Projeto quer afastar de função pública investigado por violência contra a mulher

Da Agência Câmara

Proposta em análise na Câmara dos Deputados altera a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) para determinar o afastamento das funções públicas do agente que for alvo de investigação criminal por violência contra a mulher. O afastamento, que também se aplica a detentores de cargos eletivos, está previsto no Projeto de Lei 4955/16, da deputada Erika Kokay (PT-DF).

Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Foto: Blenda Souto Maior/DP/D.A Press

Pelo texto, o afastamento durará até a sentença definitiva, sem prejuízo de outras sanções penais e administrativas. Como medida alternativa, o juiz poderá determinar, após parecer do titular da entidade na qual o agente público estiver lotado, que ele seja transferido para outro setor até a sentença definitiva.

“A sociedade vê com acentuada reprovação a permanência do agente público no exercício de suas funções enquanto está sendo investigado por prática de agressão doméstica”, afirma Kokay. Em caso de absolvição, o agente público poderá retornar a sua função original. “Não se propõe punição antecipada, mas, sim, medida preventiva para garantir, em muitos casos, o sucesso da ação, ainda que seja pela absolvição”, completa.

Joana Bezerra: rotina de tensão para motoristas

Andar de carro à noite pelas ruas da Região Metropolitana do Recife (RMR) tem causado pânico em muita gente. E não é para menos. Os recorrentes casos de assaltos praticados em sinais de trânsito é apenas um dos motivos que assustam motoristas e passageiros. Cada vez mais, medidas de segurança estão sendo adotadas pela população para tentar escapar da violência. Ponto de ligação entre as zonas Oeste e Sul do Recife e que livra condutores de engarrafamentos, a Ponte Gregório Bezerra e toda a região do bairro de Joana Bezerra virou sinônimo de medo. Um lugar por onde poucos se arriscam em passar. Seja de dia ou à noite.

Ponte Gregório Bezerra é um dos pontos críticos. Foto: Roberto Ramos/DP

Ponte Gregório Bezerra é um dos pontos críticos. Foto: Roberto Ramos/DP

Na madrugada da última segunda-feira, o motorista Esron Messias de Santana Júnior, 36 anos, foi assassinado quando tentou fugir de um assalto nesse trecho. Ele estava com a esposa quando três homens queriam assaltá-los. Esron foi baleado na cabeça e capotou com carro. Sua esposa teve ferimentos leves. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) está investigando o crime. Até agora, um suspeito foi preso e os outros dois já estão identificados.

Quem precisa cruzar as vias que cortam a Ilha Joana Bezerra, na área central do Recife, não descuida da segurança. O medo é o principal companheiro de viagem das pessoas que precisam, por exemplo, chegar ao Fórum Rodolfo Aureliano, localizado entre os viadutos Capitão Temudo e Papa João Paulo II. A advogada Isabelle Menezes, 42 anos, vai ao fórum com frequencia, mas revela que toma cuidados no trajeto. “Sei que essa área é bastante complicada e insegura. Todas as vezes que venho ao fórum, evito passar pelos lugares mais esquisitos e não demoro para descer e entrar no carro. Faço tudo o mais rápido possível. Já presenciei cenas de roubos em cima do viaduto quando os carros estavam presos num engarrafamento”, contou a advogada.

A advogada Isabelle toma cuidados quando vai ao fórum. Fotos: Peu Ricardo/Esp/DP

A advogada Isabelle toma cuidados quando vai ao fórum. Fotos: Peu Ricardo/Esp/DP

A morte do motorista Esron Messias de Santana Júnior, na última segunda-feira, acendeu o alerta novamente para motoristas que trafegam na região. E o medo não se restringe à travessia da Ponte Gregório Bezerra. Após a publicação do crime nas redes sociais do Diario, centenas de leitores relataram casos que vivenciaram ou presenciaram em pontos da Ilha Joana Bezerra. O médico Carlos Esdras relatou que “nessa região, depois das 20h, nem polícia tem coragem de passar.” Já a leitora Fabyolla Tavares contou que foi vítima recentemente na mesma localidade. “Fui assaltada este mês, por volta do meio dia, nessa área. Os bandidos apontaram uma arma para mim e entreguei meu celular e minha aliança. De dia ou à noite, é melhor mudar o caminho, já que o policiamento não está mais presente”, relatou.

