Trio de Ferro com 1 milhão de torcedores no borderô e R$ 16 milhões de bilheteria em 2016. Números decrescentes…

As médias de público por temporada (2013-2016) de Náutico, Santa Cruz e Sport. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A impressão de estádios vazios em jogos do Trio de Ferro, em 2016, se confirma com números (dos borderôs oficiais) em escala anual, com pouco mais de 1/4 de ocupação nas arquibancadas. Esta temporada foi a pior em público e renda, em dados absolutos e média, desde que o blog começou a fazer esse levantamento, em 2013. Nenhuma assistência acima de 40 mil foi registrada, chegando no máximo “39.999″, na semifinal estadual entre Santa e Náutico.

Considerando todos os mandos de alvirrubros, tricolores e rubro-negros, chega-se a 96 jogos, incluindo um em Cuiabá, no primeiro mando negociado por um grande clube pernambucano. Em 12 de outubro, os corais “receberam” o Corinthians na Arena Pantanal, com torcedores (do clube paulista) pagando ingressos de até R$ 200. A média geral foi 11.180, turbinada pelas promoções na reta final do Brasileiro, como a do Sport, que liberou o acesso aos sócios adimplentes nas últimas quatro partidas na Ilha – reunindo 100 mil pessoas.

O público total, por temporada, de Náutico, Santa Cruz e Sport. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Com o check-in dos associados, o Leão voltou a ter o melhor índice anual de público na capital, mas nem por isso também deixou de ter a melhor arrecadação, com R$ 1 milhão a mais que o rival do Arruda. Falando no Santa, a média na elite nacional não chegou a 10 mil, mesmo após uma década ausente. Pesou a campanha, claro. Já o Náutico teve dois de seus maiores públicos dos últimos tempos. Após um início às moscas na Série B, jogando três vezes com menos de dois mil espectadores, conseguiu atrair 25 mil alvirrubros em duas oportunidades, incluindo a rodada final, quando deixou o acesso escapar.

Vale destacar ainda a ausência de bilheterias milionárias, o que não ocorria desde 2012. A maior renda foi de Sport 1 x 0 Flamengo, na arena, com R$ 802 mil. Número bem decepcionante, acarretando num baque nas receitas locais.

A renda bruta obtida por Náutico, Santa e Sport de 2013 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Abaixo, o total em cada competição em 2016 e também a taxa de ocupação, a partir da capacidade oficial de cada estádio utilizado. No fim, o quadro agregado.

Sport
33 jogos (30 na Ilha e 3 na Arena)
460.898 torcedores (média de 13.966)
47,97% de ocupação
R$ 7.112.818 de renda bruta (média de R$ 215.539)
Estadual – 7 jogos - 83.690 pessoas (11.955) - R$ 1.572.833 (R$ 224.690)
Nordestão – 5 jogos - 64.955 pessoas (12.991) - R$ 1.148.265 (R$ 229.653)
Série A – 19 jogos - 304.084 pessoas (16.004) – R$ 4.272.715 (R$ 224.879)
Copa do Brasil – 1 jogo – 1.599 pessoas – R$ 16.165
Sul-Americana – 1 jogo – 6.570 pessoas – R$ 102.840

Números de público e renda do Sport de 2013 a 2016. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Santa Cruz
36 jogos (33 no Arruda, 2 na Arena e 1 na Arena Pantanal)
413.626 torcedores (média de 11.489)
22,95% de ocupação
R$ 6.058.465 de renda bruta (média de R$ 168.290)
Estadual – 7 jogos - 119.290 pessoas (17.041) - R$ 1.564.455 (R$ 223.493)
Nordestão – 6 jogos - 79.146 pessoas (13.191) - R$ 1.204.575 (R$ 200.762)
Série A – 19 jogos - 187.245 pessoas (9.855) – R$ 2.992.570 (R$ 157.503)
Copa do Brasil – 2 jogos - 16.954 pessoas (8.477) – R$ 158.445 (R$ 79.222)
Sul-Americana – 2 jogos - 10.991 pessoas (5.495) – R$ 138.420 (R$ 69.210)

Números de público e renda do Santa Cruz de 2013 a 2016. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Náutico
27 jogos (25 na Arena e 2 na Arruda)
198.761 torcedores (média de 7.361)
15,93% de ocupação
R$ 3.574.304 de renda bruta (média de R$ 132.381)
Estadual – 7 jogos - 43.497 pessoas (6.213) - R$ 907.395 (R$ 129.627)
Série B – 19 jogos - 152.758 pessoas (8.039) – R$ 2.621.179 (R$ 137.956)
Copa do Brasil – 1 jogo – 2.506 pessoas – R$ 45.730

