Salário de Neymar no PSG em tempo real

Site "Salário do Neymar". Crédito: reprodução

A transferência de Neymar, do Barcelona para o PSG, foi a maior da história do futebol, numa rescisão contratual de 222 milhões euros, ou R$ 822 milhões. Cifra astronômica e que tende a ser manter no topo por um bom tempo. Para firmar com o clube francês por cinco anos, o astro da Seleção Brasileira passou a ter o maior salário da Europa. No mundo, só está abaixo do argentino Carlitos Tévez, no ainda pulsante mercado chinês. Neymar receberá 30 milhões de euros por temporada, o equivalente a R$ 111 milhões – quase todo o faturamento obtido pelo Sport em 2016, por exemplo.

A partir disso, algum gaiato criou o site salariodoneymar.com.

A página calcula, a partir do acesso do internauta, quanto o tempo de permanência no site significaria em termos salariais para o jogador. Também há um contador desde a assinatura do contrato em Paris. E olhe que os dados ainda vão variando de acordo com a cotação real/euro…

1 segundo = R$ 3,50
1 minuto = R$ 213,50
1 hora = R$ 12.810
1 dia = R$ 307.440
1 mês = R$ 9.223.200

Os maiores salários anuais no futebol (2017)
€ 38,0 milhões – Tévez (Shanghai Shenshua, China)
€ 30,0 milhões – Neymar (PSG, França)
€ 26,5 milhões – Lavezzi (Hebei Fortune, China)
€ 25,0 milhões – Oscar (Shanghai SIPG, China)
€ 25,0 milhões – Messi (Barcelona, Espanha)
€ 23,6 milhões – Cristiano Ronaldo (Real Madrid, Espanha)

A evolução das maiores contratações do futebol em 20 anos, de Denílson a Neymar

Neymar no PSG...  Crédito: PSG/twitter (@PSG_inside)

Astro da Seleção Brasileira, o atacante Neymar tornou-se a contratação mais cara da história do futebol. Há exatamente um ano, o francês Pogba deixou a Juve com destino à cidade de Manchester numa soma já inacreditável de 105 milhões de euros. Agora, o brasileiro foi além do dobro disso. Com a multa rescisória de 222 milhões paga integralmente pelo Paris Saint-Germain, junto ao Barça, o aumento do recorde foi de 111%! Convertendo para a moeda nacional, um montante de R$ 813 milhões. Mais que suficiente para comprar qualquer time elenco da Série A de 2017. Segundo o site Transfermarkt, o São Paulo teria, hoje, o elenco mais caro da competição, numa estimativa de € 70,7 milhões, ou 31% dos direitos econômicos de Neymar.

Com a definição da transação que sacudiu a janela europeia, a evolução das vendas mais caras subiu 707% em duas décadas, acredite. Como curiosidade, vale lembrar a primeira negociação que se tem notícia, já recordista, claro, aconteceu em 1893, com o escocês Willie Groves indo do West Bromwich Albion para o Aston Villa, ambos da Inglaterra. Custou 100 libras esterlinas.

Abaixo, as maiores negociações do futebol e a evolução dos recordes. O levantamento foi elaborada tendo o euro como moeda de comparação. Como a moeda da união europeia só foi criada em 2002, as marcas anteriores foram projetadas a partir da conversão de valores. Na lista é possível pinçar algumas curiosidades, como a dupla presença de Di Marían e do próprio Neymar.

As 20 negociações mais caras do futebol (em euros)*
1º) 222,0 milhões (2017) – Neymar (Brasil), Barcelona/PSG
2º) 105,0 milhões (2016) – Pogba (França), Juventus/Manchester United

3º) 100,0 milhões (2013) – Gareth Bale (Gales), Tottenham/Real Madrid
4º) 94,0 milhões (2009) – Cristiano Ronaldo (Portugal), M. United/Real Madrid
5º) 90,0 milhões (2016) – Higuaín (Argentina), Napoli/Juventus
6º) 88,2 milhões (2013) – Neymar (Brasil), Santos/Barcelona
7º) 85,0 milhões (2017) – Lukaku (Bélgica), Everton/Manchester United

