Gilberto e a missão de abrir de vez o mercado da MLS

Gilberto apresentado no Toronto FC em 2013

O atacante Gilberto, revelado no Santa Cruz, assinou o seu primeiro contrato no exterior.

O primeiro carimbo no passaporte para atuar no futebol internacional foi bem incomum.

O centroavante campeão estadual em 2011 atuará na Major League Soccer (MLS), a liga norte-americana.

Apesar da nomenclatura, o seu clube fica no Canadá. Como em outras modalidades na terra do Tio Sam, franquias canadenses também são aceitas na MLS. Neste caso, a equipe integra a conferência leste.

A transação custou R$ 7 milhões – o Tricolor deverá receber R$ 350 mil – e o Toronto FC está valorizando o novo reforço.

Com imagens de divulgação, com as últimas três temporadas no Brasileirão, incluindo a passagem pelo Sport em 2012, e até um vídeo de apresentação.

Quem sabe Gilberto não abre esse mercado diretamente para Pernambuco, já com conexões aéreas diretas?

Curiosamente, Juninho Pernambucano atuou por lá no início do ano.

A MLS já é uma liga rica, com investimento, claro, em dólares…

Gilberto apresentado no Toronto FC em 2013

O tal cruzamento da divergência, imposto antes do início do Brasileiro de 1987

Jornal do Brasil em 11 de setembro de 1987

Uma das principais polêmicas acerca do Campeonato Brasileiro de 1987 é fundamentada no momento em que o cruzamento dos módulos amarelo e verde foi imposto pela CBF.

Há mais de duas décadas é comum escutar de torcedores e, sobretudo, jornalistas, de todos os cantos do país, que o decisivo cruzamento envolvendo os dois primeiros colocados de cada módulo surgiu apenas com o campeonato em andamento, o que negaria segundo os mesmos o direito de Sport e Guarani na disputa.

Trata-se de uma visão rasa de uma competição tão polêmica, recheada de nuances na esfera esportiva e jurídica, e ainda aberta.

Mas, ao pé da letra cronológica, o cruzamento surgiu antes. O direito é legal. O formato do Nacional foi concebido em 24 de julho daquele ano, 48 dias antes da primeira rodada do módulo verde, ou “Copa União”, como seria chamada por causa de um patrocinador.

Protagonista do imbróglio, o Clube dos 13 naturalmente lutou contra a ideia e as reviravoltas continuaram, tentando manter o campeonato mais enxuto, com 13 clubes – isso mesmo, sem os três convidados.

Na noite do dia 3 de setembro, na sede da CBF, o presidente da confederação, Otávio Pinto Guimarães, anunciou o acordo com os clubes, incluindo o Clube dos 13, a contragosto. Foi assegurada a proposta original da entidade.

Jornal do Brasil em 11 de setembro de 1987Seria uma primeira divisão com 32 clubes, divididos em dois módulos, mantendo os 16 indicados pelo Clube dos 13 em uma das chaves – e seus respectivos acordos comerciais -, e com o cruzamento final. Aliás, o termo “cruzamento” não é o ideal, pois na prática seria um quadrangular, com jogos de ida e volta entre os melhores dos dois módulos.

A reprodução no alto é do tradicional Jornal o Brasil, sediado no Rio de Janeiro, com a publicação do dia 11 de setembro de 1987, a data do primeiro jogo oficial do Campeonato Brasileiro, entre Palmeiras e Cruzeiro. Nota-se que durante mais de uma semana a estrutura do torneio já era de domínio público.

Confira a cronologia em uma resolução maior aqui.

No dia seguinte à reunião, 4 de setembro, a Gazeta Esportiva informou a ausência do cruzamento, numa imagem bem disseminada na web (veja aqui).

Seria interessante conferir os exemplares nos sete dias seguintes àquela informação.

