Ibope lista os campeonatos internacionais preferidos no Brasil. Champions com 12%

Ranking de preferência dos campeonatos de futebol na Europa pelos brasileiros (em milhões de pessoas). Fonte: Pesquisa FÃ DNA 2017/Ibope-Repucom

* Os torneios internacionais preferidos dos brasileiros, em milhões de pessoas

O estudo ‘Fã DNA 2017′, produzido pelo Ibope-Repucom, aponta a existência 110.416.601 brasileiros que torcem por algum clube, a partir da faixa etária de 16 anos. Em uma pílula da pesquisa, o instituto revelou o quadro sobre a preferência deste público considerando os campeonatos internacionais, sem a participação de times brasileiros. Entre onze torneios listados, a Liga dos Campeões da Uefa aparece, sem surpresa, na primeira colocação neste contexto – ficando em 6º lugar no ranking geral. Segundo a pesquisa, 12,3 milhões de pessoas citaram ao Champions ao responder a seguinte pergunta:

“De acordo com esta lista, quais campeonatos de futebol você mais se interessa ou acompanha?” 

Reunindo os principais jogadores da atualidade, escalados em verdadeiras ‘seleções internacionais’, além da forte presença na tevê por assinatura e da reabertura em sinal aberto, a Champions já tem uma influência considerável no país. Sobre a tal lista da pergunta, eram 30 competições, entre brasileiras e estrangeiras, segundo informa o diretor do Ibope, José Colagrossi. A pior colocação estrangeira (entre os nomes revelados) é a do obscuro campeonato chinês, em 11º. O levantamento também mostra a divisão por sexo nos quatro primeiros lugares, com a faixa masculina variando de 81% a 92%.

Sobre a ordem atual, vale a observação de que a pesquisa foi feita justamente durante o período da transferência de Neymar, que partiu do Barcelona para o Paris Saint-Germain por 222 milhões de euros. Para o público brazuca, o fato pode (deve) viabilizar o incremento na audiência da ‘Ligue 1′, hoje em 8º lugar.

Diego Souza é reconvocado à Seleção Brasileira, mantendo a disputa à Copa

Diego Souza na Seleção Brasileira em 2017. Fotos: dsoficial.com (reprodução)

O meia Diego Souza voltou a ser lembrado por Tite na Seleção Brasileira em 2017. Artilheiro do Brasileirão da temporada anterior, o jogador havia sido chamado para as cinco primeiras partidas do escrete nacional, atuando quatro vezes. No entanto, após uma queda técnica, simultânea ao imbróglio sobre a quase saída para o Palmeiras, DS87 acabou ficando fora das listas seguintes, para quatro partidas das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Com o fim da fase classificatória ao Mundial, com o Brasil classificado como líder, o treinador terá quatro amistosos preparatórios. Começa já agora, num giro na Europa, em Lille, na França, diante do Japão, e em Londres, na Inglaterra, contra os donos da casa. Entre os 25 nomes chamados, o do principal jogador do Sport, que ganha mais duas chances, recolocado-se na disputa de forma até surpreendente neste momento – embora tenha voltado a jogar bem. Vale lembrar que, para a Canarinha, Diego Souza vem sendo chamado como “atacante”, numa briga ferranha com Firmino, que, apesar de se destacar no Liverpool, ainda não brilhou com a camisa verde e amarela.

E essa pode ser a última oportunidade para “testes” na visão de Tite, que quer utilizar os dois amistosos de 2018 (Rússia em 22/03 e Alemanha em 27/03) já com o grupo fechado. Ou seja, com a lista final de 23 nomes…

Obs. Em relação à Série A, o jogador poderá desfalcar o leão contra Botafogo (08/11), Atlético-GO (12/11) e Palmeiras (16/11). Aí, depende da logística.

