O ousado plano de metas do Santa Cruz de 2015 a 2017, com título nacional

Alírio Moraes foi eleito presidente do Santa Cruz para um inédito triênio. Entre 2015 e 2017, ele comandará o Tricolor com um planejamento estratégico bem ousado. Mais do que isso. O dirigente fez questão de torná-lo público ao convocar uma entrevista coletiva para apresentar o plano, ponto a ponto.

Nos seus três anos de gestão, o dirigente estipulou como meta dois títulos estaduais, dois títulos da Copa do Nordeste (ainda inédito para o clube), acesso à Série A já em 2015 e permanência na elite até a o início da próxima gestão, conclusão do centro de treinamento em 2016, 45 mil sócios em dia em 2017…

O ponto alto, sem dúvida, é o objetivo de ganhar a Copa do Brasil em 2017. Até hoje, os corais nunca chegaram sequer às quartas de final. Conquistar tudo isso, francamente, é um pouco difícil. Para o torcedor coral, o que seria o mínimo aceitável, entre as metas, para a que a gestão de Alírio seja aprovada?

No documento – metas abaixo – há a seguinte frase: “Planejar é decidir de antemão qual é e como será a sua vitória”.

Metas do Santa Cruz em 2015

Metas do Santa Cruz em 2016

Metas do Santa Cruz em 2017

Homenagens dos grandes clubes aos aniversários de Recife e Olinda

O dia 12 de março é uma das datas mais significativas para o povo pernambucano, com o aniversário das cidades-irmãs, Olinda e Recife. Da cidade patrimônio à metrópole cortada por rios e edifícios. Centenários, os grandes clubes do estado fazem parte desta história.

Em 2015, Olinda completa 480 anos, enquanto o Recife chegou a 478.

Parabéns às duas cidades. Abaixo, as homenagens de alvirrubros, tricolores e rubro-negros, através de seus perfis oficiais no facebook.

Náutico

Homenagem do Náutico aos aniversários de Recife e Olinda, em 12 de março de 2015. Crédito: Náutico/facebook

Santa Cruz

Homenagem do Santa Cruz aos aniversários de Recife e Olinda, em 12 de março de 2015. Crédito: Náutico/facebook

Sport

Homenagem do Sport aos aniversários de Recife e Olinda, em 12 de março de 2015. Crédito: Sport/facebook

Supremo Tribunal Federal vai decidir o título brasileiro de 1987, com transmissão na TV

Sede do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília

A decisão sobre o título brasileiro de 1987, tendo apenas um campeão (Sport) ou dois (Sport e Flamengo), chegou à mais alta instância do poder judiciário do país, o Supremo Tribunal Federal, que julga apenas matérias constitucionais.

Na pauta do STF já passaram casos de mensalão, ficha limpa, julgamento de Collor, legalidade do sistema de cotas em universidades, demarcação de reservas indígenas, entre outros processos notórios. A histórica disputa futebolística entre os rubro-negros se encaixa neste perfil? Agora, aos olhos da lei, sim, pois o recurso interposto pelo Mengo, após a decisão do Superior Tribunal de Justiça, favorável à exclusividade do Leão, foi aceito no “juízo de admissibilidade de prequestionamento e repercussão geral”, a normativa máxima para que um recurso extraordinário do STJ seja aceito no Supremo.

A análise para este cenário coube à ministra Laurita Vaz, cuja decisão monocrática foi publicada para consulta pública neste 12 de março de 2015.

De acordo com o documento de duas páginas, o recurso carioca argumenta, além da repercussão geral (mesmo sendo uma questão esportiva, não dá para negar a sua existência), que o acórdão anterior sobre a disputa iniciada em 2011, após a decisão administrativa da CBF à parte do caso original, transitado em julgado em 1999, teria violado um artigo da Constituição Federal.

O texto da ministra termina assim:
Preenchidos os pressupostos de admissibilidade, admito o recurso extraordinário. Remetam-se os autos ao Supremo Tribunal Federal. Publique-se.

Agora, no passo a passo do juridiquês, o caso passará por um novo processo de admissibilidade, só que no STF, cuja decisão pode sair neste ano. Caso aceito, o julgamento no Supremo deverá ser transmitido ao vivo na televisão, direto do tribunal em Brasília, através da TV Justiça.

Eis a escalação para a final: Ricardo Lewandowski, Cármen Lucia, Celso de Mello, Marco Aurélio, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Luiz Fux, Rosa Weber, Teori Zavascki e Roberto Barroso. Ainda há uma cadeira vaga no time titular.