Ana Laura tem medo da insegurança em toda a Ilha Joana Bezerra

Maria Laura tem medo da insegurança em toda a Ilha Joana Bezerra

O motorista que opta por chegar à Zona Sul cortando caminho pela Ilha Joana Bezerra, para escapar do engarrafamento no bairro do Paissandu e do final da Avenida Agamenon Magalhães, precisa fazer um retorno em Joana Bezerra para ter acesso ao Viaduto Capitão Temudo. Também entram na rota do medo a Ponte Joaquim Cardoso, que liga o Coque à comunidade dos Coelhos e o pontilhão que leva motoristas em direção à Rua Imperial ou à Avenida Sul. “Toda essa região está muito perigosa. Os relatos de assaltos não param. Na semana passada, um colega meu foi assaltado quando havia acabado de descer do carro. Um rapaz simulando estar armado o abordou e levou os pertences dele”, declarou a advogada Maria Laura Sangerman, 23.

Harleyson Sobreira disse que passa pelo local à noite

Harleyson Sobreira disse que passa pelo local à noite

O advogado Harleyson Sobreira, 43, além de frequentar o Fórum Rodolfo Aureliano constantemente, contou que costuma cortar caminho para casa quando está voltando da Zona Sul. Apesar de nunca ter sido vítima ou presenciado nenhuma ação violenta, ele disse que passará a ter mais cuidado. “Já fiz esse percurso à noite várias vezes, inclusive com minha família. Meus amigos sempre dizem que eu não devo fazer isso, mas eu nunca havia ficado sabendo de algo grave nessa área. E nas vezes em que passei por aqui em horários da noite, esperava sempre outro carro ou um ônibus para não ser o único veículo trafegando”, explicou Harleyson.

Polícia Militar diz que tem policiamemto na localidade

Polícia Militar diz que tem policiamemto na localidade

Resposta
Diante das queixas de motoristas, que alegam falta de policiamento no local, a Polícia Militar disse que existem viaturas fazendo rondas 24 horas por dia na região da Ilha Joana Bezerra. De acordo com o capitão Diogo Racticliss, comandante da 2ª Companhia do 16º Batalhão, responsável pelo policiamento na localidade, blitze são realizadas com frequência nos pontos considerados críticos dentro da Ilha Joana Bezerra. “Temos recebido informações de assaltos na área, mas o policiamento está presente durante o dia e também nos horários da noite e madrugada. Além das viaturas do Gati e da Patrulha do Bairro, contamos com uma viatura de apoio com mais quatro policiais militares. Todos esses profissionais fazem abordagens nas proximidades da Ponte Gregório Bezerra e também na chamada curva do S, que leva os motoristas em direção ao bairro de Boa Viagem”, detalhou o capitão.

 

Central móvel de monitoramento nas prévias de Olinda

Por Thamires Oliveira

Para garantir a segurança nas prévias do carnaval de Olinda, 43 câmeras vão monitorar o movimento no Sítio Histórico. A prefeitura deu início, ontem, às operações da Central de Monitoramento Móvel. O ônibus, que ficará nas imediações do Palácio dos Governadores, conta com sete câmeras, cinco externas e duas internas, e será integrado a outros 20 equipamentos de filmagem. Além disso, a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco informou que reativará 16 câmeras disponíveis na área até o carnaval, tendo como ponto de apoio a Plataforma de Observação Elevada.

Ônibus ficará nas imediações da prefeitura. Foto: Anderson Freire/Esp.DP

Ônibus ficará nas imediações da prefeitura. Foto: Anderson Freire/Esp.DP

Durante as prévias do último fim de semana, arrastões, tiros e brigas foram filmados pelos moradores e foliões. As imagens viralizaram nas redes sociais e assustaram quem pretende brincar o carnaval em Olinda. Durante a tarde de ontem, a cúpula de segurança municipal discutiu estratégias de segurança e maneiras de coibir a violência, em conjunto com a Polícia Civil, Ministério Público de Pernambuco, Bombeiros, Polícia Militar, Poder Judiciário e Conselho Tutelar. “Como precaução, já estamos com o ônibus de monitoramento para levar tranquilidade a todas as pessoas que vêm à nossa cidade”, afirmou o prefeito Lupércio Nascimento.

