O gol de placa no Maracanã que gerou todos os gols de placa nos demais estádios. A partir de Pelé, naturalmente

O "gol de placa" de Pelé. Crédito: Pelé/twiiter (via Agência O Globo)

Em 5 de março de 1961, por volta dos 40 minutos do primeiro tempo, Pelé recebeu um passe na intermediária. Naquela tarde, o Santos visitava o Fluminense, no Maracanã, pelo Torneio Rio-São Paulo. E Pelé já era ‘Pelé’. Com a bola dominada, o rei arrancou com objetividade e passou por Pinheiro, Clóvis e Altair. Chegando à meta adversária, tocou com categoria no canto direito do goleiro Castilho. Nascia ali a expressão “gol de placa”, sinônimo de golaço. Neste caso, por realmente ter virado uma placa no estádio Mário Filho, em homenagem ao lance, que ajudou na vitória do peixe por 3 x 1. A partir dali, a ideia se expandiu a todos os estádios do país.

Torcedor, qual gol merecia uma placa no Arruda, na Ilha do Retiro e nos Aflitos? Pode ser do dono do estádio ou mesmo do visitante…

No Arruda, o tricolor Betinho ganhou uma placa em 25/10/1978.

Obs. Infelizmente, não há vídeos sobre o primeiro gol de placa. Abaixo, os registros fotográficos relembrando o lance. Quando ao gol, Pelé disse o seguinte: ”o único vídeo que existe está na minha memória!”

O "gol de placa" de Pelé. Crédito: Pelé/twiiter (via Agência O Globo)

O "gol de placa" de Pelé. Crédito: Pelé/twiiter (via Agência O Globo)

O "gol de placa" de Pelé. Crédito: Pelé/twiiter (via Agência O Globo)

Libertadores com final única a partir de 2019. Pelo regulamento atual, existem 60 estádios candidatos na América do Sul

A Taça Libertadores da America. Foto: conmebol.com

A partir de 2019, a Taça Libertadores da América será decidida em apenas uma partida, num estádio previamente definido, emulando o formato em vigor na Liga dos Campeões desde 1956. A decisão da Conmebol retoma discussão acerca da execução, devido à distância (e infraestrutura) entre os dez países membros – todos votam a favor, diga-se. Além disso, jogo em ‘campo neutro’ não é exatamente uma novidade. De 1960 até 1987, o saldo não era critério. Assim, em caso de igualdade era disputado uma extra num país neutro. Nem sempre com bons públicos. Em 1987, o Estádio Nacional de Santiago recebeu 25 mil pessoas (1/3 da capacidade na época) para o duelo entre Peñarol e América de Cali, com título uruguaio no fim da prorrogação. Para tentar ‘compensar’ a perda financeira, já que a técnica é impossível, a confederação dará mais US$ 2 milhões (R$ 6,3 mi) a cada finalista.

Eis a justificativa da mudança, segundo a cartologem:
“A decisão do conselho da Conmebol ocorre após uma análise rigorosa de diversos estudos técnicos produzidos por especialistas, com o objetivo de potencializar os torneios da Conmebol. Entre as variáveis analisadas, se destacam a justiça desportiva, a qualidade da competição, a emoção do espetáculo, a organização e segurança do evento, a percepção dos torcedores, os ingressos aos clubes finalistas, o estado de infraestrutura desportiva do continente, o posicionamento mundial do futebol sul-americano e a comercialização dos direitos audiovisuais da Libertadores”

Entre os motivos alegados, a última linha parece conter o real, deixando de lado uma tradição de quase 60 anos, com os confrontos em ida e volta. Considerando o regulamento vigente (abaixo), a final exige uma capacidade mínima de 40 mil pessoas. Como curiosidade, o blog listou 24 estádios possíveis no Brasil (Arruda e Arena PE presentes) e 36 canchas possíveis nos demais filiados. Ou seja, 60 candidatos dentro deste recorte, desconsiderando a possível grande jogada, a realização da final em outros continentes, em países como Estados Unidos, México, Japão… Política à parte, a Conmebol ainda irá definir os mecanismos técnicos sobre a cidade-sede. A conferir.

O regulamento da Libertadores 2018 sobre a capacidade de público dos estádios. Crédito: Conmebol/reprodução

Saiba mais detalhes sobre a mudança na Taça Libertadores clicando aqui.

