O mata-mata da Copa América Centenário

Quartas de final da Copa América de 2016. Crédito: Conmebol/twitter

A primeira fase da Copa América Centenário teve 24 partidas, com a pujante média de 41 mil torcedores. A maior surpresa foi negativa, a eliminação precoce do Brasil em um grupo com Equador, Peru e Haiti. A Seleção, aliás, só conseguiu vencer a fraquíssima equipe haitiana. A campanha ridícula – foi a primeira vez que o país não ficou entre os oito melhores em 35 participações – resultou na saída de Dunga do comando técnico. Já a outra favorita de sempre, a Argentina, cumpriu bem o seu papel, ganhando os três jogos. Entre os 16 participantes, apenas os hermanos conseguiram a campanha perfeita.

O torneio especial de 2016, nos Estados Unidos, correspondendo à 45ª edição da história, já tem o mata-mata definido. Grandes nomes do futebol seguem na disputa, como Lionel Messi, James Rodríguez, Arturo Vidal, Di María, Guerrero, Agüero, Alexis Sánchez, Chicharito. Afunilando cada vez mais, até a decisão no Metlife, em Nova Jersey, no dia 26 de junho.

Estados Unidos/Equador x Argentina/Venezuela
Peru/Colômbia x México/Chile

Pitacos para a semifinal?
Para o blog, EUA x Argentina e Colômbia x Chile…

Entre os oito classificados, o número de semifinais/participações (1916-2015):
Argentina – 33 semifinais/40 participações (82,5%), com 14 títulos
Chile – 20/33 (60,6%), com 1 título
Peru – 15/30 (50,0%), com 1 título
Colômbia – 7/20 (35,0%), com 1 título
México – 5/9 (55,5%), com 2 vices
Equador – 2/26 (7,6%)
Estados Unidos – 1/3 (33,3%)
Venezuela – 1/16 (6,2%)

Enquete – A torcida pernambucana na final da Taça Libertadores de 2015

Final da Libertadores 2015: River Plate x Tigres. Imagem: Conmebol

Adversários na fase de grupos, River Plate e Tigres se enfrentam na grande decisão da Taça Libertadores da América de 2015, em sua 56ª edição. Até agora, no torneio, foram três empates. Enquanto o Millonario busca o seu terceiro título, acabando com um jejum desde 1996, o time mexicano busca a primeiro conquista para o país, convidado pela Conmebol a partir de 1998.

A final no Monumental de Nuñez, com 60 mil pessoas, será no dia 5 de agosto.

Após o placar em branco no jogo de ida, qualquer vitória garante o título em Buenos Aires. Na decisão não há a regra do “gol qualificado”, fora de casa. Ou seja, em caso de igualdade, prorrogação. Novo empate, pênaltis.

Vamos à enquete com a preferência dos pernambucanos sobre o campeão…

Obs. Como o Tigres já convidado, o River Plate, mesmo que seja vice-campeão continental, já está garantido no Mundial de Clubes da Fifa.

Qual clube será o campeão da Libertadores de 2015?

  • Rubro-negro - River Plate (35%, 121 Votes)
  • Rubro-negro - Tigres (21%, 73 Votes)
  • Tricolor - River Plate (21%, 72 Votes)
  • Alvirrubro - River Plate (11%, 39 Votes)
  • Tricolor - Tigres (9%, 30 Votes)
  • Alvirrubro - Tigres (3%, 13 Votes)

Total Voters: 346

Loading ... Loading ...

Os patrocinadores das ligas nacionais das Américas, com a força bancária no país

Patrocinadores da Série A em 2014. Crédito: paladarnegro.net

Os bancos dominam as principais cotas de patrocínio do Brasileirão.

Dos vinte clubes desta temporada, doze contam com bancos como patrocinador master. São oito com a Caixa Econômica Federal, dois (mineiros) com o BMG e dois (gaúchos) com o Banrisul.

Considerando as sete principais ligas nacionais de futebol das Américas, este é o maior índice de um segmento de patrocínio na elite.

Nessa lista está o Sport, cujo contrato de R$ 6 milhões/ano começou a vigorar em 2014. Se agora a Caixa domina o cenário, em 2011 era o BMG, que chegou a ter dez clubes na Série A. O que não muda a predominância recente do setor.

O ramo bancário alcança também o segundo maior índice, registrado na vizinha Argentina, com oito clubes distribuídos em seis agências diferentes.

O levantamento do site Paladar Negro mostra uma clara influência econômica e social de cada país nos acordos com investidores. O mercado mais diversificado no quesito é o México, com dez tipos entre os 18 times participantes.

Confira a lista completa de patrocinadores das ligas americanas aqui.

Os patrocinadores das principais ligas de futebol da América. Crédito: paladarnegro.net

Borderô lotado e estádio nem tanto. Pernambucano? Copa do Mundo

A expectativa da Fifa apontava plena ocupação dos estádios brasileiros nos 64 jogos da Copa do Mundo de 2014, com 3.334.524 pessoas presentes, o que proporcionaria numa média de 52.101 espectadores.