Das sete câmeras da Central de Monitoramento, quatro ficam nas laterais e uma é giratória e elevada. No interior do ônibus, três guardas municipais farão o controle por quatro monitores. “Nossa central estará próxima dos locais onde normalmente tem ocorrido delitos. De posse das imagens, vamos transmitir ao pessoal da prefeitura e Polícia Militar para que haja intervenção imediata”, explicou o Coronel Pereira Neto, secretário de Segurança Urbana de Olinda. De acordo com o gestor, na última prévia havia dez guardas municipais nas ruas. Para os próximos dias, além do ônibus, duas viaturas e duas motos, o número de guardas será maior.

A central estará interligada, até o fim de semana, a outras 20 câmeras de monitoramento de serviços públicos de toda a cidade. “Vamos avaliar os equipamentos que têm menos uso e tranferi-las para cá”, destacou Lupércio.

A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco anunciou ainda a reativação de câmeras de segurança do Sítio Histórico ligadas à plataforma na Praça do Carmo. “Esse equipamento é um caminhão de alta tecnologia, com servidores de alta performance, que será instalado em Olinda. Nós traremos as imagens das 16 câmeras e teremos dois policiais militares trabalhando em regime de 24 horas”, explicou o major João Barros, coordenador do Centro Integrado de Comando e Controle da Secretaria de Defesa Social. Os pontos mais movimentados, como os Quatro Cantos e a área em frente ao Palácio dos Governadores, funcionarão já no próximo domingo. Até o carnaval, todas as 16 câmeras estarão ligadas.

Delegacias da mulher em cidades com mais de 60 mil habitantes

Da Agência Câmara

A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher aprovou o Projeto de Lei 5475/16, da deputada Gorete Pereira (PR-CE), que obriga os estados brasileiros a criar delegacias especializadas em crimes contra a mulher nos municípios com mais de 60 mil habitantes. O objetivo prioritário das delegacias será o atendimento de mulheres que tenham sido vítimas de qualquer tipo de abuso, físico ou moral.

Foto: Peu Ricardo Esp/DP

Mulhres são vítimas constantes de violência. Foto: Peu Ricardo Esp/DP

Segundo a proposta, os estados terão o prazo de cinco anos, contados da data de publicação da lei, para criar as delegacias, sob pena de não terem acesso aos recursos a eles destinados no Fundo Nacional de Segurança Pública. As despesas decorrentes da aplicação da medida correrão por conta de dotações próprias, consignadas no orçamento estadual.

Momento delicado
O parecer da relatora, deputada Soraya Santos (PMDB-RJ), foi favorável à proposta. Conforme a parlamentar, a medida permitirá que as mulheres vítimas de violência possam ser atendidas por equipes especializadas, “capazes de as acolher em um momento tão delicado de suas vidas”.

Mulheres devem procurar atendimento e fazer denúncia. Foto: Peu Ricardo/Esp.DP

Mulheres devem procurar atendimento e fazer denúncia. Foto: Peu Ricardo/Esp.DP

Na visão da relatora, quando a mulher vítima de violência é atendida por um agente ou por um delegado do sexo masculino, como costuma ocorrer hoje, ela muitas vezes se sente desamparada.

“Sabendo que será recebida de forma humana e sensível, em uma delegacia especializada para a apuração de crimes contra as mulheres, a vítima não se sentirá mais constrangida ao fazer o registro da ocorrência e, com isso, poderá ser iniciada, de imediato, a investigação criminal, com o objetivo de apurar o delito, buscando identificar e prender o autor ou autores do crime”, acrescentou. “Comprovam as estatísticas que, quanto mais próximo da ocorrência do evento criminoso for iniciada a investigação, maiores as chances de solução do crime”, disse Soraya Santos.

Reportagem do Diario é debatida em curso de formação de juízes federais

A reportagem especial (In)justiça -publicada pelo Diario em setembro de 2016 e que revelou o drama de pernambucanos presos sem culpa – foi tema de debate nesta terça-feira na Escola da Magistratura Federal. Autor da matéria, o repórter Wagner Oliveira, que também é editor deste blog, foi convidado para falar sobre a reportagem no Curso de Formação Inicial de Novos Juízes Federais da 5ª Região.

