Policial civil e marido são indiciados por cobrança de propina

A Polícia Civil indiciou por corrupção passiva uma agente lotada na Delegacia de Repressão ao Roubo e Furto de Veículos e o marido dela, que é motorista da Uber. O inquérito, concluído na última sexta-feira, já foi encaminhado à Justiça. O caso também está sendo acompanhado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS). De acordo com a investigação, a policial civil e o marido cobraram R$ 1 mil de propina para informar ao proprietário de um carro que havia sido roubado a sua localização.

Inquérito foi apurado pela Delegacia de Boa Viagem. Foto: Bruna Monteiro/DP

Inquérito foi apurado pela Delegacia de Boa Viagem. Foto: Bruna Monteiro/DP

O marido da agente encontrou um veículo abandonado, anotou a placa e verificou que o mesmo havia sido roubado. Depois disso, a policial obteve os dados do proprietário e repassou para o marido. A partir disso, o casal pediu dinheiro para dizer onde o veículo estava e marcou um encontro com o dono, no último dia 7 de fevereiro, no bairro de Boa Viagem. Após negociações, o valor acertado para indicar a localização do carro caiu para R$ 500.

A vítima do roubo, no entanto, acionou a Polícia Militar, que o acompanhou no dia do encontro. O carro havia sido roubado no dia 2 de fevereiro, também em Boa Viagem. Marido e mulher foram detidos no momento em que a vítima chegou com a PM. Na ocasião, a agente da Polícia Civil teria confessado que repassou os dados do proprietário do carro para o marido, informação somente obtida por policiais.

O caso foi encaminhado para a Central de Plantões, mas apenas o marido da policial foi atuado em flagrante. Ao ser apresentado em audiência de custódia, o homem acabou liberado. Agora, o casal vai responder pelo crime em liberdade. Já a policial ainda vai responder a um Processo Administrativo Disciplinar na Corregedoria.

Creche em Juazeiro (BA) terá o nome da menina Beatriz Angélica Mota

A Prefeitura de Juazeiro (BA) vai inaugurar, nesta sexta-feira (31), por meio da Secretaria de Educação e Juventude, a Creche Beatriz Angélica Mota Ferreira da Silva. A escolha do nome é uma forma de homenagear a menina assassinada com 42 facadas, aos sete anos, no dia 10 de dezembro de 2015, durante uma festa na escola em que estudava em Petrolina, Sertão. A unidade fica no Residencial Juazeiro I.

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Beatriz tinha sete anos. Foto: Blog O Povo Com a Noticia/Reproducao da Internet

Para o pai de Beatriz, o professor Sandro Romilton Ferreira, será um dia muito especial para toda a família. “Será uma homenagem que trará muitas saudades e boas lembranças. Um nome eternizado e um amor vivo mais do que nunca. Será um dia muito especial em nossas vidas”, destacou Sandro. A Polícia Civil de Pernambuco divulgou recentemente a imagem do homem suspeito de ter matado a criança.

Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde Beatriz estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia está oferecendo R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

PCPE não vai mais fornecer telefones de delegados para a imprensa

Depois da mudança no formato de divulgação dos números de homicídios registrados em Pernambuco, que agora só são informados no dia 15 do mês seguinte, a Secretaria de Defesa Social (SDS), por meio da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE), adotou uma nova estratégia de comunicação. Ou pelo menos de não comunicação. É que a partir de agora, a assessoria de imprensa da PCPE não está mais fornecendo números de telefones celulares de delegados para os jornalistas. Até então, a imprensa recebia uma lista com os números de celulares nos quais todos os delegados do estado poderiam ser encontrados, inclusive os telefones funcionais. Ou seja, quem tiver seus contatos que os guardem bem guardados.

akljakljdklas

Jornalistas terão que apelar para a sorte para falar com delegados. Arte: Jarbas/DP

A assessoria da PCPE diz que a mudança visa corrigir “desencontros de informações” e evitar que ocorram prejuízos às diligências e investigações. Ainda de acordo com a PCPE, o objetivo da medida é fazer com que a informação chegue a todos os meios de comunicação com qualidade e precisão. No entanto, todo mundo sabe que jornalista vive de informação e que quanto mais rápido essa informação é divulgada para a sociedade, melhor estamos cumprindo o nosso papel de informar e cobrar respostas. Eu, particularmente, cubro o setor de polícia e segurança pública desde 2002 e, desde sempre, os delegados costumam atender às ligações e falar somente aquilo que podem e quando estão podendo falar.