Nesta conta estão treze categorias de público, incluindo torcida geral, cortesias, os caríssimos pacotes de hospitalidade, jornalistas credenciados etc. Numa balanço nos dois primeiros dias do Mundial, os espaços vagos estão visíveis nas transmissões na televisão…

É curioso constatar isso levando em conta os ingressos esgotados para os respectivos jogos. Há de se considerar a capacidade reduzida pela Fifa nas doze arenas por questão de segurança (veja aqui).

Ainda assim, números curiosos. Dos quatro jogos analisados, dois passaram da ocupação máxima projetada, mesmo com os clarões na arquibancada.

Públicos oficiais dissociados do visual… Esse modus operandi não é novo.

Brasil 3 x 1 Croácia – Itaquerão (62.103 pessoas)
Capacidade máxima: 67.349
Capacidade na Copa: 59.955
Ocupação na estreia: 103,58%

Estatística do jogo Brasil 3x1 Croácia na Copa do Mundo de 2014. Crédito: Kevin Cox/Getty Images/Fifa

México 1 x 0 Camarões – Arena das Dunas (39.216 pessoas)
Capacidade máxima: 44.070
Capacidade na Copa: 39.305
Ocupação na estreia: 99,77%

Giovani dos Santos, craque da partida México 1x0 Camarões, na Copa do Mundo de 2014. Crédito: Mike Hewitt/Getty Images/Fifa

Espanha 1 x 5 Holanda – Fonte Nova (48.173 pessoas)
Capacidade máxima: 54.907
Capacidade na Copa: 49.280
Ocupação na estreia: 97,75%

Copa do Mundo de 2014, fase de grupos: Espanha 1 x 5 Holanda. Foto: Jeff Gross/Getty Images/Fifa

Chile 3 x 1 Austrália – Arena Pantanal (40.275 pessoas)
Capacidade máxima: 44.335
Capacidade na Copa: 39.553
Ocupação na estreia: 101,82%

Copa do Mudo de 2014, fase de grupos: Chile x Austrália. Foto: Clive Mason/Getty Images/Fifa)

Os dois lados da Fan Fest e a complicada festa bancada com apenas um telão

Fan Fest do Recife para o jogo México 1x0 Camarões. Foto: Júlio Jacobina/DP/D.A Press

A realização da Fan Fest no Recife foi cercada de polêmica.

Indo de encontro ao acordo assinado há tempos, a prefeitura do Recife decidiu não investir no projeto, intimamente atrelado ao Mundial.

Em vez de shows programados, como nos palcos das outras subsedes, ficou apenas a exibição das 64 partidas da Copa do Mundo de 2014.

Na abertura, um bom público compareceu no Cais da Alfândega para o jogo entre brasileiros e croatas. Por si só, a Seleção é uma atração.

No dia seguinte, na partida entre Camarões e México, um público irrisório.

Alguns mexicanos – dos milhares esperados na cidade – e um camaronês.

Transformar um telão na única atração da Fan fest não será tarefa fácil…

Fan Fest do Recife para o jogo Brasil 3x1 Croácia. Foto: Renato Barro (twitter.com/renatorbarros)

O artilheiro mexicano impedido pela Fifa, mas eleito pela torcida o craque do jogo

Copa do Mundo 2014, fase de grupos: México 1x0 Camarões. Foto: Matthias Hangst/Getty Images

Giovani dos Santos viveu um dia inesquecível na Copa, para o bem e para o mal.

Numa estreia com mais de 13 mil mexicanos na Arena das Dunas, debaixo de um temporal, o camisa 10 vibrou com a vitória sobre Camarões.

Uma partioda bem disputada, num gramado impecável apesar da chuva, com muitas chances de gol e, como de praxe, erros de arbitragem.

O gol de Peralta foi legal, o suficiente para a vitória do México por 1 x 0.

Caso a regra tivesse sido bem aplicada, o representante da Concacaf teria goleado os africanos, puxados por Eto´o.

Giovani dos Santos, craque da partida México 1x0 Camarões, na Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa

No primeiro tempo, o assistente colombiano Humberto Clavijo levantou a bandeira duas vezes, de uma miopia e falta de conhecimento da regra incríveis!

Nos dois lances, Giovani dos Santos concluiu cruzamentos com perfeição para as redes. Viu seus dois gols serem mal anulados.

É cedo, mas ao menos por um dia, o atacante do Villarreal seria o artilheiro da Copa, ao lado de Neymar, futuro adversário no grupo A.

No fim da partida, a torcida global reconheceu o seu desempenho à vera.

Foi eleito o craque do jogo, em votação oficial na Fifa… Mesmo sem os gols.

Copa do Mundo 2014, fase de grupos: México 1x0 Camarões. Foto: Miguel Tovar/Getty Image

Investimento de R$ 23 milhões nos CTs até a Copa, com ou sem seleções

Centro de treinamento Wilson Campos, do Náutico, em junho de 2014. Fotos: Site Oficial do CT/facebook

O investimento de alvirrubros e rubro-negros em seus centros de treinamento nas últimas três temporadas passa de R$ 23 milhões.

