Os bastidores da vitória do Sport sobre o Santa Cruz pelas quartas do Estadual

A equipe da TV Sport acompanhou os bastidores do time rubro-negro no jogo decisivo contra o Santa Cruz, pelas quartas de final do Campeonato Pernambucano de 2018. O vídeo de nove minutos, postado no youtube, traz ângulos diferentes da clássico, exibido na tevê para todo o estado, e imagens do vestiário leonino, antes e depois da goleada do Sport por 3 x 0. Assista.

Sport cede empate ao Salgueiro e segue sem vencer como visitante no Estadual

Pernambucano 2018, 10ª rodada: Salgueiro x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport já disputou as cinco partidas como visitante no turno classificatório do campeonato estadual de 2018, sem obter uma vitória sequer. Na campanha fora de casa, 0V, 4E e 1D. Foi goleado pelo Náutico, na arena, e empatou no interior com Flamengo, Central, Belo Jardim e Salgueiro. Este último, o 1 x 1 no Cornélio de Barros, foi a única vez em que o time chegou a ficar em vantagem fora da Ilha do Retiro. Pouquíssimo para o investimento feito no futebol – ainda que tecnicamente o time seja mesmo questionável.

O rubro-negro não repetiu no sertão o futebol de imposição visto na goleada sobre o Vitória, até então invicto. E havia motivação para jogo, pois a vitória deixaria o clube na liderança. O time de Nelsinho, em seu ritmo habitual, mais lento, até conseguiu controlar o jogo e criar algumas oportunidades – como as bolas na trave aos 29 minutos. Porém, sem efetividade, uma queixa recorrente. Durante toda a partida, o scout de finalizações apontou 19 x 9 para o leão, com o carcará reduzindo a diferença somente nos minutos finais.

Pernambucano 2018, 10ª rodada: Salgueiro x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Afinal, o time de Sérgio China (2V e 1E nesta passagem) mal passava do meio-campo, tendo uma postura extremamente precavida. Sobretudo porque não se defendia tão bem. Tanto que até jogadores periféricos sobre o setor ofensivo do leão apareceram, como o volante Anselmo, com 4 chutes. Um deles, numa bomba de longe, com perigo, e outro no gol do time, aos 30/2T, recebendo a bola na área. O gol pode ter justificado a boa atuação do novo capitão do Sport, mas não definiu a tarde. A vantagem durou seis minutos, com Piauí cabeceando para marcar o seu terceiro tento na competição. Este, sim, decisivo, tirando o Sport da ponta e colocando o Salgueiro no G4.

Salgueiro x Sport (todos os mandos)
34 jogos
17 vitórias rubro-negras (50,0%)
10 empates (29,4%)
7 vitórias salgueirenses (20,5%)

Pernambucano 2018, 10ª rodada: Salgueiro x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sport leva 3 gols em 10 minutos e cai nos pênaltis diante do Ferroviário-CE. Vexame

Copa do Brasil 2018, 2ª fase: Sport (3) 3 x 3 (4) Ferroviário-CE. Foto: Peu Ricardo/DP

A eliminação foi um dos maiores vexames já vistos na Ilha do Retiro, com impacto profundo sobre o planejamento do Sport visando a temporada 2018. Ao ceder três gols entre os minutos 30 e 40 do segundo tempo, resultando num empate à parte do que se viu em quase toda a partida, o rubro-negro acabou eliminado da Copa do Brasil na disputa de pênaltis. Magrão até fez a sua parte, como quase sempre faz. O camisa 1 defendeu uma cobrança, mas o goleiro Bruno Colaço foi além, espalmando os chutes de Rogério e Marlone. Assegurou o Ferroviário na terceira fase, somando R$ 2,5 milhões em cotas, montante jamais alcançado pelo clube cearense num único torneio.

Ao Sport, que chegou a abrir 3 x 0 mesmo sem forçar, o empate em 3 x 3 acaba sendo o epicentro de uma condução pra lá de questionável no futebol. A própria escalação já era um indício, com o relacionado André sentindo dores antes da partida – à vera, ficou de fora mais uma vez envolto numa sondagem do Grêmio. Sem o seu principal jogador, Nelsinho optou por Leandro Pereira, que há uma semana havia feito dois gols na estreia leonina na copa. Desta vez, o centroavante saiu machucado ainda na primeira etapa, dando lugar a Rogério, recuperado de lesão. E o atacante participou do primeiro gol, numa jogada concluída por Anselmo. Apesar do futebol blasé, o leão chegou a ensaiar uma goleada ao acelerar duas boas jogadas na segunda etapa, uma pela esquerda (gol de Fabrício) e outra pela direita (gol de Marlone).