8º) 81,7 milhões (2014) – Luis Suárez (Uruguai), Liverpool/Barcelona
9º) 75,0 milhões (2014) – James Rodríguez (Colômbia), Monaco/Real Madrid
9º) 75,0 milhões (2014) – Di María (Argentina), Real Madrid/M. United
11º) 74,0 milhões (2015) – De Bruyne (Bélgica), Wolfsburg/Manchester City
12º) 73,5 milhões (2001) – Zidane (França), Juventus/Real Madrid
13º) 70,4 milhões (2017) – Oscar (Brasil), Chelsea/Shanghai SIPG
14º) 69,0 milhões (2009) – Ibrahimovic (Suécia), Internazionale/Barcelona
15º) 65,5 milhões (2017) – Morata (Espanha), Real Madrid/Chelsea

16º) 65,0 milhões (2009) – Kaká (Brasil), Milan/Real Madrid
17º) 64,0 milhões (2013) – Cavani (Uruguai), Napoli/PSG
17º) 64,0 milhões (2016) – Hulk (Brasil), Zenit/Shanghai SIPG
19º) 63,0 milhões (2015) – Di María (Argentina), Manchester United/PSG
20º) 62,6 milhões (2014) – David Luiz (Brasil), Chelsea/PSG

A evolução da transferência recorde (em euros) em 20 anos*
222,0 milhões (2017) – Neymar (Brasil), Barcelona/PSG
105,0 milhões (2016) – Pogba (França), Juventus/Manchester United

100,0 milhões (2013) – Gareth Bale (País de Gales), Tottenham/Real Madrid
94,0 milhões (2009) – Cristiano Ronaldo (Portugal), Man. United/Real Madrid
73,5 milhões (2001) – Zidane (França), Juventus/Real Madrid
62,0 milhões (2000) – Luís Figo (Portugal), Barcelona/Real Madrid
56,6 milhões (2000) – Crespo (Argentina), Parma/Lazio
43,1 milhões (1999) – Christian Vieri (Itália), Lazio/Internazionale
30,4 milhões (1997) – Denilson (Brasil), São Paulo/Bétis

* Valores absolutos na época da transação, sem correção

Diego Souza como Embaixador do Sport na Seleção, com a ajuda de Neymar

Diego Souza na concentração da Seleção Brasileira. Foto: Diego Souza/twitter (@DiegoSouzaDS87)

Convocado para dois jogos pelas Eliminatórias da Copa de 2018, Diego Souza entrou em campo nas duas partidas, mas em apenas onze minutos. À parte disto, esteve com a força máxima do Brasil, exceção feita ao lesionado Gabriel Jesus. Na concentração, na resenha com astros de Barça e Real, o meia do Sport (centroavante para Tite) seguiu o papel de “Embaixador de 87″.

Além de um vídeo exclusivo gravado para os torcedores rubro-negros da embaixada Leões de Sampa, ainda distribuiu camisas oficiais do Leão, enviadas pelo clube, aos colegas mais próximos na Seleção Brasileira. Na publicação em seu perfil no twitter, posou ao lado de Thiago Silva (PSG), Neymar (Barcelona), Paulinho (Guangzhou Evergrande) e Marcelo (Real Madrid), com o número “87″ bem visível através do camisa 10 da canarinha.

Na legenda: “Voltando pro Recife com novos reforços pro meu Leão”

Há dois dias, o blog havia postado sobre a visibilidade de Diego Souza, a partir do rendimento técnico na Seleção. Porém, esta nova visibilidade, em termos de marketing propriamente dito, segue grande, com o atleta alinhado ao Sport. Tal representatividade é importante. Daí, o Embaixador

Os finalistas da Lampions League 2016 na versão Champions League

Lampions League 2016? Atilla Rodrigues (@AtillaSCR)

O apelido Lampions League pegou. E não há qualquer diminuição da Copa do Nordeste com a alcunha, devidamente adotada pelos torcedores e pela imprensa da região, cujo carisma é indiscutível. Daí, a curiosidade sobre os oito times classificados ao mata-mata do regional de 2016 em “versões europeias”, numa montagem que vem circulando na web, feita por Átila Rodrigues. Seja pelo nome do clube, com alguma aproximação na pronúncia, pelas cores ou pela mais pura aleatoriedade. Concorda com a escolha para o seu time?

Bayern de Munique = Bahia
Real Madrid = Ceará
Milan = Sport
CSKA = Campinense
Arsenal = Fortaleza

PSG = Santa Cruz
PSV = CRB
Galatasaray = Salgueiro 

Dos oito clubes citados, seguem na edição 2015/2016 da Champions League o Bayern, Real e PSG, também nas quartas de final. A taça, chamada de orelhuda, é a meta nos dois torneios.

