O objeto de desejo do futebol nordestino, cada vez mais valorizado e reconhecido

Copa do Nordeste 2014, final: Sport 2x0 Ceará. Foto: FPF/divulgação

O troféu dourado da Copa do Nordeste foi exposto na Ilha do Retiro, na beira do campo, na noite que marcou o primeiro jogo da decisão de 2014.

A exibição chamou a atenção do público, e eram mais de 27 mil torcedores presentes, com ações de marketing, incluindo as fotos oficiais das equipes do Sport e do Ceará com a taça ao lado. Como se sabe, o regional vem seguindo a ideia dos principais torneios de futebol, com taças fixas.

Desta forma, o modelo criado em 2013, erguido de forma pioneira pelo Campinense, continuará sendo levantado no mínimo até a edição de 2022. Claro, a peça vem acompanhada de uma premiação, atualmente de R$ 1,565 milhão, e uma vaga na Copa Sul-Americana. Daí, a real valorização.

Anteriormente, cada Nordestão teve um troféu distinto. Relembre alguns aqui.

Copa do Nordeste 2014, final, Sport 2x0 Ceará. Foto: FPF/divulgação

A criação de uma taça definitiva foi embasada pelos dados da pesquisa encomendada pelo canal Esporte Interativo, detentor dos direitos de transmissão do torneio. Entre outras questões levantadas, as 1.552 pessoas ouvidas responderam sobre a imagem do troféu em relação ao Nordestão.

Levemente inspirado no modelo da Liga dos Campeões da Uefa, o troféu foi reconhecido por 93,8% do público, num percentual considerável, ainda mais com apenas um ano em vigor. A marca oficial, para se ter ideia, teve 88%.

Antes das ações promocionais na final, o troféu também foi apresentado em todas as cidades com clubes na Copa do Nordeste, no chamado “tour da taça”.

Tudo para incutir na torcida um verdadeiro objeto de desejo… Funcionou?

Copa do Nordeste 2014, final, Sport 2x0 Ceará. Foto: FPF/divulgação

Sem jogar bem, mas com espírito de decisão, Sport fica pertinho do tri regional

Copa do Nordeste 2014, final, Sport 2x0 Ceará. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

O Sport atuou com garra e determinação tática durante os noventa minutos, mas mesmo assim viu o Ceará ser superior em campo. Não no placar.

Esbanjando eficiência, algo crucial numa decisão, com um espírito determinante – nos titulares e no público presente -, o time pernambucano fez 2 x 0 e abriu uma vantagem considerável para a finalíssima da Copa do Nordeste, em Fortaleza, dentro de uma semana.

Curiosamente, o placar foi o mesmo estabelecido pelo clube nas quartas de final e semifinal do regional… Sem sofrer gols em casa, algo vital.

Nesta quarta, de fato, o primeiro tempo correspondeu à expectativa acerca dos finalistas. Era a melhor defesa contra o melhor ataque. Bem postados na zaga, os rubro-negros mantiveram o plano executado as apresentações anteriores.

Já o Ceará mostrou desenvoltura, tocando muito bem a bola e aproveitando a técnica de jogadores como Souza, Ricardinho e Magno Alves. Incomodou, buscando espaço. No contragolpe, o Leão visava, claro, Neto Baiano.

Copa do Nordeste 2014, final, Sport 2x0 Ceará. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Em grande fase, o centroavante leonino precisou de uma boa bola para abrir o placar, com apenas dez minutos de bola rolando. Após bom lançamento de Ananias, matou no peito e finalizou com consciêcia, deslocando o goleiro.

Enquanto isso, os atacantes alvinegros paravam em Magrão, com duas ótimas defesas na primeira etapa, fora as bolas passando rente à trave.

Os dois times voltaram o intervalo com as mesmas formações. Chegando a 58% de posse de bola, o Vozão seguiu fazendo uma boa partida. Já o Sport afrouxou a marcação, só correndo atrás da bola. O cenário estava complicado.

Encurralado, perdendo o meio de campo, Eduardo Batista acionou Danilo no lugar de Érico Júnior, aos 23. O panorama começou a mudar ali. Instantes depois, Rithelly entrou no lugar de Ailton. O objetivo era aumentar o volume de jogo e, sobretudo, a pegada. Conseguiu ambos.

A dez minutos do fim, o volante João Marcos recebeu o segundo amarelo, deixando o Ceará com um a menos. Enfim, o Sport se recompôs, alcançando o segundo e importantíssimo gol. Aos 41, Danilo completou um cruzamento.

