Salles marca de pênalti e Santa vence o Salgueiro na abertura da semifinal do PE

Pernambucano 2017, semifinal: Santa Cruz 1 x 0 Salgueiro. Foto: Peu Ricardo/DP

O Santa Cruz teve uma atuação mediana. Não sufocou o Salgueiro. Sequer envolveu o adversário, que povoou o meio-campo e travou o já truncado sistema ofensivo coral. Ainda assim, é possível destacar que o tricolor buscou mais o resultado que o visitante, dono da melhor campanha. E na bola parada, sempre ela, alcançou a vitória. Magra, 1 x 0, mas suficiente para atuar em vantagem na noite do próximo sábado, em busca da terceira final consecutiva, em busca do tricampeonato pernambucano.

Diante de 22.056 torcedores no Arruda, no maior público do futebol local nesta temporada, o Santa teve Anderson Salles como goleador novamente. O zagueiro chegou a sete gols em 2017, tornando-se o principal artilheiro o time. São quatro gols de falta e três de pênalti, o último nesta semifinal. Num jogo em que teve apenas duas oportunidades em cobranças de falta, levando perigo nas duas, com Mondragon espalmando, o defensor acabou balançando as redes numa cobrança de pênalti – indefensável.

Pernambucano 2017, semifinal: Santa Cruz 1 x 0 Salgueiro. Foto: Peu Ricardo/DP

O lance aconteceu aos 12 minutos do segundo tempo, depois de a árbitra Deborah Cecília marcar falta de Tamandaré em Tiago Costa – lance discutível. Apesar da vantagem, o Santa continuou encontrando dificuldades para criar jogadas, como vem sendo desde o primeiro jogo oficial. Everton Santos saiu vaiado, André Luís pouco acrescentou e Halef Pitbull, brigando bastante pela bola, teve apenas uma chance, desperdiçando na cara do gol. Mas não dá pra dizer, desta vez, que Eutrópio não tentou. Escalou Pereira, acionou Léo Costa, reposicionou Thomás (o mais lúcido) durante o jogo… E o time simplesmente caiu na marcação do Carcará, fechando os corredores de Tiago Costa e Vítor.

Faltou ao Salgueiro, então, vontade e qualidade lá na frente. Deixou Willian Lira enfiado entre os zagueiros corais durante noventa minutos, sem um cruzamento decente. Valdeir, o bom meia do time, e Rodolfo Potiguar, o experiente volante, acabaram insistindo em arremates de fora da área, com Júlio César numa noite bem insegura. O goleiro acabou ajudado pelas finalizações mascadas. Neste contexto, a vitória tricolor acabou sendo bem satisfatória. Entretanto, o confronto segue bem aberto…

Pernambucano 2017, semifinal: Santa Cruz 1 x 0 Salgueiro. Foto: Peu Ricardo/DP

Comissão do Santa Cruz encomenda reavaliação do Arruda: R$ 274 milhões

Estádio do Arruda. Foto: Peu Ricardo/DP

O Arruda é o maior patrimônio do Santa Cruz, erguido (1972) e ampliado (1982) para comportar o povão. Ao quantificá-lo, o dado geralmente serve em relação à capacidade de público, hoje limitada a 50.582 espectadores. Por isso, a curiosidade sobre outro dado de grande porte, o valor de mercado do empreendimento. A pedido da comissão patrimonial do clube, o escritório AC Avaliação LTDA produziu um estudo sobre o valor do estádio.

Atualizado à parte do portal do tricolor, o site oficial da comissão patrimonial divulgou o laudo, feito em julho de 2012. A própria comissão, presidida por Antônio Luiz Neto (ex-mandatário do executivo em 2011-2014), destaca que a vistoria foi exclusiva no estádio José do Rego Maciel, numa área de 58 mil², não incluindo a sede nem os terrenos do CT Waldomiro Silva, em Beberibe, e do CT Ninho das Cobras, na Guabiraba. Segundo o documento de quatro páginas (abaixo), a finalidade era um ‘levantamento patrimonial’. Portanto, apenas o Arruda valeria R$ 274.674.870, somando o terreno (R$ 128 mi), a área construída (R$ 145 mi) e as quatro torres de iluminação (R$ 1 mi).

