Preso no Recife filho que matou e esquartejou a mãe em São Paulo

Depois de matar, esquartejar e esconder o corpo da mãe na geladeira e fugir do estado de São Paulo, o porteiro Jotânio de Oliveira, 27 anos, foi preso no Recife nesse final de semana após uma denúncia feita à Polícia Militar. Militares do 16º Batalhão o levaram até a Delegacia de Santo Amaro, onde confessou o crime praticado no mês de outubro, no bairro de Sapopemba, na Zona Leste da capital paulista.

Porteiro assassinou a mãe com requintes de crueldade (TV CLUBE/REPRODUÇÃO)

A mãe de Jotânio, a supervisora Tânia Maria, 46, foi encontrada morta depois de quatro dias sem que a família tivesse notícias dela. O corpo estava em estado de decomposição dentro da galadeira da casa onde ela morava com o filho. Depois do crime, Jotânio não foi mais visto por familiares e amigos.

Após dois meses de investigações, a polícia paulista descobriu que Tânia havia sido assassinada pelo filho. A revelação foi feita à polícia pela namorada do suspeito. Ela estava sendo levada à delegacia em São Paulo para prestar depoimento sobre a morte da sogra quando o telefone dela tocou. Um policial, então, atendeu. Quem estava falando era Jotânio, que logo percebeu que não era a namorada e desligou o telefone. Quando começou a ser interrogada, a jovem contou que o namorado havia matado a mãe e fugido para não ser preso.

“Peço perdão todos os dias pelo que eu fiz, mas não sei explicar o motivo. Estava sob o efeito de drogas e desde aquele dia nunca mais usei drogas na minha vida”, afirmou Jotânio, que nasceu na Bahia.

O crime revoltou muita gente pela forma cruel como foi praticado. O corpo de Tânia estava cortado ao meio e as pernas para cima. Duas facas foram encontradas em suas partes íntimas. Segundo a polícia paulista, ela estava desaparecida desde o dia 22 de outubro. Na tarde de ontem, Jotânio foi levado para o Cotel.

SDS apresentará balanço de 2013 na próxima reunião do Pacto pela Vida

O novo secretário de Defesa Social de Pernambuco, Alessandro Carvalho, informou ao blog que o balanço das ações e operações da pasta será apresentado na próxima quinta-feira (2) durante a primeira reunião de monitoramento do Pacto pela Vida do estado do ano de 2014, que acontece na Secretaria de Planejamento e Gestão.

Encontros acontecem sempre nas quintas-feiras. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Encontros acontecem sempre nas quintas-feiras. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Essas reuniões acontecem semanalmente para que sejam discutidos os resultados e propostas nova metas para a redução da criminalidade no estado. Alessandro compareceu a uma homenagem feita ao ex-secretário Wilson Damázio no restaurante Spettus, do Derby, no início da tarde dessa sexta-feira.

Damázio foi homenageado pela Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal e pela Diretoria Regional da Polícia Federal, onde está há 35 anos. “Deixei o cargo de secretário de Defesa Social ciente de que conseguimos bons resultados num trabalho em conjunto. Agora, deixo a segurança pública para cuidar da minha vida pessoal ou até mesmo da profissional em outra área”, apontou o policial federal. Wilson Damázio passou três anos e oito meses à frente da pasta de Defesa Social.

Cabo da PM que se envolveu em confusão vai depor na Corregedoria

O cabo da Polícia Militar que se envolveu em uma confusão no bairro dos Aflitos será intimado a prestar depoimento na Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS). Segundo o corregedor Sidney Lemos, o militar que está à disposição do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) não terá o nome revelado. “Determinei a abertura de uma sindicância administrativa disciplinar que vai apurar todas as circunstâncias do ocorrido. Vamos ouvir as testemunhas, os policiais envolvidos na ocorrência e, apenas no final, o cabo que está sendo investigado, porque ele está sendo acusado”, contou Lemos.

