Contra o Aedes Aegypti, CBF distribui repelente em Brasil x Uruguai, na Arena

Arena Pernambuco

A partida entre Brasil e Uruguai, na Arena Pernambuco, terá 44.739 torcedores, um recorde, com a carga esgotada com antecedência. O jogo válido pelas Eliminatórias vem sendo tratado com cuidado pelos organizadores, com inúmeras secretarias estaduais envolvidas, até a de saúde. Com o estado sendo o local no país com mais notificações de casos envolvendo os três vírus transmitidos pelo mosquito aedes aegypti – o zika, a febre chikungunya e a dengue -, a multidão receberá uma atenção especial (e curiosa).

A CBF, através de um patrocinador, irá distribuir 100 mil sachês de repelente, da marca Cimed, dentro e fora do estádio em São Lourenço, além de panfletos para evitar a proliferação do mosquito. A ação faz parte da campanha “Xô, inseto”. Ainda que a confederação brasileira tenha negado, especula-se que a Canarinha não treinará no Recife por temer esse quadro. O centro de treinamento do Sport, em Paratibe, numa área tão isolada quanto a arena, já havia sido solicitado, mas direção mudou a programação oficial da Seleção.

O time de Neymar e companhia chegará na capital às 14h do dia 24 de março, fazendo um treino de reconhecimento da arena à noite, às 19h. No dia seguinte, a data do clássico, o voo para Porto Alegre será apenas duas horas após o apito final. Ao todo, a Seleção só ficará 36 horas no Recife. Correndo do Aedes…

Podcast 45 (226º) – Santa e Náutico sem TV na Copa e dança no CT do Sport

O 45 minutos analisou as estreias de Santa e Náutico na Copa do Brasil. Não tecnicamente, pois os jogos não foram transmitidos na televisão. E aí sim entrou a pauta, pois ambos estavam na grade original, segundo a tabela da CBF. Analisamos os motivos e as consequências, além das articulações de cada um sobre a transmissão do Brasileirão a partir de 2015. Claro, projetamos o Clássico das Emoções de domingo, pelo Estadual. Também entrou na discussão o polêmico vídeo com dois jovens da base do Sport dançando no CT.

Confira um infográfico com a pauta do programa aqui.

Neste podcast, com 1h21, estive ao lado de Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça agora ou quando quiser!

Náutico empata na Bahia e adia para o seu aniversário a luta pela cota de R$ 300 mil

Copa do Brasil 2016, 1ª rodada: Vitória da Conquista 0x0 Náutico. Foto: ELIEZER OLIVEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O Náutico empatou sem gols com o Vitória da Conquista, em seu primeiro jogo oficial no ano à parte do Estadual. No interior baiano, Dal Pozzo contou com força máxima, com o objetivo de obter a classificação antecipada na Copa do Brasil, mas acabou vendo um jogo equilibrado, justificando a campanha do rival no Nordestão (10 pontos em 5 jogos). Além de não furar o bloqueio – tendo leve vantagem na etapa complementar -, perdeu Caíque e Niel para o Clássico das Emoções, domingo. Mais problemas para um elenco enxuto, no limite técnico.

Voltando à copa, o 0 x 0 forçou o jogo de volta na arena, em 7 de abril, logo no 115º aniversário do Alvirrubro. Ao menos a partida acontecerá antes da fase decisiva do torneio local. Digo isso porque o foco (financeiro) é considerável. Por participar da Copa do Brasil, cuja vaga só foi carimbada em dezembro, após a divulgação do ranking da CBF, o Timbu já embolsou R$ 240 mil. Caso elimine o Vitória, confronto no qual é tido como favorito, ganhará mais R$ 300 mil.

E assim vai fomentando o orçamento para o segundo semestre, rumo ao acesso – ainda mais agora, onde já tem da Rede Globo a garantia de uma cota de R$ 26 milhões em 2017, caso suba. Para completar, a classificação encaminharia um confronto inédito contra o Santa Cruz no torneio, em maio. Valendo uma premiação de R$ 660 mil. Nota-se um interessante (e necessário) quadro financeiro em jogo para o Náutico. O fator casa precisará prevalecer.

Copa do Brasil 2016, 1ª rodada: Vitória da Conquista 0x0 Náutico. Foto: Náutico/assessoria

Geo Santa, o mapa dos sócios corais

Mapa de sócios do Santa Cruz em março de 2016. Crédito: Santa Cruz/reprodução

Ao reorganizar o seu plano de sócios, com a distribuição das categorias em cada setor do Arruda, o Santa levantou o quadro adimplente, com 10.339 titulares em março de 2016. A novidade no site Santa Cruz de Corpo e Alma foi a criação do Geo Santa, um mapa virtual com a localização dos associados corais, com atualização mensal através do cadastro fornecido ao clube.