A atualização é importante, até para dimensionar o patrimônio real do clube, uma vez que a cifra presente no balanço oficial está defasada. Somando todos os bens, segundo o último demonstrativo financeiro, o patrimônio social seria de R$ 63,7 milhões. Como os clubes não são obrigados a atualizar os valores, muitos congelam os imóveis nos relatórios. No tricolor, o aumento é de 330% – mesmo comparando o patrimônio absoluto e o estádio reavaliado.

Patrimônio social*
1º) Sport, R$ 165.480.870 (Ilha do Retiro e clube)
2º) Náutico, R$ 134.489.197 (Aflitos e clube)
3º) Central, R$ 96.400.000 (Lacerdão e terreno)
4º) Santa Cruz, R$ 63.739.000 (Arruda e clube)
* A partir dos balanços oficiais dos clubes em 2016

Planilha de propina da Odebrecht traçou paralelo entre partidos políticos e clubes

Os partidos como "clubes" na delação da Odebrecht. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A delação de ex-executivos da Odebrecht abalou a república, com a abertura de inquérito contra 98 pessoas, incluindo 3 ex-presidentes, 3 governadores, 8 ministros, 24 senadores e 39 deputados federais. A lista de Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal e relator da Operação Lava-Jato, apresenta denúncias sobretudo de doações ilegais em campanhas, no chamado “Caixa 2″. Na planilha da empreiteira, que tinha um departamento apenas para operar a milionária propina em Brasília, os políticos e seus partidos foram detalhados como jogadores e clubes de futebol.

O jornal O Globo trouxe a estrutura de codinomes, a partir do depoimento de Luiz Eduardo Soares, ex-diretor da Odebrecht. Ao todo, 18 clubes serviram como apelidos para os partidos políticos envolvidos, incluindo o Trio de Ferro, com Náutico (Partido Social Cristão), Santa Cruz (Partido Republicano da Ordem Social) e Sport (Partido Socialista Brasileiro). Caso um parlamentar não tivesse o partido definido, entrava como ABC de Natal. Mais. O cargo político de cada um teve um paralelo traçado com a posição em campo.

Goleiro = base partidária
Zagueiro = deputado estadual
Volante = deputado federal
Meia = governador
Ponta = senador
Centroavante = presidente

Por fim, o “valor do passe”, que era o valor da doação ilegal. Parece até piada, mas esse esquema aí, com 78 delações premiadas, incluindo o presidente da construtora, revelou um desvio de recursos jamais visto no país…

Leia o post sobre a delação apontando fraude na licitação da Arena PE aqui.

Central x Las Vegas United, o aleatório amistoso em Caruaru antes da Série D

Amistoso, 2017: Central x Las Vegas United. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A campanha do Central no Estadual foi lamentável. Após cumprir o mínimo necessário na 1ª fase, o alvinegro foi o lanterna do hexagonal, imerso em crise. Não pôde jogar no Lacerdão, devido ao péssimo estado do gramado, atrasou salários, enfrentou paralisação de atletas e ainda foi alvo de denúncia sobre a falta de alimentação numa partida no Recife. Juntando os (muitos) cacos, o clube tem pela frente a Série D de 2017, onde tentará o acesso pela 7ª vez. Para a reformulação do elenco, uma parceria com o empresário Márcio Granada, dono do Las Vegas United. Como ponto de partida, um amistoso em 14 de maio, no Lacerdão, contra o clube norte-americano.

Será o primeiro amistoso internacional da patativa em 16 anos. Contudo, o rival não faz parte da Major League Soccer (MLS), o principal campeonato de futebol dos Estados Unidos, mas da United Premier Soccer League (UPSL), semiprofissional. A liga é composta por seis clubes (LA United, LA City, LA Mobsters, Real Zamora, MF 10 e Anahuac), que disputam o título da Conferência de Nevada em turno e returno. O “semiprofissional” cabe devido à maioria do time, numa mescla com brasileiros em fim de carreira. O elo entre o Central e o United é o atacante Araújo, de 39 anos, agora em ação nos EUA.

Para o amistoso, a direção caruaruense ainda confirmou a participação dos ex-jogadores Edmílson, Marcos Assunção e Amaral, todos pelo Las Vegas. Se o amistoso vai servir como preparação para o Campeonato Brasileiro, é algo questionável, mas o jogo tende a ser incomum nas bandas do Luiz Lacerda.

