Sport goleia a Juazeirense e é o primeiro classificado às quartas do Nordestão

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Sport 5x0 Juazeirense. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Pela 5ª vez consecutiva, ou todas as edições desde a volta do torneio, o Sport conseguiu a classificação às quartas da Copa do Nordeste. Em um jogo tranquilo diante da já eliminada Juazeirense, no ingrato horário da noite de sábado, o time aplicou a maior goleada do regional, 5 x 0. Já garantiu ao menos uma vaga como vice-líder. Porém, hoje, detém a melhor campanha geral.

O Leão entrou em campo sem três de suas principais peças, Rithely, Diego Souza e Rogério. O volante e o meia foram poupados pelo DM e o terceiro ficou quase na mesma situação, mas no banco de reservas. Com o resultado construído rapidamente, com dois gols em 23 minutos, o atacante só foi utilizado no último terço – o suficiente para dar uma assistência e marcar os últimos dois gols. Forçado a rodar o elenco, Daniel Paulista também viu boas atuações de Everton Felipe e André. O primeiro começou como ponta, mas acabou indo para meio, armando, enquanto o centroavante balançou as redes novamente em dose dupla. Na 4ª tentativa de pênalti, enfim acertou, embora tenha batido pela 4ª vez no canto esquerdo. À parte disso, buscou bastante a bola, apertou a marcação e trabalhou à frente, onde finalizou um passe preciso de Rogério. Ainda em busca de sua melhor forma, André já soma 5 gols neste retorno, assumindo a artilharia leonina em 2017. A titularidade já é uma condição óbvia.

Após o repasse de R$ 600 mil pela primeira fase, o Sport assegurou a cota das quartas, de R$ 450 mil. Fôlego financeiro atrelado ao maior tempo de preparação (técnica e física) visando a fase decisiva da Lampions, onde o tentará repetir a campanha de 2014, a única de sucesso nessa era recente da competição.

Campanhas do Leão no Nordestão (e a cota final)
2013 – quartas (R$ 300 mil)
2014 – campeão (R$ 1,9 milhão)
2015 – semi (R$ 890 mil)
2016 – semi (R$ 1,385 milhão)
2017 – quartas? (R$ 1,05 milhão?)

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Sport 5x0 Juazeirense. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sport supera o Juazeirense aos 50 do 2º tempo e larga com 2 vitórias na Lampions

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Juazeirense 0 x 1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Últimos instantes de um jogo duro no Sertão do São Francisco, com temperatura na casa dos 36 graus, paradas para hidratação e pouco futebol. Àquela altura, o empate sem gols era bem aceitável para o Sport, que só havia tido um grande momento – no finzinho do primeiro tempo, com o goleiro Tigre salvando duas vezes -, e também escapara de uma penalidade de Durval, não assinalada. Desgaste à parte, o time leonino seguia batalhando pelo resultado, tentando enfiadas de bola, diante de uma desprotegida zaga do Juazeirense.

O relógio já estava em 50 minutos (iria até os 51), quando Rithely encontrou espaço e tocou para Diego Souza, que se livrou do marcador e ficou cara a cara com o goleiro. Inteligente, viu o Fábio, recém-saído da base, entrando em velocidade pela direita. Rolou a bola, com o jovem meia tocando para o gol vazio, 0 x 1. Já são duas apresentações para o gasto e com o placar mínimo, mas suficientes para o Leão largar com seis pontos no Nordestão, viabilizando uma condição de classificação, o que ocorreu desde a volta do torneio, em 2013.

Na manhã deste mesmo domingo, o clube anunciou a volta do atacante André, peça que deve se encaixar muito bem na formação de Daniel Paulista. Ou seja, hoje, a tendência é de evolução técnica no Sport, tendo a favor a tranquilidade na campanha. Antes de encerrar o turno da Lampions, contra o River, o clube terá o CSA pela Copa do Brasil. Fase eliminatória em jogo único, em Maceió. Ou seja, a curto prazo, ainda sem André, o Leão precisará jogar um futebol melhor, mas a luta até o apito final ao menos já deixa uma boa impressão.

