Sem ímpeto ofensivo, Santa Cruz perde do América no Independência e sai do G4

Série B 2017, 9ª rodada: América-MG x Santa Cruz. Foto: Juarez Rodrigues/EM

A falta de ímpeto ofensivo custou o G4 ao Santa no Independência. Embora seja preciso ressalvar a sequência da tabela, com Ceará, Inter, América e Figueira, clubes de força nesta Série B, com o tricolor começando bem o roteiro, com quatro pontos. Na capital mineira, o técnico Adriano Teixeira repetiu a formação do sábado. Léo Lima e Primão no meio, reforçando a articulação com o trio de ataque, tendo Pitbull ainda no lugar do vetado Ricardo Bueno. Não bastou. Num jogo parelho, não houve diálogo ofensivo.

O tricolor chegou pouco à frente, com duas finalizações com algum perigo. O empate até seria insuficiente para manter o clube na zona de classificação à elite, mas daria continuidade aos pontos conquistados como visitante. Em uma atuação relativamente tranquila, quase flertando com a apatia, o time acabou penalizado aos 33 minutos do segundo tempo, numa boa jogada individual do jovem camisa 10 do Coelho, Matheuzinho. Passou por um marcador na entrada da área, puxou pra perna boa e mandou no canto de Júlio César.

Numa noite sem inspiração, o tento foi quase a sentença para o resultado final. E se passou perto de mudar algo, foi na própria barra coral, com o América Mineiro explorando os contragolpes. Nem precisou, com o 1 x 0 deixando o clube com os mesmos 13 pontos do Santa Cruz – que term uma vitória a mais, 4 x 3. Sábado, mantendo o embalo de rodadas da Segundona, o time volta a campo na Arena Pernambuco, cumprindo o primeiro dos cinco jogos acertados com o governo do estado e poupando o Arruda. Em BH, o gramado também foi favorável. O time, nem tanto.

Série B 2017, 9ª rodada: América-MG x Santa Cruz. Foto: Juarez Rodrigues/EM

Náutico perde pela 7ª vez em 9 jogos e já tem pior início na Série B. Reversão difícil

Série B 2017, 9ª rodada: Náutico 2x3 Goiás. Foto: Roberto Ramos/DP

O Náutico tem, de longe, a defesa mais vazada da Série B. Em nove rodadas, já sofreu 19 gols, num desempenho refletido na campanha, sendo o único time que ainda não venceu. Contra o Goiás, mais uma noite de corredores abertos nas laterais, zaga mal posicionada e goleiro sem tanta efetividade.

O time foi vazado logo no primeiro minuto da partida, num cruzamento concluído por Carlos Eduardo, livre na área. Apesar do péssimo cenário, o time, estreando o técnico Beto Campos, reagiu. Com o ataque formado por Gilmar (esquerda), Vinícius (centralizado) e Erick (direita), as oportunidades surgiram. A primeira aos 26, num pênalti desperdiçado por Gilmar. Pouco depois, em outra jogada pela ponta, gol contra de Everton Sena (aquele mesmo). O timbu seguiu melhor na volta do intervalo, criando e pressionando. Até tomar o segundo gol de um adversário mais tranquilo – tanto em qualidade quanto na tabela. Embora tenha chegado outra vez ao empate, com Vinícius, recebendo passe de Gerônimo (acionado no lugar de Gilmar), a cobertura dos laterais foi lamentável, com outro gol de bola cruzada, aos 41 minutos, 2 x 3. Aí, sem reação, com o visitante até acertando a trave duas vezes.

Ficou a sensação de que pode melhorar? Ofensivamente, sim. Insuficiente para o restante do Brasileiro, que pede uma defesa confiável. Até porque, num levantamento considerando as nove primeiras rodadas, o quadro já é crítico. Com dois pontos, tem a pior pontuação neste recorte. Dos onze lanternas anteriores neste recorte, seis seguiram na posição ao fim da competição e apenas três clubes escaparam do Z4, com Lusa, Vila Nova e ABC somando 37, 42 e 43 pontos nas 29 rodadas seguintes, respectivamente.