Pois bem. O campeonato foi iniciado, e com o regulamento escrito às pressas, pois a bagunça, claro, seguia. Com a assinatura do Clube dos 13? Conforme diz na própria sentença de 11 páginas favorável ao Sport, através da Justiça Federal, em 1994, existiu um “acordo tácito”.

Ou seja, os clubes do módulo verde se submeteram às regras normativas da CBF, ao seu tribunal, aos seus árbitros, à sua organização, à sua chancela.

Acredite, essa pesquisa foi simples, com todo o conteúdo liberado na internet.

Como é que depois de tanto tempo ainda seja tão comum o erro cronológico?

Provocação gremista, resposta colorada e compartilhamentos na rede social

Facebook de Grêmio e Internacional em 09/12/2013

O Grêmio terminou a temporada como o vice-campeão brasileiro de 2013. Assim, o tricolor gaúcho garantiu uma vaga na fase de grupos da Taça Libertadores. No dia seguinte ao desfecho do campeonato nacional, a fanpage oficial do clube no facebook modificou a sua imagem de capa. Provocação pura.

Às 16h30, a imagem de um torcedor de binóculos tentava “enxergar” o rival Inter, quase rebaixado à segundona e fora do maior torneio continental em 2014. A brincadeira fez sucesso, com 1.900 curtidas e 318 compartilhamentos.

Exatamente uma hora depois, o Colorado deu o troco, simulando a “visão” do tal torcedor. Nada menos que os troféus conquistados pelo Internacional nos últimos anos, como Mundial da Fifa, Libertadores (duas) e Copa Sul-Americana, justamente no período de jejum do Grêmio, que não ganha uma competição além do Estadual desde a Copa do Brasil de 2001.

Os torcedores do lado vermelho do Sul curtiram a publicação 2.474 vezes, com 344 compartilhamentos. Que a brincadeira tenha parado aí, de forma saudável…

Contextualizando com o futebol local, e se esse tipo de brincadeira acontecesse com as fanpages dos clubes pernambucanos?

85 estrelas douradas nacionais

Campeões nacionais de elite no Brasil de 1959 a 2013. Arte: Cassio Zirpoli/Diario de Pernambuco

Cruzeiro e Flamengo, os campeões nacionais em 2013. O time celeste conquistou de forma brilhante o Brasileirão, com antecedência e jogando um ótimo futebol. Na Copa do Brasil, como preza a disputa, o rubro-negro carioca escreveu uma campanha de muita raça, desbancando times tecnicamente mais fortes, como o próprio Cruzeiro.

Com as duas principais taças do país definidas, hora de atualizar o tradicional levantamento do blog com os maiores campeões nacionais de elite, numa atualização que já dura cinco anos. Com o tri da Copa do Brasil, o Fla empatou com o Santos, com nove troféus nacionais cada, ficando abaixo apenas o Palmeiras. Já o Cruzeiro se firma no ranking como o maior vencedor fora do eixo Rio-São Paulo.

Como de praxe, as competições levadas em consideração foram a Taça Brasil (1959/1968), o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1967/1970), a Série A (1971/2013), a Copa do Brasil (1989/2013) e a Copa dos Campeões (2000/2002). Todos esses campeonatos têm em comum as vagas nas Taça Libertadores da América (saiba mais aqui).

Portanto, existem 22 campeões nos85 torneios organizados pela CBF e por sua precursora, a CBD. Antes de qualquer discussão sobre o Brasileiro de 1987, vale ressaltar que a lista aponta os vencedores reconhecidos pela entidade que organiza o futebol brasileiro.

As variadas conquistas foram somadas sem distinção. O blog entende que as competições têm pesos bem diferentes, obviamente, mas a diferença nas posições envolvendo clubes com o mesmo número de títulos foi estabelecida pelo último troféu, com vantagem para o mais antigo.

