Ilha do Retiro com gramado reparado e agenda de 9 a 11 jogos até dezembro

Gramado da Ilha do Retiro após o reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)

Gramado da Ilha do Retiro após o reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)

De janeiro a agosto, a Ilha recebeu 28 jogos de futebol do time profissional.

Após uma temporada intensa, com jogos do time profissional em quase todas as semanas, além de apresentações das equipes juvenil, júnior e feminina, o gramado da Ilha do Retiro entrou em colapso no inverno. Buracos, poças d´água e drenagem sobrecarregada. Com isso, o Sport acabou indo jogar duas partidas na Arena Pernambuco, tirando da Ilha também os jogos das outras categorias. O time principal ainda retornou ao local para enfrentar Fluminense e Ponte Preta, mas o campo foi bem criticado nos dois empates. Com a pausa na tabela para as Eliminatórias da Copa, a equipe contratada ganhou tempo, 27 dias de intervalo, entre os dias 14 de agosto e 9 de setembro.

Em 10 de julho, o clube havia assinado um contrato de um ano com a Greenleaf Gramados, que atua em outros campos do país, como o Maracanã e o Mineirão, os estádios escolhidos das finais da Copa do Brasil de 2017. Também responsável pela requalificação do campo auxiliar, a empresa apresentou sem seu perfil no instagram as primeiras imagens comparativas.

Pelo cenário anterior, o Sport escapou de um veto. Não teria sido injusto…

Agora, com o gramado reparado, o time terá oito jogos pela Série A e ao menos um pela Copa Sul-Americana, podendo chegar a no máximo a três – uma hipotética decisão não poderia ocorrer no estádio devido à capacidade. Logo, de 9 a 11 jogos até dezembro, com o ritmo acelerando de novo.

Gramado da Ilha do Retiro antes do reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)

Gramado da Ilha do Retiro antes do reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)

Recalculando as pesquisas de torcida a partir da estimativa do IBGE em 2017

Torcidas de Sport, Santa Cruz e Náutico

Anualmente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulga a estimativa populacional do Brasil, com dados nacionais, estaduais e municipais. O quadro demográfico é sempre fechado em julho e publicado no Diário Oficial da União no fim de agosto. O levantamento do IBGE em 2017 indica que somos 207 milhões. A cada atualização, o blog tem o hábito de cruzar os dados com os mais recentes percentuais de torcidas dos clubes locais, mensurados por institutos privados, como Ibope e Datafolha.

Neste post, trago cinco cenários de interesse para o nosso futebol: Recife, Grande Recife, Pernambuco, Nordeste e Brasil. Caruaru, Goiana e Salgueiro, mapeados pelo Plural Pesquisa, entraram como complemento. As diferenças nos índices podem ser explicadas tanto pela margem de erro de cada estudo quanto pelas amostragens (quanto mais gente ouvida, teoricamente melhor). Em relação à época da publicação original, o percentual mais defasado, hoje, é justamente o de Pernambuco, com entrevistas ainda no fim de 2013. Porém, o Ibope agendou uma nova pesquisa – a maior do instituto – para setembro. Ou seja, já deve ser publicada com as novas estimativas populacionais.

Lembrando que o IBGE jamais mensurou o tamanho das torcidas dos clubes brasileiros. E provavelmente seguirá assim no próximo censo oficial, em 2020.

Abaixo, as maiores torcidas nos cenários e os pernambucanos presentes.

Brasil (207.660.929 habitantes)
Paraná Pesquisas 2016
Período: março e dezembro de 2016
Público: 10.500 entrevistados (288 municípios)
Margem de erro: 1,0%

1º) Flamengo – 16,2% (33.641.070)
2º) Corinthians – 13,7% (28.449.547)
3º) São Paulo – 7,4% (15.366.908)
4º) Palmeiras – 5,8% (12.044.333)
5º) Vasco – 4,6% (9.552.402)
6º) Cruzeiro – 4,0% (8.306.437)
7º) Grêmio – 3,5% (7.268.132)
8º) Santos – 3,1% (6.437.488)
9º) Atlético-MG – 2,8% (5.814.506)
10º) Internacional – 2,7% (5.606.845)
11º) Bahia – 2,0% (4.153.218)
12º) Botafogo – 1,7% (3.530.235)
13º) Fluminense – 1,6% (3.322.574)
14º) Sport – 1,3% (2.699.592)
15º) Ceará – 1,1% (2.284.270)
16º) Atlético-PR – 0,8% (1.661.287)
16º) Fortaleza – 0,8% (1.661.287)
16º) Vitória – 0,8% (1.661.287)
19º) Coritiba – 0,7% (1.453.626)