Considerando as novas arenas, inauguradas desde 2013, e estádios remodelados ou antigos (com capacidade reduzida por segurança), até 15 estados brasileiros poderiam receber, em tese, a final da competição. Pela ordem: São Paulo (5), Rio de Janeiro (2), Minas Gerais (2), Rio Grande do Sul (2), Pernambuco (2), Paraná (2), Brasília (1), Ceará (1), Bahia (1), Pará (1), Piauí (1), Amazonas (1), Mato Grosso (1), Goiás (1) e Maranhão (1).

Os maiores estádios do Brasil. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Brasil à parte, na América do Sul destaca-se a Argentina, com 13 estádios aptos à finalíssima da Libertadores. Na sequência, Colômbia (5), Venezuela (5), Peru (4), Equador (3), Uruguai (2), Chile (2), Bolívia (1) e Paraguai (1).

Os maiores estádios da América do Sul, à parte do Brasil. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Arena PE ou Castelão, o 8º palco da Copa América de 2019. Resposta em dezembro

Estádios Arena Pernambuco e Castelão. Fotos: divulgação

O Brasil receberá a Copa América após trinta anos. Em 2019, o torneio volta ao país reformulado, ampliado. Serão 16 países, sendo os dez filiados da Conmebol e mais seis convidados, com possibilidade de seleções da Concacaf, como de praxe, mas também da Europa e da Ásia (que teve o Japão na disputa em 1999). Segundo reportagem do globoesporte.com, oito estádios devem ser selecionados, todos no “Padrão Fifa”, através do caderno de encargos mais atual. Sete já estariam definidos, com a última vaga sendo disputada por Recife e Fortaleza, com a Arena Pernambuco e o Castelão.

No caso local, o pedido foi protocolado pela FPF à confederação sul-americana, via CBF, em 20 de janeiro. Segundo Evandro Carvalho, o processo ainda será formalizado, aguardando ainda a formação do comitê organizador da copa. O mandatário da federação trata a capacidade (45 mil x 63 mil) como o único ponto contrário em relação à candidatura cearense.

“Pela capacidade de público, já não poderíamos receber a Seleção, que só deve ir a estádios acima de 50 mil lugares, mas estamos dentro do padrão de estrutura do torneio. E como deverá ter seleções de outros continentes, a nossa posição é estratégica, tanto em voos quanto em rede hoteleira.”

Segundo o GE, haveria “favoritismo claro” para o Castelão. Ao blog, Evandro discordou, dizendo que a “situação é a mesma”. Até mesmo pelo know-how, uma vez que os dois empreendimentos receberam, recentemente, jogos da Copa das Confederações, Mundial e Eliminatórias de 2018. A resposta, de acordo com ele, deve ser dada até o fim de 2017. O blog também entrou em contato com a administração da Arena, que deixou o caso nas mãos da FPF.

“A Arena de Pernambuco sempre busca receber os maiores eventos possíveis, dentro ou fora do cunho esportivo. (…) Em relação à Copa América, que será realizada no Brasil 2019, a Arena informa que, possíveis negociações para sedes visando esta ou outra competição, são realizadas entre as Federações e Confederações envolvidas no processo. (…)”

Palcos da Copa América no Brasil

1919  - Laranjeiras (RJ, 7 jogos) 

1922 - Laranjeiras (RJ, 11 jogos) 

1949 - São Januário (RJ, 13 jogos), Pacaembu (SP, 12 jogos), General Severiano (RJ, 2 jogos), Vila Belmiro (SP, 1 jogo) e Otacílio Negrão (MG, 1 jogo) 

1989 - Serra Dourada (GO, 10 jogos), Fonte Nova (BA, 8 jogos), Maracanã (RJ, 6 jogos) e Arruda (PE, 2 jogos)

2019 - Maracanã (RJ), Mineirão (MG), Arena Corinthians (SP), Allianz Parque (SP), Beira-Rio (RS), Mané Garrincha (DF), Fonte Nova (BA) e mais um

Brasil x Colômbia, no Engenhão, com o maior público da história no borderô? Pela solidariedade, pela Chapecoense

Jogo da Amizade, Brasil x Colômbia. Crédito: CBF

O amistoso entre Brasil e Colômbia, agendado para 25 de janeiro, poderá ter o maior público pagante da história do futebol brasileiro. Ao menos indiretamente. Além dos 41.506 ingressos à disposição da torcida no estádio Engenhão, de R$ 70 a R$ 150, a CBF criou o “ingresso solidário”, a R$ 50. O bilhete não dará acesso ao jogo no Rio de Janeiro, mas ajudará a Chapecoense, que terá direito à toda renda líquida, revertida às famílias das vítimas do acidente aéreo.

