A 10ª classificação da Segundona 2016

A classificação da Série B 2016 após 10 rodadas. Crédito: Superesportes

Com o pontinho arrancado nos descontos, no Arruda, o empate do Náutico com o Bragantino foi primordial para manter o time no G4 pela quarta vez seguida. Nesta 10ª rodada da Série B, o Timbu foi beneficiado pelos tropeços de Bahia, Criciúma e Ceará. Por sinal, os quatro concorrentes têm a mesma campanha, 17 pontos, com a diferença no saldo (11 x 7 x 5 x 4). Quem se aproveitou também foi o CRB, que venceu o Atlético-GO no Serra Dourada e entrou no G4. A rodada foi tão atípica para os mandantes que até o líder Vasco perdeu em São Januário, após um ano invicto como mandante. Melhor para o Paysandu, que saiu do Z4, apoiado por uma boa presença de sua torcida no Rio.

Na próxima rodada, uma terça-feira cheia, o Náutico fará a sua maior viagem na competição: 2.902 quilômetros. E poderia maior, com 3.198 km, mas o jogo saiu de Pelotas para Caxias do Sul, no estádio do Caxias. O local foi alterado na última segunda-feira porque o Bento Freitas, que passa por reformas, não apresentou os documentos técnicos para esta partida, especificamente.

Evolução da campanha timbu
1ª rodada – 15º (0 pt)

2ª rodada – 11º (3 pts)
3ª rodada – 15º (3 pts)
4ª rodada – 8º (6 pts)
5ª rodada – 9º (7 pts)
6ª rodada – 5º (10 pts)
7ª rodada – 4º (13 pts)
8ª rodada – 4º (16 pts)
9ª rodada – 4º (16 pts)
10ª rodada – 4º (17 pts)

No G4, um carioca, um goiano, um alagoano e um pernambucano.

A 11ª rodada do representante pernambucano
21/06 (21h30) – Brasil x Náutico (Centenário, em Caxias do Sul)

Náutico empata com o Bragantino aos 47 do segundo tempo e permanece no G4

Série B 2016, 10ª rodada: Náutico 1x1 Bragantino. Foto: Nando Chiapetta/DP

Jogando de forma bastante afoita, o Náutico perdia o seu primeiro jogo como mandante na Série B até os instantes finais. Então na zona de rebaixamento, o Bragantino vencia pelo score mínimo. Os paulistas se defendiam como podiam, com o Timbu tentando forçar a entrada na área, tocando ou cruzando. Numa dessas jogadas, Daniel Pereira acabou cortando com a mão. Pênalti. Aos 44 do segundo tempo, uma chance de ouro para o time pernambucano, com a timbuzada em pé no Arruda. Àquela altura fora do G4, o gol poderia manter o time por lá, ajudado pelos tropeços de Bahia e Criciúma, também em casa. Pontinho de ouro, desde que saísse o gol.

Após três minutos de catimba, a cobrança foi autorizada. Bergson, que beijara a bola, não bateu bem. Mas marcou, com a bola passando entre as mãos go goleiro Felipe. Lance para definir a peleja, 1 x 1. O empate brecou o percentual máximo como mandante, mas, ao menos desta vez, valeu pelo esforço final. Até hoje, a equipe havia balançado as redes no primeiro tempo em todas as partidas no Recife. Passou em branco, no primeiro mau sinal, justificado pela falta de pontaria – sete tentativas pra fora e apenas uma certa.

Na segunda etapa, acabou vazado aos 12 minutos, com Sitta cruzando dentro da área, encobrindo Júlio César, que só acompanhou a chegada de Watson. A partir dali, com Jefferson Nem tentando decidir de qualquer forma, o jogo foi nervoso. O comportamento se espalhou entre os 7.236 torcedores no Mundão, um público menor que o há registrado há uma semana, na Arena. Uma diferença de 2.053. Com ingressos a partir de R$ 10 e sem a queixa da distância, o que explica? O borderô até elevou a média de 3.505 para 4.251 pessoas, mas acabou sendo mais um indício de um mando às avessas neste sábado.