19º) Santa Cruz – 0,7% (1.453.626)
21º) Remo – 0,6% (1.245.865)

22º) Náutico – 0,4% (830.643)

Nordeste (57.254.159 habitantes)
Paraná Pesquisas 2016
Período: março a dezembro de 2016
Público: não divulgado
Margem de erro: 1,0%

1º) Flamengo – 21,5% (12.309.644)
2º) Corinthians – 9,8% (5.610.907)
3º) Bahia – 7,0% (4.007.791)
4º) São Paulo – 5,2% (2.977.216)
4º) Vasco – 5,2% (2.977.216)
6º) Palmeiras – 4,3% (2.461.928)
7º) Ceará – 4,0% (2.290.166)

8º) Sport – 3,9% (2.232.912)
9º) Fortaleza – 2,8% (1.603.116)
9º) Vitória – 2,8% (1.603.116)

11º) Santa Cruz – 2,1% (1.202.337)
12º) Botafogo – 1,6% (916.066)

13º) Náutico – 1,5% (858.812)

Pernambuco (9.473.266 habitantes)
Ibope 2014
Período: 05/12/2013 a 14/02/2014
Público: 300 entrevistados (nº de municípios não divulgado)
Margem de erro: 1,0%

1º) Sport – 26,3% (2.491.468)
2º) Santa Cruz – 24,0% (2.273.583)
3º) Corinthians – 7,3% (691.548)
4º) Náutico – 5,3% (502.083)
5º) São Paulo – 4,0% (378.930)
6º) Palmeiras – 3,3% (312.617)
7º) Flamengo – 2,3% (217.885)

Grande Recife (3.965.699 habitantes)
Exatta 2014
Período: janeiro de 2014
Público: 600 entrevistados
Margem de erro: não divulgada

1º) Sport – 42% (1.665.593)
2º) Santa Cruz – 27% (1.070.738)
3º) Náutico – 10% (396.569)

Recife (1.633.697 habitantes)
Maurício de Nassau 2016
Período: 3 e 4 de maio de 2016
Público: 624 entrevistados
Margem de erro: 4,0%

1º) Sport – 36,1% (589.764)
2º) Santa Cruz – 28,4% (463.969)
3º) Náutico – 12,8% (209.113)

Confira a projeção de torcida a partir da estimativa de 2016 clicando aqui.

Troféu Gena, o último título em jogo para Santa Cruz e Náutico na temporada 2017

O Trofé Gena, pelo Centenário do Clássico das Emoções. Foto: FPF/divulgação

A FPF apresentou o Troféu Gena, que será disputado por Santa Cruz e Náutico em 4 de novembro, no último clássico do ano. A taça com o nome do lateral campeão nos dois clubes é uma homenagem ao centenário do Clássico das Emoções, celebrado em 2017. Para esta disputa simbólica, a federação considerou o somatório de pontos de todos os confrontos oficiais entre tricolores e alvirrubros na temporada. Quem fizer mais pontos, leva. Com sete jogos realizados até aqui, a tabela está rigorosamente empatada.

O oitavo e derradeiro clássico, válido pela 33ª rodada da Série B, será no Arruda, com a vitória simples garantindo a posse da taça a qualquer um. Em caso de empate, quem receber menos cartões vermelhos ficará com o título. Persistindo a igualdade, decisão via sorteio, dois dias depois, na sede da FPF.

