Após 88% dos jogos, média de público do Campeonato Pernambucano é de 1.965

Pernambucano 2016, 9ª rodada: América 0x0 Santa Cruz, com 1.158 pessoas. Foto: Rafael Brasileiro/DP

O Campeonato Pernambucano de 2016 segue com uma estatística indigesta. Após 81 dos 92 jogos programados, nenhum alcançou sequer 15 mil pessoas. Não por acaso a média de público se mantém abaixo de dois mil após 88% do torneio. A 9ª rodada do hexagonal não reuniu nem dez mil espectadores (foram 9.542, para ser mais exato). O mata-mata deverá melhorar um pouco o índice, mas parece inevitável que o público desta edição seja um dos menores da história, desde que a FPF passou a contabilizar, em 1990.

Sobre o ranking de público, finalmente uma mudança na liderança. Com mais um público fraco contra clubes intermediários (4.370 pessoas contra o Salgueiro), o Sport acabou reduzindo a sua média, agora abaixo do Santa (que sequer jogou em casa nesta rodada). Na última rodada haverá o Clássico das Multidões, que deve impulsionar o índice coral. Por outro lado, o rubro-negro arrecadou mais que o dobro dos tricolor, devido ao tíquete médio (R$ 20,95 x R$ 11,54). Já em relação à arrecadação, com R$ 2,4 milhões, a FPF já recolheu R$ 194.983, fazendo valer a taxa de 8% sobre todas as bilheterias.

Dados atualizados até 4 de abril, após a 9ª rodada do hexagonal do título.

1º) Santa Cruz (4 jogos como mandante, no Arruda)
Público: 32.751 torcedores
Média de 8.187
Taxa de ocupação: 16,18%
Renda: R$ 378.145
Média de R$ 94.536
Presença contra intermediários (3 jogos): T: 20.741 / M: 6.913

2º) Sport (5 jogos como mandante, na Ilha do Retiro)
Público: 39.498 torcedores
Média de 7.899
Taxa de ocupação: 28,79%
Renda: R$ 827.843
Média: R$ 165.568
Presença contra intermediários (3 jogos): T: 10.395 / M: 3.465 

Pernambucano 2016, 9ª rodada: Náutico 3x0 Central, com 4.014 torcedores. Foto: Daniel Leal/DP

3º) Náutico (5 jogos como mandante, sendo 4 na Arena e 1 no Arruda)
Público: 26.074 torcedores
Média de 5.214 
Taxa de ocupação: 11,14%
Renda: R$ 597.520 
Média de R$ 119.504
Presença contra intermediários (3 jogos): T: 9.737 / M: 3.245

4º) Salgueiro (4 jogos como mandante, no Cornélio de Barros)
Público: 14.932 torcedores
Média de 3.733
Taxa de ocupação: 30,92%
Renda: R$ 48.942
Média: R$ 12.235

5º) Central (7 jogos como mandante, no Lacerdão)
Público: 17.369 torcedores
Média de 2.481
Taxa de ocupação: 12,40%
Renda: R$ 336.725
Média de R$ 48.103

6º) América (7 jogos como mandante, sendo 3 no Ademir, 2 no Arruda e 2 na Ilha*)
Público: 7.236 torcedores
Média de 1.033 

Taxa de ocupação: 3,73%
Renda: R$ 123.130
Média de R$ 17.590
* Ainda houve mais um jogo de portões fechados

Geral – 80 jogos (1ª fase, hexagonais do título e da permanência e mata-mata)*
Público total: 157.239
Média: 1.965 pessoas
Arrecadação: R$ 2.437.295
Média: R$ 30.466
* Foram realizadas 81 partidas, mas 1 jogo ocorreu de portões fechados.

Fase principal – 27 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 130.379
Média: 4.828 pessoas
Arrecadação: R$ 2.213.815
Média: R$ 81.993

As médias das fases principais anteriores (hexagonal do título e mata-mata):
2015 – 10.122 pessoas (38 jogos)
2014 – 11.859 pessoas (38 jogos)

Pernambucano 2016, 9ª rodada: Sport 0x1 Salgueiro, com 4.370 espectadores. Foto: Rafael Brasileiro/DP

Ranking dos pênaltis e das expulsões (9)

Pernambucano 2016, 9ª rodada: Náutico 3x0 Central. Crédito: Premiere/reprodução

O levantamento do blog sobre os pênaltis e expulsões registrados no hexagonal do título do Campeonato Pernambucano foi atualizado após a 9ª rodada. Não houve registros em América 0 x 0 Santa e Sport 0 x 1 Salgueiro. Por outro lado, Náutico 3 x 0 Central, na Arena Pernambuco, foi um prato cheio. A árbitra Deborah Cecília assinalou uma penalidade – o primeiro perdido por Ronaldo Alves no ano – e distribuiu três vermelhos, todos para alvinegros: Moisés (23’ do 1T), Jônotas (23’ do 2T) e Índio (24’ do 2T). Assim, o Timbu assumiu a liderança nas listas (a favor). O ranking será encerrado após a última rodada da fase.