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Juazeirense 0 x 1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Santa Cruz vence o Juazeirense na Bahia e segue na briga pela classificação

Nordestão 2016, 4ª rodada: Juazeirense-BA x Santa Cruz. Foto: Jamil Gomes/Santa Cruz

Foi uma vitória magrinha em Senhor do Bonfim, por 1 x 0, mas essencial para manter a busca pela classificação no Nordestão. Com o Bahia goleando o Confiança em Aracaju, os corais começavam a se preocupar não só em ficar em segundo lugar, mas com a pontuação geral, uma vez que apenas três vice-líderes disputarão as quartas. Daí, a cara de decisão num campo tomado por insetos, contra o Juazeirense que há uma semana segurou o Santa no Arruda.

No primeiro tempo, o time de Martelotte até entrou com a vontade esperada pela torcida. Marcando forte e tentando ter a posse de bola para criar jogadas para Bruno Moraes (no lugar de Grafite), diante de um rival com sérias limitações técnicas. Porém, o jogo travou pela quantidade de passes errados. Após 45 minutos em branco, com apenas uma chance clara pra cada lado, o Tricolor definiu a noite logo na retomada. Lelê foi lançado na direita, dominou e cruzou para Keno finalizar. Novamente, pois havia marcado contra o Central, domingo.

Apesar da vantagem, o futebol coral piorou, com a bola perto da meta de Tiago Cardoso na maior parte do tempo. Os baianos bem que tentaram, sobretudo em cruzamentos, mas a bola queimava nos pés dos jogadores. Via contragolpes, o visitante teve uma chance, com a falha resultando numa pressão desnecessária no fim. O resultado acabou mantido, para a festa dos tricolores espalhados entre os 1.150 espectadores no estádio Pedro Amorim, a 125 quilômetros de Juazeiro, a verdadeira casa do adversário. E a luta pelas quartas segue, no limite.

Nordestão 2016, 4ª rodada: Juazeirense-BA x Santa Cruz. Foto: Jamil Gomes/Santa Cruz

Podcast 45 (219º) – Análise dos empates de Santa Cruz e Sport no Nordestão

Santa e Sport entraram em campo como favoritos diante de Juazeirense e River, pela Copa do Nordeste. No caso tricolor, o cenário era (teoricamente) ainda mais favorável, pois jogava em casa e com o time principal. Ambos foram para o intervalo perdendo e empataram no fim. Ainda assim, tropeços. Eis a pauta do 45 minutos. Na análise, um Tricolor já pressionado pelo rendimento geral no ano (2 vitórias em 7 jogos). A manutenção absoluta do time da Série B foi posta em xeque. No Leão, a necessidade de reposição, sobretudo com o lateral Christianno, criticado na contratação e que deu razão a isso em Teresina.

Neste podcast, com 1h39, estive ao lado de Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça agora ou quando quiser!

Santa fica no empate com Juazeirense, no Arruda, e se complica no Nordestão

Nordestão 2016, 3ª rodada: Santa Cruz x Juazeirense. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Em termos de classificação no Nordestão, vencer o Juazeirense no Arruda era uma obrigação semelhante a uma conta de luz, sem possibilidade de atraso. Tudo para não correr riscos caso fique em segundo lugar no grupo C. Apesar da importância técnica da partida, o contexto coral conspirou ao contrário. Fora de campo, apenas 3.115 torcedores, num público que não condiz com o torneio, muito menos com o histórico de presença tricolor. Em campo, um time com três zagueiros, num fato inédito no ano e sem necessidade, e pregado no meio.

