Vitória e vaias. Apesar da vantagem na semifinal, Sport segue jogando mal

Pernambucano 2016, semifinal: Sport 1x0 Salgueiro. Foto: Williams Aguiar/Sport

A torcida respondeu. A bronca pela eliminação no Nordestão, com o futebol travado da equipe, teve como ato da direção a mudança no comando técnico, com a saída de Falcão. Novos ares? Aproveitando a promoção e o feriado, os rubro-negros foram à Ilha do Retiro mesmo cabisbaixos com a atual situação. Em outra frente, outro algoz. Após três confrontos no ano, finalmente o Sport venceu o Salgueiro. Aliás, só agora conseguiu marcar um gol. Solitário mesmo, através de Vinícius Araújo após bobeira do goleiro Gleibson, 1 x 0.

Àquela altura eram 13 minutos. Ledo engano. Com o freio de mão puxado, o time, num 4-2-3-1, segundo o próprio interino Thiago Gomes, não produziu quase nada ofensivamente. Jogou até irritar a torcida. Claro, o tempo sob novo comando, efetivo, foi curtíssimo, mas esperava-se alguma mexida. A presença de Serginho já era um indicativo de mais do mesmo. O camisa 8, já criticado aqui no blog, simplesmente não consegue jogar pra frente. Não acerta o passe.

Pernambucano 2016, semifinal: Sport 1x0 Salgueiro. Foto: Paulo Paiva/DP

O volante erra, gera contragolpes e tem um posicionamento falho. Para o jogo fluir, a sua saída é para ontem. Mas segue intacto, atuando os 90 minutos. Em relação ao time que disputa o Pernambucano, há um problema: a ausência de meias articuladores. Diego Souza foi contratado após o prazo de inscrição e Gabriel Xavier segue machucado, se bem que vinha sendo utilizado nas pontas.

Assim, três volantes, com Luis Antônio tendo o papel de tentar conduzir a bola a um ataque sem fome de gol. É verdade que o Carcará também esteve mal, se limitando à defesa, talvez consciente de sua força no calor do Sertão, mas o mandante fez por onde ser vaiado no apito final. Sim, o Sport tem a vantagem do empate para chega à final estadual e se garantir no próximo regional. Porém, com essa intensidade – muito abaixo do volume do Santa diante do Náutico, por exemplo – e essa formação sem mudanças, a confiança segue baixa.

Pernambucano 2016, semifinal: Sport 1x0 Salgueiro. Foto: Paulo Paiva/DP

CBF ajusta o regulamento do Nordestão e título valerá vaga na Sula de 2016 e 2017

Copa Sul-Americana. Crédito: Conmebol/divulgação

De forma quase secreta, a premiação do Nordestão de 2016 dobrou. Agora, o campeão irá ganhar vaga na Copa Sul-Americana de 2016 e 2017. Isso mesmo. Por um ajuste de calendário, como vem ocorrendo com a Série D, classificando os clubes para os dois próximos anos, a CBF também estendeu a mudança à Copa do Nordeste, que a partir de 2017 classificará o vencedor para a Sula do ano seguinte (como já é na Copa Verde), em vez da participação na mesma temporada, como é hoje. Para isso, era preciso indicar logo a vaga de 2017.

O ajuste passou quatro meses despercebido. O site esportivamente.com notou uma sutil mudança no regulamento original, divulgado no site oficial da confederação em 15 de dezembro de 2015. Até ali, o cenário óbvio, com o campeão regional de 2016 disputando a Sula de 2016. Porém, três dias depois a página 17, até então limpa, foi retificada com o ofício DCO/GER-894/15, atualizando o artigo 4º. Um texto mínimo, mas de grande importância, assegurando ao campeão duas vagas seguidas – veja os documentos abaixo.

Como algo tão importante passou tanto tempo à revelia da imprensa, torcida e dos próprios clubes? Ponha na trapalhada da CBF. A direção de competições da entidade esqueceu de trocar os regulamentos na chamada oficial da Lampions no site da CBF. Ou seja, ao abrir o link o leitor se depara com a versão antiga, já em desuso. Agora, Santa e Campinense, que se enfrentam em 27/04 e 01/05, vão jogar por mais R$ 500 mil (cada um já ganhou R$ 1,885 milhão) e duas vagas internacionais de uma só vez… Ambos nunca jogaram. Vale demais.

Confira o link onde é possível ver a divulgação da nova fórmula aqui.

A versão original do regulamento do Nordestão em relação à vaga na Sula

Regulamento da Copa Sul-Americana através do Nordestão de 2016. Crédito: CBF/reprodução

A retificação sobre o regulamento, feita três dias após a divulgação original.

