Sport completa a linha de uniformes em 2016 com padrão monocromático dourado

O uniforme dourado do Sport para a temporada 2016/2017

Seguindo uma tendência desde 2014, quando iniciou a parceria com o clube, a Adidas reservou uma cor alternativa para o terceiro uniforme do Sport em 2016. Após o laranja e o azul, surge o dourado, em mais um padrão monocromático, com camisa, calção e meias na mesma cor. Até hoje, o dourado só havia sido utilizado no Leão em uma oportunidade, na última participação na Libertadores, num modelo desenvolvido pela Lotto, a fabricante anterior.

A nova camisa tem as três tradicionais listras (na cor preta) da marca alemã no ombro, numa escolha do clube pernambucano, pois o template atual, nas linhas internacionais, usa essas listras na lateral. Proposital ou não, o contorno vermelho na gola lembra justamente aquela camisa especial de 2009.

O último padrão para a temporada “2016/2017″ deve ser apresentado pelo clube em breve, sendo utilizado no Brasileiro – e também na Sul-Americana, dependendo da campanha. Em relação ao preço, deve ser aplicado o mesmo valor das duas primeiras camisas da linha, a rubro-negra e a preta, R$ 249,99.

A camisa dourada foi produzida em modelos masculino e feminino. Veja aqui.

Rubro-negro, o que você achou do terceiro padrão? 

O uniforme dourado do Sport para a temporada 2016/2017

Santa Cruz volta a reagir durante o jogo e busca empate com o Vitória em Salvador

Série A 2016, 20ª rodada: Vitória 2 x 2 Santa Cruz. Foto: Raul Spinassé/A Tarde/Estadão conteúdo

Uma deficiência do Santa Cruz no primeiro turno do Brasileirão foi a falta de reação da equipe ao sofrer um gol. Foi quase sempre batido após ficar em desvantagem. A última vez onde buscou algo foi contra o Fluminense, na segunda rodada! Na ocasião, abriu o placar, mas tomou a virada. No finzinho, Grafite marcou e garantiu um pontinho no Rio. Desde então, a campanha ruiu. Não se entregar no campeonato significa, obviamente, não se entregar durante os jogos. Em Salvador, enfim, a torcida coral viu isso.

No empate em 2 x 2 contra um concorrente direto na briga contra o descenso, o Vitória, o time pernambucano ficou atrás duas vezes, no comecinho do primeiro tempo e no comecinho do segundo. Devolveu na mesma moeda, reagindo na reta final dos dois tempos. Nada de Grafite, Keno ou João Paulo. Desta vez, nomes improváveis, como o lateral-esquerdo Tiago Costa, num chutaço de fora da área (acertou o ângulo esquerdo do goleiro), e o estreante Matías Pisano. Com apenas 1,66m, o meia argentino marcou de cabeça, dentro da pequena área, entre os zagueiros baianos. O jogador, cujo primeiro passe deixou o Grafa em condições de finalizar, tende a suprir uma enorme carência no elenco tricolor. Ao menos deixou uma boa impressão para Doriva, o novo técnico, que observou a peleja em um camarote no Barradão.

O treinador inicia o trabalho com o campeão nordestino em 19º lugar, há cinco rodadas sem vitória. Terá nove jogos em casa e nove fora. Além de trabalhar a confiança da equipe (e esse pontinho ajuda), deve procurar um sistema com um armador efetivo. Que o gringo (atuou poucos minutos, é verdade) seja este jogador, dando fôlego a João Paulo e mais opções à frente. Após um início arrasador (fazendo 4 x 1 no mesmo Vitória, diga-se), o setor ofensivo foi tornando-se previsível e escasso. Hoje, entre os vinte clubes, o Santa tem o 7º pior ataque, com 22 tentos em 20 jogos (média de 1,1). Os lances de Tiago e Pisano foram fora da curva, tudo o que o Tricolor precisa ser a partir de agora. E já fizeram alguma diferença.