Num aparelhamento paulatino desde 1999, o Centro de Treinamento Wilson Campos, na Guabiraba, recebeu R$ 7 milhões no período. Partindo quase do zero, o Centro de Treinamento José de Andrade Médicis, em Paratibe, recebeu um aporte de R$ 16 milhões.

Campos com dimensões 105m x 68m, estrutura para atletas, com sala de musculação, alojamentos, refeitórios, piscinas e áreas médicas, e imprensa, com sala de conferência e centro de mídia.

Até verba da prefeitura do Recife entrou na história, com a pavimentação dos acessos e o sistema de iluminação de um gramado em cada CT.

O objetivo dos clubes era – além de oferecer o que há de mais moderno aos seus próprios atletas – receber bem as seleções durante o Mundial de 2014.

A agenda estava fechada:
CT do Náutico: Costa do Marfim, Itália, Croácia e Estados Unidos.
CT do Sport: Japão, Costa Rica, México e Alemanha

No entanto, o estado  – que já não recebeu delegação alguma na fase de treinamento pré-Copa – poderá ver os países apenas no treino oficial na Arena Pernambuco, na véspera das respectivas partidas.

As portas estão abertas para a Copa do Mundo, mas talvez sem inquilinos. Independentemente disso, o legado é real e isso é o mais importante.

Centro de Treinamento José de Andrade Médicis, do Sport, em junho de 2014. Fotos: CT do Sport/facebook

O Grande Recife, segundo a Fifa

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

Prédios, casario histórico, praias, cultura…

A capital do estado foi sintetizada pela Fifa em um vídeo de 1 minuto e 42 segundos para a Copa do Mundo de 2014.

O vídeo será reproduzido antes da transmissão mundial na televisão de todos os jogos na Arena Pernambuco.

O filme faz um passeio no Grande Recife, focando, sem surpresa, as áreas mais desenvolvidas da metrópole de quase quatro milhões de habitantes. O vídeo ficou bonito, atrativo, mas sem qualquer resquício dos nosso problemas, o que tornando a peça em um ensaio da realidade. Se bem que o seu papel é claro, publicitário.

O blog registrou uma seleção com 11 imagens do “World Cup Host City: Recife”.

Vale lembrar que são esperados 119 mil turistas estrangeiros no estado durante o Mundial, com cinco jogos agendados em São Lourenço.

Para assistir ao vídeo, clique aqui.

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

O Grande Recife no vídeo oficial da subsede para a Copa do Mundo de 2014. Crédito: Fifa/youtube

A origem do público na Arena Pernambuco no Mundial, jogo a jogo

As cinco partidas na Arena Pernambuco na Copa do Mundo de 2014 receberão 203.025 pessoas. A imensa maioria será formada por estrangeiros, 59%.

Confira então a origem do público jogo a jogo, em dados oficiais, sendo quatro na fase de grupos e um nas oitavas de final. Tanto na divisão entre as pessoas que adquiriram bilhetes na região metropolitana do Recife quanto no exterior.

Teoricamente, o número de pessoas presentes poderia ser até maior. Contudo, por questões de segurança, numa exigência da Fifa, a capacidade do estádio em São Lourenço da Mata caiu de 46.215 para 40.605 espectadores.

14/06 (22h) – Costa do Marfim x Japão

Origem dos torcedores na Arena Pernambuco

20/06 (13h) – Itália x Costa Rica

Origem dos torcedores na Arena Pernambuco

23/06 (17h) – Croácia x México

Origem dos torcedores na Arena Pernambuco

26/06 (13h) – Estados Unidos x Alemanha

Origem dos torcedores na Arena Pernambuco

29/06 (17h) – Oitavas de final (1D x 2C)

Origem dos torcedores na Arena Pernambuco

A origem dos ingressos da Copa para os jogos em Pernambuco. A maioria é gringa

Divisão dos torcedores na Copa das Confederações. Crédito: Secopa/PE

Apenas 40 mil ingressos, de um total de 200 mil, foram vendidos para recifenses, considerando os cinco jogos do Mundial na Arena Pernambuco.

O dado corresponde a 20% de todos os bilhetes colocados à disposição pela Fifa em São Lourenço da Mata. O número foi informado de forma oficial pelo secretário extraordinário da Copa no estado, Ricardo Leitão.

A quantidade de entradas à disposição é menor que a capacidade máxima do empreendimento, devido às questões de segurança exigidas pela Fifa para o evento de 2014. A arena local, por exemplo, caiu de 46.214 para 40.605 assentos, totalizando 203.025 pessoas presentes.

Obviamente, uma mesma pessoa pode comprar mais de um ingresso. Mas, contando o número absolutos, vamos aos ingressos por região:

Recife – 40.605
Litoral Sul – 5.075
Litoral Norte – 4.060
Zona Oeste – 1.015
Interior – 7.105
Outros estados – 25.378
Estrangeiros – 119.784

Pois é. Quase 60% dos ingressos locais para a Copa de 2014 foram parar nas mãos dos gringos, a grande maioria formada por norte-americanos.

Em 2013, na Copa das Confederações, foram apenas 4.084 estrangeiros…