Cabo da PM suspeito de praticar crimes é liberado pela Justiça

O cabo do 11º Batalhão da Polícia Militar de Pernambuco que havia sido autuado em flagrante na tarde da última sexta-feira por envolvimento no crime ocorrido na quinta-feira, no bairro de Campo Grande, no Recife, foi liberado pela Justiça após ser apresentado na audiência de custódia. A audiência aconteceu no Fórum Rodolfo Aureliano, na tarde desse sábado. A Polícia Civil não tem dúvidas que ele participou do crime que resultou na morte de um ex-presidiário e no ferimento à bala de outro policial militar. Outros três suspeitos estão sendo procurados.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o cabo Cláudio da Silva Melo teve a prisão relaxada pelo juiz plantonista Edimilson Cruz Júnior, que considerou a prisão ilegal por ter sido realizada várias horas após o fato.

Militar havia sido preso na sexta-feira. Foto: Thamires Oliveira/Esp. DP

Militar havia sido preso na sexta-feira. Foto: Thamires Oliveira/Esp. DP

O policial compareceu ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro do Cordeiro, na tarde da sexta-feira, acompanhado de um advogado. Em seu depoimento, o cabo permaneceu calado, mas havia sido autuado em flagrante por homicídio e tentativa de homicídio. O caso também está sendo acompanhado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS). Segundo a polícia, os suspeitos do crime chegaram em uma caminhonete de cor preta. As vítimas estavam dentro de um Mitsubishi ASX quando foram atingidas pelos disparos.

O cabo Eduardo Leite da Silva, 38 anos, lotado no 16º BPM, foi baleado de raspão na cabeça e passa bem. A esposa dele também estava no carro, mas não foi atingifa. Já o motorista, Luciano Pereira da Silva, 38, conhecido como Lúcio da Bomba, morreu no Hospital da Restauração (HR), para onde ambos foram socorridos.

Secretário da SDS diz que prioridade será combater grupos de extermínio

O secretário de Defesa Social, Angelo Gioia, disse em entrevista coletiva, na tarde desta sexta-feira, que a prioridade da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE), a partir de agora, será a investigação e o combate aos grupos de extermínios. Com essa afirmação também, Gioia justificou a substituição do delegado Antônio Barros pelo também delegado Joselito Amaral no cargo da chefe da PCPE. Além dessa troca, houve mudança ainda na Polícia Militar. O coronel Carlos D´Albuquerque pediu para deixar o cargo alegando motivos pessoais e será substituído pelo coronel Vanildo Maranhão. Apesar da proximidade do carnaval, Gioia garantiu que as substituições não causarão prejuízos para a população.

Angelo Gioia falou sobre as mudanças na tarde desta sexta-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP

Angelo Gioia falou sobre as mudanças na tarde desta sexta-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP

“Antônio Barros fez um excelente trabalho à frente da Polícia Civil, mas dois anos é tempo suficiente para um cargo de comando. Estamos trazendo o delegado Joselito que tem vasta experiência em investigações de crimes de homicídios, inclusive já comandou o nosso Departamento de Homicídios e Protelção à Pessoa (DHPP)”, destacou o secretário. O elevado número de homicídios no estado tem preocupado o governo.

De acordo com dados da SDS, apenas no mês de janeiro, 479 pessoas foram assassinadas em Pernambuco. “Precisamos focar no combate aos crimes contra a vida. Aqui, como em outros estados, as pessoas matam por nada, por motivos banais. Além disso, existe a atuação de grupos de extermínios ou de milícias. Precisamos de uma investigação mais detalhada e de mais qualidade”, comentou Angelo Gioia.