Nem sempre o tempo em que as informações são repassadas para as empresas de comunicação é o tempo da exibição de telejornais, da veiculação de programas de rádios ou de fechamento de jornais impressos. Temo que essa mudança prejudique a qualidade da informação. Pois, em algumas situações, estaremos correndo o risco de publicar notícias sem ter recebido as informações necessárias por parte de quem as estão investigando. Fica o alerta.

Caso do assassinato do procurador Pedro Jorge vira documentário

“Um homem honesto, religioso e excelente advogado.” É assim que familiares, amigos e ex-colegas de trabalho definem o procurador da República Pedro Jorge de Melo e Silva, assassinado no dia 3 de março de 1982, no bairro de Jardim Atlântico, em Olinda. As declarações sobre o membro do Ministério Público Federal (MPF) estão no documentário Pedro Jorge: uma vida pela justiça, que será lançado na próxima segunda-feira, às 19h30, no Cinema São Luiz, com entrada gratuita. Um total de 300 ingressos serão distribuídos na bilheteria do local uma hora antes do início da exibição.

Pedro Jorge foi morto em março de 1982. Fotos: Shilton Araújo/Esp/DP

Pedro Jorge foi morto em março de 1982. Fotos: Shilton Araújo/Esp/DP

Pedro Jorge foi morto com três tiros quando saía de uma padaria. O crime, que completou 35 anos este mês, foi praticado após ele ter investigado e denunciado os envolvidos no Escândalo da Mandioca, como ficou conhecida a investigação do desvio de dinheiro do Banco do Brasil de Floresta, no Sertão do estado, na década de 1980. O documentário que tem 41 minutos de duração, foi produzido pela Procuradoria da República da 5ª Região e pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). No material apresentado ontem à imprensa estão diversas fotos do cotidiano de Pedro Jorge, inclusive com sua família.

Viúva e filhas do procurador da República foram entrevistadas

Viúva e filhas do procurador da República foram entrevistadas

“Eu não sabia que Pedro Jorge estava sendo ameaçado de morte por conta da investigação. Ele costumava atender muitos telefonemas, mas falava com a voz baixa e eu não escutava nada. Quando perguntava do que se tratava, ele falava que depois conversaria comigo. Mas nunca me revelou sobre o risco que estava correndo”, conta a viúva Maria das Graças Viegas.

Antes de ser assassinado, Pedro Jorge parou no Mosteiro de São Bento, onde conversou com dom Fernando Saburido. “Ele estava indo para casa e passou no mosteiro para me pedir um dinheiro adiantado, já que era o advogado de lá. Pouco tempo depois, quando estávamos rezando, chegaram para avisar ao abade dom Basílio Penido que Pedro Jorge havia sido assassinado. Ele morreu com um saco de pão e uma bolsa de leite nas mãos”, recorda no documentário o arcebispo de Olinda e Recife.

Documentário será exibido nesta segunda-feira, no Cinema São Luiz

Documentário será exibido nesta segunda-feira, no Cinema São Luiz

O média-metragem foi produzido sem fins lucrativos e traz depoimentos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, dos ex-procuradores-gerais da República Geraldo Brindeiro e Aristides Junqueira e de dom Fernando Saburido. Também foram entrevistados a viúva de Pedro Jorge, Maria das Graças Viegas, as filhas do casal, Roberta e Marisa, que eram crianças na época do crime, e o advogado criminalista Gilberto Marques, que atuou na acusação dos suspeitos. Após a exibição do vídeo, será realizado um debate.