Copa do Brasil 2018, 2ª fase: Sport (3) 3 x 3 (4) Ferroviário-CE. Foto: Peu Ricardo/DP

Quem assistiu ao jogo, notou um time tecnicamente superior com condições de esticar o placar, mas falhando na cara do gol. Seguiu até a falta de atenção em sequência, com o mandante entrando em parafuso e sofrendo três gols em finalizações na pequena área. No desempate, a consumação da reviravolta, que obriga o Sport assimilar um novo cenário até a Série A. Financeiramente, acusou o golpe – o clube estimava R$ 10,8 milhões na competição, chegando nas quartas, mas sai com apenas R$ 2,2 mi. Tecnicamente, mostra um nível aquém do Brasileirão – no qual já brigou para não cair nos últimos dois anos. Para completar, o distanciamento da torcida em relação ao comando do clube, num turbilhão político que costuma cobrar uma conta alta. A conferir.

Sport na Copa do Brasil (1989-2018)
24 participações
62 confrontos
39 classificações (62,9%)
23 eliminações (37,0%)

Sport x Ferroviário (todos os mandos)
12 jogos
5 vitórias rubro-negras (41,6%)
4 empates (33,3%)
3 vitórias cearenses (25,0%)

Copa do Brasil 2018, 2ª fase: Sport (3) 3 x 3 (4) Ferroviário-CE. Foto: Peu Ricardo/DP

Sem empolgar, Sport vence o Afogados com gols dos jogadores acionados no 2T

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Sport x Afogados. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport conquistou a sua primeira vitória no Estadual de 2018, mas ainda num ritmo bem abaixo, jogando para o gasto. Diante de apenas 3.389 torcedores na Ilha, o time venceu o Afogados por 2 x 0, após as mudanças efetuadas por Nelsinho Baptista, no intervalo. No primeiro tempo, lento e desinteressante, o leão chegou com perigo apenas duas vezes, em tramas pelo lado direito. Na primeira, André chutou, com o defensor tirando de cabeça, em cima da linha. Na segunda, uma bola no travessão de Rogério. E só, com vaias no intervalo, expondo a impaciência do público sobre uma equipe sem imposição, num campeonato no qual, pelo investimento, deveria conseguir desde a estreia

Ao menos a insatisfação se estendeu ao treinador , que fez duas trocas no intervalo. Tirou André (dores no joelho – fará exame) e Lenis (opção), entrando Gabriel (estreante) e Thomás (opção recorrente no 2T). E logo na retomada os acionados participaram do primeiro gol oficial do leão no ano, após 145 minutos de bola rolando. Na ponta direita, Gabriel acertou o passe vertical para Rogério, que cruzou rasteiro para Thomás, na pequena área.

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Sport x Afogados. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Mesmo em desvantagem, o time sertanejo, atuando pela primeira vez em sua história no Recife, pouco fez, com Magrão como mero espectador na barra. Já o Sport desperdiçou algumas boas chances, sobretudo com Rogério, o ‘falso 9′ na etapa complementar, conseguindo ampliar somente aos 38. Avançando pelo meio, Marlone encontrou Gabriel livre de marcação. O atacante contratado junto ao Flamengo puxou pra perna esquerda e marcou. De positivo, portanto, a reação do banco. Que mexa com o restante do time…

O jogos oficiais do rubro-negro em 2018 (1V, 1E e 0D)
17/01 – Flamengo 0 x 0 Sport (PE)
20/01 – Sport 2 x 0 Afogados (PE)

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Sport x Afogados. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Em Arcoverde, o Sport faz estreia ruim no Estadual e fica no 0 x 0 com o Flamengo

Pernambucano 2018, 1ª rodada: Flamengo de Arcoverde x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sem a Copa do Nordeste no calendário, por decisão própria, o Sport tem o foco todo voltado para o Campeonato Pernambucano neste início de temporada. Com um investimento muito acima dos dez adversários, com a folha de pagamento correspondendo a 74% de toda a competição, o rubro-negro entra, sim, como franco favorito. Como contrapartida, devido à distância técnica, a pressão sobre qualquer resultado. E na estreia do Estadual de 2018 largou com um empate em 0 x 0 com o Flamengo de Arcoverde.