Amistosos internacionais da Patativa
1968 – Central 2 x 1 Argentina (seleção de novos)
1980 – Central 3 x 1 Nigéria (na reinauguração do Lacerdão)
2000 – Central 1 x 1 Estrela da Amadora (Portugal)
2001 – Central 3 x 1 Rio Ave (Portugal)

O grupo A7 da Série D: Central, Coruripe-AL, Juazeirense-BA e Sousa-PB

Videocast – Qual é o maior estado no futebol fora do eixo Rio-SP-MG-RS?

Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul concentram 42 dos 46 títulos brasileiros e todas as 17 Libertadores e os 10 Mundiais conquistadas pelo país. Também têm, sem contestação, as dez maiores torcidas. Porém, há resistência fora desse eixo, sobretudo em três estados. Bahia, Paraná e Pernambuco, com times populares e feitos nacionais (e internacionais). Saindo da redoma das mesas redondas nacionais, qual seria o “5º estado” em termos de representatividade no futebol?

O 45 minutos debateu os pontos altos e baixo dos centros, também passando por Santa Catarina, uma força recente. História, estrutura, atualidade etc. No fim, o veredito, ordenando todos. Obviamente, a discussão segue…

Nesta gravação, estou com Celso Ishigami e Fred Figueiroa. Assista!

Parte 1 (23 minutos)

Parte 2 (21 minutos)

Sport não joga bem, mas vence Joinville e consegue vantagem na Copa do Brasil

Copa do Brasil 2017, 4ª fase: Sport 2 x 1 Joinville. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Este mês de abril proporcionou um cenário inédito no Sport, com a disputa de mata-matas em quatro competições oficiais distintas, nos âmbitos estadual, regional, nacional e internacional. Uma sequência de quarta/domingo com jogos de maior pressão e cobrança. Ao utilizar equipes alternativas em seis jogos no hexagonal, o objetivo do Sport era, justamente, chegar neste momento com o time principal mais encaixado e descansado. Foi assim com Campinense e Danubio, em boas atuações pelo Nordestão e Sula. Embora também tenha vencido o Joinville, a rotação do time foi bem abaixo.

O leão encarou mais um time recuado, jogando por um bola – que existiu, numa saída errada de Magrão. Estudando o adversário além da conta, o Sport trocava passes sem conseguir verticalizar jogadas. Everton Felipe jogou mal e André, isolado, pouco participou. Ney Franco trocou os dois no segundo tempo, no mesmo instante, quando o jogo já estava 1 x 1. Entraram Lenis e Juninho. O colombiano foi arisco, avançando em todas as jogadas de linha de fundo. Como desperdiçou três chances, ouviu reclamações, apesar de ter mostrado futebol. Já o prata da casa mostrou serviço novamente ao substituir o centroavante titular. Segue prendendo a bola, mas também tem qualidade, como no gol da vitória, aos 38. Num belo passe de Rithely (que já havia feito um golaço sob um toró), o atacante dominou rápido e finalizou ainda melhor.

Para um time que não mostrou organização na Ilha, a vitória por 2 x 1 acabou sendo satisfatória. Terá o empate dentro de uma semana, na Arena Joinville, onde deverá encontrar uma atmosfera maior que a ida, com menos de 5 mil torcedores – com chuva e tevê, é verdade. Acabou simulando um peso menor a um confronto (acessível) que vale R$ 1,05 milhão de cota e a vaga nas oitavas da Copa do Brasil, onde o rubro-negro não chega desde 2010.

Copa do Brasil 2017, 4ª fase: Sport 2 x 1 Joinville. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

A bola dourada para a fase final do Campeonato Pernambucano de 2017

A bola da final do Campeonato Pernambucano de 2017. Crédito: FPF/divulgação

Pelo segundo ano seguido a bola da final do Campeonato Pernambucano será dourada. A versão exclusiva para a fase final surgiu no Mundial de 2006, quando a Adidas confeccionou uma bola para a decisão entre Itália e França, a Teamgeist Berlin, também dourada. Desde então, inúmeras competições copiaram a ideia. No futebol local, com a Penalty, vigora desde 2013.