11 – Palmeiras (A: 1972, 1973, 1993 e 1994; R: 1967 e 1969; CB: 1998 e 2012; TB: 1960 e 1967; C: 2000)
9 – Santos (A: 2002 e 2004; R: 1968; CB: 2010; TB: 1961, 1962, 1963, 1964 e 1965)
9 – Flamengo (A: 1980, 1982, 1983, 1992 e 2009; CB: 1990, 2006 e 2013; C: 2001)
8 – Corinthians (A: 1990, 1998, 1999, 2005 e 2011; CB: 1995, 2002 e 2009)
7 – Cruzeiro (A: 2003 e 2013; CB: 1993, 1996, 2000 e 2003; TB: 1966)
6 – Grêmio (A: 1981 e 1996; CB: 1989, 1994, 1997 e 2001)
6 – São Paulo (A: 1977, 1986, 1991, 2006, 2007 e 2008)
5 – Vasco (A: 1974, 1989, 1997 e 2000; CB: 2011)
5 – Fluminense (A: 1984, 2010 e 2012; R: 1970; CB: 2007)
4 – Internacional (A: 1975, 1976 e 1979; CB: 1992)
2 – Bahia (A: 1988; TB: 1959)
2 – Botafogo (A: 1995; TB: 1968)
2 – Sport (A: 1987; CB: 2008)
1 – Atlético-MG (A: 1971)
1 – Guarani (A: 1978)
1 – Coritiba (A: 1985)
1 – Criciúma (CB: 1991)
1 – Juventude (CB: 1999)
1 – Atlético-PR (A: 2001)
1 – Paysandu (C: 2002)
1 – Santo André (CB: 2004)
1 – Paulista (CB: 2005)

Legenda: Série A (A), T. Roberto Gomes Pedrosa (R), Copa do Brasil (CB), Taça Brasil (TB), Copa dos Campeões (C).

A vigésima oitava classificação da elite nacional em 2013

Classificação da Série A 2013, na 28ª rodada. Crédito: Superesportes

Faltando dez rodadas para o fim do Brasileirão, o Náutico está a 9 pontos do vice-lanterna e a 17 do primeiro time fora da zona de rebaixamento. A goleada sofrida para o Inter foi o 19º revés do Alvirrubro, agora com um “turno” de derrotas.

Na liderança, o Cruzeiro, apesar das duas derrotas seguidas, segue folgado na liderança, com dez pontos de vantagem na corrida pelo tricampeonato.

A 29ª rodada do representante pernambucano
16/10 – São Paulo x Náutico (21h)

Jogos no estado pela elite: nenhuma vitória timbu, 2 empates e 5 derrotas.

Um Timbu franco atirador, mas com nova derrota na conta

Série A 2013: Internacional 4 x 1 Náutico. Foto: Alexandre Lops/Site Oficial do Inter

Sem grandes aspirações para o restante do Brasileirão, o Náutico começou a atuar como franco atirador. Contra o Inter, na Arena, o Alvirrubro havia feito a sua melhor apresentação na competição. Repetir a atuação em Caxias do Sul era o desejo da equipe, que acabou tendo liberdade para sair para o jogo de forma mais audaciosa.

O time carece de mais qualidade, claro, ou não estaria na péssima situação em que se encontra. Agradou nos primeiros instantes, mas com o Colorado se moldando com o passar do tempo, o Náutico terminou goleado por 4 x 1. Foi a 19ª derrota em 28 jogos. Um turno inteiro atrás no placar, num rendimento risível.

Neste domingo, ao não jogar de maneira recuada acabou cedendo bastante espaço – sem surpresa para os próprios alvirrubros, diga-se. Diante de um time técnico, isso não pode acontecer em demasia. Aconteceu, mais uma vez, na fria tarde no interior gaúcho. Logo aos 16, D’Alessandro marcou um golaço – antes, o Timbu reclamou um pênalti, algo raríssimo nesta campanha.

Como não mudou a sua postura ofensiva, apesar da desvantagem, o Náutico até arrancou o empate com Tiago Real, em jogada individual. Antes do apito para o intervalo, porém, outro belo gol colorado, num chute colocado de Otávio. Aí, enfim, o time abriu os olhos para tentar evitar uma goleada. Não conseguiu. No segundo tempo, Willians e Kléber definiram o placar.