Regulamento da Copa Sul-Americana através do Nordestão de 2016. Crédito: CBF/reprodução

A nova versão do regulamento, dando duas vagas na Sula ao campeão regional.

Regulamento da Copa Sul-Americana através do Nordestão de 2016. Crédito: CBF/reprodução

O futuro dos estádios Camp Nou e Santiago Bernabéu, cada vez maiores

Projetos de ampliação do Camp Nou (Barcelona) e Santiago Bernabéu (Real Madrid). Crédito: Barça e Real/site oficial

O Camp Nou e o Santiago Bernabéu estão no topo entre os maiores estádios particulares do futebol, com recomendação de cinco estrelas por parte da Uefa. Não por acaso, já receberam finais da Champions League, sendo duas na casa catalã e quatro palco madridista. Os donos são, também, os clubes mais ricos do mundo. E a sede de domínio no esporte não para. Tanto que ambos apresentaram projetos de reforma, transformando estádios decanos em arenas moderníssimas, nos mesmos gramados onde muitos craques desfilaram.

Em janeiro de 2014, o Real Madrid apresentou o Nuevo Santiago Bernabéu, com previsão de mais nove mil lugares. Orçado em 400 milhões de euros, o projeto esbarrou na justiça, por não atender às questões de urbanismo. Deve começar somente em 2017. Agora, em abril de 2016, foi a vez do Barcelona divulgar a sua nova casa, o New Camp Nou, algo como “novo campo novo”.

O clube blaugrana deve ter um gasto ainda maior que o rival merengue, 200 milhões a mais, mas com uma estrutura muito além do estádio, remodelando todo o complexo do clube. Dentro, um novo anel inferior de arquibancada, já que o atual tem pontos cegos, e o complemento do terceiro anel, aumentando ainda mais o status de maior estádio da Europa. Confira os dois vídeos, ambos bem produzidos, com projeções em 3D mostrando o passo a passo das obras.

Em 2022, um novo tempo para os gigantes espanhóis. Cada vez maiores?

New Camp Nou
Capacidade atual: 99.254 
Ampliação: 105.000
Conclusão: 2022
Gasto: 600 milhões de euros

Nuevo Santiago Bernabéu
Capacidade atual: 81.044
Ampliação: 90.000
Conclusão: 2021
Gasto: 400 milhões de euros

Os 11 anos de Magrão no Sport

Há onze anos, em 21 de abril de 2005, Magrão chegava ao Sport para compor o elenco. Sem nunca ter deixado o clube desde então, o goleiro, hoje com 39 anos, tornou-se ídolo, ícone. Com 576 partidas com a camisa rubro-negra, já está na história com o atleta que mais atuou pelo Leão, fora a sina de conquistas, com seis Estaduais, um Nordestão e uma Copa do Brasil.

Celebrando a longevidade de Magrão na Ilha, o departamento de comunicação lançou um vídeo com depoimentos de bastidores (com destaque para o segurança Pelé e o roupeiro Leguelé) sobre o dia a dia do jogador.

Com Arruda lotado, Santa Cruz vence o Náutico e abre boa vantagem na semi

Pernambucano 2016, semifinal: Santa Cruz 3x1 Náutico. Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz

Empolgado com a classificação à final do Nordestão e barateando o ingresso para contar com o calor de sua torcida, o Santa fez a festa no Arruda. Era jogo decisivo, clássico, mas a desenvoltura coral foi impressionante, impondo ao Náutico, com doze pontos a mais no hexagonal, um resultado duríssimo no jogo de ida da semifinal, 3 x 1. Como neste ano o saldo de gols é critério de desempate, só uma goleada alvirrubra poderá tirar o Tricolor de sua quinta final local em seis anos. Com 40.140 torcedores presentes, superando todas as expectativas, o time quebrou a estratégia alvirrubra com apenas nove minutos.

Em grande fase, Keno avançou pela ponta esquerda, driblou Joazi e cruzou para Arthur marcar o seu primeiro gol no clube. Abraçou Keno, consciente do papel desempenho pelo atleta mais decisivo do futebol pernambucano neste início de temporada. Em vantagem, o time comandando por Milton Mendes acabou recuando, dando o campo para o adversário. Entretanto, o Timbu não esteve numa noite feliz, errando muitos passes. Quase não finalizou na meta de Tiago Cardoso. Com Renan preso na marcação, foram poucas jogadas verticalizadas.

