Justiça decide que acusado de matar Mirella Sena vai a júri popular

O comerciante Edvan Luiz da Silva, 32 anos, será levado a júri popular pela acusação do assassinato da fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo. Embora ainda sem data marcada, o julgamento foi decidido pelo juiz da 3ª Vara do Júri da Capital, Odilon de Alencar Luz. Edvan foi ouvido na segunda audiência de instrução e julgamento realizada no dia 20 de setembro. O comerciante negou ter matado Tássia Mirella. O crime aconteceu em abril deste ano, em um flat no bairro de Boa Viagem. Parentes e amigos de Mirella pedem que o acusado seja condenado pelo crime. Edvan era vizinho da vítima.

Edvan foi preso no mesmo dia da morte de Mirella. Foto: Marlon Diego/Esp.DP

A fisioterapeuta foi encontrada morta na manhã do dia 5 de abril, na sala do flat onde morava, no 12º andar do edifício Golden Shopping Home Service, na Rua Ribeiro de Brito, em Boa Viagem. Vizinhos disseram que, por volta das 7h, ouviram vários gritos e acionaram o funcionário do prédio, que chamou a polícia. O corpo da vítima foi encontrado na sala do imóvel sem roupas e com ferimento à faca no pescoço, além de cortes nas mãos. O apartamento 1206 estava revirado, e os peritos encontraram manchas de sangue na porta do 1208, onde Edvan Luiz morava com a esposa. Os policiais bateram, mas como ele não respondeu a porta foi aberta por um chaveiro.

Mirella tinha 28 anos e foi morta dentro de casa. Foto: Reprodução/Facebook

Edvan está preso desde o dia do assassinato. O júri popular deverá ser realizado no Fórum Thomaz de Aquino, onde também aconteceram as duas audiências de instrução. O destino do réu será decidido por sete jurados, que serão escolhidos no dia do júri popular. O comerciante foi indiciado pela Polícia Civil e de denunciado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) por estupro e homicídio quadruplamente qualificado, entre as qualificadoras está o feminicídio. Ele segue detido no Presídio de Igarassu.

Segunda audiência do caso Mirella Sena acontece nesta quarta-feira

Está marcada para esta quarta-feira (20) a segunda audiência de instrução e julgamento do comerciante Edvan Luiz da Silva, 32 anos, acusado de matar a fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo, em abril deste ano, em um flat no bairro de Boa Viagem. A audiência será realizada no Fórum Thomaz de Aquino, no bairro de Santo Antônio, área central do Recife. Parentes e amigos de Mirella estarão no local fazendo novo protesto. A expectativa é de que Edvan seja ouvido pela Justiça nesta quarta-feira, o que não aconteceu na primeira audiência realizada no dia 21 de junho.

Expectativa é de que Edvan seja ouvido. Foto: Marlon Diego/Esp.DP

A mãe de Mirella, Suely Cordeiro, 58, disse que os familiares e amigos estarão na frente do fórum vestindo camisas com a foto de Mirella e também com cartazes pedindo justiça para o crime que chocou o estado. “Vamos fazer um ato pacífico, mas pedindo justiça. Meu marido pretende acompanhar a audiência, mas ainda não sabemos se isso vai ser possível. Eu prefiro ficar do lado de fora do fórum”, declarou dona Suely. No início deste mês, o governador Paulo Câmara assinou um decreto que substituiu a aplicação da motivação de crime passional para feminicídio nos boletins de ocorrência de mortes de mulheres pela condição da vítima ser mulher.

Familiares de Mirella Sena participaram da solenidade. Foto: Wagner Oliveira/DP

A fisioterapeuta Mirella Sena foi encontrada morta na manhã do dia 5 de abril, na sala do flat onde morava, no 12º andar do edifício Golden Shopping Home Service, na Rua Ribeiro de Brito, em Boa Viagem. Vizinhos disseram que, por volta das 7h, ouviram vários gritos e acionaram o funcionário do prédio, que chamou a polícia. O corpo da vítima foi encontrado na sala do imóvel sem roupas e com ferimento à faca no pescoço, além de cortes nas mãos. O apartamento 1206 estava revirado, e os peritos encontraram manchas de sangue na porta do 1208, onde Edvan Luiz morava com a esposa. Os policiais bateram, mas como o morador não respondia, a porta foi aberta com ajuda de um chaveiro.

