Polícia recebeu imagens do prédio onde pedagogo foi assassinado

As imagens do circuito interno de câmeras do Edifício Módulo, localizado na Avenida Conde da Boa Vista, onde foi assassinado o pedagogo José Bernardino da Silva Filho, 49 anos, já estão em poder da polícia. O delegado Alfredo Jorge, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), recebeu ontem as imagens registradas no edifício da quinta-feira até o último sábado, dia em que o corpo da vítima foi encontrado dentro do seu apartamento.

 

Crime está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge do DHPP. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

Crime está sendo investigado pelo delegado Alfredo Jorge do DHPP. Foto: Roberto Ramos/DP/D.A Press

De acordo com o delegado, as imagens começarão a ser analisadas hoje. Também hoje prestarão depoimento o síndico do prédio, dois porteiros e dois familiares da vítima. Na última segunda-feira, dois rapazes que frequentavam a casa do pedagogo foram ouvidos pelo delegado. Ambos negaram participação na morte de José Bernardino.

A polícia já sabe que a pessoa que matou o pedagogo desceu do sétimo andar onde a vítima morava e foi até o quarto andar, onde jogou a chave do apartamento em um lixeiro. “Uma funcionária encontrou as chaves no lixo do quarto andar. Após matar a vítima, o assassino seguiu até esse andar. As imagens poderão ajudar a revelar outros detalhes do crime”, ressaltou Alfredo Jorge.

De acordo com uma vizinha, que preferiu não se identificar, Bernardino foi visto pela última vez na noite da quinta-feira, quando estacionou a motocicleta na parte interna do prédio. Desde então, vizinhos apenas ouviam o bater da porta do apartamento. O corpo foi encontrado com os pés amarrados com um fio de ventilador e o pescoço, com fio de um ferro de passar, também utilizado para desferir golpes contra a vítima.

O corpo do auxiliar de coordenação pedagógica do Colégio Agnes e professor da rede municipal de ensino foi sepultado no Cemitério de Santo Amaro na manhã da segunda-feira. A vítima morava no Edifício Módulo há cerca de dois anos e era muito querido pelos familiares, alunos e colegas de trabalho.