Antônio Barros (D) será substituído por Joselito. Foto: Julio Jacobina/DP

Antônio Barros (D) será substituído por Joselito. Foto: Julio Jacobina/DP

Ainda de acordo com o secretário, a saída do comandante da PM e do chefe da PCPE não alterou o esquema de segurança para o carnaval deste ano. “Isso não alterou em nada o planejamento do carnaval. Inclusive, todo o esquema será divulgado na próxima terça-feira. Precisamos oferecer a sensação segurança para a população”, pontuou Gioia. Os novos chefes assumirão aos cargos na próxima segunda-feira como a missão de reduzir os índices de criminalidade, que seguem em alta desde 2014.

Angelo Gioia comentou ainda que as mudanças estavam programadas para acontecer neste momento. “Ultimamos a resolução dos problemas com a Polícia Militar e com o Corpo de Bombeiros, em relação à carreira e aos salários, e com Polícia Civil nós demos uma nova orientação em relação às investigações de homicídios. E apesar de o carnaval ser um grande evento, ele não é maior que as instituições. Tivemos o cuidado de fazer planejamento e chegar a esse momento correto para efetuar as trocas”, destacou o secretário.

Atualmente, o coronel Vanildo ocupa o cargo de diretor das Especializadas da PMPE. Já o delegado Joselito Amaral é o diretor da Área Integrada Metropolitana. O atual comandante do Estado-Maior da PMPE, coronel André Cavalcanti, assume o subcomando da corporação. Ele troca de posição com o coronel Adalberto Freitas, que passa a chefiar o Estado-Maior da Polícia Militar. Na Polícia Civil, o chefe-adjunto será o delegado Charles Gutiergues. Segunda Gioia, Carlos D´Albuquerque irá para a reserva e o delegado Antônio Barros vai tirar férias e depois retorna para outro cargo na PCPE.

Por meio de nota, o governador Paulo Câmara comentou as mudanças: “Quero agradecer o apoio e a colaboração do coronel D’Albuquerque e do Delegado Antônio Barros durante o período em que estiveram à frente das corporações. Coronel Vanildo e o delegado Joselito têm a missão de trabalhar incansavelmente para que o Pacto Pela Vida obtenha os resultados positivos, garantindo a integração entre as polícias para a melhoria da Segurança Pública do Estado. Estamos tomando todas as medidas necessárias, inclusive com a maior valorização da história das instituições policiais de Pernambuco”, afirmou.

Antônio Barros assumiu o comando da Polícia Civil em janeiro de 2015, deixando a chefia do Centro Integrado de Inteligência de Defesa Social para substituir o delegado Osvaldo Morais. Na ocasião, as mudanças também atingiram a Polícia Militar. No lugar do coronel Carlos Pereira, assumiu o também coronel Antônio Pereira Neto. Em novembro de 2015, o coronel Pereira Neto, que estava no posto de comandante da PM há 11 meses, foi exonerado do cargo para dar lugar ao Coronel Carlos D’Albuquerque, que estava na Casa Militar.

Polícia Militar recebe novas armas e viaturas contra assaltos

Com o objetivo de combater os assaltos e explosões em agências bancárias e caixas eletrônicos na Região Metropolitana do Recife, o Batalhão de Polícia de Radiopatrulha recebeu, ontem, um reforço de 15 viaturas e novos armamentos letais e não letais. A estrutura possibilitará o retorno das atividades das Rondas Ostensivas Coronel Roberto Pessoa (Rocrop). A ação do grupo se iniciou após a cerimônia de entrega das chaves, que aconteceu no Batalhão, localizado no bairro da Boa Vista, na região central do Recife.

Veículos estão sendo utilizados pelo Batalhão de Radiopatrulha. Fotos: Peu Ricardo/Esp./DP

Veículos estão sendo utilizados pelo Batalhão de Radiopatrulha. Fotos: Peu Ricardo/Esp./DP

Os veículos são locados e, de acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS), custam R$ 40 mil por mês. A Rocrop vai contar com a atuação de 80 policiais em 10 Áreas Integradas de Segurança, além do auxílio de 20 unidades móveis, que vão atender aos chamados do Ciods para o enfrentamento de quadrilhas de roubos a bancos, além de sequestros. “Aqui na capital vamos contar com uma tropa de elite de pronto-emprego. Então devolvemos ao efetivo o número de policiais necessário com viatura e armamento adequado para esse tipo de trabalho”, explica o secretário de Defesa Social, Angelo Gioia.