Série A 2016, 20ª rodada: Vitória 2 x 2 Santa Cruz. Foto: Francisco Galvão/EC Vitória

Sem pilha por 1987, Sport joga melhor, vence o Fla e chega a seis jogos invicto

Série A 2016, 20ª rodada: Sport 1 x 0 Flamengo. Foto: Nando Chiapetta/DP

Foi uma semana atípica. Há bastante tempo o confronto entre Sport e Flamengo é pautado sobre 1987, sempre com uma novidade, uma provocação, lá e lô. Agora, por exemplo, poderia ter sido repercutido o julgamento no STF, em vigor. Mas não houve nada. O jogo foi trabalhado como mais um na agenda do Brasileirão, e isso foi muito positivo para os leoninos. O time não entrou pilhado, como no último ano, na Arena Pernambuco. O lateral Samuel Xavier foi expulso logo no comecinho daquele confronto, mas hoje, no mesmo local, mostrou personalidade, sendo um dos melhores da partida, com um importante papel defensivo. Samuel serve como referência, pois o time se portou com extrema segurança. O rubro-negro carioca simplesmente não conseguiu finalizar na meta de Magrão, mero espectador.

Exceção feita a Diego, que nem estreou, o Fla veio com força máxima, empurrado por uma invencibilidade de seis jogos e em busca da liderança. Essa confiança aumentou de vez aos seis minutos, quando Diego Souza sentiu uma lesão. O último lampejo da polêmica sumiu ali, com o número 87 anunciado pela placa eletrônica, numa substituição implacável para o rendimento técnico do Sport. Ainda mais com o substituto, Edmílson. Gabriel Xavier precisou ser recuado e Rogério caiu para a ponta. O time pernambucano demorou um pouco a se encontrar após a mudança, mas aí voltou a contar com boas ações individuais. Samuel, como citado, Everton Felipe (oscilou para cima nesta tarde), o próprio Rogério (muito veloz), Paulo Roberto (marcando e tocando a bola muito melhor que o suspenso Serginho) e a dupla de zaga.

Sim, o paredão leonino quase não agiu, mas precisa agradecer a Ronaldo Alves e Matheus Ferraz, que cortaram todas as bolas aéreas – e olhe que no final o Fla abusou das bolas alçadas, mirando Guerrero e Damião. Por fim, o próprio Edmílson. No lugar de DS87, o centroavante escorou um cruzamento de Rogério, após bela jogada pela esquerda. Lance semelhante àquele em Floripa, quando desperdiçou a chance da virada. Desta vez, marcou o gol da vitória do Sport por 1 x 0, acabando um tabu desde 2009. No segundo tempo, ainda perderia um gol inacreditável – há três rodadas vem sendo assim -, deixando a partida tensa. Mais pelo placar que pelo futebol, pois ali quem estava pilhado era o próprio Flamengo, em tarde para esquecer. Entre os 25 mil rubro-negros presentes, a imensa maioria saiu festejando os seis jogos seguidos pontuando aos gritos de “87 é nosso, 2008 também”. Só para manter a “tradição”…

Série A 2016, 20ª rodada: Sport 1 x 0 Flamengo. Foto: Nando Chiapetta/DP

O controverso incentivo do governo ao BRT na Arena, com a passagem mais cara

O trajeto do Expresso Arena, a partir do Derby. Crédito: governo do estado/google maps

Na concepção da Arena Pernambuco, em 2009, o metrô foi apontado como o modal mais importante para o transporte público, escoando até 35% da torcida. Como se sabe, a Estação Cosme e Damião, imaginada a 700 metros do estádio, ficou a 2,5 quilômetros, inviabilizando a ideia. O BRT (Bus Rapid Transit) era o complemento, que, com o andamento das obras, tornou-se o principal meio. A nova falha foi a falta de regularidade. Aos poucos, o governo do estado fez o óbvio, a circulação de uma linha expressa nos jogos, com até 15 veículos dando conta da demanda. Agora, falta uma política de precificação.