Pernambucano 2016, semifinal: Santa Cruz 3x1 Náutico. Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz

Precavido, o Santa explorava os contragolpes, com Grafite trabalhando muito bem a bola. No intervalo, Dal Pozzo apostou na entrada de Esquerdinha no lugar de Gil Mineiro, perdido no meio. De fato, era preciso melhorar a saída de bola. Mas, outra vez, deu nem tempo de aplicar a nova formação. Aos nove minutos, o Tricolor ampliou após escanteio. Em noite iluminada, Arthur cabeceou de novo, também batendo na trave antes de entrar. Dominando o jogo e bem postado, com Uillian Correia firme na contenção, o Santa mantinha o ritmo.

Aos 24, quatro corais em velocidade contra dois alvirrubros. A bola chegou em Tiago Costa, que bateu de fora da área, no cantinho de Júlio César – também o seu primeiro tento no torneio. Foi a senha para muitos alvirrubros deixarem o Arruda, ao som de “Adeus, Náutico!”. Com tamanha vantagem, Milton se deu ao luxo de poupar Grafa (aplaudido), substituído por Wallyson. A goleada parecia certa, com o mandante ainda acertando a trave, mas no fim o Náutico ganhou sobrevida. Num chute de Joazi, desviado na zaga, o gol de honra para deixar a semifinal aberta. Ainda que a vantagem coral seja considerável…

Pernambucano 2016, semifinal: Santa Cruz 3x1 Náutico. Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz

A bola da final pernambucana em 2016

Bola da Penalty para a final do Campeonato Pernambucano de 2016. Crédito: FPF/divulgação

A ideia de confeccionar uma bola especial para a final surgiu na Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, quando a Adidas criou a dourada Teamgeist Berlin, exclusiva para a partida entre Itália e França. Desde então, inúmeros torneios copiaram a ideia, inclusive o Campeonato Pernambucano, desde 2013.

Começou com a Duelo Final, marrom. No ano seguinte, a Gorduchinha, com as cores brasileiras. Nos últimos dois anos, a versão final. Novamente produzida pela Penalty, fornecedora do campeonato local desde 2008, a Bola 8 trocou os gomos pretos pelo dourado, num tom semelhante ao do troféu oficial.

Ao contrário da última temporada, quando a bola especial começou a ser utilizada na semifinal, desta vez a bola dourada de 2016 foi reservada mesmo para os dois jogos finais, com a bola alvinegra nas outras 90 partidas.

As bolas dos turnos e das finais: 2013, 2014, 2015 e 2016.

A bola do Campeonato Pernambucano de 2016. Crédito: FPF/divulgação

O troféu do Campeonato Pernambucano de 2016, inspirado na Champions League

O troféu do Campeonato Pernambucano de 2016. Crédito: FPF/divulgação

O troféu do Campeonato Pernambucano de 2016 é o primeiro da história do futebol local a ter um naming rights, incorporando o nome da patrocinadora da competição, a Celpe. Encomendada pela FPF a uma empresa de design, a peça dourada de 60 centímetros lembra a orelhuda prateada da Champions League. Com um formato de “diamante”, a taça foi elaborada como a “maior joia do Nordeste”. Entre os detalhes, a base lembrando uma bola de futebol, as cores da bandeira pernambucana e o distintivo da entidade no alto. Na visão do blog, bem acima da média dos modelos apresentados nos últimos anos.

Medalhas do Campeonato Pernambucano de 2016. Crédito: FPF/divulgação

Seguindo a identidade visual da taça, também foram confeccionadas medalhas douradas e prateadas para o campeão e vice da temporada local, com destaque para a estrela da bandeira. Inicialmente a ideia era homenagear Miguel Arraes, que completaria 100 anos. Com o contrato firmado com a fornecedora de energia durante o Estadual, o troféu acabou entrando na pauta da negociação. Porém, a homenagem ao ex-governador foi mantida, na festa de premiação

O que você achou do troféu do campeonato estadual de 2016?

2006 – Troféu Diario de Pernambuco (Sport)
2007 – Troféu 100 Anos do Frevo (Sport)
2008 – Troféu Radialista Luiz Cavalcante (Sport)
2009 – Troféu Governador Eduardo Campos (Sport)
2010 – Troféu Tribunal de Justiça de Pernambuco (Sport)
2011 – Troféu 185 anos da Polícia Militar de Pernambuco (Santa Cruz)
2012 – Troféu Rede Globo Nordeste (Santa Cruz)
2013 – Troféu FPF (Santa Cruz)
2014 – Troféu 100 anos do Campeonato Pernambucano (Sport)
2015 – Troféu Centenário da FPF (Santa Cruz)
2016 – Troféu Pernambucano Celpe A1 (Náutico, Salgueiro, Sport ou Santa?)