Polícia acaba com o Big Brother na comunidade Entra Apulso

Uma comunidade vigiada pelo crime. Pelo menos 11 câmeras de monitoramento foram retiradas pela Polícia Militar de postes de iluminação pública e fachadas de imóveis da comunidade Entra Apulso, em Boa Viagem, na manhã desta segunda-feira. A polícia acredita que os equipamentos foram instalados por traficantes para monitorar a aproximação dos investigadores ou até mesmo de grupos rivais. Com a ajuda de escadas, policiais militares do 19º Batalhão, responsável pelo policiamento na Zona Sul, arrancaram as câmeras que podiam ser vista por todos que transitavam na localidade.

A central de monitoramento, no entanto, não foi encontrada pela polícia. A ação da PM na área aconteceu poucas horas após dois homens terem sido carbonizados dentro de um carro. A polícia afirma que o crime foi motivado pela disputa do comando do tráfico de drogas na Zona Sul do Recife.

Câmeras de monitoramento foram retiradas pela polícia. Foto: Wagner Oliveira/DP

Além de retirar as câmeras de segurança, os PMs realizaram algumas abordagens em moradores e pessoas que passavam nas imediações da Entra Apulso. Os corpos dos dois homens que estavam dentro de um veículo Ágile ainda não foram identificados oficialmente. O outro carro usado da ação criminosa foi um Honda Civic.

O Diretor Integrado das Especializadas da Polícia Civil, delegado Luiz Andrey, informou que o duplo assassinato está sendo investigado pela 3ª Delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) em conjunto com o Departamento de Repressão ao Nacotráfico (Denarc), o Departamento de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Depatri) e a Delegacia de Boa Viagem. “As investigações foram iniciadas ainda na noite do domingo e daremos uma resposta proporcional à ousadia desses criminosos”, declarou Luiz Andrey.

Para confirmar a identidade das vítimas, a polícia disse que será preciso encontrar uma prova técnica, o que será possível com a realização de uma perícia papiloscópica ou exame de DNA. “Precisamos identificar com exatidão e, a partir daí, dizer se eles estavam envolvidos com o tráfico. As vítimas possivelmente estariam mortas ou quase mortas e naquele local teriam sido carbonizadas”, pontou o Diretor Integrado das Especializadas.

Quanto aos quatro suspeitos de terem praticado o crime em Boa Viagem, o delegado disse que já tem os indicativos de quem são, mas que ainda não pode informar maiores detalhes. “A motivação preliminar é a briga territoral pelo tráfico de drogas entre a comunidade Entra Apulso e outra comunidade localizada próxima. Todas as imagens de câmeras de segurança da localidade estão sendo analisadas”, completou.

Caso Mirella: audiência de instrução marcada para esta quarta-feira

Está marcada para esta quarta-feira (21) a primeira audiência de instrução e julgamento do comerciante Edvan Luiz da Silva, 32 anos. Ele é acusado de assassinar a vizinha, a fisioterapeuta Tássia Mirella de Sena Araújo. A audiência acontecerá na 3ª Vara do Tribunal de Júri da Capital, no Fórum Thomaz de Aquino. Além do crime de Mirella, Edvan passou a ser suspeito da morte de uma mulher assassinada no ano de 2013, no bairro do Cabanga. Ele e outros dois homens são investigados pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de Pernambuco.

Edvan segue preso pela morte de Mirella. Foto: Marlon Diego/Esp.DP

Crime
A fisioterapeuta Tássia Mirella de Sena Araújo, 28 anos, foi encontrada morta na manhã do dia 5 de abril, na sala do flat onde morava, no 12º andar do edifício Golden Shopping Home Service, na Rua Ribeiro de Brito, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Vizinhos disseram que, por volta das 7h, ouviram gritos e acionaram o funcionário do prédio, que chamou a polícia.

