Após prisão, suspeito nega ter assassinado PM da Patrulha Escolar

Após chegar à sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o ex-presidiário Carlos Eduardo Carvalho e Silva, 22 anos, nega ter sido o autor do disparo que matou o soldado da Polícia Militar Marcílio Ferreira Xavier, 32, e de ter roubado a pistola da vítima, uma ponto 40 que ainda não foi localizada.

Suspeito foi preso no bairro de Dois Irmãos, segundo a PM ele estava tentando fugir. Fotos: Reprodução TV Clube

Suspeito foi preso no bairro de Dois Irmãos, segundo a PM ele estava tentando fugir. Fotos: Reprodução TV Clube

Segundo o sargento do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) 12º Batalhão Fábio Rio Tinto, o suspeito disse que não tem participação no crime e não revelou para onde estava tentando fugir. “Nosso serviço de inteligência em conjunto com a inteligência do 13º BPM recebeu informações de que o suspeito estaria num táxi vindo da UR-7 para Dois Irmãos. Quando ele desceu do carro, em frente à praça, foi abordado e preso”, revelou o sargento.

Marcílio estava na PM desde 2009 e deixou uma filha de poucos meses

Marcílio estava na PM desde 2009 e deixou uma filha de poucos meses

Ainda de acordo com a PM, Carlos Eduardo disse que passou a noite escondido por trás de uma casa na comunidade do Iraque. No local foram encontradas munições de pistola ponto 40 e papelotes de maconha. O delegado responsável pelo caso ainda não falou com a imprensa sobre a prisão desse suspeito. O segundo envolvido no crime segue foragido.

Suspeito de matar policial militar em Areias se entrega à polícia

Foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro do Cordeiro, o homem suspeito de ter matado o soldado da Polícia Militar Marcílio Ferreira Xavier, 32 anos, que era lotado no 12º batalhão e trabalhava na Patrulha Escolar. De acordo com fontes do blog, o homem identificado como Carlos Eduardo Carvalho e Silva e que é ex-presidiário, foi o autor do disparo que matou o militar e roubou a pistola da vítima.

Carlos Eduardo Carvalho e Silva atirou no PM. Foto: Divulgação

Carlos Eduardo Carvalho e Silva atirou no PM. Foto: Divulgação

Também segundo fontes do blog, o suspeito se entregou à polícia nesta tarde no bairro de Dois Irmãos, nas proximidades do Lafepe, após negociar com o Serviço Reservado que só se entregaria embaixo de uma câmera de monitoramento da Secretaria de Defesa Social (SDS). No entanto, PMs que participaram da ação informaram na sede do DHPP que o suspeito teria sido preso e não se entregue.

Crime aconteceu na frente desta lanchonete. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Crime aconteceu na frente desta lanchonete. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Marcílio foi assassinado na noite dessa quarta-feira, no bairro de Areias, no Recife. Marcílio que estava trabalhando foi surpreendido próximo à Escola Estadual Heróis da Restauração por dois homens, que roubaram a arma usada em serviço, uma pistola ponto 40. Em seguida, os assaltantes dispararam contra o militar. Marcílio chegou a ser socorrido, mas não resistiu. O corpo do PM será sepultado nesta tarde no Cemitério de Santo Amaro.

A Polícia Militar de Pernambuco divulgou nota de pesar lamentando a morte do soldado Marcílio. “A investida criminosa atenta contra todos integrantes da corporação e a sociedade pernambucana, que confia no trabalho da Polícia Militar e nos órgãos de sistema de segurança pública para a prisão dos envolvidos no assassinato do PM”, diz o texto enviado pela assessoria de Comunicação Social.

O Comando Geral da PMPE decretou luto de três dias em todas unidades da corporação. O corpo do soldado ainda está no Hospital da Restauração, de onde deve ser encaminhando ainda nesta quinta-feira para exames no Instituto de Medicina Legal, em Santo Amaro.

Marcílio era casado e deixa uma filha de apenas três meses. Ele estava na corporação desde 2009 e atuava na Patrulha Escolar, numa parceria entre a PMPE e a Secretaria Estadual de Educação.