O documentário tem produção e direção das jornalistas Ana Cláudia Dolores e Cláudia Holder. Já a edição ficou por conta da Unicap. “É um material importante para toda sociedade e para os membros do Ministério Público Federal”, destaca o chefe da Procuradoria Regional da República da 5ª Região, Marcelo Alves.

Pais de Beatriz Mota participam de reunião na Câmara Municipal de Juazeiro

Acontece esta noite, na Câmara de Vereadores de Juazeiro, na Bahia, uma reunião extraordinária entre os pais da menina Beatriz Angélica Mota, 7 anos, assassinada com 42 facadas em dezembro de 2015, em Petrolina, e os representantes do legislativo municipal. Proposto pelo vereador Taino Félix (PT-BA), o encontro tem como objetivo tratar dos assuntos relacionados aos vídeos e imagens do suspeito de ter praticado o crime que abalou o estado. Na semana passada, a delegada Gleide Ângelo apresentou novidades nas investigações.

Divulgação

Parentes e amigos da menina fizeram protesto no Recife no ano passado. Foto: Divulgação

A Polícia Civil conseguiu imagens que revelam a face do autor do crime. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia vai oferecer R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

De acordo com a delegada Gleide Ângelo, responsável pelo inquérito, nesta etapa da investigação a ajuda da população será crucial para elucidar o caso. “A partir daquela imagem inicial que conseguimos em setembro, a gente aprofundou todos os locais em que ele passou. Nossas imagens não estavam com qualidade boa e a gente conseguiu melhorar com auxílio da tecnologia. Agora temos toda a dinâmica do crime, vimos quando ele pega a faca, coloca na perna e segue em direção à escola. Precisamos que a imagem dele seja divulgada para que consigamos achá-lo”, detalhou a delegada.

Segundo a investigação, antes de cometer o assassinato, o suspeito ficou por duas horas na frente da escola atuando como se fosse flanelinha e teve contato com várias pessoas que foram à festa. “Há indícios de que o crime foi premeditado. Ele passou horas esperando a diplomação para entrar no colégio, seria o momento oportuno para pegar qualquer criança. Estamos analisando a possibilidade de que ele não tenha agido sozinho”.

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

Consulado Americano e Denarc acertam curso para investigadores

Após reunião realizada entre membros do Consulado Americano no Recife e do Departamento de Repressão ao Narcotráfico (Denarc) ficou acertado que seria organizado um curso para o aprimoramento das investigações sobre casos de tráfico de drogas. As aulas serão ministradas por agentes do Drug Enforcement Administration (DEA) – agência de segurança americana responsável pela repressão às drogas nos EUA. O curso, que ainda não tem data prevista para começar, será realizado no Recife e direcionado para delegados e agentes do Denarc.

Delegados foram recebidos no Consulado Americano. Foto; Divulgação

Delegados foram recebidos no Consulado Americano. Foto; Divulgação

No encontro que aconteceu na semana passada, o gestor do Denarc, delegado Antônio Barros, e os delegados Diogo Melo, João Paulo, Frederico Lapenda e Ícaro Schneider foram recebidos por Andrew Sellhorn, chefe de segurança do Escritório de Segurança Diplomática do Consulado Americano, juntamente com Gabriel Macias, adido de segurança para investigações consulares.

Perícia pode apontar trajetória da bala que atingiu apartamento

Uma perícia do Instituto de Criminalística (IC) deverá indicar o local de onde partiu a bala que atingiu a vidraça e a porta de um apartamento no bairro do Rosarinho, na madrugada desta sexta-feira. Moradores do Edifício Sítio do Rosarinho, na Avenida Santos Dumont, acordaram assustados com um barulho por volta da 1h. A moradora do apartamento atingido, no quarto andar, chegou a levantar durante a madrugada, mas só percebeu o que havia acontecido pela manhã.

O projétil foi encontrado no meio da sala e estilhaços do vidro quebrado estavam pelo chão do imóvel. O caso foi registrado na Delegacia de Água Fria, mas a dona do apartamento ainda irá à Delegacia do Espinheiro, para fazer a solicitação do laudo pericial. Essa foi a segunda vez que uma bala perdida atingiu o prédio em menos de sete meses.

