A classificação dos grupos do Nordestão, com Sport, Santa e Salgueiro nas quartas

A classificação final da fase de grupos do Nordestão 2016. Crédito: Superesportes

A Copa do Nordeste voltou ao calendário oficial da CBF em 2013. Após quatro tentativas, finalmente o futebol pernambucano conseguiu emplacar os seus três representantes nas quartas de final em uma mesma edição. Em 2016, Sport, Santa e Salgueiro avançaram, ganhando de quebra a premiação de R$ 430 mil, para cada. O Leão foi o único a passar como líder, sendo ainda beneficiado pelo empate do CRB, o que lhe rendeu um lugar no “pote 1″ para a composição do mata-mata. Enquanto isso, o Santa precisou aguardar o fim da rodada, devido ao revés na Fonte Nova. Acabou ajudado pelo América de Natal, a única zebra na primeira fase. Campeão nordestino em 1998, o time ficou num empate com o Coruripe. Já o Carcará se faz presente na fase eliminatória pelo segundo ano seguido. Precisava golear e torcer. Deu tudo certo, com festa no Sertão.

O sorteio das quartas de final, com a definição do caminho até a decisão, será na sede da CBF, no Rio, às 15h15 desta quinta-feira. Eis os potes do sorteio:

Pote 1: Bahia, Campinense, Ceará e Sport (todos ex-campeões)
Pote 2: CRB, Salgueiro, Santa Cruz e Fortaleza (nenhum campeão)

Ou seja, há 25% de chance de sair um Clássico das Multidões e 50% de um duelo pernambucano (Sport x Santa ou Sport x Salgueiro). Pitacos?

Os clubes classificados às quartas do Nordestão (2013-2016):

2013
ABC, ASA, Campinense, Ceará, Fortaleza, Santa Cruz, Sport e Vitória

2014
América-RN, Ceará, CRB, CSA, Guarany-CE, Santa Cruz, Sport e Vitória

2015
América-RN, Bahia, Campinense, Ceará, Fortaleza, Salgueiro, Sport e Vitória

2016
Bahia, Campinense, Ceará, CRB, Fortaleza, Salgueiro, Santa Cruz e Sport

Número de classificações às quartas (2013-2016):

4 – Ceará e Sport
3 – Campinense, Fortaleza, Santa Cruz e Vitória
2 – América-RN, Bahia, CRB e Salgueiro
1 – ABC, ASA, CSA e Guarany-CE

Santa perde dos reservas do Bahia, mas sai de Salvador classificado na Lampions

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Bahia x Santa Cruz. Foto: Bahia/site oficial

O Bahia se classificou com 100% de aproveitamento, a melhor campanha na fase de grupos do Nordestão de 2016. Venceu os seis jogos, até quando atuou com os reservas, como nas duas últimas rodadas, já classificado. Encerrando a campanha na chave C, o time enfrentou um Santa que ainda não se encontrou nesta temporada, mas que mesmo assim tinha o empate a seu favor. Visando o mata-mata do campeonato estadual, já em andamento, o técnico Doriva escalou oito reservas no Baêa. A Fonte Nova vazia deixava claro o desinteresse sobre o jogo. E mesmo assim o tricolor baiano venceu o clássico regional.

Enquanto o time de Martelotte seguia apático, com a marcação frouxa no meio-campo e desperdiçando as poucas chances efetivas – como a cabeçada de Grafite aos 7 do segundo tempo -, o adversário foi fatal, numa cabeçada de Zé Roberto no finzinho. Curiosamente, o lateral Allan Vieira marcava o jogador e nem pulou, emulando a cena de domingo, no Clássico das Emoções, no tento de Daniel Morais. Repetição do erro? Recorrente no Arruda. Preocupante.

A derrota coral por 1 x 0 foi o desfecho de uma noite lamentável em Salvador. Na entrevista no intervalo, na beira do campo, Grafa já havia sido sincero: “Nossa, tá muito feio! A gente precisa melhorar.” Não melhorou. Graças aos outros resultados da “superquarta”, o Santa acabou classificado. Vai à fase eliminatória, o que também deve acontecer no Pernambucano, mesmo sem agradar. Sem tanta competitividade, até onde pode chegar? Hoje, parece no limite.