Com o BRT, partindo da praça do Derby, o discurso sobre o uso do transporte público voltou a ganhar força, curiosamente, após a gestão da arena voltar para as mãos do poder público. O objetivo, claro, é reduzir o tráfego de carros, com até cinco mil veículos em jogos acima de 25 mil pessoas. Entretanto, o trajeto de 40 minutos, além de eficiente, precisa caber no bolso do torcedor. Ao criar um esquema especial para Sport x Flamengo, abrindo o returno do Brasileirão de 2016, o preço da passagem (idea e volta) subiu, chegando a R$ 15. Ingressos para sócios leoninos, no leste superior, foram colocados à venda por R$ 10.

Mais. Considerando que o estacionamento na arena custa R$ 20, um carro com cinco pessoas continuará com esse valor. Se essas cinco pessoas decidirem ir no BRT, o gasto agregado será de R$ 75 – fora o deslocamento até o Derby. Como convencer o público desta forma? E não se trata de um padrão. Em 25 de março, foi registrado o recorde de público na arena, com 45.010 torcedores. Na ocasião, o BRT, nos mesmos moldes, custou R$ 12. E o estacionamento R$ 40. A diferença, ali, teve como explicação… o incentivo à mobilidade.

As linhas expressas para a Arena Pernambuco*:

Praça do Derby/Arena
Tempo: 40 minutos (cada trecho)

BRT
R$ 12 – Brasil x Uruguai, 25/03/2016 (estacionamento: R$ 40)
R$ 15 – Sport x Flamengo, 13/08/2016 (estacionamento: R$ 20)

Linha 058 (ônibus tradicional)
R$ 7 – Sport x São Paulo, 19/07/2015
R$ 7 – Náutico x Vitória, 25/07/2015 (13

Ônibus fretados (luxo)*:

Aflitos/Arena
R$ 20 – Náutico x Tupi, 29/07/2016

Ilha do Retiro/Arena
R$ 15 – Sport x São Paulo, 19/07/2015

* Em todos os casos, os valores contemplam as passagens de ida e volta.

Com time completo, judô emplaca três pódios no Rio. Em 52 anos, 22 medalhas

Rafaela Silva, Mayra Aguiar e Rafael Silva em ação nos Jogos Olímpicos de 2016. Fotos: Rio 2016/twitter (@rio2016)

Os sete dias de disputas no judô na Arena Carioca renderam três medalhas olímpicas para os brasileiros. Ouro inédito para Rafaela Silva (leve) e bronze com Mayra Aguiar (meio pesado) e Rafael Silva (pesado), que repetiram a terceira colocação em Londres. Há quatro anos, o país subiu quatro vezes no pódio, em seu melhor desempenho. No Rio, esperava-se um rendimento maior, pelo fator casa (importante nos quatros títulos obtidos nos Mundiais de 2007 e 2013) e pelo investimento no ciclo. A modalidade, aliás, era considerada uma das principais fontes de medalhas para o COB, na busca pelo top ten no quadro geral dos Jogos de 2016. Com o time completo, o rendimento de medalhas foi de 21%. Dos outros onze judocas, apenas Erika Miranda e Mariana Silva chegaram a lutar por medalha, com os demais caindo nas fases preliminares.

Em 52 anos de participação, o Brasil conquistou 22 medalhas, sendo 4 ouros, 3 pratas e 15 bronzes. Uma história iniciada por Lhofei Shiozawa, o solitário representante em 1964, em Tóquio, quando o judô entrou no programa olímpico – no Japão, os donos da casa inciaram um domínio absoluto, hoje com 37 ouros. O brasileiro, então com 23 anos, terminou em 5º lugar na categoria até 80 quilos. Depois, os pódios foram recorrentes, começando com o bronze de Chiaki Ishii em 1972, em Munique. A partir de 1984, o judô brasileiro emplacou uma série, ainda vigente, com nove edições presente no pódio.