Confira a atualização do blog após a 9ª rodada do Estadual 2016:

Pênaltis a favor (9)
4 pênaltis – Náutico
3 pênaltis – Salgueiro
2 pênaltis – Santa Cruz

Sem penalidade – Sport, Central e América

Salgueiro desperdiçou um pênalti
Santa Cruz desperdiçou dois pênaltis

Náutico evitou duas penalidades e desperdiçou duas
América evitou duas penalidades
Central evitou uma penalidade

Pênaltis cometidos (9)
3 pênaltis – América
2 pênaltis – Santa Cruz e Náutico
1 pênalti – Sport e Central

Sem penalidade – Salgueiro

Cartões vermelhos (11)
1º) Náutico – 4 adversários expulsos, 1 vermelho
2º) Salgueiro – 2 adversários expulsos, 1 vermelho
3º) Sport – 1 adversário expulso, nenhum vermelho
4º) Santa Cruz – 2 adversários expulsos, 2 cartões vermelhos
5º) América – 1 adversário expulso, 3 vermelhos
6º) Central – 1 adversário expulo, 4 vermelhos

Diego Souza investe na marca DS87

Facebook oficial de Diego Souza. Crédito: reprodução

Diego Souza foi contratado pelo Sport em agosto de 2014. Ao chegar no Recife, o meia recebeu a camisa de número 87, numa ação de marketing do clube juntando o principal reforço na Série A ao maior título rubro-negro, de apelo junto à torcida. A ideia deu certo no campo e nas finanças, com a camisa 87 tornando-se a mais vendida do clube e a abreviação “DS87″ ganhando popularidade – ideia iniciada há alguns anos com o “CR7″ de Cristiano Ronaldo.

Firmando um acordo na Ilha do Retiro pela terceira vez, agora por duas temporadas, com validade até o fim de 2017, o jogador adotou de vez a marca/apelido, criando uma identidade visual com direito a uma página oficial no facebook (diegosouzads87), aberta após a saída do Flu. Em duas semanas no ar, recebeu 20 mil curtidas (imensa maioria de rubro-negros), com uma equipe própria para reproduzir fotos, informações, vídeos exclusivos (à parte da assessoria do Leão) e montagens sobre o jogador. Rende até quando não faz gol, como na assistência para Renê na classificação à semifinal do Nordestão.

Considerando o nome escolhido, a página só faz sentido enquanto Diego estiver no Sport. Ou seja, realmente investiu na marca criada de forma aleatória…

Facebook oficial de Diego Souza. Crédito: reprodução

Por qual razão o Sport acerta ao preferir a Sul-Americana em vez da Copa do Brasil

Copa Sul-Americana e Copa do Brasil

O critério de classificação à Copa Sul-Americana atrelado a uma eliminação precoce na Copa do Brasil recebe críticas do blog desde a divulgação da CBF, em 3 de agosto de 2012. Sobretudo pelo interesse local, com participações pernambucanas desde 2013, com Sport (3) e Náutico (1). Porém, a discussão demorou a ganhar amplitude na imprensa nacional, fazendo com o que o modelo antidesportivo passasse quase à margem. Em 2015, pela primeira vez houve a discussão para mudança, que poderia resultar na escolha prévia. Afinal, nenhum clube, que tenha o interesse de jogar a Sula, aceita a ideia de perder na Copa do Brasil, inclusive para rivais bem inferiores tecnicamente.

Por uma questão de calendário no segundo semestre, consequência de uma briga entre emissoras de tevê (Fox e Globo), os torneios acabaram com datas simultâneas a partir das oitavas de final. Era preciso que algum clube se posicionasse oficialmente contra o critério. Escalar reservas, por mais óbvio que fosse o objetivo, já não era suficiente. Por isso, a postura do Sport merece elogios. O Leão emitiu uma nota oficial escolhendo a Sul-Americana, se indignando contra o sistema vigente e deixando claro como irá encarar a Copa do Brasil, com uma equipe Sub 20. Em itálico, destaco alguns pontos.