Um resultado justo, numa partida na qual o mandante teve muita entrega, não permitindo qualquer criação dos leoninos, com poucas chances na noite sertaneja. Na prática, duas cobranças de escanteio bem fechadas de Marlone e alguns arremates de fora da área. Isso no primeiro tempo, pois na volta do intervalo o futebol do Sport caiu. No decorrer, Nelsinho fez as três mudanças, promovendo as entradas do atacante Lenis (Índio), do lateral Felipe Rodrigues (Fabrício) e do meia Thomás (Marlone). Não surtiu efeito, com André isolado, sem receber um passe decente, e com Rogério bem marcado.

Pernambucano 2018, 1ª rodada: Flamengo de Arcoverde x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Quando ao Fla, um cenário excelente, num confronto que não acontecia há 19 anos. Por sinal, a partida no estádio Áureo Bradley mobilizou o município, com todos os 3 mil ingressos vendidos, proporcionando uma renda de R$ 173,5 mil – com tíquete médio de R$ 57 (!). A resposta do público, apesar do ingresso salgado, mostra o quanto fazia falta jogos deste porte no interior. Com a grana, a fera garante no mínimo duas folhas (R$ 60 mil/mês). Ou seja, uma torcida rubro-negra saiu comemorando nesta rodada de abertura.

Os confrontos na história
12/01/1997 – Flamengo 2 x 1 Sport (Arcoverde) – Amistoso
02/05/1997 – Flamengo 0 x 0 Sport (Arcoverde) – Estadual
03/04/1997 – Sport 2 x 2 Flamengo (Ilha do Retiro) – Estadual
01/03/1998 – Flamengo 0 x 3 Sport (Arcoverde) – Estadual
14/03/1999 – Flamengo 1 x 3 Sport (Arcoverde) – Estadual
17/01/2018 – Flamengo 0 x 0 Sport (Arcoverde) – Estadual

Retrospecto: 2 vitórias do Sport, 3 empates e 1 vitória do Fla

Pernambucano 2018, 1ª rodada: Flamengo de Arcoverde x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Sport goleia a Chape e ganha fôlego para ir com tudo na Sula, contra o Huracán

Série A 2015, 28ª rodada: Sport 3x0 Chapecoense. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Para tranquilizar a campanha no Brasileirão, a vitória sobre a Chapecoense era essencial ao Sport, que poderia abrir nove pontos sobre o 17º colocado, a dez rodadas do fim. Por mais que tivesse uma cara de decisão, a irregularidade da equipe afastou a torcida. Sem tanto apoio na Ilha, no encerramento da rodada, o time dirigido por Falcão – agora com quatro treinos até a peleja – conseguiu confirmar a expectativa e ganhou fôlego para ir a Buenos Aires com tudo.

É verdade que começou num ritmo lento. O Sport só finalizou uma vez no primeiro tempo, com Diego Souza aproveitando a sobra de um escanteio batido por Marlone. Bastou para ficar em vantagem, mas não sem tomar sufoco. Usando bastante o lado esquerdo rubro-negro, com a marcação de Renê e Danilo desordenada, a Chape levou perigo à meta de Danilo, que fez duas grandes defesas, em chutes de Bruno Rangel (livre) e Ananias (de fora da área).

A conversa no vestiário surtiu efeito, pois o Sport abriu mais o jogo, aumentando o aproveitamento no passe, finalizando mais. André perdeu três chances seguidas, no detalhe. E parecia ter sido dele o gol aos 33 minutos. De volta após as más atuações de Ferrugem, Samuel Xavier cruzou e André chegou para cabecear, mas Apodi deu uma ‘voadora’ e fez contra. No fim, Régis, ex-Chape e que acabara de entrar, fez boa jogada individual e cravou o 3 x 0. A goleada dá a tranquilidade necessária ao Leão, que na quarta enfrentará o Huracán precisando reverter o 1 x 1 em casa. É o jogo para manter “2015″ ainda à vera..