Depois de ter furado uma blitz da Lei Seca e ter invadido um supermercado na Avenida Rosa e Silva com uma arma na mão, o militar deixou clientes e funcionários da loja em pânico. O caso aconteceu na tarde da última terça-feira. O militar estava em um veículo de modelo não informado com mais dois colegas, todos com sinais de embriaguez.

SDS registra 15 mortes em Pernambuco no período natalino

A Secretaria de Defesa Social (SDS) registrou queda nos números de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) nos dias 24 e 25 de dezembro de 2013. Segundo a Gerência de Análise Criminal e Estatística – GACE, no ano de 2012, foram registrados 21 homicídios em Pernambuco. Neste ano, ocorreram 15 assassinatos, o que representa uma redução de 28,6%.

Para garantir a tranquilidade dos pernambucanos nos dias 24 e 25 de dezembro a SDS através da Polícia Militar reforçou o policiamento em diversas Áreas Integradas de Segurança do Estado. Cidades como Caruaru e Gravatá no Agreste, além da capital e RMR, tiveram seu policiamento reforçado com mais lançamentos da Patrulha do Bairro.

Com o reforço de 93 lançamentos da Patrulha do Bairro, a Diretoria Integrada Metropolitana – DIM, responsável pela segurança na capital e RMR também apresentou redução nos números de homicídios no período natalino. Em 2013 foram registrados três assassinatos contra 12 no ano passado, apresentando uma redução de 75%.

Os plantões nas delegacias da Polícia Civil de Boa Viagem, Piedade, Olinda, Paulista e Porto de Galinhas, também receberam reforço. Já o Corpo de Bombeiros Militar reforçou as equipes de resgate nas Áreas Integradas de Recife, Jaboatão e Cabo.

Com informações da assessoria de imprensa da SDS

Corregedoria apura confusão com cabo da Polícia Militar

A Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS) investiga um cabo da Polícia Militar de Pernambuco, cujo nome não foi divulgado, que teria furado um bloqueio da Lei Seca e causado uma confusão no bairro dos Aflitos, na Zona Norte do Recife. Clientes e funcionários de um supermercado localizado na Avenida Conselheiro Rosa e Silva passaram por momentos de pânico no fim da tarde da última terça-feira depois que o militar furou um bloqueio e fugiu.

Fotografia tirada a partir de um apartamento de um prédio na Avenida Rosa e Silva mostra movimentação policial em frente ao Bompreço. Houve tensão e muito engarrafamento em plena véspera de Natal (CLAUDINHO LACERDA/DIVULGACAO)

De acordo com a Assessoria de Comunicação Social da Polícia Militar, o cabo estava em um veículo, de modelo não informado, com mais dois colegas, todos com sinais de embriaguez. Após fugir do bloqueio, o PM que está à disposição do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) foi perseguido e chegou a dar um empurrão em um dos policiais que participava da operação. O cabo ainda teria entrado no supermercado e sacado uma arma, causando pânico em quem estava na loja.

Durante a confusão, várias viaturas foram acionadas como reforço e a polícia acabou fechando o tráfego de veículos no cruzamento da Rua Conselheiro Portela com a Avenida Conselheiro Rosa e Silva. Apesar do susto, ninguém ficou ferido. No entanto, quem passava pelo local ou quem mora nos prédios das proximidades ficou bastante assustado com a situação. “Foi uma confusão muito grande. Eu estava em casa quando escutei o barulho das sirenes das viaturas e fui olhar da varanda o que estava acontecendo. O trânsito ficou interditado por um tempão até que a situação fosse controlada”, disse um morador das proximidades, que preferiu não revelar a identidade.

Excessos
Relatos de testemunhas dizem que os militares que chegaram para atender à ocorrência estavam bastante alterados. As testemunhas reclamaram que os policiais teriam cometido excessos, chegando a deter um consumidor que teria questionado a truculência policial e ameaçado deter uma cliente por acreditar que ela estivesse filmando a ação, uma vez que a senhora falava ao telefone celular.