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Bahia x Santa Cruz. Foto: Bahia/site oficial

Sport vence o Botafogo e terá Diego Souza nas quartas do Nordestão

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Sport x Botafogo-PB. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O jogo foi bem mais difícil do que se imaginava. A pressão no Sport por uma vitória sobre o Botafogo era real e durante a noite na Ilha do Retiro chegou a ficar ainda mais tenso. O empate no intervalo, somado à vitória do Fortaleza em Teresina, simplesmente eliminava o Sport da Copa do Nordeste logo na primeira fase. Àquela altura, a torcida lamentava os dois empates contra o River, que deixaram o time, até então tranquilo, em situação complicada na tabela. Mas a vitória veio, mais na base da raça do que na técnica, 3 x 1. Um resultado que garante a inscrição do meia Diego Souza na competição.

O camisa 87, aliás, foi apresentado antes da partida. Precisou torcer pelo resultado positivo, ou ficaria praticamente inoperante até o início do Brasileirão, em maio. Em um camarote, viu o time rubro-negro com três volantes – deve tomar o lugar de um deles – jogar de forma modorrenta durante boa parte do primeiro tempo. Seguiu assim até os 34 minutos, quando começou uma sequência eletrizante. Gol do Sport, com Renê. O Botafogo respondeu com uma bola na trave. No ataque seguinte, Luis Antônio também acertou a trave. E aos 38, o time paraibano enfim mandou para as redes, com Carlinhos.

As vaias no intervalo também significavam apreensão. Com o jogo no Albertão com quinze minutos de atraso, após uma queda de energia, era preciso vencer para não depender de um milagre. Não chegou a tanto, pois o time da casa correspondeu, atuando bem melhor na retomada, com gols de Vinícius Araújo, pegando rebote numa falta de Luis Antônio, e Samuel Xavier, com direito à drible da vaca antes do chute. Passado o susto, o Sport vai ao mata-mata com a obrigação de se impor, indo além dos lampejos. Terá Diego Souza para isso

Copa do Nordeste 2016, 6ª rodada: Sport x Botafogo-PB. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O perfil da torcida no jogo Brasil x Uruguai, na Arena Pernambuco

Dados sobre o público de Brasil x Uruguai, na Arena Pernambuco. Crédito: governo do estado

Foram comercializados 44.739 ingressos para a partida entre Brasil e Uruguai, pelas Eliminatórias da Copa 2018. O perfil do público no clássico continental na Arena Pernambuco é bem distinto em relação aos jogos de futebol no estado. A torcida residente na Região Metropolitana do Recife corresponde a 51%, bem abaixo do usual, próximo a 100%. O interesse do jogo, claro, ultrapassou as fronteiras, até mesmo pelos preços cobrados, de R$ 57,50, para a meia-entrada na arquibancada superior, a R$ 300, o valor unitário do camarote.

As capitais mais próximas (João Pessoa, Maceió e Natal) também fizeram parte do bolo, tomando boa parte dos 16% de bilhetes destinados aos demais nordestinos. Para completar, a hinchada uruguaia. As entradas foram vendidas pela própria AUF (a “CBF” dos hermanos), chegando a dois mil interessados. Por sinal, o quadro divulgado pela secretaria de turismo do estado mostra que os estrangeiros poderão injetar até R$ 4 milhões na economia local.

Formado pelas classes A e B, o público presente no duelo entre Neymar e Suárez é semelhante ao do último Mundial. Em 2014, os cinco jogos no estádio receberam 203.025 pessoas, com 59% do público formado por estrangeiros. Na ocasião, os pernambucanos corresponderam a 28,5% do total, sendo 20% no Grande Recife. O jogo pode ser até aqui, não necessariamente o público…

A divisão dos 44.739 ingressos em Brasil x Uruguai
Grande Recife – 51% (22.816)
Outros* – 23% (10.289)
Nordeste (RN, AL e PB) – 16% (7.158)
Interior de PE – 5% (2.236)
Uruguai – 5% (2.236)
*Origem nacional desconhecida pela CBF

Dados sobre o público de Brasil x Uruguai, na Arena Pernambuco. Crédito: governo do estado