Júlio César pega pênalti e Santa Cruz fica no empate sem gols com o Atlético-PR

Copa do Brasil 2017, oitavas de final: Santa Cruz 0 x 0 Atlético-PR. Foto: Peu Ricardo/DP

O Santa Cruz finalmente estreou na Copa do Brasil. Com o título nordestino no último ano, o tricolor ganhou a pré-classificação às oitavas de final, numa “compensação” à retirada da vaga na Sula. Em tese, o sorteio até ajudou. Como teria que enfrentar, necessariamente, um dos oito brasileiros presentes na Libertadores vigente, o time pernambucano escapou de pesos pesados como Palmeiras, Flamengo e Galo. Mas, diante do Atlético-PR, a limitação técnica mostrou que a dificuldade seria grande contra qualquer um.

Volantes lentos, dificuldade na criação, dependência da bola parada e falta de reposição, com Barbio, Primão e Everton Santos acionados no decorrer. Pouco diante de um time realmente estruturado, como é o caso do Furacão, que sai do Arruda frustrado pelo pênalti desperdiçado, com Júlio César defendendo a cobrança de Rossetto. Fora o fraco desempenho do ataque, com o ex-tricolor Grafite seguindo em jejum. Empate em 0 x 0, numa chave ainda aberta, até pela condição do time paranaense, poupando nomes.

O jogo de volta, na Arena da Baixada, será dentro de três semanas. Com R$ 1,05 milhão de cota nesta fase, o Santa pode arrecadar mais R$ 1,195 milhão caso se classifique fora de casa (empate com gols a favor). Isso significaria também uma presença inédita nas quartas de final, após 23 participações. Um pouquinho de evolução ajudaria bastante nesta possibilidade…

Copa do Brasil 2017, oitavas de final: Santa Cruz 0 x 0 Atlético-PR. Foto: Peu Ricardo/DP

Zico: “A polêmica é boa no futebol, mas o campeão de 1987 foi o Flamengo”

Zico erguendo a "Copa União", após o título do Módulo Verde de 1987

Trinta anos depois, com uma história repleta de novos capítulos fora do campo, até no STF, a convicção de Zico segue a mesma. Como atleta, foi ao Maracanã representando o Flamengo, venceu o Inter e ergueu a taça da “Copa União”. Para ele, acabou ali o Campeonato Brasileiro de 1987.

Apesar do longo imbróglio, não espere um testa franzida ou desdém sobre o assunto. O Galinho, hoje sexagenário, trata com bom humor, embora não tenha dúvidas sobre a sua colocação – em vez do terceiro lugar, conforme a decisão oficial, considera-se campeão, único.

“A polêmica é boa no futebol, mas o campeão de 1987 foi o Flamengo.”

A rápida conversa com o blog aconteceu no intervalo da transmissão da semifinal da Champions League entre Atlético e Real Madrid, direto da cabine do Esporte Interativo, no Rio. A convite do canal, junto a outros dois jornalistas, fui apresentado como “jornalista do Recife”, já sinalizando a pauta. O complementou escancarou: “Zico, ele vem escrevendo um livro sobre 87″, o que é verdade, ao lado de André Gallindo. Oportunidade rara, daí o post.

Perguntei se, à parte do presidente do Fla, Márcio Braga, que optou por não jogar o quadrangular final numa decisão do Clube dos 13, os atletas do rubro-negro carioca questionaram a direção sobre o cruzamento determinado no regulamento. Ou seja, sobre a possibilidade de jogar contra o módulo amarelo.

“Em nenhum momento. Depois da final (do módulo verde), entramos de férias. No meu caso, eu nem jogaria porque já tinha cirurgia marcada”.

Então, veio a pergunta sobre como Zico enxergou aquela confusão.

“A CBF não quis realizar o campeonato. Quando ficou pronto, com patrocínio, televisão e interesse do público, ela voltou. Aí quis colocar o cruzamento das séries, módulos, daqueles grupos lá. Mas o principal era o do Flamengo, e nenhum clube jogaria. Estava decidido. O problema foi Aidar (presidente do Clube dos 13 em 1987) voltar ao São Paulo e querer a taça das bolinhas quando eles conquistaram o penta (em 2007).”