O lanterna da Série B após 9 rodadas (e a situação após a 38ª)
2006 – 8 pontos, Portuguesa (14º, 45 pts)
2007 – 6 pontos, Ituano (20º, 33 pts)
2008 – 5 pontos, CRB (20º, 24 pts)
2009 – 3 pontos, Campinense (19º, 37 pts)
2010 – 4 pontos, Vila Nova (16º, 46 pts)
2011 – 3 pontos, Duque de Caxias (20º, 17 pts)
2012 – 2 pontos, Barueri (20º, 30 pts)
2013 – 3 pontos, ABC (14º, 46 pts)
2014 – 2 pontos, Vila Nova (19º, 32 pts)
2015 – 3 pontos, Mogi Mirim (20º, 23 pts)
2016 – 4 pontos, Sampaio Corrêa (20º, 27 pts)
2017 – 2 pontos, Náutico

Série B 2017, 9ª rodada: Náutico 2x3 Goiás. Foto: Roberto Ramos/DP

Classificação da Série A 2017 – 8ª rodada

A classificação da 8ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Fim de semana tenebroso para os mandantes no Brasileirão. Em dez jogos, apenas uma vitória. E os visitantes fizeram mesmo a festa. Pior para o leão pernambucano. O Sport perdeu do Vitória, em plena Ilha do Retiro, e entrou na zona de rebaixamento, de onde havia saído na 3ª rodada. Voltou justamente no momento em que a tabela mostra duas pedreiras pela frente, Atlético Mineiro e Santos, ambos os jogos como visitante. O leão erá que melhorar bastante para não afundar no Z4 nesta semana.

Resultados da 8ª rodada
Atlético-GO 0 x 1 Atlético-PR
Vasco 1 x 0 Avaí
Santos 0 x 0 Ponte Preta
Coritiba 0 x 0 Corinthians
Chapecoense 0 x 2 Botafogo
Bahia 2 x 4 Palmeiras
Fluminense 2 x 2 Flamengo
São Paulo 1 x 2 Atlético-MG
Sport 1 x 3 Vitória
Cruzeiro 3 x 3 Grêmio

Balanço da 8ª rodada
1V dos mandantes (10 GP), 4E e 5V dos visitantes (17 GP)

Agenda da 9ª rodada
21/06 (19h30) – Vitória x Santos (Barradão)
21/06 (21h00) – Botafogo x Vasco (Nilton Santos)
21/06 (21h00) – Palmeiras x Atlético-GO (Allianz Parque)
21/06 (21h45) – Avaí x Fluminense (Ressacada)
21/06 (21h45) – Atlético-PR x São Paulo (Arena da Baixada)
21/06 (21h45) – Atlético-MG x Sport (Independência)
22/06 (19h30) – Corinthians x Bahia (Arena Corinthians)
22/06 (19h30) – Ponte Preta x Cruzeiro (Moisés Lucarelli)
22/06 (21h00) – Grêmio x Coritiba (Arena do Grêmio)
22/06 (21h00) – Flamengo x Chapecoense (Luso Brasileiro)

Histórico de Galo x Sport em Belo Horizonte, pelo Brasileiro (18 jogos):
2 vitórias leoninas, 5 empates e 11 derrotas

Podcast – Análise do empate do Santa Cruz e das derrotas de Náutico e Sport

Na 8ª rodada das Séries A e B, nenhuma vitória do Trio de Ferro. No sábado, dois jogos pela segundona. Num gramado em péssimas condições no Arruda, tricolores e colorados encontraram dificuldades para jogar bola. No interior mineiro, o timbu deu sequência à péssima campanha, já com reversão complicada. No domingo, o clássico entre os leões nordestinos, com atuação lamentável do pernambucano, sofrendo o primeiro revés como mandante. O podcast 45 minutos analisou as três partidas em gravações exclusivas, tanto na questão técnica quanto tática, além de análises individuais. Ouça!

17/06 – Santa Cruz 0 x 0 Internacional (27 min)

17/06 – Boa 2 x 1 Náutico (30 min)

18/06 – Sport 1 x 3 Vitória (43 min)

Involuindo, Sport perde do Vitória na Ilha e entra no Z4 em semana complicada

Série A 2017, 8ª rodada: Sport 1 x 3 Vitória. Foto: Peu Ricardo/DP

O Sport deu sequência ao seu futebol burocrático no Brasileirão, sem intensidade, como de costume, com excesso de passes laterais e muitos erros na saída de jogo. Nem a volta de Diego Souza mudou a cara do time, com o camisa 87 jogando mais adiantado e pouco participativo na criação, quase inexistente. Por sinal, a distância entre a defesa e o ataque chamou a atenção, com um deserto de rubro-negros no círculo central. Ao menos entre os pernambucanos, pois o rubro-negro baiano, excepcionalmente de branco, jogou de forma bem mais aguda, melhor o tempo inteiro.