“A forma como os policiais estavam agindo era absurda. Detiveram uma pessoa que fez um comentário sobre a confusão e ainda ameaçaram prender uma mulher por acharem que ela estava filmando a ação”, contou uma testemunha.

Segundo a Assessoria de Imprensa da SDS, o corregedor geral Sidney Lemos confirmou que o órgão recebeu a ocorrência envolvendo o policial militar ainda na terça-feira, porém, os detalhes sobre o caso serão levantados a partir de hoje, quando o caso começará a ser apurado. O corregedor disse que ainda não sabia o nome do militar envolvido na ocorrência.

Governo deve transformar em ações sugestões da CPMI da Violência contra a Mulher

As sugestões contidas no relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Violência contra a Mulher devem ser incorporadas nas políticas públicas executadas pelo governo federal já em 2014. A presidente Dilma Rousseff garantiu, ao receber da comissão o relatório com quase mil páginas, que “a violência contra a mulher tem tolerância zero” em seu governo.

A presidente da comissão, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), destacou que uma das propostas do relatório, a Casa da Mulher Brasileira, já está sendo implantada pelo governo federal. A casa é um espaço para atendimento especializado, com assessoria jurídica, psicossocial e alojamento temporário para as mulheres vítimas de violência e seus filhos.

Mas a deputada lembra que o trabalho da comissão foi apenas o primeiro passo para o enfrentamento da violência contra as mulheres. “Eu diria que são três os desafios: é preciso mais informações para uma política adequada; é preciso mais recursos e mais estruturas para todos os equipamentos e é preciso uma articulação de todos os órgãos para que o enfrentamento seja uma grande ação coletiva do Estado brasileiro”.

Subcomissão especial
Para complementar os trabalhos da CPMI, foi criada uma subcomissão especial para debater a violência contra a mulher, dentro da Comissão de Seguridade Social. A relatora da subcomissão, deputada Rosane Ferreira (PV-PR), destacou que o mais importante em relação à violência contra a mulher é implantar políticas preventivas, “para evitar que ela aconteça”.

“Fizemos ainda muitas recomendações aos estados, recomendações ao Poder Executivo, ao Poder Judiciário, recomendações que já temos notícia que estão sendo acatadas”, disse a deputada.

Rosane Ferreira destacou que outro problema que deve continuar sendo enfrentado é a falta de notificação policiaial dos casos de violência contra as mulheres, constatada pelos integrantes da subcomissão nos vários estados que visitou: a situação era mais grave do que mostravam as estatísticas oficiais. Para ela, somente com conscientização e denúncia é possível tirar o Brasil do sétimo lugar entre os países com mais casos de assassinato de mulheres no mundo.

Da Agência Câmara

Saiba quais foram os passos refeitos pela perícia no caso do promotor Thiago Faria

Os passos refeitos na reprodução simulada realizada nessa segunda-feira seguiram as informações da ex-noiva do promotor, Mysheva Martins, e de outras testemunhas. Veja o passo a passo:

  • O primeiro ponto da reprodução simulada foi o momento em que o promotor e Mysheva deixaram a casa dela, no centro de Águas Belas, no carro dele
  • Em seguida, o carro se dirigiu à Fazenda Nova, onde o casal fez uma parada para Mysheva pegar convites do casamento, que estava prestes a acontecer
  • Após deixar a fazenda, Thiago e Mysheva voltaram à casa dela, onde Thiago parou o carro, desceu e entregou uma encomenda a algum familiar da noiva
  • Da casa da advogada, o casal foi ao escritório dela, no centro de Águas Belas. Lá, o tio de Mysheva, identificado como Adaltivo Martins, entrou no carro
Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Momento da abordagem ao carro do promotor. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