Um resultado festejado, com a torcida em peso na Ilha do Retiro.

Copa do Nordeste 2014, final, Sport 2x0 Ceará. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Copa América novamente em espanhol, versão Chile. Em português, só em 2019

Lema oficial da Copa América de 2015, no Chile. Crédito: divulgação

Copa das Confederações 2013, Copa do Mundo 2014 e Olimpíada 2016. Uma sequência incrível de torneios de grande porte, todos no Brasil. No cronograma original ainda haveria mais uma competição, a Copa América de 2015.

Devido à overdose, a Copa América acabou sendo repassada pela CBF, para evitar uma desvalorização, caso comparada aos demais eventos.

Assim, o Brasil será a sede do torneio em 2019. Trocou de lugar com o Chile.

Além dos dez membros da Conmebol, também foram convidados México e Japão. As partidas serão disputadas em oito cidade: Santiago, Antofagasta, La Serena, Valparaíso, Viña del Mar, Concepción, Temuco e Rancagua.

Foram apresentados o logotipo oficial, o lema (“el corazón del fútbol”) e os meios de comunicação: site oficial, página no facebook e perfil no twitter.

Vale lembrar que a competição sul-americana completará um século em 2016. Por isso, haverá uma edição especial, nos Estados Uidos (veja aqui).

Espanhol, inglês… Português, só em 2019.

738 mil torcedores e R$ 6,3 milhões de renda no Estadual, antes das finais

Pernambucano 2014, 10ª rodada: Sport 0x1 Náutico, Central 1x1 Náutico e Porto 0x1 Salgueiro. Fotos: Daniel Leal/DP/D.A Press (Ilha), TV Criativa/reprrodução (Lacerdão) e FPF/divulgação (Limeirão)

Passados 132 dos 140 jogos do centésimo campeonato estadual, a arrecadação bruta já passou dos seis milhões de reais, com um público total de 738 mil torcedores, considerando os dados oficiais do borderô, disponíveis no site da FPF – à parte do público presente através da campanha Todos com a Nota (entenda essa polêmica aqui).

A expectativa é que com a sequência de clássicos – incluindo mais duas edições entre Santa e Sport -, o índice do Pernambucano suba. Hoje, é de 5.596 pessoas, baixo para os padrões locais na era dos ingressos subsidiados.

Abaixo, confira os dados atualizados da competição, separados pela fase principal e com o torneio completo.

1º) Santa Cruz (5 jogos como mandante)
Total: 76.797
Média: 15.359
Taxa de ocupação: 25,58%
Contra intermediários (3) – T: 34.596 / M: 11.532

2º) Sport (5 jogos como mandante)
Total: 68.929
Média: 13.785
Taxa de ocupação: 41,79%
Contra intermediários (3) – T: 36.030 / M: 12.010

3º) Náutico (5 jogo como mandante)
Total: 41.203
Média: 8.240
Taxa de ocupação: 17,83%
Contra intermediários (3) – T: 16.736 / M: 5.578

4º) Salgueiro (13 jogos como mandante)
Total: 103.335
Média: 7.948
Taxa de ocupação: 80,15%

5º) Central (13 jogos como mandante)
Total: 98.691
Média: 7.591
Taxa de ocupação: 38,97%

6º) Porto (13 jogos como mandante)
Total: 74.682
Média: 5.744
Taxa de ocupação: 29,49%

Capacidade oficial dos estádios: Arruda (60.044), Arena Pernambuco (46.214), Ilha do Retiro (32.983), Lacerdão (19.478) e Cornélio de Barros (9.916).

Geral – 132 jogos (1ª fase, hexagonal do título e hexagonal da permanência)
Público total: 738.696
Média: 5.596 pessoas
TCN: 620.222 (83,96% da torcida)
Média: 4.698 bilhetes
Arrecadação total: R$ 6.332.273
Média: R$ 47.971

Fase principal – 30 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 304.740
Média: 10.158 pessoas
TCN: 201.951 (66,26% da torcida)
Média: 6.731 bilhetes
Arrecadação total: R$ 3.736.367
Média: R$ 124.545

Confira todas as médias desde 1990 clicando aqui.

Veja também as médias de Náutico, Santa e Sport desde 2005 aqui.

Sanseverino e Villas Bôas, os ministros do ato final de 1987. Basta um voto

Paulo de Tarso Sanseverino: gaúcho de 54 anos, no STJ desde 2010. Villas Boas Cuva: paulista de 51 anos, no STJ desde 2011. Arte: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press sobre fotos do STJ

A decisão sobre o título brasileiro de 1987 chegou ao Superior Tribunal de Justiça em 3 de dezembro de 2013. Na ocasião, era uma nova ação.