Diego Souza no Sport em 2017
46 jogos
17 gols
8 assistências

Diego Souza na Seleção em 2017
4 jogos
2 gols

Participação de Diego Souza na Seleção Brasileira em 2017
25/01 – Brasil 1 x 0 Colômbia (titular, 64 minutos)
23/03 – Uruguai 1 x 4 Brasil (reserva, 5 minutos)
28/03 – Brasil 3 x 0 Paraguai (reserva, 6 minutos)
09/06 – Brasil 0 x 1 Argentina (reserva, não entrou)
13/06 – Austrália 0 x 4 Brasil (titular, 94 minutos e 2 gols)

31/08 – Brasil 2 x 0 Equador (não foi convocado)
05/09 – Colômbia 1 x 1 Brasil (não foi convocado)
05/10 – Bolívia 0 x 0 Brasil (não foi convocado)
10/10 – Brasil 3 x 0 Chile (não foi convocado)

10/11 – Brasil x Japão (a disputar)
14/11 – Inglaterra x Brasil (a disputar)

As contratações mais caras da história do futebol, de Denílson a Paul Pogba

Pogba, contratado pelo Manchester United para a temporada 2016/2017. Crédito: Adidas/twitter

O francês Paul Pogba deixou o Manchester United em 2012 com apenas três partidas no time profissional. Aos 19 anos, foi jogar na Juventus, onde cresceu, tornando-se um dos principais nomes da atualidade. E despertou o interesse do… Manchester United, que abriu o cofre para ter novamente o atleta. Pagou 105 milhões de euros, estabelecendo um novo recorde em transações no futebol. Quebrou a marca de Bale, registrada há três anos. Nas duas últimas décadas, o recorde cresceu 200%. A primeira negociação (recorde) aconteceu em 1893, com o escocês Willie Groves indo do West Bromwich Albion para o Aston Villa, ambos da Inglaterra. Custou 100 libras esterlinas.

Abaixo, as maiores negociações do futebol e a evolução dos recordes. O levantamento foi elaborada tendo o euro como moeda de comparação. Como a moeda foi criada em 2002, as marcas anteriores foram projetadas a partir da conversão de valores. Na lista é possível pinçar algumas curiosidades, como a dupla presença de Di Marían e Hulk. O brasileiro, aliás, foi o único nome negociado com a Ásia, num sinal claro do novo poder econômico na categoria.

Já Neymar aparece em 5º lugar geral, na condição de brasileiro mais caro. Porém, o valor só foi mensurado tempos depois, devido ao imbróglio envolvendo Santos, investidores do jogador e Barça (o caso foi parar na justiça).

As 20 negociações mais caras do futebol (em euros)*
1º) 105,0 milhões (2016) – Pogba (França), Juventus/Manchester United
2º) 100,0 milhões (2013) – Gareth Bale (País de Gales), Tottenham/Real Madrid
3º) 94,0 milhões (2009) – Cristiano Ronaldo (Portugal), Man. United/Real Madrid
4º) 90,0 milhões (2016) – Higuaín (Argentina), Napoli/Juventus
5º) 88,2 milhões (2013) – Neymar (Brasil), Santos/Barcelona
6º) 81,7 milhões (2014) – Luis Suárez (Uruguai), Liverpool/Barcelona
7º) 75,0 milhões (2014) – James Rodríguez (Colômbia), Monaco/Real Madrid
7º) 75,0 milhões (2014) – Di María (Argentina), Real Madrid/Manchester United
9º) 74,0 milhões (2015) – De Bruyne (Bélgica), Wolfsburg/Manchester City
10º) 73,5 milhões (2001) – Zidane (França), Juventus/Real Madrid
11º) 69,0 milhões (2009) – Ibrahimovic (Suécia), Internazionale/Barcelona
12º) 68,0 milhões (2015) – Sterling (Inglaterra), Liverpool/Manchester City
13º) 65,0 milhões (2009) – Kaká (Brasil), Milan/Real Madrid
14º) 64,0 milhões (2013) – Cavani (Uruguai), Napoli/PSG
15º) 64,0 milhões (2016) – Hulk (Brasil), Zenit/Shanghai FC
16º) 63,0 milhões (2015) – Di María (Argentina), Manchester United/PSG
17º) 62,6 milhões (2014) – David Luiz (Brasil), Chelsea/PSG
18º) 62,0 milhões (2000) – Luís Figo (Portugal), Barcelona/Real Madrid
19º) 60,0 milhões (2012) – Hulk (Brasil), Porto/Zenit
20º) 60,0 milhões (2013) – Falcao García (Colômbia), Atlético de Madri/Monaco

