Família da modelo Danielle Fasanaro cobra justiça pelo seu assassinato

No dia 19 de junho do ano passado passei parte da manhã e início da tarde em frente a um edifício caixão no bairro de Casa Caiada, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife (RMR). O nome do prédio, Estrela do Mar, nunca saiu da minha memória, acho que nunca sairá. Assim como também escuto até hoje os gritos de revolta da irmã de uma mulher que tinha acabado de ser assassinada pelo homem com o qual mantinha um relacionamento.

Corpo de Danielle foi retirado do apartamento no meio da tarde. Fotos Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

Corpo de Danielle foi retirado do apartamento no meio da tarde. Fotos Annaclarice Almeida/DP/D.A Press

Foram horas de angústia para mim e para as centenas de pessoas que ali estavam, assim como creio que também foi para todos os policiais militares que foram acionados para tentar salvar a vida de duas pessoas que estavam sob ameaça de um criminoso. Infelizmente, apenas uma das vítimas saiu viva do apartamento. Nessa quarta-feira está fazendo nove meses que a modelo Danielle Solino Fasanaro, 35 anos, foi assassinada pelo tatuador Emerson Du Vernay Brandão, 27, que se apresentou à polícia com o nome de André Cabral Muniz.

Depois de preso, suspeito soltou beijo para os curiosos e imprensa

Depois de preso, suspeito soltou beijo para os curiosos e imprensa

Depois de matar a companheira a tiros, o homem chegou a fazer o filho dela de refém. O menino teve uma arma apontada para a cabeça por várias horas. Após ser retirado do apartamento por PMs, o suspeito soltou um beijo para a população que o xingava. Seguiu para a prisão onde espera até hoje por um desfecho para a brutalidade que cometeu. Ele também é suspeito de outros dois crimes em São Paulo. Enquanto isso, familiares de Danielle sofrem com a lentidão da Justiça para marcar, ao menos, a primeira audiência do caso.

Michelle ficou desesperada com a saída do corpo da irmã

Michelle ficou desesperada com a saída do corpo da irmã

Segundo a irmã de Danielle, Michelle Fasanaro, a modelo conheceu André em São Paulo, quando foi fazer um trabalho como modelo. O casal viveu junto por quatro anos, mas a modelo quis terminar o relacionamento, o que motivou o crime. O menino de nove anos era filho de um outro relacionamento de Danielle. Ela foi atingida com dois disparos de pistola ponto 45. A arma foi apreendida pela polícia.

Vítima e suspeito juntos com o filho dela. Foto: Divulgação

Vítima e suspeito juntos com o filho dela. Foto: Divulgação

Leia mais sobre o caso em:

Justiça manda marcar audiência sobre morte de modelo

 

Suspeito de matar modelo em Olinda responde processo em São Paulo

O tatuador André Cabral Muniz, 27 anos, apontado pela polícia como autor dos dois tiros que mataram  a modelo Danielle Solino Fasanaro, 35, dentro do apartamento do casal, no bairro de Casa Caiada, em Olinda, já foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo sob a acusação de porte ilegal de entorpecentes naquele estado. Em maio de 2011, a 28ª Vara Criminal de São Paulo publicou no Diário de Justiça Eletrônico que André estava em local incerto e que deveria apresentar resposta num período de 15 dias após a publicação do texto.

Segundo a cunhada do suspeito, Michelle Fasanaro, André estaria no Recife foragido da Justiça paulista. Esse caso será investigado pela Delegacia Seccional de Olinda, a partir de hoje. Ontem à tarde, o corpo de Danielle Fasanaro foi sepultado no Cemitério de Santo Amaro, no Recife. André se apresentou à polícia pernambucana como tatuador e repórter fotográfico.

Ontem, corpo da modelo foi velado e sepultado em Santo Amaro  (WAGNER OLIVEIRA/DP/D.A PRESS)
Ontem, corpo da modelo foi velado e sepultado em Santo Amaro

De acordo com a denúncia do Ministério Público de São Paulo, ele foi detido no dia 21 de maio de 2010, na Rua da Consolação, esquina com a Rua Ipiranga, no Centro da capital paulista, portando 0,1 decigrama de cocaína, para consumo próprio, conforme laudo de constatação e auto de exibição e apreensão. Com base nessa apreensão, a promotora de Justiça Luciana Barcellos Barreto de Souza Carneiro o denunciou como incurso no artigo 28 da Lei 11.343/06.

Imagem da prisão do tatuador, na terça-feira (ANNACLARICE ALMEIDA/DP/D.A PRESS)
Imagem da prisão do tatuador, na terça-feira

“O suspeito já foi autuado em flagrante pelos crimes em Olinda e foi encaminhado para o presídio. Agora, a delegada Maria Helena Couto será a responsável pelo final das investigações. Será apurado se ele realmente era foragido da Justiça de São Paulo e se é suspeito de outros crimes”, alegou o delegado Walcir Martins, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Apoio psicológico
Os familiares da modelo Danielle Fasanaro conversaram com o Diario ontem durante o velório, mas preferiram não se identificar. O pai do menino de nove anos, que foi feito refém pelo padrasto durante mais de duas horas, chegou de Campina Grande e está dando assistência ao filho, que está recebendo também acompanhamento psicológico. Um cunhado da vítima revelou que André e Danielle mantinham um relacionamento conturbado e que por conta disso, a vítima era um pouco afastada dos familiares.

Após matar a companheira, na última quarta-feira, André continuou dentro do apartamento na Avenida José Augusto Moreira com uma pistola apontada para o enteado. Ele só se rendeu após dezenas de policiais militares montarem uma operação para resgatar a criança.