Série B 2016, 10ª rodada: Náutico 1x1 Bragantino. Foto: Léo Lemos/Náutico

Náutico termina em 5º lugar, lamentando erros no gramado e na administração

Série B 2015, 38ª rodada: Bragantino 0x2 Náutico. Foto: FáBIO MORAES/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Mesmo somando 63 pontos, o Náutico acabou alijado do acesso devido à elevada média de pontos do G4 nesta temporada. Com essa campanha, o Alvirrubro teria subido em 2006, 2007, 2011, 2013 e 2014. É mesmo para lamentar. É verdade que a felicidade nos gols de Daniel Morais e Biteco foi espontânea, mas somente pelo trabalho realizado no interior paulista, com seriedade. Mesmo sem chances na derradeira rodada, o Timbu se apresentou melhor que o Bragantino e venceu por 2 x 0. O sorriso parou aí.

Em 5º lugar, a apenas dois pontos da zona de classificação, fica a lembrança por preciosos pontos desperdiçados. Claro, alguns resultados positivos surpreenderam, como as vitórias fora de casa sobre Paysandu e Vitória, mas como não lembrar da derrota para o lanterna Mogi ou do empate na arena com o CRB? Este último numa semana em que a própria diretoria atrapalhou, com a polêmica sobre a mudança de mando – que posteriormente sequer ocorreu, numa saia justa. E assim, sem motivo algum para o sorriso do torcedor, termina o ano esportivo do Náutico. No campo político, lembremos, ainda haverá a eleição. Falando nisso, a gestão de Glauber Vasconcelos termina onde começou, na Série B. Na segunda tentativa, um desempenho até melhor

2015 – 63 pontos (55%), 5º lugar
2014 – 50 pontos (43%), 13º lugar 

A evolução na tabela e uma leve base para 2016 – com receitas já comprometidas e com os rivais na elite -, não apagam os erros administrativos, como os seguidos atrasos salariais, rusgas na comunicação, para a irritação dos treinadores, ausência de um patrocinador forte, entre outras lacunas básicas. Faltou muito mais que dois pontos…

Série B 2015, 38ª rodada: Bragantino 0x2 Náutico. Foto: FáBIO MORAES/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A 36ª classificação da Segundona 2015

A classificação da Série B 2015 após 36 rodadas. Crédito: Superesportes

A 36ª rodada foi excelente para o tricolores. Além da categórica vitória do Santa Cruz sobre o Botafogo no Engenhão, por 3 x 0, os resultados ajudaram, com a derrota do Sampaio Corrêa e o empate do Náutico com o CRB, na Arena. O campeão pernambucano manteve a 4ª colocação e chegou a 61 pontos, quatro acima do 5º lugar. A duas rodadas do fim, isso significa que uma simples vitória recolocará a Cobra Coral na elite do futebol nacional. Tem duas chances, contra Mogi Mirim, que mudou o seu mando para Itu, e o Vitória, virtualmente classificado. Já o Náutico precisará vencer seus dois jogos e torcer para o Santa somar apenas um – ou então terá que decidir no saldo, onde hoje está bem atrás. A Série B de 2015 está quase decidida…

No G4, um carioca (classificado), um mineiro, um baiano e um pernambucano.

A 37ª rodada dos representantes pernambucanos
21/11 (16h30) – Náutico x Bahia (Arruda)
21/11 (16h30) – Mogi Mirim x Santa Cruz (Novelli Júnior, Itu)

Santa vence o Bragantino e a sirene do Arruda toca alto, avisando sobre o G4

Série B 2015, 29ª rodada: Santa Cruz 3x1 Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Abrindo a 29ª rodada, o Santa cumpriu bem o seu papel no Arruda. Venceu o Bragantino por 3 x 1 e colocou um pé no G4, pressionando os adversários. Claro, a torcida irá torcer por um empate no Ba-Vi (ou derrota do Bahia) e tropeços de Paysandu e América, mas, de toda forma, a caminhada na Série B segue firme. Foi a primeira vez que Martelotte repetiu a escalação, aprovando a formação com João Paulo (segundo volante) e Daniel Costa (meia). À frente, acredite, quem destoou foi Grafite, perdendo muitas chances. Só fez bem o pivô. Já os ponteiros Luisinho e Lelê correram bastante e marcaram seus gols.

No primeiro tempo, a vantagem de um gol foi enxuta demais para a superioridade coral, que chegou a ter 70% de posse de bola (foi para o intervalo com 60%, ainda considerável). Controlou e atacou. Teve (mais) um gol anulado de Daniel Costa, pois antes do chute a bola bateu no braço de Vítor, favorecendo a finalização, sejamos justos. O gol de fato e de direito saiu aos 34, com Lelê batendo com personalidade, após uma bola cruzada. A segunda etapa começou com dois gols seguidos, com Luisinho ampliando e Alan Mineiro diminuindo.