Naturalmente, a equipe brasileira foi crescendo, técnica e numericamente, com a participação feminina, preenchendo cada vez mais categorias. Até completar, via ranking, a lista de pesagem. Em 2012 e 2016 o Brasil competiu nas 14 categorias, sendo sete masculinas e sete femininas. Que a esperança nos tatames se renove em 2020. Novamente em Tóquio, a meca da arte marcial…

Estatísticas do judô brasileiro nos Jogos Olímpicos…

Medalhas
1964 – nenhuma (estreia da modalidade)
1968 – não houve disputa
1972 – 1 bronze
1976 – nenhuma
1980 – nenhuma
1984 – 1 prata e 2 bronzes
1988 – 1 ouro
1992 – 1 ouro
1996 – 2 bronzes
2000 – 2 pratas
2004 – 2 bronzes
2008 – 3 bronzes
2012 – 1 ouro e 3 bronzes
2016 – 1 ouro e 2 bronzes

Evolução da delegação brasileira
1964 – 1 judoca
1972 – 2 judocas

(…)
2000 – 12 judocas
2004 – 12 judocas
2008 – 13 judocas
2012 – 14 judocas (time completo)
2016 – 14 judocas (time completo) 

Rendimento de medalhas (pódios x representantes)
2000 – 16%
2004 – 16%
2008 – 23%
2012 – 28%
2016 – 21%

Rafaela Silva, Mayra Aguiar e Rafael Silva em ação nos Jogos Olímpicos de 2016. Fotos: Rio 2016/twitter (@rio2016)

De Leônidas de Rodes a Michael Phelps, o último recorde olímpico. De 2.168 anos

Lêonidas de Rodes, recordista nas Olimpíadas da Antiguidade. Foto: Museu Britânico

A Olimpíada foi criada na Grécia em 776 antes de Cristo. De quatro em quatro anos, com corrida, luta, salto, arremesso de disco, pentatlo, corrida de bigas, entre outras provas exóticas. O campeão ganhava uma guirlanda e a honra de virar estátua na mítica cidade de Olímpia, numa tradição que superou mil anos. Nos Jogos da Antiguidade, o maior vencedor foi Leônidas de Rodes. Em provas individuais, ganhou 12 coroas de louros. Dos 24 aos 36 anos, ele foi imbatível em três tipos de corridas. No estádio, contra vinte competidores, ganhou as provas de uma e duas voltas. Ainda havia uma sui generis, a hoplitódromo, tendo que correr com um elmo e segurando um escudo de ferro.

Antes dele, o recorde era de três coroas em uma prova, o stadion, a primeira e mais importante corrida, com Chionis de Sparta (664 a.C., 660 a.C., 656 a.C.), Astyalus de Crotone (488 a.C., 484 a.C. e 480 a.C.) e Crisson de Himera (448 a.C., 444 a.C. e 440 a.C.). A Era Antiga dos Jogos acabou em 393, por decisão do imperador romano Teodósio I, convertido ao cristianismo. Seguiu assim até 1896, quando a Era Moderna foi iniciada, outra vez na Grécia. Nada de guirlandas, mas medalhas douradas aos campeões das tantas modalidades formuladas desde então. Com o homem desafiando o seu limite, recordes foram caindo. Exceto o de Leônidas. Essa marca, levantada pelo olympstats.com e publicada pelo jornal The Washington Post, já durava 2.168 anos.

Tão veloz quanto, mas na água, Michael Phelps agigantou a sua lenda ao registrar 1 minuto, 54 segundos e 66 centésimos nos 200 metros medley. Num mar de medalhas, com 26 ao todo, sendo 22 de ouro, esta foi a sua 13ª vitória individual. No um contra um, como havia sido com Lêonidas, tetracampeão nos primórdios descritos como contos, Phelps tornou-se o primeiro nadador com quatro ouros numa prova individual. Ao vivo para o mundo inteiro, o americano unificou as eras Antiga e Moderna em torno de uma verdade: é o maior.