Números de público e renda do Náutico de 2013 a 2016. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Trio de Ferro
96 jogos (35 no Arruda, 30 na Arena, 30 na Ilha e 1 na Arena Pantanal)
1.073.285 torcedores (média de 11.180)
26,76% de ocupação
R$ 16.745.587 de renda bruta (média de R$ 174.433)
Torneios: Estadual, Nordestão, Copa do Brasil, Sul-Americana e Séries A e B

Números de público e renda do Trio de Ferro de 2013 a 2016. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Relembre os levantamentos anteriores: 20132014 e 2015.

Ex-capitães, Tiago Cardoso e Júlio César invertem as traves no Santa e no Náutico

Anúncio oficial das contratações, através dos perfis oficiais de Náutico (Tiago Cardoso) e Santa Cruz (Júlio César)

Sem dúvida alguma, (mais) um capítulo peculiar do futebol pernambucano. Não é todo dia que jogadores de uma mesma posição trocam de rivais. Em 2008, já distante, o volante Daniel Paulista foi para o Sport, com o Náutico acertando com Ticão. Nem se compara à inversão de goleiros/capitães de Náutico e Santa em 2016. Tiago Cardoso é o símbolo da copeira década coral com seguidos títulos estaduais, calando a Ilha, além dos acessos. No Náutico, Júlio César disputou três Brasileiros, sendo o principal líder do time. Histórias encerradas.

Num fim de um ano atípico, Tiago acabou rescindindo com o tricolor após o rebaixamento (e os salários atrasados), assinando imediatamente com o Náutico, que “escolheu” qual goleiro teria em 2017. Para isso, claro, abriu mão de Júlio César. Com a contratação anunciada em 19 de dezembro, parecia óbvio (para quem acompanha o cenário local) o caminho inverso do ex-alvirrubro. Sem o vínculo renovado, ele foi procurado pela direção coral e acertou rapidamente as bases, três dias depois. Também assinou por um ano, partindo para o Arruda.

À frente, ambos têm o mesmo calendário, com Estadual, Nordestão Copa do Brasil e Série B. Por sinal, os goleiros de 32 anos (cabalístico) já têm a garantia de pelo menos seis edições do Clássico das Emoções, com sentimentos distintos das torcidas em relação aos ex-capitãs. Aos jogadores, traves e vestiários opostos no Arruda e na Arena Pernambuco. Qual foi a melhor troca?

Tiago Cardoso no Santa Cruz
6 anos (de 13/12/2010 a 13/12/2016)
276 jogos
6 títulos atuando*: 1 Nordestão (16), 4 Estaduais (11, 12, 13, 16) e 1 Série C (13)
3 acessos: Série D (2011), Série C (2013) e Série B (2015)
* Machucado, não entrou em campo no título pernambucano de 2015 

Em 2016: 83 gols sofridos em 66 jogos (média de 1,25)

Júlio César no Náutico
2 anos e 5 meses (de 07/07/2014 a 30/11/2016)
134 jogos
Nenhum título

Em 2016: 46 gols sofridos em 39 jogos (média de 1,17)

Santa Cruz x Náutico no Arruda, com os capitães Tiago Cardoso e Júlio César. Foto: Marlon Costa/FPF

Grito da República, em Olinda, torna-se o estádio mais demorado de Pernambuco

Estádio Grito da República, em Olinda. Foto: Diego Borges/DP

Em um vídeo institucional, em 11 de abril de 2014, o prefeito Renildo Calheiros estipulava para o Natal a inauguração do estádio Grito da República, em Olinda. Àquela altura, o prazo já estava esticado em dois anos. Chegou o Natal, de 2016, e a praça esportiva de R$ 10,4 milhões deve ser, enfim, aberta. É preciso frisar o ano da conclusão porque a ordem de serviço da (arrastada) obra foi assinada em 2008. Logo, nenhum estádio local com pelo menos 10.700 lugares (a capacidade de Rio Doce) precisou de tanto tempo para ser erguido.

