Militares envolvidos na Operação Torrentes serão afastados das funções, diz governador

Em entrevista na manhã desta segunda-feira, durante a aula inaugural do Curso de Formação e Habilitação de Praças Bombeiro Militar, o governador Paulo Câmara afirmou que os servidores públicos envolvidos na Operação Torrentes serão afastados dos cargos. Policiais militares de altas patentes foram citados pela Polícia Federal. A Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) abriu sindicância para investigar a conduta dos servidores. “Designações serão feitas no dia hoje para suprir servidores que não possam estar trabalhando. Suspeição precisa ser investigada e suspeição precisa que as pessoas tenham a consciência de que elas vão ter que ficar fora das tarefas que tenham relação com as investigações”, destacou o governador.

Governador falou sobre a operação nesta segunda-feira. Foto: Hélia Scheppa/SEI

A Polícia Federal (PF) deflagrou, na última quinta-feira, a Operação Torrentes, cujo objetivo é apurar a suposta prática de esquema criminoso no desvio de verbas públicas, fraudes em licitações e corrupção de servidores da Casa Militar de Pernambuco. Os desvios são relacionados a contratos firmados para a aquisição de bens materiais que seriam destinados às vítimas das enchentes ocorridas na Mata Sul do estado nos anos de 2010 e 2017.

A investigação foi iniciada em 2016, por meio de uma parceria com a Controladoria Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF), e apontou que os funcionários destinavam a grupos empresariais, em troca de contrapartidas financeiras, os contratos para a aquisição de materiais, como lonas, colchões, banheiros químicos, comida e água mineral. Também estão sendo verificados indícios de superfaturamento e de não execução de contratos.

Os comentários estão fechados.