Jogos disputados em 2017
29/01 – Náutico 1 x 1 Santa Cruz, Estadual (Arena, 4.622 pessoas)
04/02 – Santa Cruz 1 x 0 Náutico, Nordestão (Arruda, 5.086)
12/03 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz, Nordestão (Arena, 6.692)
10/04 – Santa Cruz 1 x 2 Náutico, Estadual (Arruda, 5.055)
06/05 – Náutico 1 x 2 Santa Cruz, Estadual (Arena, 2.592)
18/05 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico, Estadual (Arruda, 3.387)
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz, Série B (Arena, 13.450)
Média de público: 5.840

Jogo a disputar em 2017
04/11 – Santa Cruz x Náutico, Série B (Arruda) 

Classificação após 7 clássicos
Náutico – 9 pontos; 2 vitórias, 3 empates e 2 derrotas; 6 GP/6 GC; 1 vermelho
Santa – 9 pontos; 2 vitórias, 3 empates e 2 derrotas; 6 GP/6 GC; 1 vermelho

Confira o regulamento do Troféu Gena clicando aqui.

O Trofé Gena, pelo Centenário do Clássico das Emoções. Foto: FPF/divulgação

Em 1 ano, dois presidentes renunciam no Náutico. Agora, Ivan Brondi. Ameaçado…

Ivan Brondi renuncia à presidência do Náutico em 29 de agosto de 2017. Foto: Náutico/twitter (@nauticope)

“Tentei fazer o Náutico vencedor como nos meus tempos de jogador. Não deu. Renuncio ao meu cargo de presidente executivo do Náutico. Que Gustavo Ventura possa assumir a gestão.”

Lendo uma carta, Ivan Brondi renunciou à presidência executiva do Náutico, expondo, mais uma vez, o turbulento meio político do clube, com a segunda renúncia em menos de um ano, apesar dos motivos distintos de ambos.

Renúncias dos presidentes alvirrubros
15/12/2016 – Marcos Freitas, por problemas de saúde
29/08/2017 – Ivan Brondi, após sofrer ameaças 

No caso anterior, Marcos Freitas se afastou em 16 de maio, com apenas cinco meses de gestão. O vice, Ivan, assumiu de forma interina até a efetivação em dezembro. Em 2017, num cenário quase sem receita após a perda do acesso, com um passivo de R$ 155 milhões, o clube entrou em colapso na Série B, chegando à ameaça de um grupo autointitulado ”Resgate Alvirrubro”, a gota d’água para o dirigente, campeoníssimo como jogador – Ivan foi o hexacampeão com o maior número de jogos, 128. Caso de polícia, diga-se.

Na saída, foi acompanhado por toda a diretoria de futebol. Com isso, o fim do biênio 2016/2017 será comandado pelo então presidente do conselho deliberativo, Gustavo Ventura, que sequer estava à mesa no anúncio, num indício sobre o choque entre as correntes do clube – Ventura falou meia hora depois. Ele terá que remontar a direção. E o tempo é bem escasso.

Ventura, ligado ao MTA, será sucedido por Edno Melo, eleito num pleito antecipado de forma polêmica. O futuro presidente assume em janeiro, para o biênio 2018/2019, sendo o 4º mandatário em apenas dois anos…

Ivan Brondi renuncia à presidência do Náutico em 29 de agosto de 2017. Foto: Náutico/twitter (@nauticope)

Os dez clubes na disputa por apenas uma vaga na 1ª divisão do Pernambucano 2018

Os clubes da Série A2 de 2017. Grupo A: Cabense, Centro, Ferroviário do Cabo, Íbis e Vera Cruz; Grupo B: Chã Grande, Decisão, Pesqueira, Porto e Sete de Setembro. Montagem: Cassio Zirpoli/DP

A segunda divisão do Campeonato Pernambucano de 2017 terá apenas 54 jogos, entre setembro e novembro. Desde 1995, a competição sempre promoveu os dois primeiros colocados, mas desta vez apenas o campeão alcançará o acesso à elite. A medida visa a redução gradativa no número de participantes da primeira divisão, que em 2018 já terá onze times.

Confira a tabela da segundona, a partir de 17 de setembro, clicando aqui.

Pela o regulamento, os dez participantes foram divididos em dois grupos, A (Cabense, Centro, Ferroviário, Íbis e Vera Cruz) e B (Chã Grande, Decisão, Pesqueira, Porto e Sete), jogando dentro das chaves em ida e volta. Ao todo, oito partidas para cada. Os quatro melhores de cada grupo avançam para o mata-mata, com quartas de final, semifinal e final em jogos de ida e volta. Ou seja, 14 partidas de mata-mata, dando alguma emoção à esvaziada disputa.

