Imagens podem ajudar a polícia a esclarecer morte de jornalista goiano

Muitas dúvidas ainda estão por trás do assassinato do jornalista goiano de 28 anos encontrado morto nesse final de semana no Cabo de Santo Agostinho. Nesta segunda-feira, uma equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) vai até o Cabo para começar a investiga o caso que teve repercussão nacional. Por enquanto, a polícia não descarta nenhuma possibilidade. Segundo os investigadores a morte pode ter sido um crime passional, um latrocínio, um crime de homofobia ou até mesmo uma morte por acidente. Leia abaixo matéria publicada no Diario desta terça-feira.

 

Do Diario de Pernambuco

As imagens das câmeras de segurança da Pousada Caravelas de Pinzón, onde o jornalista goiano Lucas Cardoso Fortuna, 28 anos, estava hospedado antes de ser encontrado morto, serão solicitadas hoje pela polícia. Segundo amigos, a vítima teria sido vista na noite da última sexta-feira, tentando entrar no local com um homem desconhecido. Na noite do sábado, Lucas saiu da pousada e seu corpo foi encontrado na manhã do domingo. Exames toxicológicos, sexológicos e subungueal (coleta de material nas unhas que servirá para a identificação de suspeitos por meio de DNA) também foram solicitados ao Instituto de Medicina Legal (IML), que, preliminarmente, informou que a causa da morte do jornalista foi espancamento e afogamento. O pai dele, Avelino Fortuna, e amigos acreditam, no entanto, que o assassinato teve motivação homofóbica.

Pai de Lucas veio liberar o corpo do IML. Foto: Carolina Braga/DP/D.A/Press

O gestor da Diretoria Geral de Polícia Judiciária Especializada, Joselito Kehrle, informou ontem à noite que nenhuma hipótese está descartada. “A mais frágil é o latrocínio (assalto seguido de morte), mas por enquanto é cedo para dizer que a morte foi passional ou homofobia. Pode inclusive ter sido apenas um afogamento. Os cortes podem ter sido provocados pelas pedras do mar”, afirmou. Vestindo apenas uma cueca, o corpo de Lucas foi encontrado com várias marcas de espancamento, próximo ao mar, entre as praias de Gaibu e Calhetas, no Cabo de Santo Agostinho. Um documento de identidade, sujo de sangue, também estava rasgado. A delegada Gleide Ângelo, do DHPP, irá hoje ao Cabo dar início às diligências.

Homossexual assumido, militante ativista do movimento LGBT e presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) de Santo Antônio de Goiás, Lucas chegou à capital pernambucana na última quarta-feira para arbitrar a Série A do Campeonato Brasileiro de Vôlei Paralímpico. A passagem de volta estava marcada para o domingo, mas o jornalista conseguiu adiar por mais dois dias, que seriam usados para visitar amigos recifenses. Estava feliz com a possibilidade de se tornar um árbitro nacional. Ele pode ter sido a 30ª vítima de intolerância sexual contabilizada neste ano em Pernambuco, de acordo com o Movimento Gay Leões do Norte. Em 2011, foram 25 casos.

“A violência roubou o futuro de um jovem que contribuía e poderia contribuir muito mais na luta contra a intolerância. Espero que tudo isso não tenha sido em vão”, afirmou o pai, Avelino Fortuna. O sepultamento está previsto para hoje, em Goiás. Para Luciano Freitas, amigo da vítima e integrante do Grupo Leões do Norte, alguém teria atraído o jornalista até o local. “O que importa agora é entender o porquê de um assassinato cruel desses ter sido cometido e não quais foram as circunstâncias que o levaram para aquele local, àquela hora”, disse.