Período gasto na construção de cada setor*:
Grito da República (construção, +10 mil): 2008-2016 (9 anos)
Arruda (anel inferior, +64 mil): 1965-1972 (8 anos)
Aflitos (ampliação, +10 mil): 1996-2002 (7 anos)
Arena Pernambuco (construção, +46 mil): 2010-2013 (4 anos)
Arruda (anel superior, +46 mil): 1980-1982 (3 anos)
Ademir Cunha (construção, +30 mil): 1980-1982 (3 anos)
Ilha do Retiro (ampliação, +15 mil): 1953-1955 (3 anos)
Ilha do Retiro (ampliação, +10 mil): 1982-1984 (3 anos)
Cornélio de Barros (remodelação, +10 mil): 2010-2012 (3 anos)
Ilha do Retiro (remodelação, +20 mil): 1949-1950 (2 anos)
Carneirão (construção, +10 mil): 1990-1991 (2 anos)
* Trata-se da capacidade original, pois vários dados acabaram reduzidos 

Como se sabe, o objetivo inicial do estádio olindense era se tornar um dos Centros de Treinamento de Seleções (CTS) da Copa 2014. Passou longe, com problemas de orçamento e falhas no projeto executivo, demandando mais tempo para ajustes – nesse tempo todo, o Diario de Pernambuco visitou o local várias vezes, comprovando o atraso. Claro, o empreendimento é uma aquisição da população, à parte do evento já no passado. Tanto que há a pretensão de virar a casa do Olinda Futebol Clube, que desde sua fundação, em 2007, manda seus jogos no Olindão, o acanhado palco em Jardim Brasil.

O problema é que, gramado à parte, as redes elétrica (ainda não há refletores) e hidráulica seguem inacabadas. As cadeiras azuis do projeto e a cobertura do setor também não foram instaladas. E assim deve seguir até o fim do mandato do atual gestor, à frente da cidade durante oito anos, sem a conclusão de fato.

Estádio Grito da República, em Olinda. Foto: Diego Borges/DP

Estádio Grito da República, em Olinda. Foto: Diego Borges/DP

Estádio Grito da República, em Olinda. Foto: Diego Borges/DP

A tabela detalhada do Nordestão de 2017, com datas, horários e jogos na televisão

Grupos da Copa do Nordeste 2017. Crédito: Esporte Interativo

A CBF divulgou a tabela detalhada (abaixo) da primeira fase da Copa do Nordeste de 2017, com a definição de datas, horários e jogos com transmissão na televisão. Com vinte clubes dos nove estados da região, o torneio terá 60 partidas na fase de grupos, de 24 de janeiro a 22 de março, com a abertura oficial na Arena, com Náutico x Uniclinic, uma terça. Na quarta, o Sport recebe o Sampaio e na quinta, fechando a primeira rodada, o repeteco da última decisão, com Campinense x Santa, no mesmo palco da conquista coral. Dos nove jogos agendados em Pernambuco, cinco estão marcados para o fim de semana.

Jogos com mando dos pernambucanos: 
Santa Cruz: Náutico (sábado), Uniclinic (domingo) e Campinense (quarta)
Sport: Sampaio Corrêa (quarta), River (sábado) e Juazeirense (sábado)
Náutico: Uniclinic (terça), Campinense (quarta) e Santa Cruz (domingo)

Jogos locais já definidos na Globo Nordeste*:
Juazeirense x Sport, Campinense x Náutico, Uniclinic x Santa e Náutico x Santa
* Na última rodada, escolha entre Uniclinic x Náutico e Sampaio x Sport

Jogos locais já definidos no Esporte Interativo:
Todas as 16 partidas envolvendo o Trio de Ferro na fase de grupos

Após a primeira fase, com oito classificados, sendo os cinco líderes e os três melhores segundos lugares, haverá um sorteio na sede da CBF para formar o mata-mata, com mais 14 jogos até maio. Com as Séries A e B já em andamento, o título será decidido em duas quartas-feiras, dias 17 e 24. Em relação à tabela básica, os horários foram ajustados pela entidade em conjunto com o Esporte Interativo, que exibirá 49 dos 60 jogos da fase de grupos, e com a Globo, com contrato de um jogo local por rodada para Recife, Fortaleza e Salvador. A 14ª edição da Lampions League terá uma premiação total de R$ 18,5 milhões.

