Os planos de gestão dos presidenciáveis do Santa Cruz para o triênio 2018-2020

Os sócios do Santa Cruz vão escolher o presidente do clube para o triênio 2018-2020 em 5 de dezembro. Há a expectativa sobre sobre o número de eleitores, podendo chegar a dois mil votos – no clube, a maior marca é de 1.787, estabelecida no último bate-chapa, em 2012. Pela primeira vez no Arruda, três candidatos na disputa. Na situação, Constantino Júnior encabeça a chapa após a desistência de Antônio Luiz Neto, por problemas de saúde. O dirigente esteve envolvido diretamente nos cinco títulos estaduais desde 2011 e nos acessos, assim como no declínio, com o tricolor de volta à Série C. Por isso, uma eleição aberta, com dois oposicionistas. Fábio Melo, numa ala de renovação, e Albertino dos Anjos, numa dissidência da antiga gestão.

Abaixo, os planos oficiais dos três candidatos, com ideias e metas.

Albertino dos Anjos (Muda Santa Cruz)

Constantino Júnior (Construindo com a Força da União)

Fábio Melo (Santa Cruz do Povo)

Com 4 presidentes em 2016/2017, Náutico termina com o vice do Conselho à frente

Os presidentes do Náutico no biênio 2016/2017: Marcos Freitas, Ivan Brondi, Gustavo Ventura e Ivan Pinto da Rocha. Fotos: DP e Náutico/divulgação

Ao todo, o biênio 2016/2017 do Náutico terá quatro presidentes executivos. Um período marcado por uma soma inacreditável de erros, com investimentos ruins, seguidas mudanças na direção de futebol e resultados catastróficos no futebol. Certamente, é um dos momentos políticos mais turbulentos da história timbu. Começando pela eleição, com uma corrente política ganhando o executivo (Marcos Freitas presidente, Ivan Brondi vice) e outra levando o conselho deliberativo (Gustavo Ventura presidente, Ivan Pinto da Rocha vice). Faz parte da democracia e das regras alvirrubras. Contudo, com a extrema paixão (e vaidade) envolvida, o resultado passou longe de dar certo.

Começou com Marcos Freitas, que venceu a eleição mais acirrada do futebol pernambucano, com 10 votos de diferença num universo de 1.544 válidos. Perto de completar um ano, renunciou ao mandato, quando já estava afastado por problemas de saúda. Entrou Ivan Brondi, hexacampeão como jogador e um dos responsáveis pelo início da estruturação do centro de treinamento. Após quase conseguir o acesso à Série A, Brondi acabou criticado pelo trabalho no Estadual, quando permitiu uma folha impagável de R$ 1 milhão. Após um lamentável episódio de tentativa de agressão, abdicou da função.

Então, chegou a vez dos conselheiros. Começou com Ventura, remanescente do MTA, do biênio 2014/2015. Após menos de dois meses, com o time quase rebaixado à terceira divisão, pediu licença devido a compromissos de trabalho. E aí o clube caiu no colo do advogado Ivan Pinto da Rocha, que há dois anos dificilmente imaginaria essa situação. Mas a fila andou. Em tese, só voltará a andar em 4 de janeiro de 2018, na posse de Edno Melo, o mesmo candidato derrotado por apenas dez votos em 15 de dezembro de 2015…

Presidentes do Náutico no biênio 2016/2017
04/01/2016 a 15/12/2016 – Marcos Freitas (347 dias)
16/12/2016 a 29/08/2017 – Ivan Brondi (257 dias)
30/08/2017 a 25/10/2017 – Gustavo Ventura (57 dias)
26/10/2017 a 03/01/2018 – Ivan Pinto da Rocha (70 dias)

Renúncias dos presidentes alvirrubros em 20 anos
04/1997 – Márcio Borba, desgaste político
12/2000 – Fred Oliveira, desgaste político
01/2003 – Sérgio Aquino, acordo político*
12/2016 – Marcos Freitas, por problemas de saúde
08/2017 – Ivan Brondi, após sofrer ameaças
* Para o biênio 2002/2003, ficou acertado que Sérgio Aquino presidiria o primeiro ano e Eduardo Araújo o segundo

Gustavo Ventura, presidente do Náutico em 2017, e Edno Melo, presidente eleito para 2018. Foto: Léo Lemos/Náutico (@nauticope)

Planilha de propina da Odebrecht traçou paralelo entre partidos políticos e clubes

Os partidos como "clubes" na delação da Odebrecht. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A delação de ex-executivos da Odebrecht abalou a república, com a abertura de inquérito contra 98 pessoas, incluindo 3 ex-presidentes, 3 governadores, 8 ministros, 24 senadores e 39 deputados federais. A lista de Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal e relator da Operação Lava-Jato, apresenta denúncias sobretudo de doações ilegais em campanhas, no chamado “Caixa 2″. Na planilha da empreiteira, que tinha um departamento apenas para operar a milionária propina em Brasília, os políticos e seus partidos foram detalhados como jogadores e clubes de futebol.