  • Após deixar Águas Belas, o carro seguiu para a PE-300, onde o veículo foi interceptado por um veículo com três homens
  • O homem que estava no banco traseiro apontou uma espingarda e fez o primeiro disparo. Thiago foi atingido no ombro e parou no acostamento
  • Depois de rodar alguns metros, o veículo com os suspeitos retornou e encostou no carro do promotor. O assassino fez mais três disparos e o trio foi embora
  • Quando o carro dos suspeitos retornava, Mysheva abriu a porta, pulou e se protegeu em uma vala. O tio desceu do carro de Thiago e fugiu pelo
  • acostamento
  • Ao ver que Thiago estava morto, Mysheva entrou em desespero e começou a gritar por socorro. Ela chorou bastante e tentou parar um carro para pedir ajuda.
  • Uma Hillux preta, onde estavam quatro pessoas, parou e um casal desceu para ajudar Mysheva. A advogada seguiu para o centro de Águas Belas

Suspeito de matar promotor não participou da reprodução simulada

O agricultor Edmacy Cruz Ubirajara, 47 anos, que chegou a passar 65 dias preso no Centro de Triagem (Cotel), no Grande Recife, como suspeito de matar o promotor, compareceu à Delegacia de Águas Belas na manhã dessa segunda-feira. Edmacy atendeu a uma intimação para se apresentar aos delegados que investigam o caso, no entanto, se negou a participar da reprodução simulada depois de ter sido informado que a encenação seria feita apenas com base no depoimento de Mysheva Martins.

Familiares de Edmacy acompanharam trabalhos junto aos policiais. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Familiares de Edmacy acompanharam trabalhos junto aos policiais. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

“Eu não posso participar da simulação de uma coisa que não presenciei. Sou inocente desse crime e vou provar isso, como já estamos conseguindo fazer”, afirmou o agricultor, que chegou à delegacia com três advogados e mais de dez parentes. Edmacy é cunhado do fazendeiro José Maria Pedro Rozendo, que, segundo a polícia, foi o mentor do assassinato do promotor Thiago Faria. Ele está com a prisão decretada pela Justiça, mas ainda não foi localizado pela polícia.

O Disque-Denúncia oferece recompensa de R$ 10 mil por informações que levem à prisão. Na manhã de ontem, os parentes e advogados de Edmacy e José Maria acompanharam a reconstituição da abordagem ao carro do promotor. Essa cena foi a mais demorada de toda a reprodução simulada. Para que todos os detalhes fossem analisados e fotografados com precisão, o trânsito na PE-300 precisou ser interditado nos dois sentidos por mais de uma hora.

Reconstituição do crime põe em dúvida depoimento da noiva do promotor

A reconstituição do assassinato do promotor de Itaíba, Thiago Faria Soares, realizada na manhã dessa segunda-feira, mostrou que a advogada Mysheva Martins, sua noiva, não teria condições de identificar com clareza a pessoa que atirou nele. A constatação de fontes do IC contradiz o depoimento de Mysheva à polícia no qual ela afirma ter reconhecido o agricultor Edmacy Cruz Ubirajara como o autor dos disparos.

A noiva de Thiago Faria participou ontem da simulação que refez o suposto caminho dela e do promotor, começando na cidade, passando pela fazenda e chegando à estrada, onde o Corsa dos bandidos emparelhou com o Hyundai da vítima e um dos criminosos disparou usando uma espingarda calibre 12. Mysheva se abaixou no momento dos tiros (PAULO PAIVA/DP/D.A.PRESS)

O assassinato ocorreu em 14 de outubro, na rodovia PE-300, em Águas Belas, Agreste do estado. A polícia trabalha com a hipótese de que o crime tenha sido motivado por disputa pelas terras da Fazenda Nova. O depoimento de Mysheva, que foi gravado pela polícia, chegou a motivar a prisão do suspeito, solto na semana passada por falta de provas. O laudo da simulação deve ficar pronto em até 30 dias. Já o inquérito ainda não tem data para ser concluído.