Policiais Militares também receberam armamento novo

Policiais Militares também receberam armamento novo

A Radiopatrulha tinha o lançamento de viaturas reduzido e a Rocrop já estava desativada havia seis anos. Com a volta das Rondas Ostensivas, a Polícia Militar passa a ter dois carros por Área Integrada de Segurança equipadas com novos armamentos e com quatro policiais cada, representando maior capacidade de resposta às ocorrências. Para enfrentar o crime organizado, os agentes realizaram o Curso de Patrulhamento Tático Urbano de Alto Risco, da Força Nacional, e contam com armas letais, como carabinas 556, metralhadoras e fuzis, além de um kit tático operacional, contendo granadas, escudo balístico e capacete.

Kit tático operacional também foi distribuído

Kit tático operacional também foi distribuído

“Teremos maior capacidade de resposta, contando com mais viaturas por área, podendo agir desde um assalto a banco até homicídios. Vamos poder atuar, inclusive, com intervenções em presídios. Estamos com uma capacidade de armamento melhor e mais qualificados”, explica o comandante da Radiopatrulha, tenente-coronel Walter Benjamin.

Somente em 2016, a SDS registrou 101 ações com uso de explosivos em arrombamentos a caixas e cofres, sendo 68 consumados, de acordo com a Polícia Civil. Já para o Sindicato dos Bancários, o número desse tipo de ocorrência foi de 346 somente no ano passado. Ao todo 56 municípios pernambucanos foram afetados e apesar de o interior também ser alvo das quadrilhas, a Rocrop só vai atuar na capital.

“O que se enfrenta com essa tropa são ações de grande impacto, com emprego de armamento pesado, como explosões. No interior, além da ampliação do Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati), teremos um Batalhão Especial de Polícia, que retoma com uma tropa bem selecionada e estruturada, e teremos uma unidade instalada em Serra Talhada com emprego mais efetivo”, disse Gioia.

A previsão é de que em até 60 dias essa unidade do batalhão seja reestruturada e já esteja atuando.

Números

  • 80 policiais vão atuar em 10 Áreas Integradas
  • 20 unidades móveis darão auxílio ao trabalho
  • R$ 40 mil será o custo mensal do aluguel das novas viaturas
  • 101 ações com uso de explosivos para arrombamentos a caixas e cofres
  • 68 ações consumadas

Ambulantes da Agamenon serão cadastrados pela Polícia Militar

A Polícia Militar vai passar a recolher os dados de vendedores ambulantes que circulam pela Avenida Agamenon Magalhães, no Centro do Recife, para ajudar a identificar suspeitos de assaltos na região. Na noite da última terça-feira, um adolescente de 13 anos que se passava por vendedor de pipocas para assaltar foi apreendido. A partir de segunda-feira, os policiais vão consultar vendedores, solicitando nome, telefone, endereço e identidade. O objetivo é criar uma rede para facilitar o direcionamento das rondas.
Medida pretende reduzir assaltos na avenida. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP

Medida pretende reduzir assaltos na avenida. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP

A medida vai começar pelo 16º Batalhão da PM, responsável por Santo Antônio, São José, Bairro do Recife, Joana Bezerra, Coelhos, Ilha do Leite, Paissandu, Boa Vista, Soledade e Santo Amaro. Com o levantamento de possíveis antecedentes criminais será mais fácil investigar aqueles que  roubam fingindo ser comerciantes.

“Vamos começar com uma pesquisa de campo e contamos com a colaboração dos ambulantes que desejam fornecer seus dados. Além de facilitar nosso trabalho, essa medida vai dar mais segurança a eles e aos transeuntes. Aqueles que se aproveitam vendendo água ou pipoca para assaltar não são assíduos na região. Com a identificação dos que exercem atividade econômica fica muito mais fácil de montar uma dinâmica na ronda e direcionar nosso trabalho”, explica o capitão Diogo Racticliff.