O jornal O Globo trouxe a estrutura de codinomes, a partir do depoimento de Luiz Eduardo Soares, ex-diretor da Odebrecht. Ao todo, 18 clubes serviram como apelidos para os partidos políticos envolvidos, incluindo o Trio de Ferro, com Náutico (Partido Social Cristão), Santa Cruz (Partido Republicano da Ordem Social) e Sport (Partido Socialista Brasileiro). Caso um parlamentar não tivesse o partido definido, entrava como ABC de Natal. Mais. O cargo político de cada um teve um paralelo traçado com a posição em campo.

Goleiro = base partidária
Zagueiro = deputado estadual
Volante = deputado federal
Meia = governador
Ponta = senador
Centroavante = presidente

Por fim, o “valor do passe”, que era o valor da doação ilegal. Parece até piada, mas esse esquema aí, com 78 delações premiadas, incluindo o presidente da construtora, revelou um desvio de recursos jamais visto no país…

Leia o post sobre a delação apontando fraude na licitação da Arena PE aqui.

Os times dos candidatos a prefeito do Recife, com Náutico, Santa, Sport e FPF

Os candidatos a prefeito do Recife em 2016. Fotos: Diario de Pernambuco

Os oito candidatos a prefeito do Recife torcem para o futebol pernambucano, ainda que um deles seja mais genérico. Enquanto Náutico, Santa e Sport dividem as atenções de sete postulantes, Carlos Augusto, do Partido Verde, diz “torcer pelo futebol pernambucano”, considerando as participações locais em campeonatos nacionais. Como em 2014, na eleição para governador, o blog lista as preferências clubísticas dos candidatos à principal disputa local em 2016.

Com três nomes entre os inscritos, o Timbu é o mais presente. Inclusive é o time do coração dos últimos dois prefeitos, João da Costa e Geraldo Júlio, que busca a reeleição. Já corais e leoninos dividem os partidos de esquerda, com dois candidatos cada um. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, o Recife tem 1.119.271 eleitores, que definirão o mandato de 2017 a 2020. Votação agendada para 2 de outubro, com o segundo turno, caso necessário, no dia 30.

Obviamente, trata-se de mera curiosidade. Vá pela proposta de cada um…

Os times dos candidatos a prefeito de 2016
Carlos Augusto (PV) – futebol pernambucano
Carlos Pantaleão (PCO) – Sport
Daniel Coelho (PSDB) – Náutico
Edílson Silva (PSOL) – Santa Cruz
Geraldo Júlio (PSB) – Náutico
João Paulo (PT) – Sport
Priscila Krause (DEM) – Náutico
Simone Fontana (PSTU) – Santa Cruz

Os times dos prefeitos do Recife nos últimos 27 anos
1990/1992 – Gilberto Marques (PFL) – Sport
1993/1996 – Jarbas Vasconcelos (PMDB) – Sport
1997/2000 – Roberto Magalhães (PFL) – Sport
2001/2008 – João Paulo (PT) – Sport
2009/2012 – João da Costa (PT) – Náutico
2013/2016 – Geraldo Júlio (PSB) – Náutico

Confira os times dos últimos candidatos a governador clicando aqui.

Zico consegue o primeiro abraço rumo à Fifa. E começou logo com Del Nero…

Zico e Marco Polo del Nero, na CBF. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

A administração da CBF está em xeque desde as investigações do FBI, em maio de 2015, com a prisão de oito dirigentes da Fifa, incluindo o ex-presidente da confederação brasileira de futebol, José Maria Marin. A partir daí, o presidente da entidade, Marco Polo Del Nero, se afastou das convenções internacionais, como a Copa América, no Chile, e o comitê executivo da Fifa, na Suíça. O temor seria a continuidade da ação da Federal Bureau of Investigation, por mais que o brasileiro desconverse, alegando a “preocupação com a CPI do futebol”.