Ranking Conmebol da Libertadores de 2016 lista o Sport em 100º, o único do NE

Ranking Conmebol da Libertadores, versão 21/12/2016. Crédito: Conmebol

A Conmebol atualizou o seu ranking de clubes, que considera apenas as campanhas na Taça Libertadores, sendo utilizado justamente para definir os cabeças-de-chave da edição seguinte. Como há um ano, quando foi criada, a lista de 2016 traz os cem primeiros colocados, com o Sport fechando. Num trabalho em conjunto com a Data Factory, que realiza os scouts dos jogos para o site oficial da entidade, o novo formato contempla histórico e performance recente, na Liberta e em títulos nacionais (que funcionam como bônus).

O ranking obedece três fatores em ordem de importância:
1) Performance nos últimos dez anos da Liberta (2ª edição, de 2007 a 2016)
2) Coeficiente histórico (com a pontuação de 1960 a 2006)
3) Títulos do campeonato nacional (2ª edição, de 2007 a 2016)*
* Apenas um por país, sem contar as copas nacionais. Em caso dois campeonatos nacionais por ano, vale metade da pontuação. 

A faixa da última década na Libertadores é a base da lista, que vai conferindo 100% da pontuação ao primeiro ano até 10% ao ano mais antigo. Caso ultrapasse os dez anos, a campanha passa ser mensurada no segundo quesito, “coeficiente histórico”, sem mais depreciações. É um pouco complicado, mas impõe uma certa justiça entre feitos recentes e a história escrita.

Sobre a atualização, o Boca Juniors manteve a liderança. O hexacampeão tem 1.364 pontos a mais que o rival River Plate, tri. O São Paulo, em 6º lugar, passou a ser o melhor brazuca, pois o Cruzeiro perdeu pontos no coeficiente, caindo de 4º para 7º no geral. Único nordestino, o Sport caiu de 80º para 100º devido à desvalorização da campanha de 2009. São 64 pontos a menos em relação ao ranking de 2015. E assim continuará até 2019, até que volte a participar. Apesar de a Conmebol só ter divulgado os 100 primeiros, o blog calculou a pontuação dos outros 12 brasileiros com histórico na Liberta (incluindo o Náutico, em 1968).

Brasileiros no Ranking 1960-2016 (entre parênteses, a posição geral):
1º) São Paulo (6º) – 4.227 pontos (3 títulos, 18 participações)
2º) Cruzeiro (7º) – 3.827 pontos (2 títulos, 15 participações)
3º) Corinthians (8º) – 3.813 pontos (1 título, 13 participações)
4º) Atlético-MG (9º) – 3.792 pontos (1 título, 8 participações)
5º) Internacional (11º) – 3.378 pontos (2 títulos, 11 participações)
6º) Grêmio (12º) – 3.134 pontos (2 títulos, 16 participações)
7º) Santos (15º) – 3.044 pontos (3 títulos, 12 participações)
8º) Palmeiras (25º) – 2.012 pontos (1 título, 16 participações)
9º) Fluminense (26º) – 1.918 pontos (1 vice, 6 participações)
10º) Flamengo (37º) – 1.501 pontos (1 título, 12 participações)
11º) Vasco (53º) – 902 pontos (1 título, 8 participações)
12º) Atlético-PR (71º) – 488 pontos (1 vice, 4 participações)
13º) Botafogo (79º) – 416 pontos (1 semifinal, 4 participações)
14º) São Caetano (94º) – 228 pontos (1 vice, 3 participações)
15º) Sport (100º) – 212 pontos (2 participações)
16º) Guarani – 138 pontos 1 semifinal, 3 participações)
17º) Bahia – 64 pontos (3 participações)
18º) Criciúma – 56 pontos (1 participação)
19º) Coritiba – 52 pontos (2 participações)
19º) Goiás – 52 pontos (1 participação)
21º) Paraná – 50 pontos (1 participação)
22º) Paysandu – 48 pontos (1 participação)
23º) Santo André – 24 pontos (1 participação
24º) Juventude – 20 pontos (1 participação)
24º) Paulista – 20 pontos (1 participação)
26º) Náutico* – 16 pontos (1 participação)
27º) Bangu – 8 pontos (1 participação)
* O Alvirrubro poderia ter 24 pontos, mas perdeu os pontos de uma vitória (8 no ranking) por causa de uma escalação irregular.

Relembre a versão 2015 do ranking oficial da Libertadores clicando aqui.