A evolução da transferência recorde (em euros)*
105,0 milhões (2016) – Pogba (França), Juventus/Manchester United
100,0 milhões (2013) – Gareth Bale (País de Gales), Tottenham/Real Madrid
94,0 milhões (2009) – Cristiano Ronaldo (Portugal), Man. United/Real Madrid
73,5 milhões (2001) – Zidane (França), Juventus/Real Madrid
62,0 milhões (2000) – Luís Figo (Portugal), Barcelona/Real Madrid
56,6 milhões (2000) – Crespo (Argentina), Parma/Lazio
43,1 milhões (1999) – Christian Vieri (Itália), Lazio/Internazionale
35,0 milhões (1997) – Denilson (Brasil), São Paulo/Bétis

* Valores absolutos na época da transação, sem correção

50 anos do gol mais polêmico do futebol, 50 anos à espera da tecnologia no futebol

Copa do Mundo 1966, final: Inglaterra 4 x 2 Alemanha. E o polêmico gol de Geoff Hurst... Crédito: Fifa/facebook (reprodução)

Há 50 anos, em 30 de julho de 1966, quase cem mil pessoas assistiam em Wembley à dura final entre ingleses e alemães, num empate que se estendeu à prorrogação. Até a grande jogada de Allan Ball pela ponta direita. Cruzou bem para Geoff Hurst, que dominou, girou e encheu o pé. Gol, com a bola batendo no travessão e quicando rente à linha. Ou em cima da linha? O camisa 10 ainda faria o seu terceiro no jogo (recorde), definindo o 4 x 2 que deu ao English Team a sua única Copa do Mundo. Uma partida marcada pela maior dúvida do futebol. Inúmeros estudos (inconclusivos) já foram feitos, inclusive em universidades, além de entrevistas com o atores do lance validado por Gottfried Dienst.

Paralelamente, o discurso (vazio) de que o uso da tecnologia “atrapalharia” o futebol seguiu durante muito tempo, com outros lances discutíveis (gols, impedimentos e pênaltis mal marcados, a partir do posicionamento da bola) mudando a história. Até 2010, em outro Mundial, em outro confronto entre Inglaterra e Alemanha. Desta vez com os inventores do esporte prejudicados (esse, sem dúvida alguma). A bola ultrapassou a linha em 33 centímetros! Só o árbitro uruguaio Jorge Larrionda não viu. Seria o gol de empate (2 x 2), numa reação que não viria mais, acabando em 4 x 1 para os germânicos.

Ao menos a Fifa reconheceu que era hora de mudar. Cedeu, num processo lento, tanto que só em 5 de março de 2016 autorizou testes com o “árbitro de vídeos”, após a aprovação International Football Association Board (Ifab), o órgão que regulamenta as regras do futebol. Dois anos até o veredito. Se hoje, com jogos filmados em alta definição, ainda há espaço para imprecisões, imagine em 1966, cujo frame sobre o lance deixa dúvidas devido à imagem saturada e borrada por causa da qualidade do vídeo na época. Celebrando o cinquentenário da polêmica, o site Sky Sports digitalizou o lance e “provou” que a bola entrou, através da realidade virtual da EA Sports, usada no game Fifa Football. 

O blog recortou os dois frames no mesmo instante. Será que a dúvida acaba?

A FPF já solicitou o uso experimental no Campeonato Pernambucano…

Copa do Mundo 1966, final: Inglaterra 4 x 2 Alemanha. E o polêmico gol de Geoff Hurst... numa versão 3D, via Sky Sports. Será?

Islândia, um país menos populoso que Olinda, destrona a Inglaterra. Acredite

Torcida da Islândia. Foto: Eurocopa 2016/twitter (UEFAEURO_

O território da Islândia é quase do mesmo tamanho de Pernambuco, com 103.001 km² x 98.149 km². Demograficamente, contudo, há uma enorme diferença, com 9,4 milhões de habitantes no estado e apenas 331 mil no país insular, espalhados em cidades pequenas no litoral, bem afastadas da Europa. Lá, num cenário quase deserto, o futebol vive. Apesar da população menor em relação a cinco municípios locais (Olinda, para se ter ideia, tem 57 mil a mais!), é capaz de formar uma seleção competitiva, que já faz história na Euro 2016.

Começou nas eliminatórias, num rendimento já irreal para o padrão da equipe. Seguiu contra a lógica na fase de grupos e alcançou uma impressionante classificação às quartas, vencendo a Inglaterra por 2 x 1, de virada. Superou o inventor do esporte, o país da liga mais rica, de um nível de profissionalismo superior a oito divisões. Na Islândia, segundo a federação nacional de futebol (KSI), existem apenas 3 mil adultos jogando bola, com 100 profissionais!