Troféus do Campeonato Pernambucano de 2006 a 2015

A diferença de Arruda e Ilha através dos laudos de engenharia e dos bombeiros

Arruda e Ilha do Retiro via Google Maps

Em 25 de setembro de 2015, o Corpo de Bombeiro emitiu dois atestados de regularidade, um sobre o Arruda e outro sobre a Ilha do Retiro. Em ambos, reduziu a capacidade de público dos estádios. Não por questão de espaço físico para o público, mas pela estrutura oferecida para a evacuação da torcida, apontando escadas, portas e corredores afunilados. Com um ano de validade, os documentos seguem em vigor. A diminuição (55 para 50 mil no José do Rego Maciel e 32 para 27 mil no Adelmar da Costa Carvalho) foi aceita pelos clubes, sob protesto. Sete meses depois, ocorreu na sede da FPF uma “reunião de adequação dos estádios pernambucanos”.

Na prática, foi um debate apenas sobre os palcos de Santa Cruz e Sport, com representantes dos clubes, claro, do Ministério Público de Pernambuco, que em novembro passado recomendou a redução dos estádios, dos bombeiros, órgão responsável pela elaboração do documento, e da Vigilância Sanitária. Ajustes já pedidos no laudo em vigor para esta temporada foram reforçados – solução prática: mais saídas para o público, sobretudo nos setores populares. O atual redimensionamento tem validade até 25 de setembro de 2016. No Arruda, cujo alvará indicava 16 de abril, o status reduzido foi mantido.

Sobre a capacidade de público, há um impasse. A atual portaria do Ministério do Esporte, de nº 290, de 27 de outubro de 2015, consolidou os requisitos mínimos para serem contemplados nos laudos técnicos previstos. Resumindo, dá ao laudo de engenharia a voz oficial sobre a capacidade. Não por acaso, ao blog uma fonte informa que as cargas de 55 mil (Arruda) e 32 mil (Ilha) seguem à disposição dos clubes, que vêm evitando os montantes para se resguardarem sobre qualquer imprevisto legal, devido ao parecer dos bombeiros.

Laudo dos Bombeiros sobre o Arruda, com validade em 2016.

Laudo do Corpo de Bombeiros, de 2016, sobre o Arruda. Crédito: FPF/reprodução

Laudo dos Bombeiros sobre a Ilha do Retiro, com validade em 2016.

Laudo do Corpo de Bombeiros, de 2016, sobre a Ilha do Retiro. Crédito: FPF/reprodução

À revelia do Santa, Esporte Interativo anuncia contrato. Clube deve ir à justiça

Clubes firmados com o Esporte Interativo para o Brasileirão de 2019 a 2024. Crédito: Esporte Interativo/facebook

O Esporte Interativo anunciou em um evento no Pacaembu os 14 clubes de contrato assinado para a transmissão do Brasileirão de 2019 a 2024, na tevê por assinatura. Na lista, cinco nordestinos. Incluindo o Santa, o único sem representante em São Paulo. Após o acordo em janeiro, os corais não aceitaram a diferença na cota do Bahia (quase 10x), e articularam um novo contrato, com a Globo. Por sinal, hoje, existem dois contratos assinados com o clube.

Ao jornal Folha de S. Paulo, a Globo divulgou a seguinte nota:
“O Santa Cruz aceitou a proposta feita para as temporadas 2019/2024″

Ao Diario de Pernambuco, o Esporte Interativo divulgou a seguinte nota:
“Esporte Interativo confirma que tem contrato assinado com o Santa Cruz pelos direitos de TV Paga, a partir de 2019, inclusive já com o pagamento de luvas.”

Enquanto acontecia a apresentação dos clubes em São Paulo, através do presidente do EI, Edgar Diniz – já ciente do impasse -, o mandatário coral, Alírio Moraes, concedia entrevista no Recife dizendo que irá à justiça pelo distrato com a emissora. O valor da possível devolução (ou rescisão) não foi divulgado.

Confira o mapa dos clubes firmados com o EI, segundo o canal, clicando aqui.

A estratégia é ter ao menos oito times na Série A a partir de 2019, o que garantiria uma grade de 76 jogos por temporada, número anunciado no evento – por isso, vem assinando com potenciais candidatos a uma participação na elite.

Os bastidores da classificação do Santa Cruz à decisão da Copa do Nordeste

A TV Coral registrou os bastidores da inédita classificação do Santa Cruz à final da Copa do Nordeste de 2016, com a vitória por 1 x 0 sobre o Bahia, na Fonte Nova. O vídeo tem 6 minutos de imagens do pré-jogo, da comemoração no vestiário, com depoimentos no calor do objetivo alcançado. Assista.