Juízes irão atuar no TRF da 5ª Região: Fotos: TRF/Divulgação

Juízes irão atuar no TRF da 5ª Região: Fotos: TRF/Divulgação

O tema do encontro foi erros judiciários. Também estiveram presentes uma das vítimas entrevistadas na reportagem e o advogado Afonso Bragança, que tem vasta experiência na defesa de casos onde inocentes foram presos injustamente. Os novos juízes ouviram o relato da comerciante Lúcia Silvania Bezerra, 38 anos, que ficou presa um ano, um mês e 17 dias acusada de um crime do qual não participou.

IMG_1641

Leia mais sobre o assunto em:

Injustiça: um mal comum na Justiça

Polícia Militar recebe novas armas e viaturas contra assaltos

Com o objetivo de combater os assaltos e explosões em agências bancárias e caixas eletrônicos na Região Metropolitana do Recife, o Batalhão de Polícia de Radiopatrulha recebeu, ontem, um reforço de 15 viaturas e novos armamentos letais e não letais. A estrutura possibilitará o retorno das atividades das Rondas Ostensivas Coronel Roberto Pessoa (Rocrop). A ação do grupo se iniciou após a cerimônia de entrega das chaves, que aconteceu no Batalhão, localizado no bairro da Boa Vista, na região central do Recife.

Veículos estão sendo utilizados pelo Batalhão de Radiopatrulha. Fotos: Peu Ricardo/Esp./DP

Veículos estão sendo utilizados pelo Batalhão de Radiopatrulha. Fotos: Peu Ricardo/Esp./DP

Os veículos são locados e, de acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS), custam R$ 40 mil por mês. A Rocrop vai contar com a atuação de 80 policiais em 10 Áreas Integradas de Segurança, além do auxílio de 20 unidades móveis, que vão atender aos chamados do Ciods para o enfrentamento de quadrilhas de roubos a bancos, além de sequestros. “Aqui na capital vamos contar com uma tropa de elite de pronto-emprego. Então devolvemos ao efetivo o número de policiais necessário com viatura e armamento adequado para esse tipo de trabalho”, explica o secretário de Defesa Social, Angelo Gioia.

Policiais Militares também receberam armamento novo

Policiais Militares também receberam armamento novo

A Radiopatrulha tinha o lançamento de viaturas reduzido e a Rocrop já estava desativada havia seis anos. Com a volta das Rondas Ostensivas, a Polícia Militar passa a ter dois carros por Área Integrada de Segurança equipadas com novos armamentos e com quatro policiais cada, representando maior capacidade de resposta às ocorrências. Para enfrentar o crime organizado, os agentes realizaram o Curso de Patrulhamento Tático Urbano de Alto Risco, da Força Nacional, e contam com armas letais, como carabinas 556, metralhadoras e fuzis, além de um kit tático operacional, contendo granadas, escudo balístico e capacete.

Kit tático operacional também foi distribuído

Kit tático operacional também foi distribuído

“Teremos maior capacidade de resposta, contando com mais viaturas por área, podendo agir desde um assalto a banco até homicídios. Vamos poder atuar, inclusive, com intervenções em presídios. Estamos com uma capacidade de armamento melhor e mais qualificados”, explica o comandante da Radiopatrulha, tenente-coronel Walter Benjamin.

Somente em 2016, a SDS registrou 101 ações com uso de explosivos em arrombamentos a caixas e cofres, sendo 68 consumados, de acordo com a Polícia Civil. Já para o Sindicato dos Bancários, o número desse tipo de ocorrência foi de 346 somente no ano passado. Ao todo 56 municípios pernambucanos foram afetados e apesar de o interior também ser alvo das quadrilhas, a Rocrop só vai atuar na capital.

“O que se enfrenta com essa tropa são ações de grande impacto, com emprego de armamento pesado, como explosões. No interior, além da ampliação do Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati), teremos um Batalhão Especial de Polícia, que retoma com uma tropa bem selecionada e estruturada, e teremos uma unidade instalada em Serra Talhada com emprego mais efetivo”, disse Gioia.

A previsão é de que em até 60 dias essa unidade do batalhão seja reestruturada e já esteja atuando.

