Acusados de matar passageira Suany Muniz num ônibus são condenados

Um ano e dois meses após a morte da auxiliar de almoxarifado Suany Muniz Rodrigues, 33 anos, dois homens suspeitos de serem os responsáveis pelo assalto que resultou na morte da passageira foram condenados pela Justiça. Os réus Leandro Assis da Silva, 30, e Lucas Joaby da Silva, 20, pegaram, respectivamente, 34 anos e três meses de reclusão e 33 anos e nove meses, pelo assassinato de Suany e roubo aos demais passageiros e cobrador do coletivo que fazia a linha Barra de Jangada/Curado IV no dia 20 de fevereiro do ano passado.


Suany, que trabalhava no Estaleiro Atlântico Sul, foi baleada na cabeça dentro do ônibus quando voltava do trabalho. Ela ainda chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Um terceiro homem envolvido no crime, que teria emprestado a arma utilizada no crime está preso por outras acusações.

A família da vítima vai tentar junto ao Ministério Público pedir que ele seja investigado como co-autor da morte de Suany. A vítima deixou uma filha de cinco anos que está sendo cuidado pelo pai e pelos avós. As sentaças dos réus foi dada pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Jaboatão dos Guararapes, Carlos Fernando Carneiro Valença Filho.

Foto: Bruna Monteiro Esp.DP/D.A Press

Leandro confessou ter atirado em Suany. Foto: Bruna Monteiro Esp.DP/D.A Press

Em depoimento à Justiça, os réus Leandro e Lucas confessaram suas participações no crime. Leandro disse que estava arrependido do que havai feito e negou a informação de que conhecia a vítima. Lucas também admitiu sua participação na morte de Suany e disse ter sido convidado por Leandro para fazer o assalto. Ambos já estão presos no Centro de Triagem (Cotel).

Para o pai da auxiliar de almoxarifado, Antônio Rodrigues, as condenações são apenas um alívio. “Isso não trará a minha filha de volta, mas sei que agora eles irão pagar pelo que fizeram. No entanto, ainda vou lutar para que Justiça consiga a condenação também do homem que emprestou a arma para eles fazem o assalto ao ônibus”, ressaltou.

Audiência de instrução do caso Suany acontece nesta quarta em Jaboatão

Está prevista para o início da tarde desta quarta-feira (12) a primeira audiência de instrução e julgamento criminal dos acusados de matarem a auxiliar de almoxarifado Suany Muniz Rodrigues, 33 anos, que foi asassinada no dia 20 de fevereiro do ano passado durante um assalto ao ônibus da linha Barra de Jangada/Curado IV. A morte de Suany foi destaque no Diario de Pernambuco.

Suany, que trabalhava no Estaleiro Atlântico Sul, foi baleada na cabeça dentro do coletivo. Ela ainda chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Dois homens envolvidos no crime foram presos e estão no Centro de Triagem, em Abreu e Lima. A vítima deixou uma filha de quatro anos que está sendo cuidado pelo pai e pelos avós.

PMs seguiram com o suspeito para o IML. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

Um dos suspeitos foi preso pela Polícia Militar. Foto: Wagner Oliveira/DP/D.A.Press

De acordo com o pai de Suany, Antônio Rodrigues, a audiência acontece no novo Fórum de Jaboatão dos Guararapes, na BR-101 Sul. Parentes e amigos da vítima estarão no local com cartazes pedindo justiça para o crime.

A coincidência, o crime e o pedido de perdão do homem que apertou o gatilho

A auxiliar de almoxarifado Suany Muniz Rodrigues, 33 anos, pode ter sido asassinada por que reconheceu Leandro Assis da Silva, 29, durante o assalto ao ônibus da linha Barra de Jangada/Curado IV na noite da última quarta-feira. Após ser preso, o autor confesso do tiro que matou Suany afirmou que o tiro foi acidental e disse que seu pai, que também teria trabalhado no estaleiro com ele, reconheceu Suany já após o crime, nas fotos divulgadas na imprensa. Suany também trabalhava no Estaleiro. “Para esclarecer essas dúvidas, vamos colher depoimentos do motorista, do cobrador e algumas testemunhas”, disse a delegada Andréa Busch.

Polícia divulgou imagens do ônibus. Foto: SDS/Divulgação

A polícia procura outros dois suspeitos. Na manhã desse sábado, uma arma foi apreendida com dois adolescentes e a polícia suspeita que seja o revólver que matou Suany. Dos dois procurados, um assaltou o ônibus com Leandro e o outro emprestou a arma, um revólver calibre 38. Uma adolescente de 16 anos chegou à delegacia acompanhada de agentes. Ela é namorada de um homem apelidado de Monstro, que teria emprestado a arma. Na casa onde a garota estava foram encontradas dez balas de revólver calibres 38 e de uma pistola .45. Segundo a delegada Busch, Leandro alegou que foi convidado por um homem chamado Lucas Joaby da Silva para participar do assalto. “Ele contou ainda que ficou com dois telefones celulares e que os trocou por crack”, acrescentou a delegada.

Leandro confessou crime e disse que tiro foi acidente. Foto: Wagner Oliveira/DP.D.A.Press

A polícia divulgou as imagens do circuito interno do ônibus que mostram toda a movimentação dos dois suspeitos dentro do veículo. Depois de a dupla recolher os pertences de alguns passageiros, Leandro atirou em Suany e os criminosos desceram pela porta traseira. Antes de seguir para o presídio, Leandro disse que estava arrependido do crime. “Quero pedir perdão pelo que fiz”, disse o suspeito.

Emoção
O pai de Suany, Antônio Rodrigues, 57, esteve na Delegacia de Prazeres e se emocionou quando viu o Leandro sendo levado ao presídio. “A prisão dele me confortou um pouco. Agora sei que esse homem não vai mais tirar a vida de ninguém. Até agora não contamos à minha neta que a ‘mainha’ dela morreu. Vai ser uma tarefa muito difícil e vamos precisar da ajuda de psicólogos”, explicou.

Do Diario de Pernambuco

Leia mais sobre o assunto em:

Missão cumprida

Assalto, tiro, morte e muita revolta