O jogo começou amarrado, e olhe que o time baiano, que já não é um primor, estava bem desfalcado. Ainda assim, as oportunidades surgiram ao favor do Santa. Num lance de bola parada, aos 23, o time perdeu a confiança. Após cobrança de falta na ponta de direita, Alemão pulou a altura de uma gilete e Ricardo Braz marcou de cabeça para o Juazeirense. Desestabilizado – segundo os próprios jogadores no intervalo -, alguns lances foram incompreensíveis, como Wallyson buscando Renatinho em cruzamentos na área. Nos descontos, o Juazeirense ainda teve tudo para ampliar.

Não marcou e sofreu o empate aos 18 minutos, num pênalti em Keno. Grafite chamou a responsabilidade, 1 x 1. Poderia ter virado, mas o árbitro assinalou impedimento num lance legal. Com o visitante travando o jogo – o empate já era ótimo -, a torcida foi perdendo a paciência, focando em Martelotte. Um reflexo do desempenho em jogos oficiais em 2016: 2 vitórias em 7 jogos. A irritação é justa.

Nordestão 2016, 3ª rodada: Santa Cruz x Juazeirense. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Os 20 clubes da Copa do Nordeste de 2016

Copa do Nordeste 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Os 20 clubes da Copa do Nordeste de 2016 já estão definidos. Após o desfecho do quadrangular final do campeonato paraibano, o Botafogo garantiu a última vaga na 13ª edição do regional, ao terminar como vice estadual, uma vez que o Campinense já havia garantido o título por antecipação. Ao todo, 13 times estiveram entre os participantes do Nordestão passado, vencido de forma invicta pelo Ceará. Serão quatro estreantes, o baiano Juazeirense, o maranhense Imperatriz, o piauiense Flamengo e o sergipano Estanciano.

A fórmula de disputa será a mesma, com cinco grupos de quatro equipes, avançando às quartas de final os cinco líderes e os três melhores segundos colocados. Somando primeira fase e mata-mata, 74 partidas. O sorteio das chaves, com transmissão na tevê, acontecerá em setembro, em Natal, a quarta cidade a receber o evento, após Fortaleza, Salvador e Recife, respectivamente.

Em 2015, a Lampions League teve uma receita de R$ 22.269.796, considerando a bilheteria (R$ 11,12 milhões) e as cotas de participação (R$ 11,14 milhões). Como vem ocorrendo há três edições, a cota deverá aumentar em 2016.

Entre os times tradicionais, as principais ausências são Vitória e Náutico.

Participantes via estadual e campanhas regionais (1994-2015)

Alagoas
CRB (campeão alagoano): 11 participações, com 1 vice
Coruripe (vice): 1 participação, com 1 fase de grupos

Bahia
Bahia (campeão baiano): 11 participações, com 2 títulos, 3 vices e 2 semifinais
Vitória da Conquista (vice): 1 participação, com 1 fase de grupos
Juazeirense (3º lugar): estreante

Ceará
Fortaleza (campeão cearense): 8 participações, com 2 semifinais
Ceará (vice): 11 participações, com 1 título, 1 vice e 2 semifinais

Maranhão
Imperatriz (campeão maranhense): estreante
Sampaio Corrêa (vice): 1 participação, com 1 fase de grupos

Paraíba
Campinense (campeão paraibano): 3 participações, com 1 título
Botafogo (vice): 11 participações, com 1 semifinal

Pernambuco
Santa Cruz (campeão pernambucano): 9 participações, com 2 semifinais
Salgueiro (vice): 2 participações, com 1 quartas de final
Sport (3º lugar): 10 participações, com 3 títulos, 1 vice e 3 semifinais

Piauí
River (campeão piauiense): 1 participação, com 1 fase de grupos
Flamengo (vice): estreante

Rio Grande do Norte
América/RN (campeão potiguar): 12 participações, com 1 título e 2 semifinais
ABC (vice): 10 participações, com 1 vice e 1 semifinal

Sergipe
Confiança (campeão sergipano): 8 participações, com 8 fases de grupos
Estanciano (vice): estreante