Números

  • 80 policiais vão atuar em 10 Áreas Integradas
  • 20 unidades móveis darão auxílio ao trabalho
  • R$ 40 mil será o custo mensal do aluguel das novas viaturas
  • 101 ações com uso de explosivos para arrombamentos a caixas e cofres
  • 68 ações consumadas

Ambulantes da Agamenon serão cadastrados pela Polícia Militar

A Polícia Militar vai passar a recolher os dados de vendedores ambulantes que circulam pela Avenida Agamenon Magalhães, no Centro do Recife, para ajudar a identificar suspeitos de assaltos na região. Na noite da última terça-feira, um adolescente de 13 anos que se passava por vendedor de pipocas para assaltar foi apreendido. A partir de segunda-feira, os policiais vão consultar vendedores, solicitando nome, telefone, endereço e identidade. O objetivo é criar uma rede para facilitar o direcionamento das rondas.
Medida pretende reduzir assaltos na avenida. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP

Medida pretende reduzir assaltos na avenida. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP

A medida vai começar pelo 16º Batalhão da PM, responsável por Santo Antônio, São José, Bairro do Recife, Joana Bezerra, Coelhos, Ilha do Leite, Paissandu, Boa Vista, Soledade e Santo Amaro. Com o levantamento de possíveis antecedentes criminais será mais fácil investigar aqueles que  roubam fingindo ser comerciantes.

“Vamos começar com uma pesquisa de campo e contamos com a colaboração dos ambulantes que desejam fornecer seus dados. Além de facilitar nosso trabalho, essa medida vai dar mais segurança a eles e aos transeuntes. Aqueles que se aproveitam vendendo água ou pipoca para assaltar não são assíduos na região. Com a identificação dos que exercem atividade econômica fica muito mais fácil de montar uma dinâmica na ronda e direcionar nosso trabalho”, explica o capitão Diogo Racticliff.

Será criado um grupo no WhatsApp com os ambulantes cadastrados e a polícia para repassar informações e ocorrências. Segundo Racticliff, a população deve colaborar informando sobre assaltos, inclusive na Delegacia interativa, através do site www.servicos.sds.pe.gov.br/delegacia, ou pelo 190.

A assessoria da PM informou que o policiamento na avenida é feito por uma viatura que fica em frente à Fábrica Tacaruna. Três duplas de policiais com cães também fazem o policiamento no trecho até o Viaduto Capitão Temudo e um trio da Companhia Independente de Policiamento com Motos realiza rondas. Outros reforços são a Plataforma de Observação Elevada em frente ao Hospital Português e as rondas da

Patrulhas do Bairro.

Ladrões de prédios de luxo tinham lista de apartamentos para furtar

A Polícia Civil está tentando identificar os dois fugitivos comparsas de uma dupla de assaltantes que foi detida furtando objetos de um apartamento do Edifício Akrópolis, na Avenida Boa Viagem. O crime aconteceu no início da tarde da quarta-feira. Segundo o delegado Carlos Couto, que investiga o caso, a quadrilha veio de São Paulo com uma lista de apartamentos para invadir e praticar furtos no Recife.

Edifício Akrópolis foi invadido na quarta-feira. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Edifício Akrópolis foi invadido na quarta-feira. Foto: Ricardo Fernandes/DP

“Esses suspeitos usavam informações de bancos de dados da internet e imagens do Google Street View para escolher seus alvos”, explicou Couto. Ainda segundo a polícia, o grupo é especializado em ações em prédios de luxo e pode ter praticado outros dois furtos no Recife recentemente.

“Até agora, sabemos que quatro pessoas participaram do crime em Boa Viagem e estamos trabalhando na identificação dos dois que conseguiram escapar. A quadrilha costumava agir em outros estados do Brasil. Como em São Paulo esse tipo de crime já está ‘batido’, eles começaram a atuar em outros locais. Dois deles têm passagem pela polícia em Belo Horizonte e Rio de Janeiro, onde chegaram a ser presos”, ressaltou o delegado. Ainda de acordo com o Couto, o grupo estava no Recife desde o dia 12.

Há cerca de uma semana, eles monitoravam o Akrópolis. “Da orla eles acompanhavam as luzes do edifício para saber a rotina dos moradores. Aqueles que passavam dias sem ter as luzes acesas indicavam que não havia moradores. O grupo ainda telefonava várias vezes para os apartamentos. Eles descobriam que a moradora do Akrópolis estava viajando”, contou.