Fazendo uma relação entre a população masculina (167 mil islandeses) e os 23 convocados da seleção, 1 em cada 7 mil foi chamado para o torneio continental. No estado, essa conta ficaria 1 em 198 mil. Tudo, absolutamente tudo, sobre a Islândia parece ficção, como a sua torcida, com 5% do país presente nos jogos na França. Uma torcida fiel, que segue a sua história, agora contra os donos da casa, os franceses. Mundialmente, a torcida já está maior…

1.617.183 – Recife (IBGE, estimativa de 2015)
686.122 – Jaboatão
389.494 – Olinda
347.088 – Caruaru
331.951 – Petrolina

331.811 – Islândia

322.730 – Paulista
200.546 – Cabo
154.054 – Camaragibe
136.949 – Garanhuns
135.805 – Vitória

Islândia comemora a classificação às quartas da Euro 2016. Foto: Eurocopa 2016/twitter (@UEFAEURO)

O mata-mata da Eurocopa 2016, com módulo amarelo e módulo verde

Mata-mata da Eurocopa 2016. Crédito: twitter.com/euro2016

O chaveamento da fase final da Eurocopa 2016 deixou as maiores forças do continente agrupadas em um lado. Alemanha, Itália, Espanha, França e Inglaterra, as seleções campeãs mundiais. Do ouro lado, os emergentes. Não há sequer um campeão europeu, com Portugal e Bélgica entre os principais nomes. O mata-mata lembra uma composição com Módulo Amarelo e Módulo Verde, num paralelo conhecido do torcedor pernambucano, remetendo a 1987.

Após 36 jogos na fase de grupos, 16 dos 24 países avançaram às oitavas de final do torneio em andamento na França. Aliás, esta 15ª edição é a primeira com esta fase. De 1996 a 2012, o mata-mata começava nas quartas, enquanto de 1960 a 1992 ocorria ainda mais cedo, na semi. Com a ampliação da Euro, agora é preciso jogar sete vezes para levantar a taça. Tal formato, com alguns terceiros colocados passando da fase de grupos, é idêntico ao Mundial de 90 e 94. Curiosamente, o período de maior crítica acerca do nível técnico.

Pitacos do blog para a formação das quartas de final:

Polônia x Portugal, Gales x Bélgica, Alemanha x Itália e França x Inglaterra.

Confira a agenda da fase final do torneio europeu aqui.

Confira o retrospecto dos 18 países que já alcançaram ao menos a semifinal, com 8 deles ainda na disputa. Sendo cinco no “verde” e três no “amarelo”.

Os países que já ficaram entre os quatro melhores na Eurocopa de 1960 a 2012. Crédito: Wikipedia

A maior Eurocopa da história, a caminho do 15º campeão. Alguma camisa nova?

Campeões da Europa de 1960 a 2012. Crédito: Euro (@UEFAEURO)

A 15ª edição da Eurocopa, em 2016, é a maior da história do torneio, com 24 seleções. Com a França de país-sede pela terceira vez, após 1960 (a primeira, com apenas quatro times na fase final) e 1984, a chamada “Copa do Mundo sem Brasil e Argentina” reúne a nata do futebol no velho continente.

No sorteio dirigido, ficaram no pote 1 França, Espanha, Alemanha, Inglaterra, Portugal e Bélgica. A Itália, em eterna crise (mas sem nunca deixar de ser favorita), caiu no pote 2, com outras boas equipes ainda mais abaixo, como Suécia, Irlanda e Turquia. Acima, os uniformes de todos os campeões europeus, desde a Союз Советских Социалистических Республик (a abreviação CCCP), o equivalente a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS)

Nas últimas duas décadas, apenas um campeão inédito, com a surpreendente conquista da Grécia em 2004, diante dos portugueses, donos da casa e treinados por Felipão. A organização da Euro divulgou os uniformes de todos os campeões. Há espaço para uma camisa nova no pódio desta edição?

Campeões da Euro
1960 – União Soviética (extinta)
1964 – Espanha
1968 – Itália
1972 – Alemanha Ocidental (unificada)
1976 – Tchecoslováquia (extinta)
1980 – Alemanha Ocidental (unificada)
1984 – França
1988 – Holanda
1992 – Dinamarca
1996 – Alemanha
2000 – França
2004 – Grécia
2008 – Espanha
2012 – Espanha

Confira o retrospecto dos 18 países que já alcançaram ao menos a semifinal…

Os países que já ficaram entre os quatro melhores na Eurocopa de 1960 a 2012. Crédito: Wikipedia

A camisa preta do Sport para 2016/2017, com o template do Middlesbrough

Camisa 2 do Sport para a temporada 2016/2017. Crédito: reprodução

A camisa 2 do Sport para a temporada 2016/2017 será preta. Usando o novo template da Adidas, com as três listras na lateral do modelo, em vez do ombro.

