Número de homicídios volta a crescer em Pernambuco. Foram 432 em outubro

Depois de dois meses de redução, o número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) voltou a crescer em Pernambuco. Dados divulgados nesta quarta-feira pela Secretaria de Defesa Social (SDS) apontam que 432 pessoas foram assassinadas em todo o estado no mês de outubro. A média diária de mortes violentas foi de 13,93. De janeiro até o final de outubro, 4.576 homicídios foram notificados no estado. Desses, 68 aconteceram no Recife, 125 na Região Metropolitana do Recife e 239 no interior pernambucano. Nos meses de agosto e setembro foram registrados 412 e 410 assassinatos, respectivamente.

Média diária de mortes em outubro foi de 13,93. Foto: Teresa Maia/Arquivo

Ainda de acordo com os dados da SDS, o total de Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) de outubro foi de 8.429. Houve uma redução em relação ao mês de setembro quando foram notificados 9.487 crimes, nos quais estão inclusos roubos a bancos, roubos e furtos e assaltos a ônibus. Segundo os números apresentados pela SDS, outubro foi o mês com a menor quantidade de registros de CVPs neste ano. A partir de agora, a secretaria passou a informar também em seu site o número mensal de assaltos a ônibus. Em outubro, diz a SDS, aconteceram 65 investidas criminosas no estado.

O mês de outubro terminou com a notificação de 2.975 casos de violência doméstica e familiar contra mulheres em Pernambuco. No mês de setembro, foram notificados 2.701 casos. Em relação ao total de pessoas autuadas em flagrante pelas polícias no mês passado, a SDS informou que 2.231 registros foram computados pelo estado. Houve um aumento na comparação com o mês de setembro, quando 2.111 pessoas foram autuadas em flagrante por cometimento de crimes. Já em relação à apreensão de armas no estado houve diminuição. Enquanto em setembro foram apreendidas 507 armas de fogo, em outubro o número foi de 469.

Polícia Federal vai ajudar na investigação do Caso Beatriz

Depois de mais um protesto da família da menina Beatriz Angélica Mota, assassinada há dois anos em Petrolina, as polícias Civil e Federal assinarão um termo de cooperação para atuar de forma interestadual na procura pelo autor do crime. A decisão foi anunciada para parentes da criança durante reunião realizada no Palácio do Campo das Princesas, na tarde dessa segunda-feira, com a presença do chefe de Polícia Civil, Joselito Kehrle, do secretário-executivo da Casa Civil, Marcelo Canuto, da delegada Gleide Ângelo e do secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua.

Protesto dos familiares aconteceu em frente ao Palácio. Foto: Thalyta Tavares/Esp.DP

Os pais de Beatriz, acompanhados de parentes e amigos, viajaram ao Recife para cobrar do estado a quebra do sigilo das investigações para a família. Cerca de 30 pessoas munidas de faixas e camisas os acompanharam. Durante o encontro com a comissão, eles tiveram o pedido indeferido e foram informados que a requisição deve ser formalizada junto à Justiça. “Foi esclarecido à família que quem decreta o sigilo é o Poder Judiciário. Então, eles vão peticionar a Justiça e, eles deferindo, obviamente a polícia vai abrir os autos para a família”, afirmou Joselito Kehrle. Segundo ele, as polícias estariam trabalhando de forma conjunta “informalmente”, mas o termo oficializará as ações e permitirá identificar o autor caso ele seja de fora de Pernambuco.

O advogado Jaime Badeka Filho, presidente da comissão da Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Juazeiro, que acompanhou a família ao Recife, afirmou que entrará com o pedido na Justiça ainda nesta semana. “Esse não é um fato qualquer, é de interesse público. A família vem trabalhando de forma paralela nas investigações. Nós pedimos a abertura do inquérito, o acesso a todas as peças, todas as informações, para poder continuar colaborando”, disse Jaime.

Pais de Beatriz conversaram com o chefe da Polícia Civil. Foto: Nando Chiappetta/DP

A mãe de Beatriz, Lúcia Mota, estava há três meses esperando do governo uma resposta sobre a possibilidade de quebra de sigilo. Ela chegou a fazer greve de fome para obter a resposta. “Sai com uma resposta, mas não posso dizer que estou contente. Só vou estar quando o assassino e todos que participaram, direta ou indiretamente do crime, forem punidos. O inquérito é importante para a gente saber o que já foi feito e o que ainda pode ser feito. Eu entendo que as investigações foram obstruídas”, declarou Lúcia.

