Digitais de alunos do Agnes estavam em ferro, ventilador, geladeira e móvel de Betinho

As impressões digitais dos dois estudantes do Colégio Agnes suspeitos de assassinar o pedagogo José Bernardino da Silva Filho, 49 anos, foram encontradas no ferro usado para dar pancadas na cabeça do professor e também no ventilador, cujos fios estavam enrolados nas pernas de Betinho, como era conhecido, quando o corpo foi encontrado, segundo a polícia. O professor foi achado morto em seu apartamento, na Avenida Conde da Boa Vista, no dia 16 de maio.

Delegado Alfredo Jorge confirmou informações do Diario nesta quarta-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Delegado Alfredo Jorge, do DHPP, confirmou informações do Diario nesta quarta-feira. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Em depoimento no dia 21 do mês passado, uma semana após a data provável da morte do professor, os dois estudantes negaram participação no crime. A coleta das impressões pelo Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) foi fundamental para contradizer a versão deles e estabelecer um elo com o assassinato.

Os alunos deverão prestar depoimento de novo, em data a ser marcada. Em reserva, uma fonte do IITB revelou que uma impressão digital deixada em uma superfície lisa pode ser identificada com sucesso por vários dias depois do crime. “A durabilidade depende de alguns fatores. Se a pele é seca ou oleosa demais, pode atrapalhar a coleta”, contou.

Fontes da polícia revelaram que um dos suspeitos da morte do pedagogo é filho de um integrante da administração do Colégio Agnes. Procurados pela reportagem, os responsáveis pelo colégio informaram através de funcionários que não iriam se pronunciar sobre o assunto. Em entrevista à TV Clube/Record, uma vizinha de Betinho, no Edifício Módulo, disse que o professor costumava levar jovens ao seu apartamento. “Ele dizia que eram alunos.”

A Polícia Civil deve se pronunciar hoje sobre as investigações. Ontem pela manhã, o advogado Marcos Antônio da Silva esteve na sede do DHPP para falar com o delegado Alfredo Jorge, responsável pelas investigações, mas não o encontrou.

“Estou assumindo a defesa de um dos jovens apontado como suspeito a partir de hoje e vim me habilitar para ter acesso ao inquérito policial. Deixei o requerimento e se a cópia estiver pronta irei pegar nesta quarta-feira para começar a trabalhar no caso”, revelou o advogado.

O delegado Alfredo Jorge não foi localizado ontem para falar sobre o caso. Até o momento, cerca de 25 pessoas foram ouvidas pela polícia no inquérito. A vítima também trabalhava na Escola Municipal Moacir de Albuquerque, no bairro de Nova Descoberta, de onde havia pedido transferência uma semana antes de ser assassinada. A motivação ainda é um mistério. As possibilidades de latrocínio ou ligação com tráfico ou dívida de drogas foram descartadas pelos investigadores.

Os comentários estão fechados.