Entre os nomes, quatro cariocas (Marco Aurélio, Lewandowski, Fux e Barroso) e nenhum pernambucano. Teoricamente, não faz qualquer diferença.

Que o imbróglio chegue ao seu fim no STF… ao vivo, para todo o Brasil.

Sede do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Foto: EBC

Derrota em Coruripe expõe o pior do Sport

Nordestão 2015, Coruripe 1x0 Sport. Imagem: Rede Globo/reprodução

Sobrando no Campeonato Pernambucano, o Sport tem uma face totamente distinta no Nordestão. Se no âmbito local a classificação veio por antecipação, com larga folga, na disputa regional, num grupo teoricamente fácil, o atual campeão nordestino chega à última rodada obrigado a vencer para evitar um vexame daqueles. Uma campanha que condiz com o futebol apresentado.

Após a derrota para o Coruripe por 1 x 0, o Leão viu o grupo B ficar completamente embolado, com ou sem a punição de seis pontos ao Sampaio Corrêa – cujo recurso no STJD será julgado nesta quinta.

Sampaio sem punição:
1º) Sampaio (11 pontos), 2º) Sport (7), 3º) Coruripe (6), 4º) Socorrense (2)

Sampaio com punição:
1º) Sport (7 pontos), 2º) Coruripe (6), 3º) Sampaio (5), 4º) Socorrense (2)

Em qualquer situação, o time maranhense briga pela classificação às quartas de final. E o último jogo, na sexta rodada, será justamente Sport x Sampaio Corrêa, na Ilha. Só em caso de vitória os pernambucanos não dependeriam do resultado de Socorrense x Coruripe, com o mandante já eliminado.

Pois é. O jeito é fazer contas e isso, na prática, já é um vexame para um time com poder econômico muito, mas muito maior que o dos adversários. Mas que em campo não demonstra variação de jogadas, tem limitações claras (lateral-direita) e sente a falta de um matador mais experiente.

No interior alagoano, o gramado, regular, não foi desculpa. O desgaste físico também não, uma vez que foi decisão do técnico enviar o time principal à Serra Talhada. Com mais de 40 passes errados em 90 minutos, não há muito o que argumentar sobre o rendimento rubro-negro diante do Hulk alagoano.

Na verdade, há sim. A folga no Estadual acabará em caso de eliminação no Nordestão. Sobretudo numa circunstância que parecia tão favorável…

Nordestão 2015, Coruripe 1x0 Sport. Imagem: Rede Globo/reprodução

O futebol pernambucano registrado em cores nas décadas de 1960 e 1970

O acervo fotográfico de boa parte da história do futebol pernambucano é baseado em imagens em preto e branco. Somente a partir da década de 1990 as fotos coloridas começaram a ganhar destaque, com as primeiras páginas impressas desta forma nos maiores jornais do Recife. Antes disso, todas as imagens produzidas pelo Diario de Pernambuco eram P&B, entre fotos reveladas, filmes e slides, por mais que já existissem câmeras capacitadas para o outro formato. Por isso é raro encontrar as cores vivas de Náutico, Santa Cruz e Sport há quarenta anos ou mais. Nem mesmo a Rede Globo conta com isso, com poucos filmes locais na década de 1970, todos em preto e branco. Cores na telinha, só a partir dos anos 80.

Portanto, vale conferir as imagens históricas abaixo, entre 1968 e 1975, quase todas da revista Placar, que desde o seu início contava com algumas páginas coloridas. O Arruda com apenas um anel de arquibancada, antes do Colosso, a Ilha do Retiro sem os tobogãs das gerais, Ramón no Tricolor, Dario no Rubro-negro, o Náutico fazendo um sucesso em São Paulo…

Não por acaso, em 1975, o trio foi a manchete de uma edição da revista Placar. Os três avançaram à fase decisiva do Campeonato Brasileiro (quanta diferença, hein?), entre os 16 melhores. Confira a capa da reportagem aqui.

Náutico

O Tiimbu de Jorge Mendonça avançando à fase final do Campeonato Brasileiro de 1975. Os alvirrubros chegaram a golear o Santos por 3 x 0, na Vila Belmiro.

Náutico no Brasileirão de 1975. Foto: Placar/reprodução

Entrada do Náutico no Arruda, para o clássico contra o Sport, no Estadual de 74. O time de Rosa e Silva venceria por 3 x 1, tirando o rival da briga pelo título.