Começou com a Duelo Final, marrom. No ano seguinte, a Gorduchinha, com as cores brasileiras. Após dois anos sem nome definido (apenas a cor distinta), voltou a Duelo Final, espalhada em dez estaduais. Fornecedora do campeonato local há uma década, a empresa ajustou a S11 Campo Pró, trocando os gomos nas cores laranja, roxa e preta por detalhes dourados.

A pelota foi apresentada na FPF aos dirigentes de Salgueiro, Náutico, Sport e Santa, uma vez que o modelo será utilizado em todos os mata-matas, com as semifinais, decisão de 3º lugar e decisão do título. Repete o formato de 2015. Ou seja, a bola dourada entra em campo em 8 dos 95 jogos do torneio.

As versões originais e exclusivas do PE: 2013201420152016 e 2017.

As bolas do hexagonal e do mata-mata de 2017 (S11)

As bolas oficiais do Campeonato Pernambucano de 2017

As bolas do hexagonal/semifinal e da final de 2016 (Bola 8)

As bolas oficiais do Campeonato Pernambucano de 2016

A bilheteria móvel do Santa Cruz dialoga com uma parcela considerável da torcida

A bilheteria móvel do Santa Cruz

Em temos de otimização da venda de ingressos para jogos de futebol, com compra online, prioridade aos sócios e vendas em pontos físicos descentralizados, o Santa Cruz recorreu a um formato bem antigo, visando as decisões em abril. O clube disponibilizou dois carros de som, um circulando na zona norte do Recife, e outro se revezando entre Olinda e Paulista. Ao todo, 26 bairros. Locais com histórico de forte presença coral. E aí está ponto-chave desta ideia, o diálogo com uma parcela menos favorecida da torcida.

Considerando o último raio-x da massa tricolor, produzido pelo Ibope, 74% da torcida recebe no máximo dois salários mínimos. Quase 1/3 é formado pelas classes D e E, nas quais o plano de sócios dificilmente alcança, nas quais o pagamento via cartão de crédito/débito dificilmente é possível, nas quais o deslocamento ao Arruda acaba gerando uma despesa extra. Por isso, a venda através de uma “bilheteria móvel”, somada a uma venda casada, com R$ 15 pelos bilhetes das semifinais do Campeonato Pernambucano (vs Salgueiro, 15/04) e da Copa do Nordeste (vs Sport, 30/04). Desconto de R$ 5.

Ponto para o tricolor, estimulando a sua torcida, que, como as demais do estado, segue devendo bastante nesta temporada.

Média de público do Santa Cruz em 2017
Estadual – 5.571 pessoas (5 jogos)
Nordestão – 9.851 pessoas (4 jogos)
Geral – 7.473 pessoas (9 jogos)

Torcida do Santa Cruz por classe social (Ibope 2014)
A/B: 265.206 (ou 12% dos torcedores)
C: 1.237.629 (ou 56% dos torcedores)
D/E: 707.216 (ou 32% dos torcedores)

As localidades da bilheteria móvel do Santa Cruz

Odebrecht delata fraude na licitação da Arena Pernambuco. Suspeita antiga

Arena Pernambuco. Foto: Fifa/divulgação

Inaugurada em 2013 e até hoje sem o valor final da obra homologado, a Arena Pernambuco segue com a sua concepção sob suspeita. O ex-diretor superintendente da Odebrecht no Norte-Nordeste, João Pacífico, delatou um esquema de fraude na licitação do estádio. O depoimento do executivo, um dos 78 nomes da construtora que fizeram delações premiadas, indica um acordo entre as empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez “a fim de frustrar o caráter competitivo de processo licitatório associado à construção da Arena Pernambuco”, como revela O Estado de S. Paulo. As informações presentes na Lava-Jato foram enviadas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, à Procuradoria da República em Pernambuco.

Em 15 de agosto de 2015, a Polícia Federal já havia tratado a construção da arena como resultado de uma “organização criminosa”. Um dos principais pontos na apuração da Operação Fair Play foi o fato de a Odebrecht, vencedora da concorrência, ter elaborado o projeto básico do edital de licitação, de 78 páginas, lançando-o em fevereiro de 2010, com o aval do comitê gestor de parcerias público-privadas no estado – não por acaso, também alvo da operação. A relação apontaria uma nítida vantagem à empreiteira. Ou, literalmente, fraude, na visão da investigação paralela da PF.

