Justiça decide que acusado de matar Mirella Sena vai a júri popular

O comerciante Edvan Luiz da Silva, 32 anos, será levado a júri popular pela acusação do assassinato da fisioterapeuta Tássia Mirella Sena de Araújo. Embora ainda sem data marcada, o julgamento foi decidido pelo juiz da 3ª Vara do Júri da Capital, Odilon de Alencar Luz. Edvan foi ouvido na segunda audiência de instrução e julgamento realizada no dia 20 de setembro. O comerciante negou ter matado Tássia Mirella. O crime aconteceu em abril deste ano, em um flat no bairro de Boa Viagem. Parentes e amigos de Mirella pedem que o acusado seja condenado pelo crime. Edvan era vizinho da vítima.

Edvan foi preso no mesmo dia da morte de Mirella. Foto: Marlon Diego/Esp.DP

A fisioterapeuta foi encontrada morta na manhã do dia 5 de abril, na sala do flat onde morava, no 12º andar do edifício Golden Shopping Home Service, na Rua Ribeiro de Brito, em Boa Viagem. Vizinhos disseram que, por volta das 7h, ouviram vários gritos e acionaram o funcionário do prédio, que chamou a polícia. O corpo da vítima foi encontrado na sala do imóvel sem roupas e com ferimento à faca no pescoço, além de cortes nas mãos. O apartamento 1206 estava revirado, e os peritos encontraram manchas de sangue na porta do 1208, onde Edvan Luiz morava com a esposa. Os policiais bateram, mas como ele não respondeu a porta foi aberta por um chaveiro.

Mirella tinha 28 anos e foi morta dentro de casa. Foto: Reprodução/Facebook

Edvan está preso desde o dia do assassinato. O júri popular deverá ser realizado no Fórum Thomaz de Aquino, onde também aconteceram as duas audiências de instrução. O destino do réu será decidido por sete jurados, que serão escolhidos no dia do júri popular. O comerciante foi indiciado pela Polícia Civil e de denunciado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) por estupro e homicídio quadruplamente qualificado, entre as qualificadoras está o feminicídio. Ele segue detido no Presídio de Igarassu.

Os comentários estão fechados.