Náutico num clássico contra o Sport, no Arruda, no Estadual de 1974. Foto: Milton Neto/Náutico

O pôster oficial do Náutico campeão pernambucano de 1974, quando evitou o hexa do Santa Cruz, vencendo a decisão nos Aflitos por 1 x 0.

Pôster do Náutico campeão pernambucano de 1974. Foto: Placar/reprodução

Foto ainda mais antiga, de 1968, com o técnico Duque e um garotinho com a faixa alvirrubra referente ao hexacampeonato pernambucano. Vale o registro.

Duque, técnico do Náutico no hexacampeonato estadual em 1968

Santa Cruz

Tricolores comemoram um dos gols do 3 x 2 sobre o Palmeiras de Ademir da Guia, em São Paulo, abrindo caminho à semifinal da Série A de 1975.

Santa Cruz enfrentando o Palmeiras em São Paulo. Foto: Placar/reprodução

O artilheiro coral Ramón vibra no Maracanã, no triunfo do Santa sobre o Flamengo, por 3 x 1, na fase decisiva do Brasileirão de 1975.

Ramón festeja um gol contra o Flamengo, no Maracanã, em 1975. Foto: Placar/reprodução

Pôster do Santa Cruz, semifinalista do Brasileirão de 1975, a melhor campanha do clube no cenário nacional em todos os tempos. Ramón, Nunes, Givanildo…

Pôster do Santa Cruz, semifinalista do Brasileirão de 1975. Foto: Placar/reprodução

O Arruda em 1972, no ano da inauguração, após a reforma que ampliou o estádio para 60 mil pessoas, visando a Copa da Independência.

Arruda em 1972

Sport

Campeão pernambucano em 1975, após doze anos de jejum, o Sport montou um time conhecido como “Seleção do Nordeste”. No Brasileiro, Ilha lotada.

Sport em ação no Campeonato Brasileiro de 1975. Foto: Placar/reprodução

Dario, a maior contratação do Leão em 1975, marcou 32 gols, conquistando a artilharia do Estadual. Na foto, Luciano Veloso, contratado junto ao Santa.

Dario, principal estrela do Sport em 1975. Foto: Placar/reprodução

Pôster do Rubro-negro no Brasileirão de 1975, logo após a conquista do título estadual daquela temporada. Dario, Luciano Veloso, Assis Paraíba…

Pôster do Sport em 1975, campeão pernambucano e durante o Brasileirão. Foto: Placar/reprodução

A Ilha dos velhos tempos, sem tobogãs atrás das barras. Daquele formato, no fim da década de 1960, o estádio seria ampliado em 1984, 1997 e 2007.

Ilha do Retiro no início da década de 1970. Foto: skyscrapercity.com/reprodução

Podcast 45 minutos (108º) – Má fase de Náutico e Santa e interior nas finais

O podcast 45 minutos voltou após alguns dias de “molho” debatendo a má fase de Náutico e Santa Cruz no hexagonal do título do Estadual. É real a chance de algum grande clube ficar de fora? No embalo, a presença do interior na reta final e, quem sabe, na final do Pernambucano de 2015. Por fim, além da resenha tradicional, uma avaliação sobre os programas de sócios dos clubes brasileiros, a partir dos 100 mil em dia no Palmeiras, um marco.

A gravação deste podcast teve 1h20min. Estou neste podcast ao lado de Celso Ishigami, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça agora ou quando quiser!

Sem Santa e Sport como mandantes, público do Pernambucano volta a cair

Pernambucano 2015, Náutico 2x2 Central, Serra Talhada 0x1 Sport e Salgueiro 1x0 Santa Cruz. Fotos: Yuri de Lira, João de Andrade Neto e Daniel Leal, todos do DP/D.A Press

Nenhum borderô com pelo menos dez mil espectadores foi registrado nesta atualização sobre o público e renda do Campeonato Pernambucano de 2015. Neste balanço do blog entraram duas rodadas do hexagonal da permanência e uma do hexagonal do título. Isso porque a fase que definirá os dois rebaixados à segundona local – Ypiranga e mais um – “acelerou” na última semana e deve acabar antes da disputa principal.

Portanto, foram nove jogos computados. Na prática, oito, uma vez outra partida ocorreu de portões fechados, a terceira na competição. Ao todo, apenas 20.559 pessoas foram aos estádios na última semana. Na capital, só o Náutico, que manteve o baixo índice de pouco mais de 4 mil pessoas. No geral, a média caiu para 3.421, ficando sete pessoas abaixo do índice de 2002, o pior da história do certame com o subsídio estatal, a partir de 1998.