É possível que Martelotte siga criando novas alternativas até o fim da Série A, sobretudo se já estiver confabulando uma formação para o próximo ano. Assim, o técnico terá mais dez testes de alto nível pela frente, sempre como franco atirador…

Série A 2013: Internacional 4 x 1 Náutico. Foto: Alexandre Lops/Site Oficial do Inter

Primeiro turno do Brasileirão 2006-2013

Confira a classificação do primeiro turno em todas as edições da Série A com o formato atual, por pontos corridos e 20 clubes participantes.

2013 – Mais uma arrancada mineira no primeiro turno. Em vez do Galo, a Raposa. O Cruzeiro teve 70,1% de apoveitamento, mantendo pelo segundo ano seguido o índice do líder do Campeonato Brasileiro acima dos 70%.

16º lugar na 19ª rodada: 22 pontos, 38,5% e 3 pontos de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2013. Crédito: ogol.com.br

2012 - O Atlético-MG conseguiu o maior aproveitamento da história no primeiro turno, com 75,4% dos pontos. Ainda assim, perdeu mais que o vice-líder Flu.

Da zona de rebaixamento na 19ª rodada, todos os quatro integrantes acabaram descendo à Série B após o returno.

16º lugar na 19ª rodada: 17 pontos, 29,8% e 1 ponto de vantagem
16º lugar na 38ª rodada: 45 pontos, 39,4% e 4 pontos de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2012. Crédito: ogol.com.br

2011 – Líder isolado, o Corinthians teve 64,9% de aproveitamento no primeiro turno. Mesmo caindo para 62,2%, o Timão ficou com o título nacional.

Da zona de rebaixamento na 19ª rodada, apenas o Atlético Mineiro conseguiu escapar da degola, somando 30 pontos no returno.

16º lugar na 19ª rodada: 20 pontos, 35,0% e 2 pontos de vantagem
16º lugar na 38ª rodada: 43 pontos, 37,7% e 2 pontos de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2011. Crédito: ogol.com.br

2010 – O desempenho do Fluminense, líder do primeiro turno, foi de 66,6%. Ao fim da competição, o Flu caiu para 62,2%, mas conquistou o título.

Da zona de rebaixamento na 19ª rodada, escaparam Atlético-MG e Atlético-GO, que somaram no returno 28 e 25 pontos, respectivamente.

16º lugar na 19ª rodada: 20 pontos, 35,0% e 3 pontos de vantagem
16º lugar na 38ª rodada: 42 pontos, 36,8% e nenhum ponto de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2010. Crédito: ogol.com.br

2009 – O aproveitamento do líder Inter, de 64,9%, caiu para 57,0%. Acabou sendo ultrapassado pelo Flamengo, que evoluiu de 50,8% para 58,7%.

Da zona de rebaixamento na 19ª rodada, somente o Fluminense conseguiu escapar, somando 31 pontos no returno.

16º lugar na 19ª rodada: 19 pontos, 33,3% e 1 ponto de vantagem
16º lugar na 38ª rodada: 46 pontos, 40,3% e 1 ponto de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2009. Crédito: ogol.com.br

2008 – O aproveitamento do Grêmio, líder do 1º turno foi 71,9%. No fim, caiu para 63,1%. acabou ultrapassado pelo São Paulo, tricampeão, que passou de 57,8% para 65,7%.

Da zona de rebaixamento na 19ª rodada, escaparam Santos e Fluminense, que somaram no returno 28 e 29 pontos, respectivamente.

16º lugar na 19ª rodada: 20 pontos, 35,0% e 1 ponto de vantagem
16º lugar na 38ª rodada: 44 pontos, 38,5% e nenhum ponto de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2008. Crédito: ogol.com.br

2007 – O aproveitamento do líder São Paulo, que era de 70,1%, caiu para 67,5%. Ainda assim, o Tricolor manteve o primeiro lugar.