Acessível aos torcedores de outros estados, o ingresso especial (segundo o site de venda, são 4 milhões!) será computado no borderô oficial do Jogo da Amizade como “público total”. Quem colaborar com a causa receberá um certificado de participação e agradecimento. Em relação aos ingressos tradicionais, estima-se uma arrecadação acima de R$ 3 milhões.

Até hoje, o recorde de público foi na decisão da Copa do Mundo de 1950, com 173.850 pagantes no duelo entre brasileiros e uruguaios. Naquele dia, ao todo, o Maracanã abrigou quase 200 mil espectadores. A casa do Botafogo não receberá tanta gente assim, mas a tendência é de recorde… Possível?

Links para a compra de ingressos: bilhete tradicional e ingresso solidário.

Os maiores públicos do futebol brasileiro (todos no Maracanã):
199.854 – Brasil 1 x 2 Uruguai (16/07/1950)
195.513 – Brasil 4 x 1 Paraguai (21/03/1954)
194.603 – Fluminense 0 x 0 Flamengo (15/12/1963)
183.341 – Brasil 1 x 0 Paraguai (31/08/1969)
174.770 – Flamengo 3 x 1 Vasco (04/04/1976)

Os estádios aptos à nova final da Taça Libertadores, com Arena PE e Arruda

As 11 bandeiras presentes na Taça Libertadores da América

A partir de 2017, a Taça Libertadores da América poderá ser decidida em apenas uma partida, em campo neutro, emulando o formato em vigor na Liga dos Campeões desde 1956. No cenário sul-americano a novidade levanta discussão acerca da execução, devido à distância (e infraestrutura) entre os dez países membros, além do México, que também participa. Além disso, jogo em campo neutro não é exatamente uma novidade no torneio. De 1960 até 1987, o saldo não era critério. Assim, em caso de igualdade era disputado uma extra num país neutro. Nem sempre com bons públicos. Em 1987, o Estádio Nacional de Santiago recebeu 25 mil pessoas (1/3 da capacidade na época) para o confronto entre Peñarol e América de Cali, com título uruguaio no último minuto da prorrogação.

Para a mudança, um motivo alegado pelo presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, foi a supremacia do mandante do segundo jogo: “Analisando o retrospecto das finais da Libertadores, o mandante do segundo jogo ganhou 70%. A justiça esportiva exige final única e em campo neutro.”

Considerando o regulamento vigente da Liberta (abaixo), exigindo uma capacidade mínima de 40 mil pessoas na final, o blog listou, como curiosidade, 36 canchas possíveis nos países vizinhos. Há ao menos um palco em cada país filiado. No Brasil existem 24 estádios, levando em conta a atual capacidade liberada pelos bombeiros. Arruda e Arena Pernambuco presentes na lista…

Regulamento da Taça Libertadores da América de 2016

Confira outras mudanças na Lubertadores e na Sul-Americana clicando aqui.

Brasil à parte, na América do Sul destaca-se a Argentina, com 13 estádios aptos à finalíssima da Libertadores. Na sequência, Colômbia (5), Venezuela (5), Peru (4), Equador (3), Uruguai (2), Chile (2), Bolívia (1) e Paraguai (1).

Os maiores estádios da América do Sul, excetuando o Brasil

Considerando as novas arenas, inauguradas desde 2013, e estádios remodelados ou antigos (com capacidade reduzida por segurança), até 15 estados brasileiros poderiam receber, em tese, a final da competição. Pela ordem: São Paulo (5), Rio de Janeiro (2), Minas Gerais (2), Rio Grande do Sul (2), Pernambuco (2), Paraná (2), Brasília (1), Ceará (1), Bahia (1), Pará (1), Piauí (1), Amazonas (1), Mato Grosso (1), Goiás (1) e Maranhão (1).

Os maiores estádios do Brasil

Estendendo ao México (convidado desde 1998) a possibilidade de entrar na fila para receber a final, seriam oito palcos fora do continente, incluindo o maior de todos (atualmente), o Azteca, que já recebeu a final da Copa do Mundo em 1970 e 1986. Somando os onze países, portanto, 68 palcos à disposição. pitacos?