“Diante de um regulamento arcaico, que obriga os clubes a em determinado momento optar entre a permanência nessa competição brasileira ou a participação na Copa Sul-Americana, a Diretoria do Leão vem a público anunciar que irá priorizar a busca pelo título internacional.”

Na visão do blog, decisão leonina foi acertada. Os leitores que acompanham o blog há algum tempo já devem ter visto postagens do tipo, algumas com hiperlinks neste texto. A última delas, em 2015, você pode acessar aqui.

“Tal decisão baseou-se no planejamento estratégico do Clube para 2016 que, além de ter como meta prioritária o Campeonato Brasileiro Série A, visa ainda a conquista de um título internacional. É importante ressaltar que a opção pelo torneio sul-americano não causará mudança no planejamento financeiro, já que a Copa do Brasil e a Sul-Americana se equivalem neste quesito.”

A Copa do Brasil tem um peso enorme na história rubro-negra, com a segunda estrela dourada oriunda da taça de 2008. Justamente por ter esse título, um troféu num contexto internacional inédito (para todo o Nordeste) seria essencial para um novo patamar – dando quatro vagas em 2016: Sula, Libertadores, Recopa e Suruga. Quanto à premiação, o blog já comprovou isso, uma vez que a Sula paga em dólar. Levando em conta as cifras quando os torneios se “juntam”, a premiação da Sula pagou US$ 2,235 milhões ao campeão em 2015, ou R$ 8 milhões (cotação de R$ 3,61) – a Conmebol já confirmou que haverá aumento em 2016. O mata-mata nacional paga R$ 9 milhões.

A grande questão é a receita nas três primeiras fases do torneio nacional, com o Sport podendo acumular até R$ 1,56 milhão. Já ganhou R$ 420 mil, podendo arrecadar mais R$ 480 mil (2ª) e R$ 660 mil (3ª). Ou seja, uma campanha apenas financeira, pois tecnicamente o caminho já está traçado.

“O Sport ressalta que, na reunião do Conselho Técnico da CBF do ano de 2015, propôs que a opção fosse exercida de maneira clara em prazo anterior às duas competições, proposta acatada pela unanimidade dos clubes da série A e, em tese, então aceita pela CBF. Para surpresa de todos, porém, a CBF manteve, em 2016, a regra antidesportiva e antiética de eliminação da Sul-Americana do clube que ultrapassar a 3ª. Fase da Copa do Brasil.”

Até 16 de março de 2016 havia a dúvida sobre o critério, mas a CBF acabou mantendo o esdrúxulo formato após a divulgação do regulamento da Série A, a base para as vagas internacionais. A desvalorização da Copa do Brasil, até as oitavas, será proporcional à quantidade de clubes com posições semelhantes a do Sport. Ou seja, até oito, abrindo caminho para times sem muita visibilidade, estendendo o prejuízo a quem investe, a própria tevê, com jogos de menor porte.

Ao escolher em abril a Sul-Americana, o Sport evita o desgaste na prévia do torneio, como a possibilidade de escalações mistas, gerando, inclusive, um desinteresse da própria torcida sobre a campanha. A causa foi abraçada de vez.

Você concorda com a posição adotada pelo Sport? Debate aberto.

Podcast 45 (230º) – Sport e Santa Cruz na semifinal do NE e o hexagonal do PE

A classificação de Sport e Santa às semifinais do Nordestão de 2016 agitaram o futebol pernambucano no fim de semana, com o 45 minutos analisando os jogos contra CRB e Ceará e já projetando os confrontos contra Campinense e Bahia. Qual é a chance de um (inédito) Clássico das Multidões na grande final? Debatemos quem pode ser decisivo e as possíveis mudanças possíveis de Falcão e Milton Mendes. Para não ficar só na Lampions, gravamos um minicast sobre o Estadual, a uma rodada do mata-mata. Náutico e Salgueiro brigando pela ponta e América e Santa pela última vaga. Por fim, uma passagem pela Copa do Brasil, com jogos de quatro times pernambucanos nesta semana.

Confira um infográfico com a pauta do programa clicando aqui.

Neste podcast, estive ao lado de Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça agora ou quando quiser!

Nordestão (1h32)

Pernambucano e Copa do Brasil (31m)