Donos de quiosques da Avenida Boa Viagem pedem segurança

Proprietários de quiosques da Avenida Boa Viagem relatam que os estabelecimentos têm sido alvos constantes de arrombamentos. Segundo eles, os crimes acontecem sempre de madrugada. Revoltada com mais uma investida, uma comerciante estampou uma faixa na vidraça no estabelecimento pedindo mais segurança na área.

“Como alimentar nossos filhos? Fomos depredados 12 vezes. A quem recorrer?”, informava o cartaz. Segundo comerciantes vizinhos, foram levados três liquidificadores industriais, um notebook e garrafas de uísque.

Comerciante fez protesto contra os furtos. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Comerciante fez protesto contra os furtos. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A Press

Dono da barraca 29, próximo à Ribeiro de Brito, José Marcos da Silveira, 49, diz que perdeu as contas de quantas vezes foi furtado. O último crime ocorreu há um mês. Os ladrões agiram de madrugada e levaram um rádio. “Quando cheguei de manhã, vi que tinham arrombado. Tive um prejuízo de R$ 250, sem contar com os outros arrombamentos”, disse.

Segundo ele, a fragilidade dos quiosques é uma das facilidades para a ocorrência dos furtos. “É um material muito fraco. Até a esquadria de alumínio é de segunda. Fizeram uma reforma e meu vidro já está caindo”, afirmou Silveira. A requalificação das barracas foi feita em maio, em preparação para Copa do Mundo de 2014. A estrutura delas utiliza, em sua maioria, vidro.

Em nota, a Emlurb informou que realizou outras reformas entre 2009 e 2011. “Essas ações contaram com a parceria do Ministério do Turismo e, para o financiamento das obras, era necessário que o projeto original não fosse alterado, ou seja, os equipamentos não poderiam ser modificados. As obras foram fiscalizadas pela Caixa Econômica Federal”.

De acordo com o delegado Manuel Martins, a polícia está colhendo imagens de câmeras de segurança para identificar suspeitos e efetuar prisões em flagrantes. Ele informou que de 2013 para 2014 houve redução de 12% no número de furtos na AIS3, que engloba vários bairros como Boa Viagem, Jordão e Pina. Já a Polícia Militar não respondeu à solicitação do Diario sobre o assunto.

Abandono e insegurança no Mercado das Flores

Um cenário de abandono e degradação circunda o Mercado das Flores do Recife. Instalado há oito anos no Cais de Santa Rita e de frente para as torres gêmeas, os 40 boxes não conseguem atrair clientes ao local. As reclamações dos comerciantes vão desde o abandono por parte do município até a falta de segurança nas proximidades. Atos de vandalismo são constantes.

Espaço está abandonado e comerciantes estão revoltados. Fotos: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

Espaço está abandonado e comerciantes estão revoltados. Fotos: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

Na manhã dessa terça-feira, mais de dez comerciantes se revoltaram com mais um arrombamento no mercado. Vândalos destruíram cadeados e portas, entraram nos espaços, reviraram tudo e levaram o que havia de valor nos quiosques.

O comerciante Valmir Carneiro, 48 anos, disse que soube do arrombamento ainda na noite da terça-feira, mas deixou para conferir o prejuízo na manhã de ontem. “Essa não é a primeira vez que isso acontece aqui. Minha porta tinha cadeado e ainda uma grade de proteção. Eles destruíram um pedaço da parede e entraram. Levaram televisão, furadeira, ventilador e até uma máquina com a qual eu trabalhava”, lamentou Carneiro. Maria Francisca Veras, 64, conta oito arrombamentos em seu box. “Estamos aqui abandonados. Precisamos que alguém tome uma providência urgente”, disse.

A aposentada Josefa Gomes Mariz, 67, teve até um fogão levado pelos criminosos. “O movimento aqui é muito fraco, não temos dinheiro para comprar almoço todo dia. Por isso temos fogão nos boxes para fazer nossa comida ou esquentar quando trazemos de casa. Eles deixaram tudo virado e foram embora”, afirmou Josefa.

O comerciante Aguinaldo Batista Filho, 50, mostrou a destruição provocada pelos vândalos no box onde a mãe dele trabalha. “Estamos aqui no mercado há oito anos, mas ele nunca foi inaugurado. Não temos atenção nenhuma por parte do poder público. Quem trabalha aqui está entregue à própria sorte”, declarou.

Em relação à falta de segurança no local, a assessoria de comunicação da Polícia Militar afirmou que o 16º BPM, responsável pelo policiamento na área, atua com viaturas da Patrulha do Bairro e com o posto policial fixo do Cais de Santa Rita, que funciona 24 horas. A PM disse ainda que a denúncia sobre a insegurança nas proximidades do mercado foi repassada ao 16º BPM, para que providências sejam tomadas. Quanto à seguranca interna do mercado, a PM informou que isso cabe à prefeitura.

A Companhia de Serviços Urbanos do Recife (Csurb) afirmou que a questão da segurança é de responsabilidade da PM. A prefeitura ressaltou que está em andamento o processo de revitalização do cais, que prevê um espaço moderno e seguro para os comerciantes e frequentadores.

Quiosques de Boa Viagem são alvos da vez

 

Uma parceria entre os comerciantes da orla de Boa Viagem e os porteiros dos edifícios da beira-mar pode ser a solução para reduzir o número de quiosques arrombados na avenida mais nobre do bairro. O anúncio foi feito pelo gestor do Ciods, coronel Ricardo Fentes, na reunião entre os barraqueiros, Polícia Militar e Prefeitura do Recife. Agora, porteiros dos prédio poderão acionar a polícia quando virem alguma movimentação perto das barracas. Os comerciantes estão se queixando dos constantes arrombamentos. Ao todo, 61 quiosques estão distribuídos em toda a extensão da Avenida Boa Viagem. Outra proposta que está em discussão é o fechamento de todas as janelas de vidro dos quiosques e o reforço do teto com madeira. A prefeitura já pediu para um arquiteto elaborar o projeto que será apresentado à Associação dos Barraqueiros de Coco da Cidade do Recife.

Estabelecimentos vêm sendo alvos contantes dos ladrões (WAGNER OLIVEIRA/DP/D.A PRESS)
Estabelecimentos vêm sendo alvos contantes dos ladrões

Os arrombamentos, segundo os proprietários dos quiosques, acontecem geralmente entre as 2h e as 5h. “Estamos orientando os policiais a não só passarem de carro pela avenida, mas também descerem das viaturas e olharem dentro e ao redor das barracas. Algumas delas ficam em locais onde é difícil visualizar a movimentação. Para isso, também deslocamos policiais que faziam rondas em outras áreas para darem maior atenção à orla, mas sem comprometer a segurança dos outros locais”, afirmou o comandante do 19º Batalhão da Polícia Militar (BPM).
O comerciante Petrônio Soares, que tem um quiosque há seis anos, afirmou que só deixou de ser roubado quando colocou câmeras de filmagens e alarme. “Por várias vezes os criminosos levaram coisas da minha barraca, mas agora tomei as providências que devia e os roubos pararam. Mas a insegurança por aqui é muito grande”, destacou Soares. A vendedora Alessandra Bernardo disse que, em um ano, a barraca em que trabalha foi arrombada 11 vezes. “Durante o dia, a polícia vem, mas é na madrugada que os ladrões agem”, apontou.