Para conseguir entrar no edifício considerado de luxo, os suspeitos se passaram por sobrinhos da moradora. Um dia antes, uma mulher, também integrante do grupo, telefonou para o prédio informando que dois sobrinhos dela estariam em seu apartamento. O porteiro do edifício acompanhou os passos dos dois rapazes e percebeu que estavam furtando o imóvel. Eles foram detidos por funcionários do edifício, que acionaram a polícia.

Com a dupla foram encontradas duas chaves de fenda e uma bolsa contendo todo o material furtado do apartamento. Na bolsa, estavam 22 relógios e várias joias. “Essa quadrilha tem foco também em apartamentos onde moram pessoas orientais”, destacou o delegado.

TJPE nega pedido de suspensão da reunião que aprovou aumento das passagens

O desembargador Itabira de Brito do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) negou nesta quarta-feira o pedido feito pelo conselheiro Márcio Morais, através de liminar, que pedia a suspensão da reunião do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), realizada na última sexta-feira. Durante essa reunião, foi aprovado o aumento de 14% no valor das passagens de ônibus da Região Metropolitana do Recife (RMR).

Segundo o magistrado, “o que se entende dos autos é que, até prova em contrário, a reunião foi revestida de legalidade e tinha quorum suficiente para as deliberações”. Sendo assim, o desembargador não viu presentes os pressupostos necessários para a concessão da liminar. “Nego o pedido de liminar mandamental, mantendo íntegra, neste momento, a reunião e seus efeitos ora atacados.”
Alguns coletivos irão circular sem cobradores. Foto: Nando Chiappetta/DP

Aumento das tarifas continua valendo. Foto: Nando Chiappetta/DP

Márcio representa os estudantes no CSTM e não conseguiu participar da reunião que aconteceu na sede da Secretaria das Cidades, no prédio do Detran, no bairro da Iputinga, e foi marcada por polêmicas e protestos. O desembargador Itabira de Brito alegou falta de provas robustas para o indeferimento da liminar.

Na última sexta-feira Márcio falou com o Diario após a aprovação do aumento. Ele contou que chegou dentro da sala às 8h05, mas a votação já havia ocorrido. “Fui impedido pelo capitão na entrada, que chegou a me ameaçar de prisão, e depois pelo vigilante. Não quero crer que foi uma atitude orquestrada”, afirmou.

Márcio chegou a pedir vistas, negado pelo presidente do conselho, o secretário das Cidades, Francisco Papaléo. Os representantes do movimento denunciaram ainda a existência de pelo menos cinco pessoas, não integrantes do conselho, dentro da reunião.

Polícia Civil investiga dois casos de estupros na Ponte do Derby

O delegado João Gustavo Godoy, titular da Delegacia do Cordeiro, vai investigar dois estupros ocorridos embaixo da Ponte do Derby, no bairro de mesmo nome, neste mês. Além de uma adolescente de 16 anos, que sofreu abuso sexual no último dia 5, uma mulher de 24 anos também foi abordada e abusada sexualmente no dia 10 deste mês. As duas vítimas foram abordadas aproximadamente no mesmo horário, por volta das 22h30. Informações extra-oficiais indicam que o suspeito dos dois crimes seja o mesmo. Os abusos aconteceram nas proximidades do Quartel da Polícia Militar.

Vítimas foram abusadas embaixo da ponte. Foto: Nando Chiappetta /DP

Vítimas foram abusadas embaixo da ponte. Foto: Nando Chiappetta /DP

Segundo o delegado João Gustavo Godoy, na manhã desta terça-feira, a adolescente de 16 anos e sua mãe estiveram na delegacia. “A adolescente estava muito nervosa e quem conversou comigo foi a mãe dela. Elas estiveram na delegacia para saber se tínhamos alguma informação que pudesse chegar ao suspeito. Ainda não recebi o Boletim de Ocorrência que foi aberto na DPCA”, ressaltou Godoy, acrescentando que também teria tomado conhecimento do estupro contra a mulher de 24 anos.

Em seu depoimento à polícia, a vítima mais velha contou que foi levada para debaixo da ponte pelo suspeito que teria insinuado estar armado. A mulher contou que o suspeito dizia ser adolescente e que já teria sido apreendido outras duas vezes por estupro e uma por furto. Além disso, a vítima contou que o suspeito afirmou ter sido liberado da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) recentemente.