Da zona de rebaixamento na 19ª rodada, escaparam Atlético Paranaense e Náutico, que somaram no returno 32 e 29 pontos, respectivamente.

16º lugar na 19ª rodada: 24 pontos, 42,1% e 2 pontos de vantagem
16º lugar na 38ª rodada: 45 pontos, 39,4% e 1 ponto de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2007. Crédito: ogol.com.br

2006 – O aproveitamento do líder São Paulo , de 66,6% no primeiro turno, subiu para 68,4% após 38 rodadas. Foi o campeão.

Da zona de rebaixamento na 19ª rodada, escaparam Goiás e Corinthians, que somaram no returno 34 e 33 pontos, respectivamente.

16º lugar na 19ª rodada: 21 pontos, 36,8% e nenhum ponto de vantagem
16º lugar na 38ª rodada: 44 pontos, 38,5% e 5 pontos de vantagem

Primeiro turno do Brasileirão de 2006. Crédito: ogol.com.br

Espanholização do futebol brasileiro a curto prazo

Corinthians e Flamengo

O aumento nas cotas de televisão de Corinthians e Flamengo vem alcançando números astronômicos, passando de R$ 100 milhões por ano, segundo o contrato atual de transmissão do Campeonato Brasileiro, junto à Rede Globo. O cenário deverá se tornar ainda mais gritante a partir de 2016, no novo acordo, já costurado. Maiores não só nos percentuais ao modelo vigente como no montante bruto, segundo a coluna de Paulo Vinícius Coelho na Folha de S.Paulo.

As verbas dos dois clubes de maior torcida do país deverão saltar para R$ 170 milhões, abrindo R$ 60 milhões de receita, apenas com a tevê, em relação ao bloco seguinte, atualmente ocupado só pelo São Paulo. O blog listou todos as divisões dos dois últimos acordos – no primeiro, até 2011, por exemplo, Timão e Fla recebiam o mesmo de outros três times -, com o aumento de cada um, com valores absolutos e percentuais.

O Sport está na categoria “outros ex-integrantes do Clube dos 13″. Se o Leão está ficando bem para trás, o que dizer dos demais clubes, como Náutico e Santa Cruz? Nesses casos, os valores são ainda menores, acordados de forma individual a cada participação na elite.

Por mais que ainda exista uma defesa ferrenha sobre a ideia, a tal “espanholização” do futebol brasileiro segue, sim, a passos largos, com Corinthians e Flamengo alcançando uma diferença nunca antes vista por aqui, do porte de Real Madrid e Barcelona na liga espanhola.

Como exemplo, a diferença das cotas entre Flamengo e Sport em 2011 e 2016. De R$ 12 milhões, o hiato subirá para R$ 135 milhões…

2009/2011 (ano)
1) Flamengo, Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Vasco – R$ 25 milhões
2) Santos – R$ 18 milhões
3) Cruzeiro, Atlético-MG, Grêmio, Inter, Fluminense e Botafogo – R$ 16 milhões
4) Outros integrantes do Clube dos 13 – R$ 13 milhões

2012/2015 (ano)
1) Flamengo e Corinthians – R$ 110 milhões (+85 mi / 340%)
2) São Paulo – R$ 80 milhões (+55 mi / 220%)
3) Vasco e Palmeiras – R$ 70 milhões (+45 mi / 180%)
4) Santos – R$ 60 milhões (+42 mi / 233%)
5) Cruzeiro, Galo, Grêmio, Inter, Flu e Botafogo – R$ 45 milhões (+29 mi / 181%)
6) Outros integrantes do Clube dos 13 – R$ 27 milhões (+14 mi / 107%)