Segundo o Footstats, o número de passes certos foi Sport 405 x 260 Vitória, com o visitante proporcionalmente errando mais, 11,1% x 12,4%. Menos passes e mais objetividade, armado bem os contragolpes. Não por acaso, nesta partida, foi o dado bruto de passes errados que comprometeu, 51 x 37. Pior para o Sport, grotesco defensivamente – numa queda brusca em relação ao jogo anterior, contra o São Paulo. Lá na frente, ainda sofreu com atuações individuais abaixo da crítica, como Oswaldo, Thomás, Samuel Xavier e o próprio DS87, resumido ao gol de carrinho. Para completar, Luxemburgo mexeu muito mal, sacando André, “punido” por uma chance perdida, que poderia ter gerado o empate. Acionou Leandro Pereira, que ainda não disse a que veio e que, tecnicamente, não muda jogo algum. Desconstruiu o mínimo.

Tão mal assim, o Sport acabou superado, 1 x 3, na primeira derrota na Ilha do Retiro. O que torna ainda pior o resultado é a tabela da Série A, pois foi o 5º jogo em casa em 8 rodadas. Portanto, a “conta” vem agora, longe do Recife, onde ainda não pontuou. De cara, Galo (quarta) e Santos (sábado), dois dos principais elencos da competição. Só uma transformação improvável, a curto prazo, tiraria o clube do Z4. Involuindo há dez dias, fez por onde…

Sport x Vitória no Recife, pelo Brasileiro
6 vitórias do Leão da Ilha
4 empates
2 vitórias do Leão da Barra

Série A 2017, 8ª rodada: Sport 1 x 3 Vitória. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Com 3 gols de Leandro Costa, Central faz a alegria de 7 torcedores em Coruripe

Série D 2017,  5ª rodada: Coruripe 2 x 3 Central. Foto: Sérgio Pepeu/cortesia

A agonia do Central na Série D é duradoura. Está lá desde a criação da quarta divisão, com sete participações em nove possíveis. Já chegou a flertar com o acesso, ao alcance dos quatro primeiros colocados, mas fracassou em casa, nos pênaltis, pelo gol qualificado, de goleada. Haja pancada.

Mas a Patativa insiste no Campeonato Brasileiro, único meio para obter um calendário mais digno. Hoje, mal consegue pôr as contas em dias, convivendo com (justas) ameaças de paralisação dos jogadores. E apesar da campanha irregular, com uma vitória até então, não falta luta. Em Coruripe, precisando da vitória para se manter vivo no grupo A7, uma história daquelas…

À parte das ondas do rádio, sete torcedores alvinegros pegaram a estrada, com 289 quilômetros de viagem para uma partida complicado. Se já não havia muitos motivos para confiar, tomar um gol no primeiro lance deve ter rendido um leve arrependimento sobre a viagem. Ao menos desta vez, não! A tarde seria alvinegra, seria do atacante Leandro Costa. Os sete fiéis mereciam.

Certamente, esses torcedores estarão no Lacerdão na última e decisiva rodada, no domingo de São João, contra o Sousa…

Os gols de Coruripe x Central
1 x 0 – Alisson aos 25 segundos…
1 x 1 – Leandro Costa aos 39/1T
2 x 1 – Nilson Júnior aos 46/1T
2 x 2 – Leandro Costa aos 2/2T
2 x 3 – Leandro Costa aos 47/2T

Campanhas alvinegras na Série D
2009 – 12º lugar
2010 – 32º
2013 – 14º
2014 – 16º
2015 – 14º
2016 – 36º
2017 – disputando…

Série D 2017,  5ª rodada: Coruripe 2 x 3 Central. Foto: Central/twitter (@centraloficial)

Grito de gol somente após a confirmação do árbitro de vídeo. O futuro do futebol?

Gol anulado no jogo Camarões 0 x 2 Chile, na Copa das Confederações de 2017. Crédito: Sportv/reprodução

Após um teste mal executado no Mundial de Clubes, em dezembro de 2016, a Fifa voltou ao tira-teima tecnológico com um novo formato na Copa das Confederações de 2017. No jogo entre Chile e Camarões, com vitória da Roja por 2 x 0 na largada do torneio-teste, o árbitro de vídeo (sigla VAR, para video assistant referee) foi acionado duas vezes em lances bem ajustados.