A ferramenta utilizada foi o Google Maps, com um perfil destrinchado a cada zoom. O Grande Recife, por exemplo, passa de “9.771″ pessoas para estatísticas separadas por municípios a cada aproximação da imagem, sendo Jaboatão a segunda cidade com mais sócios. O destaque do mapa também vai para os membros presentes em outros estados (e até países, como o Chile), em dia através do plano “sócio sem fronteiras”, de R$ 9,90 mensais.

Além da interação com o seu sócio, o Santa pode produzir ações pontuais destinadas a nichos específicos. A ideia poderia ser estendida aos rivais.

Confira o mapa de Pernambuco numa resolução melhor clicando aqui.

Pernambuco
6.674 – Recife
1.213 – Jaboatão
547 – Olinda
247 – Paulista

102 – Vitória de Santo Antão
84 – Caruaru
49 – Carpina
30 – Petrolina

Demais capitais no Nordeste
47 – João Pessoa
44 – Maceió
37 – Natal
25 – Fortaleza
22 – Salvador
8 – Aracaju
7 – Teresina
3 – São Luís

Maiores centros político-econômicos do país:
40 – São Paulo
28 – Brasília
20 – Rio de Janeiro

Após dois anos, um novo uniforme para a Seleção Brasileira, com estreia na Arena

O novo uniforme da Seleção Brasileira em 2016. Crédito: Rafael Ribeiro/CBF

A CBF apresentou o novo uniforme da Canarinha em 2016. Apesar dos rumores sobre um padrão monocromático, todo amarelo, atendendo a um apelo sem sentido da Fifa (pois mexe com a tradição da cada seleção), a Nike manteve o formato original dos dois modelos oficiais, com cores distintas nas peças.

1) Camisa amarela, calção azul e meias brancas.
2) Camisa azul, calção branco e meias azuis. 

A primeira imagem foi divulgada através de uma rápida gravação no facebook, no momento da sessão de fotos com três jogadores da Seleção Olímpica, Douglas Santos, ex-Náutico, Gabigol e Thiago Maia.

A camisa da Seleção era a mesma desde a Copa do Mundo de 2014. Com o fulminante 7 x 1 a favor dos alemães encalhando os produtos, sobretudo no mercado interno, a confederação e a fornecedora de material esportivo acabaram cancelando o lançamento de um novo padrão pela primeira vez em vinte anos de parceria. Após duas temporadas, já no ritmo das Eliminatórias, com Neymar em alta e com a Olimpíada na agenda, o cenário favoreceu.

E a estreia do novo uniforme verde e amarelo será justamente na Arena Pernambuco, em 25 de março, no clássico contra o Uruguai…

O que você achou do novo uniforme? Gostaria de um padrão monocromático?

Via periscope, a transmissão secreta da vitória do Santa Cruz na Copa do Brasil

Copa do Brasil 2016, 1ª fase: Rio Branco 0x1 Santa Cruz. Crédito: Bruno Rios/Periscope (reprodução)

De última hora, o jogo entre Rio Branco e Santa Cruz acabou sem transmissão na televisão, o que surpreendeu a direção coral. Sem opção, a torcida teve que recorrer ao velho rádio para acompanhar a estreia do time na Copa do Brasil. Ao menos durante o primeiro tempo. No intervalo, o capixaba Bruno Rios começou a exibir a partida através do periscope. Em tese, um compartilhamento direto da arquibancada para os seus 140 seguidores, que logo se multiplicaram quando os pernambucanos descobriram o link no twitter. E assim a transmissão improvisada, com direito à narração, foi ganhando audiência.

Ao todo, 1.097 pessoas viram o jogo em algum momento, com a audiência chegando a ter 409 simultaneamente – incluindo o blog, via celular. Torcedor do Fluminense, Bruno tem o Rio Branco como seu time preferido no Espírito Santo. Apesar da preferência no jogo e consciente que quase todos os telespectadores eram tricolores, seguiu a transmissão. Recebeu elogios e também teve que aguentar a greia, claro. Com direito ao clássico “Pague a Série B!”, direcionado ao Flu. Chegou a “ameaçar desligar” por causa isso. Só ficou nisso.

A câmera ainda foi revezada com um torcedor gaiato do Baêa, Albert Lucas, radicado na cidade. No fim, mesmo com o zoom distante, valeu a pena. O misto do Tricolor, que havia desperdiçado algumas chances, arrancou a vitória aos 49 minutos do segundo tempo, com Raniel rolando a bola para Bruno Moraes, 1 x 0. Um gol que tinha tudo para ser secreto durante horas, mas que acabou antecipado na web devido à tecnologia e à boa vontade de um adversário.