E até falou sobre como encara as dúvidas sobre o feito do Flamengo.

“Como se fala bastante (sobre o título de 1987), torcedores do Vasco, do Fluminense e do Botafogo dizem pra mim que 87 não é do Flamengo. Dizem que não jogamos contra o Sport. Aí eu pergunto a eles o placar dos jogos de Vasco, Fluminense e Botafogo contra o Sport. Ninguém sabe.”

Na sequência da declaração, comentei sobre a derrota por W.O. na Ilha do Retiro, no jogo que poderia ter sido disputado contra o Sport…

“Jogo em 1988 (em 27/01, a data do W.O.)? Um campeonato acabando no outro ano? Em janeiro a gente já estava de férias!”

Uma final no início do ano seguinte não era tão incomum no Brasileirão. Tanto que também aconteceu nas edições de 1986 e 1988, mas a última resposta veio acompanhada de um largo sorriso. Havia acabado o intervalo do jogo na tevê, com o maior maior artilheiro da história do Fla voltando à transmissão. Provavelmente, não foi a última vez que o craque falou sobre 87, mas deixou claro que a história dele segue intacta, questionável ou não, mas com o tempo transformando uma polêmica em bom humor…

Zico durante a transmissão da semifinal da Champions League, no Esporte Interativo. Foto: Cassio Zirpoli/DP

Copa do Nordeste de 2018 começa em maio de 2017, com “fase preliminar”

Copa do Nordeste

A Copa do Nordeste de 2018 começa em maio de 2017. Numa brusca mudança de fórmula, sem a aprovação do Trio de Ferro e da FPF, o regional agora terá uma “fase preliminar”, com oito clubes. Lembra a chamada Pré-Libertadores, que nesta temporada foi estendida a três fases. No caso da Lampions, o objetivo é enxugar a fase de grupos, de 20 para 16 clubes, com quatro chaves de quatro, com todas classificando duas equipes às quartas – como foi até 2014, antes da entrada de maranhenses e piauienses.

O acordo, por maioria de votos, foi referendado na sede da CBF em 9 de maio, junto à Liga do Nordeste. Portanto, os mata-mata preliminares, em jogos de ida e volta, devem acontecer nos dias 24 e 31 de maio, datas-base, conforme divulgado pelo site oficial da federação cearense de futebol.

A composição da fase preliminar será a seguinte: os terceiros colocados de Pernambuco e Bahia e os vices de Sergipe, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí e Maranhão. No sorteio, o pote 1 ficará com os quatro melhores no Ranking Nacional da CBF e o pote 2 com os demais.

Fase preliminar (8 clubes, passando 4)
CSA (vice de AL)
Itabaiana (vice de SE)
Fluminense de Feria (3º na BA)
Náutico ou Santa Cruz (3º de PE)
Treze (vice da PB)
Globo (vice do RN)
Panahyba, River ou Altos (vice do Piauí)
Vice do Maranhão (parado na justiça)

Já a fase principal, o Nordestão de fato, começará no fim de janeiro de 2018. Hoje, já tem 12 clubes assegurados, os nove campeões estaduais e os vices de PE, BA e CE. Aguardam os quatro vencedores do “Pré-Nordestão”.

Obs. Na visão do blog, esta mudança antecipada sobre 2018 é forçada, pois os regulamentos dos nove campeonatos estaduais desta temporada classificavam os clubes para a “Copa do Nordeste”, sem qualquer menção à fase preliminar, muito menos com oito meses de antecedência. Sem contar a apresentação da fórmula duas (!) semanas antes da seletiva… E as cotas?

Fase de grupos (16 times, com 12 já garantidos)
Sport (finalista do PE)
Salgueiro (finalista do PE)
Vitória (campeão na BA)
Bahia (vice na BA)
Confiança (campeão em SE)
Botafogo (campeão na PB)
ABC (campeão no RN)
Ceará (campeão no CE)
Ferroviário (vice no CE)
CRB (campeão em AL)
Campeão do MA (parado na justiça)
Campeão do PI (Parnahyba, River ou Altos)