A seguir, um texto do blog de 19 de junho de 2015, antes das duas denúncias.

A licitação da Arena Pernambuco contou com três construtoras, todas com os presidentes presos na Lava-Jato 

O interesse em participar da parceria público-privada na construção e operação da arena em São Lourenço da Mata, lançada pelo governo do estado em fevereiro de 2009, atraiu 30 consórcios formados por grandes empreiteiras, que compraram o edital de licitação por R$ 100. Aos poucos, a disputa foi ficando restrita, com 19 empresas visitando o terreno de 270 hectares durante o processo. No fim, sem surpresa, restaram os nomes especulados meses antes. Apenas dois consórcios depositaram a caução de R$ 4,79 milhões, correspondente à inscrição na licitação do empreendimento. De um lado, a Odebrecht, que já havia feito o projeto básico. Do outro, uma sociedade pontual entre Andrade Gutierrez e OAS.

A entrega dos “envelopes com as propostas”, na verdade foram caixas com milhares de papéis, ocorreu em 22 de março de 2010, no pequeno auditório no 5º andar do edifício da Procuradoria Geral do Estado, na Rua do Sol. Como se sabe, a Odebrecht venceu a disputa (obteve a nota 91,17). Cinco anos depois, passada a Copa do Mundo de 2014 e com a vigente polêmica acerca do acordo sobre a operação da Arena Pernambuco, com números superestimados de presença de público, fora o valor final da obra de até R$ 743 milhões (em vez dos R$ 479 mihões iniciais), vivemos a era da queda das grandes construtoras. 

Em novembro de 2014, o presidente da OAS, José Aldemário Pinheiro Filho, foi preso durante a 7ª fase da Operação Lava-Jato, a investigação da Polícia Federal sobre um esquema de lavagem e desvio de milhões de reais envolvendo a Petrobrás, empreiteiras e políticos das mais altas esferas do poder. Na 14ª fase da investigação, em junho de 2015, mais duas prisões de peso, os presidentes da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo. As três empresas participaram de inúmeras licitações de arenas do Mundial, em alguns casos através de parcerias, como se tentou aqui. Odebrecht e Andrade Gutierrez reconstruíram o Maracanã, enquanto Odebrecht e OAS ergueram a Fonte Nova. Rivais aqui, parceiras acolá. Até agora, entretanto, a Lava-Jato tem como prisma a Petrobrás.

Até quando?

Com a resposta dada, que siga a investigação na arena em São Lourenço…

R$ 99.888.570, a multa de Fabrício… Vale?

Sul-Americana 2017, 1ª fase: Sport 3 x 0 Danubio. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Na sequência de duas boas apresentações contra Campinense e Danubio, em mata-matas pelo Nordestão e Sul-Americana, o Sport anunciou a prorrogação do contrato do volante Fabrício, 18 anos. Prata da casa, há sete temporadas evoluindo na base, o jogador agora tem vínculo até o fim de 2020. Até aí, nada demais. A reformulação contratual de jovens valores é recorrente, visando a proteção no mercado, e neste mesmo ano o leão ampliou os acordos com Juninho (atacante) e Caio (lateral), companheiros no Sub 17 e no Sub 20.

O que chama a atenção é a multa rescisória do novo contrato de Fabrício.

A multa do contrato anterior, até 2018, era de 400 mil euros. Ampliando o tempo de permanência no clube e, certamente, o salário do atleta, a multa estipulada para o mercado internacional saltou para 30 milhões de euros, segundo informação do repórter Bruno Reis, do Esporte Interativo – como de praxe, não foi confirmado pelo clube. Ou seja, um aumento de 7.400%.

Convertendo à moeda nacional, o astronômico valor de R$ 99.888.570.

Obviamente, a multa é o teto do negócio e na prática quase nenhum clube interessado chega a tanto – e não representa sequer o valor de mercado do atleta, ainda não calculado pelo site Transfermakt. Contudo, impressiona que a primeira reformulação contratual de um jogador com apenas seis partidas e um gol como profissional, mesmo com potencial, já alcance esse patamar.

Obs. Em 2015, numa reformulação semelhante, o Bahia estipulou a multa de Bruno Paulista em 30 milhões de euros. Bruno foi vendido ao Sporting de Lisboa por € 2,6 milhões. Nem 10%, mas, ainda assim, uma boa venda…