Outra demanda do grupo foi celeridade para prisão de outros envolvidos no crime. “As imagens das câmeras foram apagadas por algum funcionário da escola. Há evidências, mas eles disseram que estão sendo concluídas diligências nesta semana para dizer algo”, pontuou Lúcia Mota. “A polícia fica muito focada no executor e, no nossoentendimento, engessa as investigações. A gente acredita que, se alguma medida cautelar alternativa à prisão for decretada para algum dos suspeitos que colaboraram, já é diferente. Pode chegar ao executor, ao mentor”, acresentou Jaime Badeka Filho.

Até então, a polícia tem imagens do autor, de um circuito de câmeras, e também o DNA. Um total de 96 pessoas foram submetidas a perícia para confronto do perfil genético. “Nesses dois anos, nós saímos de um retrato falado para um perfil genético. Produzimos 13 volumes de inquérito policial, com 3 mil laudas e mais de 200 perícias realizadas”, acrescentou o chefe da Polícia Civil.

Beatriz foi assassinada aos sete anos de idade, com 42 facadas, em dezembro de 2015. O crime aconteceu dentro do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora de Petrolina, durante a solenidade de formatura dos estudantes. O corpo da menina foi encontrado atrás de um armário de uma sala de material esportivo desativada. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens é o assassino. O Disque-Denúncia oferece R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem.

Militares envolvidos na Operação Torrentes serão afastados das funções, diz governador

Em entrevista na manhã desta segunda-feira, durante a aula inaugural do Curso de Formação e Habilitação de Praças Bombeiro Militar, o governador Paulo Câmara afirmou que os servidores públicos envolvidos na Operação Torrentes serão afastados dos cargos. Policiais militares de altas patentes foram citados pela Polícia Federal. A Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) abriu sindicância para investigar a conduta dos servidores. “Designações serão feitas no dia hoje para suprir servidores que não possam estar trabalhando. Suspeição precisa ser investigada e suspeição precisa que as pessoas tenham a consciência de que elas vão ter que ficar fora das tarefas que tenham relação com as investigações”, destacou o governador.

Governador falou sobre a operação nesta segunda-feira. Foto: Hélia Scheppa/SEI

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na última quinta-feira, a Operação Torrentes, cujo objetivo é apurar a suposta prática de esquema criminoso no desvio de verbas públicas, fraudes em licitações e corrupção de servidores da Casa Militar de Pernambuco. Os desvios são relacionados a contratos firmados para a aquisição de bens materiais que seriam destinados às vítimas das enchentes ocorridas na Mata Sul do estado nos anos de 2010 e 2017.

A investigação foi iniciada em 2016, por meio de uma parceria com a Controladoria Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF), e apontou que os funcionários destinavam a grupos empresariais, em troca de contrapartidas financeiras, os contratos para a aquisição de materiais, como lonas, colchões, banheiros químicos, comida e água mineral. Também estão sendo verificados indícios de superfaturamento e de não execução de contratos.

Familiares da menina Beatriz Mota protestarão no Recife nesta segunda-feira

Um grupo de aproximadamente 40 pessoas chegará ao Recife na manhã desta segunda-feira vindo da cidade de Juazeiro, na Bahia, para cobrar solução no caso do assassinato da menina Beatriz Angélica Mota 7 anos. A garota foi assassinada com 42 facadas, em dezembro de 2015, em Petrolina, no Sertão pernambucano. Até hoje, o responsável pelo crime não foi preso. De acordo com o pai de Beatriz, o professor Sandro Romilton Ferreira, o grupo virá acompanhado do advogado Jaime Badeka Filho e irá até a frente do Palácio do Campo das Princesas. A previsão de chegada à capital do estado é às 9h.

Ana Mota e Sandro Romildo querem solução do crime que vitimou sua filha. Foto: Nando Chiappetta/DP

“Iremos até o Palácio das Princesas. Também queremos falar com o atual secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, e com o chefe da Polícia Civil do estado, Joselito Kherle do Amaral. Queremos a resposta de um pedido de abertura do inquérito que foi feito no mês agosto. E também a resposta das perícias nos DVRs da Escola Maria Auxiliadora com a confirmação de que um funcionário da escola apagou as imagens. E, finalmente, o pedido de prisão do mesmo”, declarou Sandro, adiantando que outros pedidos serão feitos às autoridades.