Mirella tinha 28 anos e foi morta dentro de casa. Foto: Reprodução/Facebook

O corpo da vítima foi encontrado na sala do imóvel sem roupas e com ferimento à faca no pescoço, além de cortes nas mãos. O apartamento 1206 estava revirado, e os peritos encontraram manchas de sangue na porta do 1208, onde Edvan Luiz morava com a esposa. Os policiais bateram, mas como o morador não respondia, a porta foi aberta com ajuda de um chaveiro.

Em depoimento à polícia após ser detido, Edvan entrou em contradição. Dias depois, exames de DNA confirmaram a presença de fios de cabelo dele nas mãos de Mirella. Pele do réu foi localizada sob as unhas da vítima. O exame também apontou a presença de sangue de Mirella no apartamento de Edvan.

Policial civil e marido são indiciados por cobrança de propina

A Polícia Civil indiciou por corrupção passiva uma agente lotada na Delegacia de Repressão ao Roubo e Furto de Veículos e o marido dela, que é motorista da Uber. O inquérito, concluído na última sexta-feira, já foi encaminhado à Justiça. O caso também está sendo acompanhado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS). De acordo com a investigação, a policial civil e o marido cobraram R$ 1 mil de propina para informar ao proprietário de um carro que havia sido roubado a sua localização.

Inquérito foi apurado pela Delegacia de Boa Viagem. Foto: Bruna Monteiro/DP

Inquérito foi apurado pela Delegacia de Boa Viagem. Foto: Bruna Monteiro/DP

O marido da agente encontrou um veículo abandonado, anotou a placa e verificou que o mesmo havia sido roubado. Depois disso, a policial obteve os dados do proprietário e repassou para o marido. A partir disso, o casal pediu dinheiro para dizer onde o veículo estava e marcou um encontro com o dono, no último dia 7 de fevereiro, no bairro de Boa Viagem. Após negociações, o valor acertado para indicar a localização do carro caiu para R$ 500.

A vítima do roubo, no entanto, acionou a Polícia Militar, que o acompanhou no dia do encontro. O carro havia sido roubado no dia 2 de fevereiro, também em Boa Viagem. Marido e mulher foram detidos no momento em que a vítima chegou com a PM. Na ocasião, a agente da Polícia Civil teria confessado que repassou os dados do proprietário do carro para o marido, informação somente obtida por policiais.

O caso foi encaminhado para a Central de Plantões, mas apenas o marido da policial foi atuado em flagrante. Ao ser apresentado em audiência de custódia, o homem acabou liberado. Agora, o casal vai responder pelo crime em liberdade. Já a policial ainda vai responder a um Processo Administrativo Disciplinar na Corregedoria.

Pacto pela Vida será “enterrado” na Praia de Boa Viagem

Para protestar contra o aumento de assaltos, arrombamentos, explosões bancárias e as condições de trabalho para policiais e bombeiros militares de Pernambuco, a Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados (ACS/PE) realizará nesta quarta-feira (18), às 14h, na Praia de Boa Viagem, o “sepultamento” do Programa de Segurança Pública, Pacto Pela Vida. “Todos os dias assistimos aos índices de violência aumentar em Pernambuco, o que é inadmissível”, disse Albérisson Carlos, Presidente da ACS-PE.

Policiais civis já fizeram protesto semelhante. Foto: Teresa Maia/DP

Policiais civis já fizeram protesto semelhante. Foto: Teresa Maia/DP

“Tudo isso passa pelo despreparo e desrespeito das autoridades para com os policiais e bombeiros Militares de Pernambuco – nossas condições de trabalho são precárias, e não há valorização profissional. Os Policiais merecem respeito e melhores estruturas para poderem desempenhar seus serviços de forma digna e honrada”, completou Albérisson.

Segundo a ACS-PE, o “enterro” do Pacto Pela Vida será realizado na Praia de Boa Viagem, onde serão colocadas, na areia, mais de 700 cruzes simbolizando as vítimas da violência em Pernambuco, incluindo policiais e bombeiros militares mortos nos últimos meses. A concentrarção será em frente ao Hotel Internacional Palace.