Lêonidas de Rodes (corredor grego, 12 guirlandas individuais)
164 a.C. – stadion (180 metros), diaulos (360 metros) e hoplitodromos
160 a.C. – stadion (180 metros), diaulos (360 metros) e hoplitodromos
156 a.C. – stadion (180 metros), diaulos (360 metros) e hoplitodromos
152 a.C. – stadion (180 metros), diaulos (360 metros) e hoplitodromos

Michael Phelps (nadador norte-americano, 13 ouros individuais)
2004 – 400m medley, 100m borboleta, 200m borboleta, 200m medley
2008 – 400m medley, 200m livre, 100m e 200m borboleta, 200m medley
2012 – 200m medley, 100m borboleta
2016 – 200m borboleta, 200m medley

Michael Phelps. Foto: Rio 2016/reprodução

De 72 horas a 4 mil horas, a evolução da transmissão na TV dos Jogos Olímpicos

Mosaico de transmissão da Olimpíada 2016. Foto: Cassio Zirpoli/DP

Com a transmissão de todas as competições nas 42 modalidades, o Sportv anunciou a ”maior cobertura da história da Olimpíada” no Rio de Janeiro. Com 56 canais, sendo 16 na tevê a cabo e 40 na internet, a emissora agendou 100% do evento. Para dar conta, escalou 35 narradores e 110 comentaristas. A oferta ao vivo foi tão intensa que acabou sendo difícil para o telespectador se concentrar em um canal, com “queixas” nas redes sociais. A cobrança deu certo, tanto que, no 6º dia, o Sportv passou disponibilizar um mosaico com 16 canais – até então, os mosaicos contavam com no máximo quatro telas, durante o Campeonato Brasileiro de futebol. Essa macro transmissão contrasta frontalmente com a primeira Olimpíada exibida ao vivo na televisão, há 80 anos.

Em Berlim, no evento-propaganda de Hitler, as principais provas passaram num circuito fechado do governo e em 25 auditórios públicos, com telões especiais. Segundo o Comitê Olímpico Internacional (COI), 162.228 pessoas assistiram à transmissão, espalhada em três cidades. Além da capital, Potsdam (a 35 km) e Leipzig (a 189 km) também receberam as imagens, via cabo. A equipe técnica usou 21 câmeras, com tecnologia bem distinta – uma delas tinha 1,82 cm. Na primeira Olimpíada após a Segunda Guerra Mundial, em Londres, em 1948, a transmissão começou efetivamente para as casas. Eram 60 mil aparelhos num raio de 80 quilômetros da cidade-sede. Da abertura ao encerramento foram quase quatro horas diárias, sempre ao vivo em Wembley (não havia videotape), o dobro do planejado pela British Broadcasting Corporation, a BBC.

A exibição dos Jogos deu um grande salto em 1968, na Cidade do México, após a utilização de satélites, quebrando todas as fronteiras. Foram 600 milhões de telespectadores, naquele ano, com alguns países recebendo imagens coloridas. O Brasil só entraria no circuito na edição seguinte, quando a Rede Globo adquiriu os direitos, com Léo Batista lendo os boletins no fim da noite. Em Munique sugiram inovações como slow motion e câmeras debaixo d´água, tendo como astro o norte-americano Mark Spitz, com sete ouros nas piscinas. Após a disputa política nos Jogos de 1980 (boicote capitalista) e 1984 (boicote comunista), os valores dos direitos de transmissão subiram bastante, com vendas separadas, sendo o mercado norte-americano sempre o mais caro. 