A 8ª rodada do hexagonal do título deve dar uma melhora nos dados, pois Santa Cruz e Sport, polarizando o campeonato das multidões, atuarão como mandantes. Em relação à arrecadação, a bilheteria após os 98 jogos “abertos” foi de R$ 3,79 milhões. A FPF, como se sabe, fica com 8% da renda bruta. Logo, a federação já abocanhou R$ 303.250.

Confira abaixo os dados de público e renda atualizados após cinco rodadas dos hexagonais do título e do rebaixamento, de acordo com o borderô oficial da FPF. Confira todas as médias de 1990 a 2014 clicando aqui.

1º) Santa Cruz (3 jogos como mandante, 2 no Arruda e 1 na Arena)
Total: 48.849 pessoas
Média: 16.283
Taxa de ocupação: 29,37%
Renda: R$ 957.182
Média: R$ 319.060
Presença contra intermediários (1): T: 9.992 / M: 9.992

2º) Sport (3 jogos como mandante, 1 na Arena e 2 na Ilha)
Total: 32.581 pessoas
Média: 10.860
Taxa de ocupação: 29,04%
Renda: R$ 547.022
Média: R$ 182.340
Presença contra intermediários (2):T: 19.062 / M: 9.531

3º) Salgueiro (4 jogos como mandante, no Cornélio)
Total: 25.392 pessoas
Média: 6.348
Taxa de ocupação: 64,01%
Renda: R$ 191.365
Média: R$ 47.841

4º) Central (11 jogos mandante, no Lacerdão)
Total: 56.990 pessoas
Média: 5.180
Taxa de ocupação: 26,59%
Renda: R$ 568.025
Média: R$ 51.638

5º) Náutico (4 jogos como mandante, na Arena)
Total: 17.019 pessoas
Média: 4.254
Taxa de ocupação: 9,20%
Renda: R$ 347.845
Média: R$ 86.961
Presença contra intermediários (3): T: 12.393 / M: 4.131

6º) Serra Talhada (10 jogos como mandante, no Nildo Pereira)
Total: 38.842 pessoas
Média: 3.884
Taxa de ocupação: 77,68%
Renda: R$ 297.676
Média: R$ 29.767

As capacidades (oficiais) dos estádios usadas para calcular a taxa de ocupação: Arruda (60.044), Arena Pernambuco (46.214), Ilha do Retiro (32.983), Lacerdão (19.478), Cornélio de Barros (9.916) e Nildo Pereira (5.000).

Geral – 98 jogos (1ª fase, hexagonais do título e da permanência e mata-mata)*
Público total: 335.339
Média: 3.421 pessoas
TCN: 261.836 (78,08% da torcida)
Média: 2.671 bilhetes
Arrecadação: R$ 3.790.634
Média: R$ 38.679
* Foram realizadas 101 partidas, mas 3 jogos ocorreram de portões fechados.

Fase principal – 21 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 169.444
Média: 8.068 pessoas
TCN: 106.578 (62,89% da torcida)
Média: 5.075 bilhetes
Arrecadação total: R$ 2.514.689
Média: R$ 119.747

Pernambucano em 2 linhas – 7ª/2015

Pernambucano 2015, 7ª rodada: Serra Talhada 0x1 Sport, Náutico 2x2 Central e Salgueiro 1x0 Santa Cruz. Fotos: Paulo Paiva (Pereirã), Allan Torres (Arena) e Ricardo Fernandes (Cornélio de Barros), todos os DP/D.A Press

Restando apenas três rodadas para o fim do hexagonal do título, o G4 é formado por três times do interior e somente um grande clube da capital. Com 7 pontos ganhos em 21 disputados, Santa e Náutico ocupam os dois últimos lugares, num cenário inédito desde que o Campeonato Pernambucano passou a ter semifinal e final, em 2010. Até hoje, nenhum time grande ficou de fora. Para completar, o Timbu terá dois jogos no Sertão e o clássico contra o Leão, na Arena. Já os corais terão uma vida menos complicada, com três partidas no Recife, incluindo o Clássico das Multidões na Ilha do Retiro. A zebra já é real?

Saíram 44 gols nos 21 jogos desta fase do #PE2015, com média de 2,09. Em relação à artilharia oficial, na qual a FPF só considera o hexagonal e o mata-mata, Élber (Sport) e Josenildo (Serra Talhada) ganharam a companhia dos alvirrubros Josimar e Renato, todos com 3 gols.