A novidade no padrão, que vazou nas redes sociais, como de praxe, é o “V” em degradê vermelho. Lembra a camisa branca da seleção alemã, mas na verdade o template é idêntico ao do Middlesbrough da Inglaterra, que já lançou a camisa (azul, para os jogos fora de casa) da próxima temporada. Por sinal, outros clubes patrocinados devem usar o modelo, num formato comum de produção das fornecedoras, com peças exclusivas para os primeiros uniformes.

Seguindo a linha monocromática da marca alemã, que no padrão 1 usou calção e meias vermelhas, agora o calção e as meias devem ser pretos. Ou seja, por enquanto, uma pausa nas cores alternativas no Leão. Entretanto, vale lembrar que a linha completa ainda prevê um terceiro uniforme…

Rubro-negro, o que você achou do possível segundo padrão? 

O segundo padrão do Middlesbrough, da Inglaterra para a temporada 2016/2017. Crédito: divulgação

Uma década de comparação entre ligas nacionais da Europa e o Brasileirão

Campeões das principais ligas nacionais da Europa de 2007 a 2016. Crédito: twitter.com/onefootball

As seis ligas nacionais mais tradicionais (e ricas) no futebol europeu têm características bem distintas quanto à (verdadeira) briga pelo título. Na Espanha, como se sabe, a disputa é polarizada entre Barça, dominante nos últimos dez anos, e o Real. O Atlético conseguiu se intrometer uma vez no período, e só. Idem na Itália, com o outrora imbatível Milan assumindo um papel de coadjuvante, ganhando apenas um scudetto, entre as enormes sequências de Inter e Juve. Por outro lado, na Ligue 1, da França, foram seis campeões no período. E a lista até poderia ser maior, mas o Paris Saint-Germain ensaiou uma hegeomonia, ganhando as últimas quatro competições. Na temporada mais recente, apenas o Leicester não ganhou o título de forma consecutiva. Nas demais, Juventus pentacampeã, Bayern tetra, PSG tetra, Benfica tri e Barça bi

O OneFootball fez um levantamento com os últimos dez campeões nacionais nas ligas, da temporada 2006/2007 a 2015/2016, e o blog ampliou o debate, traçando um paralelo com o Campeonato Brasileiro, num período disputado sempre com o mesmo formato, pontos corridos e vinte participantes.

Em caso de igualdade no número de clubes, fica à frente a liga com o maior campeão que tenha menos títulos (ou seja, “menor concentração” de taças):

1º) França (6 campeões)
PSG (4), Lyon (2), Bordeaux (1), Marseille (1), Lille (1) e Montpellier (1)

2º) Brasil (5 campeões)
São Paulo (3), Fluminense (2), Cruzeiro (2), Corinthians (2) e Flamengo (1).

3º) Inglaterra (4 campeões)
Manchester United (5), Manchester City (2), Chelsea (2) e Leicester (1)

4º) Alemanha (4 campeões)
Bayern de Munique (6), Borussia Dortmund (2), Stuttgart (1) e Wolfsburg (1)

5º) Itália (3 campeões)
Juventus (5), Internazionale (4) e Milan (1)

6º) Espanha (3 campeões)
Barcelona (6), Real Madrid (3) e Atlético de Madri (1)

7º) Portugal (2 campeões)
Porto (6) e Benfica (4) 

De 2006 a 2015, cinco clubes ganharam a Série A. Justifica a alcunha de “campeonato mais competitivo do mundo”? Nem tanto. Ao menos em relação aos vencedores. Expandindo a análise, até o G4, a Série A se mostra a mais rotativa. Neste caso, apenas como os melhores colocados – o que não significa classificados à Champions, pois o número de vagas varia de duas a quatro por país -, Alemanha, Espanha, Inglaterra e Portugal têm times com 100% de aproveitamento. No Brasil, quem mais chegou foi o São Paulo, sete vezes.