Vidraça do imóvel foi danificada. Foto: WhatsApp/Divulgação

Vidraça do imóvel foi danificada. Foto: WhatsApp/Divulgação

De acordo com o síndico do edifício, Ewerton Gayo, no primeiro caso, um carro que estava na garagem do edifício teve o parabrisa quebrado. “Da primeira vez que isso aconteceu, uma bala acertou a parede da garagem e depois atingiu o carro de um morador. Isso faz uns sete meses. Registrei um boletim de ocorrência, mas nunca tive retorno nenhum da polícia”, contou Ewerton. No episódio dessa madrugada, a moradora estava sozinha em casa. “Somente pela manhã ela percebeu o que havia acontecido de fato. O caso também já foi registrado na Polícia Civil e vamos esperar que as investigações digam alguma coisa. Uma perícia pode identificar a trajetória da bala”, comentou o síndico do edifício.

Caso Lara
No dia 24 de junho de 2003, a menina Lara de Menezes Albert, 7 anos, foi atingida na cabeça por uma bala perdida quando estava dentro do apartamento onde morava com a família no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul da cidade. No primeiro momento da investigação, o caso era um mistério para a polícia que não sabia de onde teria partido o tiro que feriu a garota. Somente após uma perícia realizada pelos profissionais do Instituto de Criminalística (IC) de Pernambuco ficou concluído que o disparo que atingiu Lara teria partido de um apartamento de um prédio próximo ao dela.

Garota de sete anos foi baleada em Boa Viagem. Foto: Teresa Maia/DP/D.A Press

Garota de sete anos foi baleada em Boa Viagem. Foto: Teresa Maia/DP/D.A Press

Com base na trajetória da bala e a posição onde a criança estava, os peritos não tiveram dúvidas de que o tiro foi disparado de um prédio a 100 metros. O resultado foi entregue ao delegado responsável pela investigação, que solicitou um mandado de busca e apreensão no apartamento apontado pela perícia. Uma pistola foi encontrada no apartamento onde morava um tenente da Polícia Militar. Ele negou para a polícia que tivesse feito o disparo, no entanto, a comparação balística apontou que o projétil que atingiu a vítima saiu da arma do tenente. O inquérito foi concluído e o autor indiciado.

Inscrições abertas para curso de pós-graduação em ciências criminais

Quem tiver interesse em fazer uma especialização em ciências criminais já pode fazer as inscrições para participar do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Ciências Criminais promovido pelo Instituto Brasileiro de Ciências Jurídicas e Sociais – IBCJUS. O curso, que tem como coordenador científico o professor doutor Adeildo Nunes, tem duração de 12 meses e carga-horária de 360 horas/aula. A especialização é voltada para  funcionários públicos na área de segurança pública e profissionais com atuação no campo das ciências criminais, além daqueles de nível superior em direito e em outras áreas com interesse na temática. As inscrições deverão ser exclusivamente realizadas pelo site: www.ibcjus.org.br.

Entre os temas que serão abordados nos quatro módulos que compõem o curso estão a teoria do crime e da pena,  direito processual penal, mediação de conflitos, criminologia e vitimologia, direitos humanos e cidadania e direito de execução penal. O programa contará ainda com curso de Extensão em Direito Constitucional, que vai abordar as bases constitucionais que envolvem a questão da criminalidade e da segurança pública, com carga-horária de 20h/a. Além das aulas presenciais que serão realizadas no auditório da Polícia Civill, no centro do Recife, o curso também contará com palestras de autores e especialistas conhecidos regional e nacionalmente.

“A Pós-Gradução nasce com as marcas da excelência do ensino e da preocupação de estimular o debate científico e a consciência crítica em torno de temas centrais da moderna ciência penal e da segurança pública nacional. Com isso esperamos contribuir para o  desenvolvimento do potencial acadêmico e profissional de Pernambuco e do Nordeste, sobretudo daqueles que atuam na área da defesa social, particularmente na segurança pública (esferas judicial e administrativa [policial]), além de todos que se interessem pelas Ciências Criminais e pela Segurança Pública e áreas afins”, destaca Adeildo Nunes. As aulas acontecem nas segundas e terças-feiras, das 18h30 às 22h, com calendário que será repassado para os alunos antes do período letivo.