2016/2019 (ano)
1) Flamengo e Corinthians – R$ 170 milhões (+60 mi / 54%)
2) São Paulo – R$ 110 milhões (+30 mi / 37%)
3) Vasco e Palmeiras – R$ 100 milhões (+30 mi / 42%)
4) Santos – R$ 80 milhões (+20 mi / 33%)
5) Cruzeiro, Galo, Grêmio, Inter, Flu e Botafogo – R$ 60 milhões (+15 mi / 33%)
6) Outros integrantes do Clube dos 13 – R$ 35 milhões (+ 8 mi / 29%)

Percentual sobre a receita total de cada clube em cada campeonato

2009/2011 – R$ 343 milhões/ano
1) Fla, Timão, São Paulo, Palmeiras e Vasco – 7,28% cada / 36,40% bloco (5)
2) Santos – 5,24% cada
3) Cruzeiro, Galo, Grêmio, Inter, Flue Botafogo – 4,66% cada / 27,96% bloco (6)
4) Outros ex-integrantes do Clube dos 13 – 3,79% cada / 30,32% bloco (8)

2012/2015 – R$ 986 milhões/ano
1) Flamengo e Corinthians – 11,15% cada / 22,30% bloco (2)
2) São Paulo – 8,11% cada
3) Vasco e Palmeiras – 7,09% cada / 14,18% bloco (2)
4) Santos – 6,08% cada
5) Cruzeiro, Galo, Grêmio, Inter, Flu e Botafogo – 4,56% cada / 27,36% bloco (6)
6) Demais integrantes do Clube dos 13 – 2,73% cada / 21,84% bloco (8)

2016/2019 – R$ 1,37 bilhão/ano
1) Flamengo e Corinthians -12,40% cada / 24,80% bloco (2)
2) São Paulo – 8,02% cada
3) Vasco e Palmeiras – 7,29% cada / 14,58% bloco (2)
4) Santos – 5,83% cada/bloco (1)
5) Cruzeiro, Galo, Grêmio, Inter, Flu e Botafogo – 4,37% cada / 26,22% bloco (6)
6) Demais integrantes do Clube dos 13 – 2,55% cada / 20,40% bloco (8)

Outros integrantes do Clube dos 13: Sport, Bahia, Vitória, Coritiba, Atlético-PR, Guarani, Portuguesa e Goiás

A hora do pesadelo

A Hora do Pesadelo

Voltando das férias, mais branco do que antes (apesar da promessa de praia), já tenho que postar sobre a rodada do Brasileirão deste fim de semana.

Rodada da morte. Se na última rodada tivemos São Paulo x Palmeiras e Inter x Goiás, justamente os 4 primeiros lugares da Série A, agora teremos Sport (17 pts) x Botafogo (23) e Fluminense (16) x Náutico (24), os 4 últimos da competição… :twisted:

É muito desespero junto. A hora do pesadelo do quarteto…

O Sport fazendo a sua “final antecipada”; o Botafogo reclamando diariamente dos erros de arbitragem (segundo os diretores do clube, o time deixou de ganhar 7 pontos por isso); o Náutico na luta pra voltar a somar pontos fora de casa; e o Flumiense… Agora com o Cuca (já que Renato Gaúcho não decolou, apesar da bravata), o Flu joga para tentar fazer o enterro voltar.

No sábado, o primeiro jogo, na Ilha do Retiro. Certamente com bom público, após os últimos 2 jogos do Leão e pelo fato de ser um confronto direto. Será a última partida de Ciro antes de integrar a Seleção Sub-20 que irá ao Mundial. Em 11 jogos pelo Brasileirão, nenhum gol do atacante… :-?

No domingo, o Náutico vai tentar dar sequência ao bom momento. Tanto que nos últimos 5 jogos o Alvirrubro tem a 2ª melhor campanha (3 vitórias e 2 derrotas), atrás apenas do São Paulo (que somou 1 ponto a mais). Veja a lista completa dessa estatística clicando AQUI.

Vale lembrar que Gilmar, que ‘deixou’ cerca de R$ 2 milhões no cofre timbu, será o grande desfalque. Até o final do campeonato, diga-se.