Caso a brincadeira fosse invertida, quais seriam os nomes dos clubes europeus com os times nordestinos?

Quartas de final da Champions League 2016. Crédito: Uefa/twitter

Os clubes mais ricos do mundo, com o Real Madrid dominando há 11 anos

Os 20 clubes mais ricos do mundo em 2014/2015. Fonte: Deloitte

Pela 11ª temporada consecutiva o Real Madrid foi apontado como o clube de futebol de maior faturamento no mundo, somando a bilheteria das partidas no Santiago Bernabéu, os direitos de transmissão (televisão, internet etc) e o comércio de produtos oficiais. Os merengues tiveram uma receita de 577 milhões de euros em 2014/2015, num crescimento de 109% em relação a 2004/2005, quando registrou 275,7 milhões, assumindo a liderança do levantamento feito há 19 anos pela consultoria Deloitte, cujo no estudo foi lançado recentemente. Já o maior rival, o Barcelona, subiu duas posições e chegou à vice-liderança do ranking, deixando claro o significado de “espanholização”, agora em escala global. Completando o pódio, o Manchester United, outrora líder. O maior campeão inglês foi o ponteiro de 1996/1997, no primeiro ano do relatório “Football Money League”, até 2003/2004.

O crescimento dos times mais poderosos vem na curva ascendente sobre a participação do “comércio e marketing”, contemplando patrocínios, produtos licenciados e merchandising. Já é a maior fonte dos cinco primeiros colocados, com expansão internacional das vendas, até no Brasil. Enquanto isso, aqui, a venda de direitos de transmissão na tevê ainda é a maior receita, com alguns clubes tentando alavancar a participação de sócios-torcedores no bolo. Vale ressaltar que essa visão se aplica a uma parcela mínima do futebol brasileiro, presente na elite, pois a maioria (dos 684 clubes profissionais, segundo o Bom Senso FC) ainda vive de renda de jogos, e olhe lá.

Apesar do domínio dos gigantes espanhóis, o destaque também vai para a força da Premier League, com 17 clubes entre os 30 mais ricos do mundo – nenhum time sul-americano, sem surpresa. A divisão mais equânime da receita de televisão na terra da rainha tem um papel fundamental, com a verba chegando a 2 bilhões de euros. Surpresa na atual temporada, o Leicester City está longe de ser um pobre coitado, sendo o 24º mais rico do mundo – na Inglaterra, contudo, é o 12º. A análise geral, com os balanços oficiais, só não levou em conta a receita oriunda da transferência de jogadores e impostos. Convertendo as receitas para a moeda brasileira, doze clubes já ultrapassaram a barreira de R$ 1 bilhão de faturamento anual. Concorrência cada vez mais pesada.

Confira a íntegra do relatório, em inglês, clicando aqui.

1º) Real Madrid (Espanha)
Renda dos jogos: 22% (129,8 milhões de euros)
Comércio/marketing: 43% (247,3)
Direitos de transmissão: 35% (199,9)

2º) Barcelona (Espanha)
Renda dos jogos: 21% (116,9)
Comércio/marketing: 43% (244,1)
Direitos de transmissão: 36% (199,8)

3º) Manchester United (Inglaterra)
Renda dos jogos: 22% (114,0)
Comércio/marketing: 51% (263,9)
Direitos de transmissão: 27% (141,6)

4º) Paris Saint-Germain (França)
Renda dos jogos: 16% (78,0)
Comércio/marketing: 62% (297,0)
Direitos de transmissão: 22% (105,8)

5º) Bayern de Munique (Alemanha)
Renda dos jogos: 19% (89,8)
Comércio/marketing: 59% (278,1)
Direitos de transmissão: 22% (106,1)

Os 10 clubes que mais faturaram com a renda dos jogos na temporada 2014/2015. Crédito: Deloitte

Os 10 clubes que mais faturaram com comércio e marketing na temporada 2014/2015. Crédito: Deloitte

Os 10 clubes que mais faturaram com a venda de direitos de TV na temporada 2014/2015. Crédito: Deloitte

PSG x Santa, empates na França e no Gabão e dois títulos em jogo em 1979

Amistoso, 1979: PSG 1 (4) x (3) 1 Santa Cruz. Foto: Santa Cruz/arquivo

As histórias de Santa Cruz e Paris Saint-Germain se cruzaram duas vezes em 1979, em capítulos marcantes para os dois clubes. Jogos sem vencedores, separados por 5.432 quilômetros. Em Paris, em 1º de abril, o tricolor entrou em campo para manter a escrita da excursão. Após onze jogos, com uma vitoriosa passagem no Oriente Médio, bastava evitar a derrota no último compromisso para se tornar o nono brasileiro a receber a Fita Azul, o título honorário dado pelo antiga CBD aos invictos no exterior. Enfrentaria o PSG, ainda em ascensão, só com um título da segunda divisão. Superior em campo, o clube pernambucano marcou duas vezes com Volnei, mas cedeu o empate em 2 x 2, suficiente para garantir o feito internacional, exclusivo no Recife.