Em relação aos estádios, o regulamento determina uma capacidade mínima de 1.000 espectadores. Entre os palcos liberados pela FPF, apenas Ademir Cunha e Carneirão atenderiam à capacidade para o mata-mata da elite. Porém, precisariam passar por uma vistoria mais detalhada sobre o gramado.

Lista de participantes (cidade), estádios e capacidade
Associação Desportiva Cabense (Cabo) – Gileno de Carli, 5.459
Centro Limoeirense de Futebol (Limoeiro) – José Vareda, 5.000
Chã Grande Futebol Clube (Chã Grande) – Barbosão, 3.400
Sociedade Esportiva Decisão Futebol Clube (Bonito) – Arthur Tavares, 4.000
Ferroviário Esporte Clube do Cabo (Cabo) – Gileno de Carli, 5.459
Íbis Sport Club (Paulista) – Ademir Cuna, 12.000
Pesqueira Futebol Clube (Pesqueira) – Joaquim de Brito, 1.800
Clube Atlético do Porto (Caruaru) – Antônio Inácio, 6.000
Sete de Setembro Esporte Clube (Garanhuns) – Gigante do Agreste, 6.356
Vera Cruz Futebol Clube (Vitória de Santo Antão) – Carneirão, 10.911 

Distâncias nas estradas a partir do Recife
17 km – Paulista (Grande Recife)
35 km – Cabo de Santo Agostinho (Grande Recife)
53 km – Vitória de Santo Antão (Zona da Mata)
82 km – Limoeiro (Agreste)
84 km – Chã Grande (Zona da Mata)
135 km – Caruaru (Agreste)
141 km – Bonito (Agreste)
220 km – Pesqueira (Agreste)
231 km – Garanhuns (Agreste)

Na sua opinião, quem é o favorito para o título da Série A2?

Reunião para a Série A2 do Pernambucano 2017. Foto: FPF/divulgação

Santa Cruz acerta com o técnico Marcelo Martelotte pela 3ª vez em 5 anos

Marcelo Martelotte comando o Santa Cruz na Série B de 2015. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O técnico Marcelo Martelotte volta ao Santa Cruz mais uma vez. Nesta década, a sua presença tem sido recorrente, alternando bons e maus momentos. Na primeira vez, em 2013, assumiu o comando logo no início da temporada, conquistando o tricampeonato pernambucano com duas vitórias sobre o Sport na decisão. Por sinal, doze dias depois, o treinador acabou trocando o Arruda pela Ilha do Retiro, numa rusga só aparada em 2015.

Foi quando pegou o tricolor na zona de descenso da Série B. Rapidamente, armou o Santa de forma agressiva, com Grafite e João Paulo em grande fase. Terminou como vice-campeão, com o retorno à elite após uma década. Só seria demitido após as fracas atuações no Estadual e no Nordestão de 2016, com Milton Mendes tocando o barco e ganhando as duas competições. Agora em 2017, passados 17 meses desde a sua última saída e já com 73 partidas em seu histórico no Santa Cruz, o ex-goleiro assume novamente com o time no Z4, na mesma 18ª colocação. Entretanto, num estágio bem mais avançado. Em vez da 8ª rodada, assume na 23ª! Tanto que o acesso beira a utopia, sobretudo quando atrelado ao momento financeiro. Evitar o rebaixamento já seria grande passo para Martelotte, técnico coral pela 3ª vez em cinco anos.

2013 (27 jogos)
16 vitórias
5 empates
6 derrotas
65% de aproveitamento
1 título pernambucano

2015-2016 (46 jogos)
25 vitórias
9 empates
12 derrotas
60% de aproveitamento
1 acesso à Série A

Total (73 jogos)
41 vitórias
14 empates
18 derrotas
62% de aproveitamento

Confira o post sobre a demissão de Givanildo Oliveira clicando aqui.

