendo a taça no Recife.

Taça Ariano Suassuna 2018: Sport 2 x 0 Atlético Tucumán. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sobre o Tucumán, vale uma ressalva. Na noite de sexta, o time estava em Salta, a 3.739 km da capital pernambucana. Lá, pelo ‘torneo de verano’ da Argentina, venceu o Talleres nos pênaltis. Depois, encarou uma viagem com duas escalas em aeroportos, mirando o leão na tarde de domingo. O desgaste seria natural, assim como as mudanças durante a partida – só no intervalo foram cinco. Com a bola rolando, o time encontrou dificuldades no passe, como já havia ocorrido na apresentação anterior. Teve apenas duas chances.

As edições da Taça Ariano Suassuna
1ª) 24/01/2015 – Sport 2 x 1 Nacional (URU), 22.356 pessoas
2ª) 24/01/2016 – Sport 2 x 0 Argentinos Juniors (ARG), 8.909 pessoas
3ª) 22/01/2017 – Sport (4) 1 x 1 (2) The Strongest (BOL), 7.956 pessoas
4ª) 14/01/2018 – Sport 2 x 0 Atlético Tucumán (ARG), 4.933 pessoas

Sport vs clubes argentinos (9 jogos; 3V, 1E e 5D; 12 GP e 17 GC)
31/01/1937 – Sport 2 x 7 Atlanta (amistoso)
25/12/1951 – Sport 2 x 3 Vélez Sarsfield (amistoso)
06/01/1953 – Sport 0 x 1 Chacarita Juniors (amistoso)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (Sul-Americana)
30/09/2015 – Huracán 3 x 0 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
24/01/2016 – Sport 2 x 0 Argentinos Juniors (Taça Ariano Suassuna, amistoso)
06/07/2017 – Sport 2 x 0 Arsenal de Sarandí (Sul-Americana)
27/07/2017 – Arsenal de Sarandí 2 x 1 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
14/01/2018 – Sport 2 x 0 Atlético Tucumán (Taça Ariano Suassuna, amistoso)

Taça Ariano Suassuna 2018: Sport 2 x 0 Atlético Tucumán. Foto: Roberto Ramos/DP

A primeira escalação do Sport em 2018

Taça Ariano Suassuna 2018: Sport x Atlético Tucumán (escalação do leão). Crédito: Sport/twitter (@sportrecife)

A formação inicial do rubro-negro, em imagem divulgada pelo clube

O primeiro (e único) amistoso do Sport durante a pré-temporada de 2018 foi agendado em 14 de janeiro, onze dias após a reapresentação do elenco – período marcado pela saída do meia Diego Souza, vendido ao São Paulo, e pela indefinição sobre o volante Rithely. Na volta de Nelsinho Baptista, então, o time mostra a sua nova cara diante dos argentinos do Atlético Tucumán.

Magrão; Fabrício, Ronaldo Alves, Durval e Sander; Anselmo, Pedro Castro e Marlone; Índio, André e Rogério

Em relação à derradeira rodada do Brasileirão 2017, contra o Corinthians, a escalação para a 4ª edição da Taça Ariano Suassuna manteve apenas seis nomes, com duas estreias e dois atletas da base. Na defesa, as laterais devem mudar até a Série A – na direita, Prata foi vetado pelo departamento médico, enquanto na esquerda houve a contratação de Capa. Mais à frente, ao menos num primeiro momento, o treinador mantém o 4-3-3, com Anselmo e Pedro Castro focados na marcação no meio-campo, liberando Marlone, de grande responsabilidade nesta volta após dois anos. No ataque, André e Rogério seguem firmes, com uma vaga em aberto, na ponta direita. Gabriel, oriundo do Flamengo, pode aparecer em breve como candidato. Contudo, a escalação de Índio na abertura é um indício de utilização da base.

Esta é a espinha dorsal até abril, tendo apenas Estadual e Copa do Brasil…

Atualização pós-jogo: o Sport venceu por 2 x 0, gols de Sander e Thomás

Jogador do ano em 2017: Erick (Náutico), Anderson Salles (Santa) e André (Sport)

Erick (Náutico), Anderson Salles (Santa) e André (Sport) em ação em 2017. Fotos: Ricardo Fernandes/DP (Erick e Salles) e Peu Ricardo/DP (André)

Erick, Salles e André, os eleitos do blog em cada clube em 2017. Concorda?

Há 50 anos o Chelsea elege o seu melhor jogador no ano, independentemente do desempenho do time, com direito ao troféu “Player of the Year”. Uma premiação à parte de federações e confederações, que regulam competições mundo afora. Trata-se de um reconhecimento interno do clube, institucional. Na temporada 2017 o meia Eden Hazard foi o escolhido – o belga já havia sido nomeado em 2014 e 2015. Outros clubes ingleses adotam a ideia, como Manchester United e Liverpool, desde 1998 e 2002, respectivamente.

As escolhas costumam ser feitas com o engajamento da torcida, baseadas na opinião de sócios e da comissão técnica. As festas para os anúncios, com transmissões exclusivas, contam com outros prêmios, como a revelação do ano, o gol mais bonito e os novos integrantes para o “hall da fama” particular. 

No futebol pernambucano não há nada do tipo, mas ao menos vale estudar a ideia, que poderia encorpar as ações de marketing. A partir da premiação em vigor nas potências da Premier League, o blog escolheu os principais nomes alvirrubros, tricolores e rubro-negros na década vigente. Uma artilharia, um acesso, uma atuação inesquecível numa decisão, um ano regular ou mesmo o fato de ter sido a exceção num mau momento do clube. Tem de tudo. Obviamente, as três listas estão abertas a críticas e dicas de novos nomes…

Náutico
2011 – Kieza (atacante), goleador da Série B (21 gols), com acesso à elite 
2012 – Kieza (atacante), 13 gols na Série A, levando o time à Sul-Americana
2013 – Maikon Leite (atacante), único destaque em ano horrível (8 gols na A)
2014 – Vinícius (meia), titular o ano inteiro, decisivo para o vice no PE
2015 – João Ananias (volante), pilar defensivo na boa campanha na Série B
2016 – Rony (atacante), 11 gols na Série B e destaque no 5º lugar na B
2017 – Erick (atacante), estreando como profissional, fez 9 gols em 39 jogos

Santa Cruz
2011 – Tiago Cardoso (goleiro), craque do Estadual e decisivo no acesso à C
2012 – Dênis Marques (atacante), artilheiro do PE (15 gols) e da Série C (11)
2013 – Tiago Cardoso (goleiro), destaque no tri do PE e no acesso à Série B
2014 – Léo Gamalho (atacante), 32 gols marcados na temporada
2015 – João Paulo (meia), destaque no título estadual e no acesso à Série A
2016 – Keno (atacante), com velocidade, ganhou o NE e fez 10 gols na A
2017 – Anderson Salles (zagueiro), artilheiro do time (10 gols) num ano ruim

Sport
2011 – Marcelinho Paraíba (meia), o nome da campanha do acesso à elite
2012 – Hugo (meia), apesar do descenso, até recuperou o time (8 gols na A)
2013 – Marcos Aurélio (meia), 32 gols e destaque no acesso à Série A
2014 – Neto Baiano (atacante), destaque nos títulos do Nordestão e do PE
2015 – Diego Souza (meia), 9 gols e 10 assistências no 6º lugar na Série A
2016 – Diego Souza (meia), marcou 14 gols, sendo o artilheiro da Série A
2017 – André (atacante), 16 gols na Série A, o novo recorde do clube