Será criado um grupo no WhatsApp com os ambulantes cadastrados e a polícia para repassar informações e ocorrências. Segundo Racticliff, a população deve colaborar informando sobre assaltos, inclusive na Delegacia interativa, através do site www.servicos.sds.pe.gov.br/delegacia, ou pelo 190.

A assessoria da PM informou que o policiamento na avenida é feito por uma viatura que fica em frente à Fábrica Tacaruna. Três duplas de policiais com cães também fazem o policiamento no trecho até o Viaduto Capitão Temudo e um trio da Companhia Independente de Policiamento com Motos realiza rondas. Outros reforços são a Plataforma de Observação Elevada em frente ao Hospital Português e as rondas da

Patrulhas do Bairro.

Servidores das polícias Civil e Científica terão reajuste de salários

O governo do estado publicou a lei complementar 346, que altera o plano de cargos e carreiras das polícias Civil e Científica, reajustando salários. A lei foi aprovada depois de dois anos de discussão entre o governo e a categoria, que queria remunerações maiores. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado do último sábado.

A mudança prevê aumentos já a partir de janeiro deste ano e também em 2018. O delegado em estágio probatório, por exemplo, entra ganhando R$ 9.070 e permanece com esse salário até dezembro de 2018. O delegado em segundo estágio recebe R$ 15.452 em janeiro deste ano, passando para R$ 17.769 em um ano e para R$ 19.793 em dezembro do ano que vem.

Categorias lutavam pelo aumento há dois anos. Foto: Roberto Ramos/DP

Categorias lutavam pelo aumento há dois anos. Foto: Roberto Ramos/DP

No estágio seguinte, os valores são de R$ 17.168 em janeiro deste ano, passando para R$ 19.744 em um ano e para R$ 22.762 em dezembro de 2018. Por último está o delegado em final de carreira, com salário em janeiro de R$ 19.076, passando para R$ 21.938 em janeiro do ano que vem e R$ 26.177 em dezembro de 2018.

Os agentes, por sua vez, ficaram com piso de R$ 3.900 e o teto R$ 9.070. Inicialmente, pediam R$ 5.200 e R$ 12.800, respectivamente. “De acordo com a conjuntura da crise, fizemos esse acordo. Não foi o ideal e aconteceu depois de dois anos de luta”, avaliou Áureo Cisneiros, presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol).

Os aumentos para a Polícia Civil foram definidos em meio a uma operação padrão dos policiais militares, que deixaram de desempenhar o programa de plantões extras. Albérisson Carlos, da Associação de Cabos e Soldados da PN, avaliou que a categoria que ele representa está no caminho certo.

“Ficamos felizes pelos companheiros. O aumento é importante para a gente porque legitima a nossa luta. Buscamos o mínimo, que é a equiparação com a Polícia Civil. É o princípio da isonomia. Mas isso também comprova que o governador dá tratamento diferente para a PM. Tiraram as associações da mesa de negociação e colocaram os comandantes, mas eles não passam as informações para a tropa, o que é muito ruim”, criticou. A operação padrão, iniciada no início de dezembro, disse ele, continuará até o impasse ser resolvido.

Números
Como serão os salários em dezembro de 2018

  • R$  9.070 – Delegado em estágio probatório
  • R$ 19.793 – Delegado em segundo estágio
  • R$ 26.177 – Delegado em fim de carreira
  • R$   9.070 – Agentes

Comandos da PM e dos Bombeiros têm reunião com o governo

Comandantes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros terão hoje uma reunião com o núcleo de gestão do governo do estado, no Palácio do Campo das Princesas, para discutir propostas de aumento de salário e melhores condições de trabalho para a tropa. A pauta também incluirá reivindicações das esposas dos militares, que ontem fizeram uma passeata pela região central do Recife e foram recebidas por uma comissão da administração estadual.