Impedimento ou não? Em ambos, o chileno Vargas balançou as redes…

Uma característica interessante vista na tevê foi a medição do campo com linhas em 3D, ou “grid”, equalizando os ângulos duvidosos das câmeras. Na cabine instalada na arena do Spartak, três árbitros analisaram os lances.

1) No último lance do primeiro tempo (acima), Vargas recebeu um belo passe de Vidal, entre os zagueiros africanos, e finalizou com categoria. Porém, o VAR apontou o atacante adiantado. Gol anulado.

2) No fim da partida (abaixo), Alexis Sánchez foi lançado ainda no círculo central e desperdiçou a chance na sequência, com Vargas marcando no rebote. O VAR paralisou para conferir o passe para Sánchez. Gol validado.

Sobre o tempo gasto em cada lance, considerei aceitável, sem quebrar o ritmo da partida. No entanto, a partir de agora, em jogos de futebol com a função, o gol passa a ser comemorado à vera somente após a a confirmação da cabine. Nada muito diferente do que já vemos na NFL, NBA, tênis etc.

Melhor do que anular um lance legal ou validar um lance irregular…

Gol validado no jogo Camarões 0 x 2 Chile, na Copa das Confederações de 2017. Crédito: TyC Sports/reprodução

Classificação da Série B 2017 – 8ª rodada

A classificação da 8ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesportes

No Arruda, o Santa Cruz empatou com o Inter e se manteve no G4 da segunda divisão, deixando justamente o adversário colorada na colocação seguinte. Em Varginha, o Náutico perdeu do Boa Esporte e afundou na lanterna do Brasileiro, já com cinco pontos de diferença sobre o penúltimo colocado. Após oito rodadas, o líder Juventude é o único invicto e o timbu é o único time sem vitória. Na próxima rodada, mais uma “terça-feira cheia”.

Resultados da 7ª rodada
Criciúma 3 x 2 Guarani
Ceará 1 x 1 Luverdense
Paraná 1 x 0 Figueirense
Goiás 1 x 2 ABC
Santa Cruz 0 x 0 Internacional
Boa 2 x 1 Náutico
Paysandu 0 x 0 Juventude
CRB 0 x 3 Londrina
Brasil 3 x 0 Vila Nova
Oeste 0 x 0 América 

Balanço da 7ª rodada
4V dos mandantes (11 GP), 4E e 2V dos visitantes (9 GP)

Agenda da 8ª rodada
20/06 (19h15) – Náutico x Goiás (Arena Pernambuco)
20/06 (19h15) – Juventude x Brasil (Alfredo Jaconi)
20/06 (19h15) – América x Santa Cruz (Independência)
20/06 (20h30) – ABC x CRB (Frasqueirão)
20/06 (20h30) – Figueirense x Luverdense (Orlando Scarpelli)
20/06 (20h30) – Londrina x Criciúma (Estádio do Café)
20/06 (20h30) – Paysandu x Boa (Curuzu)
20/06 (21h30) – Vila Nova x Ceará (Serra Dourada)
20/06 (21h30) – Guarani x Oeste (Brinco de Ouro)
20/06 (21h30) – Internacional x Paraná (Beira-Rio)

Náutico perde mais uma vez de virada, agora para o Boa, e afunda na Série B

Série B 2017, 8ª rodada: Boa 2 x 1 Náutico. Foto: Premiere(reprodução)

Em 24 pontos disputados, o Náutico somou apenas 2. Além dos dois empates, perdeu seis vezes. Hoje, é o único time que ainda não venceu na Série B, afundando na zona de rebaixamento, numa situação já difícil de reverter.

Em Varginha, sob comando interino de Levi Gomes, mais um revés. Outra vez de virada. Se contra o Paraná o segundo gol saiu nos descontos, contra o Boa o resultado também veio de forma dura, com dois gols seguidos no finzinho do primeiro tempo. Após o gol de Aislan, escorando o escanteio cobrado por Giovanni, o time pernambucano cometeu falhas grotescas. Como exemplo, o pênalti aos 42, ‘iniciado’ por Joazi e cometido por Tiago Cardoso. Bizarro. Na sequência, aos 44, um golaço de Rodolfo. O 2 x 1 seria definitivo, tamanha fragilidade do visitante, cuja melhor chance saiu dos pés do estreante Gilmar.