A partir de 2001, mesmo com a negociação retalhada, a Olympic Broadcasting Services (OBS) passou a ser a única produtora de imagens. Ligada ao COI, a empresa tornou-se responsável por toda a cobertura oficial dos eventos, descontando entrevistas em zonas mistas. Nesse período, as inovações foram marcadas pela reproduções de imagens (ao vivo) em alta definição, três dimensões e via mobile. Por sinal, a transmissão na internet (celulares, tablets e computadores) passou de 628 milhões de “video streams” em Beijing para 1,5 bilhão em Londres, que recebeu o evento pela terceira vez. 

Evolução até o Rio, num alcance olímpico como nunca se viu…

Evolução da transmissão olímpica na TV
1904 – Primeira gravação, com frames do estádio de Saint Louis no cinema
1936 – Primeira transmissão ao vivo, em circuito fechado para três cidades
1948 – Primeira transmissão ao vivo na tv aberta, para Londres
1956 – Primeira transmissão internacional, com filmes (Europa e EUA)
1960 – Primeira transmissão internacional ao vivo, para 18 países
1964 – Primeira transmissão internacional via satélite (chegou aos EUA)
1968 – Primeira transmissão em cores
1972 – Primeira transmissão para o Brasil
1976 – Primeira transmissão com “cameraman” nas provas
1992 – Primeira vez com pay-pew-view, nos EUA
2004 – Primeira transmissão em alta definição (HD)
2008 – Primeira transmissão em plataformas mobile
2012 – Primeira transmissão ao vivo em 3D
2016 – Primeira transmissão 100% de um canal*
* Através do sinal produzido pela Olympic Broadcasting Services (OBS)

Tempo de exibição (horas acumuladas por canal)
1936 – 72 horas, governo alemão
1948 – 64 horas, BBC (Inglaterra)
1984 – 184 horas, ABC (Estados Unidos)
2000 – 400 horas, NBC (Estados Unidos)
2016 – 4.000 horas, Sportv (Brasil)

Audiência global
1936 – 162 mil
1948 – 500 mil
1968 – 600 milhões
1984 – 2,5 bilhões
1992 – 3,5 bilhões
2000 – 3,6 bilhões
2004 – 3,9 bilhões
2008 – 3,6 bilhões
2012 – 3,6 bilhões

Direitos de transmissão (da maior emissora)
1948 – £ 1.000 (BBC, Inglaterra)
1960 – US$ 394 mil (CBS, Estados Unidos, por videotapes)
1980 – US$ 87 milhões (USSR State TV, União Soviética)
1984 – US$ 225 milhões (ABC, Estados Unidos)
1988 – US$ 398 milhões (NBC, Estados Unidos)
2004 – US$ 793 milhões (NBC, Estados Unidos)

2024-2032 – US$ 7,65 bilhões (NBC, Estados Unidos)

Náutico, Santa e Sport na Olimpíada 2016

Entre os milhares de torcedores assistindo in loco aos Jogos Olímpicos de 2016, a referência pernambucana vem sendo encontrada facilmente. Nas incontáveis transmissões na tevê, é bem comum ver bandeiras e/ou camisas de Náutico, Santa e Sport nos ginásios e estádios, não só no Rio de Janeiro. Como os torneios de futebol (masculino e feminino) são descentralizados, os registros também vem ocorrendo em praças como Salvador e Manaus.

A bandeira de Pernambuco, como não poderia deixar de ser, também é artigo de viagem – quase um imã para encontros no Parque Olímpico. Aqui, algumas fotos, compartilhados pelos próprios torcedores e também pelos clubes, num engajamento importante com o maior evento esportivo da temporada.

