Contato

 

Para participar do blog:

 

Você pode mandar denúncias ou sugestões de pauta através do e-mail

wagner.oliveira@diariodepernambuco.com.br

 

Se preferir telefonar, o número da redação é o

(81) 2122.7514 ou 2122.7513

 

No twitter: @wagner__oliver

 

 

5 thoughts on “Contato

  1. BOA TARDE.TO ENTRANDO AQUI PARA SABER SE UMA AUDIÊNCIA POR DANOS MORAIS E MATERIAL DEMORA 3 ANOS PARA HAVER A PRIMEIRA AUDIÊNCIA.?POIS TO COM O MEU NOME SUJO,POR UM CARRO QUE COMPREI E COM 3 MESES DE USO OXIDOU TODO,E A EMPRESA NÃO QUIZ RESOLVER O PROBLEMA.PAGAUEI UM ANO MAS NÃO QUIZ PAGAR MAIS POIS NÃO ESTAVA E NÃO ESTOU EM POSSE DO VEICULO.(COMO PAGAR UMA COISA QUE NÃO ESTAVA COMIGO)SEM FALAR QUE A PRESTAÇÃO É ALTÍSSIMA.pOIS PRETENDIA PAGAR ATRAVEZ DO MEU TRABALHO COM O MESMO(CARRO TOPIC JIM BEI)pERDI MEUS CONTRATOS E FIQUEI NO PREJUIZO.E AGORA QUERIA SABER SE DEMORA TANTO ASSIM PRA RESOLVER ISSO.DEU ENTRADA EM 2010 E ATE AGORA NADA.É DE NATAL CO CARRO E DEU ENTRADA EM MINHA CIDADE EM JOÃO PESSOA.PODE ME AJUDAR?

  2. Como que uma pessoa leva três tiros de espingarda calibre “12”, e a pessoa que está sentada ao seu lado não é atingida pelos disparos; gente isso é praticamente impossível, com certeza essa pessoa saiu fora do carro para que o atirador efetuasse os disparos. Sendo assim, acho essa pessoa tem a haver com esse crime. Ela terá que ser investigada com certeza, tanto ela como seu tio que também estava no veículo. Essa é a minha opinião.

  3. Ola, gostaria de saber se você saberia informar quando estaria previsto o próximo concurso para agente penitenciário de pernambuco e qual seria a demanda de vagas para o próximo concurso?
    Desde já obrigada pela atenção.

  4. LEI DURA PARA CRIMES HEDIONDOS, JÁ

    Milton Corrêa da Costa

    Um policial civil foi morto com cerca de 40 tiros, em São João do Meriti, no início da noite de 03/01/15, e uma jovem, de 22 anos, também covardemente assassinada, provavelmente durante um assalto, na manhã do primeiro dia do ano, próximo a sua residência, em Belford Roxo, ambos os casos ocorridos na Baixada Fluminense. Tais lamentáveis fatos demonstram, inequivocamente, o altíssimo grau de letalidade e a ousadia extrema da criminalidade violenta, de posse de armas de guerra e beneficiada por uma lei penal, frouxa, que desprotege a sociedade.

    Não se pode mais deixar de colocar, sob o crivo popular, a possibilidade de implantação da pena de prisão perpétua, no país, para casos de crimes hediondos como estes, em que não há chance de defesa para as vítimas. Policiamento ostensivo não é onipresente e dificilmente evita crimes onde o elemento surpresa é a tônica. Bandidos dispõem de armas possantes, veículos para empreender rápida fuga e o elemento surpresa. Só a ação de polícia proativa, com dados da inteligência policial, apreendendo, antes da consumação dos delitos, armas e drogas e prendendo criminosos em potencial, pode minimizar tal quadro.

    Por sua vez as cláusulas pétreas da Constituição, como no caso da impossibilidade de implantação da prisão perpétua, não devem confrontar com os legítimos interesses e proteção da sociedade, no necessário e urgente endurecimento da lei penal brasileira e na possibilidade de redução da idade de início da responsabilização penal. Os homicídios em via pública hoje são um grave problema nacional, sem aparente solução, também cometidos por menores inimputáveis.

    O Congresso Nacional não pode, portanto, permanecer em estado letárgico enquanto preciosas vidas vem sendo ceifadas por frios e covardes assassinos, a qualquer momento, em qualquer lugar. Resistir na entrega de um aparelho celular, durante um assalto, pode ser a decretação da pena de morte, preferencialmente com tiro na cabeça. É o horror e a banalização da vida humana. É o direito penal mínimo favorecendo criminosos e contribuindo para enlutar inúmeras famílias. A sociedade está desprotegida pela doutrina da criminologia da compaixão. Vidas perdidas não ressuscitam. O clamor público implora por leis penais mais rígidas. Com a palavra o Congresso Nacional.

    Milton Corrêa da Costa é tenente coronel reformado da PM do Rio de Janeiro

  5. Já enviei esse tema, mas insisto, pois não vejo atitude.
    Não é a primeira vez que peço providências para uma atitude efetiva de policiais dentro dos ônibus.
    Estamos entregues aos bandidos.
    Pegamos os ônibus com medo.
    Eles estão dominando a cidade, e sabem que nada acontece.
    Misericórdia, atenção, a população está sendo assaltada diariamente nos coletivos.
    Precisamos de POLICIAIS civis ou militares à paisanos para nos proteger.
    Contamos com os senhores.
    Nossa esperança.
    Abandonados à mercê de delinquentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*