Beatriz Mota tinha sete anos quando foi morta. Foto: Facebook/Reprodução

Em maio deste ano, uma reunião foi realizada na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) da participaram os pais de Beatriz. O encontro aconteceu por iniciativa do deputado estadual Odacy Amorim e foi realizado numa sessão conjunta com a Comissão de Cidadania e Direitos Humanos. Em julho do ano passado, familiares e amigos da garota assassinada e que fazem parte do grupo Somos Todos Beatriz realizaram um protesto pelas ruas do Centro do Recife. Na ocasião, foram recebidos pelo governador Paulo Câmara.

Policia diz que este homem é o assassino. Foto: Shilton Araújo/Esp/DP

Até agora o suspeito pela morte da garota não foi preso. Em março deste ano, a Polícia Civil conseguiu imagens que revelam a face do autor do crime. Para os investigadores, não há dúvidas de que o homem que aparece nas filmagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, onde ela estudava, é o assassino. O Disque-Denúncia oferece R$ 10 mil de recompensa para quem tiver informações sobre a localização do homem. A delegada Gleide Ângelo está à frente das investigações.

DENUNCIE
Quem tiver informações que possam auxiliar a polícia na identificação do suspeito que aparece nas imagens pode entrar em contato com os investigadores através dos números abaixo:

Ouvidoria SDS – 181
WhatsApp – (87) 9 9911-8104
Disque-Denúncia
(81) 3421-9595
(81) 3719-4545
Recompensa R$ 10 mil

Alessandro Carvalho, ex-secretário de Defesa Social, prendeu envolvidos na Operação Torrentes

De volta à Polícia Federal (PF) desde janeiro deste ano, o delegado Alessandro Carvalho, que foi secretário de Defesa Social do governo Paulo Câmara, participou ontem dos cumprimentos dos mandados da Operação Torrentes, deflagrada pela Polícia Federal e pela Controladoria Geral da União (CGU). A investigação apontou que funcionários da Casa Militar direcionavam contratos para a aquisição de bens destinados às vítimas das enchentes ocorridas na Mata Sul do estado nos anos de 2010 e 2017 a grupos empresariais em troca de contrapartidas financeiras. As duas enchentes deixaram milhares de pessoas desabrigadas e causaram mais de 20 mortes.

Alessandro Carvalho cumpriu mandados da operação. Foto: Peu Ricardo/DP

Os investigadores descobriram também indícios de superfaturamento e não execução de contratos. Em função da quantidade de doações recebidas, a suposta quadrilha teria simulado a compra de algo que já tinha à disposição, como água mineral. Alessandro assumiu a Secretaria de Defesa Social em dezembro de 2013, ainda no governo Eduardo Campos, após a saída de Wilson Damázio. Carvalho foi o responsável pela segurança pública do estado até outubro do ano passado, quando pediu para deixar o cargo. Após sair da SDS, ele ainda passou cerca de dois meses como assessor especial do governador Paulo Câmara, mas depois voltou à PF, onde fez carreira.

O principal alvo da Operação Torrentes foi a Casa Militar, que fica no Palácio do Campo das Princesas. O local amanheceu cercado por policiais federais. Entre os presos e detidos para prestar depoimentos ontem estiveram 11 militares, a maioria oficiais de alta patente, e 24 civis, muitos deles empresários. Dos militares levados à sede da PF, no Cais do Apolo, quase todos foram comandados por Alessandro Carvalho. A notícia da participação de Carvalho na operação tem sido bastante comentada ainda nesta sexta-feira. “Ele participou da operação que prendeu gente que trabalhava com ele. Esse é o papel da polícia, prender quem está agindo fora da lei”, disse um servidor da SDS.

Após assalto e morte em Piedade, PM diz que vai reforçar policiamento

Enquando a Polícia Civil de Pernambuco segue investigando o latrocínio (assalto seguido de morte) que vitimou o bancário aposentado Manfredo de Andrade Sarda, 76 anos, na noite do último domingo, a Polícia Militar garantiu reforço no policiamento no bairro de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes. O aposentado foi morto depois que dois homens ainda não identificados invadiram sua casa, na Rua Brigadeiro Melibeu, e fizeram a família de refém. Manfredo tentou reagir, utilizando um revólver de sua propriedade, mas foi morto com um tiro no abdômen. O corpo dele foi cremado no Cemitério Morada da Paz, em Paulista. O caso está sendo acompanhado pela Divisão de Homicídios Sul.

