Asa Branca em massa na fábrica de Itabuna

Bola oficial do Nordestão 2015, a Asa Branca 2. Crédito: Esporte Interativo/youtube

Serão produzidas mais de 500 bolas oficiais para a Copa do Nordeste de 2015.

Batizada de Asa Branca 2, a pelota será frabricada pela Penalty, em Itabuna.

A versão Campo Pro da marca tem um desenho exclusivo para o regional.

Considerando a regra da CBF em uma partida oficial, com o uso de sete bolas, o total no Nordestão seria de 518 bolas nas 74 partidas.

A esse número, some os modelos enviados aos vinte clubes participantes.

Resta ver se o ritmo de produção irá acompanhar o mercado, pois a Asa Branca 1 chegou em cima da hora, até para os clubes que disputaram o Nordestão de 2014. Desta vez, o marketing parece ter se moldado ao calendário…

O trabalho já começou na instalação no interior baiano.

Podcast 45 minutos (68º) – Rodada cheia na Série B e vacilo dos pernambucanos

A 68ª edição do 45 minutos focou sobretudo na análise dos jogos de Náutico e Santa Cruz, que tropeçaram contra América-MG e Joinville – sim, o empate coral fora de casa foi considerado vacilo pelo contexto da competição.

O podcast ainda reservou tempo para falar do Sport, envolvido em mais uma dura rodada na elite nacional. Estou nessa gravação (1h13min) ao lado de Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro.

Ouça agora ou quando quiser!

A 28ª classificação da Segundona 2014

Classificação da Série B 2014, na 28ª rodada. Crédito: Superesportes

Foi uma terça-feira de rodada cheia na Série B, com os times pernambucanos atuando em horários distintos. Na abertura da 28ª rodada, o Timbu foi goleado pelo América-MG, 1 x 4. Depois, no fechamento, o Santa Cruz não segurou a vitória contra o Joinville, 1 x 1. Ambos desperdiçaram uma ótima chance para se aproximar do G4.

Agora, faltam apenas dez rodadas. O Brasileiro afunilou de vez;;;

No G4, dois catarinenses, um paulista (líder) e um carioca.

A 29ª rodada dos representantes pernambucanos
11/10 – Ponte Preta x Santa Cruz (16h20)
11/10 – Náutico x ABC (16h20)

A tabela segue incompleta. Na 16ª rodada, devido à morte do ex-governador de Pernambuco, Santa x Bragantino foi adiado. para 14 de outubro.

Santa não segura a vitória pela 10ª vez na Segundona

Série B 2014, 28ª rodada: Joinville 1x1 Santa Cruz. Foto: LEO MUNHOZ/Agência RBS/ESTADÃO CONTEÚDO

Aos 49 minutos do segundo tempo, numa bola rebatida na entrada da área, Renan Fonseca tocou de cabeça e encobriu o goleiro.

A torcida coral prendeu a respiração, com as mãos na cabeça.

Por muito pouco a bola não entrou…

O árbitro encerrou logo depois, com o Santa Cruz empatando em Santa Catarina.

Até então, o Joinville tinha 10 vitórias em 13 partidas em casa. De fato, um mandante implacável, o que mostra que esse pontinho no suado 1 x 1 até seria um bom negócio para o time pernambucano.

Porém, pesa contra essa análise um fato corriqueiro na campanha tricolor.

Abrir o placar e não segurar a vitória. Na Série B isso já aconteceu dez vezes.

A 10ª vez nesta temporada foi justamente nesta terça-feira…

Após um primeiro tempo morno, o visitante voltou aceso e marcou logo com o volante Danilo Pires, sempre encostando no ataque. Contudo, o time de Oliveira Canindé não conseguiu suportar a pressão, sofrendo o gol logo depois.

É verdade que o Joinville criou algumas oportunidades para virar, mas o lance final, já descrito, fará com que a torcida passe alguns dias pensando “e se”

Até mesmo porque hoje a diferença em relação ao G4 é de dez pontos (38 x 48).

O fato de não segurar o resultado está custando um acesso à primeira divisão, literalmente.