Segundo a perita do Instituto de Criminalística (IC) Vanja Coelho, que coordenou a reconstituição, durante mais de três horas peritos, auxiliares, fotógrafos e policiais civis refizeram os últimos passos de Thiago, Mysheva e do tio dela, Adaltivo Martins, que estaria de carona com o casal no dia do crime. “A reprodução simulada foi bastante frutífera e todos os resultados serão anexados ao inquérito policial num prazo entre 20 e 30 dias. Analisamos os ângulos de visão e refizemos tudo que as testemunhas disseram. Durante todo o tempo, Mysheva esteve bastante emocionada”, comentou Vanja.

 (PAULO PAIVA/DP/D.A.PRESS)

Outro elemento demonstrado na reconstituição é que o casal foi até a Fazenda Nova, onde Mysheva arrendou alguns hectares de terra, antes de seguir para Itaíba. Baseada apenas no depoimento da noiva do promotor e das testemunhas oculares da cena do crime, a reprodução simulada mostrou que havia três homens dentro do Corsa que interceptou o Hyundai do promotor na PE-300. A pessoa que efetuou os disparos estava sentada no banco traseiro do veículo, que não tinha placa dianteira.

 (PAULO PAIVA/DP/D.A.PRESS)

A delegada Josineide Confessor, que preside o inquérito juntamente com o delegado Alfredo Jorge, pouco falou sobre as investigações. “A reconstituição foi para esclarecer algumas dúvidas e confrontar com os depoimentos das testemunhas. Todas as diligências feitas até agora foram bastante proveitosas, no entanto, como o caso está sob segredo de Justiça, não podemos dar maiores detalhes”, ressaltou a delegada.

Reconstituição da morte do promotor de Itaíba acontece nesta segunda-feira

Dois meses e nove dias após a morte do promotor de Justiça de Itaíba Thiago Faria Soares, 36 anos, a Polícia Civil e o Instituto de Criminalística (IC) de Pernambuco irão realizar a reprodução simulada do momento do assassinato que segue em investigação, agora pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A reconstituição que será realizada na rodovia PE-300, na manhã desta segunda-feira, no horário aproximado ao do crime, vai ser fundamental, junto com os resultados dos laudos periciais, para a conclusão do inquérito policial.

Thiago Faria foi executado dentro do próprio carro. Foto: Anônimo

Thiago Faria foi executado dentro do próprio carro. Foto: Anônimo

Quatro delegados da PC e seis profissionais do IC, entre peritos, auxiliares e fotógrafo foram escalados para o trabalho. As investigações, que correm sob segredo de justiça, estão sendo conduzidas agora pelos delegados Josineide Confessor e Alfredo Jorge. No entanto, os delegados Salustiano Albuquerque e Rômulo Holanda, que iniciaram as investigações, deverão estar presentes para auxiliar nos trabalhos. A perita criminal Vanja Coelho estará à frente dos detalhes periciais. O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) está acompanhando as investigações. A única pessoa que estava presa como suspeito do crime, Edmacy Cruz Ubirajara, 47, foi solto na semana passada por falta de provas.

Thiago Faria foi morto a caminho do trabalho. Foto: Reprodução/Facebook

Promotor foi morto a caminho do trabalho ao lado da noiva. Foto: Reprodução/Facebook

Edmacy, assim como a advogada Mysheva Martins, 30, noiva do promotor assassinado, e o tio dela que estava no carro na hora do crime foram convocados a participar da reconstituição. Porém, os três têm o direito de se recusarem a fazer parte da reprodução simulada. Caso eles não queiram participar, a polícia já tem pessoas que possam substituí-los. O crime aconteceu numa manhã de segunda-feira, como a de hoje, quando a cidade recebe uma grande quantidade de pessoas por causa da feira livre que acontece em quase todas as ruas do município.