Com 27% de aproveitamento, Givanildo deixa o Santa após a 6ª derrota seguida

Givanildo Oliveira em sua último jogo pelo tricolor em 2017 (Santa 1 x 2 CRB). Foto: Roberto Ramos/DP

O início foi até promissor, com uma goleada sobre o Brasil de Pelotas, reaproximando o Santa do G4 da Série B. E a missão de Givanildo Oliveira, o treinador com o maior número de acessos na competição, era recolocar a equipe nos trilhos após os trabalhos de Eutrópio e Adriano. Porém, o time não encaixou. O experiente técnico, de 69 anos, até promoveu mudanças, na escalação e na parte tática, mas os resultados não vieram, com o clube caindo na classificação rodada a rodada. Potencializado pelo atraso salarial, uma queixa constante (e justa) de Giva, o Santa acabou no Z4, com seis derrotas seguidas. O remédio da direção acabou sendo a troca de comando, numa tentativa de choque de gestão. Naturalmente, o objetivo é evitar outro descenso. Por isso, quatro horas após o revés diante do CRB, o presidente Alírio Moraes confirmou a demissão, através do twitter oficial do clube.

“A diretoria do Santa Cruz se reuniu, na noite deste sábado, e ficou definido que o técnico Givanildo Oliveira não continua no clube. O Santa Cruz reconhece o empenho do treinador e agradece ao mesmo pelos serviços prestados no comando do elenco”

Em sua sexta passagem no clube, Givanildo somou apenas 27% dos pontos. Assumiu na 11ª rodada, com o Santa em 12º lugar, a cinco pontos do G4 e a dois pontos do Z4. Onze rodadas depois, entregou na 18ª colocação, a 14 pontos da zona de classificação e a dois do primeiro time fora da degola.

Os 11 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/0
7 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz

01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu
05/08 – Juventude 2 x 1 Santa Cruz
08/08 – Santa Cruz 1 x 2 Criciúma
19/08 – Guarani 2 x 0 Santa Cruz
26/08 – Santa Cruz 1 x 2 CRB

* 27% de aproveitamento (2V-3E-6D)

Podcast – A análise das derrotas de Náutico e Santa Cruz na Segundona

Série B 2017, 22ª rodada: Ceará 1 x 0 Náutico e Santa Cruz 1 x 2 CRB. Fotos: Stephan Eilert/Agif/Estadão conteúdo (PV) e Roberto Ramos/DP (Arruda)

Costumeiramente, o blog compartilha os áudios sobre o Trio de Ferro numa mesma publicação, mas com o adiamento de Grêmio x Sport, para 2 de setembro, este post traz logo as gravações das apresentações de Náutico e Santa Cruz . Foram duas derrotas, pressionando ambos ainda mais no Z4 da Série B. O 45 minutos comentou os dois jogos nas questões técnica e tática, além de análises individuais. Ao todo, 65 minutos de podcast. Ouça!

25/08 – Ceará 1 x 0 Náutico (31 min)

26/08 – Santa Cruz 1 x 2 CRB (34 min)

Classificação da Série B 2017 – 22ª rodada

A classificação da 12ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

A rodada foi péssima para os times pernambucanos em termos de fuga da zona de rebaixamento. Embora tenha começado bem para o contexto local, com a derrota do Goiás, depois saiu do controle nos clássicos regionais. Na noite de sexta, o Náutico perdeu no PV e brecou a sua recuperação. Na tarde de sábado, o Santa Cruz perdeu de virada, outra vez no Arruda, e seguiu no Z4, mas uma colocação abaixo, agora em 18º. À noite, no complemento da 22ª rodada do Brasileiro, o sabor ficou ainda mais amargo, com as vitórias de Luverdense e Figueira, concorrentes diretos. Assim, a distância do timbu em relação ao 16º lugar, o primeiro clube fora da degola, subiu de 7 para 8 pontos. No caso tricolor, neste mesmo contexto, subiu de 1 para 2 pontos.

Na briga pela ponta, o Inter venceu a 6ª seguida e finalmente reassumiu a liderança da Segundona, posição que só havia alcançado na primeira rodada.

Resultados da 22ª rodada
Brasil 2 x 1 Goiás
América 0 x 0 Criciúma
Ceará 1 x 0 Náutico
Paraná 2 x 0 Juventude
Internacional 3 x 2 Paysandu
Oeste 4 x 1 Boa
Vila Nova 2 x 0 ABC
Santa Cruz 1 x 2 CRB
Luverdense 1 x 0 Londrina
Figueirense 2 x 1 Guarani 

Balanço ad 22ª rodada
8V dos mandantes (18 GP), 1E e 1V dos visitantes (7 GP)