Série B 2014, 28ª rodada: Joinville 1x1 Santa Cruz. Foto: LEO MUNHOZ/Agência RBS/ESTADÃO CONTEÚDO

Goleada mineira em cima do Timbu, que perde outra chance de se aproximar do G4

Série B 2014, 28ª rodada: Náutico 1x4 América-MG. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A press

O Náutico foi impiedosamente goleado pelo América Mineiro. Na arena, o Timbu sofreu a sua maior derrota no ano, 1 x 4. O time vinha de duas vitórias seguidas pela Segundona e tTeria uma sequência de dois jogos em casa, pronto para enfim arrancar. Numa disputa de muita oscilação técnica, o time de Dado Cavalcanti travou. Não conseguiu jogar, viu o adversário tocar a bola com facilidade, criar chances e aproveitá-las sem dó.

Com menos de trinta minutos a desvantagem já era de dois gols, ambos marcados pelo atacante Gilson. O segundo, aliás, foi um golaço. Com a situação difícil, o volante Elicarlos passou a ser perseguido pela torcida – sentindo a falta de Paulinho. Eli estava, sim, mal em campo.

Contudo, jogar nas costas dele o peso da derrota era quase uma maldade, pois a equipe inteira estava mal. Até mesmo Júlio César, que não evitou os gols e se mostrou inseguro em duas saídas de bola – e pioraria até o apito final.

Nem Elicarlos nem Crislan voltaram do intervalo, mas não houve reação. Logo aos três o Coelho marcou mais um. Numa jogada individual, Renan Oliveira (aquele!) passou fácil pela zaga e bateu no cantinho. A partir daí, a tarefa já era inglória, ainda mais com o altíssimo nível de impaciência da torcida.

O lance seguinte mandou o público embora, numa falha do goleiro, num cruzamento rasteiro. Obina, surpreso, só empurrou. A goleada era tremenda, e o gol de honra, numa cabeçada de Renato Chaves, não diminuiu o vexame.

Série B 2014, 28ª rodada: Náutico 1x4 América-MG. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A press

O Ninho do Gavião começa a empilhar taças nos juniores

Pernambucano Sub 20 - 2014, final: Náutico 1x1 Porto. Foto: Marlon Costa/FPF

O trabalho de base no Ninho do Gavião já completou duas décadas. Dos campos no centro de treinamento próximo à BR-232 saíram jogadores que depois alcançaram a Seleção e até a Copa do Mundo, como Josué, em 2010.

O clube caruaruense chegou a embolsar de uma vez R$ 5,1 milhões, na transferência do Rômulo do Vasco para o Spartak da Rússia, em 2013. O volante era cria da casa e um percentual ainda cabia ao Porto. Assim, com investimento na base e retorno na venda dos direitos econômicos, o presidente do Porto, José Porfírio, não só mantém como vai ampliando a sua estrutura.

E a base, por sua vez, vai justificando desde cedo o reconhecimento. Se no profissional o máximo que o time conseguiu foi o vice-campeonato estadual em duas oportunidades, em 1997 e 1998, no júnior o clube acaba de faturar o seu terceiro título no século XXI, tornando-se o terceiro maior vencedor do Sub 20. Pois é, passou o Santa Cruz – que, não por coincidência, não possui um CT.

Nesta terça, na Arena Pernambuco, os meninos do Porto – boa parte disputou a Série D – repetiram a última decisão da categoria contra o Náutico. O Timbu buscava o tri. Parou no tricolor de Caruaru, comandado por Janduir, que segurou na raça no empate em 1 x 1. Havia vencido no Lacerdão por 1 x 0.

As taças estão começando a ir para Caruaru. O trabalho para isso justifica…

Saiba mais sobre a estrutura de base do Porto aqui.