Ali, houve apenas o voto da relatora, Nancy Andrighi, decidindo pela extinção do processo movido pelo Sport contra CBF – a entidade declarou, em 2011, os dois rubro-negros como campeões, com o mesmo peso, passando por cima da decisão a favor do Leão, transitada em julgado em 2001.

Em seguida, o ministro Sidnei Beneti pediu vistas no processo. Assim, o julgamento só foi retomado neste 1º de abril de 2014, com o próprio Beneti.

“Para o mim, ‘campeão é campeão’. Ao declarar o Sport, sentença excluiu outros”.

Após explicar seu voto, Beneti confirmou a decisão, que foi de encontro ao entendimento da relatora (como o blog já havia dito aqui).

João Otávio de Noronha fez o mesmo, virando para 2 x 1, a favor do Sport.

Porém, dois ministros faltaram, adiando a resolução. Provocaram a falta de quórum os ministros Paulo de Tarso Sanseverino e Ricardo Villas Bôas Cueva.

Sanseverino, gaúcho, 54 anos, bacharel em Direito em 1983, pela Universidade Católica do Rio Grande do Sul, e no STJ desde 10 de agosto de 2010.

Villas Bôas Cueva, paulista, 51 anos, bacharel em Direito em 1985, pela Universidade de São Paulo, e no STJ desde 13 de junho de 2011.

Agora é com eles, no terceiro ato do polêmico julgamento. Para confirmar o Sport como único campeão – e não com Sport e Flamengo juntos, como pleiteia o clube carioca -, basta mais um voto favorável.

E que os ministros que já votaram não voltem atrás, naturalmente…

A eterna mesa redonda do Brasileirão de 1987, agora virtual

Brasileiro de 1987 comentando no twitter, pelos recifenses

A discussão sobre o Campeonato Brasileiro de 1987 é interminável, mesmo que o caso original na justiça já tenha acabado em 2001.

O debate engloba não só os rubro-negros, de Pernambuco e do Rio de Janeiro, como os seus respectivos rivais.

Náutico, Santa Cruz, Vasco, Botafogo, Fluminense…

Tradicionalmente, os rivais de cada time apontam o rubro-negro do outro estado como o campeão nacional daquela temporada.

Nesta terça-feira, 1º de abril de 2014, o Superior Tribunal de Justiça confirmou a retomada do julgamento da nova ação do Sport contra CBF, pois a entidade declarou Sport e Fla como campeões em 2011 (entenda aqui).

O anúncio foi feito através do perfil oficial do tribunal no twitter, o @STJnoticias.

Bastou para o assunto voltar com força. Antes do início do julgamento, o tema já era o mais comentado na rede social nas duas cidades, segundo o trendsmap. Imagine isso depois do resultado dos votos dos cinco ministros do STJ…

Brasileiro de 1987 comentando no twitter, pelos cariocas

Porque a relatora do STJ está errada sobre 1987

Nancy Andrighi, ministra do STJ e relatora do casa do Brasileiro 1987. Crédito: Superior Tribunal de Justiça (STJ)/youtube

A ministra Nancy Andrighi, de 61 anos, foi designada como relatora do caso do Campeonato Brasileiro de 1987 no Superior Tribunal de Justiça.

Gaúcha de Soledade e bacharela em direito desde 1975, pela Universidade Católica do Rio Grande do Sul, ela está no STJ desde 27 de outubro de 1999. Atualmente, integra a terceira turma, ao lado de mais quatro ministros.

Foi dela o primeiro voto sobre a ação do Leão contra a CBF, que em 2011 declarou Sport e Fla como campeões brasileiros com o mesmo peso, mas de competições distintas, indo de encontro à decisão judicial transitada em julgado, que aponta o time pernambucano como único campeão. Ela votou contra.

Com todo respeito à ministra, mas a partir do vídeo do STJ, com uma entrevista de Nancy após do julgamento, é possível questionar as suas declarações.

Eis a íntegra de sua entrevista:

“Não é cabível o procedimento de cumprimento de sentença ajuizado pelo Sport Club Recife. E por que que não seria cabível? Porque a CBF, em 1988, já tinha reconhecido o Sport Club Recife como campeão. Não disse que era o único campeão, mas tinha reconhecido como campeão. Ora, doze anos depois o Sport Clube vem e pede que se execute aquela sentença. Eu digo que não pode executar. Por que que não pode executar? Porque a CBF, em 1988, antes de terminar a ação em que o Sport Club pedia o reconhecimento de que ele era campeão, a própria CBF reconheceu. Tanto que o Sport Club participou da Libertadores da América, e ele só poderia participar se fosse campeão.”