Turista cearense baleada na Praia de Boa Viagem tem alta do HR

Já está na casa de familiares no Recife a turista cearense Maria Clara Souza Damaceno, 22 anos. Ela foi baleada de raspão no rosto, por volta das 10h desta segunda-feira, quando estava na praia de Boa Viagem, na Zona Sul, com mais duas amigas. As três jovens estavam sentadas em cadeiras na beira-mar, nas imediações do 2º Jardim, quando um homem se aproximou das vítimas e pediu os seus telefones celulares.

Crime aconteceu na Praia de Boa Viagem. Foto: Alcione Ferreira/DP/Arquivo

Crime aconteceu na Praia de Boa Viagem. Foto: Alcione Ferreira/DP/Arquivo

De acordo com parentes de Maria Clara, a estudante teria se assustado com o anúncio do assalto e corrido em direção à Avenida Boa Viagem. Foi nesse momento que o criminoso, que havia chegado à praia de bicicleta, correu atrás da vítima. Ele conseguiu pegar o celular da vítima e ainda efetuou o disparo que a atingiu de raspão no queixo. A vítima foi levada pelas amigas para o Hospital da Restauração (HR), no Derby, onde recebeu atendimento e foi liberada no início desta tarde.

A Polícia Civil já está investigando o caso. Uma equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) esteve no local e no hospital para colher as primeiras informações. Maria Clara Souza é moradora do Crato, no Ceará, mas está de férias no Recife. A jovem voltaria para casa no próximo sábado, mas, devido ao ocorrido, pode antecipar o retorno.

Jovem de 22 anos é baleada no rosto no bairro de Boa Viagem

A Polícia Civil está investigando uma possível tentativa de assalto ocorrida na manhã desta segunda-feira. Uma jovem identificada como Clara Souza Damaceno, 22 anos, moradora do Crato, no Ceará, teria sido baleada por criminosos na Avenida Boa Viagem. As primeiras informações indicam que a vítima foi atingida no rosto. Clara foi socorrida e levada para o Hospital da Restauração (HR), no Derby.

Vítima está internada no Hospital da Restauração. Foto: Wagner Oliveira/DP

Vítima está internada no Hospital da Restauração. Foto: Wagner Oliveira/DP

Até o momento a Polícia Militar não tem informações sobre o caso, mas uma equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) está iniciando as investigações. Informações preliminares dão conta de que o crime aconteceu nas imediações do Segundo Jardim da Avenida Boa Viagem.

Tela de apartamento de onde menino caiu em Boa Viagem estava estragada

A perícia do Instituto de Criminalística (IC) concluiu que a tela de proteção do apartamento de onde uma criança de seis anos caiu do 21º andar, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, e morreu no dia 30 de maio deste ano estava estragada. O menino Matteo Melaragni, estava em casa com a mãe e o irmão de dois anos quando aconteceu o acidente. O laudo pericial já foi encaminhado para a Delegacia de Boa Viagem, onde o caso está sendo investigado. O documento era fundamental para o delegado Carlos Couto concluir o inquérito.

Morte aconteceu no Edifício Sun Pak. Foto: Rafael Martins/ Esp. DP

Morte aconteceu no Edifício Sun Pak, em Boa Viagem. Foto: Rafael Martins/ Esp. DP

A tela de proteção do quarto do edifício Sun Park, do condomínio Evolution Park Shopping, cedeu mas estava intacta e sem cortes. A partir de agora, a Polícia Civil poderá dizer quem será responsabilizado pela morte da criança. O inquérito pode indiciar por homicídio culposo o responsável pela instalação da tela de proteção ou ainda o fabricante do produto.

A família de Matteo morava há dois anos no apartamento localizado na Rua Padre Carapuceiro. A queda aconteceu por volta das 15h do dia 30 de maio e corpo do menino foi encontrado entre as palmeiras no gramado do prédio. O pai do menino é funcionário do grupo Fiat Chrysler Automobiles e veio ao Brasil para implantar a fábrica de Goiana, Mata Norte do estado. A família retornou à Itália, onde o corpo da criança foi sepultado.