Série A 2015, 28ª rodada: Sport 3x0 Chapecoense. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Apático e desordenado, Sport perde do Vasco no Maracanã. Faltou respeito

Série A 2015, 27ª rodada: Vasco 2x1 Sport. Foto: DPaulo Fernandes/Vasco.com.br

Foi uma derrota constrangedora do Sport. Enfrentando o lanterna e teoricamente “mordido” após a saída repentina do técnico, esperava-se atitude no Maracanã. Com 1 minuto e 50 segundos, o placar já deixava clara a sonolência rubro-negra no returno. Num cruzamento da direita, Durval farrapou e Nenê chutou, com Ferrugem desviando para as próprias redes. Se ganhar fora de casa já era difícil (não obteve um triunfo sequer), virar parecia impossível, mesmo tão cedo.

No primeiro tempo, o time comandado interinamente por Daniel Paulista só melhorou a partir dos vinte minutos. Marlone, escolhido para a articulação no lugar do suspenso Diego Souza, demorou a se achar em campo. Aos poucos tentou alguns passes mais ousados. O mais bonito terminou também no tento leonino no Rio. Um lançamento para Elber, aos 39. O atacante dominou de costas, girou e marcou um belo gol. Àquela altura, o Leão tinha mais posse, 51%, mas marcava mal, numa desatenção que marcou toda o domingo.

Na volta do intervalo, a escalação se manteve. Bastava seguir controlando o jogo. Mas o filme negativo se repetiu na Ilha. Gol nos primeiros minutos e na bola aérea, com Rafael Vaz desempatando, 2 x 1. A partir daí, entraram Danilo (no lugar de Renê, ambos horríveis), Brocador (perdeu um gol feito) e Régis (que parece não ter força nem para levantar uma bola). Fim de jogo, com os cruz-maltinos, mesmo jogando muito mal, deixando a lanterna após nove rodadas e os pernambucanos sem palavras, evitando entrevistas. Faltou respeito à torcida.

Série A 2015, 27ª rodada: Vasco 2x1 Sport. Foto: DPaulo Fernandes/Vasco.com.br

Sport sofre gol aos 52 do segundo tempo e fica no empate na Arena da Baixada

Série A 2015, 17ª rodada: Atlético-PR 1x1 Sport. Foto: Gustavo Oliveira/Atlético-PR (site oficial)

A história de Atlético-PR x Sport começa pelo último lance. Aos 52 minutos e 10 segundos do segundo tempo, após a cobrança de escanteio pelo lado direito, o zagueiro chileno Vilches ganhou a disputa para o até então invencível Matheuz Ferraz e acertou o cantinho de Danilo Fernandes, cuja cota de milagres estava em dia mais uma vez, com duas defesaças em Curitiba. Mas não deu nessa derradeira tentativa, que empatou o jogo em 1 x 1, evitando a primeira vitória do Leão como visitante neste Brasileirão, que mesmo assim tem apenas um revés em 17 jogos. Os rubro-negros (pernambucanos) se queixaram do acréscimo dado pelo árbitro Anderson Daronco, do quadro gaúcho. Só por isso?

Foram sete minutos além dos 45. Antes dos erros do Sport (chegaremos lá), vale esmiuçar o tempo extra. A parada técnica para hidratação durou 1min35s e foram efetuadas quatro substituições (as outras duas ocorreram no intervalo), além do atendimento ao goleiro Danilo Fernandes, após uma bolada no estômago. Sete minutos parece um exagero. Pior. O gol ainda saiu depois disso, e em tese o juiz só precisa esperar em caso de pênalti. Gol nos descontos à parte, até porque o Sport também marcou na mesma circunstância contra Goiás, Santos, Avaí e Palmeiras, o maior problema foi a mudança de postura.

O primeiro tempo foi exemplar, com as linhas bem postadas e domínio das ações, mesmo em vantagem – num jogo bom, com 70% de bola rolando. Na virada de campo, o Furacão abriu as pontas e acelerou a transição, dando trabalho demais, mesmo com Walter apagado. Com o Leão se limitando a tirar a bola da área, Eduardo Batista mexeu três vezes, acionando os reservas imediatos de cada posição. Mesmo pressionado, o time da Ilha fazia a sua parte e teve a chance pra matar, com Diego Souza, pouco antes de sofrer o empate. Cara a cara, o camisa 87 desta vez não decidiu. Acontece, empate amargo.

Série A 2015, 17ª rodada: Atlético-PR 1x1 Sport. Foto: Gustavo Oliveira/Atlético-PR (site oficial)