Campeões pernambucanos de juniores desde 2001:
1) Náutico – 2005, 2007, 2009, 2012 e 2013
2) Sport – 2001, 2006, 2010 e 2011
3) Porto – 2004, 2008 e 2014
4) Santa Cruz – 2002 e 2003

Pernambucano Sub 20 - 2014, final: Náutico 1x1 Porto. Foto: Marlon Costa/FPF

FPF aprova a proposta do Estadual 2015 e todos os grandes escapam do descenso

Conselho Arbitral do Pernambucano de 2015, em 7 de outubro de 2014, na Arena Pernambuco. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Não houve surpresa no conselho arbitral. Mais uma vez, o modelo proposto pela Federação Pernambucana de Futebol foi aprovado sem contestação, apesar das reclamações na véspera. Realizado pela primeira vez na Arena Pernambuco, nesta terça, o evento que definiu as diretrizes da competição de 2015 reuniu representantes dos doze clubes participantes.

A queixa maior era sobre a presença do Santa Cruz no turno principal. Mesmo fora do Nordestão – a premissa básica -, o Tricolor acabou escapando da fase preliminar, e assim não corre risco de descenso. A explicação da FPF é que os times das Séries A e B não podem jogar no mês de janeiro.

O evento aconteceu sem a presença de Evandro Carvalho, em viagem à China, onde chefia a Seleção Brasileira para o confronto a Argentina. Assim, a palavra ficou com Murilo Falcão, diretor técnico da federação.

Desta forma, o regulamento oficial do Estadual de 2015 é o seguinte:

Turno preliminar (Taça Eduardo Campos) – 07/12/14 a 29/01/15
Oito clubes (América, Atlético, Central, Pesqueira, Porto, Serra Talhada, Vera Cruz e Ypiranga) disputarão a fase em jogos de ida e volta, totalizando 14 rodadas. Os dois primeiros avançam ao turno principal – e também garantem vaga na Série D. Os demais disputarão o hexagonal do rebaixamento, no qual os últimos dois colocados serão relegados à Série A2 de 2016.

Turno principal – 01/02/15 a 06/05/15
Os dois melhores do primeiro turno irão se juntar a Náutico, Salgueiro, Santa Cruz e Sport. Outra fase em turno e returno. Após 10 rodadas, os quatro melhores se classificarão às semifinais. Posteriormente, os dois melhores irão à decisão. Os mata-matas serão em jogos de ida e volta, tendo como critério de desempate o saldo de gols. Em caso de igualdade, pênaltis.

Como ocorre desde 2007, o regulamento será diferente, indo de encontro ao Estatuto do Torcedor (relembre as fórmulas aqui).

Conselho Arbitral do Pernambucano de 2015, em 7 de outubro de 2014, na Arena Pernambuco. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

De pacotes temporários a 30 anos de mando, os contratos das arenas do NE

Arenas do Nordeste: Castelão, Arena Pernambuco, Arena das Dunas e Fonte Nova. Crédito: divulgação

A grosso modo, as quatro arenas nordestinas da Copa do Mundo de 2014 conseguiram firmar acordos com os clubes mais tradicionais das capitais.

Dez times assinaram. Porém, a diferença está no prazo dos contratos…

Do enxuto pacote do Vitória, jogo a jogo, sendo apenas um no Brasileirão, ao longo contrato do Náutico com o consórcio que administra o estádio em São Lourenço, com 30 anos de duração. São vários modelos, todos em ritmo de avaliação – inclusive das operadoras, buscando a receita esperada nas arquibancadas.

Curiosamente, apesar de ter o contrato mais duradouro, o Timbu foi o primeiro assinar. Depois, outras agremiações firmaram acordos de no máximo cinco anos. No próprio estado, os rivais Santa Cruz e Sport assinaram pacotes pontuais, sem abrir mão dos estádios particulares.

As assinaturas mais recentes são da dupla potiguar, até mesmo porque o estádio o último a ser inaugurado…

Eis os dados de cada arena em Fortaleza, Salvador, Recife e Natal.