Crime aconteceu nesta residência. Foto: Thalyta Tavares/Esp.DP

Por meio de nota, a Polícia Militar informou que “o policiamento no bairro de Piedade é  feito por Guarnições Táticas, que realizam rondas ostensivas com abordagens. No local existe o apoio do Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati) e Motopatrulheiros que recobrem toda a região. O comandante do 6º Batalhão, responsável pela área, já solicitou o reforço no bairro, que contará com rondas de motopatrulheiros garupados (dois policiais em uma moto), para dessa forma, coibir as incidências de crimes na região. A PM reitera a importância dos registros de ocorrências através do 190 e de Boletim de Ocorrência nas Delegacias da Polícia Civil.”

De acordo com familiares da vítima, Manfredo estava dormindo quando sua esposa foi surpreendida por um bandido dentro de casa. A família suspeita que o criminoso tenha entrado no imóvel pulando o muro. A dona da casa, Geruza Wacemberg, foi rendida e pediu que o seu filho abrisse a porta do imóvel, no térreo, para que o outro assaltante entrasse no imóvel. “Os criminosos estavam gritando muito e chegaram a apontar uma arma para a cabeça da nora de Manfredo, que é promotora de Justiça na Paraíba. Eles não respeitaram nem a presença de duas crianças do imóvel. No meio da confusão, Manfredo acordou e pegou um revólver calibre 22 que ela tinha guardado. Quando chegou na escada foi baleado por um dos ladrões”, contou um parente da vítima que preferiu não ter o nome publicado.

PMs reforçam segurança no Centro do Recife neste final de ano

Para tentar diminuir as ocorrências criminosas no Centro do Recife, a Secretaria de Defesa Social (SDS) lançou esta semana a Operação Cerne. A ação proporcionou o reforço do policiamento nos bairros de São José, Santo Antônio, Boa Vista e Soledade. As polícias Militar e Civil reforçarão o combate aos roubos e furtos e intensificarão as investigações. Já o Corpo de Bombeiros fiscalizará cerca de 600 edificações, verificando a habitabilidade e o risco de incêndio e de acidentes para quem circula pela área. De acordo com o secretário da SDS, Antônio de Pádua, a operação não tem data para terminar. “Da mesma forma que fizemos com a Avenida Agamenon Magalhães, estamos fazendo com o Centro do Recife para retomar a sensação de segurança”, disse Pádua.

Foto: Marlon Diego/Esp.DP

Segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife (CDL), com a aproximação das festividades de final do ano, quando a população flutuante atraída pelo comércio no centro do Recife aumenta, cerca de 1,2 milhão de pessoas circulam pela área diariamente. Os quatro bairros beneficiados pela ação terão reforço no policiamento ostensivo com equipes da PM a pé, em motocicletas, em viaturas e a cavalo. Também haverá o apoio do Grupamento Tático Aéreo (GTA) da SDS. Já a Polícia Civil terá um plantão na Rua da Aurora, com equipes de investigação focadas em solucionar inquéritos de crimes de roubos e furtos ocorridos no Centro da cidade.

Delegado Nehemias Falcão será o novo sub-chefe da PCPE

Oito meses após assumir como sub-chefe da Polícia Civil de Pernambuco (PCPE), o delegado Charles Gultiergue deixou o cargo. Até o final desta semana será publicada a nomeação do delegado Nehemias Falcão para assumir o lugar deixado por Charles. De acordo com a assessoria de imprensa da PCPE, “o delegado Charles Gultiergue deixa o cargo de sub-chefe da PCPE por razões pessoais. O delegado, que assumiu a função no final de fevereiro deste ano, precisa se desvincular do cargo para se dedicar à saúde.” No entanto, nos bastidores da segurança pública, fala-se que o motivo da saída seria outro.

Nehemias Falcão está na PCPE desde 1998. Foto: Polícia Civil/Divulgação

Também de acordo com a PCPE, o delegado especial Nehemias Falcão “foi escolhido pelo trabalho desenvolvido na Zona da Mata e Agreste do Estado, no cargo de Diretor Integrado do Interior 1 (Dinter 1).” Nehemias ingressou na PCPE em abril de 1998 e passou como titular pelas delegacias circunscricionais de Ferreiros, Catende, Condado, Itambé, Goiana e como delegado titular das delegacias seccionais de Goiana e Limoeiro na zona da mata norte de Pernambuco. Também já esteve à frente do Departamento de Polícia da Criança e Adolescente e da Coordenação da Força-Tarefa de Homicídios.

