Delegada Gleide Ângelo assume caso de morte por Jack3D

 

A delegada Gleide Ângelo foi designada pelo gestor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Casimiro Ulisses, para apurar o inquérito que investiga a morte do jovem Wilson Sampaio Filho, 18 anos, ocorrida em maio do ano passado. A família acredita que Wilsinho, como o estudante era chamado, tenha morrido em decorrência do uso do suplemento alimentar Jack3D, que tem venda proibida no Brasil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) devido a algumas substâncias presentes em sua composição.

O caso foi publicado pelo Diario de Pernambuco em setembro de 2011 e o estagiário que vendeu o produto ao jovem em uma academia badalada da Zona Sul do Recife acabou indiciado pelos crimes contra a saúde pública e relações de consumo. A empresa responsável pelo Jack3D afirmou, na época, que o produto que estava sendo comercializado no Brasil era falsificado e não o fabricado por eles.

Gleide já recebeu o inquérito e está analisando o material. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A/PPress

 

Para a família de Wilsinho, não restam dúvidas de que o rapaz que sonhava em ser jogador de futebol foi vítima do uso do suplemento. Desde então, Wilson e Marcelle Sampaio lutam para provar que o Jack3D causou a morte do filho. A delegada Gleide já recebeu toda a documentação referente à morte do jovem e está analisando o que já foi investigado pela Delegacia do Consumidor em relação à venda do produto.

Em depoimento à polícia, no ano passado, o estagiário indiciado disse que não vendeu o produto e disse que não tinha relação de amizade com a vítima. No entanto, ficou confirmado – por meio de testemunhas, fotos e outras provas – que os dois mantinham contato. Wilson tinha o sonho de ser jogador de futebol e foi encontrado pelos pais caído no banheiro de casa.

 

Os comentários estão fechados.