Castelão
Capacidade: 63.903 lugares
Custo: R$ 518,6 milhões
Consórcio: Galvão/Serveng/BWA (8 anos de concessão)
Clubes: Ceará (até 2018), Ferroviário (até 2018) e Fortaleza (Série C de 2014)
Recorde (entre clubes): Ceará 1 x 1 Sport, 61.240 pessoas, 09/04/2014
Percentual de ocupação no recorde: 95,8%

Castelão, em Fortaleza. Crédito: Portal da Copa/Ministério do Esporte

Fonte Nova
Capacidade: 50.223 lugares
Custo: R$ 591,7 milhões
Consórcio: Odebrecht/OAS (35 anos de concessão)
Clubes: Bahia (até 2018) e Vitória (5 jogos em 2014)
Recorde (entre clubes): Bahia 1 x 2 Fluminense, 42.849 pessoas, 08/12/2013
Percentual de ocupação no recorde: 85,3%

Fonte Nova, em Salvador. Crédito: Governo da Bahia

Arena Pernambuco
Capacidade: 46.214 lugares
Custo: R$ 532 milhões
Consórcio: Odebrecht (30 anos de concessão)
Clubes: Náutico (até 2043), Santa (6 jogos em 2014) e Sport (6 jogos em 2014)
Recorde (entre clubes): Náutico 0 x 1 Sport, 30.061 pessoas, 23/04/2014
Percentual de ocupação no recorde: 65,0%

Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata. Crédito: Arena Pernambuco

Arena das Dunas
Capacidade: 31.375 (42.086 lugares no Mundial, com arquibancada provisória)
Custo: R$ 417 milhões
Consórcio: OAS (20 anos de concessão)
Clubes: ABC (até 2018) e América-RN (até 2018)
Recorde (entre clubes): América-RN 0 x 1 Fla, 30.575 pessoas, 01/10/2014
Percentual de ocupação no recorde: 97,4%

Arena das Dunas, em Natal. Crédito: Conmebol

A eleição de Paulo Câmara garante a manutenção do Todos com a Nota

Paulo Câmara em setembro de 2014. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

O contrato do Todos com a Nota com os clubes do estado é renovado anualmente. Ainda não foi assinado o acordo para 2015, mas já é possível garantir que o TCN está garantido no futebol pernambucano no mínimo até 2018.

A avassaladora eleição de Paulo Câmara para governador já no primeiro turno é a chave. O futuro chefe do executivo do estado foi durante um bom tempo o secretário da fazenda na gestão de Eduardo Campos. A pasta é a responsável pelo programa.

Era a Paulo Câmara que a coordenação do TCN se reportava a cada decisão. Considerando a manutenção como matéria vencida, vamos ao segundo ponto, à necessidade de acabar com os públicos fantasmas.

Indagado durante a campanha sobre a fiscalização, o então candidato afirmou que pretendia ampliar a implantação da bilhetagem eletrônica em todo o estado.

Porém, a mudança não pode passar apenas no lançamento de mais cartões, mas numa forma de enxergar a execução do TCN. O sucesso é a soma da arrecadação de ICMS e do bom uso público, com a presença do público nas arquibancadas, outrora um orgulho local.

O subsídio estatal vem de 1998. Perto de completar duas décadas, a dependência dos clubes já está enraizada. Que Paulo Câmara, ligado ao programa de forma umbilical, realmente enxergue a necessidade de melhora.

Considerando os dados de 2007 a 2011 – os únicos divulgados – e projetando os números até 2014, a conta bruta seria a seguinte:

120 milhões de notas fiscais
2,08 bilhões de reais em notas fiscais
9,44 milhões de ingressos trocados
370 mil cartões magnéticos cadastrados no Grande Recife

R$ 36 milhões, o subsídio injetado nos clubes via Estadual (2008/2014*)

* O Todos com a Nota não foi estruturado a tempo de integrar o Estadual de 2007. Assim, o TCN só voltou no segundo semestre, no Brasileirão.

Podcast 45 minutos (67º) – Passando a limpo Pernambuco nas Séries A, B, C e D

A 67ª edição do podcast 45 minutos passou a limpo o futebol pernambucano, Todos os jogos das Séries A, B, C e D foram disputados antes do domingo, dia reservado no país para a eleição para presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual.

Mas o futebol rolou solto na sexta-feira e no sábado, com cinco times pernambucanos. O Sport goleado na A, Náutico e Santa ganharam na B, Salgueiro se classificou às quartas na C e o Central deu adeus à D.

Estou nessa gravação (1h20min) ao lado de Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro.

Ouça agora ou quando quiser!