Agenda da 23ª rodada
04/09 (20h00) – Guarani x Vila Nova (Brinco de Ouro)
06/09 (19h30) – Goiás x Paraná (Olímpico)
06/09 (21h45) – Náutico x Brasil (Arena Pernambuco)
08/09 (19h15) – Boa x Figueirense (Dilzon Melo)
08/09 (21h30) – Paysandu x América (Mangueirão)
09/09 (16h30) – Criciúma x Luverdense (Heriberto Hulse)
09/09 (16h30) – Londrina x Ceará (Estádio do Café)
09/09 (16h30) – Juventude x Internacional (Alfredo Jaconi)
09/09 (19h00) – ABC x Santa Cruz (Arena das Dunas)
09/09 (19h00) – CRB x Oeste (Rei Pelé)

Santa perde de virada do CRB, chega a seis derrotas seguidas e segue no Z4

Série B 2017, 22ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 CRB. Crédito: Premiere/reprodução

O Santa voltou a decepcionar, numa curva descendente cada vez mais perigosa. O time somou a sexta derrota seguida, igualando a pior série do Náutico, quando no Z4. É o q que parece ocorrer com o tricolor, cujo rendimento em campo é bastante irregular. No Arruda, perdeu a terceira seguida com o mesmo script. Diante de Paysandu, Criciúma e CRB fez 1 x 0 e sofreu o 1 x 2. Desta vez, o entrou em campo beneficiado pela derrota do Goiás, fazendo com que uma simples vitória sobre o rival alagoano o tirasse do Z4. O fato de também ter sido o primeiro jogo de Grafite no Mundão, em sua quarta passagem, também contribuiu para o público. Acima da média coral na competição, mas ainda longe do ideal: 8.110 espectadores.

O técnico Givanildo Oliveira apostou no meia João Paulo, centralizando o Grafa, com Bruno Paulo e André Luís nas pontas. Manteve Ricardo Bueno no banco, cuja utilização foi posta em dúvida desde o retorno do camisa 23. E, de fato, a estrutura tática já era a mesma com Bueno. Contudo, o coletivo segue ruim, mesmo com os testes. É um time deserto no meio-campo, cujo setor foi travado pela boa participação do volante Rodrigo Souza, ex-Náutico. Mais organizado, o CRB só não aproveitou as chances na primeira etapa pelas duas furadas do atacante Edson Ratinho, uma pra finalizar e outra pra cruzar.

Série B 2017, 22ª rodada: Santa Cruz x CRB. Foto: Roberto Ramos/DP

Mesmo mal, o Santa abriu o placar, a partir de um erro do CRB, com Nininho esperto. Dominou a bola e cruzou para Grafite que, em posição adiantada, balançou as redes. O ídolo coral chegou a 48 gols em 110 partidas, somando todas as passagens. Ainda faria outro, também adiantado, mas desta vez anulado pela arbitragem. No segundo tempo, a chuva apertou demais. A condição do gramado estava melhor, mas ficou bem pesado e com algumas poças. Curiosamente, quem se adaptou logo foi o visitante. Ou seja, passes mais altos e arremates de longe, como no golaço de Tony, aos 14.

O tricolor acusou o golpe, exalando nervosismo. Giva mudou nove minutos depois, de forma dupla. Saíram os dois pontas e entraram Bueno e Léo Lima. Ou seja, mais um meia para dar qualidade ao último passes e dois atacantes de área. Embora o zagueiro alagoano Adalberto tenha falhado bisonhamente duas vezes na entrada da área, os corais não aproveitaram. No finzinho, todas as boas chances passaram a ser do CRB, como uma falta no travessão de Neto Baiano. Aos 43, o ex-atacante do Sport iniciaria a jogada decisiva, cruzando para Marion, que, na linha de fundo, devolveu de cabeça para Chico, que completou para o gol vazio, 1 x 2. Assim, aumentou para sete o jejum de vitórias do Santa e aumentou a incerteza sobre a capacidade de reação…

O jejum de vitórias do tricolor na Série B
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/07 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz

01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu
05/08 – Juventude 2 x 1 Santa Cruz
08/08 – Santa Cruz 1 x 2 Criciúma
19/08 – Guarani 2 x 0 Santa Cruz
26/08 – Santa Cruz 1 x 2 CRB

Série B 2017, 22ª rodada: Santa Cruz x CRB. Foto: Roberto Ramos/DP