1º) Brasil (13 clubes no G4)
São Paulo (7), Grêmio (6), Cruzeiro (5), Corinthians (4), Fluminense (4), Flamengo (3), Inter (3), Atlético-MG (2), Santos (2), Atlético-PR (1), Botafogo (1), Vasco (1) e Palmeiras (1)

2º) França (13 clubes no G4)
Lyon (9), Marseille (7), PSG (6), Lille (4), Monaco (3), Nice (2), Bordeaux (2), Toulouse (2), Saint-Étienne (1), Montpellier (1), Auxerre (1), Nancy (1) e Rennes (1) 

3º) Alemanha (11 clubes no G4)
Bayern de Munique (10), Bayer Leverkusen (6), Schalke (6), Borussia Dortmund (5), Monchengladbach (3), Werder Bremen (3), Stuttgart (2), Wolfsburg (2), Hannover (1), Hertha (1) e Hamburgo (1) 

4º) Itália (9 clubes no G4)
Juventus (7), Internazionale (6), Milan (6), Roma (6), Fiorentina (5), Napoli (4), Lazio (3), Udinese (2) e Sampdoria (1) 

5º) Espanha (9 clubes no G4)
Barcelona (10), Real Madrid (10), Atlético de Madri (6), Valencia (5), Villarreal (3), Sevilla (3), Athletic Bilbao (1), Real Sociedad (1) e Málaga (1) 

6º) Portugal (8 clubes no G4)
Porto (10), Benfica (10), Sporting (9), Braga (7), Estoril (1), Paços Ferreira (1), Nacional (1) e Vitória de Guimarães (1) 

7º) Inglaterra (7 clubes no G4)
Arsenal (10), Manchester United (8), Chelsea (8), Manchester City (6), Liverpool (4), Tottenham (3) e Leicester (1) 

Da sala de Mia Jawdat, em Zurique, todas as negociações internacionais do futebol

Sede do TMS, na Fifa. Crédito: Fifa/facebook

Em uma pequena sala na sede da Fifa, em Zurique, Mia Jawdat coordena a equipe de estatísticas das “janelas do futebol”, através do Transfer Matching System (TMS), o sistema eletrônico da entidade, criado em 2011, para registrar oficialmente todas as negociações internacionais. Contando com os demais departamentos, o quadro não chega a 50 funcionários. De lá da Suíça, todas as 13 mil transferências anuais (legais) do futebol são guardadas e analisadas.

Existem duas janelas (períodos) de negócios entre os países filiados a cada ano, entre dezembro e fevereiro e entre junho e agosto, com as devidas exceções provocadas pelo fuso horário. O calendário europeu, com o intervalo entre competições no meio do ano (2014/2015, 2015/2016 etc) faz com que a “janela de verão” (deles) seja a mais movimentada, sobretudo no Big 5, termo usado pelo próprio TMS para definir Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália.

Dados internacionais entre 1º de junho e 31 de agosto, antes do #deadlineday:

2015
5.816 jogadores negociados
US$ 2,7 bilhões em 936 vendas (16% dos atletas)

2014
6.013 jogadores negociados
US$ 2,8 bilhões em 945 vendas (15% dos atletas)

E olhe que o último dia da janela é o justamente o principal, com mais de 400 transferências internacionais, em acordos firmados no apagar das luzes. Uma a cada 3 minutos! Em 2014 isso correspondeu a 500 milhões de dólares movimentados em apenas 24 horas (ainda não saiu o quadro de 2015).

Balanço do Fifa TMS sobre a janela brasileira em 2015. Crédito: Fifa TMS/twitter

No Brasil, o saldo histórico é o de cash recebido. Este ano, por exemplo, a diferença entre gasto e receita foi de US$ 85 milhões! Em relação à chegada de jogadores (527, ou 148 a mais que a saída), a explicação se deve ao formato dos acordos, com 63% sem contrato com outros clubes (logo, mais baratos).

No momento em que se “paga” pelo empréstimo ou se formaliza a compra dos direitos econômicos, os atletas brasileiros seguem imbatíveis. No cenário mundial, foram 622 transferências internacionais, 286 a mais que a segunda nacionalidade mais procurada, a francesa. São alguns dos números guardados lá no escritório de vendas e marketing do TMS, comandado por Mia.

Número de jogadores transferidos internacionalmente (01/06 a 31/08 de 2015), divididos pelas nacionalidades. Crédito: Fifa/TMS