Polícia fará acareação no caso Betinho nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira (21), o delegado Alfredo Jorge, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), fará uma acareação entre cinco pessoas referente às investigações da morte do professor José Bernardino da Silva Filho, 49 anos. O inquérito que apura esse crime dever ser concluído no final deste mês.

Crime está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge do DHPP. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Betinho foi encontrado morto no dia 16 de maio. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Fontes do blog revelaram que os advogados do estudante de 19 anos suspeito de envolvimento na morte de Betinho, como a vítima era conhecida, apresentaram duas testemunhas ao delegado afirmando que as mesmas teriam ouvido a confissão dos dois primeiros rapazes que foram apontados como suspeitos do crime. Os dois homens chegaram a prestar depoimento, negaram participação na morte e foram liberados.

Professor trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Professor trabalhava no Agnes e na rede municipal de ensino. Foto: Arquivo Pessoal

Após receber a petição da defesa do aluno do Colégio Agnes, o delegado Alfredo Jorge chamou as duas testemunhas, que são mãe e filha, para prestar depoimento. Ambas negaram que tivessem ouvido tal confissão dos rapazes. Após esse episódio, os advogados apresentaram agora uma mulher que disse ter ouvido de uma colega de trabalho que os dois primeiros rapazes que foram à delegacia teriam confessado o crime para sua mãe, uma cambista de jogo de bicho que trabalha no bairro do Prado.

Diante de tantos desencontros, o delegado resolveu fazer uma acareação entre essas três mulheres e os dois jovens que costumavam frenquentar o apartamento de Betinho para saber quem está falando a verdade. O encontro será as 10h na sede do DHPP, no bairro do Cordeiro.

Delegado Alfredo Jorge espera que suspeitos confessem o crime. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

O caso é investigado pelo delegado Alfredo Jorge. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Press

Para a polícia, os dois alunos do Agnes, que não participarão desta acareação, são os principais suspeitos da morte do pedagogo. Betinho foi encontrado morto dentro do seu apartamento, no Edifício Módulo, na Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife, em 16 de maio deste ano.

O jovem de 19 anos, filho do diretor do colégio, e o adolescente de 17 foram ouvidos duas vezes, mas negaram envolvimento no assassinato. No entanto, a polícia tem como provas contras eles as impressões digitais encontradas nos objetos utilizados para matar a vítima e num móvel do apartamento.

A análise das digitais realizada pelos peritos papiloscopistas do Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB) não deixa dúvida quanto à presença dos dois suspeitos no local. Betinho foi encontrado despido da cintura para baixo, com as pernas amarradas por um fio de ventilador e com um fio de ferro elétrico enrolado no pescoço. As digitais foram encontradas no ventilador e no ferro.

A polícia disse ainda que o ferro foi usado para dar pancadas na cabeça da vítima que morava sozinha no imóvel. Apesar de ter sido encontrado sem vida por um amigo no dia 16 de maio, a polícia suspeita que Betinho tenha sido assassinado no dia 14 de maio, quando foi visto pela última vez entrando no edifício.

O que a polícia ainda não conseguiu descobrir foi a motivação do assassinato que chocou familiares da vítima, amigos, funcionários, alunos, ex-alunos do Agnes e da Escola Moacir de Albuquerque, em Nova Descoberta, onde Betinho também trabalhava. Uma semana antes de ser morto, o pedagogo havia pedido transferência de local de trabalho devido a um problema envolvendo ele e um aluno adolescente.

Os comentários estão fechados.