Polícia quer saber origem das granadas encontradas no Centro

A Polícia Civil de Pernambuco está investigando a origem de duas granadas das Forças Armadas, sendo uma de gás lacrimogêneo e outra de luz e som, que foram encontradas nas mãos de uma mulher de 22 anos, no Centro do Recife. O material, usado para conter tumultos e deter suspeitos, pode ter sido desviado ou furtado de algum batalhão da Polícia Militar ou do Exército. Apesar de não ser letal, o gás pode provocar irritações na pele, mal-estar e até desmaios. Ao ser detida após a polícia receber uma ligação anônima, a suspeita Ana Flávia Gomes da Silva informou que a granada seria entregue para uma pessoa desconhecida. Ela também disse que não sabia dizer para qual finalidade o material seria usado.

Presa com duas granadas

Foto: Polícia/Divulgação

O delegado titular de Repressão ao Roubo e Furto, Mauro Cabral, afirmou que já solicitou um rastreamento do material apreendido para identificar de onde ele veio e consequentemente punir os responsáveis. “Está previsto no Estatuto do Desarmamento que essas armas de efeito moral não devem circular com pessoas comuns. Ela é para uso exclusivo da polícia. A pena é de três a seis anos de reclusão”, explicou Cabral.  Em depoimento, Ana Flávia disse que estava com o material a pedido do marido, um presidiário de nome não revelado. Na entrega, ela receberia R$ 1 mil em dinheiro. Com a mulher ainda foram encontradas nove gramas de crack, que daria para produzir pelo menos 36 pedras. Ela também foi autuada por tráfico de drogas, cuja pena pode chegar a 15 anos de reclusão.

Delegados do Depatri:<br />
pena de até 6 anos (BERNARDO DANTAS/DP/D.A PRESS)

Delegados do Depatri falaram sobre o caso

Foto: Bernardo Dantas/DP/D.A.Press

Em mãos erradas, as granadas de gás lacrimogêneo podem provocar danos ao corpo humano, entre eles a forte sensação de insuficiência respiratória. Por isso, segundo especialistas, algumas prevenções são fundamentais às pessoas que estão próximas desse  material.

Do Diario de Pernambuco

 

 

Os comentários estão fechados.