Ontem, mulheres e familiares de PMs fizeram protesto. Foto: Mandy Oliver/Esp.DP

Ontem, mulheres e familiares de PMs fizeram protesto. Foto: Mandy Oliver/Esp.DP

Nenhum representante de associações de militares ou bombeiros participará do encontro, mas a expectativa é de que os comandantes discutam vários pontos da pauta das categorias, que entregaram os plantões do Programa Jornada Extra de Segurança (PJES), reduzindo o efetivo nas ruas e levando o governo a solicitar tropas federais.

Ontem, cerca de 300 pessoas participaram da caminhada das esposas, que foi reforçada por PMs e Bombeiros de folga. O grupo foi do Derby ao palácio, onde chegou pouco antes das 18h.

Vestidos com camisas pretas e segurando cartazes, os manifestantes pediam “respeito e dignidade” para as categorias. Uma comissão de quatro esposas e um advogado foi recebida pelo chefe da Casa Militar, coronel Eduardo Pereira, num encontro que durou quase duas horas. Ao fim da reunião, as esposas afirmaram que pediram ao coronel uma mudança imediata no tratamento aos policiais nos batalhões. “A perseguição e as retaliações que os policiais estão sofrendo acabam refletindo dentro de casa, em suas esposas, maridos, filhos. Pedimos que isso acabe”, ressaltou Jane Leite, umas das organizadoras do movimento, e esposa do vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados (ACS), Nadelson Leite.

Ainda segundo as representantes do comissão recebida no palácio, o governo teria sugerido que para uma abertura de negociações, os militares voltassem a fazer o PJES, o que teria sido negado pela comissão. O estado não se pronunciou após o encontro.

O protesto foi pacífico, mas causou problemas no trânsito em alguns pontos do Centro do Recife. Vias como a Agamenon Magalhães e a Avenida Conde da Boa Vista registraram congestionamentos. “Esse ato é para mostrar para toda a sociedade o que vem acontecendo de absurdo nos batalhões. O policial não é um homem de aço, não é um robô. Eles estão com coletes vencidos, com viaturas sem rádio de transmissão. Os bandidos estão bem mais armados e isso se reflete na sociedade, no medo do cidadão”, comentou a organizadora Verônica Souza, casada com o presidente da ACS, Albérison Carlos.

Ao longo do protesto, alguns familiares de policiais relataram as experiências vividas pelas famílias. “Minha esposa está na PM há dois anos e por pouco não morreu. O local onde trabalha foi metralhado por bandidos, enquanto ela só tinha uma pistola”, declarou um homem em cima do trio elétrico.

DHPP investiga morte de menino atingido por uma bala perdida

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) está investigando o assassinato do estudante Mateus Alexandre Teixeira da Silva, 14 anos. Ele morreu na manhã de ontem, após ter sido baleado durante uma perseguição policial na noite do último sábado. O adolescente foi atingido por um tiro na nuca quando estava na Rua Compositor José Dantas, no Vasco da Gama, Zona Norte do Recife.

A família de Mateus e moradores da localidade afirmam que o disparo partiu da arma de um policial militar. Policiais da Companhia Independente de Policiamento com Motos perseguiam três homens suspeitos de assaltos no momento em que o garoto foi baleado. O caso está sendo acompanhado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social.

Garoto foi baleado quando voltava para casa. Fotos: TV Clube/Reprodução

Garoto foi baleado quando voltava para casa. Fotos: TV Clube/Reprodução

Revoltado com a morte do filho, o pedreiro Antônio Carlos Tavares, 37, espera que os responsáveis pelo crime sejam punidos. “Quando eu já estava na porta da Corregedoria, soube que meu filho tinha ido a óbito. Voltei para resolver as coisas, mas vou finalizar a denúncia. Eles têm que pagar. Quero que os policiais sejam presos. Eles não poderiam ter feito isso com o meu filho. Ele era um estudante cheio de sonhos e queria ser economista. Agora teve os sonhos interrompidos por esses policiais que não são bem treinados. Vamos processar o estado. Esses policiais são matadores”, desabafou o pai de Mateus. O corpo do adolescente permanece no Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro. O sepultamento está previsto para a tarde de hoje, no Cemitério de Casa Amarela.