Libertadores e Copa Sul-Americana com jogos de janeiro a dezembro de 2017

Calendários da Taça Libertadores e Copa Sul-Americana de 2017. Crédito: Conmebol/site oficial

A Conmebol divulgou os calendários, fase por fase, da Libertadores e da Sul-Americana de 2017, com jogos já em 23 de janeiro, pela Pré-Libertadores, seguindo até 13 de dezembro, na decisão da Sula. De forma simultânea, os torneios vão ocorrer de fevereiro a novembro, num cenário inédito no continente, com ajustes em todos os países filiados. Pelo cronograma oficial, em cada data das copas continentais o jogo pode ser marcado na terça, quarta ou quinta-feira. Em relação à Liberta, a agenda bate com o calendário da CBF, mas na Sula a versão brasileira é mais apertada. Explico: tanto na primeira quanto na segunda fase, oito semanas foram reservadas, mas a confederação brasileira só liberou duas semanas para times do país em cada fase.

A limitação de datas na temporada nacional se deve à quantidade de torneios oficiais possíveis. Presente na Sula, o Sport, por exemplo, também jogará, no primeiro semestre, o Estadual, o Nordestão e a Copa do Brasil, além da Série A, cujo início está marcado para maio. Por sinal, a Sul-Americana só acabará dez dias após o encerramento do Brasileirão! Haja jogo.

Taça Libertadores da América (8 clubes)
4ª fase (grupos) – Palmeiras, Santos, Flamengo, Atlético-MG, Grêmio e Chapecoense
2ª fase (preliminar) – Botafogo e Atlético-PR

Agenda da Liberta para os brasileiros (20 datas)
2ª fase – 01/02 e 08/02
3ª fase – 15/02 e 22/02
Grupos – 08/03, 15/03, 12/04, 19/04, 26/04, 03/05, 17/05, 24/05
Oitavas – 05/07, 09/08
Quartas – 13/09, 20/09
Semifinal – 25/10, 01/11
Final – 22/11 e 29/12

Copa Sul-Americana (6 clubes)
1ª fase – Corinthians, Ponte Preta, São Paulo, Cruzeiro, Fluminense e Sport

Agenda da Sula para os brasileiros (12 datas)
1ª fase – 06/04 e 10/05
2ª fase – 05/07 e 26/07
Oitavas – 13/09 e 20/09
Quartas – 25/10 e 01/11
Semifinal – 22/11 e 30/11
Final – 06/12 e 13/12 

A premiação absoluta da Copa do Nordeste 2017 chega a R$ 18.520.000

A evolução das cotas de campanhas finais (somando todas as fases) da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A premiação total da Copa do Nordeste de 2017 aumentou em 24,9% em relação à última edição. Em cinco anos, são quase R$ 13 milhões a mais. Considerando a meritocracia no torneio, 41% do montante será distribuído nos mata-matas, correspondendo a R$ 7,6 milhões. As cotas das cinco campanhas possíveis no torneio foram ampliadas, com as seguintes diferenças para cada time: R$ 95 mil (primeira fase), R$ 20 mil (quartas), R$ 100 mil (semifinal), R$ 50 mil (vice) e R$ 250 mil (título). Acumulando todos os repasses, o campeão irá embolsar R$ 2,85 milhões, ou R$ 465 mil a mais que o Santa Cruz, que ergueu a orelhuda dourada em 2016. A premiação é bancado pela Liga do Nordeste, com a receita de parcerias, como a venda de direitos de transmissão junto ao Esporte Interativo.

Em 2017, o futebol pernambucano volta a ser representado pelo Trio de Ferro após três temporadas. Por sinal, quem chegar às quartas da Lampions League, numa campanha básica, superando a fase de grupos, já ganhará R$ 1 milhão. A observação cabe porque essa quantia já seria superior a toda a cota do Pernambucano, disputado de forma paralela. Por outro lado, o título regional não vale mais uma vaga na Sul-Americana, mas, sim, uma classificação direta às oitavas de final da Copa do Brasil de 2018 – após a canetada da Conmebol.

Voltando às cifras regionais, desta vez foram adicionadas cotas iniciais para maranhenses e piauienses – sob a avaliação da Liga até 2018. A verba é menor, com R$ 330 mil para clubes dos dois estados. Finalizando o acordo comercial no Nordestão, os vinte times não têm despesas com arbitragem, viagens e hospedagens. Segundo a regra das viagens: até 500 km, passagens de ônibus; acima de 500 km, passagens aéreas, com delegações de 26 pessoas.