Quase 18 pessoas foram mortas por dia no estado em fevereiro

Em apenas 28 dias, um total de 497 pessoas foram assassinadas em Pernambuco. Esse foi o número anunciado na tarde desta quarta-feira pela Secretaria de Defesa Social (SDS) durante coletiva de imprensa na sede do órgão. O resultado deixa a população assustada mais uma vez. Os números refletem que quase 18 pessoas foram mortas por dia no estado. Ainda segundo o secretário de Defesa Social, Angelo Gioia, no mês de janeiro foram contabilizados 480 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) em Pernambuco.

Números foram apresentados na tarde desta quarta-feira. Foto: SDS/Divulgação

Números foram apresentados na tarde desta quarta-feira. Foto: SDS/Divulgação

Também foram apresentados na coletiva outros dados sobre criminalidade. De acordo com a SDS, houve, em janeiro, 1.775 roubos de veículos e 1.552 em fevereiro. Os crimes de estupro foram 167 em janeiro e 128 no mês de fevereiro. Em relação aos assaltos a ônibus, a SDS disse que foram 199 no primeiro e 175 no segundo. Os casos de violência doméstica foram 2.915 em janeiro e 2.243 em fevereiro. O secretário Angelo Gioia disse que aposta na investigação qualificada de homicídios para reduzir os índices de assassinatos no estado.

“Trocamos comandos das políciais e mudamos algumas coisas nas investigações de homicídios para tentar reduzir esses números. Embora ainda não tenhamos reduzido a quantidade de CVLIs, conseguimos reduzir outros tipos de crime”, comentou o secretário. Nos bastidores, fala-se que a entrega dos PJES por parte dos policiais militares desde o início da Operação Padrão estaria prejudicando o policiamento ostensivo nas ruas, porque a SDS não tem quadro suficiente para patrulhar o estado. Os PMs não são obrigados a realizar o PJES.

Cabo da PM suspeito de praticar crimes é liberado pela Justiça

O cabo do 11º Batalhão da Polícia Militar de Pernambuco que havia sido autuado em flagrante na tarde da última sexta-feira por envolvimento no crime ocorrido na quinta-feira, no bairro de Campo Grande, no Recife, foi liberado pela Justiça após ser apresentado na audiência de custódia. A audiência aconteceu no Fórum Rodolfo Aureliano, na tarde desse sábado. A Polícia Civil não tem dúvidas que ele participou do crime que resultou na morte de um ex-presidiário e no ferimento à bala de outro policial militar. Outros três suspeitos estão sendo procurados.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o cabo Cláudio da Silva Melo teve a prisão relaxada pelo juiz plantonista Edimilson Cruz Júnior, que considerou a prisão ilegal por ter sido realizada várias horas após o fato.

Militar havia sido preso na sexta-feira. Foto: Thamires Oliveira/Esp. DP

Militar havia sido preso na sexta-feira. Foto: Thamires Oliveira/Esp. DP

O policial compareceu ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro do Cordeiro, na tarde da sexta-feira, acompanhado de um advogado. Em seu depoimento, o cabo permaneceu calado, mas havia sido autuado em flagrante por homicídio e tentativa de homicídio. O caso também está sendo acompanhado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS). Segundo a polícia, os suspeitos do crime chegaram em uma caminhonete de cor preta. As vítimas estavam dentro de um Mitsubishi ASX quando foram atingidas pelos disparos.

O cabo Eduardo Leite da Silva, 38 anos, lotado no 16º BPM, foi baleado de raspão na cabeça e passa bem. A esposa dele também estava no carro, mas não foi atingifa. Já o motorista, Luciano Pereira da Silva, 38, conhecido como Lúcio da Bomba, morreu no Hospital da Restauração (HR), para onde ambos foram socorridos.