Politicamente em baixa, Del Nero chegou ao ponto de oferecer mais autonomia aos clubes nos arbitrais das próximas edições da Série A, em troca de apoio. Por tudo isso, atrelar uma imagem a esta CBF, neste momento, talvez não seja a melhor das ideias. Daí, a incredulidade sobre a atitude de Zico, em busca de respaldo para a sua candidatura à presidência da Fifa. Ignorou por completo o cenário e abraçou Del Nero para conseguir ao menos uma das cinco assinaturas de federações nacionais, o mínimo para oficializar o seu pleito.

Naturalmente, Del Nero aceitou de bom grado a visita (sobretudo politicamente).

“Zico tem o nosso apoio para viabilizar a candidatura. Se ele conseguir as outras quatro assinaturas, a CBF vai endossar o seu pleito. Falei com o Napout (presidente da Conmebol) que temos um brasileiro ilustre com a intenção de concorrer ao cargo de presidente da Fifa. Em condições regulares para entrar na eleição, Zico terá o endosso da CBF”.

Com a garantia da assinatura, Zico saiu satisfeito da sede da CBF, no Rio.

“Fiquei feliz com a resposta. Isso é importante porque eu só daria o meu pontapé inicial depois de receber o sinal positivo da CBF”.

As declarações saíram no site da entidade, com o seguinte destaque: “CBF, Zico e Fifa”, deixando claro que a imagem do Galinho foi um bônus inesperado. Jogador brilhante, com mais de 500 gols pelo Flamengo, Zico começa a caminhada da pior forma possível, por mais que o apoio seja “necessário”.

Em mais de um século de história, a Fifa teve apenas oito presidentes. Só um brasileiro, João Havelange, de 1974 a 1998. Ainda assim, este renunciou até ao status de presidente de honra para evitar punições sobre acusações de suborno milionário. Um linha de poder ainda presente, lá e cá. Antes da eleição, em 26 de fevereiro de 2016, será preciso chancelar as candidaturas até 26 de outubro. Até lá, Zico precisará abraçar mais quatro presidentes. Que o ex-craque, já aos 62 anos, não continue ignorando o contexto de cada um em busca do poder.

Aposentando as chuteiras direto para a assembleia, de terno e gravata

Romário, Bebeto, Magrão e Robgol. Fotos: Brenno Costa/DP/D.A Press, Alerj, Twitter e site oficial de Romário

A ideia não é nova, mas continua gerando discussão entre torcedores/eleitores. A mistura literal entre futebol e política, entre gols e votos.

Ex-jogadores e atletas em atividade filiados a partidos. Em alguns casos, surgem num caminho particular, à parte de padrinhos políticos. Em outros, a entrada em uma sigla é articulada sob a leitura de um “puxador de votos”.

Este foi o caso de Magrão, mesmo com contrato vigente com o Sport. O goleiro se filiou ao PSB e deve sair candidato a deputado federal no estado (veja aqui).

O histórico recente é forte. Os tetracampeões Romário e Bebeto foram eleitos deputados federal e estadual, respectivamente, pelo Rio de Janeiro, em 2010.

Enquanto Bebeto, eleito com 28 mil votos, se envolveu mais com a organização do Mundial de 2014, como figurante no conselho do comitê organizador, o Baixinho – que teve 146 mil votos, sendo o 6º mais votado entre 821 candidatos – tornou-se uma voz forte em Brasília, opositora à atual direção da CBF.

Na eleição de 2010 outros nomes dos gramados também se aventuraram nas urnas, como Túlio Maravilha, Vampeta e Ademir da Guia. Não levaram.

Outro caso mais antigo, de 2007, mas com uma ligação mais próxima ao futebol local foi com José Róbson do Nascimento. Mais conhecido como Robgol, o centroavanete passou nos três grandes clubes pernambucanos. Porém, foi eleito deputado estadual no Pará, onde fez sucesso pelo Paysandu.

Robgol cumpriu só um mandato. Posteriormente, em 2011, foi investigado pelo Ministério Público sob a acusação de fraude em contracheques na assembleia.

Inevitavelmente, manchou a carreira mesmo após pendurar as chuteiras. Na política, tão cercada de mistérios no Brasil, essa deve ser uma grande preocupação para os boleiros de terno…

Política encravada no concreto das novas arquibancadas

Obra da Arena Pernambuco em setembro de 2012. Foto: Eduardo Martino/Odebrecht

Pela enésima vez, a Arena Pernambuco ficou em xeque em relação à presença na Copa das Confederações de 2013.

Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa, segue dando indiretas sobre a quantidade de subsedes no “festival de campeões” (em vez de seis estádios, cinco ou até quatro) e o governo do estado segue plenamente otimista sobre o desfecho dessa longa história.