Cleber Lima
Local: Fonte Nova (futebol masculino), 11/08

Torcedor do Náutico na Olimpíada do Rio de Janeiro. Foto: Náutico/twitter (@nauticope)

Vinícius Medeiros (Santa Cruz)
Local: Arena da Amazônia (futebol feminino), 09/08

Torcedor do Santa Cruz na Olimpíada do Rio de Janeiro. Foto: Santa Cruz/twitter (@santacruzfc)

Marcelo Marinheiro e Guilherme Lima (Sport)
Local: Parque Deodoro (Rugby), 10/08

Torcedores do Sport na Olimpíada do Rio de Janeiro. Foto: Marcelo Marinheiro/twitter (@marinheiro87)

Renato Carneiro (Náutico)
Local: Maracanãzinho (vôlei feminino), 09/08

Torcedor do Náutico na Olimpíada do Rio de Janeiro. Foto: Náutico/twitter (@nauticope)

Jorge Neves e Fabiana Neves (Santa Cruz)
Local: Parque Aquático (natação), 10/08

Torcedores do Santa Cruz na Olimpíada do Rio de Janeiro. Foto: Ana Paula Santos/DP

Nara Vieira (Sport
Local: Engenhão (futebol feminino), 06/08

Torcedores do Sport na Olimpíada do Rio de Janeiro

O quadro de medalhas do Brasil segundo a revista Sports Illustrated, de 2000 a 2016

Edições da revista Sports Illustrated sobre a previsão de medalhas olímpicas em 2000, 2004, 2008, 2012 e 2016

A previsão de medalhas elaborada pela revista Sports Illustrated na edição que antecede a Olimpíada já tornou-se tradicional mundo afora. Trata-se de uma análise de desempenho de todos os países em todas as competições realizadas nos Jogos. O blog levantou a estimativa feita pela publicação norte-americana para o Time Brasil nas últimas cinco edições. Considerando todas as opções possíveis (ouro, prata, bronze e total), apenas uma projeção bateu, com as 15 medalhas conquistadas na China. De 2000 a 2012, a magazine contabiliza um “saldo negativo” de onze ouros em relação às estimativas.

Sobre 2016, o exercício de futurologia da SI apontou 20 medalhas para a delegação brasileira, tendo o fator casa como importante para a avaliação. Apesar do número recorde de pódios, o país ficaria fora do top ten, a obsessiva meta estipulada pelo COB. No quadro geral, a vitória no Rio de Janeiro seria dos Estados Unidos, com 45 ouros, 34 pratas e 39 bronzes, ou 118 no total.

Abaixo, as projeções da revista e a realidade sobre o desempenho brazuca…

2016 – Rio de Janeiro
Previsão: 6 ouros, 4 pratas e 10 bronzes (20 medalhas)
Favoritos ao ouro: Erlon Souza/Isaquias Queiroz (canoagem), Martine Grael/Kahena Kunze (vela), futebol masculino, vôlei masculino, Alisson/Bruno (vôlei de praia) e Talita/Larissa (vôlei de praia)

2012 – Londres
Previsão: 8 ouros, 4 pratas e 12 bronzes (24 medalhas)
Favoritos ao ouro: César Cielo (natação), Robert Scheidt/Bruno Prada (vela), Diego Hypólito (ginástica), Éverton dos Santos (boxe), futebol masculino, Sarah Menezes (judô), Juliana e Larissa (vôlei de praia) e vôlei feminino 

Resultado: 3 ouros, 5 pratas e 9 bronzes (17 medalhas)
Ouro: vôlei feminino, Sarah Menezes (judô) e Arthur Zanetti (ginástica)

Saldo: -5 ouros, +1 prata, -3 bronzes (-7 medalhas)
Entre os campeões, a revista acertou Sarah Menezes e vôlei feminino

2008 – Beijing
Previsão: 5 ouros, 3 pratas e 7 bronzes (15 medalhas)
Favoritos ao ouro: Maurren Maggi (atletismo), vôlei masculino, vôlei feminino, Diego Hypólito (ginástica) e Tiago Camilo (judô) 

Resultado: 3 ouros, 4 pratas e 8 bronzes (15 medalhas)
Ouro: Vôlei feminino, Maurren Maggi (atletismo) e César Cielo (natação) 