Os maiores estádios do México

Estádios de futebol com recordes de público de vôlei, futsal, mma, hóquei…

Campeã olímpica em 2016, a seleção brasileira masculina de vôlei agendou dois amistosos em estádios de futebol. As quadras foram montadas bem no meio dos gramados, com adesão massiva da torcida. As duas apresentações, em Curitiba e Brasília, foram vistas por 75 mil pessoas. Levaram um pouco do conceito multiuso à Arena da Baixada, está já com uma edição do UFC neste ano, e ao Mané Garrincha. Especificamente sobre o vôlei, não foi a primeira vez.

Em 1983, no velho Maracanã, quase cem mil pessoas encararam a chuva para assistir à vitória da seleção, então vice mundial, sobre os soviéticos, campeões mundiais e olímpicos. A curiosidade é que o “Grande Desafio” foi marcado para 17 de julho por ser um período sem chuvas no Rio. Porém, choveu tanto que o jogo foi adiado por nove dias. E teve água do mesmo jeito, com os jogadores enxugando a quadra em alguns momentos. Ainda assim, a melhor assistência da modalidade foi estabelecida. Idem com o futsal no Mané Garrincha.

Abaixo, relembre algumas adaptações em estádios brasileiros, todas em arenas pós-Copa 2014. No fim, o recorde nos Estados Unidos, com o hóquei sobre o gelo num estádio de futebol americano. Apesar do clima, com neve e termômetro na casa de -10ºC, o “Winter Classic” foi um sucesso absoluto.

No cenário local, a Arena Pernambuco ainda não recebeu seleções brasileiras de modalidades distintas. No máximo, abriu espaço ao futebol americano, com 7.056 espectadores em Recife Mariners 12 x 38 João Pessoa Espectros

Qual esporte, à parte do futebol, você gostaria de ver num estádio do Recife?

Vôlei

95.887 (Maracanã 1983, Brasil 3 x 1 União Soviética). Recorde mundial

Jogo da seleção masculina de vôlei no Maracanã, em 1983

40 mil (Mané Garrincha 2016, Brasil 3 x 1 Portugal)

Jogo da seleção masculina de vôlei no Mané Garrincha, em 2016. Foto: CBV/divulgação

35 mil (Arena da Baixada 2016, Brasil 3 x 0 Portugal)

Jogo da seleção masculina de vôlei na Arena da Baixada, em 2016. Foto: Inovafoto/CBV

Futsal

56.483 (Mané Garrincha 2014, Brasil 4 x 1 Argentina). Recorde mundial

Jogo da seleção masculina de futsal no Mané Garrincha, em 2014. Foto: Fifa/divulgação

11.444 (Castelão 2015, Brasil 2 x 1 Portugal)

Jogo da seleção masculina de futsal no Castelão, em 2015. Foto: divulgação

MMA

45.207 (Arena da Baixada 2016, UFC 198)

UFC na Arena da Baixada, em 2016. Foto: Robson de Lazzari/Rede Massa

Hóquei sobre o gelo

105.491 (Michigan, em 2014: Toronto Maple Leafs 3 x 2 Detroit Red Wings)

Jogo de hóquei em estádio de futebol americano, em Michigan, em 2014

Pernambuco no encerramento olímpico no Rio, com frevo, DJ, Lenine e Gonzagão

Frevo na Cerimônia de Encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, no Maracanã. Crédito: Rede Globo/reprodução

Onipresente nas ladeiras olindenses e nas ruas do Recife Antigo, sobretudo no mês de fevereiro, o frevo foi bem longe. Tomou conta do Maracanã. No embalo de Vassourinhas, o ritmo pernambucano foi um dos escolhidos para compor a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016.

Aliás, Pernambuco foi um dos estados cuja cultura mais se fez presente no evento. Na sequência da apresentação das passistas vieram cantorias, o time completo da Orchestra Santa Massa, com Fábio Trummer, DJ Dolores, Isaar, Maciel Saulo e Jam da Silva, Maestro Spok, uma lembrança daquelas de Luiz Gonzaga, com Asa Branca fazendo os bonecos de barro de Mestre Vitalino ganharem vida, e, por último, Lenine. A maior festa em linha reta.

Durante os 17 dias da primeira Olimpíada no país a presença pernambucana foi intensa, com bandeiras e camisas do estado e do trio da capital. Os atletas locais não medalharam, é verdade, mas houve plena entrega nas disputas, representada em Yane Marques, a porta-bandeira brasileira na abertura.

Depois de tanto simbolismo, o plano B já está traçado caso Tóquio vacile…

Sim, em 2020. Ou, no mais tardar, 2024. Não entendeu? Veja aqui.