Primeiramente, é preciso ser dito, pela enésima vez, que os módulos amarelo e verde, vencidos por Sport e Flamengo, integravam a mesma competição. É a base de toda a ação. E o cruzamento estava previsto antes do seu início. Confirme aqui, numa reprodução do Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro.

A intenção (pública) dos integrantes do Clube dos 13 em não participar do quadrangular decisivo resultou numa ação cautelar solicitada pelo Sport, na 10ª Vara da Justiça Federal (JF), para que nem o Conselho Nacional de Desportos (CND) nem a CBF aceitassem qualquer deliberação do novo Conselho Arbitral do Brasileiro de 1987 – convocado pelo Flamengo – para mudar o regulamento da fase final competição, salvo se essa deliberação fosse por unanimidade.

A ação leonina foi acatada em 14 de janeiro de 1988 – favor, não confundam com a ação do título. No dia seguinte, o Arbitral ocorreu, mas sem a unanimidade dos votos. Respeitando o artigo 5º da Resolução nº 16/86 do CND – conforme a ação cautelar -, o quadrangular foi mantido.

Observação: Percebam que a ação do Sport também era contra a CBF. Logo, forçada judicialmente a aceitar a decisão.

A vitória do Sport sobre o Guarani, na Ilha, ocorreu em 7 de fevereiro de 1988.

Três dias depois, o Sport entrou na 10ª Vara da JF (primeira instância) com uma ação ordinária declaratória pedindo o reconhecimento do título, substituindo a ação cautelar que manteve o regulamento com o cruzamento dos módulos. O documento foi contra a União Federal (na figura do CND), CBF, Flamengo e Internacional. Juiz do caso: Antônio Bruno de Azevedo Moreira.

Observação: a ministra alega que a CBF reconheceu o Sport antes da ação. Cronologicamente – considerando a ação ordinária -, sim. Porém, o reconhecimento já vinha ocorrendo por força judicial. Tanto que – sem o julgamento da ação, cuja sentença só viria em 1994 -, a CBF só confirmou Sport e Guarani na Libertadores em junho, após inúmeras liminares. Na ocasião, a decisão foi tomada após pressão da própria Fifa (entenda aqui). 

A sentença favorável ao Sport, de 02/05/1994, ainda passaria por várias instâncias. Contudo, o prazo para que o Flamengo entrasse com uma ação rescisória, na única hipótese para tentar modificar a decisão judicial definitiva, apresentando uma nova evidência, expirou em 16 de abril de 2001.

Observação: Sobre a tese de que o texto não fala em “único campeão”, francamente… Se a ação considera os dois módulos como o mesmo torneio, esse argumento cai por terra, pois o Fla oficialmente foi o 3º lugar. Esta talvez seja a tese mais rasa do caso, por mais que a relatora se baseie nele.

A tendência é que os ministros restantes sigam o voto da relatora. Neste caso, oficializando a divisão do título nacional. Seja qual for a decisão, cabe recurso.

O maior público da história de Santa Cruz do Capibaribe, superlotado de fantasmas

Caça-Fantasmas

Desta vez a FPF se superou…

O estádio Otávio Limeira Alves registrou um público total de 7.045 pessoas.

É o que aponta o borderô original do jogo Porto 0 x 1 Salgueiro.

Vale lembrar que a partida foi realizada em Santa Cruz do Capibaribe, a 56 quilômetros de Caruaru. Não bastasse o estádios às moscas no Estadual, numa denúncia feita inúmeras vezes pelo blog, o público oficial da partida ultrapassou e muito a capacidade máxima do estádio.

Em fevereiro de 2013, a FPF divulgou um relatório com as novas capacidades dos estádios pernambucanos, que passaram por uma reavaliação.

Na ocasião, o dado do Limeirão foi ampliado de 5.000 para 6.039. Ou seja, no domingo foram 1.006 pessoas além do limite, num acréscimo de 14,27%.

Pior. O Ypiranga, dono do estádio, recebe apenas 4.500 bilhetes do Todos com a Nota para as apresentações o local, de acordo com a capacidade, claro.

Então, por que o Porto teve direito a mais?

Talvez porque, na última rodada do hexagonaldo título, Porto x Salgueiro estava marcado para o mesmo dia e horário de Central x Santa. Ambos no Lacerdão.

