Santa acerta com a Globo de 2019 a 2024 e emissora mantém o domínio no Recife

Santa Cruz fechando com a Rede Globo para o Campeonato Brasileiro de 2019 a 2024. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A negociação sobre os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro nunca foi tão repercutida quanto no momento atual, com o Esporte Interativo entrando na briga com a Rede Globo, na figura do Sportv, pelo mercado de televisão por assinatura a partir de 2019. O objetivo do canal controlado pelo bilionário grupo Turner era ter oito clubes na elite a partir do futuro contrato, um número que garantiria uma grade mínima de jogos. Divulgando propostas até dez vezes maiores que o braço de tevê paga da Globo, o EI conseguiu captar clubes como Santos, Inter e Atlético-PR. No Nordeste, o objetivo era obter um time de massa em cada uma das três maiores metrópoles: Recife, Salvador e Fortaleza. Faltava só a capital pernambucana para cumprir a missão.

O Santa vinha sendo seduzido pelo EI há meses. E após os anúncios de Sport, em 23 de fevereiro, e Náutico, em 16 de março, ambos com a Globo, o tricolor se decidiu. Aguardado para um evento em São Paulo, no anúncio das equipes confirmadas pelo Esporte Interativo, o presidente coral, Alírio Moraes, revelou ao repórter Yuri de Lira, do Diario de Pernambuco, o acerto com a concorrente.

“Temos como cravar a Globo, mas só daqui para o fim do mês que vou viajar para sacramentar os valores.”

O dirigente evita falar de cifras, mas garantiu o acerto de 2019 a 2024, o mesmo período dos alvirrubros – os leoninos assinaram por dois anos, 2019/2020. Considerando todas as plataformas (tvs aberta e fechada, ppv, internet e sinal internacional), o mandatário timbu, Marcos Freitas, projeta R$ 45 milhões caso dispute a elite. É improvável que a cota coral seja inferior. Com a decisão, os três clássicos locais poderão ser exibidos no Sportv, menos para o Recife, que segue no modelo pay-per-view. Vale lembrar que o clube do Arruda já topara a proposta pontual de R$ 26 milhões para a Série A de 2016.

Tricolor, o que você acha do acordo entre Santa e Globo de 2019 a 2024?

Relatório da FGV comprovando o cenário óbvio na Arena PE custou R$ 1,3 milhão

Arena Pernambuco. Foto: CBF/site oficial

Com caráter de urgência, a Fundação Getúlio Vargas foi contratada pelo governo do estado com dispensa de licitação. O objetivo, escrito no Diário Oficial de Pernambuco, foi o seguinte: “realização de estudos que promovam o aprimoramento do Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas, a partir do estudo de caso da Concessão Administrativa para a Exploração da Arena Multiuso da Copa 2014″. Traduzindo: um levantamento de todos os dados econômicos do estádio relacionados à operação, cujo contrato com a Odebrecht tem duração de trinta anos. Além disso, apontaria medidas de curto e médio prazo para otimizar a mobilidade e, consequentemente, a operação.

O relatório de 225 páginas da FGV ficou pronto após quatro meses de atividade da equipe técnica, com a publicação no Portal da Transparência em 5 de março. Somente no dia 15 de abril o custo do trabalho foi confirmado, no caderno Poder Executivo do Diário Oficial. Está lá: R$ 1,3 milhão. Nada contra a conceituada FGV, mas o resultado final foi o óbvio, com ou sem estudo. O contrato em vigor é irresponsável e extremamente oneroso, no qual o estado é obrigado a cobrir o rombo no faturamento anual da arena caso a receita seja abaixo de 50% da meta (inatingível) de R$ 110 milhões – num aditivo ao acordo original, por não ter acertado com o Trio de Ferro, conforme previa. Para se ter ideia, nos dois primeiros anos as receitas no empreendimento foram de R$ 23 mi e R$ 24 mi.

Sobre a mobilidade, trata-se do ponto mais criticado desde a abertura da Arena Pernambuco, com a infraestrutura viária ainda defasada. Três anos depois, o governo lava as mãos: “O governo do estado não se obrigou contratualmente a executar as obras de mobilidade. Essas obras serão finalizadas, mas não foram determinantes para dizer que o equipamento é subutilizado”.

O saldo negativo é tão grande que esse gasto de R$ 1,3 milhão parece troco…