Copa do Brasil 2016, 1ª fase: Rio Branco 0x1 Santa Cruz. Crédito: Bruno Rios/Periscope (reprodução)

Náutico fecha contrato histórico com a Globo para o Brasileiro, de 2019 a 2024

Náutico fechou com a Rede Globo de 2019 a 2024. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O Náutico firmou um contrato de quatro anos com a Rede Globo, de 2019 a 2024, para a transmissão do Campeonato Brasileiro. Trata-se de um acordo histórico para o clube, que sempre foi obrigado a negociar o contrato ano a ano, na Série A, devido ao desinteresse da emissora em termos nacionais. Com a concorrência batendo à porta após 2018, quando termina o atual contrato (exclusivo), a empresa teve que abrir os cofres e buscar novos times, para tentar frear a investida do Esporte Interativo na tevê fechada, já com Inter, Santos, Atlético-PR e Bahia, entre outros clubes que mudaram de lado.

O acordo timbu, confirmado pelo presidente Marcos Freitas, engloba na verdade cinco contratos: tevê aberta, tevê fechada, pay-per-view, sinal internacional e internet. Ao fechar com a Globo, recebendo um luva de R$ 3 milhões e garantindo um piso na elite, o Timbu recusou a proposta do EI de R$ 10 milhões/ano. A partir de 2019, o dirigente prevê uma cota de R$ 45 milhões/ano.

Não é possível informar a cota com exatidão pois a nova distribuição prevê a divisão por bases iguais (40%), campanhas (30%) e audiência (30%). O período acertado pelo clube de Rosa e Silva é o mais longo do Recife, uma vez que o Sport ampliou o seu contrato, também com a Globo, até 2020. Seria o mesmo modelo, como “cotista de televisão”? Infelizmente, não. Caso dispute a Segundona, seguirá recebendo a cota básica, hoje de R$ 5 milhões.

Alvirrubro, qual é a sua opinião sobre o contrato de quatro anos com a Globo?

A saída do Santa Cruz da grade da TV e a consequência no período de negociação

Imagem do Santa Cruz sobre a não transmissão da estreia. Crédito: Santa Cruz/twitter

A tabela detalhada da Copa do Brasil de 2016 foi divulgada pela CBF em 19 de fevereiro, com definição dos dias, horários e transmissões. Primeiro time pernambucano a entrar em campo, o Santa Cruz teria o seu jogo no Espírito Santo, exibida pela Globo Nordeste. Seria um dos três jogos com transmissão no abertura do torneio, em 16 de março. Porém, a partida acabou saindo da grade, substituída por Corinthians x Cerro Porteño, pela Taça Libertadores. O fato surpreendeu, até porque a filial da emissora dá total prioridade aos jogos dos clubes locais, mas isso também se estendeu ao próprio tricolor. A assessoria coral se pronunciou via twitter, com cinco mensagens. 

“O Santa Cruz foi pego de surpresa com a informação de que a Rede Globo NE não transmitirá a estreia do clube, fora de casa, na Copa BR.

A partida será às 21h50, diante do Rio Branco-ES.

Mas torcedores corais vão poder acompanhar ao vivo mais uma partida do Santinha na temporada através do Twitter oficial do clube.

Ter toda repercussão da estreia coral no site e demais redes sociais do Tricolor.

Acompanhe conosco. Juntos somos mais fortes!” 

O episódio aconteceu no mesmo momento em que o clube negocia os direitos de transmissão do Brasileiro na tevê por assinatura com o Esporte Interativo, de 2019 a 2024. Seriam até R$ 10 milhões por edição, em vez dos R$ 3 milhões do Sportv. O presidente coral, Alírio Moraes, já se reuniu com a direção do canal, controlado pela bilionária Turner, e também já foi chamado por executivos da própria Globo – cujo acerto para a Série A de 2016 está na casa de R$ 26 milhões. No entanto, a repentina saída da grade na estreia da Copa do Brasil acabou associada à negociação pela torcida nas redes sociais. Na visão do blog, hoje, são situações distintas. No futuro, difícil dizer…

Atualização: o blog apurou a informação que a mudança da Globo foi mesmo motivada por questão operacional (gastos) em Cariacica.

O preço mínimo para o ingresso, uma exigência no regulamento do Brasileiro

Regulamento sobre o preço dos ingressos na Série A de 2016. Crédito: CBF

Os regulamentos oficiais das duas principais divisões do Campeonato Brasileiro de 2016 têm uma regra ainda incomum no futebol do país: o preço mínimo de ingresso. Divulgados em março, os documentos são idênticos quanto ao formato de disputa, com vinte clubes e pontos corridos, mas diferindo sobre as vagas internacionais, acessos e rendimentos, naturalmente. Na questão da venda de bilhetes, o menor valor da Série A deve ser R$ 40, com direito à meia-entrada, de acordo com o artigo 15. É o dobro do estipulado à Segundona, conforme o artigo 13 do regulamento específico da competição. A ideia foi implantada pela confederação em 2015, se estendendo às demais séries.

