Bahia x Santa Cruz e Campinense x Sport, as semifinais da Copa do Nordeste 2016

As semifinais da Copa do Nordeste de 2016: Bahia x Santa e Campinense x Sport. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Nunca houve uma final pernambucana na Copa do Nordeste. Aliás, só o futebol baiano conseguiu isso, com o Ba-Vi em 1997, 1999 e 2002 e Vitória x Fluminense de Feira de Santana em 2003. A última vez em que um confronto local esteve pertinho de acontecer foi em 2002, com Náutico e Santa parando nas semifinais. Agora, catorze anos depois, a fase volta a ter um time pernambucano de cada lado, com o Santa Cruz enfrentando o Bahia e o Sport encarando o Campinense. Um chaveamento que pode proporcionar um dos maiores Clássicos das Multidões da história, ainda mais levando em conta que este ano marca justamente o centenário do tradicional duelo da capital.

Cada clube já acumulou R$ 1,385 milhão em cotas pela campanha, somando a fase de grupos, as quartas e a semifinal. Agora, a premiação oferece mais R$ 500 mil para o vice e R$ 1 milhão para o grande campeão da 13ª edição, além da vaga na Copa Sul-Americana desta temporada, claro.

Qual será a final do Nordestão de 2016?

  • Santa Cruz x Sport (40%, 1.056 Votes)
  • Bahia x Sport (37%, 974 Votes)
  • Santa Cruz x Campinense (18%, 487 Votes)
  • Bahia x Campinense (5%, 119 Votes)

Total Voters: 2.633

Loading ... Loading ...

Bahia x Santa Cruz
Um confronto de muita história no futebol da região. Se o Baêa era um fantasma no passado coral, a classificação do Santa na última Série B, ganhando lá e lô, equilibrou o clássico. É verdade que o time de Salvador ganhou as duas na primeira fase neste ano – e segue como último invicto no torneio -, mas o time pernambucano trocou de técnico e fez uma contratação pontual e importante, o volante Uillian Correia, que deu mais consistência à marcação. Fora o ânimo da classificação nas quartas, sendo o único a vencer as duas. No Tricolor de Aço, o maior desfalque é o atacante Hernane Brocador, artilheiro do time, lesionado no joelho. Em contrapartida, trouxe para a fase decisiva o meia Thiago Ribeiro.

Datas: 13/04* (21h45) no Arruda e 17/04 (16h) na Fonte Nova
Bahia: 22 pontos, 7 vitórias e 1 empate; 15 GP e 4 GC
Santa Cruz: 16 pontos, 5 vitórias, 1 empate e 2 derrotas; 10 GP e 5 GC
Histórico em mata-matas do torneio: Bahia 1 x 0 Santa (quartas de 1994)

Campinense x Sport
A classificação do Sport diante do CRB foi suada, mais na raça do que na técnica. Porém, o clube tem tradição e busca do tetra – o que o igualaria ao Vitória. Enfrentará o algoz de 2013, quando a Raposa ganhou o único título do interior. Desta vez, a volta será em Campina Grande, onde o time só perdeu uma vez em um ano, justamente o jogo de volta das quartas, contra o Salgueiro. Ao Leão, ainda em busca de um melhor padrão de jogo, fica a expectativa sobre o meia Diego Souza, cujo desempenho foi determinante para a classificação na fase anterior, e também sobre a defesa, a mais vazada entre os quatro. Caso tenha mais uma vez a pressão de uma Ilha lotada, a situação pode melhorar.

Datas: 13/04* (21h45) na Ilha do Retiro e 17/04 (16h) no Amigão
Campinense: 19 pontos, 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota; 16 GP e 4 GC
Sport: 14 pontos, 4 vitórias, 2 empates e 2 derrotas; 14 GP e 10 GC
Histórico em mata-matas do torneio: Campinense 1 x 0 Sport (quartas de 2013)

* Um jogo será modificado, pois a PM não libera partidas simultâneas no Recife.

Pitaco do blog sobre a decisão: Clássico das Multidões…

Resumo da 9ª rodada do Pernambucano

Pernambucano 2016, 9ª rodada: Náutico 3x0 Central, Sport 0x1 Salgueiro e América 0x0 Santa. Fotos: Rafael Martins (Arena) e Peu Ricardo/Esp. Dp (jogos na Ilha), ambos do DP

A penúltima rodada do hexagonal do título do Estadual começou em 26 de março, com o insosso empate entre América e Santa na Ilha (1.158 pessoas), seguindo no dia seguinte com a vitória do Salgueiro sobre o Sport, no mesmo local (com 4.370 espectadores), e só acabou no dia 3 de abril, com o tranquilo triunfo do Náutico sobre o Central, na Arena Pernambuco (com 4.014 torcedores). A uma rodada do desfecho da fase, restam duas disputa: pela liderança (Timbu ou Carcará) e a mais importante, pela quarta vaga (Santa ou Mequinha). O Leão está no “limbo”, com a terceira colocação confirmada.

Hoje, as semifinais de 2016 seriam Náutico x Santa Cruz e Salgueiro x Sport.

Em 27 jogos nesta fase do #PE2016 saíram 56 gols, com média de 2,33. Em relação à artilharia, que a FPF considera apenas os dados do hexagonal e o mata-mata, o zagueiro Ronaldo Alves, do Náutico, lidera com 5 gols.

América 0 x 0 Santa Cruz – Um jogo fraco, de poucas emoções, mas que valia muito. Melhor para o Mequinha, que se manteve vivo, de forma surpreendente.

Sport 0 x 1 Salgueiro – Falcão bancou o time titular e acabou vaiado, após uam atuação apática, com mais uma derrota para o novo carrasco, o Carcará.