Cotas da Copa do Nordeste, fase por fase, de 2013 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Eis as cotas absolutas (somando as fases) para as campanhas no Nordestão:

2017
Campeão – R$ 2,85 milhões (ou R$ 2,58 milhões para MA e PI)
Vice – R$ 2,15 milhões (ou R$ 1,88 milhão para MA e PI)
Semifinalista – R$ 1,6 milhão (ou R$ 1,33 milhão para MA e PI)
Quartas de final – R$ 1,05 milhão (ou R$ 780 mil para MA e PI)
Primeira fase (PE, BA, CE, RN, AL, PB e SE) – R$ 600 mil
Primeira fase (MA e PI) – R$ 330 mil
Total – R$ 18.520.000

2016
Campeão – R$ 2,385 milhões (Santa Cruz)
Vice – R$ 1,885 milhão (Campinense)
Semifinalista – R$ 1,385 milhão (Bahia e Sport)
Quartas de final – R$ 935 mil (Ceará, Salgueiro, CRB e Fortaleza)
Primeira fase – R$ 505 mil*
Total: R$ 14.820.000
* Exceto para os clubes do Piauí e do Maranhão

2015
Campeão – R$ 2,74 milhões** (Ceará)
Vice – R$ 1,24 milhão (Bahia)
Semifinalista – R$ 890 mil (Vitória e Sport)
Quartas de final – R$ 615 mil (Fortaleza, América-RN, Salgueiro e Campinense)
Primeira fase – R$ 365 mil*
Total: R$ 11.140.000
* Exceto para os clubes do Piauí e do Maranhão
** Com bônus de R$ 500 mil, pago pela CBF

2014
Campeão – R$ 1,9 milhão (Sport)
Vice – R$ 1,2 milhão (Ceará)
Semifinalista – R$ 850 mil (América-RN e Santa Cruz)
Quartas de final – R$ 600 mil (CSA, CRB, Vitória e Guarany-CE)
Primeira fase – R$ 350 mil
Total: R$ 10.000.000

2013
Campeão – R$ 1,1 milhão (Campinense)
Participação – R$ 300 mil
Total: R$ 5.600.000

A evolução da premiação total da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

As cotas de participação e premiações dos clubes pernambucanos em 2016

Receitas de Sport, Santa Cruz, Náutico e Salgueiro. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Encerrada a temporada 2016, vamos a um balanço econômico dos principais clubes pernambucanos, considerando o desempenho esportivo de cada um nas competições oficiais. Ao todo, considerando as quatro principais forças, um apurado de R$ 84.336.410. Neste contexto, se aplicam as premiações recebidas por fases e/ou títulos, além dos recursos recebidos pela transmissão de cada campeonato, à parte da bilheteria (em outro post, em breve).

Em campo, o Leão da Ilha pouco fez. Parou na semifinal regional, perdeu o título estadual para o Santa, caiu no primeiro mata-mata da Sula, também para o rival tricolor, e ainda foi eliminado da Copa do Brasil na 1ª fase – justamente para poder jogar o torneio internacional. Com tantos insucessos, só ganhou R$ 3,6 milhões, o que corresponde a 8% do montante geral, uma vez que recebeu R$ 42 milhões da televisão pelo Brasileirão, uma receita já assegurada em 2017.

Com a maior receita de sua história, mesmo somando apenas as cotas e premiações, o Santa chegou a R$ 30 milhões – até hoje, já adicionando bilheteria e sócios, chegara no máximo a R$ 17 mi, em 2011. Além da cota de tevê, a maior do clube mesmo sendo a menor da Série A, os corais fizeram por onde nos mata-matas. Títulos no Pernambucano (sem premiação à parte) e no Nordestão, 3ª fase na Copa do Brasil e oitavas na Sula. Só não “pontuou” no Brasileiro (até o 16º lugar) – o rebaixamento, aliás, já comprometeu 2017. Para neste ano, especificamente, a previsão mínima de receita foi superada em 38%.

Quanto ao Náutico, um ano pífio. Fora do Nordestão, o clube tinha na Copa do Brasil o caminho meio para receitas extras, mas acabou eliminado pelo modesto Vitória da Conquista. O acesso perdido na última rodada, também em casa, tirou mais R$ 200 mil do clube – além do maior impacto, de R$ 23 milhões em 2017.