Polícia fará reconstituição da morte de menino que caiu de prédio

Polícia Civil deverá fazer, nos próximos dias, uma reprodução simulada para entender como aconteceu a queda que resultou na morte de uma criança de seis anos que caiu do 21º andar de um prédio em Boa Viagem, na Zona Sul, do Recife, na tarde de ontem. Já na tarde desta terça-feira, os pais de Matteo Melaragni, 6 anos, um casal de italianos, vai prestar depoimento na Delegacia de Boa Viagem.

Delegado Carlos Couto falou hoje sobre o caso. Foto: Wagner Oliveira/DP

Delegado Carlos Couto falou hoje sobre o caso. Foto: Wagner Oliveira/DP

A tela de proteção do quarto de onde caiu o estudante do edifício Sun Park, do condomínio Evolution Park Shopping, em Boa Viagem cedeu, mas estava intacta e sem cortes. Além disso, o delegado responsável pelo caso, Carlos Couto, afirmou que irá solicitar uma perícia complementar para apontar a causa do acidente e as condições da rede de proteção. Informações preliminares revelam que uma das partes da rede não estaria encaixada num gancho.

Morte aconteceu no Edifício Sun Pak. Foto: Rafael Martins/ Esp. DP

Morte aconteceu no Edifício Sun Pak. Foto: Rafael Martins/ Esp. DP

No entanto, para a Polícia Civil, a hipótese de acidente é a mais provável para a morte do menino. Só o resultado da perícia feita pelo Instituto de Criminalística (IC) no local, porém, confirmará se os ganchos da rede de proteção apresentavam falhas.

“Eventualmente foi uma falha na rede de proteção instalada no quarto onde o menino estava. A mãe estava em casa, juntamente com o outro filho pequeno. Ela teria colocado Matteo para dormir e foi para a cozinha quando foi surpreendida por uma ligação do porteiro, que interfonou avisando que o menino estava lá embaixo. Posso dizer que a tela do cômodo estava intacta. Boatos que circularam no Whatsapp afirmavam que a tela estava cortada, mas essa informação não procede. ”, disse o delegado.

A família de Matteo morava há dois anos no apartamento 2104 da torre Sun Park do condomínio localizado na Rua Padre Carapuceiro. A queda aconteceu por volta das 15h de ontem. O corpo do menino foi encontrado entre palmeiras no gramado do prédio. “Uma equipe do Samu esteve aqui e médicos do Shopping Recife também vieram e tentaram reanimar o menino, mas ele já estava sem vida”, disse uma testemunha que não quis ser identificada.

A mãe dele, a italiana Roberta Valente, estaria em casa. O irmão mais novo, de 4 anos, também estaria no apartamento. A provável última foto de Matteo foi postada no Facebook pela mãe às 8h42 de ontem. Na imagem, o menino aparece sentado em um sofá, ao lado do irmão mais novo e de um boneco do herói Homem de Ferro. Na legenda, a mãe escreveu “Que vida!” em italiano.

Moradores do condomínio contaram que a notícia da queda do menino foi dada aos pais pelo porteiro do prédio. “Um dos moradores viu que ele tinha caído e comunicou ao porteiro, que interfonou para o apartamento”, contou a empresária Julianne Luna, 29. Outro morador, que não quis se identificar, disse que o pai de Matteo, Marco Melaragni, chegou ao condomínio de moto. “Nunca vi uma pessoa descer tão rápido de uma moto. Ela ainda estava em movimento quando ele se jogou dela e começou a gritar. Os gritos e o choro duraram uns dois minutos”, relatou.

O pai do menino é funcionário do grupo Fiat Chrysler Automobiles e veio ao Brasil para implantar a fábrica de Goiana, Mata Norte do estado. A família retornaria à Itália em julho. Enquanto a equipe policial estava no prédio, Marco desmaiou duas vezes. A mãe não teve condições de prestar depoimento e foi amparada por amigos italianos que também vivem no condomínio.