Saiba Mais

Pernambuco

30 homossexuais assassinados neste ano
25 homossexuais assassinados em 2011
20% é o aumento nos casos já registrados

Brasil

266 homossexuais assassinados em 2011
260 homossexuais assassinados em 2010

118% é o aumento de casos registrados entre 2005 e 2011
A cada 33 horas um homossexual foi assassinado em 2011

Ranking dos estados com maior número de casos (2011)

Bahia    28
Pernambuco    25
São Paulo    24
Paraíba    21
Alagoas    21
Minas Gerais    21
Rio de Janeiro    20

As formas de assassinato (2011)

70 por arma de fogo
67 por arma branca (faca, foice, machado, tesoura)
56 por espancamento (pauladas, pedradas, marretadas)
8 por enforcamento
65 outros (afogamentos, atropelamentos, carbonização, degolamentos, tortura, violência sexual)

Fontes: ONG Leões do Norte, Relatório Anual de Assassinatos de Homossexuais de 2011

 

4 thoughts on “Imagens podem ajudar a polícia a esclarecer morte de jornalista goiano

  1. Domingo tive que sair às pressa da praia de boa viagem, nas imediações do antigo castelinho, com meus filhos e minha esposa.Pois quando olhei pra barraca ao lado havia 06 rapazes tomando cerveja e fumando descaradamente um enorme “baseado”. Isso às 14:00h, nas areias da praia de boa viagem; ISSO É UM ABSURDO PARA O CIDADÃO DE BEM que procurou o maior ponto turistico da cidade para desfrutar com sua família. TORÇO QUE AS AUTORIDADES TOMEM MEDIDAS ENÉRGICAS.

  2. Fagner, não entendi a relação entre os usuários de maconha em Boa Viagem e os crimes homofóbicos relatados na matéria!

  3. Somando a população de BA, PE, PB e AL temos 30 milhões de habitantes. Ano passado foram registrados 95 mortos por motivações homofóbicas nesses quatro estados, contra 24 em São Paulo, um estado com 40 milhões de habitantes. São estados quatro vezes mais violentos que SP.
    Obviamente, os números são muito piores, afinal as estatísticas ignoram centenas de assassinatos e outras formas de violência contra homossexuais.
    Criar uma legislação que puna tais crimes é questão de dar o mínimo de dignidade às pessoas. Não se trata de privilégio. É questão de direitos humanos.

  4. A violência contra o homossexual começa em pequenas agressões, supostamente admitidas como inocentes piadas. Entretanto, hoje, por conta de uma Lei, todos se previnem se o tema são negros, temendo a punição do crime de racismo. Se não houver uma legislação específica que puna os agressores e assassinos dos homossexuais, eles continuarão a morrer. Não há nada de ilógico, “metafísico” ou transcendente nisso, como os religiosos pretendem criminosamente sua homofobia esconder. Contra fatos não há argumentos. Precisa-se de uma Lei, não como a prédica da falácia apregoa…Para dar direitos “especiais” à minoria “gay”. Esse é o argumento de monstros do fanatismo religioso, como Malafaia e tantos outros, Bolsonaro, deputada Miryam Rios, etc. PRECISAMOS DE LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA ANTI-HOMOFOBIA para punição de criminosos que se escudam na covardia, sob temerária presunção de audácia. Pois é óbvio que tais agressores se beneficiam primeiro da impunidade, e também do anonimato; pois geralmente envolvem-se com os homossexuais fingindo sexo consentido, sedução e outras práticas inconfessas da homoeroticidade não assumida…Para roubá-los, violentá-los e preferencialmente matá-los, pois é sepultar com a vítima a memória, queima de arquivo. Por trás desses assassinos, estão a pregação sistemática de pastores, clérigos, políticos homofóbicos, instilando a consciência coletiva de possíveis argumentos, que servirão aos mórbidos e criminosos propósitos de delinquentes…Oferecem assim, os propagadores da homofobia religiosa, fundamentada na interpretação fundamentalista bíblica, o combustível e a palha para incinerar os gays, espécie de bruxas modernas, na pira funerária…Eles sim, são mentores intelectuais de todos esses crimes, e se houvesse Lei, responderiam também como co-autores e culpados.