Sport
Estadual – R$ 1.062.142 (fixo)
Nordestão –  R$ 1,385 milhão (semifinal)
Copa do Brasil – R$ 420 mil (1ª fase)
Série A (TV fixo) – R$ 35 milhões
Série A (TV ppv) – R$ 6,75 milhões
Série A (premiação) – R$ 900 mil (14º lugar)
Sul-Americana – R$ 988 mil (fase nacional)
Total : R$ 46.505.142 (R$ 3,875 milhões/mês)
Calendário: 66 jogos (R$ 704 mil/jogo)

A previsão mínima era R$ 42,381 mi (aumentou em R$ 4,12 milhões, ou 9,7%)

Santa Cruz
Estadual – R$ 1.062.142 (fixo)
Nordestão – R$ 2,385 milhões (campeão)
Copa do Brasil – R$ 1,56 milhão (3ª fase)
Série A (TV*) – R$ 23 milhões
Sul-Americana – R$ 2,224 milhões (oitavas)
Total: R$ 30.231.142 (R$ 2,519 milhões/mês)
Calendário: 73 jogos (R$ 414 mil/jogo)
* O valor conta todas as plataformas, incluindo o PPV

A previsão mínima era R$ 21,805 mi (aumentou em R$ 8,42 milhões, ou 38,6%)

Náutico
Estadual – R$ 1.062.142 (fixo)
Copa do Brasil – R$ 240 mil (1ª fase)
Série B (TV*) – R$ 5 milhões
Total: R$ 6.302.142 (R$ 525 mil/mês)
Calendário: 54 jogos (R$ 116 mil/jogo)
* O valor conta todas as plataformas, incluindo o PPV

A previsão mínima era R$ 6,15 mi (aumentou em R$ 150 mil, ou 2,4%)

Salgueiro*
Estadual – R$ 122.984 (fixo)
Nordestão – R$ 935 mil (quartas)
Copa do Brasil – R$ 240 mil (1ª fase)
Total: R$ 1.297.984 (R$ 108 mil/mês)
Calendário: 42 jogos (R$ 30 mil/jogo)
* Na Série C, os clubes recebem apenas passagens aéreas e hospedagem

A previsão mínima era R$ 815.000 (aumentou em R$ 482 mil, ou 59,2%)

As tabelas do hexagonal e do mata-mata do Campeonato Pernambucano de 2017

A tabela do hexagonal do título do Campeonato Pernambucano de 2017

Eis a tabela da fase principal do Campeonato Pernambucano de 2017. O hexagonal do título tem, hoje, apenas três times definidos: Náutico, Santa Cruz e Sport. Os outros serão os três melhores colocados da primeira fase, composta por nove clubes. Lembrando que a pré-classificação do Trio de Ferro se deve à presença nas Séries A e B e/ou Nordestão do ano correspondente.

Sobre a tabela básica, há uma modificação de cara. A abertura tende a ser no sábado, em 28 de janeiro, com o Sport, pois o domingo ficaria reservado para o Clássico das Emoções – falando em clássicos, as rodadas com confrontos entre os grandes são a 1ª, 4ª, 5ª, 6ª, 8ª e 10ª. Até a definição da primeira fase, em 25 de janeiro, outros jogos do hexagonal devem ser modificados a pedido da televisão (Globo/Premiere, ainda sem grade) ou por questão de segurança.

1ª fase
Grupo A – Salgueiro, Belo Jardim e Atlético Pernambucano
Grupo B – América, Serra Talhada e Flamengo de Arcoverde
Grupo C – Central, Vitória e Afogados da Ingazeira

Hexagonal do título
Náutico, Santa Cruz, Sport e os três primeiros colocados da 1ª fase

A fórmula é a mesma dos últimos anos, com os quatro melhores classificados avançando ao mata-mata, com semifinal e final (tabela abaixo). Em relação às cotas de transmissão na televisão (tevê aberta e ppv), os três grandes clubes da capital ganham R$ 950 mil, enquanto os demais clubes ganharam R$ 110 mil.

A tabela do mata-mata do Campeonato Pernambucano de 2017

O superprêmio pelo título da Copa do Brasil de 2018, o maior da América

Evolução das cotas da Copa do Brasil. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A CBF anunciou o acerto com a Rede Globo sobre a renovação dos direitos de transmissão da Copa do Brasil por mais cinco temporadas, de 2018 a 2022. Serão mais de R$ 300 milhões por ano, considerando as cotas de participação, prêmios e logística. Segundo a entidade, o montante pago pela emissora é três vezes maior que o do contrato atual, que vai até 2017. No post, gráficos com a evolução financeira da competição desde 2012, já projetando o futuro.

