Delma Freire não é louca, segundo novo exame

 

Dois anos e cinco meses já se passaram e os acusados pela morte da turista alemã Jennifer Kloker ainda não foram julgados. A demora estava na análise da sanidade mental da sogra da vítima, Delma Freire, que foi presa e apontada como mentora do crime pelos demais acusados. No entanto, desde o dia da sua prisão, ela e seus advogados tentam provar que Delma tem problemas mentais. Na Itália, onde morava antes de vir com a família para o Brasil e tramar o crime, recebia inclusive pensão como louca. De acordo com a filha, Roberta Freire, tudo tramado pela própria mãe. Pois bem. Delma tentou fazer seu jogo de cena no Recife e acabou se dando muito mal. Depois de dois exames, os resultados apontaram que ela não tem nunhum problema mental e que pode sim ser julgada pelo crime.

O Ministério Público de Pernambuco já acatou o resultado do novo exame psicológico que comprovou, mais uma vez, que ela não apresenta nenhuma doença mental. O laudo, baseado no teste dos borrões do Rorschach, apontou Delma como uma pessoa de “personalidade estruturada, mas que age de maneira egocêntrica, na busca da satisfação das próprias necessidades”. Os advogados dela solicitaram à Justiça mais detalhes sobre o exame e podem pedir a sua anulação. A data do júri popular que vai levar a acusada, o marido, Ferdinando Tonelli, e o filho, Pablo Tonelli, e o acusado de ter atirado, Alessandro Neves dos Santos ao banco dos réus ainda não foi marcada.

 

Sogra da turista alemã foi apontada como mentora do crime e advogados tentam provar que ela é doente mental (TERESA MAIA/DP/D.A PRESS)
Sogra da turista alemã foi apontada como mentora do crime e advogados tentam provar que ela é doente mental 

 

“A atitude da defesa de solicitar exames mentais para Delma foi meramente protelatória. Uma arma para adiar o julgamento. Os exames comprovaram que não há alteração de temperamento na acusada. Agora não há mais motivos para o júri não acontecer”, disse o promotor André Rabelo. Os advogados da sogra da turista alemã, Washington Barros e José Carlos Penha, afirmam ter interpretado o resultado do laudo de outra forma. “Os testes apontam que Delma não é normal. Ela tem traços de loucura. Solicitamos à Justiça detalhes de como o laudo foi elaborado, pois ele não é conclusivo”, disparou Barros.
Um seguro de vida avaliado em R$ 1,2 milhão motivou um roteiro que resultou na execução de Jennifer Kloker, em 17 de fevereiro de 2010. A princípio seria um sequestro ocorrido após um assalto, às margens da BR-408, em São Lourenço da Mata. A versão sustentada até então pelos Tonelli e por Delma era a de que dois motoqueiros teriam abordado o grupo e levado apenas a vítima. Após ouvir testemunhas e receber informações do GPS do carro usado pela família, a polícia começou a desvendar o crime.
Com informações do Diario de Pernambuco.

Os comentários estão fechados.