Antônio Carlos quer que os culpados pela morte do filho sejam punidos

Antônio Carlos quer que os culpados pela morte do filho sejam punidos

A assessoria de comunicação da Polícia Militar de Pernambuco, por meio de nota, informou que os PMs da CIPMoto “participaram de diligências policiais que resultaram na troca de tiros entre eles e, pelo menos, três assaltantes, que desceram de um veículo atirando contra os policiais, que revidaram.” Ainda de acordo com a assessoria da PM, dois suspeitos foram presos, uma arma apreendida e um terceiro homem conseguiu fugir. “Os policiais chegaram a dizer que o menino estava no meio dos assaltantes, mas isso não é verdade. Mateus estava voltando da lan house quando foi atingido por um tiro na cabeça”, disse uma moradora da localidade que preferiu não se identificar.

Ainda segundo a PM, “no boletim de ocorrência, os policiais da CIPMoto relataram que os homens estavam em um veículo Siena e faziam direção perigosa, quando desembarcaram atirando, sendo um deles presos imediatamente. Em seguida, um segundo suspeito foi preso pelos PMs após travar lutar corporal com um dos policiais, que saiu com ferimentos durante a ação.” A PM esclareceu ainda que “ao tomarem conhecimento de que um adolescente de 14 anos teria sido ferido por disparos de arma de fogo, os PMs ficaram à disposição do Departamento de Homicídios e Proteçao à Pessoas (DHPP). O comando da CIPMoto abriu uma sindicância para apurar o caso.”

Na última sexta-feira, no bairro do Totó, um menino de 11 anos também foi baleado durante uma ação da Polícia Militar. De acordo com a corporação, os próprios PMs levaram o garoto para o Hospital Otávio de Freitas (HOF). Kauã Vinicius da Silva foi atingido enquanto empinava pipa com outras crianças. Ele continua internado na unidade de saúde. Segundo os moradores da comunidade, o incidente ocorreu quando uma viatura chegou ao local, onde geralmente costumam ocorrer ações truculentas. Cerca de três horas depois, a comunidade fez um protesto na localidade.

Candidatos pagariam até R$ 32 mil em fraude no concurso da PM

Das 14 pessoas presas sob suspeita de participarem de um esquema que tentava fraudar o concurso da Polícia Militar de Pernambuco, realizado no último domingo, apenas uma segue presa, segundo a Polícia Civil. Em coletiva realizada na manhã desta terça-feira, o delegado responsável pelo caso, João Gustavo Godoy, afirmou que a fraude foi identificada há mais de um mês pelo setor de inteligência das polícias Civil e Militar e estava sendo investigada em sigilo.

“Da maneira como agimos, não houve prejuízo para o concurso. O responsável por todo esquema é um homem que tem um cursinho no bairro do Ibura. Ele recrutava alguns professores para responder às questões das provas, que depois seriam repassadas, através de pontos eletrônicos, para os candidatos que seriam beneficiados com o esquema”, contou Godoy. Ainda segundo a polícia, cada canditado pagou antecipado o valor de R$ 1,5 mil para receber o ponto eletrônico e pagaria mais R$ 30 mil em caso de aprovação no certame. “Esse valor seria pago por meio de empréstimo consignado”, completou o delegado.

