Santa x Campinense, a final da Lampions, com bônus de R$ 1 milhão e vaga na Sula

Final da Copa do Nordeste 2016, Santa Cruz x Campinense. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Uma decisão inédita na história da Copa do Nordeste, reunindo dois estados vizinhos, semelhantes, irmãos. Pernambuco e Paraíba. Do lado de cá, o Santa Cruz, pela primeira vez decidindo o título regional, em mais uma reviravolta, tão comum nos últimos anos pelas bandas do Arruda. Cresce na hora certa, como diria Zé Teodoro, comandante no título estadual de 2011, um marco nesta nova vida. Do lado de lá, o Campinense, o maior clube do interior nordestino, com muita raça para encarar de frente os maiores, contra os prognósticos. Aliás, vai pelo bicampeonato, três anos após uma conquista tida como inigualável.

Mesmo com status de Série A, financeiramente bem acima da maioria dos rivais no torneio, o Santa Cruz soube a hora de reconhecer a estagnação técnica. Mudou em busca da evolução perdida na virada do ano. E a chegada de Milton Mendes fez, sim, diferença no mata-mata. Enquanto isso, numa busca anual para ao menos participar da Série D, o Campinense mantém um crescimento organizacional paulatino, que a médio prazo já se mostra vencedor. Final justa.

Após passar por cima de Bahia e Sport, em disputas emocionantes até os últimos instantes, os finalistas de 2016 vão por todos os ganhos possíveis oferecidos no principal torneio da região. Cada um já ganhou R$ 1,385 milhão em cotas nas três fases disputadas. Agora, mais R$ 500 mil para o vice e R$ 1 milhão para o campeão, que ainda garantirá vaga na Sul-Americana. Pois é, um dos dois terá uma inédita participação internacional no segundo semestre. Um bônus mais pra frente. Hoje, foco total na Lampions League. Vale a história.

Datas das finais da Lampions
27/04 (21h45) – Santa Cruz x Campinense (Arruda)
01/05 (16h00) – Campinense x Santa Cruz (Amigão)

Campanhas
Campinense: 22 pontos, 7 vitórias, 1 empate e 2 derrotas; 17 GP e 6 GC
Santa Cruz: 20 pontos, 6 vitórias, 2 empates e 2 derrotas; 13 GP e 7 GC

Quem será o campeão da Copa do Nordeste de 2016?

  • Santa Cruz (73%, 2.692 Votes)
  • Campinense (27%, 977 Votes)

Total Voters: 3.669

Loading ... Loading ...

Com um futebol decepcionante, Sport é eliminado mais uma vez pelo Campinense

Nordestão 2016, semifinal: Campinense (3) 1 x 0 (1) Sport. Foto: Marlon Costa/FPF

O Sport voltou a jogar mal contra o Campinense. Se na Ilha acabou premiado com um gol de Durval aos 49 minutos do segundo tempo, no pesado campo do Amigão o time não teve qualquer consistência ofensiva, se limitando a tentar evitar as investidas raposeiras. Com sustos, deu certo no primeiro tempo. No segundo, o artilheiro Rodrigão, desfalque paraibano no jogo de ida, escorou um cruzamento e fez o gol da vitória por 1 x 0, devolvendo o placar. Teríamos uma decisão por pênaltis em Campina Grande. Antes do apito final do árbitro, uma curiosa mudança, com apelo histórico.

Emulando o técnico holandês Louis van Gaal, com uma estratégia de sucesso no Mundial de 2014, Falcão colocou Magrão no lugar de Danilo Fernandes, nos descontos. Contra a Costa Rica, nas quartas de final na Fonte Nova, o grandalhão Krul entrou no lugar de Cillessen, somente para os tiros livres. Afinal, tinha um retrospecto bem melhor. Assim como o ídolo rubro-negro, até então com 22 penalidades defendidas – Danilo ainda não havia evitado nenhuma pelo clube. Infelizmente, para os leoninos, não deu certo desta vez.

Nordestão 2016, semifinal: Campinense (3) 1 x 0 (1) Sport. Foto: Raniery Soares/Futura Press/Estadão conteúdo

Magrão até espalmou uma cobrança, mas Renê (bombão por cima), Luis Antônio (nas mãos de Glédson) Jonathan Goiano (também por cima) não colaboraram e o Sport acabou com uma vexatória eliminação no Nordestão, parando o sonho do tetra outra vez na semifinal. O vexame não se deve ao nível técnico da Raposa, longe disso. O adversário jogou bem as duas partidas, dentro de sua proposta. Se deve, sim, à falta de organização do Sport. O time de Falcão está travado há tempos, com uma transição quase inexistente. E o treinador não vem conseguindo reverter a situação.