Aos 14, o Braga quase empatou. O susto agitou o técnico tricolor, que acionou Bruno Moraes no lugar de Grafite. Era preciso “matar” o jogo, mas a mudança durou pouco tempo, pois Alemão foi expulso e Bruno sacrificado, dando lugar a Marlon, improvisado na defesa. Mesmo com um a menos durante 20 minutos, o Santa foi mais consistente, com o time paulista sem saber o que fazer com a bola. Aos 44, Luisinho deixou para Bruninho definir, ligando a sirene do Arruda. Um aviso em alto e bom som que o G4 está chegando de vez…

Série B 2015, 29ª rodada: Santa Cruz 3x1 Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Náutico vence o Bragantino na Arena e termina o turno encostado no G4

Série B 2015, 19ª rodada: Náutico 3x1 Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

O Náutico encerrou o 1º turno com 32 pontos, a um do G4. A campanha na Série B pode ser observada de duas formas. Uma na arrancada, pois na sexta rodada chegou a ter 16 pontos dos 18 possíveis, caindo de rendimento depois. Outra com o atual esforço do time (tecnicamente no limite) para se manter em cima, enquanto não chegam os reforços pedidos por Lisca (o meia Biteco e o atacante Daniel Morais?). Prefiro a segunda opção, porque o início foi além do esperado para um elenco em formação. Com os rivais consolidados, o Timbu oscila entre o mau rendimento fora de casa e o ritmo forte como mandante.

Na Arena, contra o Bragantino, é verdade que a escalação quase melou. Com três zagueiros, o time pouco produziu. Até teve um gol anulado, após uma troca de passes infantil dentro da área, com o definidor nitidamente em posição irregular. Voltando à estrutura tática, Lisca desfez o 3-5-2 aos 25 minutos. Flávio ficou chateado ao sair após um vacilo, mas ficou claro que a troca foi por outro motivo. Entrou Rogerinho, criticado pela torcida. Além da pouca objetividade, o meia ainda não havia balançado as redes. Mas a tarde seria dele. Sete minutos depois, recebeu a carga na área. Pênalti bem convertido por Patrik Vieira.

No segundo tempo, num jogo perigoso, Rogerinho desafogou ao escorar um cruzamento. A partir daí, ficou franco. A ponto de Stéfano Yuri, outro em branco até hoje, ser lançado antes do meio campo, avançar, driblar o goleiro e marcar mais um. O sábado só não foi de goleada porque o Braga descontou aos 48, mesmo após uma grande defesa de Júlio César. O ponto negativo no 3 x 1  foi o público, com apenas 5.523 espectadores. A torcida do Náutico cobra bastante (diretoria, jogadores e imprensa), mas precisa apoiar mais até novembro, num incremento que seria (será) vital para o possível retorno à elite.

Série B 2015, 19ª rodada: Náutico 3x1 Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

A 10ª classificação da Segundona 2015

Classificação da Série B 2015 após 10 rodadas. Imagem: Superesportes

Alvirrubros e tricolores ganharam no sábado pelo mesmo placar, 2 x 1. Na Arena Pernambuco, o Náutico venceu o Oeste, enquanto o Santa bateu o Bragantino no interior paulista. Com a sexta vitória na Série B, o Timbu abriu dois pontos de folga na zona de classificação à elite. A Cobra Coral, por outro lado deu um salto após o primeiro triunfo fora de casa, subindo para o 12º lugar, ainda a oito pontos do G4, mas com uma boa série de jogos como mandante a partir de agora. Na liderança, o Botafogo se manteve isolado, após o 5 x 0 aplicado no Sampaio Corrêa. Na próxima terça-feira, rodada cheia…

No G4, um carioca, um paraense, um pernambucano e um mineiro.

A 11ª rodada dos representantes pernambucanos
07/07 (19h30) – Mogi Mirim x Náutico (Romildo Ferreira)
07/07 (21h50) – Santa Cruz x CRB (Arruda)

Santa Cruz vence em Bragança Paulista e sai do Z4

Série B 2015, 10ª rodada: Bragantino 1x2 Santa Cruz. Foto: FÁBIO MORAES/FUTURA PRESS

Na primeira partida após a badalada contratação de Grafite, ainda sem o ídolo em campo, o Santa Cruz foi à Bragança Paulista para conseguir um objetivo imediato, sair do Z4 da Série B. Encontrou um campo pesado e pouca gente no estádio, num cenário típico do interior paulista. Marcelo Martelotte, com um histórico como goleiro do Bragantino, sabia bem onde estava. Num jogo de muita disposição física e oportunismo, o Tricolor saiu vencedor, 2 x 1. Um sábado para ganhar fôlego no campeonato brasileiro.