Detalhes foram revelados durante coletiva na SDS. Foto: SDS/Divulgação

Detalhes foram revelados durante coletiva na SDS. Foto: SDS/Divulgação

Também durante a entrevista coletiva realizada na sede da Secretaria de Defesa Social (SDS) foi esclarecido que o concurso não será anulado. “Prendemos esses 14 suspeitos em flagrante delito. Foram detidos o dono do cursinho e um amigo dele que recebiam as questões respondidas pelos professores e as repassariam para os candidatos. Já identificamos muitas pessoas e todas elas serão chamadas para prestar depoimento. Infelizmente, desse grupo que foi preso, apenas uma pessoa permacene detida. Era uma candidato que tinha um mandado de prisão contra ele pelo crime de homicídio”, contou o delegado.

Além das pessoas envolvidas na fraude, a polícia prendeu um homem que é sogro do candidato que era procurado por homicídio. “Ele foi encontrado com um revólver e foi preso por posse ilegal de armas, mas não tem ligação com o esquema criminoso”, ressaltou João Gustavo. Ao todo, 123.048 candidatos inscreveram-se para o concurso público e disputam 1,5 mil vagas oferecidas para a função de soldado, com salário inicial de R$ 2.319,88 mais benefícios. Antes de assumir a função, os aprovados ainda serão submetidos ao curso de formação e habilitação de praças – com bolsa-auxílio de R$ 970,42.

Policial Militar do BPTran assassinado na Zona Norte do Recife

O soldado da Polícia Militar de Pernambuco Whallyston Dias Tavares, lotado no Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTran) foi assassinado na noite dessa sexta-feira, no bairro de Dois Unidos, Zona Norte do Recife. As primeiras informações dão conta de que a vítima foi atingida por quatro tiros na cabeça. Socorrido e levado para a UPA de Nova Descoberta às 21h45, o policial não resistiu aos ferimentos e morreu.

Soldado Tavares foi baleado na cabeça. Foto: Divulgação

Soldado Tavares foi baleado na cabeça. Foto: Divulgação

Segundo informações de companheiros de farda, o militar foi baleado dentro do próprio carro, de modelo não informado, quando estaria indo buscar o mesmo em um lava-jato. O soldado chegou à unidade de saúde levado por policiais militares e familiares. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil foi acionado para investigar o crime.

Segundo o sargento Lopes, do 11º BPM, a vítima já chegou sem vida à UPA de Nova Descoberta. Ainda segundo o sargento, o suspeito de efetuar os disparos estaria em uma moto. Até momento ninguém foi preso, mas viaturas da PM foram deslocadas para diligências na região.

Salário inicial de soldado da Polícia Militar de PE é de R$ 2,3 mil

Os candidatos que forem aprovados nas provas de conhecimento serão encaminhados para o Curso de Formação de Soldados e Habilitação de Praças. Durante o período de treinamento, os alunos receberão uma bolsa-auxílio no valor de R$ 970,42. Após a nomeação, cada militar passará a receber R$ 2.319,88 por mês.

Aprovados passarão por curso de formação. Foto: Allan Torres DP/

Aprovados passarão por curso de formação. Foto: Allan Torres DP/

As inscrições para participar do concurso deverão ser feitas pelo endereço eletrônico www.upenet.com.br de hoje até as 23h59mim59s do dia 10 de abril, observado o horário oficial de Pernambuco.

O Exame de Habilidades e Conhecimentos será constituído de 60 questões, distribuídas pelas disciplinas conhecimentos de língua portuguesa, conhecimento de matemática, conhecimentos de geografia, conhecimentos de história e conhecimentos de direitos e garantias fundamentais.

O candidato deverá efetuar o pagamento da taxa de inscrição, através de boleto bancário a ser impresso ao final do procedimento de inscrição, nas Casas Lotéricas ou em qualquer instituição bancária, até 11 de abril de 2016.

O último concurso realizado para soldado da Polícia Militar de Pernambuco foi em 2009. Ao todo, foram oferecidas 2.100 vagas. Como etapas, os candidatos passaram por provas objetivas, exames médicos, exames de aptidão física, exames psicológico e curso de formação.

Leia mais sobre o assunto em:

Edital do concurso da Polícia Militar será publicado nesta quinta-feira