Rithely e Durval foram desfalques importantes no domingo? Bastante. Mas a crítica não se restringe ao jogo na Paraíba. O futebol do Leão, exceção feita aos clássicos – turbinados pela rivalidade -, não vem agradando em 2016, com a Série A batendo à porta. Quanto ao Campinense, que festejou outra classificação em cima dos leoninos, como em 2013, a luta segue. Na final da Copa do Nordeste, sonha com o mesmo destino.

Nordestão 2016, semifinal: Campinense (3) 1 x 0 (1) Sport. Foto:  Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Santa quebra a invencibilidade do Bahia e vai à final do Nordestão pela primeira vez

Nordestão 2016, semifinal: Bahia 0x1 Santa Cruz. Foto: Santa Cruz/twitter (@scfc_oficial)

O Santa Cruz voltou a se agigantar na Fonte Nova. Repetindo o feito na Segundona, quando arrancou para o acesso, os corais conquistaram em Salvador a vaga na decisão do Nordestão. Uma campanha inédita na história coral, consolidando um momento vitorioso na história do clube, com quatro títulos estaduais em cinco anos. A vitória por 1 x 0 foi o resultado da confiança após o desempenho no Arruda, quando dominou o Bahia e só não saiu com o resultado positivo por uma infelicidade, num pênalti bobo nos minutos finais.

Aquele prêmio ao Baêa manteve uma invencibilidade que já capengava desde as quartas de final, quando se classificou com o adversário mandando três bolas na trave. Contra o Santa, não. Na décima apresentação baiana na Lampions, a primeira derrota, fatal. Foi o quarto clássico entre os dois times no torneio. Ao Santa, com duas derrotas e um empate até então, era preciso vencer. Na prática, as contas com empates eram inglórias.

Nordestão 2016, semifinal: Bahia 0x1 Santa Cruz. Foto: Bahia/site oficial

Daí, a formação coral, extremamente aberta no início da partida. Wallyson substituiu o suspenso Lelê no meio, ambos atacantes. Time exposto? Sim, mas focado no objetivo, consciente das apresentações irregulares do Bahia. O mandante até começou apertando a saída de bola, com os pernambucanos tendo dificuldades para passar da meio do meio-campo, mas a partir de uma sucessão de erros baianos a tarde de domingo virou.

Começou com um recuo sem força, seguiu com um domínio sem jeito e terminou numa saída errada do goleiro. Nos três lances, a atenção total de Grafite, que se aproveitou e mandou para as redes, obtendo a vantagem necessária aos onze minutos. Impôs ao rival um nervosismo visível – o Brocador escapou de ser expulso ainda na primeiro etapa. Em um segundo tempo mais nervoso, com chances claras dos dois lados, os corais mostraram o mesmo copeirismo visto no Castelão contra o Ceará, também com um triunfo. Algo mais que necessário para levantar a inédita orelhuda dourada. 

Nordestão 2016, semifinal: Bahia 0x1 Santa Cruz. Foto: Bahia/site oficial

O ranking de patrocínio-master no Brasil em 2016, com disputa acirrada no NE

Ranking de patrocinador-master no futebol brasileiro em 2016. Crédito: Ibope/Repucom

O Ibope-Repucom fez um levantamento sobre os maiores contratos de patrocínio-master do futebol brasileiro em 2016. No gráfico divulgado pelo diretor do instituto, José Colagrossi, foram indicados os 15 primeiros times. Não se trata da soma de receitas com o padrão, que pode ser até uma colcha de retalhos, mas do principal investidor, estampado na área nobre do uniforme.

A lista considerou valores oficiais, o que justifica a ausência do Santa Cruz. No acordo recém-firmado, o Tricolor deverá receber R$ 6 milhões anuais da MRV Engenharia, segundo reportagem do globoesporte.com. O valor colocaria os corais em 10º lugar no país, ao lado do rival Sport e de outras três equipes. Vale destacar que a mesma empresa estampa a marca no padrão do Bahia, cujo valor também não foi revelado, mas é especulado em R$ 7 milhões.

No topo, os dois times mais populares do país, Flamengo e Corinthians, ambos patrocinados pela Caixa Econômica Federal. Por sinal, também deve-se ao banco o maior patrocínio da Série B, com R$ 9 milhões ao Vasco, em 8º no geral. Entre os nomes tradicionais, Santos, Flu e Botafogo são as lacunas, pois não têm contratos vigentes – no máximo, acordos pontuais a cada partida.

Maiores patrocínios do Nordeste em 2016
R$ 7 milhões – Bahia (MRV)*
R$ 6 milhões – Sport (Caixa)
R$ 6 milhões – Vitória (Caixa)
R$ 6 milhões – Santa Cruz (MRV)*
* Valores não confirmados