O racha na Polícia Civil

 

Desde o dia 14 de março, quando a cúpula da segurança pública do estado resolveu montar a Operação Corsário, que prendeu o delegado Tiago Cardoso, um comissário, um escrivão e dois agentes que faziam parte da sua equipe na Delagacia de Combate à Pirataria e eram suspeitos de participarem de um esquema criminoso, o clima não anda muito bom entre chefes e subordinados. Ainda nas primeiras horas da operação, a imprensa tomou conhecimento do trabalho da polícia e precisava noticiar o que estava acontecendo. Então, as primeiras informações sobre o grupo que foi preso e levado para o Grupo de Operações Especiais (GOE) começaram a ser divulgadas. No dia seguinte, a cúpula da Defesa Social convocou uma entrevista coletiva para revelar os nomes e mostrar as fotos de todos os policiais presos, o que causou revolta em muitos policiais. Não que eles estivessem querendo defender os presos, mas que a exposição do grupo fosse evitada. Nessa hora, o corporativismo dos colegas não comoveu a chefia.

 

Esquema funcionava na Delegacia Anti-pirataria

 

Os cinco suspeitos foram todos levados para o Centro de Triagem, o Cotel, em Abreu e Lima, para onde já mandaram tantos presos e estão lá até agora. O que muitos delegados e agentes têm dito é que esse grupo preso foi escolhido como bode expiatório pelo primeiro escalão para que servisse de exemplo aos demais policiais. “Eles (chefes) não precisavam ter feito o que fizeram. Os policiais erraram e devem pagar pelo erro, mas não precisavam ter exposto o caso desse jeito”, disse um delegado. O que se vê agora é um clima de mal estar e desconfiança entre chefes e subordinados. As investigações que duraram um ano descobriram um esquema de cobrança de propina por parte dos policiais presos para liberar material apreendido em operações ou deixar de recolher mercadorias pirateadas no Grande Recife e ainda não encaminhar inquéritos para a Justiça.

One thought on “O racha na Polícia Civil

  1. A maior palhaçada já vista na PC. Delegados que investigavam o caso têm ação civil pública por improbidade e ainda pedem prisão de colegas. Já analisaram isso???