Levemente melhor no primeiro tempo, o campeão pernambucano voltou a sentir a falta de um melhor aproveitamento nas finalizações. Num jogo encardido, passava a impressão de que bastaria um chute certeiro para definir o resultado. No começo da etapa complementar, Aquino teve essa chance, bem na frente da torcida coral presente no estádio. Mostrou oportunismo. Em vantagem, os corais passaram um momento de nervosismo, errando vários passes. Ter calma era essencial, como exigia o técnico. E aí entra a figura de Renatinho.

Contestado na lateral esquerda, inclusive pelo blog, o jogador vem sendo aproveitado por Martelotte em outros setores, em busca de um encaixe para a sua qualidade técnica. A liberdade pode ser uma delas. Lançado antes do meio-campo aos 36 minutos, o baixinho de 1,57m correu demais. Quando a marcação chegou, mostrou personalidade, mandando por cobertura, num golaço para definir a primeira vitória coral longe do Arruda. O Braga diminuiu aos 49 minutos, insuficiente. De volta para casa, o Santa terá três jogos no Recife, incluindo um clássico contra o Náutico. Ainda sem Grafite, mas já empolgado.

Série B 2015, 10ª rodada: Bragantino 1x2 Santa Cruz. Foto: FÁBIO MORAES/FUTURA PRESS

Santa Cruz finalmente iguala o número de jogos, vence e busca regularidade

Série B 2014, 16ª rodada: Santa Cruz x Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Enfim, a posição real do Santa Cruz na Série B.

Após muito tempo de espera, o time disputou a partida adiada contra o Bragantino. Um jogo vigente desde a 16ª rodada, que ficou para depois por causa da morte do ex-govenador de Pernambuco, Eduardo Campos.

Num jogo de muitos erros num gramado ruim, o Santa venceu o Bragantino por 2 x 1, chegando a 42 pontos, a nove do G4. É o 9º colocado.

A pergunta, ao torcedor e ao próprio time, é se ainda é possível sonhar com o acesso…

Um questionamento que seria muito fácil de ser respondida caso o time não tivesse cedido tanto o resultado após abrir o placar.

Neste Campeonato Brasileiro a cena se repetiu onze vezes. Inacreditável.

Imagine que pelo menos cinco dessas partidas tivessem terminado com vitória do Tricolor… seriam dez pontos a mais! Hoje, seria o 4º lugar.

Como o “e se” não muda nada, resta lamentar e correr contra o tempo.

Faltam nove rodadas, com seis jogos, sendo seis no estado. Em jogo, 27 pontos.

Nesta terça, Wescley (de fora da área) e Alemão (estreando a la centroavante) marcaram os gols da vitória que ampliou para quatro o número de jogos sem derrota. São duas vitórias e dois empates.

No fim, os 12.897 torcedores presentes aplaudiram o time de Oliveira Canindé.

A reação está acontecendo, um “pouco” tarde. Pontos importantes foram desperdiçados, mas a equipe parece não desistir.  A partir de agora não há mais futurologia com o “e se ganhar do Bragantino”. Ganhou.

Se igualou aos demais no número de partidas e tem a mesma sequência…

Jogando para o gasto não será suficiente para algo mais. Somar a disposição em campo com mais organização tática é o caminho necessário para seguir sonhando.

Série B 2014, 16ª rodada: Santa Cruz x Bragantino. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Podcast 45 minutos (57º) – Derrotas em Sampa e Natal e empate em São Lourenço

Uma rodada sem derrotas no Campeonato Brasileiro para os grandes clubes do Recife. Em São Lourenço, o Náutico ficou no empate com o Bragantino. Também pela segundona, o Santa caiu em Natal diante do ABC. Na elite, revés do Sport contra o São Paulo. Tudo isso – além do polêmico corte do lateral Maicon na Seleção – está na nova edição do 45 minutos.

O 57º podcast teve 1h34min de gravação. Estou na discussão com Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro.

Ouça agora ou quando quiser!