Nunca duvide. Pernambuco sempre dá um jeito. =)

Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Crédito: Rede Globo/reprodução

Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Crédito: Rede Globo/reprodução

Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Crédito: Rede Globo/reprodução

Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Crédito: Rede Globo/reprodução

Cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Crédito: Rede Globo/reprodução

Neymar celebra o ouro inédito da Seleção num Maracanã repleto, contra a Alemanha

Olimpíadas 2016, final: Brasil (5) 1 x 1 (4) Alemanha. Foto: Rio 2016/twitter (@Rio2016)

Como um raio, tal qual Usain Bolt já se faz presente na história olímpica, Neymar escreveu o seu nome na antologia do futebol brasileiro. O atacante passou em branco na primeira fase do torneio olímpico do Rio. Vaias da torcida no Mané Garrincha, ansiedade em campo e a pressão de ser a maior estrela em busca de um título inédito para a Seleção Brasileira. Reservado desde então, longe de entrevistas atravessadas (até colocar a medalha no pescoço) e mais consciente de seu papel, inclusive o de capitão, o craque passou a ser o que dele se espera. Foi decisivo. Contra a Colômbia, contra Honduras, contra a Alemanha.

Foram quatro gols no mata-mata e o último pênalti na agônica decisão contra os germânicos. O jogador de 24 anos, em sua segunda Olimpíada, comandou o Brasil numa reviravolta celebrada em um Maracanã totalmente amarelo, como se imaginou para a Copa 2014. No primeiro tempo, o camisa 10 marcou um golaço de falta. A partir dali o jogo ficaria bem complicado, com a Alemanha mandando três bolas no travessão. Trabalhando bem as jogadas, mostrando a organização de sempre, chegaram ao empate na segunda etapa, com Meyer finalizando.

Na prorrogação, faltou gás. Mas não coração, de ambos os lados. O Brasil errava mais, talvez pelo peso dos maus resultados do time principal nos últimos anos. Nos rápidos intervalos, Micale tentou incutir na equipe a necessidade de ocupar os espaços, tudo ou nada. Nada mudou, e a definição se estendeu às penalidade. Após oito cobranças perfeitas, quatro de cada lado, brilhou Weverton, convocado de última hora, justamente pelo histórico nos pênaltis. Deixou o caminho aberto para Neymar confirmar o ouro, 5 x 4. Aquele mesmo time que passou em branco contra África do Sul e Iraque explodiu o Maraca.

Após três vices olímpicos no futebol, enfim o ouro, o sexto do Time Brasil nos Jogos de 2016, quebrando o recorde de Atenas. Mais emblemático, impossível.

Campanhas brasileiras nos Jogos
1952 – quartas de final (2v, 0e, 1d)
1956 – não disputou
1960 – 1ª fase (2v, 0e, 1d)
1964 – 1ª fase (1v, 1e, 1d)
1968 – 1ª fase (0v, 2e, 1d)
1972 – 1ª fase (0v, 1e, 2d)
1976 – semifinal (2v, 1e, 2d)
1980 – não disputou
1984 – Prata (4v, 1e, 1d)
1988 – Prata (4v, 1e, 1d)
1992 – não disputou
1996 – Bronze (4v, 0e, 2d)
2000 – quartas de final (2v, 0e, 2d)
2004 – não disputou
2008 – Bronze (5v, 0e, 1d)
2012 – Prata (5v, 0e, 1d)
2016 – Ouro (3v, 3e, 0d)

Em 13 participações olímpicas, o Brasil disputou 60 jogos, com 34 vitórias, 10 empates, 16 derrotas. Considerando três pontos por vitória, um aproveitamento de 62,2%. No Mundial, com força máxima, exceto em 1930 (base carioca), são 104 jogos, com 70 vitórias, 17 empates e 17 derrotas. Índice de 72,7%.

Olimpíadas 2016, final: Brasil (5) 1 x 1 (4) Alemanha. Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press (site da CBF)

Final olímpica entre Brasil e Alemanha no viés da imprensa alemã. Quase sem 7 x 1

No Brasil, é quase impossível dissociar a final olímpica de 2016 entre Brasil e Alemanha da tragédia (para os brasileiros) na semifinal da Copa do Mundo de 2014. A pauta é clara, quase obrigatória, mas com um mínimo de discernimento, naturalmente. Revanche ou não (e não é, efetivamente, na visão do blog), vamos ao outro lado desta cobertura, com algumas manchetes alemães após a confirmação do duelo no Maracanã. O blog printou os sites de três jornais das cidades mais populosas do país, do diário de maior circulação e do principal jornal esportivo. A pauta “2014″ apareceu, mas em doses homeopáticas…

Kicker (diário esportivo)
O Kicker, o principal jornal especializado em futebol no país, traz em sua manchete: “Sonho perfeito final: Alemanha encara o Brasil!”. Entretanto, apesar da empolgação, não há uma contextualização com o Mundial de 2014, mas com o fato de enfrentar o anfitrião na decisão.