Em termos de competitividade, chama a atenção o aumento para o título. Serão 50 milhões de reais para o campeão, à parte das fases anteriores. Considerando que o vice leva 20 mi, então na grande decisão, além da taça e da vaga na Libertadores, estará em jogo, de fato, um cheque de R$ 30 milhões. Hoje, neste contexto, não há comparação em torneios interclubes, considerando apenas só decisão. Nem mesmo a Champions League ou o Mundial da Fifa.

Na Série A, o principal campeonato do país, a diferença tornou-se quase “irrisória”. No Brasileirão desta temporada, o hiato entre o campeão (Palmeiras) e o vice (Santos) foi de R$ 6,3 milhões. Essa futura decisão tende a impactar qualquer receita. Em 2016, por exemplo, a previsão de faturamento do Sport é de R$ 113 milhões. Ou seja, só a hipotética final corresponderia a 26,5%. No caso do Náutico, o valor seria até superior a tudo o que o clube arrecadou.

A diferença é tão fora de ordem que chega a parecer um dado equivocado…

Diferença entre os prêmios de campeão e vice*
R$ 30,0 milhões – Copa do Brasil 2018 (50 mi x 20 mi)
R$ 15,7 milhões – Liga dos Campeões 2016 (52,4 mi x 36,7 mi)
R$ 10,4 milhões – Liga Europa 2016 (22,7 mi x 12,3 mi)
R$ 6,3 milhões – Série A 2016 (17,0 mi x 10,7 mi)
R$ 5,9 milhões – Libertadores 2016  (11,9 mi x 6,0 mi)
R$ 4,0 milhões – Mundial 2016 (19 mi x 15 mi)
R$ 4,0 milhões – Copa do Brasil 2016 (6 mi x 2 mi)

R$ 3,3 milhões – Sul-Americana 2016 (6,5 mi x 3,2 mi)
R$ 2,5 milhões – Paulista 2016 (4,0 mi x 1,5 mi)
R$ 2,2 milhões – Carioca 2016 (4,0 mi x 1,8 mi)

R$ 500 mil – Nordestão 2016 (1,0 mi x 0,5 mi)
* Nos torneios mata-matas, apenas os valores das finais 

Premiação total pelo título
R$ 68,7 milhões – Copa do Brasil 2018
R$ 30,6 milhões – Libertadores 2016
R$ 17,0 milhões – Série A 2016**
R$ 12,1 milhões – Sul-Americana 2016
R$ 10,7 milhões – Copa do Brasil 2016
R$ 2,3 milhões – Nordestão 2016
** No Brasileiro, os clubes recebem cotas à parte (e distintas) pela transmissão

Comparando com os valores bancados na Copa do Brasil de 2012 a 2016 (as cotas de 2017 ainda não foram reveladas), vamos a alguns cenários…

1) O vice de 2018 receberá 2x mais que o título de 2016
2) O semifinalista de 2018 receberá mais que o título de 2015
3) Chegar às quartas em 2018 valerá quase o mesmo do título de 2012 

2018
Título: R$ 50 milhões
Vice: R$ 20 milhões
Semifinal: R$ 8 milhões
Quartas de final: R$ 4 milhões
Campanha***: R$ 68,7 milhões

2016
Título: R$ 6 milhões
Vice: R$ 2 milhões
Semifinal: R$ 1,2 milhão
Quartas de final: R$ 960 mil
Campanha***: R$ 10,74 milhões

2015
Título: R$ 4 milhões
Vice: R$ 2 milhões
Semifinal: R$ 1 milhão
Quartas de final: R$ 820 mil
Campanha***: R$ 7,95 milhões

2014
Título: R$ 3 milhões
Vice: R$ 1,8 milhão
Semifinal: R$ 850 mil
Quartas de final: R$ 740 mil
Campanha***: R$ 6,19 milhões

2013
Título: R$ 3 milhões
Vice: R$ 1,8 milhão
Semifinal: R$ 800 mil
Quartas de final: R$ 700 mil
Campanha***: R$ 6 milhões

2012
Título: R$ 2,5 milhões
Vice: R$ 1,5 milhão
Semifinal: R$ 500 mil
Quartas de final: R$ 400 mil
Campanha***: R$ 4,2 milhões

*** A soma das cotas de todas as fases disputadas

Evolução das cotas da Copa do Brasil. Arte: Cassio Zirpoli/DP