Estrutura de concreto à parte, já com 64% de avanço físico, o capítulo final deve respingar no desejo político de Eduardo Campos em 2014, com a possível disputa pela presidência. Inteligente, o socialista sabe muito bem das consequências possíveis.

A realização dos torneios de 2013 e 2014 na arena a transformaria em um dos principais palcos esportivos do país nesta nova geração. Por outro lado, um ponto de corte na Copa das Confederações resultaria numa munição de grosso calibre para futuros adversários, sobretudo com o investimento extra utilizado para acelerar a obra.

Considerando este ponto e o fato de que na Fifa a política caminha (historicamente) à frente dos dados técnicos, a permanência da Arena Pernambuco – cujo anúncio definitivo será em novembro – é uma verdadeira incógnita, ainda mais após as recentes declarações do governador, fazendo uma leve dissociação de antigos aliados, ainda no poder na esfera federal, e trilhando uma aventura solo na próxima eleição.

Que fique claro, isso é apenas a opinião de quem acompanha todo esse processo, ainda que de fora, há mais de dois anos. E que viu a Arena Pernambuco entrar na lista da Copa das Confederações justamente pela força política local, em sintonia com Brasília.

Dos gramados para o guia eleitoral

Magrão, Elicarlos e Renatinho no guia eleitorial do Recife em 2012. Crédito: Youtube/reprodução

Antes do voto, o debate. Apesar da política, o viés esportivo.

Na abertura da última semana do guia eleitoral na televisão, antes da votação no primeiro turno, três jogadores de futebol dos grandes clubes do Recife participaram da agenda de um candidato a prefeito da capital (assista aqui).

O goleiro Magrão (Sport), o volante Elicarlos (Náutico) e o lateral Renatinho (Santa Cruz) pediram voto, literalmente. Ato que repercutiu rapidamente nas redes sociais.

Uma parte enxerga na presença dos atletas uma forma de transformar torcedores em eleitores. A outra alega que qualquer cidadão poderia participar de um guia, depositando apoio em um candidato, como cantores e apresentadores de televisão, por exemplo.

Paralelamente a isso, a motivação, através de um engajamento político ou via cachê.

O que você acha da presença de um atleta profissional do seu clube no guia eleitoral, sendo eleitor ou não do prefeiturável em questão? Comente.

Um ditado popular diz que futebol, religião e política não se discutem. Pelo visto, isso está longe de ser a realidade. Se discute sim, bastante.

A força não está mais com o torcedor Jedi

Jedi

Lançado através de pequenas canetas direto das arquibancadas, o laser se transformou num péssimo exemplo de comportamento do torcedor nos jogos de futebol do país.

O laser, com a mira apontada quase sempre nos olhos dos jogadores, sobretudo nos goleiros, é prejudicial à saúde. É o ponto fundamental para descaracterizar a ação.

O feixe de luz atravessa a córnea, passando pelo cristalino até atingir à retina. Ou seja, não tem nada de catimba, provocação, rivalidade etc.

O veto, que vinha sendo controlado pela segurança nos estádios, quando um torcedor era identificado praticando a ação, agora deverá aumentar.

O projeto de Lei nº 393/2011 visa proibir o uso de caneta laser (laser point), ou qualquer outro objeto similar, em todos os estádios pernambucanos.

O projeto já foi parcialmente aprovado na Assembleia Legislativa do estado.

A punição ocorreria em dois tempos. Ao ser flagrado na primeira vez, o torcedor receberia uma advertência. Na segunda, multa de até R$ 10 mil… Fim do Jedi.

Laser point

O primeiro drible de Vossa Excelência

Jornal Extra, do Rio de Janeiro, 04/02/2011O jornal carioca Extra mais uma vez trouxe uma capa cômica e digna de elogios. Na manchete, o futevôlei do agora deputado federal Romário, em dia de sessão no Congresso.

A Câmara dos Deputados não estava para peixe na primeira sessão em Brasília. Talvez seja por isso que o recém-empossado deputado federal Romário tenha ido ao Congresso, na capital federal, assinado o ponto e corrido para o aeroporto, onde pegou um voo direto para o Rio. Com o seu uniforme oficial (short e camiseta), o excelentíssimo deputado foi jogar futevôlei na Barra, às 17h.

Campeão do mundo com a Seleção em 1994, ídolo do país e eleito com 146 mil votos, fica a expectativa para que o Baixinho realmente bata o ponto e fique em Brasília.

Veja a capa completa do Extra clicando AQUI.