Jornal alemão anunciando a final olímpica de futebol: Brasil x Alemanha

Bild (jornal nacional)
No Bild, o jornal de maior circulação na Alemanha, a chamada sobre a classificação alemã é direta em relação ao Mineirazo. “Adeus ao 7 x 1″, no alto do link, seguido do título numa fonte enorme: “Brasil quer revanche na final no Rio”. Ou seja, lembraram do episódio, mas num (curioso) viés brasileiro.

Jornal alemão anunciando a final olímpica de futebol: Brasil x Alemanha

Berliner Morgenpost (jornal de Berlim)
O Morgenpost já classifica a campanha da jovem equipe alemã como “Sucesso Olímpico”, seguindo com “homens jogam pela primeira vez pelo ouro”. Na reportagem há a ressalva que a informação trata da seleção unificada, pois a Alemanha Oriental foi campeã olímpica em 1976, nos Jogos de Montreal.

Jornal alemão anunciando a final olímpica de futebol: Brasil x Alemanha

Die Zeit (jornal de Hamburgo)
Em Hamburgo, uma manchete mais fria, até mesmo para os padrões germânicos: “Seleção Alemã alcança a final”. No texto, contudo, há sim uma referência à Copa do Mundo, mas deixando claro o peso de cada confronto. “Dois anos após o triunfo da Copa do Mundo, a equipe júnior da Alemanha vai disputar o ouro olímpico”.

Jornal alemão anunciando a final olímpica de futebol: Brasil x Alemanha

Abend Zeitung (jornal de Munique)
Em Munique, terra do Bayern, o “Jornal da Noite” também destaca o fato de seleção do país ser formada por atletas mais novos: “Agora a jovem seleção alemã enfrentar o Brasil, pelo ouro”. E nada de Copa.

Jornal alemão anunciando a final olímpica de futebol: Brasil x Alemanha

Gol mais rápido da história olímpica abre o caminho para a 4ª final da Seleção

Olimpíadas 2016, semifinal: Brasil 6 x 0 Honduras. Foto: Ministério do Esporte/twitter (@minesporte)

As filas eram enormes nos portões do Maracanã, com milhares de torcedores tentando entrar, quando Neymar dividiu com o goleiro hondurenho e marcou o primeiro gol da Seleção Brasileira na semifinal olímpica. Em apenas 14 segundos o atacante abriu o caminho para mais uma decisão, em uma tranquila goleada por 6 x 0, na melhor apresentação da equipe após o início cambaleante. Sobre o lance, com o jogo iniciando às 13h num dia de sol forte no Rio de Janeiro, Neymar quebrou uma marca estabelecida nesta mesma Olimpíada.

Na primeira rodada do torneio feminino, a canadense Beckie balançou as redes em vinte segundos, superando o recorde de Oribe Peralta, algoz brasileiro na final masculina em Londres. O primeiro torneio olímpico masculino foi disputado em 1900, mas os gols só passaram a ser registrados pela Fifa com segundos (e não só minutos) a partir de 1976, em Montreal. Já a competição feminina, que integra a contagem do gol mais rápido, foi implantada em 1996, em Atlanta.

Antes da mudança, o gol mais rápido pertencia ao iugoslavo Galic, no primeiro minuto da final contra a Dinamarca, em 1960. O seu país venceu por 3 x 1.

Os gols mais rápidos nos Jogos Olímpicos*
14s – Neymar (Brasil 6 x 0 Honduras, 2016, masculino)
20s – Janine Beckie (Canadá 2 x 0 Austrália, 2016, feminino)
29s – Peralta (México 2 x 1 Brasil, 2012, masculino)
* Dados desde 1976

Será a quarta decisão olímpica da seleção masculina de futebol, repetindo as campanhas de 1984, 1988 e 2012, esta com o mesmo Neymar presente. Em todas, a prata. Desta vez, em casa, espera-se um desfecho diferente…

Olimpíadas 2016, semifinal: Brasil 6 x 0 Honduras. Foto: Rio 2016/twitter (@Rio2016)