Por causa da Fita Azul, a última da história, a delegação, curiosamente vestida com ternos azuis, foi recebida com muita festa no Aeroporto dos Guararapes, com atestou o Diario de Pernambuco: Povão consagra o Santa Cruz. Veio o Estadual, com os corais voando. Antes do título, com 134 gols em 39 jogos, o clube conseguiu junto à FPF uma pausa de onze dias em julho. Aceitou o convite para disputar um torneio no Gabão, numa inédita presença na África. O quadrangular contou com duas equipes locais e um convidado francês, se alinhando à história da ex-colônia. Quem? O PSG, de novo. Já sem o artilheiro argentino Carlos Bianchi e visando o início da temporada 1979/1980.

No estádio Omar Bongo, na capital Libreville, os favoritos superara os gaboneses. O Santa fez 2 x 1 no Chemanaux e o Paris goleou o Anges Blancs por 7 x 2. Em 15 julho, 35 mil pessoas viram um empate na final do Torneio de Libreville. O tricolor do capitão Givanildo Oliveira marcou com Joãozinho, mas do outro lado havia o atacante Boubacar, que evitou o revés parisiense e nos pênaltis definiu o 4 x 3. Foi a primeira primeira taça internacional do PSG. Apesar da festa, os franceses deixaram o Gabão chateados pelo descaso do embaixador do país, Charles Talar. Por não gostar de futebol, ele não compareceu aos jogos, mesmo com os ministros do Gabão presentes. Política à parte, a taça foi para Paris. Ao Recife, já havia ido a Fita Azul.

Delegação do Santa Cruz na excursão de 1979. Foto: Arquivo pessoal

As quartas de final da Champions League 2014/2015

Quartas de final da Champions League 2014/2015. Crédito: Uefa

A Uefa sorteou na Suíça os confrontos das quartas de final da temporada 2014/2015 da Liga dos Campeões. A principal surpresa após a abertura das bolinhas foi a reedição da última final, com o clássico de Madri entre Real e Atlético. Outros bons duelos estão reservados nesta reta final rumo à final no estádio Olímpico, em Berlim, em 6 de junho.

PSG x Barcelona (15/04, Parque dos Príncipes; 21/04, Camp Nou)
Por mais badalado que seja, o Barça de Messi e Neymar tem um retrospecto equilibrado contra o Paris Saint-Germain nos últimos anos. Nesta mesma edição, se enfrentaram na fase de grupos, com uma vitória para cada lado. Nas quartas de final de 2012/2013, um agregado de 3 x 3, com o time catalão passando no gol fora. Ibra vai ter trabalho.

Atlético de Madri x Real Madrid (14/04, Vicente Calderón; 22/04, Bernabéu)
Após o decacampeonato da Champions, quando se recuperou com um gol aos 48 do segundo tempo, os merengues vêm colecionando insucessos contra o time dirigido por Simeone. Foram seis partidas, entre Supercopa da Espanha, liga nacional e Copa do Rei. Nenhuma vitória do Real. Contudo, o maior clube da capital espanhola segue como o mais técnico. Boa disputa.

Porto x Bayern de Munique (15/04, Estádio do Dragão; 21/04, Allianz Arena)
Os dois times decidiram o título em 1987, quando os portugueses ganharam em Viena, por 2 x 1, conquistando o primeiro de seus dois títulos. Agora, num cenário bem distinto, com uma verdadeira seleção internacional em campo, o Bayern de Guardiola é franco favorito. De todo modo, há a curiosidade de o Porto ser o único invicto nesta edição da Champions. Terá um rival de peso.