Hoje, as semifinais seriam: Sport x Serra Talhada e Central x Salgueiro.

Serra Talhada 0 x 1 Sport – Desta vez, Eduardo Batista mandou o time titular. Queria se garantir logo na semi. Dito e feito, com Diego Souza guardando.

Salgueiro 1 x 0 Santa Cruz – O Tricolor voltou a ter uma atuação apagada, sobretudo seu ataque, e perdeu novamente para o Carcará. Saiu do G4.

Náutico 2 x 2 Central – Duelo movimentado na Arena, com o Timbu mostrando os mesmos erros, apesar do novo técnico. A Patativa consolidou o 2º lugar.

Destaque: Ana Karina. No Dia Internacional da Mulher, a árbitra da Fifa teve uma atuação sem qualquer aresta na Arena Pernambuco.

Carcaça: Ataque coral. Apenas quatro gols marcados em sete apresentações oficiais. Diz muito sobre a pífia campanha do Santa no hexagonal.

Próxima rodada:
14/03 (19h30) – Sport x Salgueiro (Arena Pernambuco)
15/03 (16h00) – Santa Cruz x Central (Arruda)
15/03 (16h00) – Serra Talhada x Náutico (Pereirão)

Classificação do hexagonal do título do Pernambucano 2015 após a 7ª rodada. Crédito: FPF/site oficial

Ranking dos pênaltis e dos cartões vermelhos (7)

A 7ª rodada do hexagonal do título passou em branco neste domingo tanto em pênaltis quanto em expulsões. Desta vez, os árbitros economizaram nas marcações. Na verdade, não polêmica na rodada (aleluia). Portanto, os rankings levantados pelo blog no Campeonato Pernambucano de 2015 continuam com os mesmos números, mas agora com 21 partidas disputadas.

Pênaltis a favor (6)
2 pênaltis – Sport e Salgueiro
1 pênalti – Santa Cruz e Serra Talhada
Sem penalidade: Náutico e Central

Salgueiro desperdiçou um pênalti
Santa desperdiçou um pênalti

Sport evitou uma penalidade
Náutico evitou uma penalidade

Pênaltis cometidos (6)
2 pênaltis – Serra Talhada
1 pênalti – Santa Cruz, Sport, Náutico e Salgueiro
Sem penalidade: Central

Cartões vermelhos (4)
1º) Santa Cruz – 2 adversário expulsos, 2 cartões vermelhos
2º) Sport – 1 adversário expulso, 1 cartão vermelho
2º) Salgueiro – 1 adversário expulso, 1 cartão vermelho
Nenhum cartão: Náutico, Central e Serra Talhada

Confira os rankings anteriores, completos: 2009, 2010, 2011, 2012, 2013 e 2014.

Nem a chegada de Lisca melhora o futebol do Náutico, agora na lanterna

Pernambucano 2015, 7ª rodada: Náutico 2x2 Central. Foto: Marlon Costa/FPF

O Náutico esteve à frente do Central, na Arena Pernambuco, dos 11 aos 24 minutos do segundo tempo. O placar parcial de 2 x 1 deixaria o time alvirrubro na terceira colocação do hexagonal, com nove pontos. Porém, durou pouco tempo a sensação de dias melhores em Rosa e Silva. O gol de Candinho, numa falha coletiva de Gastón e Júlio César, igualou a peleja que encerrou a 7ª rordada e derrubou o Timbu para a lanterna do Estadual. Sete pontos.

Foi o sexto jogo sem vitória do Náutico, já em seu terceiro técnico em 2015, entre efetivados e interinos. Nem a estreia de Lisca deu jeito no time, ainda afobado. Ele tentou fazer o que se esperava: mais vibração na beira do campo e composições táticas de última hora. Com boa vontade, esses elementos só foram vistos na segunda etapa, pois o primeiro tempo foi bem fraquinho.

Na volta do intervalo, jogo até ficou movimentado, com a Patativa marcando na largada, tomando a virada em apenas dez minutos e buscando o 2 x 2 na raça, para a alegria da torcida alvinegra presente no anel superior, fazendo bastante barulho e apoiando o vice-líder. Maioria entre 4.383 presentes, os alvirrubros também fizeram barulho, novamente por causa da insatisfação. E agora faltam apenas três rodadas para evitar um vexame histórico…

Pernambucano 2015, 7ª rodada: Náutico 2x2 Central. Foto: Allan Torres/DP/D.A Press