Com isso, o timbu volta ao Recife com apenas 8,3% de aproveitamento no Brasileiro, em seu pior início desde que o formato de 38 rodadas foi implantado. Por sinal, num levantamento considerando as oito primeiras rodadas, o quadro já é muito preocupante. Dos onze lanternas anteriores neste recorte, seis seguiram na posição ao fim da competição e apenas dois clubes escaparam do Z4, com Vila Nova e ABC somando 43 e 44 pontos nas trinta rodadas seguintes, respectivamente. Complicado imaginar uma reação semelhante com o alvirrubro. Boa sorte ao novo técnico, Beto Campos.

O lanterna da Série B após 8 rodadas (e a situação após a 38ª)
2006 – 7 pontos, Vila Nova (20º 42 pts)
2007 – 6 pontos, Ituano (20º, 33 pts)
2008 – 5 pontos, CRB (20º, 24 pts)
2009 – 3 pontos, Campinense (19º, 37 pts)
2010 – 3 pontos, Vila Nova (16º, 46 pts)
2011 – 3 pontos, Duque de Caxias (20º, 17 pts)
2012 – 2 pontos, Barueri (20º, 30 pts)
2013 – 2 pontos, ABC (14º, 46 pts)
2014 – 1 ponto, Vila Nova (19º, 32 pts)
2015 – 3 pontos, Mogi Mirim (20º, 23 pts)
2016 – 3 pontos, Tupi (19º, 30 pts)
2017 – 2 pontos, Náutico

Série B 2017, 8ª rodada: Boa 2 x 1 Náutico. Foto: Premiere(reprodução)

Com Arruda cheio e gramado castigado, Santa empata com o Inter e segue no G4

Série B 2017, 8ª rodada: Santa Cruz x Internacional. Foto: Ricardo Duarte/Internacional

A torcida atendeu ao apelo, com o ingressos a partir de R$ 5, e marcou boa presença no Arruda. Apesar do borderô anunciado, com 25.356 espectadores, os setores reservados aos tricolores, nos anéis superior e inferior, estavam cheios. Apoio num confronto direto pelo grupo de acesso (4º x 5º), diante do Internacional, o bicho-papão desta Série B – tese ainda não imposta na classificação. Melhor no primeiro tempo, chegando com perigo com Bruno Paulo (2x) e Pitbull, o Santa Cruz acabou travado na segunda etapa. Cansou, mas como também teve um adversário pouco inspirado, acabou no 0 x 0. O empate beneficiou o time pernambucano, que manteve a 4ª colocação.

Nesta segunda apresentação sob o comando de Adriano Teixeira, a equipe manteve a formação com pontas abertos, Bruno Paulo e André Luís. A principal mudança foi no meio-campo, mais técnico que pegador, com Primão e, sobretudo, Léo Lima, que ajudou enquanto teve gás – a limitação física do apoiador era esperada nesses seus primeiros jogos.

Série B 2017, 8ª rodada: Santa Cruz x Internacional. Foto: Premiere/SporTV (reprodução)

Além do condicionamento da equipe, para uma atuação melhor faltou um detalhe: um gramado regular. Chamou demais a atenção o estado do piso do Mundão, esburacado e desnivelado. Apesar do trabalho emergencial, com o time treinando em Aldeia na véspera, enquanto o campo recebia perfurações para o escoamento da água, durante o jogo a situação não foi boa.

A bola parava nas poças o tempo todo, quebrando passes, com jogadores escorregando na lama – acionado no lugar de LL, Augusto, por exemplo, teve um desempenho irrelevante, sem conseguir carregar a bola. Frise-se que o campo foi ruim para os dois times. No lado do Inter, sem D’Alessandro, muitas bolas esticadas para Nico Lopez (mal, acabou substituído) e Cirino. Buscando um encaixe melhor, Guto Ferreira teve que se contentar com a lenta caminhada, com o 4º empate em 8 jogos. No fim da peleja, aplausos do povão. Pelo G4 e pela entrega em um cenário adverso para o bom futebol.

Série B 2017, 8ª rodada: Santa Cruz x Internacional. Foto: Ricardo Duarte/Internacional