Juventus x Monaco (14/04, Turim; 22/04, Principado de Mônaco)
Senhora absoluta na Itália nos últimos anos, a Juve tenta refazer a sua imagem no cenário continental, onde não fatura o maior título desde 1996, com uma série de vices desde então. No sorteio, o time de Tévez teve a melhor opção possível. O Monaco, que apesar da vantagem no primeiro jogo quase cedeu a vaga ao Arsenal, é na visão dos críticos o maior fraco dos remanescentes.

Pitaco dos classificados: Barcelona, Real, Bayern e Juventus (sem zebras?)

Os semifinalistas serão submetidos a um novo sorteio, em 24 de abril.

Sorteio das quartas de final da Champions League 2014/2015. Foto: Site oficial da Uefa

Os clubes mais ricos do mundo, numa evolução de 2004 a 2014

Os 20 clubes mais ricos do mundo em 2013/2014. Fonte: Deloitte

A Deloitte divulgou o seu balanço anual com os clubes mais ricos do mundo. O Real Madrid apareceu mais uma vez no topo do estudo, que considera a soma de bilheteria nas partidas, direitos de tevê e comércio.

Cruzado os dados da última década, o líder do ranking passou de 259 milhões de euros, com o Manchester United em 2003/2004, para 550 milhões, com os merengues em 2013/2014, num incrível crescimento de 112%.

E isso é uma tendência, com os ricos cada vez mais ricos. Para se ter uma ideia, a evolução do 20º colocado, no mesmo período, foi de 71%, passando de 84 para 144 milhões. Um número respeitável, mas já distante do topo.

No montante avaliado não entrou a receita oriunda da transferência de jogadores e impostos. Já a opção “comércio” contempla patrocínios, merchandising e outras pequenas receitas. Por sinal, aí está um interessante em relação aos primeiros colocados – Real, United, Bayern, Barça e PSG -, com  aumento do faturamento com produtos licenciados e patrocinadores. A cifra média já supera a venda de direitos de transmissão na televisão – algo que no Brasil é, disparada, a maior receita.

O relatório Football Money League 2015 enumera todos os balanços oficiais europeus da última temporada. Confira a íntegra, em inglês, clicando aqui.

A evolução das receitas dos clubes mais ricos do mundo em 2013/2014. Fonte: Deloitte

1º) Real Madrid (Espanha)
Renda dos jogos: 21% (113,8)
Comércio/marketing: 42% (231,5)
Direitos de transmissão: 37% (204,2)

2º) Manchester United (Inglaterra)
Renda dos jogos: 25% (129,3)
Comércio/marketing: 44% (226,4)
Direitos de transmissão: 31% (162,3)

3º) Bayern de Munique (Alemanha)
Renda dos jogos: 18% (88,0)
Comércio/marketing: 60% (291,8)
Direitos de transmissão: 22% (107,7)

4º) Barcelona (Espanha)
Renda dos jogos: 24% (116,8)
Comércio/marketing: 38% (185,7)
Direitos de transmissão: 38% (182,1)

5º) Paris Saint-Germain (França)
Renda dos jogos: 13% (63,1)
Comércio/marketing: 69% (327,7)
Direitos de transmissão: 18% (83,4)

A evolução das receitas dos clubes mais ricos do mundo em 2013/2014. Fonte: Deloitte

Luís Figo define as quartas de final da Champions League

Quartas de final da Liga dos Campeões da Uefa 2013/2014. Crédito: Uefa/divulgação

O chaveamento pré-definido foi encerrado na Liga dos Campeões da Uefa no ano passado. Desde então, cada fase passa por um novo sorteio, das oitavas à semifinal. Nesta sexta, a entidade europeia escolheu na Suíça os duelos das quartas de final da edição 2013/2014, reunindo a nata do continente.

Entre as bolinhas selecionadas pelo português Luís Figo – eleito pela Fifa como o melhor jogador do mundo em 2001 -, destaque para outro Real x Borussia, após as partidas antológicas no ano passado, e a reedição da eterna final de 1999, entre Manchester United e Bayerm.

A final será em 24 de maio, no Estádio da Luz, em Lisboa.

Qual é a sua opinião sobre os possíveis classificados à semi da Champions?