O jogo do Gavião acabou modificado, com a aprovação da diretoria. Não por acaso, manteve os sete mil bilhetes do TCN que tem direito no Luiz Lacerda.

Nesse buruçu todo, o jogo – que, teoricamente, poderia ter tido superlotação – acabou estabelcendo o maior público da história do Limeirão.

Haja fantasmas nas arquibancadas… Tire as as suas conclusões aqui.

São os fantasmas com entradas subsidiadas pelo estado. Dinheiro público.

Atualização: Em menos de dez minutos após a publicação do post, a federação reduziu o borderô oficial para 4.495 pessoas. Ou seja, já “caçaram” 2.550 fantasmas. Falta o restante, pois o estádio estava vazio.

Sobre a mudança, a FPF assumiu o erro e disse que foi uma falha do sistema…

Homer Simpson, árbitro Fifa na Arena Pernambuco

O Recife no episódio do desenho animado Os Simpsons, em 2014. Crédito: reprodução

Homer Simpson, árbitro da Copa do Mundo, bem na Arena Pernambuco…

O episódio “You don’t have to live like a referee” (Você não precisa viver como um árbitro), do famoso desenho animado Os Simpsons, foi exibido nos Estados Unidos e registrou a passagem do carismático personagem no Brasil, a primeira após doze anos desde a última viagem.

Na história (assista aqui), um discurso de Lisa fica famoso na internet, o que leva a Fifa a chamar o pai dela, o herói no tal texto, para o quadro de arbitragem.

O árbitro Homer no episódio do desenho animado Os Simpsons, em 2014. Crédito: reprodução

A passagem de Homer no Mundial inclui partidas em São Paulo, Recife, Manaus, Brasília e Rio de Janeiro.

Aqui na terrinha, o jogo em questão é nada menos que Brasil x Espanha, não previsto calendário da arena, diga-se.

Como em todas as partidas, todo mundo tenta subornar Homer, que não aceita o dinheiro, amassando as cédulas e transformando a pilha de papel em uma bola. E segue o jogo…

A Arena Pernambuco no episódio do desenho animado Os Simpsons, em 2014. Crédito: reprodução

No episódio, como não poderia deixar de ser, estão as (merecidas) críticas à organização da Copa do Mundo de 2014. Já o uniforme de Homer, no estilo “zebra”, foi inspirado na verdade nos árbitros do futebol americano!

Nesta postagem, as imagens da passagem de Homer Simpson em Pernambuco, incluindo São Lourenço da Mata e Boa Viagem.

Atenção, Spoiler!

Tentaram “comprar” Homer até na final, no Maracanã. Contudo, não conseguiram. E o Brasil acabou perdendo da Alemanha…

A Arena Pernambuco no episódio do desenho animado Os Simpsons, em 2014. Crédito: reprodução

Timbu dá Sorte com investimento de R$ 560 mil e retorno de R$ 14,4 milhões

Bairro dos Aflitos, BMW X1 e Harley-Davidson

A nova campanha de sócios do Náutico foi apresentada na Arena Pernambuco.

No projeto Alvirrubro de Carteirinha, o aguardado desconto na arena entrou no pacote. Agora, pagando uma mensalidade e uma taxa extra, o torcedor fica com entrada liberada para todos os jogos no mês, tanto para setor norte (R$ 80) quanto para o leste (R$ 90).

No entanto, chamou a atenção o plano de metas da direção, de olho num retorno milionário. Foi estabelecido um pico no quadro de sócios em dia, estipulado para o dia 7 de abril de 2015, no 114º aniversário do clube.

Se até lá o Timbu conseguir quinze mil novos sócios, incluindo os inadimplentes, serão sorteados uma moto, um carro e um apartamento. Provavelmente, você já viu sorteios deste tipo no estado. Contudo, os prêmios são bem específicos…

A moto é da famosa marca Harley-Davidson, avaliada em R$ 70 mil.

O carro é um luxuoso BMW, modelo X1, orçado em R$ 140 mil.

Já o apartamento, sem tamanho definido, deve ficar próximo aos Aflitos, bairro de maior renda per capita do Recife. Não deve sair por menos de R$ 350 mil.

Para ativar o sorteio, o quadro terá que passar de 3 mil para 18 mil sócios.

Ou seja, o investimento do clube, de pelo menos R$ 560 mil, teria uma contrapartida dos torcedores de até R$ 14,4 milhões em um ano, caso todos os associados optem pelo pacote com jogos liberados na arena. Nada mal…