Saldo: -2 ouros, +1 prata, +1 bronze (acertou o total de medalhas)
Entre os campeões, a revista acertou o vôlei feminino e Maurren Maggi

2004 – Atenas
Previsão: 4 ouros, 4 pratas e 4 bronzes (12 medalhas)
Favoritos ao ouro: Robert Scheidt (vela), Daiane dos Santos (ginástica), Ricardo e Emanuel (vôlei de praia) e vôlei masculino 

Resultado: 5 ouros, 3 pratas e 3 bronzes (11 medalhas)
Ouro: Rodrigo Pessoa (hipismo), vôlei masculino, Ricardo e Emanuel (vôlei de praia), Robert Scheidt (vela) e Torben Grael/Marcelo Ferreira (vela) 

Saldo: +1 ouro, -1 prata, -1 bronze (-1 medalha)
Entre os campeões, a revista acertou Ricardo e Emanuel (vôlei de praia), vôlei masculino e Robert Scheidt (vela)

2000 – Sidney
Previsão: 5 ouros, 2 pratas e 1 bronze (8 medalhas)
Favoritos ao ouro: Zé Marco e Emanuel (vôlei de praia), Gustavo Kuerten (tênis), Rodrigo Pessoa (hipismo), futebol masculino e Robert Scheidt (vela) 

Resultado: 6 pratas e 6 bronzes (12 medalhas)
Ouro: nenhum 

Saldo: -5 ouros, +4 pratas, +5 bronzes (+4 medalhas)
Entre os campeões, a revista errou tudo 

Somando as previsões da Sports Illustrated de 2000 a 2012…

Previsão: 22 ouros, 13 pratas, 24 bronzes (59 medalhas)
Resultado: 11 ouros, 18 pratas, 26 bronzes (55 medalhas)
Saldo: -11 ouros, +5 pratas, +2 (-4 medalhas)

Clássico das Multidões, inédito na Copa Sul-Americana e na Arena Pernambuco

Arena Pernambuco com o clássico Sport x Santa Cruz

Em comum acordo, Sport e Santa disputarão o inédito clássico internacional na Arena Pernambuco. Os dois clubes negociaram a Sula com o governo do estado tendo como condição básica a mudança de mando do rival. O anúncio foi feito pelo rubro-negro, que fechou um pacote de quatro jogos na arena, junto à secretaria de turismo, esportes e lazer. Como a confirmação leonina dependia da alteração coral (que ainda não se pronunciou), eis a nova agenda…

Em vez de Arruda em 24 de agosto, Arena.
Em vez de Ilha do Retiro em 31 de agosto, Arena.

Pelo regulamento da Copa Sul-Americana de 2016, na segunda fase o clube é obrigado a ceder 2 mil ingressos à torcida visitante. Isso corresponderia ao anel superior norte, como já vem ocorrendo nos clássicos com mando do Náutico – no post, simulações da divisão do público nos dois jogos. Para elevar a carga, somente em comum acordo. Divisão 50% x 50%? Fantástico e improvável.

Os dois jogos serão realizados em duas quartas-feiras à noite, tendo o mesmo critério de desempate aplicado na Copa do Brasil. Ou seja, o “gol fora” segue.

Já que o governo insistiu para receber o Clássico das Multidões em São Lourenço, tentando viabilizar o empreendimento, que também se mexa para oferecer um esquema diferenciado, na segurança e na mobilidade. Em relação ao policiamento, os cinco confrontos deste ano variaram entre 514 e 1.006 homens. Sobre o transporte, a falta de metrô (após meia-noite) e BRT precisará ser corrigida no histórico embate entre os dois clubes mais populares do estado.

A Arena Pernambuco estava esperando esse clássico há três anos.

Agora, precisa fazer valer a pena a experiência para rubro-negros e tricolores…

Santa Cruz x Sport na Arena Pernambuco