Náutico 3 x 0 Central – O resultado era esperado. Tanto que Dal Pozzo poupou até o goleiro titular. O descontrole dos alvinegros só facilitou a situação.

Destaque: Daniel Morais. Perdeu a vaga no começo da competição, mas voltou, marcou no Clássico das Emoções e anotou mais dois contra a Patativa

Carcaça: Grafite. O centroavante perdeu duas chances incríveis, na pequena área, colaborando para o tropeço, que deixou a vaga coral ameaçada.

Próxima rodada
10/04 (16h00) – Santa Cruz x Sport, Arruda
10/04 (16h00) – Salgueiro x Náutico, Cornélio de Barros
10/05 (16h00) – Central x América, Lacerdão

A classificação atualizada do hexagonal do título após a 9ª rodada.

A classificação do hexagonal do título do Pernambucano 2016 após 9 rodadas. Crédito: Superesportes

Náutico goleia o Central e terá a vantagem do empate no Sertão para terminar líder

Pernambucano 2016, 9ª rodada: Náutico 3x0 Central. Foto: Rafael Martis/Esp. DP

Após duas semanas de “recesso”, o Náutico voltou a jogar. Já classificado à semifinal estadual, o time tinha uma obrigação contra o Central. Vencer, por qualquer placar, para ter a vantagem do empate na última rodada do hexagonal, contra o Salgueiro, no Sertão, para terminar a fase na liderança. Se no primeiro tempo até houve alguma surpresa na arena, com o placar em branco e uma bola na trave de cada lado, na volta do intervalo o Alvirrubro cumpriu o seu papel.

Goleou a moribunda Patativa por 3 x 0, com dois gols do atacante Daniel Morais, de novo com moral junto a Dal Pozzo, e outro do zagueiro Ronaldo Alves, agora artilheiro isolado da competição, com cinco gols (poderiam ser seis, mas desperdiçou um pênalti). A facilidade, já esperada, ficou latente após o time caruaruense empilhar cartões vermelhos, três. Terminou com oito jogadores. A situação fica ainda mais curiosa pelo fato de a delegação ter chegado em São Lourenço com apenas 14 jogadores, resultado da debandada após a eliminação.

Ou seja, na última rodada no Lacerdão, contra o Mequinha, o Central terá, em tese, apenas um atleta no banco, um goleiro. Quanto ao Timbu, antes do desfecho do hexagonal, há uma outra tarefa protocolar na quinta-feira: eliminar o Vitória da Conquista na Copa do Brasil e obter a cota de R$ 300 mil na próxima fase. Receita fundamental para manter as contas em dia na reta final.

Pernambucano 2016, 9ª rodada: Náutico 3x0 Central. Foto: Rafael Martis/Esp. DP

Santa Cruz vence o Ceará no Castelão e vai pela 3ª vez à semifinal da Lampions

Copa do Nordeste 2016, quartas de final: Ceará 0x1 Santa Cruz. Foto: LC Moreira/Estadão conteúdo

O Santa Cruz conquistou uma heroica classificação no Castelão. Depois de salvar a bola na linha duas vezes, com Danny Morais, e até um pênalti, com Tiago Cardoso, a Cobra Coral deu o bote no finzinho, com Wallyson aproveitando uma das poucas oportunidades na partida para mandar para as redes e decretar a vitória por 1 x 0. Após cambalear na primeira fase, resultando até na troca de treinador, o time mostrou raça para eliminar o atual campeão e chegar à semifinal da Copa do Nordeste pela terceira vez (2002, 2014 e 2016).

Estreante do dia, Milton Mendes fez mudanças pontuais, mas organizou o time para uma atuação bem específica, que se adaptou durante o jogo, tamanha a falta de criatividade do adversário. O Ceará foi um time de uma nota só, alçando bolas na área sem parar. Somente no primeiro tempo o scout apontou 18 x 6 em tentativas, nenhuma com sucesso. Além disso, tinha a posse de bola, e isso incomodou o novo comandante tricolor. Jogar na defesa, tendo 40% de posse, significava chamar o alvinegro para um bombardeiro. Mas quase não ocorreu.

Copa do Nordeste 2016, quartas de final: Ceará 0x1 Santa Cruz. Foto: LC Moreira/Futura Press/Folhapress

O “quase” se aplica uma faixa de cinco minutos, a partir dos 25 do segundo tempo, quando Allan Vieira derrubou Roni na grande área. Tiago Cardoso fez uma defesa monstruosa, defendendo a 5ª penalidade pelo clube. Na sequência, mais duas ótimas defesas na base do abafa, lances que deram confiança ao time e à torcida, tamanha dedicação em campo. A situação só começou a ser acalmar quando Rafael Costa, que desperdiçara o pênalti, perdeu a cabeça e foi expulso. Àquela altura, o Santa esperava uma brecha para o contragolpe

Com um a mais, bem postado na defesa – João Paulo se doou bastante na marcação – e diante de um time sem variação de jogadas, o Tricolor encaminhou a vaga, decidida aos 42 minutos, no lance puxado por Wallyson – mudança oportuna no intervalo, substituindo Bruno Moraes, que vinha brigando com a bola. Para chegar a uma inédita decisão, os corais terão pela frente o Bahia, tradicional rival, já com dois jogos na primeira fase, ambos vencidos pelos tricolores de Salvador. Agora, o ambiente no Arruda está ascendente, o que parecia improvável nesta campanha. Enfim, com a cara do Santa.

Copa do Nordeste 2016, quartas de final: Ceará 0x1 Santa Cruz. Foto: Christian Alekson/CearaSC.com