Como não houve alteração no segundo ano, fica a dúvida sobre a execução de fato da norma, pois a direção de competições já abriu espaço para promoções, inclusive do Sport, com desconto na venda antecipada aos seus sócios. Na Ilha, em 2015, a prática comum foi R$ 60 (inteira), R$ 30 (sócio) e R$ 10 (sócio). Ainda no Recife há outro exemplo sobre o assunto. Para esta temporada, o Santa, também presente na elite, criou um setor (sul inferior) de livre acesso ao sócio, com mensalidade de R$ 30. Ou seja, a regra acaba tendo uma influência maior sobre os ingresso cobrado aos visitantes – cuja norma não é especificada no regulamento. Em tempo: a renda líquida de cada partida é do mandante.

Preços mínimo do ingresso no Brasileiro:
Série A – R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)
Série B – R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)
Série C – R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)*
Série D – R$ 10*

* Valores de 2015, segundo o artigo 19 de cada regulamento. A CBF ainda não divulgou os documentos de 2016.

Todos os campeões da Taça das Bolinhas

Todos os campeões da Taça das Bolinhas, de 1975 a 1992

De símbolo-mor do Campeonato Brasileiro a sinônimo de polêmica. Durante 18 anos, a Taça das Bolinhas foi entregue ao capitão do clube campeão na imagem definitiva de cada temporada do nosso futebol. O tradicional troféu, batizado de “Copa Brasil”, foi criado em 1975 num oferecimento da Caixa Econômica Federal. Obra do artista plástico Maurício Salgueiro, com 60 centímetros e 5,6 quilos, numa composição de 156 esferas, sendo uma de ouro, banhadas a ródio para proteger a prata. Todas suspensas numa base de madeira de lei de jacarandá. Apesar da volta olímpica, a taça acabava voltando ao cofre do banco, com o clube recebendo uma réplica em tamanho reduzido, de 30 centímetros.

A curiosidade era o regulamento específico para a posse definitiva do troféu original: era preciso vencer a competição em três anos seguidos ou cinco vezes de forma alternada. Atlético Mineiro (1971), Palmeiras (1972 e 1973) e Vasco (1974) não receberam taças retroativas. Logo, a história começou com o Inter. E a primeira foto reuniu os ídolos Manga e Figueiroa, num  Beira-Rio com 82.568 torcedores. Fortíssimo, o Colorado seria bicampeão em 1976, ficando a um ano da posse. Entretanto, a má campanha em 1977 (25º lugar) acabou com a chance. Ao todo, onze clubes ganharam a Taça das Bolinhas, até 1992.

Só um não recebeu no campo, o Grêmio. Em 1981, após o triunfo no Morumbi, o tricolor fez a festa sem a taça. Tudo por causa de um recurso do Botafogo, eliminado na semifinal, evitando a homologação, o que aconteceria semanas depois, em uma entrega de faixas no Olímpico. Entre 1980 a 1985, os times também receberam um outro troféu, de mais de um metro, devido ao nome do nacional na época, “Taça de Ouro”. Voltando à Taça das Bolinhas, ela saiu de cena em julho de 1992, no Maracanã, quando o Flamengo, liderado por Júnior, sagrou-se campeão brasileiro mais uma vez. O rubro-negro carioca alegava ter sido aquela a sua quinta conquista, colocando até faixa de pentacampeão no palco, com a presença de Ricardo Teixeira, então presidente da confederação.

Ficaria mesmo na propriedade da Gávea? Como o notório imbróglio de 1987 seguia no tribunal – a decisão da Justiça Federal, a favor do Sport, só viria em 1994 -, a CBF instituiu um novo troféu no ano seguinte. Assim, o objeto de desejo da Série A foi esquecido. Até 2007, quando o São Paulo ganhou o seu quinto título e pleiteou (e recebeu) a Taça das Bolinhas. Ato administrativo logo desfeito após uma liminar do Fla, alegando que o troféu não estava mais em jogo naquele ano – de fato, a visão tem sentido. Ainda que 1987 já tenha um posicionamento do Supremo Tribunal Federal, o troféu segue fora do alcance…

Campeões da Taça das Bolinhas:
4 – Flamengo (1980, 1982, 1983 e 1992)
3 – Internacional (1975, 1976 e 1979) e São Paulo (1977, 1986 e 1991)
1 – Guarani (1978), Grêmio (1981), Fluminense (1984), Coritiba (1985), Sport (1987), Bahia (1988), Vasco (1989) e Corinthians (1990)