Anuário de Segurança: Pernambuco é o quarto estado com mais mortes

O Brasil registrou 61,6 mil mortes violentas em 2016, de acordo com o Anuário Brasileiro da Segurança Pública divulgado nesta segunda-feira. O número, que contabiliza latrocínios, homicídios e lesões seguidas de morte, representa um crescimento de 3,8% em comparação com 2015, sendo o maior patamar da história do país. Em média, foram contabilizados sete assassinatos por hora. Com o crescimento do número de mortes intencionais, a taxa de homicídios no Brasil por 100 mil habitantes ficou em 29,9.

De janeiro a setembro deste ano, 4.145 pessoas já foram assassinadas em Pernambuco. Foto: Wagner Oliveira/DP

Pernambuco foi o quarto estado do país com a maior taxa de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), segundo o levantamento. Os números apresentados pelo Anuário são referentes aos anos de 2015 e 2016. De acordo com a publicação, Pernambuco só perdeu para os estados do Amapá, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte. As taxas de mortes por 100 mil habitantes nesses estados foi de 52, 24,3 e 18, respectivamente. Pernambuco aparece na tabela com 14,4. Em números absolutos, o estado registrou 3.889 CVLIs no ano de 2015 e 4.479 no ano passado. O aumento da violência em Pernambuco tem deixado a população assustada. Somente nos nove primeiros meses deste ano, 4.145 pessoas foram assassinadas no estado, segundo a Secretaria de Defesa Social (SDS).

Questionado sobre a divulgação do Anuário Brasileiro de Segurança Pública o governador Paulo Câmara disse que os números de violência estão crescendo desde 2014 e enumerou as ações feitas pelo governo do estado para tentar reverter a situação. “Divulgamos mensalmente os nossos números e desde 2014 eles vêm aumentando. Mas estamos trabalhando para mudar isso. Fizemos a contratação dos novos 1,5 mil policiais militares que já estão nas ruas e mais 1,3 mil novos PMs estão na academia. Além disso, mil policiais civis irão para as delegacias em janeiro. Outubro vai ser o primeiro mês, depois de três anos, que a gente vai diminuir a violência em relação a outubro do ano anterior. Tenho certeza que a gente vai virar a curva e vamos, a cada mês, diminuir a violência no nosso estado”, declarou Câmara.

Gajop promove encontro nacional pelo desencarceramento

Será realizado nos dias 28 e 29 deste mês o II Encontro Nacional pelo Desencarceramento. A atividade foi articulada pelo Gajop e outras organizações da sociedade civil que compõem a Agenda Nacional pelo Desencarceramento. O encontro será na sede da Faculdade de Olinda (FOCCA) e tem por objetivo promover a articulação de ações de enfrentamento ao encarceramento em massa e às violações de direitos humanos nos sistemas prisional e socioeducativo brasileiros.

Prisões brasileiras abrigam mais de 600 mil pessoas. Wilson Dias/Agência Brasil

Movimentos sociais, organizações de direitos humanos, egressos do sistema prisional e familiares de pessoas privadas de liberdade de todo o país estarão reunidas para trocar experiências e fortalecer as resistências às políticas criminais racistas e criminalizadoras da pobreza que hoje vigoram no Brasil.

No ano passado, aconteceu em São Paulo o I Encontro Nacional, que reuniu mais de 100 pessoas de diversos estados para discutir e atualizar a Agenda Nacional pelo Desencarceramento. Esta agenda, existente desde 2013, contém uma série de propostas amplamente discutidas e elaboradas por movimentos sociais e organizações da sociedade civil e apresenta saídas concretas para que se reverta a lógica superencarceradora com que opera o sistema de justiça criminal brasileiro.

O Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo, com 622.202 presos e a situação só se agrava: o país aumenta em média 7% o número de pessoas presas anualmente. É urgente que esta lógica seja revertida, a partir de soluções construídas e debatidas com o conjunto da população brasileira.

Na ocasião estarão presente organizações e movimentos nacionais que atuam com a temática, como: a Pastoral Carcerária (SP), Justiça Global (RJ), INEGRA (CE) ITTC (SP) DDH (RJ) IDDD (SP). O evento é aberto ao público e não será necessária inscrição prévia para participar.

Com informações da assessoria de imprensa