Barcelona x Atlético de Madri (1 e 9 de abril)
Após muito fora da briga pelo título espanhol – não é campeão desde 1996 -, o Atlético segue taco a taco com os gigantes Barça e Real. Agora, numa disputa paralela terá justamente um dos dois. A grande fase do brasileiro Diego Costa anima a torcida madrileña. No Camp Nou, o time de Martino vai melhorando no embalo de Messi, voltando à velha forma. E ainda tem Neymar por perto…

Real Madrid x Borussia Dortmund (2 e 8 de abril)
O Borussia avançou à decisão na última Champions em pleno Santiago Bernabéu. A vaga veio praticamente no primeiro jogo, no 4 x 1, com Lewandowski marcando todos os gols da equipe de Dortmund. Desta vez, o Real Madrid parece bem mais capacitado, equilibrado e com Cristiano Ronaldo ainda em melhor forma. O time merengue é o favorito.

Paris Saint-Germain x Chelsea (2 e 8 de abril)
O duelo dos novos ricos. O processo em Londres é mais antigo, é verdade, com o dinheiro sendo injetado pelo russo Roman Abramovich desde 2003. Em Paris, os milhões surgiram em 2011, através do catariano Nasser Al-Khelaifi. Estrelas nos dois lados, com destaque para Ibrahimovic. O Chelsea já realizou o sonho de erguer a Champions. É a aula necessária para o PSG…

Manchester United x Bayern de Munique (1 e 9 de abril)
O título inglês há quinze anos, numa virada com os gols aos 46 e 47 minutos do segundo tempo, ainda assombra Munique. O poderoso clube da Baviera conquistou a Europa duas vezes desde então, e até eliminou o United em 2001 e 2010. Apesar disso, segue com vontade de “passar por cima”. Tem a chance, pois o time de David Moyes é de uma irregularidade impressionante.

Pitacos do blog: Barcelona, Real Madrid, PSG e Bayern de Munique.

Sorteio das quartas de final da Liga dos Campeões da Uefa 2013/2014. Crédito: Uefa/divulgação

Reta final da Champions League somente na base do sorteio

Quartas de final da Liga dos Campeões da Uefa 2013. Crédito: Uefa/divulgação

A Uefa resolveu acabar com o chaveamento pré-definido do mata-matas nos seus torneios interclubes. Assim, nada de caminho certo até a decisão. A cada fase, um novo sorteio, com as velhas bolinhas. Foi assim nas oitavas. Agora nas quartas e será posteriormente nas semifinais.

Nesta sexta, no sorteio que definiu os confrontos com as oito equipes restantes na Liga dos Campeões da temporada 2012/2013, destaque para dois jogos, PSG x Barça e Bayern x Juventus, um choque de gigantes.

A final será em 25 de maio, no estádio de Wembley. Saiba mais aqui.

Qual é a sua opinião sobre os possíveis classificados à semi da Champions?

Málaga x Borussia Dortmund
O time espanhol vem surpreendendo nos últimos anos. Em 2012 foi quarto lugar na liga nacional, posição que mantém nesta temporada, passadas 27 rodadas. Ao eliminar o Porto com autoridade, encara agora o tradicional Borussia, atual bicampeão alemão, campeão europeu em 1997 e dono da maior média de público do mundo, com 80 mil pessoas. Ainda é possível surpreender?

Real Madrid x Galatasaray
Enfim, os Galáticos passaram a mostrar um grande futebol. Com o técnico José Mourinho contornando as rugas no elenco estelas, o Real volta a sonhar com “la decima”, o deca europeu. O time de Cristiano Ronaldo, atacante em grande fase, enfrentará o endinheirado clube turco, que chocou os investidores ao fechar com Drogba e Sneijder. Nas oitavas, tirou o Schalke na Alemanha.

Paris Saint-Germain x Barcelona
Ibrahimovic e Lucas no Parque dos Príncipes. Messi, Iniesta, Xavi e cia no Camp Nou. No papel, um duelo interessante, técnico. O PSG foi o melhor da 1ª fase. Nas oitavas, não sofreu diante do Valencia. Já o Barça, com o assistente técnico do ex-assistente técnico capengava na Champions até a última apresentação, quando destruiu o Milan por 4 x 0. Recuperou o favoritismo em 90 minutos.

Bayern de Munique x Juventus
Ambos com títulos europeus, mas com lembranças de “quase” em outras tantas temporadas. Em sete finais, a Velha Senhora foi vice em cinco! Já o Bayern, líder disparado da Bundesliga, foi duas vezes vice-campeão do torneio nos últimos três anos. Na última temporada, revés na Allianz. O Bayern é um time extremamente técnico. A Juve abusa da eficiência. A tradição equilibra no duelo.

Sorteio das quartas de final da Liga dos Campeões da Uefa 2013. Crédito: Uefa/divulgação